Base de dados : LILACS
Pesquisa : 384071 [Identificador único]
Referências encontradas : 1 [refinar]
Mostrando: 1 .. 1   no formato [Detalhado]

página 1 de 1

  1 / 1 LILACS  
             
seleciona
para imprimir
Fotocópia
experimentalDocumentos relacionados
Id: 384071
Autor: Alves, Leósarte; Zilberstein, Bruno; Trevenzol, Hélio Ponciano; Penhavel, Felix André Sanches; Neder, Joel.
Título: Operação de Serra-Dória no tratamento do megaesôfago chagásico avançado: resultados imediatos / Serra-Dória surgical procedure in the treatment of advanced megaesophagus: immediate results
Fonte: ABCD arq. bras. cir. dig;16(3):120-123, jul.-set. 2003. tab.
Idioma: pt.
Resumo: Racional - No tratamento cirúrgico do megaesôfago está bem aceita e determinada, a operação conservadora de cardiomiotomia associada à gastrofundoplicatura para grupos não avançados. Para o grupo avançado onde a atonia do esôfago é maior com grande dilatação do órgão, ainda não existe consenso quanto a melhor intervenção. Objetivo - O objetivo deste estudo foi analisar os resultados imediatos (até 30 dias) da operação de Serra-Dória no tratamento do megaesôfago avançado (GIV) com ou sem sutura mecânica. Cauística e Método - Foram analisados os prontuários de 50 pacientes todos com megaesôfago avançado (GIV) no período de 1988 a 2002, 98% com sorologia positiva para doença de Chagas. Trinta e sete eram do sexo masculino e 13 feminino. Dos prontuários avaliados apenas 20 foram retrospectivos sendo os outros 30 acompanhados prospectivamente. Resultados - As idades variaram de 22 a 80 anos com média de 51,6 anos. Nesta série 58% dos pacientes apresentavam algum tipo de alteração cardiológica e 24% tinham alterações pulmonares. Quanto ao risco anestésico somente 14% apresentavam ASA 1. Destes pacientes 44% estavam emagrecidos tendo sido operados com o IMC inferior a 19. A média do tempo operatório foi de 246 minutos com sutura manual e 163,4 minutos com sutura mecânica. Apenas 22% necessitaram acompanhamento em UTI após a cirurgia. A complicação mais importante no pós-operatório imediato foi hemorragia digestiva alta que ocorreu em cinco (10%) pacientes. Destes, três necessitaram de transfusões de hemoderivados. Um (2%) paciente foi óbito por acidente vascular cerebral no 1. dia de pós-operatório. O reinício da alimentação por via oral ocorreu em 66% no 4. dia de pós-operatório e alta hospitalar entre 6. e 9.No 30. dia de pós-operatório apenas três (7,5%) pacientes ainda se queixavam de disfagia, sendo leve em dois (5%) e grave em um (2,5%). Conclusão - A operação de Serra-Doria é boa opção cirúrgica para o tratamento do megaesôfago avançado e a aplicação de suturas mecânicas diminui o tempo operatório sem aumentar a morbidade.(AU)
Descritores: Doença de Chagas/cirurgia
Acalasia Esofágica/cirurgia
Procedimentos Cirúrgicos do Sistema Digestório/métodos
-Procedimentos Cirúrgicos do Sistema Digestório/efeitos adversos
Cuidados Pós-Operatórios
Cuidados Pré-Operatórios
Doença de Chagas/complicações
Acalasia Esofágica/etiologia
Fatores de Tempo
Suturas
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Adulto
Meia-Idade
Idoso
Responsável: BR1.1 - BIREME



página 1 de 1
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde