Base de dados : LILACS
Pesquisa : 577679 [Identificador único]
Referências encontradas : 1 [refinar]
Mostrando: 1 .. 1   no formato [Detalhado]

página 1 de 1

  1 / 1 LILACS  
             
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Costa, Ana Maria Duarte Dias
Texto completo
experimentalDocumentos relacionados
Id: 577679
Autor: Silva, Lucas Salles Freitas e; Costa, Ana Maria Duarte Dias; Terra, Fábio de Souza; Zanetti, Heloisa Helena Vieira; Costa, Rosane Dias; Costa, Marina Dias.
Título: Automedicação em acadêmicos de cursos de graduação da área da saúde de uma universidade privada do sul do estado de Minas Gerais / Self-medication in undergraduate degree courses in the health area of a private university in the southern state of Minas Gerais
Fonte: Odontol. clín.-cient;10(1), jan.-mar. 2011. tab.
Idioma: pt.
Resumo: Objetivo: Identificar a prática de automedicação em acadêmicos de cursos de graduação da área da saúde ea associação entre o sexo e essa prática. Métodos: Estudo epidemiológico, descritivo, transversal e quantitativo,realizado com 697 acadêmicos dos cursos de Medicina, Odontologia, Farmácia e Enfermagem de umauniversidade privada. Na coleta de dados, foi utilizado um questionário, contendo variáveis relacionadas àautomedicação. Os dados foram inseridos no GraphPad Prism 5, com aplicação do Teste ANOVA e comparação múltipla. Resultados: Houve um alto índice de acadêmicos que se automedicam (93,11%), sendo nocurso de Medicina a maior frequência (94,55%). Os medicamentos mais utilizados foram analgésicos, antitérmicose fármacos para resfriados e gripes, e os principais sintomas/doenças que eles acreditavam possuir foramresfriado/gripe e dor de cabeça. Em todos os cursos avaliados, houve predomínio de mulheres na automedicação,tendo diferença significante (p<0,05). A maioria dos acadêmicos que se automedicam recorre ao aconselhamento com farmacêutico/balconista, aos conselhos de terceiros, aos conhecimentos adquiridosna faculdade e às instruções da bula. Conclusão: A automedicação é um fenômeno nocivo à saúde, cabendoaos profissionais e acadêmicos dessa área se conscientizarem quanto a esta prática.(AU)

Objective: To identify the practice of self medication made by undergraduate degree health area?scourses and the association between sex and this practice. Methods: Epidemiological study, descriptive,transversal and quantitative study conducted with 697 academics that course Medicine, Dentistry,Pharmacy and Nursing, in a private university. During data collection, a questionnaire was used, containingvariables related to self-medication. Data were entered into GraphPad Prism 5, with an applicationof ANOVA and multiple comparisons. Results: There was a high rate of students who self-medicate(93.11%), and in the medical school this practice is more often (94.55%). The most widely used drugswere analgesics, antipyretics and medicines for colds and flu, and the main symptoms / illnesses thatthey believed they had been cold / flu and headaches. In all courses evaluated, women predominatedin self, and that was with a significant difference (p <0.05). Most academics who resorts to self--medicate with pharmacist counseling / clerk, advice from others, the knowledge gained in collegeand the label instructions. Conclusion: Self-medication is a phenomenon harmful to health. It is up to professionals and academics in this area are made aware about this practice.(AU)
Descritores: Automedicação
Medicamentos sem Prescrição
Universidades
Estudantes de Ciências da Saúde
Responsável: BR310.1 - Biblioteca Professor Guilherme Simões Gomes



página 1 de 1
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde