Base de dados : BBO
Pesquisa : D03.633.300.953.275.390 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 5 [refinar]
Mostrando: 1 .. 5   no formato [Longo]

página 1 de 1

  1 / 5 BBO  
              next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: biblio-880165
Autor: Bim Junior, Odair.
Título: Efeito de adição de rodamina B e fluoresceína sódica a sistemas adesivos não simplificados: aspectos fotofísicos e físico-químicos / Effect of addition of rhodamine B and fluorescein to conventional etch-and-rinse and self-etching adhesive systems: photophysical and physical-chemical aspects.
Fonte: Bauru; s.n; 2017. 143 p. tab, ilus, graf.
Idioma: pt.
Tese: Apresentada a Universidade de São Paulo. Faculdade de Odontologia de Bauru para obtenção do grau de Doutor.
Resumo: A adição de corantes fluorescentes a adesivos odontológicos possibilita a investigação da distribuição espacial desses materiais na interface dente-restauração, utilizando-se a microscopia confocal de varredura a laser (MCVL). A literatura indica falta de padronização na aplicação de agentes fluorescentes com tal finalidade. Esse estudo sistematizou estratégias para a adição de rodamina B (RB) e fluoresceína sódica (FS) a um sistema adesivo convencional de três passos, Adper Scotchbond Multi-Purpose (MP), e um autocondicionante de dois passos, Clearfil SE Bond (SE), considerados "padrão-ouro" na Odontologia. Os objetivos principais foram (a) determinar a menor faixa de concentrações de RB e FS necessária para produzir imagens satisfatórias da interface dentina-adesivo e (b) avaliar o efeito da adição desses corantes sobre algumas propriedades das resinas. Os adesivos foram marcados com RB ou FS em concentrações decrescentes (0,5, 0,1, 0,02 e 0,004 mg/mL) por meio de um método de dispersão semidireto. O comportamento fotofísico/ fluorescente dos adesivos marcados foi investigado por espectroscopia de fotoluminescência e MCVL. Paralelamente, avaliaram-se os adesivos quanto ao grau de conversão (GC) e ao ângulo de contato (AC). Tanto os resultados de GC como os de AC foram submetidos à análise de variância com dois fatores (adesivo e tratamento) com α = 0,05, seguida de teste post-hoc de Tukey. Os máximos comprimentos de onda de emissão e de excitação da RB e da FS foram influenciados pelo meio polimérico e pela concentração de corante de modo geral. A MCVL preliminar de amostras de adesivo polimerizado, realizada sob condições experimentais padronizadas, mostrou que o comportamento fluorescente da RB em MP e SE foi muito semelhante na mesma concentração de corante, mas o mesmo não pôde ser dito do comportamento da FS, que foi notavelmente inferior no adesivo autocondicionante, SE, na concentração mais alta. Em dentina, os adesivos preparados com RB nas concentrações-alvo de 0,1 e 0,02 mg/mL apresentaram fluorescência ótima; já aqueles preparados com 0,004 mg/mL produziram fraco sinal. Adesivos preparados com FS a 0,5 mg/mL apresentaram ótima fluorescência na interface de adesão, enquanto que concentração menor desse corante não produziu sinal suficiente. Padrões morfológicos aparentemente atípicos foram observados na interface de adesão, quando da associação do adesivo SE com o corante FS. A adição de RB e FS nas quatro concentrações indicadas aos adesivos MP e SE não afetou o GC nem o AC em comparação com os grupos de controle correspondentes. Em suma, a RB mostra-se um corante mais versátil que a FS na avaliação morfológica das interfaces dentina-MP e dentina-SE via MCVL. A menor faixa de concentrações de RB nos adesivos MP e SE, na qual é possível produzir imagens satisfatórias das interfaces, situa-se entre 0,1­0,02 mg/mL. Já o corante FS deve ser adicionado a esses adesivos a pelo menos 0,5 mg/mL para produzir níveis de fluorescência satisfatórios na interface de adesão. A não ocorrência de efeitos deletérios sobre a polimerização e a molhabilidade das resinas estabelece uma margem de segurança para a incorporação desses agentes fluorescentes (em concentração ≤ 0,5 mg/mL) nesses sistemas monoméricos.(AU)

The addition of fluorescent dyes to dental adhesives makes it possible to investigate the spatial distribution of such resin-based materials in the tooth-restoration interface, using confocal laser scanning microscopy (CLSM). Literature indicates a lack of standardization on the application of fluorescent agents for this purpose. This work presents strategies for adding rhodamine B (RB) and fluorescein sodium salt (FS) to a three-step etch-and-rinse adhesive system, Adper Scotchbond Multi-Purpose (MP), and a two-step self-etching one, Clearfil SE Bond (SE), both regarded as "gold standard" in restorative dentistry. The main objectives were (a) to determine the lowest range of RB and FS concentrations required to produce suitable images of the dentin-adhesive interface via CLSM and (b) to investigate potential effects of addition of these dyes on some resin properties. The adhesives were labeled with RB or FS at decreasing concentrations (0.5, 0.1, 0.02 and 0.004 mg/mL) by means of a semi-direct dispersion method. The photophysical/fluorescent behavior of the labeled resins was investigated by photoluminescence spectroscopy and by CLSM. The adhesives were also investigated with regards to the degree of conversion (DC) and contact angle (CA). A two-way ANOVA of "adhesive" and "treatment" was conducted on DC and CA separately, followed by Tukey's test. The maximum emission and excitation wavelengths of RB and FS were influenced by the host polymer and the dye concentration in general. The preliminary CLSM of cured adhesive samples, performed with standardized settings, showed that the fluorescent behavior of RB in MP and SE was very similar in the same dye concentration, unlike the behavior of FS, which was lower in the self-etching adhesive for the highest dye concentration. In dentin, the adhesives prepared with RB at the target concentrations of 0.1 and 0.02 mg/mL presented optimal fluorescence; those with 0.004 mg/mL produced poor signal. Adhesives prepared with FS at 0.5 mg/mL presented optimal fluorescence at the bonding interface, whereas lower concentrations of FS did not produce sufficient signal. Atypical morphological features were observed at the bonding interface, when adhesive SE was used with FS. The addition of RB and FS at the four decreasing concentrations to adhesives MP and SE did not affect DC or CA compared to the corresponding controls. In short, RB is more versatile than FS for the morphological characterization of dentin-MP and dentin-SE interfaces via MCVL. The lowest range of RB concentrations in adhesives MP and SE that can produce suitable images of the bonding interface lies between 0.1­0.02 mg/mL. The dye FS should be added to these adhesives at 0.5 mg/mL at least to produce satisfactory fluorescence levels at the bonding interface. Since negative effects on polymerization and wettability of the resins were not observed, the use of RB and FS (in concentration ≤ 0.5 mg/mL) together with MP and SE should be reliable in terms of resin properties.(AU)
Responsável: BR28.1 - Serviço de Biblioteca e Documentação Professor Doutor Antônio Gabriel Atta
BR28.1, B51e


  2 / 5 BBO  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: biblio-862191
Autor: Almeida, José Vanderlei de.
Título: Infiltração marginal em cavidades protegidas com cimentos de hidróxido de cálcio e verniz cavitário, restauradas com amálgama / Microleakage in amalgam restorations protected with calcium hydroxide cements and cavity varnish.
Fonte: Bauru; s.n; 1983. 113 p.
Idioma: pt.
Tese: Apresentada a Universidade de São Paulo. Faculdade de Odontologia de Bauru para obtenção do grau de Mestre.
Responsável: BR28.1 - Serviço de Biblioteca e Documentação Professor Doutor Antônio Gabriel Atta
BR28.1


  3 / 5 BBO  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: biblio-862157
Autor: Anjos, Neuza Maria dos.
Título: Avaliação "in vitro" do potencial de infiltração de corantes, em função do tempo e do veículo usado, em obturações de canais radiculares / \"In vitro\" evaluation of the potential of dye leakage, through time and of spreader used, in root canal fillings.
Fonte: Bauru; s.n; 1985. 101 p.
Idioma: pt.
Tese: Apresentada a Universidade de São Paulo. Faculdade de Odontologia de Bauru para obtenção do grau de Mestre.
Responsável: BR28.1 - Serviço de Biblioteca e Documentação Professor Doutor Antônio Gabriel Atta
BR28.1


  4 / 5 BBO  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: biblio-862060
Autor: Sousa, Maria Cristina de.
Título: Avaliação "in vitro" da infiltração marginal em obturações de canais radiculares, em função de corantes marcadores, tempos de imersão nestes e tipos de cimentos obturadores / \"In vitro\" evaluation of the microleakage in root canal obturations, in fuction of dyes, immersion times and root canal cement types.
Fonte: Bauru; s.n; 1991. 97 p.
Idioma: pt.
Tese: Apresentada a Universidade de São Paulo. Faculdade de Odontologia de Bauru para obtenção do grau de Mestre.
Responsável: BR28.1 - Serviço de Biblioteca e Documentação Professor Doutor Antônio Gabriel Atta
BR28.1


  5 / 5 BBO  
              first record previous record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: lil-222486
Autor: Sousa, Maria Cristina de; Bernardinelli, Norberti; Berbert, Alceu.
Título: Infiltraçäo de corante em obturaçöes de canais radiculares em funçäo de cimentos e tempos de imersäo / Marginal leakage at the interface root canal/filling using different cements and immersion times
Fonte: Rev. Fac. Odontol. Bauru;2(2):23-8, abr. 1994. ilus, tab.
Idioma: pt.
Resumo: O canal radicular de 160 dentes foi obturado com OZE ou Sealapex. Após a impermeabilizaçäo radicular eles foram imersos em azul de metileno a 2 por cento, fluoresceína a 2 por cento, violeta de genciana a 2 por cento e rhodamina B a 1 por cento, onde permaneceram por 24 ou 168 horas. Foram a seguir, secionados longitudinalmente, procedendo-se as leituras específicas da microinfiltraçäo. As maiores magnitudes de infiltraçäo foram observadas com a fluoresceína e a rhodamina B, seguindo-se o azul de metileno e a violeta de genciana, sendo que o azul de metileno apresentou a menor variedade e a fluorescína a maior. O cimento Sealapex mostrou-se melhor selador que o OZE
Responsável: BR28.1 - Serviço de Biblioteca e Documentação Professor Doutor Antônio Gabriel Atta



página 1 de 1
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde