Base de dados : BBO
Pesquisa : D12.776.124.486.485.114.619.312 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 1 [refinar]
Mostrando: 1 .. 1   no formato [Longo]

página 1 de 1

  1 / 1 BBO  
             
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: lil-138495
Autor: Gomez, Ricardo Santiago.
Título: Estudo imunohistoquímico da gengivite-HIV / Immunohistochemical study of HIV-gingivitis.
Fonte: Säo Paulo; s.n; 1993. 89 p. ilus, tab.
Idioma: pt.
Tese: Apresentada a Universidade de Säo Paulo. Faculdade de Odontologia para obtenção do grau de Doutor.
Resumo: A infecçäo pelo vírus HIV induz profundas alteraçöes no sistema imune do hospedeiro, incluindo perda dos linfócitos T CD4+, supressäo das respostas a antígenos T-dependentes e ativaçäo anormal dos linfócitos B. Diversas entidades patológicas säo observadas durante o curso da infecçäo por este vírus, sendo que algumas destas, como a doença periodontal inflamatória (DPI), apresentam alto grau de morbidade. Alguns estudos clínicos e microbiológicos demonstram importantes diferenças entre a gengivite-HIV e a gengivite inespecífica (pacientes HIV-negativos), embora a nível histopatológico näo exista nenhum estudo comparativo entre elas. O objetivo deste trabalho foi avaliar quantitativamente o número de linfócitos T, linfócitos T "auxiliares", linfócitos B, macrófagos, células de Langerhans, neutrófilos, plasmócitos secretores de IgG, IgM, IgE e IgA na gengivite-HIV comparado com a gengivite inespecífica. Esta avaliaçäo foi baseada na identificaçäo imunohistoquímica pela Técnica da Streptavidina-Biotina dos seguintes antígenos: CD3 (linfócitos T), OPD4 (linfócitos T "auxiliares"), CD20 (linfócitos B), CD68 (macrófagos), S-100 (células de Langerhans), elastase (neutrófilos), IgG, IgM, IgE e IgA (plasmócitos secretores de IgG, IgM, IgE e IgA, respectivamente). Os resultados mostraram maior percentual de linfócitos T, linfócitos T "auxiliares" e macrófagos na gengivite inespecífica. O número de células intraepiteliais S-100 positivas ( células de Langerhans) por campo foi maior também na gengivite inespecífica comparado com a gengivite-HIV. A gengivite-HIV apresentou percentuais maiores de plasmócitos IgG positivos e neutrófilos em relaçäo à gengivite inespecífica. Estes resultados indicam que a severidade da DPI em pacientes HIV-positivos deve estar relacionada com a própria imunodepressäo celular presente na doença e enfatizam a importância dos linfócitos T na defesa do periodonto. Os dados encontrados sugerem também que a predominância de plasmócitos e neutrófilos no infiltrado inflamatório periodontal constitui um quadro mais compatível com lesäo destrutiva
Responsável: BR97.1 - Serviço de Documentação Odontológica
BR97.1



página 1 de 1
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde