Base de dados : LILACS
Pesquisa : 488524 [Identificador único]
Referências encontradas : 1 [refinar]
Mostrando: 1 .. 1   no formato [Detalhado]

página 1 de 1

  1 / 1 LILACS  
             
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
experimentalDocumentos relacionados
Id: 488524 LILACS-Express
Autor: Hueb, Thiago Ovanessian.
Título: Doença de Alzheimer / Alzheimer's disease
Fonte: RBM rev. bras. med;65(4):90-95, abr. 2008. tab.
Idioma: pt.
Resumo: Descrita inicialmente em uma mulher com sintomas parecidos com demência, manifestando-se com idéias delirantes, graus de confusão mental, seguido de declínio cognitivo progressivo, evoluindo para a morte após quatro anos do surgimento da enfermidade. A doença de Alzheimer é a causa mais comum de demência senil e pré-senil. Raramente apresenta os sintomas antes dos 50 anos de idade. Acomete 5% a 10% dos pacientes acima de 65 anos e 20% a 40% daqueles acima de 85 anos. A maioria dos casos é de apresentação isolada, todavia, em 5% a 10% dos casos tem ocorrência familiar. Tem como fatores de risco a idade avançada e história familiar positiva. Sua manifestação é a perda lenta e gradual das funções cognitivas, entendido como o acometimento do aprendizado e realização de tarefas, abrangendo memória anterógrada, reconhecimento, linguagem, destreza, raciocínio e resolução de problemas. As bases histológica e fisiopatológica da enfermidade se fundamentam na depleção de acetilcolina (Ach), pela redução da colina-acetiltransferase e dos receptores nicotínicos de Ach. Outros neurotransmissores estão envolvidos, tanto na gênese quanto na apresentação clínica da doença, dentre eles se destacam a serotonina, a noradrelina e a dopamina. Acredita-se que a degeneração neuronal se deve ao acúmulo de placas senis (compostas por proteína Ab-amilóide) no interstício interneuronal e por novelos neurofibrilares no citoplasma celular. Embora o exame anatomopatológico do tecido cerebral permaneça essencial ao diagnóstico definitivo da doença, a combinação da avaliação clínica e dos métodos radiológicos modernos permite um diagnóstico preciso em 80% a 90% dos casos. O tratamento se baseia em drogas inibidoras da enzima acetilcolineterase responsável pela destruição do neurotransmissor acetilcolina na fenda sináptica. Recentes avanços no conhecimento genético e imunomodulador têm revelado esperanças no controle da doença. Resultados mais animadores são observados nas fases iniciais da...(AU)
Responsável: BR1.1 - BIREME



página 1 de 1
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde