Base de dados : LILACS
Pesquisa : A09.371.199 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 21 [refinar]
Mostrando: 1 .. 10   no formato [Detalhado]

página 1 de 3 ir para página          

  1 / 21 LILACS  
              next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-1131608
Autor: Balsak, Selahattin.
Título: Effects of pupillary dilation on ocular optical biometry outcomes in pediatric patients / Efeitos da dilatação pupilar nos resultados da biometria óptica ocular em pacientes pediátricos
Fonte: Arq. bras. oftalmol;83(4):289-293, July-Aug. 2020. tab, graf.
Idioma: en.
Resumo: ABSTRACT Purpose: Pharmacological pupillary dilation is performed in comprehensive ophthalmological examinations and before biometric measurements. So far, there is no consensus regarding its impact on biometric measurements. This study's aim was to investigate the effects of pharmacological pupillary dilation on ocular biometric measurements in healthy children. Methods: This was a prospective, observational, non-randomized study of children (4-18 years of age) who were admitted for routine ophthalmological examination. Biometric measurements were performed, using a non-contact optical biometry device, both before and after pharmacological pupillary dilation with cyclopentolate hydrochloride. Intraocular lens power calculations were performed using Hill-RBF, Barrett, Olsen, Sanders-Retzlaff-Kraff/Theoretical, Holladay, and Hoffer Q formulas. Descriptive statistical analyses were also performed. The Wilcoxon signed-rank test was used to compare measurements before and after pharmacological pupillary dilation. Relationships between variables were analyzed using the Spearman-Brown rank correlation coefficient. Results: The study included 116 eyes of 58 children (mean age, 8.4 ± 0.32 years; 34 girls). Significant changes were observed after pupillary dilation, compared with before pupillary dilation, in terms of anterior chamber depth, aqueous depth, and central corneal and lens thicknesses. No significant change was observed in axial length. Intraocular lens power calculations revealed no significant changes after pupillary dilation in most formulas except for the Olsen formula. The intraocular lens power was significantly inversely correlated with axial length and anterior chamber depth. Conclusions: Pharmacological pupillary dilation in children appeared to have no impact on axial length and intraocular lens power, but caused a significant increase in anterior chamber depth. The difference in anterior chamber depth measurements before and after pupillary dilation could be related to the optical biometry device model used. These outcomes should be considered in intraocular lens power calculations performed using anterior chamber depth parameters.

RESUMO Objetivo: A dilatação pupilar farmacológica é realizada em exames oftalmológicos abrangentes e antes das medições biométricas. Até o momento, não há consenso sobre seu impacto nas medições biométricas. O objetivo deste estudo foi investigar os efeitos da dilatação pupilar nas medidas biométricas oculares em crianças saudáveis. Métodos: Estudo prospectivo, observacional e não randomizado de crianças (4-18 anos) que foram admitidas para exame oftalmológico de rotina. As medidas biométricas foram realizadas usando um dispositivo de biometria óptica sem contato, antes e após a dilatação pupilar farmacológica com cloridrato de ciclopentolato. Os cálculos de potência das lentes intraoculares foram realizados utilizando as fórmulas de Hill-RBF, Barrett, Olsen, Sanders-Retzlaff-Kraff/ Teórica, Holladay e Hoffer Q. Análises estatísticas descritivas também foram realizadas. O teste dos postos sinalizados de Wilcoxon foi usado para comparar as medidas antes e após a dilatação pupilar farmacológica. As relações entre as variáveis foram analisadas pelo coeficiente de correlação de Spearman-Brown. Resultados: O estudo incluiu 116 olhos de 58 crianças (idade média de 8,4 ± 0,32 anos; 34 meninas). Alterações significativas foram observadas após a dilatação pupilar, em termos de profundidade da câmara anterior, profundidade do humor aquoso e espessura central da córnea e do cristalino. Nenhuma mudança significativa ocorreu no comprimento axial. Os cálculos de potência da lente intraocular não revelaram alterações significativas após a dilatação pupilar na maioria das fórmulas, com exceção da fórmula Olsen. O poder da lente intraocular foi significativamente inversa correlacionada com o comprimento axial e a profundidade da câmara anterior. Conclusões: A dilatação pupilar farmacológica em crianças parece não ter impacto no comprimento axial e no poder da lente intraocular, mas causou um aumento significativo na profundidade da câmara anterior. A diferença nas medidas da profundidade da câmara anterior antes e após a dilatação pupilar pode estar relacionada ao modelo do dispositivo de biometria óptica utilizado. Tais resultados devem ser considerados nos cálculos de potência da lente intraocular realizados usando parâmetros de profundidade da câmara anterior.
Descritores: Biometria
Dilatação
Comprimento Axial do Olho/diagnóstico por imagem
Câmara Anterior/anatomia & histologia
Câmara Anterior/diagnóstico por imagem
-Refração Ocular
Estudos Prospectivos
Óptica e Fotônica
Lentes Intraoculares
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Pré-Escolar
Criança
Adolescente
Responsável: BR1.1 - BIREME


  2 / 21 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-1153113
Autor: Bahar, Alperen; Pekel, Gökhan.
Título: The effects of pharmacological accommodation and cycloplegia on axial length and choroidal thickness / Efeitos da acomodação farmacológica e da cicloplegia no comprimento axial e na espessura da coroide
Fonte: Arq. bras. oftalmol;84(2):107-112, Mar,-Apr. 2021. tab.
Idioma: en.
Resumo: ABSTRACT Purpose: To investigate the effects of pharmacological accommodation and cycloplegia on ocular measurements. Methods: Thirty-three healthy subjects [mean (±SD) age, 32.97 (±5.21) years] volunteered to participate in the study. Measurement of the axial length, macular and choroidal thickness, refractive error, and corneal topography, as well as anterior segment imaging, were performed. After these procedures, pharmacological accommodation was induced by applying pilocarpine eye drops (pilocarpine hydrochloride 2%), and the measurements were repeated. The measurements were repeated again after full cycloplegia was induced using cyclopentolate eye drops (cyclopentolate hydrochloride 1%). The correlations between the measurements were evaluated. Results: A significant increase in subfoveal choroidal thickness after applying 2% pilocarpine was identified (without the drops, 319.36 ± 90.08 µm; with pilocarpine instillation, 341.60 ± 99.19 µm; with cyclopentolate instillation, 318.36 ± 103.0 µm; p<0.001). A significant increase in the axial length was also detected (without the drops, 23.26 ± 0.83 mm; with pilocarpine instillation, 23.29 ± 0.84 mm; with cyclopentolate instillation, 23.27 ± 0.84 mm; p=0.003). Comparing pharmacological accommodation and cycloplegia revealed a significant difference in central macular thickness (with pilocarpine instillation, 262.27 ± 19.34 µm; with cyclopentolate instillation, 265.93 ± 17.91 µm; p=0.016). Pilocarpine-related miosis (p<0.001) and myopic shift (p<0.001) were more severe in blue eyes vs. brown eyes. Conclusion: Pharmacological accommodation may change ocular measurements, such as choroidal thickness and axial length. This condition should be considered when performing ocular measurements, such as intraocular lens power calculations.(AU)

RESUMO Objetivo: Investigar os efeitos da acomodação farmacológica e da cicloplegia nas medições oculares. Métodos: participaram do estudo 33 voluntários saudáveis (média de idade [± DP], 32,97 anos [± 5,21 anos]). Foram medidos o comprimento axial, a espessura macular e coroidal e o erro refrativo, bem como realizados exames de imagem da topografia corneana e do segmento anterior. Em seguida, foi induzida a acomodação farmacológica aplicando-se colírio de pilocarpina (cloridrato de pilocarpina a 2%) e as medições foram repetidas nos participantes. As mesmas medições foram repetidas depois de induzir a cicloplegia completa com colírio de ciclopentolato (cloridrato de ciclopentolato a 1%) e foram avaliadas as correlações entre as medidas. Resultados: Identificou-se aumento significativo da espessura coroidal subfoveal com o uso da pilocarpina a 2% (sem colírio, 319,36 ± 90,08 µm; com a instilação de pilocarpina, 341,60 ± 99,19 µm; com a instilação de ciclopentolato, 318,36 ± 103,0 µm; p<0,001). Detectou-se também aumento significativo do comprimento axial (sem colírio, 23,26 ± 0,83 mm; com a instilação de pilocarpina, 23,29 ± 0,84 mm; com a instilação de ciclopentolato, 23,27 ± 0,84 mm; p=0,003). Ao se comparar a acomodação farmacológica e a cicloplegia, houve diferença significativa na espessura macular central (com a instilação de pilocarpina, 262,27 ± 19,34 µm; com a instilação de ciclopentolato, 265,93 ± 17,91 µm; p=0,016). Observou-se que a miose associada à pilocarpina (p<0,001) e o desvio miópico (p<0,001) foram mais severos nos olhos azuis que nos castanhos. Conclusão: A acomodação farmacológica pode alterar medidas oculares como a espessura da coroide e o comprimento axial. Essa possibilidade deve ser levada em consideração ao se efetuarem medições oculares, tais como cálculos de potência de lentes intraoculares.(AU)
Descritores: Corioide/anatomia & histologia
Acomodação Ocular
-Pilocarpina/farmacologia
Topografia da Córnea/instrumentação
Comprimento Axial do Olho/anatomia & histologia
Midriáticos/farmacologia
Limites: Humanos
Tipo de Publ: Relatos de Casos
Responsável: BR1.1 - BIREME


  3 / 21 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-1137987
Autor: Rodrigues, Francisco Wellington; Freitas, Maria Paula Bessa de; Oliveira, Juliane Nogueira de; Silva, Rodrigo Egídio da; Chater, Salim Bosco; Chater Filho, Jamil.
Título: Analise dos dados biométricos gerados por interferometria comparada com Scheimpflug / Analysis of biometric data generated by interferometry compared with Scheimpflug
Fonte: Rev. bras. oftalmol;79(5):289-293, set.-out. 2020. tab.
Idioma: pt.
Resumo: Resumo Objetivo: Observar o grau de concordância das variáveis analisadas entre os dispositivos IOL Master 500 e Pentacam AXL e descrever as medias Métodos: Foram analisados 35 prontuários, totalizando 61 olhos. Todos os pacientes se submeteram à avaliação biométrica nos dois dispositivos, no período de agosto de 2018 a agosto de 2019. Os dados coletados foram: idade, sexo, profundidade da câmara anterior, comprimento axial, K1, K2, poder dióptrico da LIO e alvo refracional. Resultados: As médias das variáveis analisadas entre os dispositivos de biométricos óptica em questão tiveram diferença estatisticamente significante (p<0,05). A regressão linear não apontou influência de nenhuma das variáveis da câmara anterior na diferença de valores do poder dióptrico da LIO e do alvo refracional entre os dispositivos. Conclusão: Não houve concordância estatística entre os dispositivos para as variáveis analisadas. Portanto, deve se evitar intercambiar o uso do Pentacam AXL com o IOL Master 500.

Abstract Objective: Observe the agreement between IOL Master 500 and Pentacam AXL and describe the averages. Methods: We analyzed 35 medical records, totaling 61 eyes. All patients underwent biometric evaluation on both devices from August 2018 to August 2019. The data collected were: age, gender, anterior chamber depth, axial length, K1, K2, biometrics and IOL target. Results: The averages of the variables analyzed between the optical biometric devices in question had a statistically significant difference (p <0.05). Linear regression showed no influence of any anterior chamber variables on the difference in biometrics and target values between the devices. Conclusion: There was no statistical agreement between the devices for the analyzed variables. Therefore, the interchange of Pentacam AXL with IOL Master 500 should be avoided.
Descritores: Refração Ocular
Biometria
Comprimento Axial do Olho
Lentes Intraoculares Multifocais
Interferometria
Limites: Humanos
Masculino
Pessoa de Meia-Idade
Idoso
Tipo de Publ: Estudo Comparativo
Responsável: BR1.2 - Biblioteca Central


  4 / 21 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-787329
Autor: Gunes, Alime; Yigit, Musa; Tok, Levent; Tok, Ozlem.
Título: Evaluation of anterior segment parameters in patients with pseudoexfoliation syndrome using Scheimpflug imaging / Avaliação de parâmetros do segmento anterior por imagem Scheimpflug em pacientes com síndrome de pseudoexfoliação
Fonte: Arq. bras. oftalmol;79(3):177-179tab.
Idioma: en.
Resumo: ABSTRACT Purpose: To evaluate anterior segment parameters in patients with pseudoexfoliation syndrome (PXS) using Scheimpflug imaging. Methods: Forty-three PXS patients and 43 healthy control subjects were included in this cross-sectional study. All participants underwent a detailed ophthalmologic examination. Anterior segment parameters were measured using a Scheimpflug system. Results: Considering the PXS and control groups, the mean corneal thicknesses at the apex point (536 ± 31 and 560 ± 31 µm, respectively, p=0.001), at the center of the pupil (534 ± 31 and 558 ± 33 µm, respectively, p=0.001), and at the thinnest point (528 ± 30 and 546 ± 27 µm, respectively, p=0.005) were significantly thinner in PXS patients. Visual acuity was significantly lower (0.52 ± 0.37 versus 0.88 ± 0.23, p<0.001) and axial length was significantly longer (23.9 ± 0.70 mm versus 23.2 ± 0.90 mm, p=0.001) in the PXS eyes than in the control eyes. There were no statistically significant differences in the mean values of keratometry, anterior chamber angle, anterior chamber depth, corneal volume, and anterior chamber volume between the PXS and control eyes. Conclusions: The patients with PXS had thinner corneas, worse visual acuity, and longer axial length compared with those in the healthy controls.

RESUMO Objetivo: Avaliar os parâmetros do segmento anterior em pacientes com síndrome de pseudoexfoliação (PXS) utilizando imagens de Scheimpflug. Métodos: Quarenta e três pacientes com PXS e 43 indivíduos saudáveis foram incluídos neste estudo transversal. Todos os participantes foram submetidos ao exame oftalmológico detalhado. Parâmetros do segmento anterior foram medidos por sistema de Scheimpflug. Resultados: Considerando os grupos PXS e controle, respectivamente, as espessuras médias da espessura corneana no ápice (536 ± 31 µm e 560 ± 31 µm, p=0,001), no centro da pupila (534 ± 31 µm e 558 ± 33 µm, p=0,001), e no ponto mais fino (528 ± 30 µm e 546 ± 27 µm, p=0,005), foram significativamente mais finas em pacientes com PXS. A acuidade visual foi significativamente menor (0,52 ± 0,37 contra 0,88 ± 0,23, p<0,001) e comprimento axial foi significativamente maior (23,9 ± 0,70 milímetros contra 23,2 ± 0,90 milímetros, p=0,001) em olhos com PXS comparados com os olhos controle. Não houve diferenças estatisticamente significativas entre PXS e controle olhos em valores médios de ceratometria, ângulo da câmara anterior, profundidade da câmara anterior, volume da córnea e volume de câmara anterior. Conclusões: Os pacientes com PXS tem córneas mais finas, pior acuidade visual, e maior comprimento axial em comparação com controles saudáveis.
Descritores: Síndrome de Exfoliação/patologia
Segmento Anterior do Olho/patologia
-Tamanho do Órgão
Valores de Referência
Diagnóstico por Imagem/métodos
Acuidade Visual
Estudos de Casos e Controles
Glaucoma/patologia
Estudos Transversais
Síndrome de Exfoliação/diagnóstico por imagem
Estatísticas não Paramétricas
Técnicas de Diagnóstico Oftalmológico
Comprimento Axial do Olho/patologia
Pressão Intraocular
Segmento Anterior do Olho/diagnóstico por imagem
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Pessoa de Meia-Idade
Idoso
Idoso de 80 Anos ou mais
Responsável: BR1.1 - BIREME


  5 / 21 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-787335
Autor: Duru, Necati; Ulusoy, Döndü Melek; Özköse, Ayşe; Ataş, Mustafa; Karatepe, Arzu Seyhan; Ataş, Fatma; Arifoğlu, Hasan Basri; Yılmaz, Uğur.
Título: Choroidal changes in pre-eclampsia during pregnancy and the postpartum period: comparison with healthy pregnancy / Alterações da coroide na pré-eclâmpsia durante a gravidez e período pós-parto: comparação com a gravidez saudável
Fonte: Arq. bras. oftalmol;79(3):143-146tab, graf.
Idioma: en.
Resumo: ABSTRACT Purpose: To investigate subfoveal choroidal thickness (SFCT) in patients with pre-eclampsia using enhanced depth imaging optical coherence tomography (EDI-OCT). Methods: A sample of 73 pregnant women was studied over 28 weeks of gestation. The sample was divided into two groups: one comprising pre-eclamptic pregnant women (n=32), and the other comprising healthy pregnant women (n=41). The SFCT was determined for all patients using EDI-OCT during pregnancy and at the third month of the postpartum period. Results: The SFCTs in pre-eclamptic pregnant women were 351.97 ± 22.44 and 332.28 ± 20.32 µm during the pregnancy and postpartum periods (p<0.001), respectively, whereas these values in healthy pregnant women were 389.73 ± 49.64 and 329.78 ± 22.36 µm (p<0.001), respectively. During pregnancy SFCT in pre-eclamptic pregnant women was significantly thinner than that in healthy pregnant women (p<0.001). However, there was no statistically significant difference during the postpartum period (p=0.623). Conclusions: The results suggest that SFCT is significantly decreased in pre-eclamptic pregnant women than in healthy pregnant women, despite no statistically significant difference in SFCT existing between the groups during the postpartum period.

RESUMO Objetivo: Investigar espessura subfoveal coroidal (SFCT) em pacientes com pré-eclâmpsia usando imagens de tomografia de coerência óptica de profundidade otimizada (EDI-OCT). Método: Uma amostra de 73 mulheres grávidas foi estudado ao longo de 28 semanas de gestação. A amostra foi dividida em dois grupos: um com mulheres grávidas com pré-eclâmpsia (n=32), o outro com as mulheres grávidas saudáveis (n=41). SFCT foi determinada em todos os pacientes utilizando EDI-OCT durante a gravidez e no terceiro mês do período pós-parto. Resultados: Os SFCTs em gestantes com pré-eclâmpsia foram 351,97 ± 22,44 µm e 332,28 ± 20,32 µm durante o período de gravidez e pós-parto (p<0,001), respectivamente. Estes valores em mulheres grávidas saudáveis foram 389,73 ± 49,64 µm e 329,78 ± 22,36 µm (p<0,001), respectivamente. Durante a gravidez o SFCT foi significantemente mais fino em mulheres com pré-eclâmpsia quando comparado com as mulheres saudáveis (p<0,001). No entanto, não houve diferença estatisticamente significante no período pós-parto (p=0,623). Conclusões: Os resultados sugerem que SFCT é significativamente mais fino em gestantes com pré-eclâmpsia do que nas mulheres grávidas saudáveis, apesar de não haver diferença estatisticamente significativa na SFCT entre os grupos durante o período pós-parto.
Descritores: Pré-Eclâmpsia/patologia
Corioide/patologia
Período Pós-Parto/fisiologia
Fóvea Central/fisiopatologia
Fóvea Central/patologia
-Tamanho do Órgão
Pré-Eclâmpsia/fisiopatologia
Valores de Referência
Fatores de Tempo
Gravidez/fisiologia
Estudos de Casos e Controles
Estudos Transversais
Corioide/fisiopatologia
Idade Gestacional
Estatísticas não Paramétricas
Tomografia de Coerência Óptica/métodos
Comprimento Axial do Olho
Pressão Intraocular
Limites: Humanos
Feminino
Adolescente
Adulto
Adulto Jovem
Responsável: BR1.1 - BIREME


  6 / 21 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-794586
Autor: Germano, Renato Antunes Schiave; Hatanaka, Marcelo; Susanna Junior, Remo.
Título: Choroidal thickness variation in highly myopic eyes during the water drinking test / Variação da espessura de coroide em olhos alto míopes durante o teste de sobrecarga hídrica
Fonte: Arq. bras. oftalmol;79(4):214-217, July-Aug. 2016. tab.
Idioma: en.
Resumo: ABSTRACT Purpose: To evaluate variations in choroidal thickness (CT) during the water drinking test (WDT) in emmetropic eyes (EE) and highly myopic eyes (ME) using spectral-domain optical coherence tomography (SD-OCT). Methods: Clinical trial performed at a tertiary care hospital comprising 30 randomly selected eyes. The WDT and SD-OCT macular scans were performed 10 and 45 min after water ingestion in 15 myopic and 15 EE of 15 healthy patients in each group. Primary study outcomes were average macular CT measured by SD-OCT and intraocular pressure (IOP) during the WDT. Results: The mean spherical equivalent refraction was 0.15 ± 0.24 D in emmetropic and -7.1 ± 1.75 D in ME (p<0.001). No statistical differences between EE and ME were observed during the WDT response. EE had higher CT compared with ME at the fovea (361.4 ± 55.4 vs 257.9 ± 95.3; p<0.001), 3 mm nasal to the fovea (158.0 ± 71.8 vs 122.5 ± 54.5; p =0.047), and 3 mm temporally to the fovea (310.6 ± 52.4 vs 247.6 ± 90.1; p=0.05). Regarding CT variation, significant differences in foveal CT at 10 min after water ingestion were observed in both EE and ME, with no statistically significant difference observed between groups. A moderate correlation between IOP peak during the WDT and CT was demonstrated in ME (r=0.52; p=0.04). Conclusions: No statistically significant differences in CT variation during the WDT were observed between EE and ME, indicating similar behavior of the choroidal bed during the WDT in both groups. Further, CT was thinner in highly ME, with CT variation unable to explain elevations in IOP observed during the WDT.

RESUMO Objetivo: Avaliar a espessura de coroide (EC) e sua variação durante o teste de sobrecarga hídrica (TSH) em olhos emétropes (EE) e míopes (ME) utilizando a tomografia de coerência óptica Spectral-Domain (SD-OCT). Métodos: Ensaio clinico realizado em um hospital terciário. 30 olhos selecionados randomizadamente, 15 míopes e 15 emétropes de 15 pacientes em cada grupo foram submetidos ao TSH e scans maculares com SD-OCT realizados 10 e 45 minutos após a ingestão de água. Os principais resultados avaliados foram média da EC na região macular pelo SD-OCT e pressão intraocular (PIO) durante o TSH. Resultados: O equivalente esférico médio foi de 0.15 ± 0.24 dioptrias em emétropes e -7,1 ± 1,75 dioptrias nos olhos míopes (p<0,001). Não foram encontradas diferenças estatísticas durante a resposta ao TSH entre EE e ME. EE apresentaram maior EC em comparação com ME, tanto na região foveal (361,4 ± 55,4 vs 257,9 ± 95,3; p<0,001), 3 milímetros nasal à fóvea (158,0 ± 71,8 vs 122,5 ± 54,5; p=0,047) e 3 mm temporal à fóvea (310,6± 52.4 vs 247,6 ± 90,1; p=0,05). Em relação à variação da EC, diferenças estatisticamente significativas foram demonstrados na região foveal, 10 minutos após a ingestão de água em ambos EE e ME, sem diferenças entre os grupos. Moderada correlação entre pico de PIO durante o TSH e EC foi demonstrada em ME ( r=0,52; p=0,04). Conclusão: A diferença na variação da EC provocada pelo TSH não foi estatisticamente diferente entre olhos emétropes e míopes, o que sugere um comportamento semelhante da coroide nestes dois grupos quando submetidos ao TSH. Além disso, a EC é mais fina nos olhos alto míopes, e a variação na EC não explica o aumento da PIO durante o TSH.
Descritores: Água Potável/administração & dosagem
Corioide/patologia
Tomografia de Coerência Óptica/métodos
Técnicas de Diagnóstico Oftalmológico
Miopia/patologia
-Valores de Referência
Fatores de Tempo
Glaucoma/fisiopatologia
Glaucoma/patologia
Reprodutibilidade dos Testes
Corioide/fisiopatologia
Comprimento Axial do Olho
Fóvea Central/fisiopatologia
Fóvea Central/patologia
Pressão Intraocular/fisiologia
Miopia/fisiopatologia
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Adulto
Adulto Jovem
Tipo de Publ: Ensaio Clínico Controlado Aleatório
Responsável: BR1.1 - BIREME


  7 / 21 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-989398
Autor: Ferrer-Blasco, Teresa; Esteve-Taboada, José J; Domínguez-Vicent, Alberto; Aloy, Miguel A; Adsuara, José E; Mimica, Petar; Montés-Micó, Robert.
Título: Effect of contact lenses on ocular biometric measurements based on swept-source optical coherence tomography / Efeito de lentes de contato em um biômetro ocular baseado na tomografia de coerência óptica de varredura
Fonte: Arq. bras. oftalmol;82(2):129-135, Mar.-Apr. 2019. graf.
Idioma: en.
Projeto: Spanish Government Grant Explora; . University of Valencia research scholarship.
Resumo: ABSTRACT Purpose: To determine the reliability of swept- source optical coherence tomography in cases in which soft contact lenses cannot be removed when acquiring biometric measurements. Methods: Eight subjects were included and only one eye per participant was analyzed. Each eye was measured six times by swept-source optical coherence tomography with the IOLMaster 700 instrument (Carl Zeiss Meditec, Jena, Germany). Axial length, central corneal thickness, anterior chamber depth, lens thickness, and keratometric measurements were evaluated for the naked eye and while wearing soft contact lenses of three different powers (-1.5, -3.0, and +2.0 D). Results: There were statistically significant changes in axial length, central corneal thickness, anterior chamber depth, and keratometric measurements with soft contact lenses as compared to the naked eye (p<0.001). However, there were no significant differences in lens thickness outcomes between the naked eye and while wearing the three soft contact lenses (p>0.5). The changes in axial length, central corneal thickness, and anterior chamber depth were lens-specific and dependent on the thickness of the lens used. Conclusions: Sept-source optical coherence tomography based lens thickness measurements while wearing soft contact lenses are comparable to those of the naked eye. However, the thickness and the optical design of the soft contact lens may lead to significant differences in the axial lengh, central corneal thickness, anterior chamber deph, and keratometric measurements.

RESUMO Objetivo: Determinar a confiabilidade da tomografia de coerência óptica de varredura em casos especiais em que lentes de contato gelatinosas não podem ser removidas ao realizar medições biométricas. Métodos: Oito indivíduos foram incluídos e apenas um olho por participante foi analisado. Cada olho foi medido seis vezes por tomografia de coerência óptica de varredura com o instrumento IOLMaster 700 (Carl Zeiss Meditec, Jena, Alemanha). O comprimento axial, a espessura central da córnea, a profundidade da câmara anterior, a espessura da lente e as medidas ceratométricas foram avaliados a olho nu e enquanto usavam lentes de contato gelatinosas de três diferentes potências (-1,5, -3,0 e +2,0 D). Resultados: Houve alterações significativas no comprimento axial, espessura central da córnea, profundidade da câmara anterior e medidas ceratométricas com as lentes de contato gelatinosas em comparação com as a olho nu (p<0,001). No entanto, não houve diferenças significativas nos resultados de espessura do cristalino entre o olho nu e enquanto usava as três lentes de contato gelatinosas (p>0,5). As alterações de comprimento axial, espessura central da córnea e profundidade da câmara anterior foram específicas da lente e dependentes da espessura da lente usada. Conclusões: As medições da espessura da lente baseadas na tomografia de coerência óptica da Sept-source, enquanto usam lentes de lentes de contato gelatinosas, são comparáveis às do olho nu. Entretanto, a es pessura e o desenho óptico da lente de contato gelatinosa podem levar a diferenças significativas no comprimento axial, na espessura central da córnea, na profundidade da câmara anterior e nas medidas ceratométricas.
Descritores: Biometria/métodos
Lentes de Contato
Tomografia de Coerência Óptica/métodos
Comprimento Axial do Olho/anatomia & histologia
Comprimento Axial do Olho/diagnóstico por imagem
Segmento Anterior do Olho/anatomia & histologia
Segmento Anterior do Olho/diagnóstico por imagem
-Valores de Referência
Reprodutibilidade dos Testes
Análise de Variância
Estatísticas não Paramétricas
Estudos Cross-Over
Limites: Humanos
Adulto
Tipo de Publ: Research Support, Non-U.S. Gov't
Estudo de Avaliação
Responsável: BR1.1 - BIREME


  8 / 21 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-1001305
Autor: Ozal, Sadık Altan; Kupelı, Ayca; Ozal, Ece; Gurlu, Vuslat.
Título: Optical biometry-based axial length alterations after intravitreal dexamethasone implant / Alterações do comprimento axial com base na biometria óptica após o implante de dexametasona intravítrea
Fonte: Arq. bras. oftalmol;82(3):195-199, May-June 2019. tab.
Idioma: en.
Resumo: ABSTRACT Purpose: To investigate changes in axial length after intravitreal dexamethasone implantation in patients with macular edema. Methods: We performed a prospective comparative study of 46 patients with unilateral macular edema, due to diabetic retinopathy, retinal vein occlusion, and non-infectious uveitis, who underwent dexamethasone implantation. The fellow eyes of the patients were considered the control group. The central macular thickness was measured by spectral-domain optical coherence tomography, and axial length was measured by IOLMaster 700 optical coherence biometry. We compared axial length and central macular thickness values within the groups. Results: In the study group, the baseline central macular thickness was 460.19 ± 128.64 mm, significantly decreasing to 324.00 ± 79.84 mm after dexamethasone implantation (p=0.000). No significant change in central macular thickness measurements was seen in the control group (p=0.244). In the study group, the baseline axial length was 23.16 ± 0.68 mm, significantly increasing to 23.22 ± 0.65 mm after dexamethasone implantation (p=0.039). However, the control group exhibited no significant change in axial length (p=0.123). Conclusions: In addition to significantly reducing central macular thickness measurements, intravitreal dexamethasone implantation also significantly changes optical biometry-based axial length measurements.

RESUMO Objetivo: Investigar alterações no comprimento axial após implante de dexametasona intravítrea em pacientes com edema macular. Métodos: Foi realizado um estudo prospectivo e comparativo de 46 pacientes com edema macular unilateral, devido à retinopatia diabética, oclusão da veia retiniana e uveíte não infecciosa, que foram submetidos ao implante de dexametasona. Os olhos contralateral de cada paciente foram considerados o grupo controle. A espessura macular central foi medida por tomografia de coerência óptica de domínio espectral, e o comprimento axial foi medido por meio de biometria de coerência óptica de domínio espectral e o comprimento axial foi medido pela biometria de coerência óptica com IOLMaster 700. Comparamos o comprimento axial e os valores da espessura macular central dentro dos grupos. Resultados: No grupo de estudo, a espessura macular basal foi de 460,19 ± 128,64 mm, diminuindo significativamente para 324,00 ± 79,84 mm após o implante de dexametasona (p=0,000). Nenhuma mudança significativa nas medidas da espessura macular central foi observada no grupo controle (p=0,244). No grupo de estudo, o comprimento axial basal foi de 23,16 ± 0,68 mm, aumentando significativamente para 23,22 ± 0,65 mm após o implante de dexametasona (p=0,039). No entanto, o grupo controle não apresentou alteração significativa no comprimento axial (p=0,123). Conclusões: Além de reduzir significativamente as medidas da espessura macular central, o implante de dexametasona intravítrea também altera significativamente as medidas de comprimento axial baseadas na biometria óptica.
Descritores: Dexametasona/administração & dosagem
Edema Macular/tratamento farmacológico
Comprimento Axial do Olho/efeitos dos fármacos
Injeções Intravítreas/métodos
Glucocorticoides/administração & dosagem
Macula Lutea/efeitos dos fármacos
-Acuidade Visual
Edema Macular/patologia
Estudos Prospectivos
Biometria/métodos
Resultado do Tratamento
Estatísticas não Paramétricas
Tomografia de Coerência Óptica/métodos
Retinopatia Diabética/tratamento farmacológico
Comprimento Axial do Olho/patologia
Macula Lutea/patologia
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Adulto
Pessoa de Meia-Idade
Idoso
Idoso de 80 Anos ou mais
Responsável: BR1.1 - BIREME


  9 / 21 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-1019431
Autor: Egrilmez, Emine Deniz; Ugurlu, Seyda Karadeniz; Atik, Sevinc Sahin; Guven, Yusuf Ziya.
Título: The effect of pseudoexfoliation syndrome on choroidal thickness in open-angle glaucoma / O efeito do glaucoma pseudoesfoliativo sobre a espessura da coroide em comparação com o glaucoma de ângulo abertos
Fonte: Arq. bras. oftalmol;82(5):400-406, Sept.-Oct. 2019. tab.
Idioma: en.
Resumo: ABSTRACT Purpose: To investigate the effect of pseudoex foliation syndrome on choroidal thickness as compared with healthy individuals and subjects with primary open-angle glaucoma. Methods: This prospective, randomized study included 30 primary open angle glaucoma patients and 30 pseudoexfoliation glaucoma patients with similar demographic characteristics and 30 eyes of 30 healthy individuals comprised the control group. Regular optic nerve and macular images were obtained using a Cirrus HD spectral domain optical coherence tomography instrument, along with macular choroidal thickness measurements with enhanced depth imaging mode. Results: Age, sex, and axial length values were similar among the three groups (p>0.05). The primary open angle glaucoma and pseudoexfoliation glaucoma groups had comparable levels of glaucomatous damage. The mean subfoveal choroidal thickness values in the primary open angle glaucoma, pseudoexfoliation glaucoma, and control groups were 271.80 ± 19.96 μm, 241.43 ± 32.47 μm, and 268.03 ± 24.50 μm, respectively. The pseudoexfoliation glaucoma group had the lowest choroidal thickness values of the three groups (p values: pseudoexfoliation-control: 0.001; pseudoexfoliation-primary open angle glaucoma: <0.001, primary open angle glaucoma-control: 0.516, independent samples t-test). Conclusion: The macular choroid was thinner in patients with pseudoexfoliation glaucoma, as compared with both healthy individuals and open-angle glaucoma patients with similar degrees of glaucomatous damage.

RESUMO Objetivo: Investigar o efeito do glaucoma pseudoexfoliativo sobre a espessura da coroide em comparação com indivíduos saudáveis e com glaucoma primário de ângulo aberto. Métodos: Este estudo prospectivo e randomizado incluiu 30 pacientes com glaucoma primário de ângulo aberto e 30 com glaucoma pseudoexfoliativo, com características demográficas semelhantes e 30 olhos de 30 indivíduos saudáveis compuseram o grupo controle. Imagens da área macular e do nervo óptico foram obtidas usando um tomógrafo por coerência óptica no domínio espectral do modelo Cirrus HD, juntamente com medições da espessura da coroide na área macular através do modo de imagem de profundidade realçada. Resultados: Os valores de idade, sexo e comprimento axial foram semelhantes nos três grupos (p>0,05). Os grupos de glaucoma primário de ângulo aberto e de glaucoma pseudoexfoliativo tinham níveis comparáveis de lesões glaucomatosas. Os valores médios da espessura subfoveal da coroide nos grupos do glaucoma primário de ângulo aberto, glaucoma pseudoexfoliativo e de controle foram 271,80 ± 19,96 μm, 241,43 ± 32,47 μm e 268,03 ± 24,50 μm, respectivamente. O grupo glaucoma pseudoexfoliativo apresentou os menores valores de espessura de coroide dos três grupos (valores de p: pseudoexfoliativo-controle: 0,001; pseudoexfoliativo-glaucoma primário de ângulo aberto: <0,001, controle de glaucoma primário de ângulo aberto: 0,516; teste de t de amostras independentes). Conclusão: A coroide na área macular era mais fina em pacientes com glaucoma pseudoexfoliativo, quando comparada com indivíduos saudáveis e pacientes com glaucoma de ângulo aberto com graus similares de lesão glaucomatosa.
Descritores: Glaucoma de Ângulo Aberto/patologia
Corioide/patologia
Síndrome de Exfoliação/patologia
-Estudos de Casos e Controles
Estudos Prospectivos
Tomografia de Coerência Óptica
Comprimento Axial do Olho
Pressão Intraocular
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Pessoa de Meia-Idade
Idoso
Responsável: BR1.1 - BIREME


  10 / 21 LILACS  
              first record previous record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-1088951
Autor: Yakar, Konuralp.
Título: Anterior chamber depth and axial length affect clinical performance of Spot Vision Screener / A profundidade da câmara anterior e o comprimento axial afetam o desempenho clínico do Spot Vision Screener
Fonte: Arq. bras. oftalmol;83(1):43-47, Jan.-Feb. 2020. tab, graf.
Idioma: en.
Resumo: ABSTRACT Purpose: The aim of this study was to evaluate the effect of anterior chamber depth and axial length on clinical performance of the Spot Vision Screener in detecting amblyopia risk factors in children aged 3-10 years. Methods: A total of 300 eyes from 150 patients aged 3-10 years were prospectively tested with Spot Vision Screener (firmware version 3.0.02.32, software version 3.0.04.06) and a standard autorefractometer (Nidek ARK-1). The anterior chamber depth and axial length were measured with an optical biometer (Nidek AL-Scan). The sensitivity and specificity values for detecting significant refractive errors using the referral criteria of the American Association for Pediatric Ophthalmology and Strabismus were determined. Pearson's correlation analysis was employed to evaluate the relationship between the Spot Vision results and the anterior chamber depth and axial length. Results: Compared with the standard autorefractometer results, the Spot Vision Screener's sensitivity and specificity was 59% and 94%, respectively. The differences between the cycloplegic autorefractometer and the Spot Vision Screener spherical equivalents were negatively correlated with anterior chamber depth (r=-0.48; p<0.001) and axial length (r=-0.45; p<0.001). Conclusion: The Spot Vision Screener has moderate sensitivity and high specificity, using the criteria of the American Association for Pediatric Ophthalmology and Strabismus. The anterior chamber depth and axial length affect the Spot Vision results.

RESUMO Objetivo: O objetivo deste estudo foi avaliar o efeito da profundidade da câmara anterior e do comprimento axial sobre o desempenho clínico do Spot Vision Screener, na deteção de fatores de risco para a ambliopia em crianças de 3 a 10 anos de idade. Métodos: Um total de 300 olhos de 150 pacientes de 3-10 anos de idade foram prospectivamente testados com o Spot Vision Screener (firmware: 3.0.02.32, software: 3.0.04.06) e com autorefratómetro padrão (Nidek ARK-1). Todas as medições de profundidade e comprimento axial da câmara anterior dos pacientes foram realizadas através de Nidek AL Scan. A sensibilidade e especificidade para a deteção de erros refrativos significativos foram determinadas de acordo com os critérios de referência da Associação Americana de Oftalmologia e Estrabismo Pediátricos. A análise da Correlação de Pearson foi utilizada para avaliar a correlação entre os resultados do Spot Vision e a profundidade ou comprimento axial da câmara anterior dos pacientes. Resultados: Em comparação com os resultados do autorefratómetro padrão, a sensibilidade do Spot foi de 59% e a especificidade de 94%. As diferenças entre os equivalentes esféricos do autorefratómetro cicloplégico e o Spot Vision Screener foram correlacionados negativamente com a profundidade (r=-0,48; p<0,001) e o comprimento axial (r=-0,45; p<0,001) da câmara anterior dos casos. Conclusão: O Spot Vision Screener possui uma sensibilidade moderada e uma especificidade elevada utilizando os critérios da Associação Americana de Oftalmologia Pediátrica e Estrabismo; a profundidade da câmara anterior e o comprimento axial dos pacientes afetam os resultados do Spot Vision.
Descritores: Seleção Visual/instrumentação
Ambliopia/diagnóstico
-Erros de Refração/diagnóstico
Ambliopia/etiologia
Estrabismo
Estudos Prospectivos
Fatores de Risco
Sensibilidade e Especificidade
Retinoscopia
Comprimento Axial do Olho
Câmara Anterior
Limites: Humanos
Pré-Escolar
Criança
Responsável: BR1.1 - BIREME



página 1 de 3 ir para página          
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde