Base de dados : LILACS
Pesquisa : B01.050.150.900.248.710.672.650 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 10 [refinar]
Mostrando: 1 .. 10   no formato [Detalhado]

página 1 de 1

  1 / 10 LILACS  
              next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-899275
Autor: Briceño, Cristóbal; Surot, Dominique; González-Acuña, Daniel; Martínez, Francisco Javier; Fredes, Fernando.
Título: Parasitic survey on introduced monk parakeets (Myiopsitta monachus) in Santiago, Chile / Levantamento parasitário da caturrita (Myiopsitta monachus) introduzida em Santiago, Chile
Fonte: Rev. bras. parasitol. vet;26(2):129-135, Apr.-June 2017. tab, graf.
Idioma: en.
Projeto: FIV; . University of Chile.
Resumo: Abstract Central Chile has been identified as a unique ecosystem with high conservation priority because of its high levels of endemism and intensive anthropic pressure. Over a period of almost four decades, the monk parakeet has been successful in establishing and dispersing in urban Santiago, although little is known about its potential impact. Furthermore, nothing is known about its epidemiological risks towards animals or even humans. For this reason, we conducted the first parasitic survey of monk parakeets in Chile through capture, necropsy and thorough external and internal inspection of 92 adult individuals. Among these, 45.7% presented lice that were identified as Paragoniocotes fulvofasciatum, 1.1% had mesostigmatid acari and 8.9% had free-ranging acari. Among 89 parakeets, 19.1% had structures identified as Cryptosporidium sp. This study provides the first description of Cryptosporidium sp. in monk parakeets. Along with the presence of a mesostigmatid acarus in one parakeet, this serves as a public health warning, given that both of these parasites have zoonotic potential.

Resumo A porção central do Chile é reconhecidamente uma área com ecossistemas únicos de alta prioridade para conservação. Isso se deve aos altos níveis de endemismo na região e pressões antrópicas intensas. Durante quase quatro décadas, a caturrita tem obtido sucesso em seu estabelecimento e dispersão na área urbana de Santiago, apesar da falta de conhecimento com relação ao seu potencial impacto. Além disso, não há informações sobre riscos epidemiológicos para animais e tampouco para humanos. Motivado por essa questão, foi realizado o primeiro levantamento parasitário de caturritas no Chile a partir da captura, necropsia e inspeção interna e externa de 92 indivíduos adultos. Deste total, 45,7% apresentaram piolhos da espécie Paragoniocotes fulvofasciatum, 1,1% apresentaram ácaros da ordem Mesostigmata, e 8,9% apresentaram ácaros de vida livre. Dentre 89 caturritas, 19,1% apresentaram estruturas identificadas como Cryptosporidium sp. Este estudo apresenta a primeira descrição de Cryptosporidium sp. em caturritas. Ademais, a presença de ácaros da ordem Mesostigmata em uma das aves serve como um alerta para saúde pública, considerando que estes dois parasitas apresentam potencial zoonótico.
Descritores: Periquitos/parasitologia
Espécies Introduzidas
-Chile
Cryptosporidium/isolamento & purificação
Ácaros
Limites: Animais
Responsável: BR1.1 - BIREME


  2 / 10 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-753930
Autor: Arias, J I; Beato, C; Espinoza, A.
Título: Epoxy putty external skeletal fixation in a tibiotarsal fracture of a wild choroy parakeet (Enicognathus leptorhynchus) / Fixação externa com massa epóxi em uma fratura tibiotársica de um periquito choroy selvage (Enicognathus leptorhynchus)
Fonte: Arq. bras. med. vet. zootec;67(3):671-678, May-Jun/2015. graf.
Idioma: en.
Resumo: Tibiotarsal fractures are common in birds because in most birds this is the longest, most exposed bone in the leg. Transverse fractures are most common and rotational and shear forces must be stabilized in order to achieve good bone regeneration. A 230g male Slender-billed Parakeet or Choroy parakeet (Enicognathus leptorhynchus), with more than five years of age, was received with non-weight bearing lameness with 24 hours duration. X-rays were taken, and these revealed a closed, complete, non-comminuted transverse fracture of the distal diaphysis of the left tibiotarsal bone. Fixation was planned with 10-minute fast-setting epoxy putty. In order to assess the temperature of polymerization of the epoxy dough and the possibility of heat-bone necrosis, the temperature was recorded every 30 seconds for 12 minutes with three different amounts of the epoxy material in an ex vivo test. The temperature of the pieces reached a peak of 50-60ºC, where the highest peak corresponds to the highest amount of material. When approximately 6g of putty were used, the peak temperature reached only 51ºC. This peak changed to 58ºC when 4 times more epoxy was mixed and measured. If the temperature of the pins inserted in the bone exceeds 70ºC, bone necrosis could occur. In light of these results, the fracture was treated with 6 g of epoxy putty that was allowed to polymerize over a 1A 2/2 external skeletal fixation, with 1-mm pins bent at 90º and joined together with cerclage wire. At 6 weeks after surgery the bird had formed a good primary bone callus, and the external fixators were therefore removed. With this approach a satisfactory recovery of the patient was achieved with normal use of the affected limb.

Fraturas tibiotársicas são comuns em aves, pois, na maioria das aves, o tibiotarso é o osso mais longo e exposto nesses animais. Fraturas transversais são mais comuns, sendo que as forças de rotação e cisalhamento devem ser estabilizadas de modo a alcançar uma boa regeneração óssea. Um periquito macho do tipo psitacídeo de 230g, com mais de 5 anos, foi recebido apresentando claudicação a 24 horas não devido a transferência de carga. Os exames radiográficos revelaram uma fratura fechada completa, não triturada, transversal de diáfise distal do osso esquerdo tibiotársico. A fixação foi feita com massa epóxi de endurecimento rápido (10 minutos). A fim de avaliar a temperatura de polimerização da massa epóxi e a possibilidade de necrose desses ossos, a temperatura foi registrada a cada 30 segundos durante 12 minutos, com três quantidades diferentes de epóxi em teste in vivo. A temperatura das amostras fragmentadas atingiu um pico de 50-60ºC, em que o pico mais elevado corresponde à maior quantidade de massa epóxi. Quando foram utilizados cerca de 6g de massa de vidraceiro, o pico de temperatura foi de apenas 51ºC. Esse pico foi alterado para 58ºC quando se aumentou a quantidade de massa epóxi quatro vezes. Se a temperatura dos pinos inseridos no osso for superior a 70ºC, pode ocorrer necrose do osso. À luz desses resultados, a fratura foi tratada com 6g de massa epóxi deixada polimerizar sobre uma fixação externa, em configurações 1A 2/2 usando pinos de 1mm, dobrados em 90º e unidos com fios de cerclage. Após 6 semanas da cirurgia, o pássaro tinha formado um calo ósseo primário, sendo os fixadores externos removidos. Com essa abordagem, conclui-se que houve a restauração das funções normais do membro e total recuperação da ave.
Descritores: Ossos do Tarso/lesões
Periquitos/lesões
Polimetil Metacrilato/análise
-Fixação de Fratura/veterinária
Fixadores Externos/veterinária
Limites: Animais
Responsável: BR68.1 - Biblioteca Virginie Buff D'Ápice


  3 / 10 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-562047
Autor: Nakamura, A. A; Homem, C. G; Garcia, S. D; Meireles, M. V.
Título: Ceratoconjuntivite por Encephalitozoon hellem em periquitos agapornis (Agapornis spp) no Brasil: relato de caso / Keratoconjunctivitis by Encephalitozoon hellem in lovebirds (Agapornis spp) in Brazil: case report
Fonte: Arq. bras. med. vet. zootec;62(4):816-820, Aug. 2010. ilus.
Idioma: pt.
Resumo: Relata-se um caso de ceratoconjuntivite causada por Encephalitozoon hellem em agapornis (Agapornis spp.) adultos, provenientes de um criatório comercial. Cinco animais apresentaram sinais clínicos de ceratoconjuntivite, blefaroespasmo e blefaroedema bilateral, com presença de secreção seropurulenta. Amostras fecais foram colhidas e foi realizado exame coproparasitológico, com resultado negativo. Dois animais foram necropsiados, sendo detectados, em impressões de raspado de conjuntiva ocular, esporos e outros estádios evolutivos de Microsporidium. A confirmação do diagnóstico foi feita pela reação em cadeia de polimerase e sequenciamento de fragmentos amplificados, com utilização de primers específicos para o gene da subunidade 18S do rRNA de E. hellem. A análise dos fragmentos amplificados demonstrou 100 por cento de similaridade com outras sequências de E. hellem publicadas no GenBank. Este é primeiro relato de infecção por E. hellem em aves no Brasil.

A clinical case of keratoconjunctivitis by Encephalitozoon hellem in adult lovebirds (Agapornis spp.) from a commercial flock is reported. Five animals presented clinical symptoms of keratoconjunctivitis, blepharospasm, and bilateral blepharoedema, with seropurulent secretion. Coproparasitological diagnosis was carried out in fecal samples, with negative results. Two animals were necropsied, with detection of spores and other developmental stages of Microsporidium in conjunctival smears. The confirmation of the diagnosis was accomplished by the polimerase chain reaction with specific primers for 18S subunit of the rRNA of E. hellem, followed by sequencing of amplified fragments, which revealed 100 percent of genetic similarity to E. hellem. This study is the first report of E. hellem infection in birds in Brazil.
Descritores: Ceratoconjuntivite/diagnóstico
Ceratoconjuntivite/veterinária
Encephalitozoon/isolamento & purificação
-Periquitos
Zoonoses
Limites: Animais
Tipo de Publ: Relatos de Casos
Responsável: BR68.1 - Biblioteca Virginie Buff D'Ápice


  4 / 10 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-488485
Autor: Sazima, Ivan.
Título: The parakeet Brotogeris tirica feeds on and disperses the fruits of the palm Syagrus romanzoffiana in Southeastern Brazil / O periquito Brotogeris tirica come e dispersa os frutos da palmeira Syagrus romanzoffiana no sudeste do Brasil
Fonte: Biota neotrop. (Online, Ed. port.);8(1):231-234, jan.-mar. 2008. ilus.
Idioma: en.
Resumo: Small psittacids remain unrecorded as dispersal agents of palm fruits in Brazil. I record here the plain parakeet (Brotogeris tirica), an Atlantic forest endemic, feeding on and dispersing the fruits of the palm Syagrus romanzoffiana at Ubatuba, northern coast of São Paulo, Southeastern Brazil. The birds removed the fruit and carried it away from the mother-tree in about 40 percent of the feeding records. While perched on trees and shrubs of the understorey, the parakeets removed and ingested most of the mesocarp, dropping the partly consumed fruit. As the parakeets damaged no the embryo and may feed at a distance from the mother-tree, they act as primary dispersal agents. This is the first substantiated record of a small Neotropical psittacid as a stomatochorous dispersal agent of palm fruits the size of A. romanzoffiana drupes.

Psitacídeos de pequeno porte não constam como dispersores de frutos de palmeiras no Brasil. Registro aqui o periquito-rico (Brotogeris tirica), endêmico da mata Atlântica, alimentando-se em e dispersando frutos da palmeira Syagrus romanzoffiana em Ubatuba, litoral norte do Estado de São Paulo. As aves removiam o fruto e, em cerca de 40 por cento dos registros alimentares, carregavam-no à distância da árvore-mãe. Empoleirados em ramos de arvoretas e arbustos no sub-bosque, os periquitos retiravam e ingeriam a maior parte do mesocarpo, deixando cair o resto do fruto. Uma vez que estas aves se alimentam sem danificar o embrião e podem fazê-lo a certa distância da árvore-mãe, agem como dispersores primários. Este é o primeiro registro documentado de um psitacídeo Neotropical de pequeno porte como dispersor estomatocórico de frutos de palmeira com as dimensões das drupas de S. romanzoffiana.
Descritores: Árvores/efeitos adversos
Aves
Dieta
Frutas/efeitos adversos
Ecossistema/análise
Periquitos/crescimento & desenvolvimento
Sementes
Responsável: BR1561.1 - Biblioteca Virtual AMMG


  5 / 10 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-476122
Autor: Bottino, F; Artoni, S. M. B; Oliveira, D; Pacheco, M. R; Amoroso, L; Tovar, M. C. H; Sagula, A.
Título: Dimorfismo sexual da traquéia e siringe de periquito (Touist sp. ) / Sexual dimorphism of the parakeet (Touist sp. ) trachea and syrinx
Fonte: Arq. bras. med. vet. zootec;59(6):1489-1492, dez. 2007. ilus.
Idioma: pt.
Resumo: Investigaram-se as diferenças morfológicas da siringe do periquito Touist sp, cinco machos e cinco fêmeas. A traquéia e a siringe foram dissecadas com o auxílio de uma lupa estereoscópia e avaliaram-se o número de anéis, o comprimento da traquéia e da siringe e o comprimento e espessura do músculo traqueolateral. A traquéia do macho apresentou maior número de anéis e maior comprimento que a das fêmeas. O músculo traqueolateral dos machos é mais vigoroso e origina-se no 43º anel traqueal enquanto o das fêmeas origina-se no 30º anel traqueal e se insere no primeiro anel bronquial. A siringe do piriquito é constituída por anéis craniais, cinco nos machos e três nas fêmeas, anéis intermediários, com formato semelhante a uma bolha sulcada ventralmente, anéis caudais, quatro em ambos os sexos, e pessulo. O dimorfismo sexual está presente na morfometria da musculatura e das cartilagens, o que reflete no canto mais vigoroso dos machos

The morphologic differences of the trachea and syrinx of five male and five female Touist sp. parakeets were studied. Trachea and syrinx were dissected with the aid of a stereoscopic magnifying glass and the number of rings, the length of trachea and syrinx were evaluated, as well as the length and thickness of the tracheolateral muscle. Trachea of male parakeets had larger amount of rings and was lengther than the female. Tracheolateral muscle of the males was more vigorous and arised in the 43rd tracheal ring while in the females it originated in the 30th tracheal and inserted in first bronchi ring. The syrinx was constituted by cranial rings (five in males and three in females), intermediate rings (resembly a bubble furrowed ventrally), caudal rings (four in both sexes) and the pessule. Sexual dimorphism directly influenced on the syrinx, concerning the morfometry of the musculature and cartilages, making males sound more vigorously
Descritores: Periquitos
Caracteres Sexuais
Vocalização Animal
-Traqueia/anatomia & histologia
Limites: Animais
Masculino
Feminino
Responsável: BR68.1 - Biblioteca Virginie Buff D'Ápice


  6 / 10 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-459996
Autor: Ragusa-Netto, J.
Título: Feeding ecology of the Green-cheeked parakeet (Pyrrhura molinae) in dry forests in western Brazil
Fonte: Braz. j. biol;67(2):243-249, May 2007. graf, tab.
Idioma: en.
Resumo: The genus Pyrrhura includes small to medium-sized parakeets, which inhabit both low and dry alongside tall rainforests, mainly in South America. Pyrrhura molinae is still common, year round, in the markedly seasonal forests of western Brazil. This parakeet, as well as most Neotropical parrots, continues to be poorly understood. Hence, in the present study I examined their foraging ecology both in a highly deciduous and in a semi-deciduous forest in western Brazil. In addition, I assessed the relationship between food resource production (flowers and fruits), and the diet of this parakeet. Pyrrhura molinae exhibited a flexible diet consisting of 16 tree species, from which it consumed flowers (three species), seeds (three species), fruit pulp or aril (four species), and both pulp and seeds (six species). Parakeets consumed a wide array of fleshy fruits in the semi-deciduous forest, especially Cecropia pachystachya catkins. Conversely, in the highly deciduous forest they extensively foraged for figs (70 percent of the diet), in addition to nectar and seeds from dry fruits. Ficus calyptroceras, besides being abundant, bore fruits year round, and was substantially used by parakeets every month. Potentially, by exploiting a diverse set of plant food resources, and particularly due to the substantial use of figs, asynchronously produced, Pyrrhura molinae persists during the long dry season in the markedly seasonal forests of western Brazil.

O gênero Pyrrhura é constituido de pequenos periquitos comuns tanto em matas secas quanto úmidas, sobretudo da América do Sul. Pyrrhura molinae ocorre durante o ano todo em florestas altamente sazonais do oeste brasileiro. Essa espécie, bem como a maioria dos psitacídeo, permanece pouco conhecida. Portanto, nesse estudo, foi examinada a ecologia alimentar de P. molinae em dois tipos de florestas secas (altamente decídua e semidecídua), do oeste brasileiro, bem como as relações entre a produção de flores frutos e a utilização desses recursos. Pyrrhura molinae exibiu uma dieta flexível em que utilizou recursos de 16 espécies arbóreas, sendo flores de três, sementes de outras três, a polpa dos frutos ou arilo de quatro espécies e, simultaneamente, a polpa e semente de seis espécies. Os periquitos consumiram principalmente frutos carnosos na floresta semidecídua, especialmente as infrutescências de Cecropia pachystachya. Por outro lado, na floresta altamente decídua, figos predominaram na dieta (70 por cento dos registros de alimentação), somados ao néctar e sementes de frutos secos. Ficus calyptroceras, além de abundante produziu frutos o ano todo, que foram consumidos substancialmente pelos periquitos mês a mês. Presumivelmente, por explorar uma ampla variedade de recursos vegetais e subsistir, em grande parte, a base de figos produzidos assincronicamente, Pyrrhura molinae persiste à severa estação seca nas matas decíduas do oeste brasileiro.
Descritores: Ecossistema
Comportamento Alimentar/fisiologia
Periquitos/fisiologia
Árvores
-Brasil
Preferências Alimentares
Periquitos/classificação
Estações do Ano
Limites: Animais
Tipo de Publ: Research Support, Non-U.S. Gov't
Responsável: BR1.1 - BIREME


  7 / 10 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-417929
Autor: Ragusa-Netto, J.
Título: Extensive consumption of Tabebuia aurea (Manso) Benth. & Hook. (Bignoniaceae) nectar by parrots in a tecoma savanna in the southern Pantanal (Brazil)
Fonte: Braz. j. biol;65(2):339-344, May 2005.
Idioma: en.
Resumo: Papagaios e periquitos neotrópicos utilizam amplamente recursos como frutos e sementes. No entanto, flores, brotos e mesmo artrópodes podem ser alternativas alimentares importantes. Usualmente, essas aves forrageiam por amplas áreas, que incluem tanto formações vegetais abertas como fechadas. Neste estudo examinei o padrão de consumo de néctar por psitacídeos em uma savana dominada por ipês-amarelos (Tabebuia aurea) durante um episódio de floração massiva e sincrônica no sul do Pantanal em agosto de 1998. Seis espécies de psitacídeos, incluindo desde o pequeno periquito Brotogeris chiriri, até o papagaio Amazona aestiva, consumiram intensamente o néctar das flores dos ipês. Nandayus nenday, de longe, explorou a maior proporção do total de flores utilizadas, e bandos desse periquito, bem como das outras espécies, destruíam, a cada visita, parcela substancial das flores presentes em uma dada copa. Os psitacídeos consumiram néctar com maior freqüência durante a tarde, principalmente no final, quando a concentração tendeu a ser maior. O volume, no entanto, foi comparativamente baixo em relação às flores de espécies polinizadas por pássaros. Dessa forma, aparentemente, os psitacídeos foram acentuadamente destrutivos ao explorar T. aurea, uma vez que o néctar de muitas flores era requerido para suprir parte da demanda diária de energia e água dessas aves. Portanto, a floração massiva e sincrônica em T. aurea durante curto período no auge da estação seca, dentre outros fatores, pode estar voltada a saciar predadores, como os psitacídeos, ainda abundantes no Pantanal.
Descritores: Comportamento Alimentar/fisiologia
Pólen
Papagaios/fisiologia
Tabebuia
-Brasil
Flores
Periquitos/fisiologia
Estações do Ano
Limites: Animais
Tipo de Publ: Research Support, Non-U.S. Gov't
Responsável: BR1.1 - BIREME


  8 / 10 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-393557
Autor: Ragusa-Netto, J.
Título: Flowers, fruits, and the abundance of the yellow-chevroned parakeet (Brotogeris chiriri) at a gallery forest in the South Pantanal (Brazil)
Fonte: Braz. j. biol;64(4):867-877, nov. 2004. tab, graf.
Idioma: en.
Projeto: FUNDECT; . PROPP/UFMS.
Resumo: Periquitos normalmente exploram recursos massivos e efêmeros no dossel das florestas tropicais. Dentre os itens alimentares mais utilizados está a polpa de frutos, embora sementes e néctar também sejam consumidos. Neste estudo, foi avaliada a produção de flores e frutos em uma mata ciliar do Pantanal (Brasil) e sua relação com a abundância do periquito Brotogeris chiriri. Além disso, avaliaram-se as relações entre a produção de flores e frutos e o padrão de exploração desses recursos alimentares. A abundância dos periquitos variou profundamente ao longo do ano, coincidindo com a oferta massiva de flores e de certos frutos carnosos. O néctar das flores de Inga vera foi amplamente consumido no final da estação seca e, de longe, o recurso mais explorado quando os periquitos eram abundantes, correspondendo a 34% da dieta (N = 131 registros de alimentação), enquanto o restante era de frutos carnosos. Os periquitos consumiram substancialmente os frutos de Cecropia pachystachya e Ficus luschnathiana, além de frutos de palmeiras e arilos das sementes de I. vera. A relação entre a abundância dos periquitos e o respectivo padrão de utilização dos recursos alimentares, bem como as coincidências entre as flutuações desses parâmetros com a oferta dos recursos alimentares mais explorados, sugerem que flores e frutos causaram as variações no número de periquitos na mata ciliar. Apesar de os psitacídeos utilizarem regularmente certos ambientes como dormitórios coletivos ou sítios de reprodução, não foram encontradas evidências quanto à influência desses locais na abundância dessas aves na mata ciliar.
Descritores: CANNABINOIDSTEMEFOS
Ecologia
Flores
Frutas
Periquitos
-Brasil
Densidade Demográfica
Estações do Ano
Limites: Animais
Responsável: BR1.1 - BIREME


  9 / 10 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: lil-320219
Autor: Samar, Maria Elena; Avila, Rodolfo Esteban; Centurión, Claudio F; Ambrogio, Liliana; Grunberg, Karina A; Fabro, Sofia P. de.
Título: Glándulas mucosas intraepiteliales en cavidad oral de Myiopsitta monacha (cotorrita o cata comun) / The intraepithelial mucous glands in the oral cavity of Myiopsitta monacha (the parrot or common parakeet)
Fonte: Rev. Fac. Cienc. Méd. (Córdoba);50(1):29-30, 1992.
Idioma: es.
Descritores: Boca
Periquitos
-Bochecha
Epitélio
Histocitoquímica
Boca
Limites: Animais
Responsável: BR1.1 - BIREME


  10 / 10 LILACS  
              first record previous record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: lil-72854
Autor: Díaz Cintra, Sofía; Cintra, Léon; Ortega, Angeles; Pérez, Bertha; Ayala, Fructuoso.
Título: Anatomical study of the parrakeet (Aratinga canalicularis)
Fonte: Bol. estud. méd. biol;36(1/4):25-34, 1988. tab, ilus.
Idioma: en.
Resumo: De estudios recientes sobre la organización del telencéfalo de las aves se sabe que esta estructura tiene muchas similitudes cocn el cerebro de los mamíferos. Tambíen se conoce que la porción del hiperestriado dorsal conocida como la wulst así cocmo la porción lateral, identificada como el lado ventricular dorsal, tiene un papel importante en la integración sensorial, el aprendizaje y la producción del canto en las aves. Aunque ambas estructuras no poseen laminación como la de la neocorteza de los mamíferos, sin embargp, ciertas aves como el búho muestran una clara pseudolaminación. En la literatura no hay descripciones anatómicas de la wulst en preicos, por lo que el objetivo del presente trabajo fue estudiar esta estructura en la ewpecie. Aratinga canicularis. Se identificaron tres tipos celulares y, mediante métodos morfométricos efectuados en un total de 240 células por cada estrato, se midieron 10 parámetros distintos y se distinguieron tres estratos, a los que se les denominó dorsal, medial y ventral. Cada uno de los tres tipos celulares presentaron características específicas. Las células multipolares y triangulares mostraron un patrón dendrítico ramificado y abundantes espinas dendríticas. Las triangulares difieron en cuanto a la extensión de sus dendritas y la ramificación de su axón en ángulos rectos dirigidos hacia el estrato suprayacente. Las células ovoides fueron las mas pequeñas con pocas ramas y espinas. Estas células son similares a las del hiperestriatum accesorio del buho, las que a su vez son análogas a las células granulares de la corteza visual de los mamíferos
Descritores: Periquitos/anatomia & histologia
-México
Tálamo/anatomia & histologia
Tálamo/fisiologia
Telencéfalo/anatomia & histologia
Telencéfalo/fisiologia
Limites: Animais
Responsável: MX1.1 - CENIDSP - Centro de Información para Decisiones en Salud Pública



página 1 de 1
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde