Base de dados : LILACS
Pesquisa : B01.050.150.900.649.313.937 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 363 [refinar]
Mostrando: 1 .. 10   no formato [Detalhado]

página 1 de 37 ir para página                         

  1 / 363 LILACS  
              next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-1041573
Autor: Sanseverino, Laís; Ortêncio Filho, Henrique; Esteve-Gassent, Maria; Jorge, Thais Martinez Rodrigues.
Título: Test for Borrelia spp. in bats in an urban area in the South of Brazil
Fonte: Rev. Soc. Bras. Med. Trop;52:e20190234, 2019. tab, graf.
Idioma: en.
Projeto: Texas A&M.
Resumo: Abstract INTRODUCTION: We investigated the occurrence of relapsing fever (RF) causing Borrelia genus spirochetes in synanthropic bats from the municipality of Maringá, Paraná, South of Brazil. METHODS: Tissue samples from the wings of bats were collected monthly from April 2013 to February 2014 and extracted DNA was used to evaluate the presence of RF causing Borrelia spp. RESULTS: All bat tissues tested negative for RF causing Borrelia spp. CONCLUSIONS: Borrelia spp. do not occur in chiropterans from Maringá.
Descritores: Borrelia/isolamento & purificação
Quirópteros/microbiologia
-Fatores de Tempo
Brasil
DNA Bacteriano
Florestas
Reação em Cadeia da Polimerase
Análise de Sequência de DNA
Eletroforese em Gel de Ágar
Limites: Animais
Responsável: BR1.1 - BIREME


  2 / 363 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Almeida, Marilene Fernandes de
Aires, Caroline Cotrim
Texto completo
Id: biblio-1041581
Autor: Almeida, Marilene Fernandes de; Rosa, Adriana Ruckert da; Martorelli, Luzia Fátima Alves; Kataoka, Ana Paula Arruda Geraldes; Aires, Caroline Cotrim.
Título: Rabies virus monitoring in bat populations in Rondônia state, Brazil
Fonte: Rev. Soc. Bras. Med. Trop;52:e20180199, 2019. tab.
Idioma: en.
Resumo: Abstract INTRODUCTION: The Jirau hydroelectric power plant built in Rondônia state has environmental impacts that could be relevant to rabies outbreaks. METHODS: Bat populations were monitored for rabies by fluorescent antibody testing and simplified fluorescent inhibition microtesting between 2010 and 2015. RESULTS: All 1,183 bats tested negative for rabies. The prevalence of rabies antibodies was 17.5% in 1,049 bats. CONCLUSIONS: The rabies antibody dosage was not reactive in samples collected before the environmental changes, and there was a progressive increase in subsequent collections that could indicate an increase in rabies virus circulation among bats and risk of a rabies outbreak.
Descritores: Raiva/veterinária
Vírus da Raiva/isolamento & purificação
Quirópteros/virologia
-Raiva/epidemiologia
Raiva/virologia
Vírus da Raiva/imunologia
Fatores de Tempo
Brasil/epidemiologia
Estudos Soroepidemiológicos
Surtos de Doenças
Imunofluorescência/métodos
Anticorpos Antivirais/isolamento & purificação
Limites: Animais
Responsável: BR1.1 - BIREME


  3 / 363 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Almeida, Marilene Fernandes de
Aires, Caroline Cotrim
Texto completo
Id: biblio-1101441
Autor: Almeida, Marilene Fernandes de; Rosa, Adriana Ruckert da; Martorelli, Luzia Fátima Alves; Kataoka, Ana Paula Arruda Geraldes; Aires, Caroline Cotrim.
Título: Rabies virus monitoring in bat populations in Rondônia state, Brazil
Fonte: Rev. Soc. Bras. Med. Trop;53:e20200109, 2020.
Idioma: en.
Descritores: Raiva
Vírus da Raiva
Quirópteros
-Brasil
Zoonoses
Limites: Animais
Responsável: BR1.1 - BIREME


  4 / 363 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-1101439
Autor: Zhao, Lifeng; Chen, Teng; Miao, Faming; Li, Junfeng; Du, Haijun; Zhao, Jinghui.
Título: Bat lyssavirus should be further monitored in Rondônia state, Brazil
Fonte: Rev. Soc. Bras. Med. Trop;53:e20190420, 2020.
Idioma: en.
Projeto: National Natural Science Foundation of China; . National Key Research and Development Program of China.
Descritores: Raiva/transmissão
Zoonoses/transmissão
Zoonoses/virologia
Quirópteros/virologia
Lyssavirus/isolamento & purificação
-Raiva/epidemiologia
Brasil
Reservatórios de Doenças
Zoonoses/epidemiologia
Limites: Animais
Tipo de Publ: Carta
Responsável: BR1.1 - BIREME


  5 / 363 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Texto completo
Id: biblio-1181389
Autor: Daza Arévalo, José Luis(coord).
Título: Prevención de mordedura de murciélagos. Guía del docente / Prevention bat bites. Teacher's guide.
Fonte: Amazonas; Perú Ministerio de Salud. Gobierno Regional Amazonas. Gerencia Regional de Desarrollo Social. Dirección Regional de Salud Amazonas; Jun. 2012. 71 p. ilus.
Idioma: es.
Projeto: Perú Ministerio de Salud. Gobierno Regional Amazonas. Gerencia Regional de Desarrollo Social. Dirección Regional de Salud Amazonas. Proyecto de Investigación \"Evaluación de Metodologías Participativas en la Reducción de Mordeduras de Murciélagos en estudiantes Aguarunas-Huambisas, Amazonas-Perú\".
Resumo: La presente publicación es un material educativo de soporte para la formación docente, que tiene como fin promover comportamientos saludables y la implementación de medidas de prevención que logren la disminución de las mordeduras de murciélagos en la comunidad educativa
Descritores: Controle de Doenças Transmissíveis
Monitoramento Epidemiológico
Quirópteros
Raiva
Vírus da Raiva
-Peru
Tipo de Publ: Guia
Responsável: PE18.1 - Biblioteca Central
[{"text": "PE18.1", "_a": "MINSA 1864"}]


  6 / 363 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: biblio-1178156
Autor: Pires, Renata de Cássia.
Título: Infecção por tripanosomatídeos em morcegos (Mammalia: Chiroptera) capturados em diferentes áreas do Brasil e desenvolvimento de uma PCR Multiplex como ferramenta diagnóstica da infecção por Leishmania spp. em mamíferos silvestres / Trypanosomatid infection in bats (Mammalia: Chiroptera) captured in different areas of Brazil and development of a Multiplex PCR as a diagnostic tool for Leishmania spp. in wild mammals.
Fonte: Rio de Janeiro; s.n; 2017. 172 p. ilus.
Idioma: pt.
Tese: Apresentada a Instituto Oswaldo Cruz para obtenção do grau de Doutor.
Resumo: A capacidade de voo verdadeiro dos morcegos os permite explorar uma diversidade de ambientes com características epidemiológicas distintas. Embora sejam hospedeiros de outros tripanosomatídeos, sua participação no ciclo de transmissão de Leishmania spp. ainda é subestimada. Nesse sentido buscamos identificar a infecção em amostras de baço de morcegos previamente coletadas em seis localidades do Brasil, além de duas expedições realizadas em uma área de transmissão de Leishmaniose (Rebio Guaribas/PB). Entendendo a necessidade de refinar o diagnóstico molecular no sentido de evitar resultados falso-negativos, padronizamos um sistema de PCR Multiplex capaz de detectar simultaneamente a infecção por Leishmania spp. através do kDNA e a viabilidade da amostra por meio da detecção de um fragmento de DNA constitutivo do hospedeiro mamífero (gapdh). Das amostras de baço previamente coletadas 23,2% (32/138) foram positivas para Leishmania spp. As coletas realizadas na Rebio resultaram em 354 morcegos capturados, dos quais 183 foram examinados frente a infecção por tripanosomatídeos. Em quatro animais foi possível o isolamento de três espécies de Trypanosoma, a saber: T. cruzi TcI, T. dionisii, além do primeiro relato de T. marinkelei em Micronycteris minuta. Não foi possível o isolamento de Leishmania spp. entre as culturas de fragmentos de pele, baço ou fígado, entretanto no diagnóstico molecular 37,7% (69/183) foram positivos para o kDNA de Leishmania spp. Sete espécies, do total de 15 analisadas, foram relatadas, pela primeira vez, como hospedeiros de Leishmania spp. no Brasil. No geral, dentre as 101 amostras kDNA positivas, realizamos a PCR direcionada para o marcador HSP70(234) em 64, com amplificação de 76,5% delas (n=49). Destas, 37 foram submetidas ao sequenciamento, porém não obtiveram qualidade suficiente para serem analisadas.

A clonagem gênica foi realizada em 27 amostras, porém não foi possível a identificação do inserto e a caracterização das espécies. O sistema de PCR Multiplex foi desenhado para detectar um fragmento de 212pb do domínio catalítico do gene constitutivo gapdh, dentro das condições previamente estabelecidas para o diagnóstico de 120pb do kDNA de Leishmania spp. As melhores condições de amplificação foram obtidas usando tanto a enzima TaqDNA HiFidelity quanto o pré-mix de PCR por beads (Ge Healthcare®) sob a seguinte ciclagem: 95°C por 1 min, seguido de 30 ciclos de 95°C por 30 segundos, 61°C por 30 segundos e 72°C por 30 segundos e extensão final a 72°C for 1 min. O teste foi capaz de detectar até 0,1ng de DNA de Leishmania em 100ng de DNA de mamífero. A técnica se mostrou eficaz quando testadas em amostras de 106 mamíferos silvestres, utilizando tecidos de pele, baço e fígado, de mais de 20 espécies de mamíferos silvestres de quatro ordens: Chiroptera, Didelhimorphia, Lagomorpha e Rodentia. A reprodutibilidade da técnica permite que este teste possa ser incorporado a rotina do diagnóstico molecular de Leishmania spp. em mamíferos silvestres. A diversidade de morcegos naturalmente infectados e o seu encontro em todas as localidades analisadas, demonstra que esses animais são hospedeiros de espécie(s) de Leishmania em diferentes regiões do país, incluindo áreas endêmicas da parasitose e que o seu papel como reservatórios silvestres ainda necessita ser melhor definido. O monitoramento contínuo destes animais em expedições que busquem não somente o diagnóstico da infecção por Leishmania sp, mas que avancem no sucesso da caracterização em nível específico, é fundamental para o conhecimento das espécies envolvidas em cada localidade, em especial devido à complexidade e dinamicidade da transmissão destes parasitos na natureza. (AU)
Descritores: Trypanosoma
Quirópteros
Reação em Cadeia da Polimerase Multiplex
Leishmania
Animais Selvagens
Limites: Humanos
Tipo de Publ: Relatos de Casos
Responsável: BR15.1 - Biblioteca de Ciências Biomédicas


  7 / 363 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Costa Rica
Texto completo
Id: biblio-1003351
Autor: Ospina-Garcés, Sandra M; Luna, Efraín de; Gerardo Herrera, L; Arroyo-Cabrales, Joaquín; Flores-Martínez, José Juan.
Título: Bite force, cranial morphometrics and size in the fishing bat Myotis vivesi (Chiroptera: Vespertilionidae)
Fonte: Rev. biol. trop;66(4):1614-1628, oct.-dic. 2018. tab, graf.
Idioma: en.
Resumo: Abstract Fish-eating in bats evolved independently in Myotis vivesi (Vespertillionidae) and Noctilio leporinus (Noctilionidae). We compared cranial morphological characters and bite force between these species to test the existence of evolutionary parallelism in piscivory. We collected cranial distances of M. vivesi, two related insectivorous bats (M. velifer and M. keaysi), two facultatively piscivorous bats (M. daubentonii and M. capaccinii), and N. leporinus. We analyzed morphometric data applying multivariate methods to test for differences among the six species. We also measured bite force in M. vivesi and evaluated if this value was well predicted by its cranial size. Both piscivorous species were morphologically different from the facultatively piscivorous and insectivorous species, and skull size had a significant contribution to this difference. However, we did not find morphological and functional similarities that could be interpreted as parallelisms between M. vivesi and N. leporinus. These two piscivorous species differed significantly in cranial measurements and in bite force. Bite force measured for M. vivesi was well predicted by skull size. Piscivory in M. vivesi might be associated to the existence of a vertically displaced temporal muscle and an increase in gape angle that allows a moderate bite force to process food.(AU)

Resumen La alimentación por peces en murciélagos evolucionó independientemente en Myotis vivesi (Vespertilionidae) y Noctilio leporinus (Phyllostomidae). En este estudio se compararon características craneales morfológicas y fuerza de mordida entre estas especies, para probar la existencia de paralelismo evolucionario en piscivoría. Se recolectaron distancias craneales en M. vivesi, dos parientes insectívoros (M. velifer y M. keaysi), dos murciélagos piscívoros facultativos (M. daubentonii y M. capaccinii), y N. leporinus. Se analizaron datos morfométricos aplicando múltiples métodos para probar las diferencias entre las seis especies. Se midió la fuerza de mordida en M. vivesi y se evalúo si puede ser predicha por el tamaño del cráneo. Las especies piscívoras fueron morfológicamente diferentes de las facultativamente piscívoras y las insectívoras, el tamaño del cráneo tuvo una contribución significativa en esta diferencia. Sin embargo, no encontramos semejanzas morfológicas y funcionales que puedan ser interpretadas como paralelismos entre M. vivesi y N. leporinus. Estas dos especies piscívoras difieren significativamente en medidas craneales y fuerza de mordida. La fuerza de mordida en M. vivesi fue efectivamente predicha por el tamaño de cráneo. La piscivoría en M. vivesi puede estar asociada con la existencia de un músculo temporal verticalmente desplazado y el incremento en el ángulo de apertura mandibular que permite moderar la fuerza de mordida para procesar el alimento.(AU)
Descritores: Força de Mordida
Quirópteros
Pesqueiros
Mandíbula
Responsável: BR1.1 - BIREME


  8 / 363 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: biblio-1151456
Autor: Ferrari, João José de Freitas.
Título: Morcego hematófago comum Desmodus rotundus no Vale do Paraíba, Estado de São Paulo: abrigos diurnos, agrupamentos, lesões corporais e sorologia antirrábica / The common hematophagous bat Desmodus rotundus in the Paraíba Valley, State of São Paulo: diurnal shelters, groups, body injuries and rabies sorology.
Fonte: São Paulo; s.n; 2015. 160 p.
Idioma: pt.
Tese: Apresentada a Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública para obtenção do grau de Doutor.
Resumo: Apesar dos morcegos hematófagos serem muito estudados, diversos aspectos de sua biologia e de seu papel na transmissão da raiva ainda não são conhecidos. O objetivo da presente tese foi estudar os abrigos diurnos, os agrupamentos e o comportamento agonístico do morcego hematófago comum, Desmodus rotundus, e sua relação com a raiva dos herbívoros no Vale do Paraíba. Foi possível também obter informações sobre as duas outras espécies de morcegos hematófagos, especialmente de Diphylla ecaudata. Entre 2011 e 2014, dados sobre abrigos diurnos, composição dos agrupamentos, lesões corporais, diagnóstico de raiva e sorologia antirrábica de D. rotundus foram obtidos nos municípios de Jacareí, Paraibuna, Pindamonhangaba, Salesópolis, Santa Branca e São Luiz do Paraitinga no Vale do Paraíba, Sudeste do estado de São Paulo, Sudeste do Brasil. Foram estudados 14 abrigos diurnos de D. rotundus, dos quais 12 eram construções abandonadas na área rural. Desmodus rotundus partilhou abrigos diurnos com apenas cinco espécies de filostomídeos: Diphylla ecaudata, Chrotopterus auritus, Carollia perspicillata, Glossophaga soricina e Anoura caudifer. O tempo de recolonização desses abrigos diurnos por D. rotundus foi em média 12,5 meses, com uma variação entre três e 25 meses. O tamanho dos agrupamentos variou de dois a 79 indivíduos, com uma média de 15,6 morcegos/grupo. Fêmeas foram encontradas em 15 agrupamentos, com uma média de 13 fêmeas e uma variação entre uma e 55 fêmeas/grupo. Por outro lado, machos estiveram mais presentes nos agrupamentos, ocorrendo em quase todos (N=21), com uma média de 7,1 machos/grupo e uma variação de um a 24 machos. Sete agrupamentos foram considerados de machos solteiros. Onze dos 22 agrupamentos eram constituídos de colônia e grupo de machos solteiros. O dimorfismo sexual no comprimento do antebraço de D. rotundus do Vale do Paraíba foi estatisticamente significativo e sugere que as fêmeas são maiores 13 do que os machos. Lesões corporais, atribuídas às mordeduras provocadas por outros morcegos, foram encontradas em 76,7 por cento dos indivíduos de D. rotundus, tanto em machos como em fêmeas. A região mais atingida foram as membranas alares, com 68 por cento , porém lesões nas orelhas, face e membros foram menos frequentes (23,1 por cento nas fêmeas e 26,9 por cento nos machos). Acredita-se que as lesões nessas regiões sejam mais importantes nos mecanismos de transmissão de raiva. Apesar de ter analisado 310 amostras de encéfalos de D. rotundus do Vale do Paraíba, o resultado foi negativo em todas as amostras. A sorologia mostrou que todos os morcegos apresentaram positividade em diferentes graus. Contudo, se considerarmos o ponto de corte 0,5 UI/ml, o número de indivíduos positivos caiu para 30,1 por cento (N=90), sendo 30,9 por cento nas fêmeas e 28,8 por cento em machos. Apesar de nenhum indivíduo de D. rotundus positivo para a raiva ter sido encontrado no Vale do Paraíba durante a presente tese, a sorologia positiva de, pelo menos, 30 por cento mostra que há vírus da raiva circulando em sua população. Essa alta circulação viral pode ter sido favorecida pelas interações agonísticas, que causam lesões em mais de 75 por cento dos morcegos, a formação compacta (em penca) dos agrupamentos, o grooming social, a reciprocidade e partilha alimentar

Despite the hematophagous bats are very studied, many aspects of their biology and their role in the transmission of rabies are not yet known. The aim of this thesis was to study the diurnal shelters, groups and the agonistic behavior of the common hematophagous, Desmodus rotundus, and its relation to the cattle rabies in the Paraíba Valley. It was also possible to obtain information about the two other species of vampire bats, especially Diphylla ecaudata. Between 2011 and 2014, data on diurnal shelters, composition of groups, body injuries, diagnosis of rabies and rabies serology D. rotundus were gathered from the cities of Jacarei, Paraibuna, Pindamonhangaba, Salesópolis, Santa Branca and São Luiz do Paraitinga in the Valley Paraíba, Southeastern of São Paulo State, Southeastern Brazil. Fourteen diurnal shelters of D. rotundus were studied here and 12 were abandoned buildings in rural areas. Desmodus rotundus shared daytime shelters with only five species of phyllostomid bats: Diphylla ecaudata, Chrotopterus auritus, Carollia perspicillata, Glossophaga soricina and Anoura caudifer. The time of recolonization of these roosts by D. rotundus was on average 12.5 months, ranging from three to 25 months. The size of the groups ranged from two to 79 individuals, with a mean of 15.6 bats/group. Females were found in 15 groups with an average of 13 females/group and ranging between one and 55 females. Moreover, males were present in most groups from Paraíba Valley, occurring in almost all (N = 21), with an average of 7.1 males/group, and a variation of 24 males. Seven groups were considered to be single males groups. Eleven of the 22 groups were made up of colony and single male groups. Sexual dimorphism in the forearm length of D. rotundus from the Paraíba Valley was statistically significant and suggests that females are larger than males. Body Injuries, attributed to bites caused by other bats were found in 76.7 per cent of individuals of D. rotundus, in both males and females. The most affected region was the wing membranes, with 68 per cent , but lesions on the ears, face and limbs were less frequent (23.1 per cent in females and 26.9 per cent in males). It is believed that injuries in these regions are more important in the rabies transmission mechanism. Despite having analyzed 310 samples of brains of D. rotundus from the Paraíba Valley, the result was negative in all samples. Serology showed that all bats were positive in varying degrees. However, if we consider the cut off 0.5 IU/ml, the number of positive samples dropped to 30.1 per cent (N = 90) and 30.9 per cent in females and 28.8 per cent males. Although no individual of D. rotundus positive for rabies was found in the Paraíba Valley during this thesis, the positive serology at least 30 per cent shows that there is rabies virus circulating in this bat population. This high viral circulation may have been favored by agonistic interactions, that cause lesions in more than 75 per cent of the bats, the compact formation (in clusters) of groups, social grooming, reciprocity and food sharing.
Descritores: Raiva
Mordeduras e Picadas
Quirópteros
Caracteres Sexuais
Comportamento Agonístico
Responsável: BR67.1 - CIR - Biblioteca - Centro de Informação e Referência


  9 / 363 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-1135643
Autor: Serenini, Grazielli F; Beltrami, José Matheus; Gerônimo, Edson; Favetta, Paula M; Legnani, Nathalia G. E; Otutumi, Luciana K; Martins, Lisiane A; Germano, Ricardo M.
Título: Quantification of the neurons of myenteric plexus of the bat molossus rufus / Quantificação dos neurônios do plexo mientérico de morcegos da espécie Molossus rufus
Fonte: Pesqui. vet. bras = Braz. j. vet. res;40(6):493-500, June 2020. tab, graf, mapas.
Idioma: en.
Resumo: There are no studies that characterize the enteric nervous system (ENS) bats. The organization and density of myenteric neurons may vary according to the animal species, as well as the segment of the digestive tube considered. The nitric oxide is one of the key neurotransmitters present in the myenteric neurons, acting as a mediator in the smooth muscle relaxation. These neurons are evidenced by immunohistochemistry of nitric oxide synthase (NOS) or by NADPH-diaphorase histochemistry. In this sense, this study aimed to characterize the total neuronal population and subpopulation NADPH-d+ of the myenteric plexus present in the jejunum of the insectivore species Molossus rufus quantitatively. Five specimens were collected of M. rufus in a buffer area of the "Reserva Biológica das Perobas" in the microregion of Cianorte/PR. After the euthanasia, in a chamber saturated with isoflurane, segments were collected from the small intestine corresponding to the jejunum intended for two techniques for neuronal marking, Giemsa and NADPH-diaphorase, and a fragment to the histological technique of hematoxylin-eosin and Masson's trichrome. All the procedures were approved by the "Comitê de Ética no Uso de Animais Unipar" (CEUA - protocol No. 34347/2017) and the "Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade" (ICMBio - protocol No. 60061-1) The histological sections allowed to highlight the location of the myenteric plexus between the longitudinal and circular layers of the muscular tunic. The myenteric plexus had an average of total neuronal population (neurons Giemsa+) of 279.23 neurons/mm2, being the nitrergic neurons (neurons NADPH-d+) represented 20.4% of this total population, with an average of 58.14 neuron/mm2. Therefore, the collected data are consistent with previous studies in other mammalian species concerning the location of the myenteric plexus, as well as the neural myenteric proportion NADPH-d+ compared with the population of neurons Giemsa+. The gaps in the knowledge of ENS of bats limits comparative intraspecific and interspecific studies.(AU)

Não há estudos que caracterizem o sistema nervoso entérico (SNE) destes animais, configurando uma lacuna no conhecimento quanto à biologia destes indivíduos. A organização e densidade dos neurônios mientéricos podem variar de acordo com a espécie animal bem como o segmento do tubo digestório considerado. O óxido nítrico é um dos principais neurotransmissores presentes nos neurônios mientéricos, atuando como mediador no relaxamento do músculo liso gastrointestinal, de modo que estes neurônios são evidenciados igualmente pela imunohistoquímica da óxido nítrico-sintase (NOS) ou pela histoquímica da NADPH-diaforase. Neste sentido, objetivou-se caracterizar quantitativamente a população neuronal total e subpopulação NADPH-d+ do plexo mientérico presente no jejuno da espécie Molossus rufus de hábito alimentar insetívoro. Foram coletados cinco espécimes de M. rufus em área de amortecimento da Reserva Biológica das Perobas na microrregião de Cianorte/PR. Após a eutanásia, em câmara saturada com isoflurano, foram coletados segmentos do intestino delgado correspondentes ao jejuno destinados a duas técnicas para marcação neuronal, Giemsa e NADPH-diaforase e, um fragmento para a técnica histológica de hematoxilina-eosina e tricômio de Masson. Todos os procedimentos realizados foram aprovados pelo Comitê de Ética no Uso de Animais da Unipar (CEUA - protocolo nº 34347/2017) e pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio - protocolo nº 60061-1) Os cortes histológicos possibilitaram evidenciar a localização do plexo mientérico entre os estratos longitudinal e circular da túnica muscular. Neurônios Giemsa+ apresentaram uma média de 279,23 neurônios/mm2, já os neurônios nitrérgicos apresentaram em média 20,4% da população neuronal mientérica total, sendo evidenciados 58,14 neurônios NADPH-d+/mm2. Portanto, os dados coletados mostram-se condizentes com estudos anteriores em outras espécies de mamíferos quanto à localização do plexo mientérico, bem como, a proporção neuronal mientérica NADPH-d+ comparada com a população de neurônios Giemsa+. As lacunas existentes quanto ao conhecimento do SNE de morcegos limita possíveis inferências em comparativo intraespecífico e interespecífico.(AU)
Descritores: Quirópteros/anatomia & histologia
Sistema Nervoso Entérico/anatomia & histologia
Plexo Mientérico/anatomia & histologia
Neurônios
Limites: Animais
Responsável: BR68.1 - Biblioteca Virginie Buff D'Ápice


  10 / 363 LILACS  
              first record previous record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Cuba
Texto completo
Texto completo
Id: biblio-1144496
Autor: Iglesias-Osores, Sebastián.
Título: Reservorios de murciélagos relacionados con el SARS-CoV-2 / Bat reservoirs related to SARS-CoV-2
Fonte: Rev. cuba. med. mil;49(3):e738, jul.-set. 2020. fig.
Idioma: es.
Resumo: Los murciélagos son mamíferos, documentados como infectados por coronavirus similares al SARS, relacionados con el SARS-CoV-2, que causan la COVID-19.(1) Los murciélagos representan aproximadamente el 20 por ciento de todas las especies de mamíferos clasificados en 1 200 especies. Se alimentan principalmente de frutas, son dispersores de semillas y polinizadores alrededor del mundo,(2) esto hizo que esta especie fuera importante en la ecología de los ecosistema(AU)
Descritores: Coronavirus
-Quirópteros
Infecções por Coronavirus/diagnóstico
Limites: Humanos
Tipo de Publ: Carta
Responsável: CU1.1 - Biblioteca Médica Nacional



página 1 de 37 ir para página                         
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde