Base de dados : LILACS
Pesquisa : B01.050.150.900.649.801.400.112.199.120.510 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 36 [refinar]
Mostrando: 1 .. 10   no formato [Detalhado]

página 1 de 4 ir para página            

  1 / 36 LILACS  
              next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Braz, Marlene
Id: 422347
Autor: Paixão, Rita Leal.
Título: Macacos sem mãe pesquisas sem ética: lições dos estudos de separação materno-infantil e seus desafios à bioética / Monkeys without mother research without ethics: studies of maternal and child separation and its challenges to the bioethics
Fonte: In: Schramm, Femin Roland; Braz, Marlene. Bioética e saúde: novos tempos para mulheres e crianças?. Rio de Janeiro, Fiocruz, 2005. p.237-257. (Coleção criança, mulher e saúde).
Idioma: pt.
Descritores: Relações Mãe-Filho
Bioética
Behaviorismo
Pesquisa Biomédica
-Macaca
Limites: Masculino
Feminino
Animais
Responsável: BR526.1 - Biblioteca de Saúde Pública
BR526.1; 174.957, S377b; BR1719.1; 170 EF, S478b, 2005


  2 / 36 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: 367120
Autor: Grupo de Consulta de la OMS sobre Modelos Animales de la Infeccion por VIH y del SIDA.
Título: Modelos animales de la infeccion por VIH y del SIDA: Memorandum de una Reunión de la OMS / Animal models for HIV infection and AIDS: Memorandum from a WHO Meeting
Fonte: Bol. Oficina Sanit. Panam;105(5/6):763-787, nov.-dic. 1988.
Idioma: es.
Conferência: Apresentado em: Grupo de Consulta de la OMS sobre Modelos Animales de la Infeccion por VIH y del SIDA, Ginebra, 28-30 mar. 1988.
Resumo: Animal models may be used for the study of HIV (human immunodeficiency virus) infection and AIDS (acquired immunodeficiency syndrome). Three major animal models that reproduce many aspects of HIV infection in man are available: infection by simian immunodeficiency viruses (SIV) and by non-primates lentiviruses, and HIV infection of non-human primates. The use of primate and nom-primate lentivirus models is critical for the continued development of vaccines and therapeutics for AIDS. This Memorandum describes the present situation in this área of research, as reported by the participants at a WHO Consultation in Geneva, Switzerland, in March 1988, and includes their recommendations
Descritores: Modelos Animais de Doenças
Síndrome de Imunodeficiência Adquirida
Síndrome de Imunodeficiência Adquirida/terapia
Infecções por Deltaretrovirus/imunologia
-Pan troglodytes
Macaca
Papio
Primatas
Infecções por Retroviridae
Vacinas Virais/isolamento & purificação
Responsável: US1.1 - HQ Library


  3 / 36 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: 355606
Autor: Queiroz, Joäo.
Título: Comunicaçäo simbólica em primatas näo-humanos: uma análise baseada na semiótica de C. S. Peirce / Symbol-based communication in non-human primates: a C. S. Peirce's semiotic analysis
Fonte: Rev. bras. psiquiatr;25(supl.2):2-5, dez. 2003.
Idioma: pt.
Resumo: Existem (ou existiram) outras espécies de criaturas simbólicas? Essa questäo tem sido abordada por pesquisadores de diversas áreas e é responsável por uma histórica controvérsia sobre a existência de um limiar entre "criaturas simbólicas" vs "criaturas capazes de produzir formas simples de linguagem". Conforme o mainstream em Etologia e Psicologia Comparada apenas o Homo sapiens está cognitivamente equipado para produzir e interpretar símbolos. Vou introduzir um modelo empiricamente testável de semiose simbólica ("açäo simbólica do signo"), baseada na teoria das categorias lógico-fenomenológicas de C.S.Peirce. Vou sugerir que um padräo específico de comportamento do usuário do signo, observado na comunicaçäo de primatas näo-humanos, indica a transiçäo de uma semiose indexical para uma simbólica
Descritores: Simbolismo
Primatas/psicologia
Linguagem
-Comunicação
Macaca
Limites: Humanos
Animais
Responsável: BR1.1 - BIREME


  4 / 36 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: 349687
Autor: Marchevsky, Renato Sérgio.
Título: Comportamento do vírus da Febre Amarela 17D no teste de neurotropismo e viscerotropismo em primatas não-humanos / The yellow fever 17d virus behaviour in the neurovirulence and viscerotropism test of not human primates.
Fonte: Rio de Janeiro; s.n; dez. 2001. xxvi,223 p. ilus.
Idioma: pt.
Tese: Apresentada a Instituto Oswaldo Cruz para obtenção do grau de Doutor.
Resumo: O vírus da febre amarela 17D é atenuado e utilizado para a vacinação humana contra febre amarela. Este vírus existe como duas subcepas, 17D-204 e 17DD, ambas utilizadas para o preparo da vacina com excelente histórico de eficácia e segurança. A referida vacina apresenta diversas vantagens, como a replicação viral limitada no hospedeiro, havendo uma expansão e disseminação da massa antigênica, resposta duradoura em termos de anticorpos neutralizantes, resposta imune celular com a apresentação de antígenos pelo complexo de histocompatibilidade principal (MHC), a metodologia de produção e controle de qualidade bem estabelecidos que inclui o TNV em macacos... O presente trabalho tem, portanto, como objetivo, o estudo da atenuação e imunogenicidade do vírus 17D no TNV, analisando parâmetros como viremia, seroconversão e coeficientes clínico e histológico (SNC) para diversos vírus 17D. Tal conhecimento mostra-se de importância na melhor compreensão do perfil de atenuação do vírus 17D, recombinante ou não, visando à validação destes para etapas posteriores de produção... Levando-se em conta de que não sabemos exatamente o grau de neurotropismo que será encontrado com cada um dos recombinantes (vírus 17D expressando diferentes antígenos) é importante observar quanta variação pode ser tolerada nos valores dos coeficientes clínico e histológico, já que as duas cepas são utilizadas há décadas para vacinação humana. Estabelecemos que os perfisnos coeficientes clínico e histológico entre os diferentes vírus. O vírus 17D-213 foi o mais atenuado sob estes parâmetros seguido pelo vírus 17D-204 e o vírus 17DD. Este último vem sendo utilizado há décadas para a imunização humana com igual eficácia e segurança, daí tornar-se claro que a variabilidade observada tanto fenotípica quanto genética não compromete seu uso para a vacinação humana. Esta observação sugere, também, que - na criação de novos vírus 17D recombinantes - há alguma margem de variabilidade entre os escores dos diferentes vírus, sem que isso necessariamente implique o aumento de virulência para humanos. À medida que outros vírus 17D serão construídos, contendo genes heterólogos, novos testes de neurotropismo serão realizados, aumentando nossa experiência com o TNV e definindo melhor a variação aceitável para os coeficientes clínico e histológico. Definiremos, portanto, com mais segurança, o fenótipo do vírus teste.
Descritores: Primatas
Animais de Laboratório
Febre Amarela/virologia
Vacina contra Febre Amarela/imunologia
-Macaca
Limites: Animais
Tipo de Publ: Relatos de Casos
Responsável: BR15.1 - Biblioteca de Ciências Biomédicas
BR15.1


  5 / 36 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: 312486
Autor: Rabelo-Gonçalves, Elizabeth M. Afonso; Nishimura, Nancy Fusae; Zeitune, José M. Robilotta.
Título: Modelos experimentais para a infecçäo pelo H pylori / Experimental models for H pylori infection
Fonte: GED gastroenterol. endosc. dig;19(2):84-89, mar./abr. 2000.
Idioma: pt.
Resumo: A importância do estabelecimento de modelos experimentais adequados para o estudo da infecçäo causada pelo H. pylori baseia-se no fato de que estes modelos podem ser empregados na produçäo de vacinas e fármacos, utilizados na profilaxia e no tratamento da infecçäo, respectivamente. Considerando que essa bacteria apresenta importante papel na etiopatogenia das doenças gastrintestinais e sabendo que ela pode ser encontrada em hospedeiros näo humanos, vários estudos têm demonstrado a inoculaçäo experimental de H. pylori em espécies convencionais e näo-convencionais de animais de laboratório. Dentre as espécies consideradas näo-convencionais, säo utilizados porcos gnotobióticos, macacos,cäes e gatos. Apesar destes modelos fornecerem resultados promissores para o estudo da infecçäo, a inoculaçäo experimental em pequenos roedores com H.pylori é realizado com maior frequência, considerando que estes animais säo espécies de uso näo convencional pelos pesquisadores. Dentre essas espécies, o comundongo BALB/c é alinhagem mais empregada, embora o gerbil mongoliano seja o roedor mais suscetível à ulcerogênese e carcinogêneses induzidas pela inoculaçäo do H. pylori
Descritores: Modelos Animais de Doenças
Helicobacter pylori/patogenicidade
-Gastroenterite/etiologia
Macaca
Suínos
Infecção
Limites: Animais
Cães
Gatos
Camundongos
Responsável: BR9.1 - Biblioteca de Ciências da Saúde Profa. Susana Schimidt


  6 / 36 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: 278783
Autor: Rodrigues, Elaine G; Tsuji, Moriya.
Título: Malaria vaccine development: Various immunization regimens for efficient induction of protective anti-malaria immunity
Fonte: Ciênc. cult. (Säo Paulo);52(4/5):288-94, jul.-out. 2000. ilus, tab.
Idioma: en.
Resumo: A malária permanece como a maior causa de morbidade e mortalidade humana em todo o mundo, devido à inexist6encia de medidas de controle eficientes para esta infecçäo. Considera-se que a vacinaçäo pode ser um meio eficaz que complementará outras estratégias de prevençäo e controle desta doença no futuro. Embora a possibilidade de uma vacina contra a malária tenha sido demonstrada nos anos 70, o desenvolvimento de uma facina universalmente eficaz contra esta parasitose tem sido uma difícil tarefa devido a diversos problemas complexos. Um dos aspectos é a complexidade do ciclo de vida do parasita, o qual envolve diferentes estágios que possuem antígenos específicos. Muitos antígenos parasitários têm sido investigados como candidatos potenciais à vacinaçäo, e a busca continua, com antígenos adicionais, sendo recentemente indentificados e caracterizados. Alguns desses antígenos estágio-específicos säo capazes de induzir respostas imunoprotetoras celular e humoral no hospedeiro. Todavia, essas respostas imunoprotetoras säo geralmente restritas geneticamente, adicionando outra dificuldade ao desenvolvimento de uma vacina universalmente eficaz. Por fim, o antígeno estágio-específico deve ser introduzido no hospedeiro utilizando-se um sistema de liberaçäo que possa induzir eficientemente respostas protetoras contra os respectivos estágios. No presente trabalho, revemos as diversas tentativas visando a induçäo de imunidade protetora contra todos os estágios do parasita, levando em consideraçäo os aspectos mencionados acima, que säo os antígenos protetores estágio-específicos, as respostas imunoprotetoras do hospedeiro, e os sistemas de liberaçäo antigênica.
Descritores: Vacinas Antimaláricas/imunologia
Vacinação
Malária/imunologia
Malária/prevenção & controle
-Estágios do Ciclo de Vida
Antígenos de Protozoários/imunologia
Vacinas de DNA/imunologia
Macaca
Ensaios Clínicos como Assunto
Imunidade
Plasmodium yoelii/imunologia
Plasmodium berghei/imunologia
Plasmodium falciparum/imunologia
Plasmodium/crescimento & desenvolvimento
Limites: Humanos
Animais
Camundongos
Responsável: BR513.1 - BCE - Biblioteca Central


  7 / 36 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: 226682
Autor: Senderey, Saúl.
Título: Algunos avances en los conocimientos sobre la obesidad y la diabetes / Some advances in knowledge about obesity and diabetes
Fonte: Rev. Soc. Argent. Nutr;9(3):47, 1998.
Idioma: es.
Descritores: Obesidade/fisiopatologia
Diabetes Mellitus Tipo 2/fisiopatologia
-Obesidade/veterinária
Diabetes Mellitus/mortalidade
Diabetes Mellitus Tipo 2/dietoterapia
Macaca
Perda de Peso/fisiologia
Expectativa de Vida
Limites: Humanos
Animais
Tipo de Publ: Editorial
Responsável: AR144.1 - CIBCHACO - Centro de Información Biomedica del Chaco


  8 / 36 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Ades, Cesar
Id: 213342
Autor: Ades, César.
Título: A mirror for the self
Fonte: Ciênc. cult. (Säo Paulo);50(2/3):123-8, Mar.-Jun. 1998.
Idioma: en.
Projeto: CNPq. 305618/78-4.
Resumo: Do animals own self-awareness and a self-concept? A classical yes answer to such question, based on self-recognition reactions chimpanzees and some other apes perform when looking at their mirror-image is critically discussed. A multiple features approach to self-knowledge which considers knowledge about the body, socially-mediated and linguistic self-knowledge is proposed as a framework for comparative research.
Descritores: Estado de Consciência
Imagem Corporal
Comportamento Animal
-Pan troglodytes
Macaca
Limites: Animais
Tipo de Publ: Revisão
Responsável: BR1.1 - BIREME


  9 / 36 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Chain, Marcelo Carvalho
Id: 211002
Autor: Chain, Marcelo Carvalho; Chain, Juliana Borba; Cox, Charles C.
Título: Hidróxido de cálcio: uma revisäo crítica / Calcium hydroxide: critical review
Fonte: Rev. bras. odontol;54(5):306-11, set.-out. 1997. ilus, tab.
Idioma: pt.
Resumo: Desde sua introduçäo por Hermann em 1930 (30), os produtos à base de hidróxido de cálcio têm sido extensivamente utilizados em Odontologia, sendo suas principais aplicaçöes em Endodontia, como forrador cavitário e como agente de capeamento pulpar. Tamanha utilizaçäo é talvez justificada por propriedades positivas deste material, como seu poder bacteriostático e bactericida, assim como sua açäo "estimulante" de neoformaçäo dentinária relatada em muitos trabalhos. Entretanto, o hidróxido de cálcio é um material muito solúvel, näo possui qualquer adesäo à estrutura dentária e é incapaz de prover um selo hermético à cavidade, propriciando com isso os malefícios provenientes da microinfiltraçäo. Além disso, sua açäo bactericida, sua participaçäo na formaçäo de dentina esclerosada e seu mecanismo de açäo na estimulaçäo da formaçäo de ponte de dentina nunca foram bem esclarecidos, continuando objeto de controvérsia. A intençäo desta revisäo é discutir a validade da utilizaçäo do hidróxido de cálcio como material forrador e como agente de capeamento pulpar, mostrando seus pontos críticos e sugerindo melhores alternativas de tratamento
Descritores: Hidróxido de Cálcio/farmacologia
Cimento de Silicato
Capeamento da Polpa Dentária/veterinária
Forramento da Cavidade Dentária
Dentina/efeitos de drogas
-Hidróxido de Cálcio/efeitos adversos
Capeamento da Polpa Dentária/efeitos adversos
Macaca
Limites: Animais
Cães
Tipo de Publ: Revisão
Responsável: BR1141.1 - Biblioteca Central


  10 / 36 LILACS  
              first record previous record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: 201602
Autor: Veiga Neto, Eduardo Rafael.
Título: Aspectos morfológicos, histoquímicos e ultra-estruturais da glândula lacrimal do macaco-prego (Cebus apella) / Morphological, histochemical and ultrastructural aspects.
Fonte: Botucatu; s.n; 1995. 94 p. ilus, tab.
Idioma: pt.
Tese: Apresentada a Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" para obtenção do grau de Doutor.
Descritores: Aparelho Lacrimal/anatomia & histologia
Aparelho Lacrimal/ultraestrutura
Cebus
Glândulas Exócrinas/anatomia & histologia
Glândulas Exócrinas/ultraestrutura
Macaca
Limites: Animais
Masculino
Responsável: BR33.1 - Divisão de Biblioteca e Documentação
59



página 1 de 4 ir para página            
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde