Base de dados : LILACS
Pesquisa : B01.050.500.500.294.400.937.463.410 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 3 [refinar]
Mostrando: 1 .. 3   no formato [Detalhado]

página 1 de 1

  1 / 3 LILACS  
              next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-622551
Autor: Passos, Renato Magalhães; Barbosa, Carolina Pelegrini; Almeida, Juliana de Souza; Ogawa, Guilherme Maerschner; Camargo, Luis Marcelo Aranha.
Título: Subconjunctival Loa loa worm: first case report in Brazil / Verme subconjuntival da espécie Loa loa: primeiro caso no Brasil
Fonte: Arq. bras. oftalmol;75(1):67-70, jan.-fev. 2012. ilus, tab.
Idioma: en.
Resumo: We report the first case of ocular infestation by Loa loa in Brazil. Loiasis is caused by infestation with Loa loa, a filarial parasite originally found in the rainforests of western and central Africa. It is transmitted by the bite of the fly Chrysops and has been recently described in other places other than Africa, in African immigrants or travellers. Our case is a 33 year-old woman from Cameroon who was living in São Paulo, Brazil, for 5 years. She was asymptomatic until one morning she started feeling "something moving" in the left eye. Under topical anesthesia, on the slit lamp, a moving worm was removed from the subconjunctival space, which later was confirmed to be a male Loa loa adult specimen. Blood tests revealed microfilaraemia of 129 mf/mL. The patient was treated with 400 mg oral albendazole for 3 weeks and 60 mg prednisone. This report illustrates an unusual ocular disease, which is extremely rare outside of Africa, but easily diagnosed and treated. Ophthalmologists should be aware of it, in face of an increasingly globalized world.

Este é o primeiro relato na literatura nacional e internacional de infestação ocular por Loa loa no Brasil. A loíase é uma filariose causada pelo parasita Loa loa, encontrado nas florestas tropicais da África equatorial. A transmissão se dá pela picada do mosquito Chrysops e casos têm sido descritos em países não africanos, em imigrantes e viajantes. O presente caso trata-se de uma paciente de 33 anos natural de Camarões e residente em São Paulo, Brasil, há 5 anos. Até então assintomática, uma manhã sentiu algo "se mexendo" em seu olho esquerdo. Sob anestesia tópica, na lâmpada de fenda, um verme altamente móvel foi removido do espaço subconjuntival e enviado para identificação, que confirmou tratar-se de um espécime macho adulto de Loa loa. Testes sanguíneos revelaram microfilaremia de 129 mf/mL. A paciente foi tratada com albendazol 400 mg e prednisona 60 mg esquema regressivo por 3 semanas. Este relato ilustra uma doença excepcionalmente rara no Brasil, e praticamente desconhecida dos oftalmologistas em nosso país.
Descritores: Doenças da Túnica Conjuntiva/parasitologia
Infecções Oculares Parasitárias/parasitologia
Loa/isolamento & purificação
Loíase/parasitologia
-Brasil
Doenças da Túnica Conjuntiva/diagnóstico
Infecções Oculares Parasitárias/diagnóstico
Loíase/diagnóstico
Limites: Adulto
Animais
Feminino
Humanos
Tipo de Publ: Relatos de Casos
Responsável: BR1.1 - BIREME


  2 / 3 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Cuba
Texto completo
Id: lil-299597
Autor: Gómez Vital, Miguel; Orihuela de la Cal, Jorge Luis; Fernández Cárdenas, Norma.
Título: Parasitismo exótico en becarios / Exotin parasitism in foreign fellow holders
Fonte: Rev. cuba. med. gen. integr;15(4):415-418, jul.-ago. 1999. tab.
Idioma: es.
Resumo: Se realiza una exposición de los casos notificados como parasitismo exótico en becarios extranjeros, radicados en la provincia de Villa Clara, en el período comprendido entre 1992 y 1997. Los casos positivos son varones en su mayoría; los parásitos más frecuentes fueron el Schistosoma haematobium, el Schistosoma mansoni y la Filaria loa-loa. Se mantiene el pesquisaje de estas afecciones y otras que pudieran presentarse para evitar su propagación en el país
Descritores: Bolsas de Estudo
Filariose
Loa
Schistosoma haematobium
Schistosoma mansoni
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Responsável: CU1.1 - Biblioteca Médica Nacional


  3 / 3 LILACS  
              first record previous record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: lil-127791
Autor: Caraballo, Alejandro; Alvarado, Jorge.
Título: Report of imported cases of Loa loa in Venezuela
Fonte: Mem. Inst. Oswaldo Cruz;85(4):485, Oct.-Dec. 1990.
Idioma: en.
Descritores: Loíase/epidemiologia
-Dietilcarbamazina/uso terapêutico
Loa/isolamento & purificação
Loíase/tratamento farmacológico
Venezuela/epidemiologia
Limites: Humanos
Animais
Masculino
Adulto
Responsável: BR1.1 - BIREME



página 1 de 1
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde