Base de dados : LILACS
Pesquisa : B01.650.940.800.575.912.250.238 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 17 [refinar]
Mostrando: 1 .. 10   no formato [Detalhado]

página 1 de 2 ir para página        

  1 / 17 LILACS  
              next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Texto completo
Id: biblio-1048630
Autor: Pereira, Alexandre Igor Azevedo; Freitas, Lucas Barbosa de; Cantuário, Fernando Soares de; Curvêlo, Carmen Rosa da Silva; Amaro, Geovani Bernardo; Luz, José Magno Queiroz.
Título: Field adaptation of sweet potato genotypes enriched of ß - carotene, in the state of Goiás / Adaptação no campo de genótipos de batata-doce enriquecidos de ß-caroteno, no estado de Goiás
Fonte: Biosci. j. (Online);35(3):723-731, may./jun. 2019. tab, ilus, graf.
Idioma: en.
Resumo: Most sweet potato genotypes marketed in Brazil have white, yellow or cream pulp color with negligible carotenoid contents. The use of beta-carotene rich sweet potato materials may contribute to improve people welfare, especially those at critical nutritional conditions. The yield-related traits and marketable tuber quality of 10 beta-carotene biofortified (or not) sweet potato genotypes were assessed in a Brazilian Cerrado area. Differences for all traits were found, with some materials prevailing. However, four of them (CNPH 1190, CNPH 1206, CNPH 1210 and CNPH 1310) showed good adaptability. CNPH 1210 had the highest yield (52.21 ton ha-1), 4.28 times higher than the Brazilian sweet potato average yield. CNPH 1210 and CNPH 1310 had the highest tuber numbers and the most preferred mass class for consumers, and therefore, they furnished the best marketable genotypes. Nevertheless, the materials CNPH 1210 and CNPH 1310 (both orange-fleshed sweet potatoes) stood out for tuber market quality. Our results may stimulate organized civil society efforts to improve the production and consumption of beta-carotene-rich sweet potato materials in municipalities in the Brazilian Cerrado.

A maioria dos genótipos de batata-doce comercializados no Brasil tem cor de polpa branca, amarela ou creme, com conteúdo desprezível de carotenóides. O uso de materiais de batata-doce ricos em beta-caroteno pode contribuir para melhorar o bem-estar das pessoas, especialmente aquelas em condições nutricionais críticas. Características relacionadas ao rendimento e a qualidade comercial dos tubérculos de 10 genótipos de batata-doce biofortificada (ou não) com beta-caroteno foram avaliadas em uma área do Cerrado brasileiro. Diferenças para todas as características foram encontradas, com alguns materiais predominantes. No entanto, quatro deles (CNPH 1190, CNPH 1206, CNPH 1210 e CNPH 1310) mostraram boa adaptabilidade. O CNPH 1210 teve o maior rendimento (52,21 ton ha-1), 4,28 vezes maior que o rendimento nacional médio da batata-doce brasileira. CNPH 1210 e CNPH 1310 tiveram o maior número de tubérculos e a classe de massamais preferida para os consumidores e, portanto, forneceram os melhores genótipos comercializáveis. Noentanto, os materiais CNPH 1210 e CNPH 1310 (ambos batata-doce de polpa alaranjada) destacaram-se pelaqualidade dos tubérculos comerciais. Nossos resultados podem estimular esforços da sociedade civil organizada para melhorar a produção e consumo de materiais de batata-doce ricos em beta-caroteno em municípios contidos no Cerrado brasileiro.
Descritores: beta Caroteno
Convolvulaceae
Ipomoea batatas
Valor Nutritivo
-Nutrição em Saúde Pública
Responsável: BR396.1 - Biblioteca Central


  2 / 17 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Correa, Franklin Riet
Texto completo
Texto completo
Id: biblio-1040709
Autor: Brito, Luiz B; Silva Filho, Givaldo B; Chaves, Hisadora A. S; Nascimento, Ana L. O; Braga, Thaiza C; Pfister, James; Correa, Franklin Riet; Mendonça, Fábio S.
Título: Spontaneous and experimental poisoning by Merremia macrocalyx (Convolvulaceae) in cattle / Intoxicação espontânea e experimental por Merremia macrocalyx (Convolvulaceae) em bovinos na Zona da Mata de Pernambuco
Fonte: Pesqui. vet. bras = Braz. j. vet. res;39(7):447-453, July 2019. tab, ilus.
Idioma: en.
Projeto: FACEPE; . CNPq.
Resumo: The aim of this work was to describe the epidemiological, clinical and pathological aspects of spontaneous poisoning by Merremia macrocalyx in cattle in the Pernambuco state, northeastern Brazil, and to experimentally replicate the poisoning by this plant. To determine the occurrence of poisonings, 30 farms were visited in six municipalities at the Forest Zone of Pernambuco. The plant was found in nine farms, in which history of plant poisoning in cattle, and occasionally in sheep were also reported. Three outbreaks of spontaneous poisonings in cattle were studied. To replicate the disease experimentally, two steers received a single dose of 60g/kg and two steers received 80g/kg of the fresh leaves of M. macrocalyx in the trough for spontaneous ingestion. Two steers were also used as a control group. The main clinical signs observed in spontaneous cases consisted of restlessness, bloat, polyuria, diarrhea, and death within 48 to 72 hours after the onset of clinical signs. Cattle experimentally poisoned presented similar clinical signs to those observed in spontaneous cases. Gross lesions consisted of dryness and impaction of the rumen, omasum and reticulum contents. Abomasal content was fluid, the mucosa was hyperemic, with swollen folds and multiple ulcers. Similar lesions were observed in duodenum mucosae. Histologically, lesions observed in the abomasum and duodenum mucosa consisted of necrosis, hemorrhage and inflammatory infiltration of neutrophils and lymphocytes. The wide distribution and palatability of this plant, associated with the high sensitivity of the bovine species verified in this experiment, highlight the importance of this plant in spontaneous cases of poisoning in cattle.(AU)

O objetivo deste trabalho é descrever os aspectos epidemiológicos, clínicos e patológicos da intoxicação espontânea por Merremia macrocalyx em bovinos de Pernambuco, nordeste do Brasil e reproduzir experimentalmente a intoxicação por esta planta. Para determinar a ocorrência das intoxicações, foram visitadas 30 propriedades em seis municípios na Zona da Mata de Pernambuco. A planta foi encontrada em nove fazendas onde também haviam históricos de intoxicações em bovinos e ocasionalmente em ovinos. Três surtos de intoxicações espontâneas em bovinos foram estudados e para reproduzir experimentalmente a doença, dois novilhos receberam doses únicas de 60g/kg e dois novilhos receberam 80g/kg de folhas frescas de M. Macrocalyx para consumo espontâneo no cocho. Dois novilhos foram utilizados como grupo controle. Os principais sinais clínicos observados na intoxicação espontânea consistiram em agitação, timpanismo, poliúria, diarreia e morte dentro de 48 a 72 horas após a observação dos primeiros sinais clínicos. Os bovinos intoxicados experimentalmente apresentaram sinais clínicos semelhantes aos observados nos casos espontâneos. À necropsia as lesões consistiam em compactação e ressecamento dos conteúdos do rúmen, omaso e retículo. O conteúdo do abomaso estava fluido, notava-se hiperemia das mucosas, as pregas estavam edemaciadas e continham múltiplas úlceras. Lesões semelhantes também foram observadas na mucosa do duodeno. Histologicamente, as lesões observadas na mucosa do abomaso e do duodeno consistiam em necrose, hemorragia e infiltrado inflamatório neutrofílico e linfocítico. A ampla distribuição de Merremia macrocalyx na região estudada e a boa palatabilidade associada à alta sensibilidade da espécie bovina verificada neste experimento, reforça a importância desta planta em casos espontâneos de intoxicação em bovinos.(AU)
Descritores: Intoxicação por Plantas/veterinária
Convolvulaceae/toxicidade
Orelha Média/patologia
-Plantas Tóxicas
Brasil/epidemiologia
Limites: Animais
Bovinos
Responsável: BR68.1 - Biblioteca Virginie Buff D'Ápice


  3 / 17 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-976409
Autor: Mendonça, Fábio S; Silva Filho, Givaldo B; Chaves, Hisadora A. S; Aires, Lorena D. A; Braga, Thaiza C; Gardner, Dale R; Cook, Daniel; Buril, Maria T.
Título: Detection of swainsonine and calystegines in Convolvulaceae species from the semiarid region of Pernambuco / Detecção de swainsonina e calisteginas em espécies de Convolvulaceae da região semiárida de Pernambuco
Fonte: Pesqui. vet. bras = Braz. j. vet. res;38(11):2044-2051, Nov. 2018. tab, ilus.
Idioma: en.
Projeto: CNPq.
Resumo: Numerous plant species worldwide including some Ipomoea (Convolvulaceae) and Sida (Malvaceae) species in Brazil cause lysosomal storage disease in herbivores and are known to contain swainsonine and calystegines as the main toxic compounds. The aim of this work was to determine swainsonine and calystegines concentrations in species of Convolvulaceae from the semiarid region of Pernambuco. Seven municipalities in the Moxotó region were visited and nine species were collected and screened for the presence of swainsonine and calystegines using an HPLC-APCI-MS method. The presence and concentration of these alkaloids within the same and in different species were very variable. Seven species are newly reported here containing swainsonine and/or calystegines. Ipomoea subincana contained just swainsonine. Ipomoea megapotamica, I. rosea and Jacquemontia corymbulosa contained swainsonine and calystegines. Ipomoea sericosepala, I. brasiliana, I. nil, I. bahiensis and I. incarnata contained just calystegines. The discovery of six Ipomoea species and one Jacquemontia species containing toxic polyhydroxy alkaloids reinforces the importance of this group of poisonous plants to ruminants and horses in the semiarid region of Pernambuco. Epidemiological surveys should be conducted to investigate the occurrence of lysosomal storage disease associated to these new species.(AU)

Numerosas espécies de plantas em todo o mundo, incluindo algumas espécies de Ipomoea (Convolvulaceae) e Sida (Malvaceae) no Brasil, causam doença de armazenamento lisossomal em herbívoros e são conhecidas por conterem swainsonina e calisteginas como princípios tóxicos. O objetivo deste trabalho foi determinar a concentração de swainsonina e calisteginas em espécies de Convolvulaceae da região semiárida de Pernambuco. Sete municípios na região do Sertão do Moxotó foram visitados, onde foram coletadas amostras das folhas de nove espécies de Convolvulaceae para avaliação da presença de swainsonina e calisteginas utilizando-se cromatografia líquida com espectrometria de massa. A presença e concentração destes alcaloides nas folhas de plantas da mesma espécie e dentre as espécies foram muito variáveis. Seis novas espécies de Ipomoea e uma espécie de Jacquemontia contendo swainsonina e/ou calisteginas são relatadas neste estudo. Ipomoea subincana continha apenas swainsonina. Ipomoea megapotamica, I. rosea e Jacquemontia corymbulosa continham swainsonina e calisteginas. Ipomoea sericosepala, I. brasiliana, I. nil, I. bahiensis e I. incarnata continham apenas calisteginas. A descoberta de novas espécies de Ipomoea e Jacquemontia contendo alcaloides polihidroxílicos tóxicos reforçam a importância deste grupo de plantas tóxicas para ruminantes e equinos na região semiárida de Pernambuco. Pesquisas epidemiológicas devem ser realizadas para investigar a ocorrência de doença de depósito lisossomal associada a essas novas espécies.(AU)
Descritores: Plantas Tóxicas/envenenamento
Swainsonina/envenenamento
Convolvulaceae/envenenamento
Ipomoea/toxicidade
-Ruminantes
Doenças por Armazenamento dos Lisossomos/veterinária
Cavalos
Limites: Animais
Responsável: BR68.1 - Biblioteca Virginie Buff D'Ápice


  4 / 17 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-1002814
Autor: Morais, Raissa M; Wicpolt, Nathalia S; Molossi, Francieli A; Ogliari, Daiane; Mori, Ademar M; Surkamp, Valter; Gava, Aldo.
Título: Neurological diseases in cattle caused by plants and mycotoxins in Santa Catarina state, Brazil / Enfermidades neurológicas em bovinos causadas por plantas e micotoxinas no estado de Santa Catarina
Fonte: Pesqui. vet. bras = Braz. j. vet. res;39(4):244-250, Apr. 2019. tab, ilus.
Idioma: en.
Resumo: This study described the epidemiological and clinical-pathological aspects of 25 outbreaks of neurological diseases in cattle caused by plants and mycotoxins in Santa Catarina state. Six of them were due to Sida carpinifolia poisoning, five to Solanum fastigiatum, five to Phalaris angusta, three to Claviceps paspali, three to Claviceps purpurea, and three outbreaks were of unknown etiology. The clinical signs observed in the affected cattle were mild to severe and characterized by generalized muscle tremors, incoordination, hypermetria, wide-based stance, intentional head tremors, dull staring eyes, and frequent ear twitching, with convulsions in some cases. At necropsy, lesions were observed only for P. angusta poisoning, characterized by gray-greenish discoloration in thalamus and midbrain. Microscopically, rarefaction and/or disappearance of Purkinje neurons with substitution by Bergmann cells were observed for S. carpinifolia and S. fastigiatum poisoning. For P. angusta poisoning, thin granular brown-yellowish pigment was observed in the cytoplasm of some neurons. Gross and microscopic findings were not observed in three outbreaks of tremorgenic disease of unknown etiology. Experiments conducted with leaves, flowers and seeds of Ipomoea indivisa and Ipomoea triloba, as well as with maize and soybean residues contaminated with Ipomoea spp. did not reproduced clinical signs.(AU)

Descrevem-se os aspectos epidemiológicos e clinico-patológicos de 25 surtos de enfermidade neurológica em bovinos no estado de Santa Catarina causadas por plantas e micotoxinas. Destes, seis corresponderam a intoxicação por Sida carpinifolia, cinco por Solanum fastigiatum, cinco por Phalaris angusta, três por Claviceps paspali, três por Claviceps purpurea e três surtos de etiologia não definida. Os sinais clínicos observados nos bovinos afetados eram de intensidade leve a acentuada e caracterizados por tremores musculares generalizados, incoordenação, hipermetria, aumento da base de sustentação, balanço contínuo de cabeça, olhar atento e movimentos frequentes de orelhas, e em alguns surtos convulsões. Por meio de necropsia foram observadas alterações somente na intoxicação por P. angusta as quais caracterizaram por coloração cinza-esverdeada no tálamo e mesencéfalo. Na histologia, rarefação e/ou desaparecimento de neurônios de Purkinje com substituição por células de Bergmann foram observadas na intoxicação por S. carpinifolia e S. fastigiatum. Na intoxicação por P. angusta foi observado no citoplasma de alguns neurônios do tronco encefálico com pigmentação finamente granular marrom-amarelada. Nos três surtos de enfermidade tremorgênica com etiologia não definida não foram observadas lesões macroscópicas e microscópicas. Experimentos com folhas, flores e sementes de Ipomoea indivisa e Ipomoea triloba e resíduos de milho e soja contaminados com sementes destas duas plantas não produziram alterações clínicas.(AU)
Descritores: Intoxicação por Plantas/veterinária
Intoxicação por Plantas/epidemiologia
Ergotismo/veterinária
Malvaceae/envenenamento
Solanum/envenenamento
Poaceae/envenenamento
Doenças do Sistema Nervoso/etiologia
-Micotoxicose/veterinária
Convolvulaceae
Limites: Animais
Bovinos
Responsável: BR68.1 - Biblioteca Virginie Buff D'Ápice


  5 / 17 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Texto completo
Id: biblio-1005063
Autor: Monsalvo, María A; Fortunato, Renée H; Wagner, Marcelo L; Ricco, Rafael A.
Título: Estudio farmacobotánico de Ipomoea purpurea (L) Roth (Convolvulaceae) / Pharmacobotanical study of Ipomoea purpurea (L.) Roth (Convolvulaceae)
Fonte: Dominguezia;34(2):21-29, 2018. ilus.
Idioma: es.
Resumo: Ipomoea purpurea (L.) Roth (Convolvulaceae) es una especie que se desarrolla en las zonas tropicales de ambos hemisferios. Por el atractivo de sus flores pertenece al grupo conocido como "Common morning glory", especies empleadas por diversos grupos nativos en rituales mágico - religiosos y popularmente como alucinógeno, analgésico, antiinflamatorio y purgante, entre otros. Dada la gran similitud de I. purpurea con otras especies del mismo género (características ecológica, morfológicas y fitoquímicas), se plantean actualmente discusiones de identificación incluso a nivel taxonómico. El objetivo de este estudio es determinar las principales características diagnósticas para la identificación de I. purpurea y registrar sus atributos morfoanatómicos generales. Se trabajó con material fresco proveniente de INTA Castelar y ejemplares de herbario. Se analizaron las hojas, tallos, raíces, flores y semillas. Se realizaron disociados leves, fuertes, raspados, reducción a polvo, cortes transversales, improntas de epidermis y peeling. Se realizaron reacciones histoquímicas para almidón, lípidos y antocianos. El material se observó mediante microscopía de luz clara, contraste de fase (DIC) y luz polarizada y se realizó microscopía cuantitativa. Entre los caracteres principales pueden mencionarse: en las hojas, epidermis con estomas paracíticos y anomocíticos, tricomas tectores unicelulares de tres tamaños diferentes, tricomas glandulares pluricelulares, drusas. En los tallos se observaron los mismos tricomas que en las hojas y tubos laticíferos. En la raíz, laticíferos, almidón y drusas. En la flor, tricomas tectores similares a los de las hojas pero con base ensanchada y tricomas glandulares, drusas, antocianinas y granos de polen equinados-pantoporados. En las semillas, esclereidas, lípidos, granos de almidón de diferente tamaño y de formas esférica y ovoidal, ambos con hendidura presente, drusas y cavidades, aparentemente, de tipo esquizógeno. Los tres tamaños diferentes de tricomas tectores, los tricomas glandulares y las cavidades presentes en la semilla constituyen la primera observación para esta especie. Este estudio proporciona datos relevantes para I. purpurea y provee elementos de diagnóstico para ser empleados en la diferenciación respecto de otras especies taxonómicamente afines. (AU)
Descritores: Botânica/classificação
Convolvulaceae
Compostos Fitoquímicos
-Argentina
Medicina Tradicional
Limites: Seres Humanos
Tipo de Publ: Relatório Técnico
Responsável: BR1.1 - BIREME


  6 / 17 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-686077
Autor: Adrien, Maria de Lourdes; Riet-Correa, Gabriela; Oliveira, Carlos Alberto de; Pfister, James A; Cook, Daniel; Souza, Elda G; Riet-Correa, Franklin; Schild, Ana Lucia.
Título: Conditioned food aversion to Ipomoea carnea var. fistulosa induced by Baccharis coridifolia in goats / Aversão alimentar condicionada de Ipomoea carnea var. fistulosa induzida por Baccharis coridifolia em caprinos
Fonte: Pesqui. vet. bras = Braz. j. vet. res;33(8):999-1003, ago. 2013. tab.
Idioma: en.
Resumo: Baccharis coridifolia is a plant that induces strong conditioned food aversion in ruminants. This research aimed to induce a conditioned food aversion to Ipomoea carnea var. fistulosa in goats, using B. coridifolia as an aversive agent, and to compare the aversion induced by this plant with the aversion induced by lithium chloride (LiCl). Thirteen goats were allotted into two groups: Group 1 with six goats was averted with 175mg/kg of body weight of LiCl and Group 2 with seven goats was averted with 0,25g/kg of bw of dried B. coridifolia. All goats were averted on day 1 after the ingestion of I. carnea. The aversion procedure with LiCl or B. coridifolia in goats from Groups 1 and 2, respectively, was repeated in those goats that again consumed the plant during tests on days 2, 3, and 7. The goats of both groups were challenged in pens on 23 and 38 days after the last day of aversion and challenged in the pasture on days 11, 15, 18, 20, 22, 25, 27 and 29 after the last day of aversion. After this period goats were challenged every 15 days on pasture until the 330º day after the last day of aversion (7th day). Two goats from Group 1 ingested I. carnea on the first day of the pasture challenge, 4 days after the last day of aversive conditioning in the pen. In addition, another goat in Group 1 started to consume the plant on day 18, and other two goats ate it on day 20. One goat in Group 1 that had never eaten I. carnea died on day 155. One goat from Group 2 started to ingest I. carnea on the first day of the pasture challenge, and a second goat started to consume this plant on day 182. At the end of the experiment, on day 330, the other five goats averted with B. coridifolia remained averted. These results suggest that B. coridifolia or an active compound from the plant could be used to induce aversion to toxic plants. Using B. coridifolia would be cheaper and, particularly in flocks with large number of animals, possibly easier than using...

Baccharis coridifolia é uma planta tóxica que possui forte poder aversivo em ruminantes. Os objetivos deste trabalho foram induzir aversão condicionada a Ipomoea carnea var. fistulosa em caprinos utilizando B. coridifolia como agente aversivo e comparar a eficiência desta aversão com a aversão induzida por cloreto de lítio (LiCl). Treze cabras foram divididas em dois grupos: o Grupo 1 com seis cabras foi avertido com 175mg/kg de peso corporal (pc) de LiCl e o Grupo 2, com sete cabras, foi avertido com 0,25g/kg de pc de B. coridifolia seco. Todas as cabras foram avertidas no dia 1 logo após a ingestão de I.carnea. A aversão foi repetida nos dias 2, 3 e 7 nos caprinos que ingeriram qualquer quantidade de I. carnea, utilizando-se o mesmo procedimento do dia 1. Os caprinos de ambos os grupos foram desafiados nas baias nos dias 23 e 38 após o último dia da aversão e desafiados na pastagem nos dias 11, 15, 18, 20, 22 , 25, 27 e 29 após o último dia da aversão. Posteriormente os caprinos foram desafiados a cada 15 dias na pastagem até o 330º dia após o último dia da aversão (7º dia). Duas cabras do Grupo 1 ingeriram I. carnea no primeiro dia do desafio na pastagem, quatro dias após o ultimo dia da aversão nas baias. Além disso, outra cabra do mesmo grupo reiniciou a ingestão da planta no 18º dia e outras duas no 20º dia. Uma cabra do Grupo 1 que nunca havia ingerido a planta após a aversão morreu no 55º dia. Uma cabra do Grupo 2 começou a ingerir I. carnea no primeiro dia de desafio na pastagem e uma segunda reiniciou o consumo da planta no 182º dia. No final do experimento no 330º as cinco cabras avertidas com B. coridifolia permaneciam sem ingerir a planta. Estes resultados sugerem que B. coridifolia ou algum princípio ativo dessa planta pode ser utilizado para induzir aversão condicionada a plantas tóxicas. A utilização de B. coridifolia como agente aversivo é aparentemente mais barato e mais fácil de ser utilizado do que o LiCl, o qual requer o uso de ...
Descritores: Baccharis/toxicidade
Convolvulaceae/toxicidade
Alimentos
-Cabras/classificação
Plantas Tóxicas/toxicidade
Limites: Animais
Responsável: BR68.1 - Biblioteca Virginie Buff D'Ápice


  7 / 17 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-683229
Autor: Lima, Dayane D. C. C; Albuquerque, Raquel F; Rocha, Brena P; Barros, Maria Edna G; Gardner, Dale R; Medeiros, Rosane M. T; Riet-Correa, Franklin; Mendonça, Fábio S.
Título: Doença de depósito lisossomal induzida pelo consumo de Ipomoea verbascoidea (Convolvulaceae) em caprinos no semiárido de Pernambuco / Lysosomal storage disease induced by the consumption of Ipomoea verbascoidea (Convolvulaceae) in goats at northeastern Brazil
Fonte: Pesqui. vet. bras = Braz. j. vet. res;33(7):867-872, jul. 2013. ilus, mapas, tab.
Idioma: pt.
Resumo: The aim of this paper was to reproduce the poisoning of Ipomoea verbascoidea in goats and describe the epidemiological, clinical and pathological aspects of spontaneous poisoning by this plant in Pernambuco. For this, we studied the epidemiology of the disease in seven municipalities in the semiarid region of the State. Three spontaneously poisoned goats were examined and then euthanized and necropsied (Group I). To reproduce the disease, the dried leaves of I. verbascoidea containing 0.02% swainsonine were supplied at doses of 4g/kg (0.8mg swainsonine/kg) to two groups of three animals. The goats in Group II received daily doses of the plant during 40 days and were euthanized on the 41st day of the experiment. Goats from Group III received daily doses of the plant during 55 days and were euthanized on the 120th day of the experiment. Other three goats constituted the control group (Group IV). In experimental groups, the brain lesions were evaluated by histopathology; additionally the cerebellar lesions were evaluated by morphometry, by measuring the molecular layer thickness, the number of Purkinje cells and the area of the cell bodies of these cells. The main clinical signs and microscopic lesions in goats poisoned were similar to those reported by swainsonine containing plants. In goats of GII and GIII, the first nervous signs were observed between 22th and 29th days; clinically, the disease developed by these animals was similar to the spontaneous cases. The goats of GIII did not recover from the neurologic signs. These results show that the consumption of the plant by 26-28 days after observation of the first clinical signs is enough to cause irreversible damage. By morphometric analysis, the molecular layer of the cerebellum of the goats of Group I and III were thinner than those of goats in the control group, and Purkinje neurons were atrophic. It is suggested that these changes are responsible for the neurological picture observed in goats that stop eating the plant and have sequelae of poisoning.

O objetivo deste trabalho foi reproduzir a intoxicação por Ipomoea verbascoidea em caprinos e descrever os aspectos epidemiológicos, clínicos e histopatológicos da intoxicação espontânea por essa planta no Estado de Pernambuco. Para isso, realizou-se o acompanhamento da epidemiologia da doença em sete municípios do semiárido pernambucano. Três caprinos espontaneamente intoxicados foram examinados e, em seguida eutanasiados e necropsiados (Grupo I). Para reproduzir experimentalmente a doença, as folhas secas de I. verbascoidea contendo 0,02% de swainsonina, foram fornecidas na dose de 4g/kg (0,8mg de swainsonina/kg) a dois grupos de três animais. Os caprinos do Grupo II receberam a planta diariamente por 40 dias e foram eutanasiados no 41º dia de experimento. Os caprinos do Grupo III receberam a planta diariamente por 55 dias e foram eutanasiados no 120º dia de experimento. Outros três caprinos constituíram o grupo controle (Grupo IV). Nos grupos experimentais, as lesões encefálicas foram avaliadas por histopatologia e adicionalmente avaliaram-se as lesões cerebelares por morfometria, mediante mensuração da espessura da camada molecular, do número de neurônios de Purkinje e da área dos corpos celulares dessas células. Os principais sinais clínicos e lesões microscópicas foram semelhantes aos previamente reportados em animais intoxicados por plantas que contem swainsonina. Nos caprinos do GII e GIII, os primeiros sinais clínicos foram observados entre o 22º e 29º dia de experimento; clinicamente a doença desenvolvida por esses animais foi semelhante aos casos espontâneos. Nenhum dos caprinos do GIII se recuperou dos sinais neurológicos. Esse resultado evidencia que o consumo da planta por 26-28 dias após a observação dos primeiros sinais clínicos é suficiente para provocar lesões irreversíveis. Pela análise morfométrica, a camada molecular do cerebelo dos caprinos do Grupo I e III eram mais delgadas que às dos caprinos do grupo controle, e os neurônios de Purkinje estavam atróficos. Sugere-se que essas alterações sejam responsáveis pelo quadro clínico neurológico observado nos caprinos que deixam de ingerir a planta e apresentam seqüelas da intoxicação.
Descritores: Envenenamento/veterinária
Ipomoea/toxicidade
Plantas Tóxicas/toxicidade
-Convolvulaceae
Neurônios/enzimologia
Neurônios/química
Limites: Animais
Responsável: BR68.1 - Biblioteca Virginie Buff D'Ápice


  8 / 17 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-680785
Autor: Pimentel, Luciano A; Maia, Lisanka A; Carvalho, Fabricio K. de L; Pfister, James A; Cook, Daniel; Medeiros, Rosane M. T; Riet-Correa, Franklin.
Título: Aversão alimentar condicionada para o controle da intoxicação por Ipomoea carnea subsp. fistulosa em caprinos / Conditioned food aversion for the control of poisoning by Ipomoea carnea subsp. fistulosa
Fonte: Pesqui. vet. bras = Braz. j. vet. res;33(6):719-723, June 2013. tab.
Idioma: pt.
Resumo: A aversão alimentar condicionada é uma técnica que pode ser utilizada em animais para evitar a ingestão de plantas tóxicas. O presente estudo teve como objetivo testar a eficiência e durabilidade da aversão alimentar condicionada em caprinos para evitar o consumo de Ipomoea carnea subsp. fistulosa. Foram utilizados 14 caprinos jovens da raça Moxotó, que foram adaptados ao consumo da planta. Inicialmente foi administrada I. carnea subsp. fistulosa dessecada e triturada misturada à ração concentrada por 30 dias e, posteriormente, foi fornecida a planta verde por mais 10 dias. Para constatação da adaptação ao consumo da planta os caprinos foram colocados a pastar em um piquete de 510 m² onde tinha sido plantada I. carnea subsp. fistulosa em uma área de 30m² (10 plantas/m²). No 42º dia de experimento, após a constatação do consumo espontâneo os animais receberam a planta verde individualmente na baia por alguns minutos, e todos os animais que consumiam qualquer quantidade da planta foram tratados com uma solução de LiCl na dose 175mg por kg de peso vivo. Este procedimento repetiu-se por mais dois dias. Posteriormente, os caprinos foram divididos em dois grupos: Grupo 1 com seis animais, quatro deles avertidos e dois não avertidos (facilitadores); e o Grupo 2, com oito caprinos, todos avertidos. Para constatar a eficiência e duração da aversão e a influência de animais facilitadores na durabilidade da aversão, os caprinos foram colocados a pastar, em dias alternados, três dias por semana, durante duas horas, no piquete plantado com I. carnea subsp. fistulosa. Por 12 meses os animais foram monitorados durante o pastejo, identificando-se o consumo e a preferência dos animais pelas plantas presentes no piquete. No Grupo 1 tanto os caprinos avertidos quanto os não avertidos iniciaram a ingerir a planta em 1-6 semanas e gradualmente foram aumentando a planta consumida, mas nunca a ingeriram exclusivamente. Nenhum caprino do Grupo 2 iniciou a ingestão da planta durante os 12 meses de experimento. Após esse período a área do piquete destinada ao plantio de I. carnea subsp. fistulosa foi ampliada para 80m² e os animais foram novamente introduzidos, com tempo de pastejo na área aumentado para quatro horas durante cinco dias na semana. Nesta fase todos os caprinos do Grupo 1 ingeriram a planta em grande quantidade. Os caprinos do Grupo 2 iniciaram gradualmente a ingerir a planta e a aversão se extinguiu, em todos os animais, após dois meses. A concentração de swainsonina em I. carnea subsp. fistulosa foi de 0,052±0,05% (média±SD). Conclui-se que a aversão alimentar condicionada é eficiente para evitar a ingestão de I. carnea subsp. fistulosa. No entanto, a duração da mesma depende, entre outras coisas, da quantidade de planta presente na área de pastoreio e do tempo de exposição e se extingue rapidamente por facilitação social.

Conditioned food aversion is a technique that can be used to train livestock to avoid ingestion of poisonous plants. This study tested the efficacy and durability of conditioned food aversion to eliminate goat's consumption of Ipomoea carnea subsp. fistulosa. We used 14 young Moxotó goats, which were initially adapted to the consumption of the plant by offering dried I. carnea subsp. fistulosa with their concentrate diet for 30 days, and then subsequently providing green plant for another 10 days. To confirm the spontaneous consumption of the plant, the goats were allow to graze in a paddock of 510m² where I. carnea subsp. fistulosa had been planted in an area of 30m² (10 plants/m²). On day 42, 12 goats were offered fresh green plant individually in a pen for a few minutes, and after the consumption of any amount of the plant they were treated orally with a solution of LiCl at a dose 175mg per kg of body weight. This procedure was repeated for two more consecutive days. Thereafter, the goats were divided into two groups: Group 1 with four averted and two non-averted goats; and Group 2 with eight averted goats. To verify the efficacy and duration of aversion, both groups were introduced into the paddock with I. carnea subsp. fistulosa three days a week for two hours daily. In Group 1, with two non-averted and four averted goats, all animals started to ingest the plant after 1-6 weeks of grazing. They continually increased their consumption of the plant, but never consumed the plant exclusively. None of the goats of Group 2 goats started eating the plant during the 12 months of observation. After this period the area of the paddock planted with I. carnea subsp. fistulosa was expanded to 80 m² and grazing time was increased to four hours per day for five days a week. At this stage all the goats in Group 1 ingested the plant in large quantities. The goats from Group 2 gradually started to eat the plant and aversion was extinguished in all animals after two months. Swainsonine concentration of I. carnea subsp. fistulosa was 0.052±0.05% (mean ±SD). It was concluded that conditioned food aversion was effective in reducing goat consumption of I. carnea subsp. fistulosa, but the duration of aversion depends on the time of grazing and amount of plant available. However, the aversion was quickly extinguished by social facilitation when averted animals grazed with non-averted animals.
Descritores: Convolvulaceae/toxicidade
Envenenamento/diagnóstico
Envenenamento/veterinária
Plantas Tóxicas/toxicidade
-Cloreto de Lítio/toxicidade
Limites: Animais
Responsável: BR68.1 - Biblioteca Virginie Buff D'Ápice


  9 / 17 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Texto completo
Id: lil-658127
Autor: Tognon, G. B; Petry, C.
Título: Estaquia de Ipomoea cairica (L. ) Sweet / Stem cutting of Ipomoea cairica (L. ) Sweet
Fonte: Rev. bras. plantas med;14(3):470-475, 2012. tab.
Idioma: pt.
Resumo: A Ipomoea cairica (L.) Sweet é uma trepadeira herbácea nativa, amplamente utilizada na medicina popular brasileira e inexistem informações sobre a propagação vegetativa. Em vista disso, objetivou-se avaliar a presença de folhas nas estacas, o substrato e a dose de reguladores vegetais mais adequados para a propagação por estaquia. Foram conduzidos dois experimentos, no primeiro, foram avaliados dois tipos de estacas (com e sem folhas) e quatro substratos (areia, casca de arroz carbonizada, latossolo vermelho distrófico + matéria orgânica - 1:1, latossolo vermelho distrófico + matéria orgânica + areia - 1:1:2), enquanto no segundo foram testadas cinco concentrações diferentes de AIB (0, 250, 500, 750 e 1000 mg L-1). Após 20 dias, obteve-se 86,2% de estacas enraizadas no substrato areia e, no segundo experimento, observou-se que o AIB não influenciou a porcentagem de enraizamento (94% em média). Conclui-se que a presença de folhas melhora a qualidade do enraizamento, que os substratos indicados para a propagação são areia e casca de arroz carbonizada devido ao maior enraizamento, fácil disponibilidade e baixo custo, e que a utilização de AIB na concentração 250 mg L-1 é a mais adequada para propagação por estaquia de I. cairica.

Ipomoea cairica (L.) Sweet is an herbaceous climbing plant widely used in Brazilian folk medicine and there is no information regarding its vegetative propagation. In view of this, the aim of this study was to evaluate the presence of leaves on stem cuttings and the most adequate substrate and level of plant growth regulators for propagation by stem cuttings of this morning glory. Two experiments were conducted, in the first, two types of stem cuttings (with and without leaves) and four substrates (sand; carbonized rice hull; Haplortox + organic matter - 1:1; Haplortox + organic matter + sand - 1:1:2) were evaluated, and in the second experiment five different concentrations of IBA (0, 250, 500, 750 and 1000 mg L-1) were tested. After 20 days, we obtained 86.2% of cuttings rooted in sand substrate and in the second experiment IBA did not affect the rooting percentage (94% on average). We can conclude that the presence of leaves improved the quality of rooting, the substrates indicated for propagation are sand and carbonized rice hull due to greater rooting, easy availability and low cost, and the use of IBA at 250 mg L-1 is more appropriate to propagation by stem cuttings of I. cairica.
Descritores: Convolvulaceae/classificação
Ipomoea/crescimento & desenvolvimento
-Reguladores de Crescimento de Planta
Folhas de Planta/efeitos adversos
Plantas Medicinais/crescimento & desenvolvimento
Responsável: BR1.1 - BIREME


  10 / 17 LILACS  
              first record previous record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-654367
Autor: Barbosa, José Diomedes; Tokarnia, Carlos Hubinger; Albernaz, Tatiane Teles; Oliveira, Carlos Magno Chaves; Silva, Natália da Silva e; Silveira, José Alcides Sarmento da; Reis, Alessandra dos S Belo; Lima, Danillo Henrique da Silva.
Título: Intoxicação natural por Ipomoea asarifolia (Convolvulaceae) em búfalos na Ilha de Marajó, Pará / Natural poisoning by Ipomoea asarifolia (Convolvulaceae) in buffaloes on the Marajó Island, Pará, Brazil
Fonte: Pesqui. vet. bras = Braz. j. vet. res;32(9):869-871, set. 2012. ilus, graf.
Idioma: pt.
Resumo: Epidemiological aspects and clinical signs of natural poisoning by Ipomoea asarifolia in buffaloes are described. The poisoning was diagnosed in four buffaloes on three different farms, in the County of Cachoeira do Arari, Marajó Island, Pará, and occurred in November-December, a period of drought and severe pasture shortage. The clinical signs were of the central nervous system, as unsteady gait, hypermetria, severe muscular tremors, falling down in unusual positions, nystagmus and marked excitement, signs that turned more severe after movement. Based on the epidemic aspects, clinical signs and absence of histopatological changes, poisoning by Ipomoea asarifolia was diagnosed.

Descrevem-se os aspectos epidemiológicos e os sinais clínicos dos primeiros casos de intoxicação natural por Ipomoea asarifolia em búfalos. A doença foi diagnosticada em quatro bubalinos de três diferentes propriedades, no município de Cachoeira do Arari, Ilha de Marajó, PA, e ocorreu nos meses de novembro e dezembro, o período mais seco do ano nesta região e de escassez de alimento. Os sinais clínicos observados foram relacionados ao sistema nervoso central, como andar trôpego, hipermetria, acentuados tremores musculares, queda ao solo em posições incomuns, nistagmo e marcada excitação, sinais que se agravavam após movimentação. Baseado nos aspectos epidemiológicos, sinais clínicos e na ausência de leões histopatológicas, concluiu se tratar de intoxicação por Ipomoea asarifolia.
Descritores: Búfalos/metabolismo
Convolvulaceae/toxicidade
Sinais e Sintomas/veterinária
Sistema Nervoso Central/patologia
-Inquéritos Epidemiológicos
Intoxicação por Plantas/veterinária
Limites: Animais
Coelhos
Responsável: BR68.1 - Biblioteca Virginie Buff D'Ápice



página 1 de 2 ir para página        
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde