Base de dados : LILACS
Pesquisa : B01.650.940.800.575.912.250.238.500 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 23 [refinar]
Mostrando: 1 .. 10   no formato [Detalhado]

página 1 de 3 ir para página          

  1 / 23 LILACS  
              next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Texto completo
Id: lil-736033
Autor: Lopes, José Radmácyo G; Riet-Correa, Franklin; Cook, Daniel; Pfister, James A; Medeiros, Rosane M. T.
Título: Elimination of the tremorgenic toxin of Ipomoea asarifolia by milk / Eliminação da toxina tremorgênica de Ipomoea asarifolia pelo leite
Fonte: Pesqui. vet. bras = Braz. j. vet. res;34(11):1085-1088, nov. 2014. tab.
Idioma: en.
Projeto: National Institute for Science and Technology for the Control of Plant Poisonings; . CNPq.
Resumo: With the aim to determine if the tremorgenic toxin of Ipomoea asarifolia is eliminated in milk, three groups of Swiss female mice received, immediately after giving birth until weaning, a ration containing 20% or 30% of dry I. asarifolia. All the offspring of the females that received 20% or 30% I. asarifolia showed tremors 2-4 days after birth. The offspring of the females that received 20% I. asarifolia recovered 4-7 days after weaning. The offspring of the females that received 30% of the plant in the ration died while showing tremors before weaning or up to two days after weaning. It is concluded that the tremorgenic compound of I. asarifolia or its toxic metabolites are eliminated in milk, and that lactating mice may be used as a model for the determination of the toxic compound(s) in this plant.(AU)

Com o objetivo de determinar se a toxina tremorgênica da Ipomoea asarifolia é eliminada pelo leite, três grupos de camundongos fêmeas da linhagem Swiss receberam, imediatamente após o parto até o desmame, ração contendo 20% ou 30% de folhas secas de I. asarifolia. Todos os filhotes das fêmeas que receberam 20% ou 30% de I. asarifolia apresentaram tremores 2-4 dias após o nascimento. Os filhotes das fêmeas que receberam 20% de I. asarifolia se recuperam 4-7 dias após o desmame. Os filhotes das fêmeas que receberam 30% da planta na ração morreram antes do desmame ou até dois dias após o desmame, ainda apresentando tremores. Conclui-se que o componente tremorgênico de I. asarifolia ou seus metabólitos são eliminados no leite, e que camundongos fêmeas em lactação podem ser usados como um modelo para a determinação do(s) composto(s) tóxico(s) desta planta.(AU)
Descritores: Intoxicação por Plantas/veterinária
Inativação Metabólica
Ipomoea/envenenamento
Leite/química
-Sintomas Toxicológicos
Limites: Animais
Feminino
Camundongos
Responsável: BR68.1 - Biblioteca Virginie Buff D'Ápice


  2 / 23 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Texto completo
Id: lil-736030
Autor: Carvalho, Fabricio K. de L; Dantas, Antônio F. M; Riet-Correa, Franklin; Pires, João P. S; Silva, Fabrício O. R.
Título: Intoxicação por Ipomoea asarifolia em bovinos e ovinos no Rio Grande do Norte / Ipomoea asarifolia poisoning in cattle in Rio Grande do Norte
Fonte: Pesqui. vet. bras = Braz. j. vet. res;34(11):1073-1076, nov. 2014. ilus, graf, mapas.
Idioma: pt.
Projeto: Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para o Controle de Intoxicações de Plantas; . CNPq.
Resumo: Ipomoea asarifolia é uma das principais plantas tóxicas para ruminantes nas regiões Norte e Nordeste. A intoxicação ocorre na época das secas quando há escassez de forragem e é mais frequente em ovinos do que em outras espécies, porem casos espontâneos também são relatados em caprinos, bovinos e búfalos. Este trabalho relata a ocorrência de 18 surtos de intoxicação em bovinos por I. asarifolia que ocorreram de agosto de 2012 a fevereiro de 2013 no estado do Rio Grande Norte. De um total de 1704 bovinos, 202 (11,8%) adoeceram e 34 (2%) morreram. Em seis propriedades onde havia ovinos estes também se intoxicaram. Foram observados também sinais clínicos em bezerros e cordeiros confinados, sem acesso às pastagens, que se intoxicaram pela ingestão do leite das mães que ingeriam I. asarifolia a pasto.(AU)

Ipomoea asarifolia is one of the main poisonous plants in the North and Northeast of Brazil. The poisoning occurs during the dry season when there is shortage of forage, and is more common in sheep; however spontaneous cases are also reported in goats, cattle and buffaloes. This paper reports 18 outbreaks of poisoning in cattle by I. asarifolia which occurred from August 2012 to February 2013 in the state of Rio Grande do Norte. From a total of 1,704 cattle, 202 (11.8%) were affected and 34 (2%) died. On six farms sheep were also affected. Poisoning outbreaks were also observed in lambs and calves that had no access to the pastures but suckled milk from cows and ewes that had ingested I. asarifolia.(AU)
Descritores: Intoxicação por Plantas/veterinária
Ovinos
Ipomoea/envenenamento
-Estudos Epidemiológicos
Sintomas Toxicológicos
Limites: Animais
Bovinos
Responsável: BR68.1 - Biblioteca Virginie Buff D'Ápice


  3 / 23 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-976409
Autor: Mendonça, Fábio S; Silva Filho, Givaldo B; Chaves, Hisadora A. S; Aires, Lorena D. A; Braga, Thaiza C; Gardner, Dale R; Cook, Daniel; Buril, Maria T.
Título: Detection of swainsonine and calystegines in Convolvulaceae species from the semiarid region of Pernambuco / Detecção de swainsonina e calisteginas em espécies de Convolvulaceae da região semiárida de Pernambuco
Fonte: Pesqui. vet. bras = Braz. j. vet. res;38(11):2044-2051, Nov. 2018. tab, ilus.
Idioma: en.
Projeto: CNPq.
Resumo: Numerous plant species worldwide including some Ipomoea (Convolvulaceae) and Sida (Malvaceae) species in Brazil cause lysosomal storage disease in herbivores and are known to contain swainsonine and calystegines as the main toxic compounds. The aim of this work was to determine swainsonine and calystegines concentrations in species of Convolvulaceae from the semiarid region of Pernambuco. Seven municipalities in the Moxotó region were visited and nine species were collected and screened for the presence of swainsonine and calystegines using an HPLC-APCI-MS method. The presence and concentration of these alkaloids within the same and in different species were very variable. Seven species are newly reported here containing swainsonine and/or calystegines. Ipomoea subincana contained just swainsonine. Ipomoea megapotamica, I. rosea and Jacquemontia corymbulosa contained swainsonine and calystegines. Ipomoea sericosepala, I. brasiliana, I. nil, I. bahiensis and I. incarnata contained just calystegines. The discovery of six Ipomoea species and one Jacquemontia species containing toxic polyhydroxy alkaloids reinforces the importance of this group of poisonous plants to ruminants and horses in the semiarid region of Pernambuco. Epidemiological surveys should be conducted to investigate the occurrence of lysosomal storage disease associated to these new species.(AU)

Numerosas espécies de plantas em todo o mundo, incluindo algumas espécies de Ipomoea (Convolvulaceae) e Sida (Malvaceae) no Brasil, causam doença de armazenamento lisossomal em herbívoros e são conhecidas por conterem swainsonina e calisteginas como princípios tóxicos. O objetivo deste trabalho foi determinar a concentração de swainsonina e calisteginas em espécies de Convolvulaceae da região semiárida de Pernambuco. Sete municípios na região do Sertão do Moxotó foram visitados, onde foram coletadas amostras das folhas de nove espécies de Convolvulaceae para avaliação da presença de swainsonina e calisteginas utilizando-se cromatografia líquida com espectrometria de massa. A presença e concentração destes alcaloides nas folhas de plantas da mesma espécie e dentre as espécies foram muito variáveis. Seis novas espécies de Ipomoea e uma espécie de Jacquemontia contendo swainsonina e/ou calisteginas são relatadas neste estudo. Ipomoea subincana continha apenas swainsonina. Ipomoea megapotamica, I. rosea e Jacquemontia corymbulosa continham swainsonina e calisteginas. Ipomoea sericosepala, I. brasiliana, I. nil, I. bahiensis e I. incarnata continham apenas calisteginas. A descoberta de novas espécies de Ipomoea e Jacquemontia contendo alcaloides polihidroxílicos tóxicos reforçam a importância deste grupo de plantas tóxicas para ruminantes e equinos na região semiárida de Pernambuco. Pesquisas epidemiológicas devem ser realizadas para investigar a ocorrência de doença de depósito lisossomal associada a essas novas espécies.(AU)
Descritores: Plantas Tóxicas/envenenamento
Swainsonina/envenenamento
Convolvulaceae/envenenamento
Ipomoea/toxicidade
-Ruminantes
Doenças por Armazenamento dos Lisossomos/veterinária
Cavalos
Limites: Animais
Responsável: BR68.1 - Biblioteca Virginie Buff D'Ápice


  4 / 23 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Texto completo
Id: biblio-914612
Autor: Grisi, Patricia Umeda; Gualtieri, Sônia Cristina Juliano; Ranal, Marli Aparecida; Santana, Denise Garcia de.
Título: Influência alelopática do extrato aquoso de raiz de Sapindus saponaria L. sobre capim-arroz e corda-de-viola / Allelopathic influence of aqueous extract of Sapindus saponaria L. root on barnyardgrass and morningglory
Fonte: Biosci. j. (Online);29(3):760-766, may/june 2013.
Idioma: pt.
Resumo: O objetivo deste trabalho foi avaliar o potencial alelopático do extrato aquoso de raiz de Sapindus saponaria L. (sabão-de-soldado) sobre a germinação de diásporos e crescimento de plântulas de Echinochloa crus-galli (L.) Link (capim-arroz) e Ipomoea grandifolia (Dammer) O'Donell (corda-de-viola). O extrato aquoso foi preparado na proporção de 100 g de material vegetal seco para 1000 mL de água destilada, produzindo-se a concentração de 10%. A partir dele, foram feitas diluições em água destilada para 7,5, 5,0 e 2,5%. O extrato da raiz de S. saponaria não inibiu a germinabilidade dos diásporos de capim-arroz e corda-de-viola. A maior atividade alelopática ocorreu sobre o crescimento das plântulas, sendo evidenciado pelo alto índice de plântulas anormais, pela redução no comprimento da parte aérea e, principalmente, no comprimento da raiz. O efeito inibitório foi dependente da concentração e variou de acordo com a espécie receptora estudada.

The aim of this study was to evaluate the allelopathic potential of aqueous extract of Sapindus Saponaria L. (soapberry) root on diaspore germination and seedling growth of Echinochloa crus-galli (L.) Link (barnyardgrass) and Ipomoea grandifolia (Dammer) O'Donell (morningglory). The aqueous extract was prepared in a proportion of 100 g of dry plant material in 1000 mL of distilled water, resulting in 10% concentration. The dilutions were made with distilled water to 7.5, 5.0 and 2.5%. The root extract of S. saponaria did not inhibit the germination of the barnyardgrass and morningglory diaspores. The highest allelopathic activity occurred on seedlings growth, being evidenced by the high rate of abnormal seedlings, reduction in shoot length and mainly on root length. The inhibitory effect was concentration-dependent and varied with the receptor species studied.
Descritores: Sapindus
Echinochloa
Ipomoea
Feromônios
Responsável: BR396.4


  5 / 23 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-955410
Autor: Nascimento, Eduardo M; Medeiros, Rosane M. T; Riet-Correa, Franklin.
Título: Plantas tóxicas para ruminantes e equídeos do estado de Sergipe / Toxic plants for ruminants and equidae in the state of Sergipe, Brazil
Fonte: Pesqui. vet. bras = Braz. j. vet. res;38(5):835-839, May 2018. graf.
Idioma: pt.
Resumo: Em um levantamento feito nos anos de 2015 e 2016 no estado de Sergipe, com o objetivo de conhecer as plantas tóxicas para ruminantes e equídeos, foram visitadas propriedades rurais em 16 municípios, englobando as mesorregiões do litoral, agreste e sertão. Para isso foram realizadas entrevistas a 32 produtores e 10 a médicos veterinários da região. De acordo com o levantamento, Amorimia spp., Crotalaria retusa, Ipomoea asarifolia, Palicourea aeneofusca e Poiretia punctata são responsáveis por mortes de animais gerando prejuízos consideráveis aos produtores. Surtos esporádicos de intoxicações por Ipomoea carnea subsp. fistulosa, Mimosa tenuiflora, Pannisetum purpureum e Manihot esculenta também foram relatados. Alguns produtores relataram surtos isolados de intoxicações por Ziziphus joazeiro e citrus sp, plantas não conhecidas anteriormente como tóxicas.(AU)

In a survey on toxic plants for ruminants and equidae conducted in 2015 and 2016 in the state of Sergipe, farms from16 municipalities of different microregions (litoral, agreste and sertão) were visited. Thirty two farmers and 10 veterinarians were interviewed about the occurrence of known toxic plants in the state of Sergipe and poisoning by plants previously unknown. According to the survey, Amorimia spp., Crotalaria retusa, Ipomoea asarifolia, Palicourea aeneofusca and Poiretia punctata are important causes of death on livestock in the region. Sporadic poisonings by Ipomoea carnea subsp. fistulosa, Mimosa tenuiflora, Pannisetum purpureum and Manihot esculenta were also registered. Some farmers reported poisoning by Ziziphus joazeiro and Citrus spp., which had not been reported previously as toxic.(AU)
Descritores: Intoxicação por Plantas/veterinária
Plantas Tóxicas/toxicidade
Ruminantes
Cavalos
-Manihot
Ipomoea
Mimosa
Limites: Animais
Responsável: BR1.1 - BIREME


  6 / 23 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Texto completo
Id: biblio-860008
Autor: Carneiro, Juliana de Souza; Vieira, Ana Odete Santos.
Título: Trepadeiras: florística da Estação Ecológica do Caiuá e chave de identificação vegetativa para espécies do Norte do Estado do Paraná / Climbers: flora of the Caiuá Ecological Station and an identification key for the vegetative species of Northern Paraná State
Fonte: Acta sci., Biol. sci;34(2):217-223, Apr.-June 2012. ilus.
Idioma: en.
Resumo: As trepadeiras são plantas com alta representatividade nas florestas tropicais e de grande importância ecológica, apontadas como um dos fatores básicos que diferencia florestas tropicais de temperadas. Este trabalho apresenta as espécies de trepadeiras da Estação Ecológica do Caiuá (EECAIUÁ), município de Diamante do Norte, Estado do Paraná, inserida na floresta estacional semidecidual (FES) submontana, situada à margem do rio Paranapanema. Foram encontradas 17 famílias, 44 gêneros e 53 espécies. As cinco famílias mais ricas em número de espécies perfazem juntas 57% do total encontrado. As trepadeiras herbáceas ocorrem em menor número quando comparadas às lianas, e quanto à estratégia utilizada para ascender, as volúveis são as mais diversas, seguidas pelas de órgãos preensores (gavinhas) e escandentes. Uma chave de identificação para famílias, baseada em caracteres vegetativos, foi produzida para as famílias desta localidade com as famílias encontradas em outras duas no Norte do Paraná.

Climbers are highly represented in tropical forests and are of great ecological importance, having been identified as one of the key factors that differentiate tropical forests from temperate rainforests. This paper presents the climber species of the Caiuá Ecological Station (EECAIUÁ) in the City of Diamante do Norte, Paraná State; the Station is located in a submountainous seasonal semideciduous forest (SSF) and is situated on the edge of the Paranapanema river. We found 17 families, 44 genera and 53 species of vines. The five families with the greatest number of species jointly accounted for 57% of the total species found. Herbaceous vines occurred less frequently than did lianas. When considering the climbing strategy used by the species, the graspers were the most diverse, followed by those that had tendrils (scramblers) and climbers. An identification key based on vegetative characters of families found in other parts of northern Paraná was created for the families of this location.
Descritores: Florestas
Ipomoea
Mikania
Responsável: BR513.2 - Editora da Universidade Estadual de Maringá


  7 / 23 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Texto completo
Id: lil-782982
Autor: SILVA, C.B.; OLIVEIRA, M.; DIAS, J.F.; ZANIN, S.M.W.; SANTOS, G.O.; CÂNDIDO, A.C.S.; PERES, M.T.L.P.; SIMIONATTO, E.; MIGUEL, O.G.; MIGUEL, M.D..
Título: Atividade alelopática dos lixiviados de Asemeia extraaxillaris (Polygalaceae) sobre o crescimento de Ipomoea cordifolia / Allelopathic activity of leachates from Asemeia extraaxillaris (Polygalaceae) on the growth of Ipomoea cordifolia
Fonte: Rev. bras. plantas med;18(1,supl.1):215-222, 2016. tab, graf.
Idioma: pt.
Resumo: RESUMO O objetivo desse trabalho foi avaliar a atividade alelopática dos lixiviados das raízes e folhas secas de Asemeia extraaxillaris sobre o crescimento de corda de viola Ipomoea cordifolia em casa de vegetação, para avaliação dos efeitos sobre o estresse oxidativo. Nos bioensaios foram utilizadas três concentrações (0,25 - 5,00 e 10,00 g) e um controle, com quatro repetições de 10 plantas, cultivadas em solo durante 30 dias. Os lixiviados possuem ação alelopática e o maior efeito foi verificado para o pó das raizes. O efeito inibitório foi dose-dependente e o aumento do estresse oxidativo foi observado pelos níveis da catalase, peroxidase, superóxido dismutase, glutationa redutase, peroxidação lipídica e síntese de formazan. Concluiu-se que A. extraaxillaris possui substâncias capazes de afetar a emergência, o crescimento e o estresse oxidativo de I. cordifolia.

ABSTRACT The purpose of this article is to assess the allelopathic activity of leachates from the roots and dried leaves of Asemeia extraaxillaris on the germination and growth of corda de viola (Ipomoea cordifolia) in a greenhouse, and evaluate its effect on oxidative stress. For the bioassays, three concentrations (0.25, 5.00, and 10.00 g) and one control were used, with four replications of 10 plants, cultivated in soil for 30 days. The leachates exhibited allelopathic action, and the greatest effect was found in the root powder. The inhibitory effect was dose-dependent and the increase in oxidative stress was observed by the levels of catalase, peroxidase, superoxide dismutase, glutathione reductase, lipid peroxidation, and formazan synthesis. It was affirmed that A. extraaxillaris contains substances capable of affecting seedling emergence, growth, and oxidative stress in I. cordifolia.
Descritores: Alelopatia
Ipomoea/classificação
Percolação/classificação
Polygalaceae/classificação
-Estresse Oxidativo
Responsável: BR1.1 - BIREME


  8 / 23 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-683229
Autor: Lima, Dayane D. C. C; Albuquerque, Raquel F; Rocha, Brena P; Barros, Maria Edna G; Gardner, Dale R; Medeiros, Rosane M. T; Riet-Correa, Franklin; Mendonça, Fábio S.
Título: Doença de depósito lisossomal induzida pelo consumo de Ipomoea verbascoidea (Convolvulaceae) em caprinos no semiárido de Pernambuco / Lysosomal storage disease induced by the consumption of Ipomoea verbascoidea (Convolvulaceae) in goats at northeastern Brazil
Fonte: Pesqui. vet. bras = Braz. j. vet. res;33(7):867-872, jul. 2013. ilus, mapas, tab.
Idioma: pt.
Resumo: The aim of this paper was to reproduce the poisoning of Ipomoea verbascoidea in goats and describe the epidemiological, clinical and pathological aspects of spontaneous poisoning by this plant in Pernambuco. For this, we studied the epidemiology of the disease in seven municipalities in the semiarid region of the State. Three spontaneously poisoned goats were examined and then euthanized and necropsied (Group I). To reproduce the disease, the dried leaves of I. verbascoidea containing 0.02% swainsonine were supplied at doses of 4g/kg (0.8mg swainsonine/kg) to two groups of three animals. The goats in Group II received daily doses of the plant during 40 days and were euthanized on the 41st day of the experiment. Goats from Group III received daily doses of the plant during 55 days and were euthanized on the 120th day of the experiment. Other three goats constituted the control group (Group IV). In experimental groups, the brain lesions were evaluated by histopathology; additionally the cerebellar lesions were evaluated by morphometry, by measuring the molecular layer thickness, the number of Purkinje cells and the area of the cell bodies of these cells. The main clinical signs and microscopic lesions in goats poisoned were similar to those reported by swainsonine containing plants. In goats of GII and GIII, the first nervous signs were observed between 22th and 29th days; clinically, the disease developed by these animals was similar to the spontaneous cases. The goats of GIII did not recover from the neurologic signs. These results show that the consumption of the plant by 26-28 days after observation of the first clinical signs is enough to cause irreversible damage. By morphometric analysis, the molecular layer of the cerebellum of the goats of Group I and III were thinner than those of goats in the control group, and Purkinje neurons were atrophic. It is suggested that these changes are responsible for the neurological picture observed in goats that stop eating the plant and have sequelae of poisoning.

O objetivo deste trabalho foi reproduzir a intoxicação por Ipomoea verbascoidea em caprinos e descrever os aspectos epidemiológicos, clínicos e histopatológicos da intoxicação espontânea por essa planta no Estado de Pernambuco. Para isso, realizou-se o acompanhamento da epidemiologia da doença em sete municípios do semiárido pernambucano. Três caprinos espontaneamente intoxicados foram examinados e, em seguida eutanasiados e necropsiados (Grupo I). Para reproduzir experimentalmente a doença, as folhas secas de I. verbascoidea contendo 0,02% de swainsonina, foram fornecidas na dose de 4g/kg (0,8mg de swainsonina/kg) a dois grupos de três animais. Os caprinos do Grupo II receberam a planta diariamente por 40 dias e foram eutanasiados no 41º dia de experimento. Os caprinos do Grupo III receberam a planta diariamente por 55 dias e foram eutanasiados no 120º dia de experimento. Outros três caprinos constituíram o grupo controle (Grupo IV). Nos grupos experimentais, as lesões encefálicas foram avaliadas por histopatologia e adicionalmente avaliaram-se as lesões cerebelares por morfometria, mediante mensuração da espessura da camada molecular, do número de neurônios de Purkinje e da área dos corpos celulares dessas células. Os principais sinais clínicos e lesões microscópicas foram semelhantes aos previamente reportados em animais intoxicados por plantas que contem swainsonina. Nos caprinos do GII e GIII, os primeiros sinais clínicos foram observados entre o 22º e 29º dia de experimento; clinicamente a doença desenvolvida por esses animais foi semelhante aos casos espontâneos. Nenhum dos caprinos do GIII se recuperou dos sinais neurológicos. Esse resultado evidencia que o consumo da planta por 26-28 dias após a observação dos primeiros sinais clínicos é suficiente para provocar lesões irreversíveis. Pela análise morfométrica, a camada molecular do cerebelo dos caprinos do Grupo I e III eram mais delgadas que às dos caprinos do grupo controle, e os neurônios de Purkinje estavam atróficos. Sugere-se que essas alterações sejam responsáveis pelo quadro clínico neurológico observado nos caprinos que deixam de ingerir a planta e apresentam seqüelas da intoxicação.
Descritores: Envenenamento/veterinária
Ipomoea/toxicidade
Plantas Tóxicas/toxicidade
-Convolvulaceae
Neurônios/enzimologia
Neurônios/química
Limites: Animais
Responsável: BR68.1 - Biblioteca Virginie Buff D'Ápice


  9 / 23 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Chile
Texto completo
Id: lil-668689
Autor: Zia-Ul-Haq, M; Raza Shah, M; Qayum, Mughal; Ercisli, Sezai.
Título: Biological screening of selected flora of Pakistan
Fonte: Biol. Res;45(4):375-379, 2012. ilus.
Idioma: en.
Resumo: Methanolic extracts of different parts of five medicinal plants, Ferula assafoetidaL. resin, Grewia asiaticaL. leaves, Ipomoea hederaceaJacq. seeds, Lepidium sativumL. seeds and Terminalia chebulaRetz. fruits were tested in vitrofor their cytotoxic, phytotoxic, insecticidal, nematicidal and anthelmintic activities. Ipomoea hederaceashowed very significant phytotoxic and cytotoxic activity, with 100% inhibition of Lemna minorgrowth and 100% death of Artemia salinaat concentrations of 1000 and 100 µg mL-1. Grewia asiaticaexhibited very weak activities while Lepidium sativumand Ferula assafoetidashowed moderate to good potential in all three bioassays. The results suggest screening of Ipomoea hederaceaseeds further for isolation of bioactive compounds that may be responsible for its toxic potential.
Descritores: Extratos Vegetais/farmacologia
-Ferula/química
Grewia/química
Ipomoea/química
Lepidium sativum/química
Paquistão
Extratos Vegetais/classificação
Terminalia/química
Limites: Animais
Responsável: CL1.1 - Biblioteca Central


  10 / 23 LILACS  
              first record previous record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Texto completo
Id: lil-658127
Autor: Tognon, G. B; Petry, C.
Título: Estaquia de Ipomoea cairica (L. ) Sweet / Stem cutting of Ipomoea cairica (L. ) Sweet
Fonte: Rev. bras. plantas med;14(3):470-475, 2012. tab.
Idioma: pt.
Resumo: A Ipomoea cairica (L.) Sweet é uma trepadeira herbácea nativa, amplamente utilizada na medicina popular brasileira e inexistem informações sobre a propagação vegetativa. Em vista disso, objetivou-se avaliar a presença de folhas nas estacas, o substrato e a dose de reguladores vegetais mais adequados para a propagação por estaquia. Foram conduzidos dois experimentos, no primeiro, foram avaliados dois tipos de estacas (com e sem folhas) e quatro substratos (areia, casca de arroz carbonizada, latossolo vermelho distrófico + matéria orgânica - 1:1, latossolo vermelho distrófico + matéria orgânica + areia - 1:1:2), enquanto no segundo foram testadas cinco concentrações diferentes de AIB (0, 250, 500, 750 e 1000 mg L-1). Após 20 dias, obteve-se 86,2% de estacas enraizadas no substrato areia e, no segundo experimento, observou-se que o AIB não influenciou a porcentagem de enraizamento (94% em média). Conclui-se que a presença de folhas melhora a qualidade do enraizamento, que os substratos indicados para a propagação são areia e casca de arroz carbonizada devido ao maior enraizamento, fácil disponibilidade e baixo custo, e que a utilização de AIB na concentração 250 mg L-1 é a mais adequada para propagação por estaquia de I. cairica.

Ipomoea cairica (L.) Sweet is an herbaceous climbing plant widely used in Brazilian folk medicine and there is no information regarding its vegetative propagation. In view of this, the aim of this study was to evaluate the presence of leaves on stem cuttings and the most adequate substrate and level of plant growth regulators for propagation by stem cuttings of this morning glory. Two experiments were conducted, in the first, two types of stem cuttings (with and without leaves) and four substrates (sand; carbonized rice hull; Haplortox + organic matter - 1:1; Haplortox + organic matter + sand - 1:1:2) were evaluated, and in the second experiment five different concentrations of IBA (0, 250, 500, 750 and 1000 mg L-1) were tested. After 20 days, we obtained 86.2% of cuttings rooted in sand substrate and in the second experiment IBA did not affect the rooting percentage (94% on average). We can conclude that the presence of leaves improved the quality of rooting, the substrates indicated for propagation are sand and carbonized rice hull due to greater rooting, easy availability and low cost, and the use of IBA at 250 mg L-1 is more appropriate to propagation by stem cuttings of I. cairica.
Descritores: Convolvulaceae/classificação
Ipomoea/crescimento & desenvolvimento
-Reguladores de Crescimento de Planta
Folhas de Planta/efeitos adversos
Plantas Medicinais/crescimento & desenvolvimento
Responsável: BR1.1 - BIREME



página 1 de 3 ir para página          
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde