Base de dados : LILACS
Pesquisa : B01.650.940.800.575.912.250.339.485.577 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 1 [refinar]
Mostrando: 1 .. 1   no formato [Detalhado]

página 1 de 1

  1 / 1 LILACS  
             
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-625273
Autor: Singh, Kanchan Lata; Singh, D.K.; Singh, Vinay Kumar.
Título: Characterization of the molluscicidal activity of Bauhinia variegata and Mimusops elengi plant extracts against the fasciola vector lymnaea acuminata / Caracterização da atividade moluscicida dos extratos das plantas Bauhinia variegata e Mimusops elengi contra o vetor da Fasciola, Lymnaea acuminata
Fonte: Rev. Inst. Med. Trop. Säo Paulo;54(3):135-140, May-June 2012. ilus, tab.
Idioma: en.
Projeto: University Grants Commission (UGC).
Resumo: The molluscicidal activity of Bauhinia variegata leaf and Mimusops elengi bark was studied against vector snail Lymnaea acuminata. The toxicity of both plants was time and concentration-dependent. Among organic extracts, ethanol extracts of both plants were more toxic. Toxicity of B. variegata leaf ethanolic extract (96h LC50- 14.4 mg/L) was more pronounced than M. elengi bark ethanolic extract (96h LC50-15.0 mg/L). The 24h LC50 of column purified fraction of B. variegata and M. elengi bark were 20.3 mg/L and 18.3 mg/L, respectively. Saponin and quercetin were characterized and identified as active molluscicidal component. Co-migration of saponin (Rf 0.48) and quercetin (Rf 0.52) with column purified bark of M. elengi and leaf of B. variegata on thin layer chromatography demonstrate same Rf value i.e. 0.48 and 0.52, respectively. The present study clearly indicates the possibility of using M. elengi and/or B. variegata as potent molluscicide.

A atividade moluscicida das folhas da Bauhinia variegata e da casca do Mimusops elengi foi testada contra o vetor caracol, Limnaea acuminata. A toxicidade de ambas as plantas é dependente do tempo e da concentração. Entre os extratos orgânicos, os extratos de etanol de ambas as plantas foi mais tóxico. A toxicidade do extrato etanólico da folha da B. variegata (96 h LC50 - 14,4 mg/L) foi mais pronunciada do que o extrato etanólico da casca do M. elengi (96h - LC50 - 15,0 mg/L). As frações purificadas em coluna durante 24 h LC50 do B. variegata e da casca do M. elengi foram 20,3 mg/L e 18,3 mg/L, respectivamente. A saponina e a quercentina foram caracterizadas e identificadas como os componentes ativos moluscicidas. A co-migração da saponina (Rf 0,48) e da quercentina (Rf 0,52) com a casca purificada por coluna do M. elengi e as folhas da B. variegata na cromatografia demonstraram o mesmo valor Rf isto é, 0,48 e 0,52 respectivamente. O presente estudo indica claramente a possibilidade de usar M. elengi e/ou B. variegata como moluscicidas potentes.
Descritores: Bauhinia/química
Vetores de Doenças
Lymnaea/efeitos dos fármacos
Mimusops/química
Moluscocidas/farmacologia
Extratos Vegetais/farmacologia
-Cromatografia em Camada Delgada
Fasciolíase/transmissão
LETHAL DOSE ACADEMIES AND INSTITUTES
Folhas de Planta/química
Limites: Animais
Tipo de Publ: Research Support, Non-U.S. Gov't
Responsável: BR1.1 - BIREME



página 1 de 1
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde