Base de dados : LILACS
Pesquisa : B01.650.940.800.575.912.250.875.755 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 1 [refinar]
Mostrando: 1 .. 1   no formato [Detalhado]

página 1 de 1

  1 / 1 LILACS  
             
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-432515
Autor: Koller, Otto Carlos; Oliveira, Regina Beatriz Loss de; Nunes, Diego Soares; Dal Soglio, Fábio; Panzenhagen, Nestor Valtir; Sartori, Ivar Antônio; Manteze, Francisco.
Título: Controle químico do cancro cítrico em plantas jovens sob manejo convencional e orgânico / Quemical control of citrus canker in young plants managed in conventional and organic systems
Fonte: Ciênc. rural;36(4):1043-1048, jul.-ago. 2006. tab.
Idioma: pt.
Resumo: O objetivo deste trabalho foi avaliar o desenvolvimento de porta-enxertos de Poncirus trifoliata Raf. e de enxertos de laranjeira "Valência" (Citrus sinensis Osb.), os índices de ataque de cancro cítrico, causado pela bactéria Xanthomonas citri pv. citri, artificialmente inoculada, e o controle dessa moléstia, com pulverizações cúpricas em sistemas de cultivo, convencional e orgânico, no Centro de Formação da EMATER, situado no município de Montenegro, Estado do Rio Grande do Sul. Foram testadas pulverizações cúpricas a cada 7, 14 e 21 dias, com concentrações de 0,15 e 0,30 por cento de cobre metálico, utilizando calda bordalesa no sistema orgânico e oxicloreto de cobre no sistema convencional. Foram avaliados o crescimento do diâmetro do caule das plantas, a produção de matéria seca da parte aérea dos porta-enxertos, o número de folhas com lesões de cancro cítrico e o número de lesões presentes por folha atacada. Verificou-se que em ambos os sistemas de cultivo, no convencional e no orgânico, o desenvolvimento dos porta-enxertos foi semelhante, mas os enxertos cresceram mais no sistema convencional. Com elevada presença de fontes de inóculo, os tratamentos cúpricos não controlaram o cancro cítrico nos porta-enxertos. Já nos enxertos, com baixa presença de fontes de inóculo, tanto a calda bordalesa como o oxicloreto de cobre controlaram a doença, com melhor resposta na concentração de 0,3 por cento de cobre metálico, aplicada em intervalos de 14 dias. Para melhorar o controle do cancro cítrico, com calda bordalesa, em sistemas orgânicos de cultivo, devem ser desenvolvidas medidas eficazes de controle da larva-minadora.
Descritores: Bactérias
Citrus sinensis
Doenças das Plantas
Poncirus
Responsável: BR409.1 - Biblioteca



página 1 de 1
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde