Base de dados : LILACS
Pesquisa : B04.613.807 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 98 [refinar]
Mostrando: 1 .. 10   no formato [Detalhado]

página 1 de 10 ir para página                        

  1 / 98 LILACS  
              next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Texto completo
Id: biblio-1040716
Autor: Silva, Ana Paula da; Flores, Mariana; Mazaro, Renata; Luz, Flavia da; Silva, Marcia; Fighera, Rafael A.
Título: Oral lesions and retroviruses in shelter cats / Afecções orais e retroviroses em gatos de abrigo
Fonte: Pesqui. vet. bras = Braz. j. vet. res;39(7):516-522, July 2019. tab, ilus.
Idioma: en.
Resumo: Oral lesions are common problems in feline medicine worldwide, and may be associated with different causes, such as infectious agents. There are only a few studies reporting the chief oral diseases and the results for retrovirus tests in shelter cats in Brazil, especially in the South region. This study aimed to identify the main inflammatory oral lesions in shelter cats and verify the test results for feline immunodeficiency virus (FIV) and feline leukemia virus (FeLV) infections. Forty-three felines from private shelters in the central region of Rio Grande do Sul state (RS) that presented clinically evident oral lesions, regardless of age, breed, sex, and neuter status, were used in this survey. Serological tests for FIV and FeLV were performed in all cats, and data regarding the rearing system were collected. Sixteen cats (37.2%) were reared in a free system, whereas 27 (62.8%) were kept under a restrict system. Of the 43 cats with oral lesions, 29 (67.44%) presented only one type of lesion, characterized as periodontitis (n=22, 51.16%), followed by gingivitis (n=6, 13.95%), and stomatitis (n=1, 2.32%). Concomitant stomatitis and periodontitis were found in the 14 remaining cats (100%). With respect to the test results for retrovirus infections, nine (20.93%) of the 43 felines were positive for FIV alone. Co-infection with both viruses was observed in seven cats (16.28%). No cat was seropositive for FeLV valone. None of the six cats that presented gingivitis was positive for FIV and FeLV; one cat with stomatitis was positive for FIV and FeLV; of the 22 cats with periodontitis, six (27.27%) were FIV positive and two (9.09%) were FIV/FeLV positive; and of the 14 cats that presented stomatitis and periodontitis, three (21.43%) were FIV positive and four (28.57%) were FIV/FeLV positive. As for diagnosis, 28 cats (65.1%) presented solely periodontal disease (PD), one cat (2.32%) had feline chronic gingivostomatitis (FCG) alone, and 14 (32.5%) had both PD and FCG. The results obtained show that the main oral lesions found in shelter cats in the central region of RS were gingivitis, stomatitis, and periodontitis. Periodontitis, in association or not with stomatitis, was the most frequently observed oral cavity lesion in FIV- and/or FeLV-positive cats. Other factors may contribute to installation of inflammatory oral diseases in shelter cats because most cats with oral cavity lesions tested negative for retrovirus infections.(AU)

As afecções orais são problemas comuns em medicina felina em diferentes locais do mundo e podem estar relacionadas a diferentes causas, como agentes infecciosos. Poucos estudos foram encontrados no Brasil sobre o levantamento das principais doenças orais e dos resultados de testes para retrovírus em gatos de abrigos, principalmente na região Sul. Diante disso, o objetivo deste artigo foi identificar as principais afecções orais inflamatórias em gatos de abrigos e verificar os resultados dos testes para o vírus da imunodeficiência felina (FIV) e o vírus da leucemia felina (FeLV). Foram incluídos 43 felinos provenientes de abrigos privados localizados na região central do Rio Grande do Sul (RS) que apresentavam lesões orais clinicamente evidentes, independente de idade, raça, gênero e estado reprodutivo. Em todos os gatos foram realizados testes sorológicos para FIV e FeLV e obtidas informações referentes ao sistema de criação. Em 16 gatos (37,2%), o sistema de criação era livre, enquanto em 27 (62,8%) era restrito. Dos 43 gatos com lesões orais, em 29 (67,44%) foi verificado somente um tipo de lesão, caracterizado como periodontite (n=22, 51,16%), seguido de gengivite (n=6, 13,95%) e estomatite (n=1, 2,32%). Lesões concomitantes de estomatite e periodontite foram encontradas nos 14 gatos (100%) restantes. Quanto aos resultados dos testes para retrovírus, nove (20,93%) dos 43 felinos testados, foram positivos somente para FIV. Em sete gatos (16,28%) foi observada coinfecção pelos dois vírus. Em nenhum gato foi observado soropositividade somente para FeLV. Dos seis gatos com gengivite, nenhum foi positivo para FIV e FeLV; um gato com estomatite foi positivo para FIV e FeLV; dos 22 gatos com periodontite, seis (27,27%) foram FIV positivos e dois (9,09%) FIV/FeLV positivos; e dos 14 com estomatite e periodontite, três (21,43%) foram FIV positivos e quatro (28,57%) FIV/FeLV positivos. Quanto ao diagnóstico, em 28 gatos (65,1%) foi observada somente doença periodontal (DP), em um (2,32%) somente gengivoestomatite crônica felina (GECF) e em 14 gatos (32,5%) DP e GECF. Diante dos resultados obtidos, pode-se concluir que as principais lesões orais encontradas em gatos de abrigos da região central do RS foram gengivite, estomatite e periodontite; a periodontite associada ou não a estomatite foi a lesão oral mais frequente nos gatos positivos para FIV e/ou FeLV. Acredita-se que outros fatores possam contribuir na instalação de doenças orais em gatos de abrigos, já que houve predomínio de gatos com resultados negativos nos testes para os retrovírus.(AU)
Descritores: Retroviridae/isolamento & purificação
Estomatite/veterinária
Leucemia/veterinária
Gengivite/veterinária
-Doenças Periodontais/veterinária
Brasil/epidemiologia
Abrigo para Animais
Imunidade
Limites: Animais
Gatos
Responsável: BR68.1 - Biblioteca Virginie Buff D'Ápice


  2 / 98 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Texto completo
Id: biblio-1026492
Autor: Heidman, Maycon Junior; Fischer, Viviane Labs; Castro, Bruno Gomes de.
Título: Ocorrência de anticorpos antivírus da leucose enzoótica bovina em animais da região médio-norte mato-grossense, Brasil / Enzootic bovine leukosis antibodies in cattle from mid-northern Mato Grosso State, Brazil
Fonte: Arq. Inst. Biol;82:1-4, 2015. tab.
Idioma: pt.
Resumo: A leucose enzoótica bovina (LEB) é uma enfermidade causada por um retrovírus e pode apresentar um quadro de linfocitose persistente ou linfossarcomas em bovinos adultos. Este estudo teve como objetivo realizar um levantamento sorológico, por meio do teste de imunodifusão em gel agar (IDGA), de bovinos de corte e de leite, bem como de animais puros de origem (POs), criados nos municípios de Sinop e Sorriso, a fim de se conhecer a distribuição e a ocorrência de anticorpos antivírus da LEB na referida região. De acordo com os resultados obtidos, foi verificado que a prevalência acumulada nas três categorias foi de 11,78% de soropositivos, sendo 12,19% para bovinos de corte, 11,20% para o rebanho leiteiro e 9,09% em animais POs. Dessa forma, este estudo demonstrou que a LEB se faz presente no estado de Mato Grosso, sendo possível verificar que a LEB apresenta índices de prevalência abaixo dos encontrados em outras regiões do país.(AU)

The enzootic bovine leukosis (EBL) is a disease caused by a retrovirus and can be presented as a persistent lymphocytosis, or bovine lymphosarcomas in adult cattle. This study aimed to conduct a serological survey of beef cattle, dairy herd and in purebred cattle raised in the cities of Sinop and Sorriso, in order to understand the distribution and occurrence of antibodies anti-EBL virus in that region. According to the results obtained, the prevalence in the three categories was 11.78% of serum positives, where 12.19% for beef cattle, 11.02% for the dairy herd and 9.09% in purebred cattle animals. Thus, this study demonstrated that EBL is present in Mato Grosso State, and EBL's prevalence rates lower than others reported in several regions of the country.(AU)
Descritores: Retroviridae
Leucose Enzoótica Bovina/epidemiologia
-Imunodifusão/veterinária
Doenças dos Animais
Limites: Animais
Bovinos
Responsável: BR1942.1 - NID - Biblioteca - Núcleo de Informação e Documentação


  3 / 98 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: lil-502528
Autor: Tenório, Ligia Zacchi; Silva, Flávia Helena da; Han, Sang Won.
Título: A potencialidade dos lentivetores na terapia gênica / The potentiality of lentivectors in gene therapy
Fonte: Rev. Soc. Bras. Clín. Méd;6(6):260-267, nov.-dez. 2008. ilus, tab.
Idioma: pt.
Resumo: Os lentivírus, bem como os oncovírus e os spumavírus, pertencem à família Retroviridae. Essa família possui genoma composto por duas fitas simples de RNA e enzima transcriptase reversa. Os vírus de imunodeficiência humana (HIV), felina (FIV) e simiana (SIV) são os representantes mais bem conhecidos dos lentivírus, devido aos seus efeitos patológicos. O genoma dos lentivírus apresenta uma organização mais complexa do que dos oncovírus e muitos dos seus processos moleculares já estão descritos OU já são conhecidos. Além disso, são capazes de infectar inclusive células quiescentes, características essa que se opõe ao tropismo dos oncovírus. Essas propriedades levaram ao desenvolvimento de vetores lentivirais para terapia gênica e a perspectiva do emprego terapêutico dos mesmos na clínica – por exemplo, para síndrome da imunodeficiência adquirida (SIDA). Uma série de modificações de engenharia genética no lentivetor baseado em HIV levou ao desenvolvimento do primeiro protocolo clínico de terapia gênica lentiviral contra a SIDA, nos EUA. Atualmente, existem vários protocolos clínicos com lentivetores em andamento, seguindo a tendência de empregá-los também em outras doenças.(AU)

Lentivirus, oncovirus and spumavirus belong to the Retroviridae family. The genome of this family is composed of two single strands of RNA and reverse transcriptase enzyme. The human, feline and simian immunodeficiency virus (HIV, FIV, SIV) are well known lentivirus in our society due to their pathological effects. The Lentiviral genome is more complex than the oncovira and much of its molecular mechanisms are already known. In addition, they are able to infect also quiescent cells, in opposition to oncovirus tropism. These properties lead to the development of gene therapy lentiviral vectors and to their possible therapeutic use at clinical level – acquired immunodeficiency syndrome (AIDS), for example. After intense genetic engineering, a HIV based lentivector was first used in a clinical trial in a gene therapy protocol for AIDS, in USA. Currently, there are several clinical trials in progress using lenviral vectors, following the tendency of evaluating their potential to treat many other diseases.(AU)
Descritores: Terapia Genética
Lentivirus/patogenicidade
-Retroviridae/patogenicidade
HIV/patogenicidade
Spumavirus/patogenicidade
Vírus da Imunodeficiência Felina/patogenicidade
Limites: Humanos
Tipo de Publ: Revisão
Responsável: BR1.1 - BIREME


  4 / 98 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: biblio-1007804
Autor: Rocha, Mariana Araújo; Sousa Filho, Reginaldo Pereira; Sampaio, Keytyanne Oliveira; Cunha, Marina Gabriela Monteiro Carvalho Mori da.
Título: Seroprevalence of feline immunodeficiency virus and feline leukemia virus in domestic cats of Fortaleza, Ceará / Soroprevalência do vírus da imunodeficiência felina e do vírus da leucemia felina em gatos domésticos de Fortaleza, Ceará
Fonte: Braz. J. Vet. Res. Anim. Sci. (Online);56(1):e146687, jun. 2019. tab.
Idioma: en.
Resumo: Feline Immunodeficiency Virus (FIV) and Feline Leukemia Virus (FeLV) are important etiologic agents of immunosuppressive diseases in felines. The objective of the present study was to determine the prevalence of these retroviruses in domestic cats in Fortaleza, Ceará and the epidemiological factors associated with these infections. Between 2015 and 2016, 138 blood samples were collected and tested for FIV and FeLV by the enzyme immunoadsorption assay (ELISA). Parameters such as breed, gender, age, reproductive status, multi-cat environment, outdoor access and clinical manifestations were evaluated. The results showed that 12.32% were positive for FIV, 5.80% for FeLV and 1.45% for co-infection (FIV/FeLV). FIV+ animals were mostly mixed breed, neutered male adult cats, with indoor lifestyle and living in a multi-cat household. The most common clinical manifestation observed was disorders of the oral cavity. Factors found to increase the risk for FeLV seropositivity include mixed breed, young, spayed female cats, indoor lifestyle living in a multi-cat household were the most common epidemiological factors observed. The most common clinical manifestation was anorexia and apathy. The prevalence of these viruses were relatively high, compared with other region of Brazil. This study demonstrated that mixed breed, castrated, multi-cat environment and indoor lifestyle animals are of greater relevance for FIV and FeLV infection diseases. Factors related to cat demographics and health such as age, sex and type of household are important predictors for seropositive status to FeLV or FIV in Fortaleza. High prevalence of FeLV or FIV observed in our study is of concern, in view of the immunosuppressive potential of the two pathogens.(AU)

O Vírus da Imunodeficiência Felina (FIV) e o Vírus da Leucemia Felina (FeLV) são importantes agentes etiológicos de doenças imunossupressoras em felinos. O objetivo do presente estudo foi determinar a prevalência desses retrovírus em gatos domésticos em Fortaleza, Ceará e os fatores epidemiológicos associados a essas infecções. Entre 2015 e 2016, foram coletadas 138 amostras de sangue e testadas para FIV e FeLV pelo ensaio de imunoadsorção enzimática (ELISA). Parâmetros como raça, gênero, idade, estado reprodutivo, ambiente com vários gatos, acesso ao ar livre e manifestações clínicas foram avaliados. Os resultados mostraram que 12,32% foram positivos para o FIV, 5,80% para o FeLV e 1,45% para a co-infecção (FIV/FeLV). Os animais FIV+ eram na sua maioria gatos machos castrados, adultos, de raça mista, com estilo de vida dentro de casa e vivendo em um ambiente com vários gatos. A manifestação clínica mais comum observada foi distúrbios da cavidade oral. Os fatores encontrados que aumentam o risco de soropositividade para FeLV incluem gatas fêmeas castradas, jovens, de raça mista, com estilo de vida dentro de casa e vivendo em um ambiente com vários gatos, foram os fatores epidemiológicos mais comuns observados. A manifestação clínica mais comum foi anorexia e apatia. A prevalência desses vírus foi relativamente alta em comparação com outras regiões do Brasil. Este estudo demonstrou que os animais de raça mista, castrados, vivendo em um ambiente com vários gatos e estilo de vida dentro de casa são de maior relevância para as doenças infecciosas por FIV e FeLV. Fatores relacionados à demografia e à saúde do gato, como idade, sexo e tipo de domicílio, são importantes preditores do estado soropositivo para FeLV ou FIV em Fortaleza. A alta prevalência de FeLV ou FIV observada em nosso estudo é preocupante, tendo em vista o potencial imunossupressor dos dois patógenos.(AU)
Descritores: Gatos/imunologia
Estudos Soroepidemiológicos
Vírus da Imunodeficiência Felina/patogenicidade
-Retroviridae
Limites: Animais
Gatos
Responsável: BR68.1 - Biblioteca Virginie Buff D'Ápice


  5 / 98 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: lil-797309
Autor: Real Delor, Raúl; Moral, Aracelli; Pérez, Lis.
Título: Prevalencia de virus linfotrópico humano en donantes de sangre del Hospital Nacional, Paraguay / Prevalence of human t-lymphotropic virus in blood donors in the National Hospital, Paraguay
Fonte: Rev. méd. (La Paz);22(1):5-12, 2016. ilus.
Idioma: es.
Resumo: INTRODUCCIÓN: el virus linfotrópico humano tipo 1 (HTLV-1) está relacionado con leucemia y linfoma de células T del adulto y la paraparesia espástica tropical. Su transmisión se realiza por sangre y fluidos orgánicos. OBJETIVOS: determinar la prevalencia de HTLV y otras enfermedades de transmisión sexual en donantes de sangre del Hospital Nacional (Itauguá, Paraguay). METODOLOGÍA: estudio observacional descriptivo retrospectivo realizado en el tamizaje de donantes de sangre durante los años 2013 al 2015. RESULTADOS: entre 16.100 donaciones se encontraron 61 resultados reactivos para HTLV, lo que da una prevalencia de 0,37%. Las características demográficas de los casos positivos para HTLV son: edad media 37 ± 12 años (rango 19-67 años), leve predominio del sexo masculino 35 casos (57%). La asociación con otras enfermedades de transmisión sexual pudo detectarse en 11 de los 61 pacientes positivos para HTLV, de los cuales el 63% era portador de sífilis. CONCLUSIONES: la prevalencia de HTLV en Banco de sangre del Hospital Nacional es 0,37%. Los afectados por HTLV eran también portadores de serología sifilítica en 63%.

INTRODUCTION: the human lymphotropic virus type 1 (HTLV-1) is related to adult T cell leukemia and lymphoma and the tropical spastic paraparesis. The transmission is by blood and body fluids. OBJECTIVES: to determine the prevalence of HTLV and other sexually transmitted diseases in blood donors in the National Hospital (Itauguá, Paraguay). METHODOLOGY: descriptive retrospective study by screening blood donors between 2013 to 2015. RESULTS: between 16,100 donations we found 61 reactive results for HTLV, giving a prevalence of 0.37%. The demographic characteristics of positive cases for HTLV are: mean age 37 ± 12 years (range 19-67 years), slight predominance of males 35 cases (57%). The association with other sexually transmitted diseases could be detected in 11 of the 61 patients positive for HTLV-1, of which 63% were carrying syphilis. CONCLUSIONS: the prevalence of HTLV in the blood bank of the National Hospital is 0.37%. The affected by HTLV-1 carriers also syphilis serology in 63%.
Descritores: Doadores de Sangue
Vírus Linfotrópico T Tipo 1 Humano
-Retroviridae/patogenicidade
Limites: Humanos
Tipo de Publ: Relatos de Casos
Responsável: BO138.1 - Biblioteca Central


  6 / 98 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: biblio-886432
Autor: Muñoz Ortiz, Natalia; Zamora, Tomás.
Título: Diagnóstico retardado de mielopatía por HTLV-1, ¿hay hallazgos tempranos? / Retarded diagnosis of myelopathy by HTLV-1, ¿are there early findings?
Fonte: Acta neurol. colomb;33(2):115-118, abr.-jun. 2017.
Idioma: es.
Resumo: RESUMEN Se reporta un caso de mielopatía por HTLV-1 en paciente afrodescendiente en su sexta década de vida, procedente de Popayán, Cauca. Presentó sintomatología no típica desde años atrás, pero en los últimos meses aparecieron síntomas característicos y por ello se realizó diagnóstico de HTVL-1 por Elisa. La enfermedad progresó sin posibilidad de detención y solo se le pudo ofrecer manejo analgésico, terapia física y medidas de confort. Se discute la importancia de hacer un diagnóstico temprano para HTLV-1 y la necesidad de intervención antes de que la enfermedad sea incapacitante. Encontramos dos estudios, uno en Perú y otro en Brasil donde se descubren dos formas de identificar objetivamente cambios tempranos en pacientes seropositivos para este virus.

SUMMARY A case of HTLV-I myelopathy is reported in an Afro-descendant patient in his sixth decade of life, from Popa-yán Cauca Colombia. It has not been typical symptomatology since years, but in the last months characteristic symptoms appear and it is when diagnosis of HTVL-1 is made by Elisa (9.51 positive). The disease progresses without the possibility of arrest and can only be offered analgesic management, physical therapy and comfort measures. The importance of making an early diagnosis for HTLV-1 and the need for intervention before the disease is disabling is discussed. We found two studies, one in Peru and one in Brazil, where two ways of objectively identifying early changes in seropositive patients.
Descritores: Retroviridae
Doenças da Medula Espinal
Paraparesia
Espasticidade Muscular
Responsável: CO362.9


  7 / 98 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Texto completo
Id: biblio-836981
Autor: Magri, Mariana Cavalheiro.
Título: Vírus linfotrópicos de células T humanas dos tipos 1 e 2 (HTLV-1 e HTLV-2): estudo de segmentos do genoma proviral obtidos de pacientes com HIV/Aids de São Paulo e de Londrina e região / Human T-lymphotropic virus type 1 and 2 (HTLV-1 and HTLV-2): study on proviral genome segments obtained from patients with HIV/Aids from Sao Paulo and Londrina and vicinities.
Fonte: São Paulo; s.n; 2013. 182 p. tab, graf, ilus.
Idioma: pt.
Tese: Apresentada a Universidade de São Paulo. Faculdade de Ciências Farmacêuticas para obtenção do grau de Doutor.
Resumo: O Brasil é considerado o país com o maior número absoluto de indivíduos infectados pelos vírus linfotrópicos de células T humanas dos tipos 1 e 2 (HTLV-1 e HTLV2), perto de 2,5 milhões; além disso, é também considerado epidêmico para o HIV e, portanto, casos de coinfecção HIV/HTLV são frequentes no país. O presente trabalho efetuou o seqüenciamento das regiões LTR, env e tax do genoma proviral do HTLV-1 e do HTLV-2 isolados das amostras de sangue de pacientes coinfectados pelo HIV-1 de Londrina e região (n=34) e de São Paulo (n=20), para realizar a caracterização molecular e determinar subtipos virais. Foram utilizadas na análise das sequências as ferramentas Sequencher 4.7, BLAST, Genotyping-NCBI, Subtyping-REGA, BioEdit 7.0.5.3, ClustalW, GenBank, PAUP 4.0.b10, Modeltest 3.7, TreeView 1.6.6 e MEGA4. As diversas análises confirmaram como subtipos prevalentes o HTLV-1a, subgrupo Transcontinental A, e o HTLV-2a (variante -2c). Foram detectadas assinaturas moleculares nos isolados do Brasil. Detectou-se o genótipo brasileiro taxA para o HTLV-1 e para o HTLV-2 a Tax longa, a qual é característica da variante HTLV-2c. Houve também a confirmação da troca de aminoácido S1909P no env dos HTLV-2. Especulou-se sobre duas entradas do HTLV-1 no Brasil e sobre a disseminação do HTLV-2c em grupos distintos quanto ao comportamento de risco e região geográfica. O estabelecimento de métodos laboratoriais otimizados para isolados brasileiros de HTLV-1 e HTLV-2 possibilitou melhor compreensão da diversidade genômica e da origem e disseminação dos HTLVs em populações coinfectadas pelo HIV no Brasil

Brazil is considered the country with the major absolute number of individuals infected with human T-lymphotropic virus types 1 and 2 (HTLV-1 and HTLV-2), close to 2,500,000; moreover, it is also considered epidemic for HIV/Aids =and therefore HIV/HTLV coinfection is frequent in the country. This study aimed at sequencing the LTR, env and tax regions of the proviral genome of HTLV-1 and HTLV-2 isolated from blood samples obtained from patients coinfected with HIV-1 from Londrina and vicinities (n=34) and São Paulo (n=20), in order to perform the molecular characterization and viral subtyping. For sequences analysis, several bioinformatics tools were employed: Sequencher 4.7, BLAST, Genotyping-NCBI, Subtyping-REGA, BioEdit 7.0.5.3, ClustalW, GenBank, PAUP 4.0.b10, Modeltest 3.7, TreeView 1.6.6 and MEGA4. The results confirmed as prevalent the HTLV-1a subtype, the Transcontinental subgroup A, and the HTLV-2a (variant-2c). Molecular signatures characteristic of Brazilian isolates were detected: taxA Brazilian genotype in HTLV-1, and the long Tax which is characteristic of the HTLV-2c in HTLV-2. Also, it was confirmed the S1909P amino acid change in the env region of HTLV-2c. It was speculated on two entrances of HTLV-1 in Brazil, and on the spread of HTLV-2c in distinct groups related to risk factors and geographic region. The establishment and optimization of laboratory methods performed in this study allowed to get a better understanding on HTLVs genomic diversity, and to give insights on the origin and spread of HTLVs in populations coinfected with HIV in Brazil
Descritores: Síndrome de Imunodeficiência Adquirida/patologia
Genoma
HIV/patogenicidade
Vírus Linfotrópico T Tipo 1 Humano/patogenicidade
Vírus Linfotrópico T Tipo 2 Humano/patogenicidade
Pacientes/classificação
-Coleta de Amostras Sanguíneas/métodos
Brasil
Epidemiologia
Microbiologia
Filogenia
Retroviridae
Virologia
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Responsável: BR40.1 - DBD - Divisão de Biblioteca e Documentacão do Conjunto das Químicas


  8 / 98 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: lil-785568
Autor: De Luca, David.
Título: Los retrovirus endógenos y su rol en el melanoma cutáneo / The role of endogenous retroviruses in cutaneous melanoma
Fonte: Dermatol. argent;19(2):91-99, 2013. graf, tab.
Idioma: es.
Resumo: Los retrovirus endógenos son elementos virales ancestrales insertos en el genoma humano desde hace miles de años. Aunque permanecen quiescentes a lo largo de la vida, ciertos estímulos y mutaciones genéticas pueden reactivar estos elementos genéticos. El másestudiado de los retrovirus endógenos, el HERV-K, aporta diferentes proteínas que tienen acción inmunosupresora y alteran la migración y el fenotipo celular, lo que conduce finalmente a una génesis y progresión de diferentes neoplasias, como el melanoma cutáneo. A través dediferentes métodos, pueden detectarse anticuerpos dirigidos contra las proteínas retrovirales, las cuales correlacionan con un pronóstico desfavorable en pacientes con melanoma en diferentes estadios. La terapéutica dirigida contra HERV-K es una de las futuras herramientasen estudio para reducir la morbimortalidad de esta neoplasia cutánea...
Descritores: Retrovirus Endógenos
Melanoma
Retroviridae
-Genoma Humano
Limites: Humanos
Responsável: AR144.1 - CIBCHACO - Centro de Información Biomedica del Chaco


  9 / 98 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: lil-759910
Autor: Santos, Terezinha de Jesus Teixeira.
Título: Estudo biomolecular de indivíduos soroindeterminados para o retrovirus HTLV-I/II / Study of Biomolecular indeterminate soro individuals for HTLV-I / II retrovirus.
Fonte: Fortaleza; s.n; 2001. 202 p.
Idioma: pt.
Tese: Apresentada a Universidade Federal do Ceará para obtenção do grau de Doutor.
Resumo: O HTLV-I/II pertence a família Retroviridae e a subfamília Oncovirinae. Seu genoma é constituído de 4 genes principais: gag, pol, env e tax/rex (região pX). O gene gag codifica as proteínas p19, p24 e p15; o gene pol codifica a transcriptase reversa, a RNAse e a integrase; o gene env codifica as glicoproteínas gp46 e gp21; e a região pX codifica as proteínas tax (p40) e rex (p27). O HTLV-I/II é endêmico na África Central e Ocidental, no Caribe, América do Sul, Japão e Melanésia. No Brasil, a prevalência desse vírus é de 0,46%. Do ponto de vista epidemiológico molecular, o HTLV-I se subdivide nos subtipos Ia (cosmopolita), Ib (África Central) e Ic (Melanésia), e o HTLV-II se subdivide nos subtipos IIa, IIb e IIc. A transmissão desses retrovírus ocorre tanto de foram vertical (materno-infantil) quanto horizontal (contato sexual, transfusão sanguínea e uso de drogas injetáveis). As principais patologias associadas ao HTLV-I são a Paraparesia Espástica Tropical (PET) e a Leucemia de célula T do Adulto (LTA). O diagnóstico laboratorial do HTLV é realizado por métodos sorológicos de triagem (ELISA e aglutinação de partículas), métodos confirmatórios (WB, IFI, RIPA/PAGE, e mais recentemente, pelo INNO-LIA), e métodos moleculares (PCR, NASBA e bNDA). Os testes sorológicos se tornaram obrigatórios em bancos de sangue de alguns países desde 1986. No Brasil, essa obrigatoriedade ocorreu a partir de 1993. Os resultados obtidos nesses bancos de sangue são variados: parte são soronegativos, outros soropositivos, e soroindeterminados para HTLV-I/II. Em vista da necessidade de se definir, ao nível de bancos de sangue, esses indivíduos soroindeterminados e, ao nível psicofamiliar, a condição de portador desse vírus, tivemos a intenção de delinear um perfil diagnóstico, demográfico e de associação com co-infecções e fatores de risco, assim como analisar padrões protéicos Western blot e proteínas isoladas de possível significado preditivo de positividade ou negatividade...
Descritores: Western Blotting
Vírus Linfotrópico T Tipo 1 Humano
Reação em Cadeia da Polimerase
Retroviridae
VIRUS TEMEFOS LINFOTROPICO T HUMANO
Limites: Humanos
Responsável: BR6.1 - BCS - Biblioteca de Ciências da Saúde


  10 / 98 LILACS  
              first record previous record
seleciona
para imprimir
Id: lil-759006
Autor: Gallo, Robert.
Título: Caça ao vírus: AIDS-câncer e retrovírus humano / Hunt virus: AIDS - cancer and human retrovirus.
Fonte: São Paulo; Siciliano; 1994. 344 p. ilus.
Idioma: pt.
Descritores: Síndrome de Imunodeficiência Adquirida
HIV
Retroviridae
Limites: Humanos
Responsável: BR59.2 - Núcleo de Documentação



página 1 de 10 ir para página                        
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde