Base de dados : LILACS
Pesquisa : B04.820.650.589.600 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 10 [refinar]
Mostrando: 1 .. 10   no formato [Detalhado]

página 1 de 1

  1 / 10 LILACS  
              next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Alves, Francisco Selmo Fernandes
Texto completo
Texto completo
Id: biblio-887862
Autor: Silva, Ricardo Abílio Bezerra e; Batista, Maria do Carmo de Souza; Alves, Raíssa Paula Araújo; Alves, Francisco Selmo Fernandes; Pinheiro, Raymundo Rizaldo; Diniz, Bruno Leandro Maranhão; Rêgo, Wagner Martins Fontes do; Cardoso, Janaina de Fátima Saraiva; Paula, Ney Rômulo de Oliveira.
Título: Investigação sorológica das lentiviroses de pequenos ruminantes nas microrregiões homogêneas do Alto Médio Canindé, Picos e Floriano, Piauí, Brasil / Serological investigation of lentiviruses of small ruminants in the microregions of Alto Médio Canindé, Picos and Floriano, Piauí state, Brazil
Fonte: Arq. Inst. Biol;84:e0302015, 2017. tab, mapas.
Idioma: pt.
Projeto: Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico; . Centro Nacional de Pesquisa de Caprinos e Ovinos da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária.
Resumo: Lentivírus de pequenos ruminantes (LV) é o termo genérico utilizado para designar os vírus da artrite encefalite caprina e Maedi-Visna, os quais pertencem à família Retroviridae, subfamília Orthoretrovirinae, gênero Lentivirus. Tais vírus infectam caprinos e ovinos, causando enfermidades de curso lento com lesões inflamatórias, crônicas e degenerativas que podem atingir vários órgãos, provocando caquexia e morte. Os animais infectados eliminam o vírus sobretudo por meio de secreções e excreções e transmitem-no especialmente em situações de estreito contato. Não há tratamento até o momento. O controle é baseado na criação segregada, no manejo e no sacrifício dos positivos. Esse agente infeccioso já foi relatado em várias partes do mundo, sendo responsável por perdas econômicas significativas. Por o agente ter sido verificado em vários estados do Brasil e por não existirem dados soroepidemiológicos nas mesorregiões sudeste e sudoeste piauiense, esta pesquisa teve por objetivo realizar inquérito sorológico para investigar a ocorrência de anticorpos para o LV em ovinos e caprinos nas microrregiões do Alto Médio Canindé, Picos e Floriano, no Piauí. Para tanto, foram coletadas 1.280 e 1.360 amostras de soro caprino e ovino, respectivamente, oriundos de 20 municípios, distribuídos nas três microrregiões, sendo o número de amostras proporcional ao rebanho efetivo de cada município. As amostras de soro foram analisadas utilizando o teste de imunodifusão em gel de agarose (IDGA). Nenhum dos soros pesquisados reagiu positivamente, constatando-se soroprevalência nula. Ressalta-se a importância da implantação de um rigoroso programa de controle para que se possa evitar a introdução e/ou a disseminação desse agente infeccioso nessas microrregiões.(AU)

Small ruminant lentiviruses (LV) is the generic term for the caprine arthritis-encephalitis and ­­Maedi-Visna viruses, which belong to the Retroviridae family, Orthoretrovirinae subfamily, Lentivirus genus. The virus infects goats and sheep, causing slow course of disease with inflammatory, chronic and degenerative lesions, which can reach several organs, provoking cachexia and death. Infected animals eliminate the virus mainly through secretions and excretions and transmit it especially in close contact situations. There is no treatment to date. The control is based on segregated creation, management and sacrifice of the positive. This infectious agent has been reported in various parts of the world and is responsible for significant economic losses. It was verified in several states of Brazil and there are seroepidemiological data in southeast and southwest mesoregions of Piauí, Brazil. This research aimed to perform serological survey to investigate the occurrence of antibodies to LV in sheep and goats, in the regions of Alto Médio Canindé, Picos and Floriano. So, 1,280 and 1,360 serum goats and sheep samples, respectively, were collected, coming from 20 municipalities, distributed in the 3 microregions. The number of samples was proportional to the actual herd of each municipality. The samples were analyzed using the agar gel immunodiffusion test. None of the surveyed sera reacted positively, though there is a null seroprevalence. It was emphasized the importance of implementing a rigorous control program in order to prevent the introduction and spread of this infectious agent in these microregions.(AU)
Descritores: Vírus Visna-Maedi
Lentivirus Ovinos-Caprinos
Meningoencefalomielite Ovina
-Estudos Soroepidemiológicos
Limites: Animais
Responsável: BR1942.1 - NID - Biblioteca - Núcleo de Informação e Documentação


  2 / 10 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Texto completo
Id: biblio-895497
Autor: Hasegawa, Marjorie Y; Lara, Maria do C. C. S. H; Gaeta, Natália C; Marques, Júlia A; Ribeiro, Bruno L. M; Rossi, Rodolfo S; Marques, Eduardo C; Gregory, Lilian.
Título: Transmissibilidade de Lentivírus de Pequenos Ruminantes para cabritos e cabras adultas por meio de sêmen infectado experimentalmente / Transmissibility of Small Ruminants Lentivirus in kids by experimentally infected semen
Fonte: Pesqui. vet. bras = Braz. j. vet. res;37(8):805-812, Aug. 2017. tab, graf.
Idioma: pt.
Resumo: A Artrite Encefalite Caprina se caracteriza por ser multissistêmica e infecciosa, causada por um lentivírus. O estudo teve como objetivo avaliar a transmissibilidade do Lentivírus Caprino, para fêmeas e sua prole, por meio de sêmen infectado experimentalmente. Para tanto, onze fêmeas livres de CAEV foram inseminadas artificialmente com sêmen de bode livre de CAEV ao qual foi adicionado CAEV-Cork para obter título infectante com carga viral em 105 TCID50/ml. (grupo experimental 1). Destas, seis obtiverem prenhez confirmada, e a sua prole (n=6) constituiu o grupo experimental 2. Duas cabras livres de CAEV foram inseminadas artificialmente com sêmen do mesmo bode, sem o inócuo viral, constituindo-se o grupo controle. O diagnóstico da infecção pelo Lentivírus Caprino, foi realizado por IDGA, cELISA e nested-PCR. As fêmeas foram monitoradas durante 210 dias pós inseminação artificial. Já as proles foram imediatamente separadas das mães após o nascimento, e monitoradas nos momentos hora zero, aos quinze dias de idade e mensalmente, até doze meses de idade. Em relação às cabras, 56,96%(9/158) apresentaram positividade para cELISA, 24,05% (38/158) foram positivas a IDGA e nenhuma para nested-PCR. Em relação aos cabritos, 11,28% (15/133) amostras positivas para nested-PCR, 5,26% (7/133) amostras positivas para IDGA e nenhum para cELISA. As proles do grupo controle apresentaram resultados negativos para as três técnicas. A positividade encontrada em nested-PCR pode indicar grande importância para identificação de animais infectados, porém soronegativos, em situações de soroconversão tardia. De acordo com os resultados, concluiu-se que há a transmissão do Lentivírus caprino para a prole e para as mães pelo sêmen infectado.(AU)

Caprine Arthritis Encephalitis is a multisystemic infectious disease, caused by a lentivirus. The objective of this study was to evaluate the transmissibility of caprine lentivirus to goats and their offspring, through experimentally infected semen. Therefore, eleven free-CAEV goats were artificially inseminated using semen from a free-CAEV buck experimentally infected with CAEV-Cork strain (experimental group one). Pregnancy was confirmed in only six goats and their offspring (n=6) constituted the experimental group two. Two free-CAEV females were artificially inseminated with semen from the same seronegative buck, without viral inoculum to constitute the control group. The diagnosis of caprine lentivirus infection was performed using AGID, cELISA and nested-PCR. All females were monitored for 210 days after artificial insemination. Kids were immediately separated from their mothers after birth, and monitored at zero time, 15 days old and monthly until 12 months old. Regarding goat samples, 56.96% (9/159) were positive in cELISA, 24.05% (38/158) were positive in IDGA and none was positive in nested-PCR. Regarding to the offspring samples, 11.28% (15/133) and 5.26% (7/133) were positive in nested-PCR and IDGA, respectively, while no sample was positive in cELISA. The control group showed no positives in the three techniques. The positivity observed to nested-PCR may show its importance to identify infected, but seronegative animals, in late seroconversion situations. According to results, the transmission of caprine lentivirus to offspring and their mothers through infected semen is possible.(AU)
Descritores: Sêmen/virologia
Cabras
Infecções por Lentivirus/transmissão
Infecções por Lentivirus/veterinária
Lentivirus Ovinos-Caprinos
Vírus da Artrite-Encefalite Caprina
Animais Recém-Nascidos
-Ensaio de Imunoadsorção Enzimática/veterinária
Reação em Cadeia da Polimerase/veterinária
Imunodifusão/veterinária
Limites: Animais
Responsável: BR68.1 - Biblioteca Virginie Buff D'Ápice


  3 / 10 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
ANDRIOLI, Alice
Texto completo
Texto completo
Id: biblio-887837
Autor: Rodrigues, Apoliana de Sousa; Pinheiro, Raymundo Rizaldo; Brito, Roberta Lomonte Lemos de; Oliveira, Leandro Silva; Oliveira, Eduardo Luiz de; Santos, Vanderlan Warlington Souza dos; Andrioli, Alice; Souza, Thiago Sampaio de; Dias, Ronaldo Pereira; Teixeira, Maria Fátima da Silva.
Título: Evaluation of caprine arthritis-encephalitis virus transmission in newborn goat kids / Estudo da transmissão do vírus da artrite-encefalite caprina em cabritos neonatos
Fonte: Arq. Inst. Biol;84:e0542016, 2017. tab.
Idioma: en.
Resumo: Caprine arthritis encephalitis causes considerable losses in goat production. The main form of the caprine arthritis encephalitis virus transmission is through the ingestion of colostrum or milk from infected females. However, some transmissions cannot be explained in this manner. Therefore, this study aimed to evaluate transplacental transmission of caprine arthritis encephalitis virus. Blood samples were collected from 283 newborn kids of Anglo-Nubian and Saanen breeds born from seropositive and seronegative goats. Samples were collected immediately after birth and analyzed with agarose gel immunodiffusion and western blot. All samples were negative in the agarose gel immunodiffusion. However, the western blot test demonstrated that four kids were born positive for caprine arthritis encephalitis virus. This result indicates that although in a low frequency (1.4%), there is a possibility of transplacental transmission of small ruminant lentivirus.(AU)

A artrite encefalite caprina causa perdas consideráveis para a produção caprina. A principal forma de transmissão do vírus da artrite encefalite caprina é a ingestão de colostro ou leite de fêmeas infectadas. No entanto, algumas transmissões não podem ser explicadas por esta via. Dessa forma, este estudo teve como objetivo avaliar a transmissão do vírus da artrite encefalite caprina por via transplacentária (vertical). Foram realizadas coletas de sangue em 283 crias recém-nascidas das raças Anglo-Nubiana e Saanen, provenientes de progenitores soropositivos e soronegativos. As amostras foram coletadas logo após o nascimento e analisadas pelas técnicas de imunodifusão em gel de agarose e western blot. No teste de imunodifusão em gel de agarose, nenhum cabrito foi detectado reagente. Porém, no teste de western blot, quatro cabritos nasceram soropositivos. Esse resultado indica que, apesar de baixa frequência (1,4%), existe a possibilidade de transmissão via transplacentária do lentivírus de pequenos ruminantes.(AU)
Descritores: Ruminantes
Lentivirus Ovinos-Caprinos
Vírus da Artrite-Encefalite Caprina
Transmissão Vertical de Doença Infecciosa
-Indústria Agropecuária
Animais Recém-Nascidos/virologia
Limites: Animais
Recém-Nascido
Responsável: BR1942.1 - NID - Biblioteca - Núcleo de Informação e Documentação


  4 / 10 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Araujo, J. F
Texto completo
Id: biblio-947088
Autor: Sousa, A. L. M; Pinheiro, R. R; Araújo, J. F; Santos, V. W. S; Azevedo, D. A. A; Peixoto, R. M; Souza, V; Andrioli, A; Damasceno, E. M; Dantas, T. V. M; Teixeira, M. F. S.
Título: In vitro and in vivo evaluation of sodium dodecyl sulfate (SDS) as an inactivator of caprine lentivirus (CLV) in colostrum and milk / Avaliação in vitro e in vivo do dodecil sulfato de sódio (SDS) como inativador do lentivírus caprino (LVC) em colostro e leite
Fonte: Arq. bras. med. vet. zootec. (Online);70(5):1459-1467, set.-out. 2018. tab, ilus.
Idioma: en.
Resumo: The aim of this study was to evaluate in vitro and in vivo the effect of sodium dodecyl sulfate (SDS) on the caprine lentivirus (CLV) in colostrum and milk. This was performed to develop a practical and efficient method of blocking the lactogenic transmission of the virus. In the in vitro experiment, colostrum and milk were treated with 0.25%; 0.50% and 1% SDS. Then, somatic cells of colostrum and milk were submitted to co-culture with caprine synovial membrane cells (CSM). In the in vivo test, goats were fed with colostrum and milk provided from CLV-positive goats treated with SDS in the same concentrations used in the in vitro experiment. Animals were tested by nested polymerase chain reaction (nPCR) and Western blot (WB) assays. In the in vitro experiment, inhibitory activity against CLV without inactivation occurred in colostrum with all SDS concentrations. However, concentrations of 0.25 and 0.5% SDS presented only inhibitory activity against CLV in milk cells, and 1% concentration provided inactivation of the virus. In the in vivo tests, none of the three concentrations of SDS was effective in inactivating LVC in colostrum or goat milk, which was confirmed by seroconversion and presence of proviral DNA in animals afterwards.(AU)

O objetivo da pesquisa foi avaliar in vitro e in vivo o efeito do dodecil sulfato de sódio (SDS) sobre o lentivírus caprino (LVC) no colostro e no leite, a fim de desenvolver um método prático e eficiente no bloqueio da via de transmissão lactogênica do vírus. No experimento in vitro, o colostro e o leite de cabras positivas foram tratados com SDS a 0,25%, 0,50% e 1,0%. Em seguida, as células somáticas do colostro e do leite foram obtidas e direcionadas ao cocultivo com células de membrana sinovial caprina (MSC). No teste in vivo, os cabritos foram alimentados com colostro e leite providos de cabras positivas para LVC, tratados com SDS nas mesmas concentrações usadas no teste in vitro. Os animais foram acompanhados pelos testes de reação em cadeia da polimerase nested (nPCR) e western blot (WB). Nos resultados in vitro, no colostro, observou-se que, em todas as concentrações de SDS, ocorreu uma atividade inibitória contra o LVC, sem a inativação. Em relação às células do leite, o SDS apresentou, nas concentrações de 0,25 e 0,5%, atividade inibitória contra o LVC, e na concentração de 1%, houve inativação viral. Nos testes in vivo, as três concentrações de SDS testadas não foram efetivas na inativação do LVC no colostro e no leite caprino, o que se comprovou pela soroconversão e pela presença de DNA proviral nos animais.(AU)
Descritores: Colostro/química
Lentivirus Ovinos-Caprinos
Dodecilsulfato de Sódio/análise
Limites: Animais
Feminino
Gravidez
Responsável: BR68.1 - Biblioteca Virginie Buff D'Ápice


  5 / 10 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Araujo, J. F
Texto completo
Texto completo
Id: biblio-827885
Autor: Dias, R. P; Pinheiro, R. R; Andrioli, A; Farias, A. C; Sousa, A. L. M; Azevedo, D. A. A; Araújo, J. F; Aguiar, T. D. F; Teixeira, M. F. S.
Título: Wharton's jelly cells from sheep umbilical cord maintained with different culture media are permissive to in vitro infection by Small Ruminant Lentiviruses / Células da geleia de Wharton do cordão umbilical ovino mantidas em diferentes meios de cultivo são permissivas à infecção in vitro por lentivírus de pequenos ruminantes
Fonte: Arq. bras. med. vet. zootec;68(5):1292-1300, set.-out. 2016. tab, ilus.
Idioma: en.
Projeto: CNPq; . AUXPE-PROEX.
Resumo: This study aimed to isolate cells from the Wharton's jelly of umbilical cord (WJUC) of sheep collected during natural parturition using different culture media, in addition to reporting for the first time the permissiveness of these cells to in vitro infection by small ruminant lentiviruses. Ten umbilical cords were collected from healthy sheep. Each cord explants were grown in different media consisting of MEM, low glucose DMEM, M199, and RPMI-1640. The permissiveness of infection of sheep cells from WJUC was tested with CAEV-Cork and MVV-K1514 strains, inoculating 0.1 MOI of each viral strain. Four supernatants from each strain were obtained from WJUC sheep cell cultures infected in different media. The results demonstrated the presence of cytopathic effect after the in vitro infection by CAEV-Cork and MVV-K1514 with all of the tested culture media. Nested-PCR detected proviral DNA in all supernatants. Supernatants containing CAEV-Cork viruses had TCID 50/ml titres of 10 5.5 in MEM, 10 4.0 in low glucose DMEM, 105.0 in M199, and 10 5.7 in RPMI-1640. Supernatants containing the MVV-K1514 virus had TCID 50/ml titres of 10 4.3 in MEM, 10 3.5 in low-glucose DMEM, 10 4.7 in M199, and 10 3.5 in RPMI-1640. Sheep cells from WJUC are permissive to in vitro infection by small ruminant lentivirus.(AU)

O objetivo deste estudo foi isolar células da geleia de Wharton do cordão umbilical (GWCU) ovino coletado por ocasião do parto natural, utilizando-se diferentes meios de cultivo, além de relatar, pela primeira vez, sua permissividade à infecção in vitro por lentivírus de pequenos ruminantes (LVPRs). Dez cordões umbilicais foram coletados de ovelhas hígidas e soronegativas para LVPRs pelo teste de imunodifusão em gel de agarose (IDGA). De cada cordão, explantes foram cultivados em quatro meios distintos que consistiram em MEM, DMEM baixa glicose, meio 199 e RPMI-1640, todos acrescidos de 10% de soro fetal bovino em estufa com atmosfera úmida e 5% de CO2 a 37ºC. A permissividade de infecção das células GWCU ovino foi testada frente às cepas CAEV-Cork e MVV-K1514, inoculando-se 0,1 MOI de cada cepa viral e corando as monocamadas com May Grunwald Giemsa para visualização do efeito citopático. Foram obtidos quatro sobrenadantes CAEV-Cork e quatro MVV-K1514, provenientes do cultivo de células GWCU ovino infectadas por 21 dias em meios distintos, dos quais foram realizadas titulação em membrana sinovial caprina e extração do DNA pró-viral para realização de nested-PCR e eletroforese em gel de agarose a 2%. Os resultados demonstraram a presença de efeito citopático na infecção in vitro tanto por CAEV-Cork como por MVV-K1514 em todos os meios de cultivo, sendo visualizados sincícios e lise celular em microscópio invertido. A nested-PCR detectou o DNA pró-viral tanto do CAEV-Cork como do MVV-K1514 em todos os sobrenadantes. Os sobrenadantes contendo o vírus CAEV-Cork apresentaram títulos em TCID50/mL de 10 5,5 em MEM, 10 4,0 em DMEM baixa glicose, 10 5,0 em meio 199 e 10 5,7 em RPMI-1640. Os sobrenadantes contendo o vírus MVV-K1514 apresentaram título em TCID 50/mL de 10 4,3 em MEM, 10 3,5 em DMEM baixa glicose, 10 4,7 em meio 199 e 10 3,5 em RPMI-1640. Células GWCU ovino são permissivas à infecção in vitro pelos lentivírus de pequenos ruminantes CAEV-Cork e MVV-K1514.(AU)
Descritores: Vírus da Artrite-Encefalite Caprina
Técnicas In Vitro/veterinária
Células-Tronco Mesenquimais/patologia
Ruminantes
-Infecções/veterinária
Lentivirus Ovinos-Caprinos
Reação em Cadeia da Polimerase/veterinária
Limites: Animais
Responsável: BR1.1 - BIREME


  6 / 10 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-675822
Autor: Silva, Maria L C R; Castro, Roberto S; Maia, Rita C; Nascimento, Sergio A; Gomes, Ana Lisa V; Azevedo, Sérgio S.
Título: Lentivírus em caprinos leiteiros do semiárido paraibano: prevalência de anticorpos, fatores de risco e detecção molecular / Lentivirus in dairy goats from the semiarid region of Paraiba state: seroprevalence, risk factors and molecular detection
Fonte: Pesqui. vet. bras = Braz. j. vet. res;33(4):453-458, Apr. 2013. tab.
Idioma: pt.
Resumo: Os objetivos do presente trabalho foram determinar a prevalência de caprinos leiteiros soropositivos para a infecção por Lentivirus de pequenos ruminantes no semiárido do Estado da Paraíba, Nordeste do Brasil, identificar fatores de risco associados à prevalência de rebanhos positivos, e realizar a detecção molecular do agente. Foram utilizadas 1047 cabras leiteiras de 110 propriedades selecionadas aleatoriamente no Município de Monteiro, Estado da Paraíba, no período de março de 2009 a dezembro de 2011. Para o diagnóstico da infecção por Lentivirus, foi utilizado o teste de imunodifusão em gel de ágar (AGID). Um ano após foi realizada nova sorologia, e PCR em tempo real foi aplicada em amostras de sangue e leite de 48 cabras procedentes de quatro propriedades com animais soropositivos. As prevalências de propriedades positivas e de animais soropositivos na AGID foram 44,6% (IC 95% = 35,1% - 54,3%) e 8,1% (IC 95% = 5,6% - 16,8%), respectivamente. Realizar corte e desinfecção de umbigo (odds ratio = 2,44; p = 0,048) e condições de aglomeração de animais (odds ratio = 3,45; p = 0,048) foram associadas com a prevalência de propriedades positivas. Um ano após a realização do inquérito sorológico, foi verificada a permanência de animais infectados, detectados por PCR em tempo real a partir de amostras de sangue e leite. A PCR em tempo real das amostras de leucócitos circulantes apresentou boa performance, com sensibilidade de 100%, especificidade de 92,86%, concordância de 93,75% e indicador Kappa de 0,765. Sugere-se que seja realizado um trabalho de educação sanitária junto aos produtores sobre medidas de prevenção com o objetivo de reduzir a disseminação da infecção nos rebanhos.

The aims of this study were to determine the seroprevalence of infection by ruminants Lentivirus in dairy goats in the semiarid of the Paraiba State, Northeastern Brazil, to identify risk factors associated with the herd-level prevalence and to perform molecular detection of the agent. A total of 1,047 dairy goats from 110 herds were randomly selected from the county of Monteiro, Paraiba State, and serum samples were collected from March 2009 to December 2011. For the diagnosis of Lentivirus infection, the agar gel immunodiffusion test (AGID) was used. One year after that a new serology was performed and the real-time PCR assay was applied in blood and milk samples from 48 goats from four herds with seropositive animals. Prevalence of positive herds and seropositive animals at AGID were 44.6% (95% CI=35.1-54.3%) and 8.1% (95% CI =5.6-16.8%), respectively. Umbilical cord cutting and disinfection (odds ratio = 2.44; p = 0.048) and conditions of animal agglomeration (odds ratio=3.45; p=0.048) were associated with herd-level prevalence. One year after the serological profile, the permanence of infected animals detected by real-time PCR in blood and milk samples was verified. Real-time PCR using white blood cells had a good performance, with sensitivity of 100%, specificity of 92.86%, concordance of 93.75% and Kappa index of 0.765. It was suggested to teach sanitary measures to the herd owners in order to encourage them to adopt prevention measures aiming to reduce the spread of the infection in the herds.
Descritores: Cabras/virologia
Lentivirus Ovinos-Caprinos/isolamento & purificação
Reação em Cadeia da Polimerase em Tempo Real/veterinária
-Vírus da Artrite-Encefalite Caprina
Limites: Animais
Feminino
Responsável: BR68.1 - Biblioteca Virginie Buff D'Ápice


  7 / 10 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-647695
Autor: Alves, L. A. O; Teixeira, M. F. S; Pinheiro, A. A; Pinheiro, R. R; Dias, R. P; Brito, R. L. L; Lopes Júnior, C. A. F; Bezerra Júnior, R. Q; Azevedo, D. A. A.
Título: Produção de antígeno e separação da proteína p28 por microfiltragem seriada para sorodiagnóstico da artrite encefalite caprina por ensaio imunoenzimático / Production of antigen and p28 protein separation by microfiltration serial for serodiagnosis of caprine arthritis encephalitis by enzyme immunoassay
Fonte: Arq. bras. med. vet. zootec;64(4):935-942, Aug. 2012. ilus, tab.
Idioma: pt.
Resumo: Este estudo teve como objetivo produzir um antígeno (Ag) a partir de cultura de células de membrana sinovial caprina (MSC) infectadas com o vírus de artrite encefalite caprina (CAEV), pela técnica de microfiltração seriada, substituindo a ultracentrifugação em colchão de sacarose (UCCS) para utilização em ELISA indireto (ELISA-i). Amostras de 188 soros caprinos, que previamente foram testados pelo Western blot (WB) com Ag UCCS, foram submetidas à análise pelo ELISA-i com o novo antígeno produzido, que mostrou concordância de 92% em relação ao antígeno UCCS. A sensibilidade e a especificidade do ELISA em relação ao WB foram de 95,6% e 88,5%, respectivamente. A nova técnica, criada a partir de microfiltrações, mostrou-se efetiva e de baixo custo para o diagnóstico sorológico de anticorpos para CAEV em comparação ao antígeno ultracentrifugado, e constitui uma alternativa viável para produção de antígeno purificado de lentivírus de pequenos ruminantes.

This study aimed to produce an antigen (Ag) from the culture of goat synovial membrane cells (MSC) infected by CAEV through serial microfiltering technique replacing ultra ultracentrifugation in sacarosis Mattress (UCCS) for the indirect diagnosis ELISA tests (i ELISA). Samples of 188 sera from goats previously examined by Western Blot (WB) with Ag UCCS were submitted to analysis by i ELISA with new antigen produced, demonstrating an accordance of 92% in relation to UCCS antigen. The specificity and sensitivity relating to WB were of 95,65% and 88, 5% respectively. The new technique created from the microfiltering is effective and with low cost for the serological antibodies diagnosis of CAEV comparing to the ultracentrifuged one, presenting, therefore, as a viable alternative for purified antigen of lentivirus in small ruminants.
Descritores: Antígenos/análise
Encefalite
Proteínas Oncogênicas v-sis/biossíntese
-Artrite/veterinária
Lentivirus Ovinos-Caprinos
Técnicas Imunoenzimáticas/veterinária
Limites: Animais
Responsável: BR68.1 - Biblioteca Virginie Buff D'Ápice


  8 / 10 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Modolo, José Rafael
Texto completo
Id: lil-491099
Autor: Stachissini, Anee Valéria Mendonça; Modolo, José Rafael; Castro, Roberto Soares de; Leite, Barbára Lima Simioni; Araújo Júnior, João Pessoa; Padovani, Carlos Roberto.
Título: Controle da Artrite-Encefalite Caprina, em um capril comercial endemicamente contaminado / Caprine Arthritis-Encephalitis control in an endemically contaminated commercial goat farm
Fonte: Braz. j. vet. res. anim. sci;44(1):40-43, 2007. tab.
Idioma: pt.
Resumo: A CAE é provocada por um lentivírus. Os animais infectam-se, principalmente, quando mamam colostro e/ou leite contaminados. Neste trabalho, propôs-se um plano de controle da CAE, sem que se sacrificassem as mães contaminadas. Utilizaram-se 39 cabritas, nascidas de mães soropositivas para a CAE. Após o nascimento, as cabritas foram isoladas das mães e alimentadas com colostro de cabras soronegativas, tratado termicamente, e com leite de cabra pasteurizado, até os dois meses. Submeteram-se todas as cabritas ao teste sorológico, trimestralmente, do nascimento aos 12 meses; segregaram-se as soropositivas do rebanho. O grupo controle consistiu de 12 cabritos, nascidos de cabras soropositivas, os quais permaneceram com suas mães. O procedimento de diagnóstico foi o mesmo, mas não foram segregados os positivos. Ao final de 12 meses, 34 (87%) animais do grupo experimental permaneceram soronegativos, com limites de confiança de 76% a 98%; nos animais do grupo controle, a taxa de negatividade acumulada foi de 17%, com limites de confiança entre 0% e 38%. Com esses resultados, conclui-se que o plano proposto é viável para garantir o controle da enfermidade, em rebanhos contaminados, ou seja, a não-adoção do mesmo pode levar à contaminação dos animais nascidos de cabras infectadas.

CAE is caused by a lentivirus. The animals are mainly infected when taking contaminated colostrums and/ or milk. This study proposed a CAE control strategy without sacrificing contaminated mothers. Thirty-nine female kids, born to CAE seropositive mothers were isolated from their mothers at birth and fed heat-treated colostrum and pasteurized milk from seronegative goats up to two months of age. All kids were submitted to three-monthly serological tests from birth to 12 months; seropositives were segregated from the herd. The control group consisted of 12 kids born to seropositive mothers that remained with their mothers. Diagnosis was the same, but seropositive animals were not segregated. At the end of 12 months, 34 (87%) animals from the experimental group remained seronegative with 76% to 98% confidence limits; in control group animals, the accumulated negativity rate was 17%, with 0% and 38% confidence limits. These results show that the proposed plan is viable to assure disease control in contaminated herds and that without it contamination can pass to animals born to infected goats.
Descritores: Artrite/prevenção & controle
Cabras
Lentivirus Ovinos-Caprinos/isolamento & purificação
Mastite/prevenção & controle
Pneumonia/prevenção & controle
Vírus da Artrite-Encefalite Caprina/isolamento & purificação
Limites: Animais
Responsável: BR68.1 - Biblioteca Virginie Buff D'Ápice


  9 / 10 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Birgel, E. H
Texto completo
Id: lil-415199
Autor: Lara, M. C. C. S. H; Birgel Junior, E. H; Birgel, E. H.
Título: Possibility of vertical transmission of caprine arthritis-encephalitis virus in neonate kids
Fonte: Arq. bras. med. vet. zootec;57(4):553-555, ago. 2005.
Idioma: en.
Resumo: Estudou-se a capacidade do vírus da artrite-encefalite dos caprinos (CAEV) infectar o feto ou o cabrito neonato pela via de transmissão transplacentária ou no momento do parto. Foram utilizados 26 cabritos recém-nascidos, filhos de cabras sororreagentes aos antígenos do CAEV e que nasceram de partos eutócicos. Na pesquisa de anticorpos séricos anti-CAEV, foi utilizada a técnica de imunodifusão em gel de ágar. Nenhum cabrito nasceu sororreagente aos antígenos do vírus, indicando que a possibilidade de transmissão vertical transplacentária da infecção foi menor do que 3,8 por cento (< 1:26).
Descritores: Cabras
Lentivirus Ovinos-Caprinos/isolamento & purificação
Vírus da Artrite-Encefalite Caprina/imunologia
Vírus da Artrite-Encefalite Caprina/isolamento & purificação
Limites: Animais
Responsável: BR68.1 - Biblioteca Virginie Buff D'Ápice


  10 / 10 LILACS  
              first record previous record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Moojen, Valéria
Texto completo
Id: lil-324297
Autor: Reischak, Dilmara; Ravazzolo, Ana Paula; Moojen, Valéria.
Título: Imunofluorescência utilizando isolados brasileiros no diagnóstico sorológico de infecçäo por lentivírus em caprinos / Immunofluorescence using Brazilian isolates for serological diagnosis of lentivirus infection in goats
Fonte: Pesqui. vet. bras = Braz. j. vet. res;22(1):7-12, jan. 2002. tab, graf.
Idioma: pt.
Resumo: Os lentivírus de pequenos ruminantes (SRLV) têm distribuiçäo mundial e causam infecçöes persistentes em ovinos e caprinos. O objetivo deste trabalho foi desenvolver um teste de imunofluorescência indireta (IFA), utilizando isolados brasileiros de SRLV, para o diagnóstico sorológico de infecçäo por estes agentes em caprinos. A técnica de IFA foi comparada, quanto à sensibilidade e à especificidade, ao teste de AGID com antígeno do vírus Maedi-Visna WLC-1. Cultivos celulares secundários de membrana sinovial ovina infectadas com dois isolados de SRLV de origem caprina (CAEV Br/UFRGS-2 e CAEV Br/UFRGS-5) foram utilizados para o teste de IFA. Duzentas e trinta e nove amostras de soro caprino foram submetidas aos dois testes. O teste de AGID detectou 129 (53.9 por cento) amostras de soro caprino com anticorpos para SRLV. O teste de IFA detectou mais amostras reagentes, sendo que resultados diferentes foram observados de acordo com o isolado de SRLV empregado. Quando o isolado CAEV Br/UFRGS-2 foi utilizado como antígeno, 216 (90.3 por cento) amostras de soro caprino foram reagentes, enquanto que o isolado CAEV Br/UFRGS-5 detectou 213 (89.1 por cento) amostras de soro positivas. Näo houve diferença estatisticamente significativa entre esses dois isolados. O teste de IFA desenvolvido teve sensibilidade de 94.6 por cento e 96.9 por cento e especificidade 14.5 por cento e 20 por cento, quando os isolados CAEV Br/UFRGS-2 e CAEV Br/UFRGS-5 foram usados como antígeno, respectivamente. O aprimoramento da técnica, assim como sua comparaçäo com um teste mais sensível, ainda se fazem necessários. No entanto, os resultados demonstraram que a técnica de IFA, utilizando isolados brasileiros de SRLV como antígeno, apresenta potencial como um teste alternativo e complementar para o diagnóstico sorológico de infecçäo por estes agentes
Descritores: Diagnóstico
Imunofluorescência
Cabras
Imunodifusão
Lentivirus Ovinos-Caprinos
Limites: Animais
Responsável: BR68.1 - Biblioteca Virginie Buff D'Ápice



página 1 de 1
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde