Base de dados : LILACS
Pesquisa : C04.588.364.978 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 55 [refinar]
Mostrando: 1 .. 10   no formato [Detalhado]

página 1 de 6 ir para página                

  1 / 55 LILACS  
              next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-1153093
Autor: Modrzejewska, Anna; Cieszyński, Łukasz; Zaborski, Daniel; Parafiniuk, Mirosław.
Título: Thermography in clinical ophthalmic oncology / Termografia em oncologia oftalmológica clínica
Fonte: Arq. bras. oftalmol;84(1):22-30, Jan.-Feb. 2021. tab, graf.
Idioma: en.
Resumo: ABSTRACT Purpose: The aim of this study was to present our own experience with the use of thermography as a complementary method for the initial diagnosis and differentiation of intraocular tumors, as well as for the evaluation of the efficacy of treatment of intraocular melanomas. Methods: The study group comprised 37 patients with intraocular tumors, including 9 with uveal melanoma, 8 with uveal melanoma after I125 brachytherapy, 12 with a focal metastasis to the uvea, and 8 with retinal capillary hemangioblastoma. A FLIR T640 camera was used to capture images in the central point of the cornea, eye area, and orbital cavity area. Results: Eyes with uveal melanoma had higher temperature compared with the fellow normal eye of the patient in the range of all measured parameters in the regions of interest. In the group of patients with melanoma after unsuccessful brachytherapy, higher temperature was observed at the central point of the cornea. In patients with tumor regression, all measured parameters were lower in the affected eye. We observed lower tempe­ratures in the range of all tested parameters and areas in eyes with choroidal metastases. Eyes with diagnosed intraocular hemangioblastoma were characterized by higher parameters for the regions of interest versus eyes without this pathology. Conclusions: A thermographic examination of the eye can be used as an additional first-line diagnostic tool for the differentiation of intraocular tumors. Thermography can be a helpful tool in monitoring the treatment outcome in patients with intraocular melanoma.

RESUMO Objetivo: O objetivo deste estudo foi de apresentar a nossa experiência no uso da termografia como método complementar para o diagnóstico inicial e a diferenciação de tumores intraoculares, bem como para a avaliação da eficácia do tratamento de melanomas intraoculares. Métodos: O grupo estudado compunha-se de 37 pacientes com tumores intraoculares, sendo 9 com melanoma uveal, 8 com melanoma uveal após braquiterapia com I125, 12 com metástases focais na úvea e 8 com hemangioblastoma capilar retiniano. As imagens do ponto central da córnea, da área do olho e da área da cavidade orbital foram obtidas com uma câmera FLIR T640. Resultados: Os olhos dos pacientes com melanoma uveal tinham temperaturas mais elevadas do que as dos olhos normais dos mesmos, em toda a faixa dos parâmetros medidos nas regiões de interesse. No grupo de pacientes com melanoma após braquiterapia mal sucedida, encontrámos temperaturas maiores no ponto central da córnea. Nos pacientes com regressão do tumor, todos os parâmetros medidos foram menores no olho acometido. Encontrámos temperaturas mais baixas em toda a faixa dos parâmetros testados e das áreas medidas nos olhos com metástases na coroide. Os olhos com hemangioblastoma intraocular diagnosticado caracterizaram-se por parâmetros mais elevados nas regiões de interesse, em comparação com olhos sem essa patologia. Conclusões: O exame termográfico do olho pode usar-se como ferramenta de diagnóstico adicional de triagem na diferenciação de tumores intraoculares. A termografia pode ser uma ferramenta útil no acompanhamento do des­fe­cho do tratamento em pacientes com melanoma intraocular.
Descritores: Neoplasias Uveais
Braquiterapia
Melanoma
-Úvea
Neoplasias Uveais/diagnóstico
Neoplasias Uveais/radioterapia
Termografia
Melanoma/diagnóstico
Limites: Humanos
Responsável: BR1.1 - BIREME


  2 / 55 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-838797
Autor: Esposito, Evangelina; Aldrees, Sultan; Mastromonaco, Christina; Zoroquiain, Pablo; Vila, Natalia; Logan, Patrick T; Hari, Shriya; Burnier, Miguel N.
Título: Evaluation of nicotinamide as an anti-inflammatory and anti-angiogenic agent in uveal melanoma cell lines / Avaliação da nicotinamida como agente anti-inflamatório e anti-angiogênico em linhas celulares de melanoma uveal
Fonte: Arq. bras. oftalmol;80(2):74-77, Mar.-Apr. 2017. tab.
Idioma: en.
Resumo: ABSTRACT Purpose: To investigate the effect of nicotinamide on the secretion of pro-an giogenic and pro-inflammatory cytokines in uveal melanoma cell lines. Methods: Two human uveal melanoma cell lines (92.1 and OCM-1) were treated with nicotinamide (10 mmol/L) or control media for 48 hours in culture. The su perna tant from each culture was used in sandwich enzyme-linked immuno sorbent assay-based angiogenesis and inflammation arrays to evaluate the effects of exogenously administered nicotinamide on the secretion of a total of 20 pro-an gio genic and pro-inflammatory proteins. Results: Seven pro-angiogenic cytokines were detected under control conditions for both uveal melanoma cell lines. Treatment with nicotinamide resulted in a significant decrease in secretion of the following pro-angiogenic cytokines: angiogenin, angiopoietin-2, epidermal growth factor, and vascular epithelial growth factor-A in the 92.1 cells; basic fibroblast growth factor in the OCM-1 cells; and placenta growth factor in both cell lines. Among the pro-inflammatory proteins, monocyte chemotactic protein-1 and interleukin-8 were expressed in both untreated cell lines and both were significantly reduced when treated with nicotinamide. Conclusions: Results from this in vitro model suggest that nicotinamide may have anti-inflammatory and anti-angiogenic properties, which may open the possibility of using it as a chemopreventive agent for uveal melanoma; however, further studies including animal models are warranted.

RESUMO Objetivo: Acredita-se que a nicotinamida (NIC) seja capaz de diminuir a angiogênese induzida pelo fator de crescimento endotelial vascular (VEGF). Investigar os efeitos da nicotinamida sobre a secreção de citocinas pró-angiogênicas e pró-inflamatórias em linhagens de células de melanoma uveal humano (UM). Métodos: Duas linhagens de células humanas de UM (92,1 e OCM-1) foram tratadas com NIC (10 mmol/L) ou apenas com meio de cultura por 48 horas. O sobrenadante das culturas obtido após a administração de nicotinamida foi comparado com o sobrenadante das culturas controle quanto à expressão de 20 fatores pró-angiogênicos e pró-inflamatórios, pela técnica de enzyme-linked immunosorbent assay (ELISA). Resultados: Sete citocinas pró-angiogênicas foram detectadas nas condições de controle em ambas as linhagens de células de UM. O tratamento com nicotinamida promoveu uma redução significativa da secreção das seguintes citocinas angiogênicas: Angiogenina, ANG2, EGF e VEGF-A em células 92.1; bFGF em células OCM-1; PIGF em ambas as linhagens celulares. Quanto às proteínas pró-inflamatórias, a expressão de MCP-1 e IL-8 foi significativamente reduzida com a administração de nicotinamida em relação às culturas de células que não receberam o tratamento. Conclusões: Nicotinamida apresenta propriedades anti-inflamatórias e anti-angiogênicas em modelo experimental in vitro. Tais efeitos sugerem a possibilidade de utilizar esta substância na quimioprevenção do UM. Entretanto, estudos com modelos experimentais in vivo são necessários para melhor avaliar o benefício do tratamento do UM com nicotinamida.
Descritores: Neoplasias Uveais/metabolismo
Citocinas/efeitos dos fármacos
Niacinamida/farmacologia
Inibidores da Angiogênese/farmacologia
Melanoma/metabolismo
Anti-Inflamatórios/farmacologia
-Ribonuclease Pancreático/efeitos dos fármacos
Neoplasias Uveais/irrigação sanguínea
Citocinas/metabolismo
Fator 2 de Crescimento de Fibroblastos/efeitos dos fármacos
Interleucina-8/efeitos dos fármacos
Quimiocina CCL2/efeitos dos fármacos
Linhagem Celular Tumoral
Angiopoietina-2/metabolismo
Fator de Crescimento Epidérmico/efeitos dos fármacos
Fator de Crescimento Placentário/efeitos dos fármacos
Melanoma/irrigação sanguínea
Limites: Humanos
Responsável: BR1.1 - BIREME


  3 / 55 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-950476
Autor: Correa, Zélia M; Huth, Bradley; Augsburger, James J.
Título: Scleral necrosis in patients with posterior uveal melanomas evaluated by transcleral fine needle aspiration biopsy and treated by 125I plaque / Necrose escleral em pacientes com melanoma da úvea posterior avaliados pela biópsia aspirativa com agulha fina e tratados com placa de Iodo 125
Fonte: Arq. bras. oftalmol;81(4):330-335, July-Aug. 2018. tab, graf.
Idioma: en.
Resumo: ABSTRACT Purpose: To evaluate the incidence, potential correlation with transcleral fine needle aspiration biopsy, and treatment of scleral necrosis in patients with posterior uveal melanomas treated by 125I plaque radiotherapy and assessed by transcleral fine needle aspiration biopsy. Methods: We per­formed a retrospective review of posterior uveal melanoma treated by 125I plaque radiotherapy at a single academic institution between July 2006 and July 2013. Consecutive patients diagnosed with a posterior uveal melanoma during the study period that had an anterior margin at or anterior to the equator who were evaluated by transcleral fine needle aspiration biopsy prior to 125I plaque radiotherapy were included. The main outcome measure was development of scleral necrosis, and the secondary outcome was treatment of this complication. Statistical analysis included computation of conventional descriptive statistics, cross-tabulation and chi-square tests of potential factors related to the development of scleral necrosis, and summarizing of treatment approaches and results. The incidence of treatment of scleral necrosis was calculated using the Kaplan-Meier method. Results: During the 7-year study period, 87 posterior uveal melanomas were evaluated by transcleral fine needle aspiration biopsy and treated by 125I plaque radiotherapy. The median largest basal diameter of the tumor was 13.3 mm, and the median thickness was 6.8 mm. Eight patients (9.2%) developed scleral necrosis during follow-up. Thicker tumors (> 6.5 mm) were more likely to develop scleral necrosis (n=7) than thinner tumors (p=0.05). The median interval between 125I plaque radiotherapy and detection of scleral necrosis was 19.1 months. The overall cumulative probability of scleral necrosis was 6.2% at 6 months and 14.3% at 24 months, subsequently remaining stable. For thicker tumors, the probability of scleral necrosis was 23.5% at 45.4 months. Five patients were treated by scleral patch graft (62.5%) and three by observation (37.5%). One patient underwent enucleation after two failed scleral patch attempts and recurrent scleral necrosis. The mean follow-up period for patients with scleral necrosis was 34.5 months. Conclusions: Thicker posterior uveal melanomas are more likely to develop scleral necrosis after 125I plaque radiotherapy and transcleral fine needle aspiration biopsy. While observation is sufficient for managing limited scleral necrosis, scleral patch graft is a viable alternative for eye preservation in extensive scleral necrosis.

RESUMO Objetivo: Avaliar incidência, possível correlação da biópsia aspirativa com agulha fina trans-escleral e manejo da necrose escleral em pacientes com melanoma da úvea posterior tratados com placa de Iodo-125 (PLACA) avaliados pela biópsia aspirativa com agulha fina trans-escleral. Métodos: Revisão retrospectiva de melanoma da úvea posterior tratados com placa de Iodo-125 entre 07/2006 e 07/2013 em uma única instituição acadêmica. Pacientes diagnosticados consecutivamente com melanoma da úvea posterior durante o intervalo desse estudo cuja margem anterior está no equador ou anterior ao mesmo e foram avaliados pela biópsia aspirativa com agulha fina trans-escleral antes do tratamento com PLACA foram incluídos. O principal desfecho avaliado foi desenvolvimento de necrose escleral e o desfecho secundário foi o manejo dessa complicação. Análise estatística incluiu computação de variáveis descritivas convencionais; tabulação e teste do Chi-quadrado de fatores potencialmente relacionados com o desenvolvimento de necrose escleral e sumarização do manejo dessa complicação. A incidência de necrose escleral foi calculada usando o método de Kaplan-Meier. Resultados: Durante o período de 7 anos desse estudo, 87 melanomas da úvea posterior foram avaliados pela biópsia aspirativa com agulha fina trans-escleral e tratados com placa. A mediana do maior diâmetro basal tumoral foi 13,3 mm e a mediana da espessura foi 6,8 mm. Oito pacientes (9,2%) desenvolveram necrose escleral durante o período de acompanhamento. Tumores mais espessos (> 6,5 mm) foram mais propensos a desenvolver necrose escleral (n=7) que tumores mais finos (p=0,05). O intervalo mediano entre PLACA e a detecção da necrose escleral foi 19,1 meses. Probabilidade cumulativa de desenvolvimento de necrose escleral foi 6,2% em 6 meses e 14,3% em 24 meses permanecendo estável subsequentemente. Em tumores espessos, a probabilidade de necrose escleral foi 23,5% em 45,4 meses. Cinco pacientes foram manejados com enxerto escleral (62,5%), 3 foram observados (37,5%). Um paciente foi enucleado após 2 enxertos esclerais com necrose escleral recidivada. Tempo de seguimento médio dos pacientes com necrose escleral foi 34,5 meses. Conclusões: Tumores espessos pareceram mais propensos a desenvolver necrose escleral após PLACA e biópsia aspirativa com agulha fina trans-escleral para melanoma da úvea posterior. Apesar de observação para necrose escleral limitada ser suficiente, enxerto de esclera é uma alternativa viável para preservação ocular em necrose escleral extensa.
Descritores: Esclera/patologia
Neoplasias Uveais/radioterapia
Radioisótopos do Iodo/uso terapêutico
Melanoma/radioterapia
-Neoplasias Uveais/patologia
Braquiterapia/métodos
Estudos Retrospectivos
Seguimentos
Biópsia por Agulha Fina
Melanoma/patologia
Necrose
Limites: Humanos
Masculino
Adulto
Pessoa de Meia-Idade
Responsável: BR1.1 - BIREME


  4 / 55 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-973860
Autor: Belfort, Rubens N; Müller, Monica Santos; Isenberg, Jordan; Ferraz, Patricia; Szejnfeld, Denis.
Título: Metastatic choroidal melanoma to the contralateral eye: a rare case / Melanoma de coróide metátastico para o olho contralateral: caso raro
Fonte: Arq. bras. oftalmol;81(6):517-519, Nov.-Dec. 2018. graf.
Idioma: en.
Resumo: ABSTRACT Uveal melanoma is the most common adult primary intraocular cancer. Although liver metastasis is common to the natural history of the disease, metastasis to the fellow eye is extremely rare. Here we report the case of a 59-year-old man with choroidal melanoma in his right eye who underwent enucleation at a different center. The patient was referred to our service 21 months postoperatively, complaining of decreased vision. He was found to have a new pigmented choroidal tumor in his left eye associated with liver disease. Ocular ultrasonography and liver biopsy with histopathological and immunohistochemical analysis were performed and confirmed the diagnosis. Few similar cases have been described in the literature. The differential diagnosis included primary bilateral choroidal melanoma and metastatic choroidal tumor from a primary skin melanoma.

RESUMO O melanoma uveal é o câncer intraocular primário mais frequente em adultos. Embora a metástase hepática seja comum à história natural da doença, a metástase para o outro olho é extremamente rara. Aqui relatamos o caso de um homem de 59 anos com melanoma de coroide em seu olho direito que foi submetido à enucleação em um centro diferente. O paciente foi encaminhado ao nosso serviço 21 meses após a cirurgia, com queixa de diminuição da visão. Foi encontrado um novo tumor de coróide pigmentado em seu olho esquerdo associado com doença hepática. Ultrassonografia ocular e biópsia hepática com exame histopatológico e imuno-histoquímico foram realizadas e confirmaram o diagnóstico. Poucos casos semelhantes foram descritos na literatura. O diagnóstico diferencial incluiu melanoma de coróide bilateral orimário e tumor coroidal metastático de um melanoma primário da pele.
Descritores: Neoplasias Uveais/secundário
Neoplasias da Coroide/patologia
Melanoma/patologia
-Neoplasias Uveais/diagnóstico por imagem
Neoplasias da Coroide/cirurgia
Ultrassonografia
Evolução Fatal
Doenças Raras/diagnóstico
Diagnóstico Diferencial
Fígado/patologia
Melanoma/cirurgia
Melanoma/secundário
Melanoma/diagnóstico por imagem
Limites: Humanos
Pessoa de Meia-Idade
Tipo de Publ: Relatos de Casos
Carta
Responsável: BR1.1 - BIREME


  5 / 55 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-973869
Autor: Bravo-Filho, Vasco; Logan, Patrick; Zoroquiain, Pablo; Aldrees, Sultan; Vilà, Natàlia; Oweida, Ayman; Belfort Neto, Rubens; Burnier Jr, Miguel N.
Título: Effects of ranibizumab and amfenac on the functional abilities and radiosensitivity of uveal melanoma cells / Efeitos do ranibizumabe e do amfenac nas habilidades funcionais e na radiossensibilidade de células de melanoma uveal
Fonte: Arq. bras. oftalmol;82(1):38-44, Jan.-Feb. 2019. tab, graf.
Idioma: en.
Resumo: ABSTRACT Purpose: To evaluate the effects of ranibizumab and amfenac in human uveal melanoma cell lines and to explore the ability of these compounds to sensitize uveal melanoma cells to radiation therapy. Methods: The 92.1 human uveal melanoma cell line was cultured and subjected to the proposed treatment (ranibizumab, amfenac, and a combination of both). Proliferation, migration, and invasion assays of the 92.1 uveal melanoma cell line were assessed after pretreatment with ranibizumab (125 mg/mL), amfenac (150 nM), or a combination of both. In addition, proliferation rates were assessed after treatment with ranibizumab and amfenac, and the cells were subsequently exposed to various radiation doses (0, 4, and 8 Gy). Results: Proliferation assay: cells treated with a combination of ranibizumab and amfenac had lower proliferation rates than controls (p=0.016) and than those treated with only ranibizumab (p=0.033). Migration assay: a significantly lower migration rate was observed in cells treated with amfenac than the control (p=0.014) and than those treated with ranibizumab (p=0.044). Invasion assay: there were no significant differences among the studied groups. Irradiation exposure: in the 4 Gy dose group, there were no significant differences among any groups. In the 8 Gy dose group, treatment with ranibizumab, amfenac, and their combination prior to application of the 8 Gy radiation led to a marked reduction in proliferation rates (p=0.009, p=0.01, and p=0.034, respectively) compared with controls. Conclusion: Combination of ranibizumab and amfenac reduced the proliferation rate of uveal melanoma cells; however, only amfenac monotherapy significantly decreased cell migration. The radiosensitivity of the 92.1 uveal melanoma cell line increased following the administration of ranibizumab, amfenac, and their combination. Further investigation is warranted to determine if this is a viable pretreatment strategy to render large tumors amenable to radiotherapy.

RESUMO Objetivo: Avaliar os efeitos do ranibizumabe em associação com o amfenac nas células de melanoma uveal humano e explorar a capacidade desses compostos em sensibilizar as células de melanoma uveal à radioterapia. Métodos: Células de melanoma uveal humano do tipo 92.1 foram cultivadas e submetidas ao tratamento proposto (ranibizumabe, amfenac e a combinação de ambos). Ensaios de proliferação, migração e invasão com as células de melanoma uveal do tipo 92.1 foram avaliados após tratamento com ranibizumabe (125 mg/ml), amfenac (150 nM) e a combinação de ambos. Além disso, as taxas de proliferação foram avaliadas após tratamento com ranibizumabe e amfenac com subsequente exposição das células a diferentes doses de radiação (0 Gy, 4 Gy e 8 Gy). Resultados: Ensaio de proliferação: células tratadas com ranibizumabe e amfenac combinados apresentaram taxas de proliferação inferiores em comparação ao grupo controle (p=0,016), do que as tratadas apenas com ranibizumabe (p=0,033). Ensaio de migração: foi observada uma taxa de migração significativamente mais baixa nas células tratadas com amfenac do que no grupo controle (p=0,014) e do que nas tratadas com ranibizumabe (p=0,044). Ensaio de invasão: não houve diferenças significativas entre os grupos estudados. Exposição à irradiação: no grupo da dose de 4 Gy, não houve diferença significante entre os grupos. No grupo da dose de 8 Gy, o tratamento com ranibizumabe, afenac e sua combinação antes da aplicação da radiação de 8 Gy levou a uma redução acentuada nas taxas de proliferação (p=0,009, p=0,01 e p=0,034, respectivamente) em comparação aos grupos controle. Conclusão: A combinação de ranibizumabe e amfenac reduziu a taxa de proliferação das células de melanoma uveal; no entanto, apenas o amfenac diminuiu significativamente a migração celular. A radiossensibilidade das células de melanoma uveal do tipo 92.1 aumentou após a administração de ranibizumabe, amfenac e sua combinação. Mais investigações são necessárias para determinar se esta é uma estratégia de pré-tratamento viável para tornar grandes tumores passíveis de radioterapia.
Descritores: Fenilacetatos/farmacologia
Inibidores da Angiogênese/farmacologia
Inibidores de Ciclo-Oxigenase 2/farmacologia
Ranibizumab/farmacologia
Melanoma/tratamento farmacológico
Melanoma/radioterapia
-Tolerância a Radiação
Neoplasias Uveais/tratamento farmacológico
Neoplasias Uveais/radioterapia
Protocolos de Quimioterapia Combinada Antineoplásica
Movimento Celular/efeitos dos fármacos
Movimento Celular/efeitos da radiação
Reprodutibilidade dos Testes
Linhagem Celular Tumoral
Proliferação de Células/efeitos dos fármacos
Proliferação de Células/efeitos da radiação
Relação Dose-Resposta à Radiação
Limites: Humanos
Tipo de Publ: Estudo de Avaliação
Responsável: BR1.1 - BIREME


  6 / 55 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-1038697
Autor: Correa, Zelia M; Faraj, Rafaela Caixeta; Jorge, Rodrigo.
Título: Clinical implications of biopsy for posterior uveal melanoma / Implicações clínicas da biópsia para melanoma uveal posterior
Fonte: Arq. bras. oftalmol;82(6):1-2, Nov.-Dec. 2019. graf.
Idioma: en.
Descritores: Neoplasias Uveais/patologia
Vitrectomia/métodos
Biópsia por Agulha Fina/métodos
Melanoma/patologia
-Fatores de Risco
Corioide/patologia
Limites: Humanos
Tipo de Publ: Editorial
Responsável: BR1.1 - BIREME


  7 / 55 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: lil-258267
Autor: Erwenne, Clélia Maria; Freitas, Maria Alice Fernandes da Costa; Palazzi, Maristela Amaral; Pacheco, José Carlos Gouvêa; Salvajoli, João Victor; Novaes, Paulo Eduardo; Trippe, Nivaldo; Pereira, Adelino José.
Título: Melanoma de úvea: tratamento por placas radiativas episclerais primeira experiência brasileira / Uveal melanoma: episcleral plaque radiotherapy first brazilian experience
Fonte: Acta oncol. bras;14(1):41-45, jan.-mar. 1994. tab, graf.
Idioma: pt.
Resumo: O artigo descreve a evolução de dez pacientes portadores de melanoma uveal tratados por placas de cobalto-60 episclerais, desde dezembro de 1988, no Hospital A. C. Camargo, da Fundação Antonio Prudente, São Paulo. O tamanho das lesões variou de quatro a 11mm em altura e 11 a 16mm na base. A dose de radiação aplicada variou de 8.000 a 10.000 cGy no ápice e de 24.000 a 39.000 cGy na base. Observou-se redução de altura da lesão em nove pacientes (90 porcento), em seis (60 porcento) a base reduziu concomitantemente e em 1 (10 porcento) não houve alteração do tamanho da lesão nos primeiros sete meses após terapia. Os pacientes foram acompanhados por um período mínimo de quatro e máximo de 27 meses. Os autores discutem as indicações, método e resultados deste tipo de terapia.
Descritores: Neoplasias Uveais/radioterapia
Braquiterapia
Seguimentos
Melanoma/radioterapia
Radioisótopos de Cobalto/uso terapêutico
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Adulto
Pessoa de Meia-Idade
Responsável: BR440.1 - Biblioteca Geraldo Matos de Sá . Hospital do Câncer I


  8 / 55 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Cuba
Texto completo
Id: biblio-1042927
Autor: Fernández González, Odenis; Abreu Perdomo, Franklyn Alain; Hernández Perugorría, Arianni; Santos Silva, Dania; Ortiz Ramos, Datia Liset; Rojas Rondón, Irene.
Título: Caracterización clinicopatológica del melanoma uveal / Clinical and pathological characterization of uveal melanoma
Fonte: Rev. cuba. oftalmol;31(4):17-24, oct.-dic. 2018. tab.
Idioma: es.
Resumo: Objetivo: Describir las características clinicopatológicas de los pacientes con diagnóstico de melanoma de la úvea. Métodos: Se realizó un estudio descriptivo y retrospectivo de serie de casos, en el Instituto Cubano de Oncología y Radiobiología de Cuba, desde enero del año 2011 hasta junio de 2016. El universo del estudio, en coincidencia con la muestra, estuvo constituido por 41 pacientes, el total de ellos diagnosticado y tratado en dicho período por melanoma uveal. Se estudiaron las variables edad, sexo, lateralidad, localización y tamaño tumoral, clasificación, tipo celular, grado de invasión y tratamiento. Resultados: El 56,1 por ciento de la muestra fue del sexo femenino. Los pacientes mayores de 50 años (75,6 por ciento) fueron los más afectados y el ojo izquierdo fue el más vulnerable (58,5 por ciento). La principal localización fue en la coroides (75,6 por ciento). Según el tamaño tumoral predominaron los tumores grandes (58,5 por ciento); histológicamente el tipo celular más frecuente fue el de células fusiformes (34,2 por ciento); según el grado de invasión, la más afectada fue la esclera (17,0 por ciento) y como único tratamiento practicado la enucleación (100 por ciento). Conclusiones: El melanoma de la úvea tiene su localización más frecuente en la coroides. Se presenta principalmente en pacientes mayores de 50 años y predominan los tumores grandes(AU)

Objective: To describe the clinical and pathological characteristics of patients diagnosed with uveal melanoma. Methods: A retrospective, descriptive and case series study was performed from January 2011 to June 2016 in the Institute of Oncology and Radiobiology of Cuba (INOR). The universe of study was the sample of 41 patients, all of them diagnosed with uveal melanoma and treated in this period of time. The study variables were age, sex, laterality, tumor location and tumor, classification, cell type, degree of invasion and treatment. Results: Females accounted for 56.1 percent of the sample. The patients aged 50 years or over (75.6 percent) were the most affected whereas left eye was the most vulnerable (58.5 percent). The main location were the choroids (75.6 percent) According to size, the large tumors predominated (58.5 percent); from the histological viewpoint, the most common cell-type was fusiform cell tumor (34.2 percent); according to the degree of invasion, the sclera was the most affected (17 percent) and the only treatment was enucleation. Conclusions: Uveal melanoma is more frequently located in the choroids. It mainly appears in patients aged over 50 years and most of tumors are large(AU)
Descritores: Neoplasias Uveais/diagnóstico
Enucleação Ocular/métodos
Corioide/patologia
-Epidemiologia Descritiva
Estudos Retrospectivos
Limites: Humanos
Feminino
Pessoa de Meia-Idade
Responsável: CU1.1 - Biblioteca Médica Nacional


  9 / 55 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-829984
Autor: Rohrbacher, Ignatz; Zandavalli Neto, Oswaldo Valentim; Rayes, Assad.
Título: Apresentação incomum e agressiva de melanoma intraorbitário / Unusual and aggressive presentation of intraorbital melanoma
Fonte: Rev. bras. oftalmol;75(6):481-483, nov.-dez. 2016. ilus.
Idioma: pt.
Resumo: RESUMO O objetivo dos autores é relatar um caso de melanoma intraorbitário de apresentação atípica e agressiva, formando grande massa dolorosa de aspecto eritematoso e inflamatório projetando-se da órbita esquerda com o globo ocular danificado em seu ápice. A análise da peça identificou melanoma maligno com componentes celulares epitelióide, fusocelular e anaplásico.

ABSTRACT The purpose of this study is to report a intraorbital melanoma case with atypical and aggressive presentation, forming a large painful mass with erythematosus and inflammatory aspect protruding from the left orbit with eyeball damaged at its peak. Piece analysis identified malignant melanoma compound of epithelioid, spindle and anaplastic cells.
Descritores: Melanoma
Neoplasias Orbitárias
Tomografia Computadorizada por Raios X
Neoplasias Uveais
-Corpos Estranhos no Olho
Recidiva
Limites: Humanos
Masculino
Pessoa de Meia-Idade
Tipo de Publ: Relatos de Casos
Responsável: BR1.1 - BIREME


  10 / 55 LILACS  
              first record previous record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-741167
Autor: Moreira Jr., Carlos Augusto; Moreira Neto, Carlos Augusto.
Título: Internal eye wall resection of uveal tumors: long-term evaluation / Ressecção em bloco de tumores uveais: avaliação de longo prazo
Fonte: Arq. bras. oftalmol;78(1):47-49, Jan-Feb/2015. tab, graf.
Idioma: en.
Resumo: The authors report five cases of uveal tumors managed with internal eye wall resection and evaluate the long-term results. Patient age varied from 31 to 61 years. Four patients were female and one was male. Uveal tumors involved ciliary body and choroid in three patients and choroid alone in the other two. Histopathological examination demonstrated three uveal melanomas, one leiomyoma, and one meduloepithelioma. The largest tumor diameter ranged from 8 to 15 mm and tumor thickness from 5 to 11 mm. Follow-up of the patients was over a period of 6 to 23 years. Final visual acuity was 20/20 in 3 patients and 20/200 in one patient, and in the fifth patient, the affected eye was enucleated. No cases of metastatic disease or local recurrence of the tumor were observed, suggesting that internal eye wall resection is a valid alternative for the treatment of selected cases of uveal tumors.

Os autores relatam 5 casos que apresentavam tumores uveais e foram submetidos à remoção cirúrgica em bloco do tumor, avaliando resultados de acuidade visual, índice de retenção do globo ocular e de doença metastática. Quatro mulheres e um homem, com idade entre 31 e 61anos foram submetidos ao procedimento. O tumor envolvia corpo ciliar e coroide em três olhos e somente a coroide em dois. A histopatologia demonstrou que 3 tumores eram melanomas, um leiomioma e um meduloepitelioma. O maior diâmetro dos tumores foi entre 8 e 15 mm e a espessura entre 5 e 11 mm. O tempo de seguimento dos pacientes foi de 6 a 23 anos. A acuidade visual final foi de 20/20 em 3 olhos, 20/200 em outro e um olho foi enucleado. Não foram observados casos de doença metastática ou recorrência tumoral, sugerindo que a ressecção em bloco de tumores uveais é uma alternativa válida para o tratamento destes tumores em casos selecionados.
Descritores: Neoplasias da Coroide/cirurgia
Corpo Ciliar/cirurgia
Melanoma/cirurgia
Neoplasias Uveais/cirurgia
-Neoplasias da Coroide/patologia
Corpo Ciliar/patologia
Enucleação Ocular
Seguimentos
Melanoma/patologia
Período Pós-Operatório
Resultado do Tratamento
Neoplasias Uveais/patologia
Acuidade Visual
Limites: Adulto
Feminino
Humanos
Masculino
Pessoa de Meia-Idade
Tipo de Publ: Relatos de Casos
Responsável: BR1.1 - BIREME



página 1 de 6 ir para página                
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde