Base de dados : LILACS
Pesquisa : C09.218.568.217 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 16 [refinar]
Mostrando: 1 .. 10   no formato [Detalhado]

página 1 de 2 ir para página        

  1 / 16 LILACS  
              next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-984369
Autor: Loureiro, Rafael Maffei; Sumi, Daniel Vaccaro; Lemos, Marcelo Delboni; Tames, Hugo Luis de Vasconcelos Chambi; Gomes, Regina Lucia Elia; Daniel, Mauro Miguel; Soares, Carolina Ribeiro; Murakoshi, Rodrigo Watanabe; Funari, Marcelo Buarque de Gusmão.
Título: The role of magnetic resonance imaging in Ménière disease: the current state of endolymphatic hydrops evaluation / O papel da ressonância magnética na doença de Ménière: a avaliação da hidropsia endolinfática nos dias atuais
Fonte: Einstein (Säo Paulo);17(1):eMD4743, 2019. graf.
Idioma: en.
Resumo: ABSTRACT Technical advances in magnetic resonance imaging have allowed to accurately detect and grade endolymphatic space distension in Ménière disease; this was only possible in post-mortem histological studies until a few years ago. Magnetic resonance imaging rules out other causes of vertigo and hearing loss, and is able to evaluate the cochlear and vestibular compartments of the endolymphatic space using a dedicated protocol.

RESUMO Os avanços técnicos na ressonância magnética têm permitido detectar e classificar com acurácia a distensão do espaço endolinfático na doença de Ménière; isso só era possível nos estudos histológicos post-mortem até poucos anos atrás. Além de afastar outras causas de vertigem e de perda auditiva, a ressonância magnética é capaz de avaliar os compartimentos coclear e vestibular do espaço endolinfático por meio de um protocolo dedicado.
Descritores: Imageamento por Ressonância Magnética
Doença de Meniere/diagnóstico por imagem
-Índice de Gravidade de Doença
Hidropisia Endolinfática/diagnóstico por imagem
Progressão da Doença
Limites: Humanos
Responsável: BR1.1 - BIREME


  2 / 16 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-1132565
Autor: Li, Xuanyi; Wu, Qianru; Sha, Yan; Dai, Chunfu; Zhang, Ru.
Título: Gadolinium-enhanced MRI reveals dynamic development of endolymphatic hydrops in Ménières disease / Ressonância magnética com gadolínio revela o desenvolvimento dinâmico da hidropsia endolinfática na doença de Ménière
Fonte: Braz. j. otorhinolaryngol. (Impr.);86(2):165-173, March-Apr. 2020. tab, graf.
Idioma: en.
Projeto: National Natural Science Foundation of China.
Resumo: Abstract Introduction: Meniere's disease is associated with impaired hearing, tinnitus, vertigo, and aural fullness. Many anatomical studies have suggested idiopathic endolymphatic hydrops as the pathological basis of Meniere's disease, which now can be visualized by using gadolinium -enhanced magnetic resonance imaging of the inner ear. Objective: To investigate the development of endolymphatic hydrops in Meniere's disease by monitoring the vestibules and cochleae of affected patients. Methods: Inner ears of 178 patients with definite unilateral Meniere's disease diagnosis were visualized by 3-dimensional fluid-attenuated inversion recovery and three-dimensional real inversion recovery magnetic resonance imaging following bilateral gadolinium intratympanic injection. The scans were used to evaluate the presence and degree of endolymphatic hydrops in the vestibules and cochlear structures, including the cochlear apical turn, the cochlear middle turn, and the cochlear basal turn. The correlation of endolymphatic hydrops occurrence between the various parts of the inner ear was determined. Results: Symptomatic endolymphatic hydrops was detected on the affected side in all patients, whereas asymptomatic endolymphatic hydrops was detected on the unaffected contra-lateral side in 32 patients (18.0%). On the affected side, the cochlear apical turn and the cochlear middle turn demonstrated significantly higher rates of endolymphatic hydrops than the cochlear basal turn and the vestibule. The severity of endolymphatic hydrops gradually decreased from the cochlear apical turn to the cochlear basal turn. On the contra lateral side, the incidence and degree of the detected asymptomatic endolymphatic hydrops were significantly greater in the cochleae than in the vestibules (p < 0.05), with no significant difference detected between the cochlear turns. Conclusion: Progression of endolymphatic hydrops appears to be directional, initiated in the cochlea. The order of endolymphatic hydrops severity gradually decreases from the cochlear apical turn to the cochlear basal turn and then to the vestibule. Endolymphatic hydrops in the vestibule is associated with symptomatic Meniere's disease.

Resumo Introdução: A doença de Ménière está associada a deficiência auditiva, zumbido, vertigem e plenitude auricular. Muitos estudos anatômicos sugerem hidropsia endolinfática idiopática como a base patológica da doença, que agora pode ser visualizada através de estudo por imagem da orelha interna por ressonância magnética com gadolínio. Objetivo: Investigar o desenvolvimento da hidropsia endolinfática na doença de Ménière com monitoramento dos vestíbulos e das cócleas dos pacientes afetados. Métodos: Orelhas internas de 178 pacientes com diagnóstico definitivo de doença de Ménière unilateral foram visualizados através de imagem de recuperação de inversão atenuada por fluidos em ressonância magnética tridimensional, 3-D FLAIR, e por inversão real após injeção intratimpânica bilateral de gadolínio. Os exames foram usados para avaliar a presença e o grau de hidropsia endolinfática nos vestíbulos e nas estruturas cocleares, inclusive o giro coclear apical, o giro coclear médio e o giro coclear basal. A correlação da ocorrência de hidropsia endolinfática entre as várias partes da orelha interna foi determinada. Resultados: Hidropsia endolinfática sintomática foi detectada no lado afetado em todos os pacientes, enquanto hidropsia endolinfática assintomática foi detectada no lado contralateral não afetado em 32 pacientes (18,0%). No lado afetado, o giro apical da cóclea e o giro coclear médio demonstraram taxas significativamente mais altas de hidropsia endolinfática do que o giro basal e o vestíbulo. A gravidade da hidropsia endolinfática diminuiu gradualmente do giro apical da cóclea para o giro basal. No lado contralateral, a incidência e o grau da hidropsia endolinfática assintomática detectada foram significantemente maiores nas cócleas do que nos vestíbulos (p < 0,05), sem diferença significante entre os giros cocleares. Conclusões: A progressão da hidropsia endolinfática parece ser direcional, iniciando-se na cóclea. A sua ordem da gravidade diminui gradualmente do giro apical da cóclea para o giro basal e, em seguida, para o vestíbulo. A hidropsia endolinfática no vestíbulo está associada à doença de Ménière sintomática.
Descritores: Hidropisia Endolinfática/etiologia
Hidropisia Endolinfática/diagnóstico por imagem
Gadolínio/administração & dosagem
Doença de Meniere/complicações
Doença de Meniere/diagnóstico por imagem
-Imageamento por Ressonância Magnética
Imageamento Tridimensional
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Adulto
Pessoa de Meia-Idade
Idoso
Adulto Jovem
Responsável: BR1.1 - BIREME


  3 / 16 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-975578
Autor: Pender, Daniel J.
Título: Suspensory Tethers and Critical Point Membrane Displacement in Endolymphatic Hydrops
Fonte: Int. arch. otorhinolaryngol. (Impr.);22(3):214-219, July-Sept. 2018. graf.
Idioma: en.
Resumo: Abstract Introduction Grossly displaced membranes are characteristic of endolymphatic hydrops. The process whereby physiological membrane displacement becomes pathological may be mediated by stress, but the membrane biomechanics underlying this transition are unclear. Objective This study seeks to determine the role of suspensory tethers during pressure-induced membrane displacement in the generation of the membranous lesions seen in this disease entity using a biomechanical model approach. Methods The location of membrane suspensory tethers was identified histologically. The influence of tethers on model membrane configuration during displacement was assessed graphically. The relationship of membrane configuration during displacement to curvature radius was quantified trigonometrically. The relationship of curvature radius to stress susceptibility was determined mathematically. The net effect of suspensory tethers on membrane stress levels for various degrees of membrane distention and displacement was then calculated numerically. Results In the inferior labyrinth, suspensory tethers are found to occur on the membranes' boundaries. Such tethering is found to impose a biphasic effect on membrane curvature with increasing degrees of displacement. As a consequence, tensile stress susceptibility is found to decline with initial membrane displacement to a critical point nadir beyond which stress then increases monotonically. No such effect was found for the superior labyrinth. Conclusion Boundary tethers in the inferior labyrinth are associated with significant tensile stress reductions until a critical point of membrane displacement is reached. Displacements short of the critical pointmay be physiological and even reversible,whereas such displacements beyond the critical point are apt to be overtly hydropic and irreversible.
Descritores: Perfuração da Membrana Timpânica/fisiopatologia
Hidropisia Endolinfática/fisiopatologia
-Estresse Mecânico
Fenômenos Biomecânicos
Cóclea/fisiopatologia
Resistência à Flexão/fisiologia
Orelha Interna/fisiopatologia
Limites: Humanos
Responsável: BR66.1 - Divisão de Biblioteca e Documentação


  4 / 16 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-1015560
Autor: Albernaz, Pedro L. Mangabeira.
Título: Menière's disease and disorders of the carbohydrate metabolism involving the inner ear
Fonte: Int. arch. otorhinolaryngol. (Impr.);23(2):218-220, 2019. tab.
Idioma: en.
Resumo: Introduction: Menière's disease was described in 1861, but there are still uncertainties regarding its pathophysiology and treatment. Endolymphatic hydrops is recognized as a fundamental pathological characteristic of the disease, as a result of an inadequate absorption of the endolymph. A milder type of endolymphatic hydrops results from an altered chemical composition of the endolymph, due to disorders of the carbohydrate metabolism. Objective: To describe the association of both types of hydrops in patients with Menière disease. Methods: This was a retrospective study of 98 patients with Menière's disease, 62 of whom also presented disorders of the carbohydrate metabolism, and 5 patients with delayed endolymphatic hydrops, 2 of whom also presented disorders of the carbohydrate metabolism. Results: The follow-up of these patients showed that the correction of the metabolic disorders may help in the clinical treatment of Menière's disease and of delayed endolymphatic hydrops, but this does not happen in the more severe types of the diseases. Conclusion: Patients with Menière's disease may present simultaneous disorders of the carbohydratemetabolism, affecting the inner ear. The correction of these disorders helps the clinical treatment but does not preclude the progression of the more severe cases of Menière disease (AU)
Descritores: Metabolismo dos Carboidratos
Doença de Meniere/complicações
Doenças Metabólicas/complicações
-Estudos Retrospectivos
Hidropisia Endolinfática/complicações
Hidropisia Endolinfática/fisiopatologia
Orelha Interna/fisiopatologia
Doença de Meniere/etiologia
Doença de Meniere/fisiopatologia
Doenças Metabólicas/fisiopatologia
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Responsável: BR66.1 - Divisão de Biblioteca e Documentação


  5 / 16 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: biblio-908133
Autor: Castillo Bustamante, Melissa; Mendilaharzu, Agustín; Ricardo, María Andrea; Binetti, Ana Carolina.
Título: Características epidemiológicas y comorbilidades asociadas en pacientes con migraña vestibular definida en Hospital Británico de Buenos Aires: 2014-2016 / Epideniologic characteristics and associated comorbidities in patients with vestibular migraine, Buenos Aires British Hospital: 2014-2016 / Aspectos epidemiológicos e comorbidades em pacientes com enaxaqueca vestibular no Hospital Británico de Buenos Aires:2014 - 2016
Fonte: Rev. Fed. Argent. Soc. Otorrinolaringol;24(1):23-27, 2017. graf.
Idioma: es.
Resumo: Introducción: la migraña vestibular definida es una de las causas más comunes de vértigo, así como el vértigo paroxístico benigno e hidrops endolinfático. Su prevalencia en la población general se ha estimado entre 1,1 a 3,2%. En Latinoamérica son pocos los estudios acerca de las características epidemiológicas y las comorbilidades adjuntas de los pacientes con diagnóstico de migraña vestibular. Este trabajo describe la correlación entre las características epidemiológicas y las comorbilidades adjuntas de los pacientes evaluados por migraña vestibular definida en el Hospital Británico de Buenos Aires en el periodo comprendido entre enero de 2014 y febrero de 2016. Materiales y métodos: Se realizó un estudio observacional descriptivo retrospectivo con revisión manual de historias clínicas de pacientes evaluados en la consulta de otorrinolaringología. Resultados: El estudio mostró que la edad media de los pacientes con migraña vestibular definida fue 44,4 años, observándose mayor número de consultas por pacientes del sexo femenino. Las comorbilidades no otoneurológicas más frecuentes encontradas en el sexo masculino fueron epilepsia y diabetes mellitus tipo II y en el sexo femenino depresión. La comorbilidad otoneurológica más frecuentemente encontrada tanto en el sexo masculino como femenino fue hidrops endolinfático. Conclusiones: En la población las consultas fueron en mayor número de mujeres con una edad media de 44,4 años. Las comorbilidades no otoneurológicas encontradas en hombres fueron epilepsia y diabetes mellitus tipo II y en mujeres depresión. La comorbilidad otoneurológica más encontrada tanto en hombres como en mujeres fue hidrops endolinfático.

Introduction: defined Migraine associated- vertigoisone of the most common etiologies of vertigo as peripheric benign vertigo and endolympatic hydrops are. Its prevalence on population is estimated between 1.1 to 3.2%. In Latin America there are few studies about epidemiologic characteristics and comorbidities of diagnosed patients with defined migraine associated vertigo. This work describes the relationship between the epidemiologic characteristics and the comorbidities of patients evaluated for defined migraine associated vertigo at Buenos Aires British Hospital since january 2014 to february 2016. Methods: An observational, descriptive and retrospective study was done. Clinical records of otolaryngology consult were reviewed. Results: This study showed a mean age of 44.4 years old for the patients of defined migraine associated vertigo, the majority of consults were done for female gender. The most common non – neurotological comorbidities found in male gender were epilepsy and diabetes mellitus type II and in female gender was depression. The most common neurotological condition found in female and male gender was endolympatic hydrops. Conclusions: The majority of consults were achieved by female population with a mean age of 44.4 years old. Non-neurotological comorbidities found in men were epilepsy and diabetes mellitus type II and in women depression. The most common neurotological comorbidity found in men and women was endolymphatic hydrops.

Introdução: a enxaqueca vestibular definitiva é uma das causas mais comuns de vertigem e vertigem paroxística benigna e hidropisia endolinfática. A sua prevalência na população em geral tem sido estimado entre 1,1 e 3,2%. Na América Latina existem poucos estudos sobre a epidemiologia e as co-morbidades que acompanham de pacientes com diagnóstico de enxaqueca vestibular. Este artigo descreve a correlação entre as características epidemiológicas e as co-morbidades que acompanham de pacientes avaliados para a enxaqueca vestibular definidos no Hospital Britânico de Buenos Aires no período compreendido entre Janeiro de 2014 e Fevereiro de 2016. Materiais e métodos: um estudo observacional retrospectivo com revisão manual dos prontuários de pacientes avaliados em consulta de otorrinolaringologia foi realizado. Resultados: O estudo mostrou que a idade média dos pacientes com enxaqueca vestibular definitiva foi de 44,4 anos, mostrando mais consultas por parte de pacientes do sexo feminino. As comorbidades mais freqüentes não otoneurológicas encontrados nos machos foram epilepsia e diabetes mellitus tipo II e depressão em mulheres. A comorbidade otoneurológico mais frequentemente encontrado em ambos os sexos masculino e feminino foi hidropisia endolinfática. Conclusões: na população nas consultas eram mais mulheres com uma idade média de 44,4 anos. Os homens não otoneurológicas comorbidades foram encontrados em epilepsia e diabetes mellitus tipo ii depressão e mulheres. Quanto mais comorbidade otoneurológico encontrados em homens e mulheres era de hidropisia endolinfática.
Descritores: Comorbidade
Transtornos de Enxaqueca/complicações
Transtornos de Enxaqueca/epidemiologia
-Vertigem Posicional Paroxística Benigna
Hidropisia Endolinfática
Vertigem
Doenças Vestibulares/epidemiologia
Limites: Masculino
Feminino
Humanos
Adolescente
Adulto
Adulto Jovem
Pessoa de Meia-Idade
Idoso
Idoso de 80 Anos ou mais
Tipo de Publ: Relatos de Casos
Relatos de Casos
Responsável: AR635.1 - FCVyS - Servicio de Información y Documentación


  6 / 16 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-730449
Autor: Lamounier, Pauliana; Gobbo, Débora Aparecida; Souza, Thiago Silva Almeida de; Oliveira, Carlos Augusto Costa Pires de; Bahmad Jr., Fayez.
Título: Electrocochleography for Ménière's disease: is it reliable?, / Eletrococleografia na doença de Ménière: é confiável?,
Fonte: Braz. j. otorhinolaryngol. (Impr.);80(6):527-532, Nov-Dec/2014. tab.
Idioma: en.
Resumo: Introduction: Endolymphatic hydrops, the histopathological substrate of Ménière's disease, is an almost universal finding in postmortem studies of patients with this disease. The cause of hydrops is still unknown, as is the mechanism by which it causes progressive dysfunction of the sensory organs of inner ear. The fluctuating course of the disease complicates the interpretation of certain tests, such as electrocochleography; thus, for some authors its diagnostic value is questionable. Objective: The aim of this study was to analyze the clinical applicability of electrocochleography in the diagnosis of hydrops. It is a valuable tool, but still generates conflicting opinions among otolaryngologists. Methods: Systematic review of the literature on electrocochleography in patients diagnosed with endolymphatic hydrops. Results: A total of 34 articles regarding the use of electrocochleography in patients with hydrops, from the year 2000 onwards, were selected. Of these, 15 were excluded from the review as they were not observational studies. Only one cross-sectional study addressing the clinical use of electrocochleography by otolaryngologists was included. Conclusion: Electrocochleography is a valuable tool in the diagnosis of hydrops, as it is a non-invasive, easy to handle procedure, which offers new techniques to increase the sensitivity of the test, and thereby assists otolaryngologists in the management of Ménière's disease. .

Introdução: A hidropisia endolinfática é o substrato histopatológico e achado quase universal nos estudos post-mortem de pacientes com doença de Ménière. A causa da hidropisia ainda é desconhecida, assim como o mecanismo pelo qual causa disfuncção progressiva dos órgãos sensitivos da orelha interna. O curso flutuante da doença dificulta a interpretação de exames como a eletrococleografia, que apresenta, para alguns autores, valor diagnóstico controverso. Objetivos: O objetivo deste estudo é analisar a aplicabilidade clínica da eletrococleografia no diagnóstico da hidropisia endolinfática, sendo uma ferramenta de uso comum e que ainda gera opiniões conflitantes entre os otorrinolaringologistas. Método: Revisão sistemática da literatura sobre eletrococleografia em pacientes com diagnóstico de hidropisia endolinfática. Resultados: Foram selecionados 34 artigos sobre o uso da eletrococleografia em pacientes portadores de hidropisia endolinfática a partir do ano 2000; 15 artigos foram excluídos da revisão por não se tratarem de estudos observacionais, com inclusão de somente um estudo transversal que trata sobre o uso clínico da eletrococleografia entre os otorrinolaringologistas. Conclusão: A eletrococleografia é uma importante ferramenta no diagnóstico da hidropisia endolinfática, por ser não invasiva, de fácil mensuração, e por oferecer novas técnicas capazes de aumentar a sensibilidade do exame e auxiliar o otorrinolaringologista no tratamento da Doenca de Ménière. .
Descritores: Audiometria de Resposta Evocada
Hidropisia Endolinfática/diagnóstico
Doença de Meniere
-Sensibilidade e Especificidade
Limites: Humanos
Tipo de Publ: Revisão
Responsável: BR1.1 - BIREME


  7 / 16 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: lil-682569
Autor: Ramirez, Edna Patricia Charry.
Título: Hidropisia endolinfática em diabéticos sem sintomas vestibulococleares / Endolymphatic hydrops in diabetics without symptoms vestibulocochlear.
Fonte: Niterói; s.n; 2009. 46 p. tab, graf.
Idioma: pt.
Tese: Apresentada a Universidade Federal Fluminense. Mestrado em Ciências Médicas para obtenção do grau de Mestre.
Resumo: Este estudo tem por objetivo avaliar a presença de hidropisia endolinfática, usando eletrococleografia em pacientes sem sintomas vestibulo-cocleares ou fatores de risco para perda auditiva, comparados com pacientes não diabéticos com características similares de sexo e idade. Avalou-se um grupo de pacientes diabéticos tipo 2 sem sintomas vestíbulo-cocleares, comparados com outro grupo de sujeito normais no Hospital Universitario Antonio Pedro, com audiometria tonal e vocal e eletrococleografia, para avaliar a presença de hidropisia endolinfática....Estes resultados foram comparados entre os dois frupos. O grupo de diabéticos teve uma razão PS/PA compatível com hidropisia endolinfática em 64,5% dos indivíduos e, no grupo de não diabéticos, em 20% (valor = p=0,00023). Conclusão: Os achados deste estudo confirmam a hipótese de que o diabetes causa, na orelha interna um dano funcional da cóclea com características eletrofisiológicas compatíveis com hidropisia endolinfática, ainda em pacietnes sem sintomas vestíbulo-cocleares.
Descritores: Audiometria de Resposta Evocada
DIABETES MELLITUS TIPO TEMEFOS
Potenciais Evocados Auditivos
Perda Auditiva
Hidropisia Endolinfática/fisiopatologia
Fatores de Risco
-Estudos Transversais
Método Duplo-Cego
Ensaios Clínicos Controlados Aleatórios como Assunto
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Pessoa de Meia-Idade
Responsável: BR408.1 - Biblioteca da Faculdade de Medicina - BFM
BR408.1; T616.462, R173, 2009


  8 / 16 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-434160
Autor: Ikino, Claudio Marcio Yudi; Bittar, Roseli Saraiva Moreira; Sato, Karina Midori; Capella, Newton Macuco.
Título: Hidropsia endolinfática experimental sob ação de inibidor da óxido nítrico sintase tipo II: avaliação com emissões otoacústicas e eletrococleografia / Experimental endolymphatic hydrops under action of a type II nitric oxide synthase inhibitor: otoacoustic emissions evaluation and electrocochleography
Fonte: Rev. bras. otorrinolaringol;72(2):151-157, mar.-abr. 2006. graf.
Idioma: pt.
Resumo: No modelo experimental de hidropsia endolinfática há redução na amplitude das emissões otoacústicas produtos de distorção (EOAPD) e elevação nos limiares eletrofisiológicos na eletrococleografia. Estudos mostraram que há expressão da óxido nítrico sintase tipo II (ONS II) na cóclea com hidropsia, sugerindo a participação do óxido nítrico (ON) na patogênese desta doença. O objetivo deste trabalho foi avaliar a ação de um inibidor da ONS II nas EOAPD e eletrococleografia em cobaias com hidropisia endolinfática experimental. MATERIAL E MÉTODOS: Foram estudadas 16 cobaias nas quais se induziu hidropsia endolinfática experimental por obliteração do ducto e saco endolinfático na orelha direita durante 16 semanas, divididas em dois grupos: oito cobaias recebendo um inibidor da ONS II, a aminoguanidina, por via oral e um grupo de oito cobaias como controle. Comparamos as amplitudes das EOAPD nas médias geométricas de freqüências de 1062, 2187, 4375 e 7000Hz, os limiares eletrofisiológicos nas freqüências de 1000, 2000, 4000 e 6000Hz e a relação entre os potenciais de somação e de ação (PS/PA) entre os grupos. RESULTADOS: Não houve diferença significante nas EOAPD e na relação PS/PA entre os grupos. O grupo que recebeu a aminoguanidina apresentou menor elevação nos limiares eletrofisiológicos nas freqüências de 2000 (p<0,05) e 6000 Hz (p<0,05) na 12ª semana e nas freqüências de 1000 (p<0,05), 2000 (p<0,001), 4000 (p<0,001) e 6000Hz (p<0,001) na 16ª semana. CONCLUSÕES: O inibidor da ONS II reduziu a elevação dos limiares eletrofisiológicos na eletrococleografia na hidropsia endolinfática experimental.
Descritores: Cóclea/fisiopatologia
Emissões Otoacústicas Espontâneas/fisiologia
Guanidinas/farmacologia
Hidropisia Endolinfática/enzimologia
Inibidores Enzimáticos/farmacologia
Óxido Nítrico Sintase Tipo II/antagonistas & inibidores
-Audiometria de Resposta Evocada
Modelos Animais de Doenças
Eletrofisiologia
Cobaias
Hidropisia Endolinfática/fisiopatologia
Limites: Animais
Masculino
Feminino
Responsável: BR1.1 - BIREME


  9 / 16 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: lil-397905
Autor: Ikino, Cláudio Márcio Yudi.
Título: Hidropsia endolinfática experimental sob ação de inibidor da óxido nítrico sintase tipo II: avaliação com emissões otoacústicas produtos de distorção e eletrococleografia / Experimental endolymphatic hydrops under action of a type II nitric oxide synthase inhibitor: distortion product otoacustic emissions and electrocochleography evaluation.
Fonte: São Paulo; s.n; 2004. [54] p. ilus, tab, graf.
Idioma: pt.
Tese: Apresentada a Universidade de São Paulo. Departamento de Oftalmologia e Otorrinolaringologia. Disciplina de Otorrinolaringologia para obtenção do grau de Doutor.
Resumo: O objetivo deste trabalho foi avaliar a ação de um inibidor da óxido nítrico sintase tipo II (ONS II) nas emissões otoacústicas produtos de distorção (EOAPD) e na eletrococleografia em 16 cobaias com hidropsia endolinfática experimental induzida por obliteração do ducto e saco endolinfático da orelha direita. Oito cobaias receberam o inibidor da ONS II, a aminoguanidina e oito cobaias formaram o grupo controle. Comparamos as amplitudes das EOAPD nas médias geométricas de freqüências de 1062, 2187, 4375 e 7000 Hz, os limiares eletrofisiológicos nas freqüências de 1000, 2000, 4000 e 6000 Hz e a relação entre os potenciais de somação e de ação entre os grupos durante 16 semanas./The aim of this study was to evaluate the action of a type II nitric oxide synthase (NOS II) inhibitor on distortion product otoacoustic emissions (DPOAE) and electrocochleography in 16 guinea pigs with experimental endolymphatic hydrops induced by obliterating the endolymphatic duct and sac in the right ear. Eight guinea pigs received NOS II inhibitor, aminoguanidine and eigth guinea pigs were control group...
Descritores: Hidropisia Endolinfática
Óxido Nítrico/antagonistas & inibidores
-Audiometria de Resposta Evocada
Estudos de Casos e Controles
Limites: Animais
Masculino
Feminino
Cobaias
Responsável: BR66.1 - Divisão de Biblioteca e Documentação
BR66.1; W4.DB8, I28hi, FM-2


  10 / 16 LILACS  
              first record previous record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: lil-328908
Autor: Rivas, J. A.
Título: Implante coclear en un caso con hidropesía endolinfática y fístula perilinfática / Cochlear implants in a case with endolymphatic hydropesis
Fonte: Acta otorrinolaringol. cir. cabeza cuello;24(2):137-139, ago. 1996.
Idioma: es.
Resumo: La hidropesia endolinfatica, es una distension del espacio endolinfático hacia el espacio perilinfático producido por un exceso de endolinfa en su espacio membranoso ejerciendo presión en un sistema cerrado de fluidos. Cuando una persona ha perdido su función auditiva ya sea debido a una enfermedad cronica de oidos o a secuelas de esta, tiene hoy en dia la posibilidad de rehabilitarse mediante la implantación coclear. Presentamos el caso de un hombre de 64 años de edad, con antecedentes clinicos y quirurgicos de enfermedad cronica bilateral de oidos, quedando como secuelas Sindrome de Gradenigo, parálisis de los pares III, IV y VI, perdiendo finalmente su audición. Despues de los exámenes medicos y paramedicos correspondientes, se determine que el paciente cumplia los requisitos como candidato a implante coclear. Durante la cirugia de implante, se evidencio una fistula perilinfatica en la ventana redonda y posteriormente durante la cocleostomia, se detecto una hidropesia endolinfatica, al observarse que la membrana basilar estaba abombada ocupando el espacio de la rampa timpánica. Despues de 6 meses de rehabilitación con el implante, el paciente ha logrado un desempeho auditivo altamente satisfactorio en los aspectos de detección de sonidos y comprension del lenguaje
Descritores: Fístula
Hidropisia Endolinfática/complicações
Implante Coclear
Tipo de Publ: Revisão
Relatos de Casos
Responsável: CO5.1 - Centro de Información y Conocimiento



página 1 de 2 ir para página        
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde