Base de dados : LILACS
Pesquisa : C10.177 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 106 [refinar]
Mostrando: 1 .. 10   no formato [Detalhado]

página 1 de 11 ir para página                         

  1 / 106 LILACS  
              next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: biblio-877260
Autor: Ribera, Melissa Chaves Vieira.
Título: Modulação autonômica cardíaca em crianças e adolescentes com anemia falciforme / Cardiac autonomic modulation in children and adolescents with sickle cell anemia.
Fonte: São Paulo; s.n; 2017. 63 p.
Idioma: pt.
Tese: Apresentada a Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública. Departamento de Saúde, Ciclos de Vida e Sociedade para obtenção do grau de Doutor.
Resumo: Introdução - Alterações cardíacas na anemia falciforme (AF) são frequentes e iniciam-se precocemente. Há evidências de que exista também disfunção na regulação do sistema nervoso autônomo o que pode contribuir com eventos de morbidade. Objetivos Avaliar a modulação autonômica cardíaca por meio da variabilidade da frequência cardíaca em crianças e adolescentes com anemia falciforme. Método - Estudo analítico no qual foi realizada uma comparação da variabilidade da frequência cardíaca em 45 crianças e adolescentes, menores de 20 anos, com anemia falciforme, com um grupo controle pareado um a um por idade e sexo. A frequência cardíaca foi obtida pelo frequencímetro de pulso e analisada, batimento a batimento. Estes pacientes são usuários do ambulatório de hematologia pediátrica do Sistema Único de Saúde. Esta pesquisa está em consonância com a resolução 466/2012 do Ministério da Saúde. Resultados - Observamos diferença significativa nos índices do domínio da frequência (VLF, LF, HF e LF/HF). Estas diferenças não foram observadas nos pacientes em uso de hidroxiureia. Conclusão - Existe uma disfunção autonômica na AF que ocorre desde a infância, podendo estar relacionada a uma menor modulação do simpático e uma maior modulação do parassimpático. Esta diferença não foi observada em pacientes em uso de hidroxiureia

Introduction - Cardiac changes in sickle cell disease (AF) are frequent and begin early. There is evidence that there is also dysfunction in the regulation of the autonomic nervous system, which may contribute to morbidity events. Objectives - To evaluate the autonomic cardiac modulation by heart rate variability in children and adolescents with sickle cell anemia. Method - An analytical study comparing the heart rate variability of 45 children and adolescents, younger than 20 years, with sickle cell anemia, with a control group matched one by one by age and sex. The heart rate was obtained by pulse frequency and analyzed, beat by beat. These patients are attending the pediatric hematology outpatient of the National Health System. Results - We observed a significant difference in the frequency domain indexes (VLF, LF, HF and LF / HF). The results of this study are in agreement with resolution 466/2012 of the Ministry of Health of Brazil. These differences were not observed in patients taking hydroxyurea. Conclusion - There is an autonomic dysfunction in AF that occurs from childhood, and may be related to a lower modulation of the sympathetic and greater modulation of the parasympathetic. This difference was not observed in patients taking hydroxyurea
Descritores: Anemia Falciforme/fisiopatologia
Doenças do Sistema Nervoso Autônomo/etnologia
Frequência Cardíaca
Sistema Nervoso Parassimpático
-Estudos de Casos e Controles
Hidroxiureia
Limites: Seres Humanos
Criança
Adolescente
Responsável: BR67.1 - CIR - Biblioteca - Centro de Informação e Referência
BR67.1; DR1355


  2 / 106 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: biblio-871602
Autor: Santos, Fernando dos.
Título: Curso temporal das alterações autonômicas e metabólicas da hipertensão por sobrecarga de frutose: papel do barorreflexo / Temporal development of autonomic and metabolic alterations of hypertension by fructose overload.
Fonte: São Paulo; s.n; 2015. [138] p. ilus, tab, graf.
Idioma: pt.
Tese: Apresentada a Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina para obtenção do grau de Doutor.
Resumo: O aumento do consumo de frutose nas últimas décadas está intimamente associado à maior incidência de obesidade e síndrome metabólica e co-morbidades associadas , como , a dislipidemia, a disautonomia e o diabetes. No entanto, a literatura não apresenta caracterização temporal dos eventos que ocorrem até o estabelecimento das doenças. Com base nisso, este trabalho tem como objetivo avaliar as alterações temporais autônomicas e metabólicas em modelo de síndrome metabólica induzida por sobrecarga de frutose, com ênfase no papel do barorreflexo, aqui testado pelo uso da desnervação sinoaórtica. Adicionalmente, pretende-se identificar neste modelo, se as alterações autonômicas precedem ou se seguem às alterações metabólicas. Foram utilizados quatro grupos experimentais (ratos), seguidos por 90 dias: controle (C), tratados com frutose (F), controle desnervado (D) e desnervados tratados com frutose (DF). A sobrecarga de frutose foi feita através de solução em água de beber (10%). A avaliação dos parâmetros cardiovasculares ocorreu pelo registro da pressão arterial via radiotelemetria durante 13 semanas. A frutose foi capaz de promover desenvolvimento de síndrome metabólica, causando aumento da pressão arterial, glicemia de jejum, gordura abdominal e do perfil lipídico em média a partir da sétima semana de tratamento. As alterações autonômicas, principalmente aumento da modulação cardíaca e periférica simpática, ocorreram já na segunda semana de protocolo. Este grupo apresentou ainda alterações de função renal e inflamação. O barorreflexo parece participar das alterações induzidas pela frutose durante o desenvolvimento da síndrome metabólica, uma vez que sua ausência determina mudanças em vários dos parâmetros metabólicos além dos hemodinâmicos já esperados. Adicionalmente, no grupo frutose, o prejuízo funcional do controle reflexo da circulação se estabelece mais tardiamente. Com base em nossos resultados podemos concluir que as alterações no controle autonômico são...

The increased consumption of fructose in recent decades is closely associated with the higher incidence of obesity, metabolic syndrome and associated comorbidities, such as Dyslipidemia, Dysautonomia, and diabetes. However, the literature does not present temporal characterization of the events that occur until the establishment of the diseases. On this basis, this work aims to evaluate the temporal autonomic and metabolic changes in metabolic syndrome model induced by fructose overload, with emphasis on the role of the baroreflex, here tested using sinoaortic denervation. Additionally, we intend to identify in this model, if autonomic changes precede or follow the metabolic changes. Four experimental groups were used (rats), followed by 90 days: control (C), treated with fructose (F), sinoaortic denervated (D) and denervated treated with fructose (DF). Fructose overload was performed using drinking water solution (10%). Blood pressure recording was performed via radio telemetry for 13 weeks. Fructose was able to promote development of metabolic syndrome, causing blood pressure, fasting blood glucose and abdominal fat increase and changing lipid profile (from the seventh week to thirteenth week of treatment). Autonomic changes, characterized by increased cardiac and peripheral sympathetic modulation, occurred in the second week of Protocol. Fructose group presented changes of renal function and inflammation. The baroreflex seems to participate in the changes induced by fructose during the development of the metabolic syndrome, since his absence determines changes in various metabolic parameters in addition to the expected hemodynamic. Additionally, fructose treatment induced late functional impairment of blood pressure reflex control. Based on our results we can conclude that the changes in autonomic control precede and probably contribute to the metabolic changes induced by the excessive consumption of fructose.
Descritores: Doenças do Sistema Nervoso Autônomo
Barorreflexo
Pressão Sanguínea
Frutose
Inflamação
Síndrome Metabólica
Sistema Nervoso Simpático
Limites: Animais
Masculino
Ratos
Responsável: BR66.1 - Divisão de Biblioteca e Documentação
BR66.1


  3 / 106 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: biblio-831365
Autor: Espinoza, Francisco; Aronsohn, Federico; Solis, Andrea; Hernández, Antonio.
Título: Tormenta simpática paroxística como manifestación de daño axonal difuso postraumatismo encefalocraneano / Paroxysmal sympathetic storm as a manifestation of diffuse axonal damage
Fonte: Rev. chil. med. intensiv;27(4):245-248, 2012. ilus.
Idioma: es.
Resumo: Presentamos el caso de un hombre de 24 años que, secundario a un accidente de tránsito, presentó un traumatismo encefalocraneano grave con daño axonal difuso. Luego de un mes de evolución en la unidad de cuidados intensivos comenzó a presentar episodios súbitos de hipertensión, taquicardia, diaforesis, hipertermia, descerebración y dilatación pupilar, todo lo anterior con resolución espontánea en el curso de minutos. Estas crisis se repetían varias veces en el día. Se llegó al diagnóstico de un cuadro denominado Tormenta Simpática Paroxística que puede presentarse muy ocasionalmente como consecuencia de una lesión cerebral grave, especialmente el daño axonal postraumático. En este trastorno prima un desbalance simpático/parasimpático, lo que podría deberse a una pérdida del control cortical. El paciente fue tratado con opiáceos y betabloqueo con una respuesta satisfactoria, logrando disminuir significativamente sus episodios de tormentas simpáticas paroxísticas. En suma, nos parece importante comunicar esta experiencia dado la alta prevalencia de pacientes con trauma cerebral en nuestras Unidades de Pacientes Críticos. A pesar de que ni su diagnóstico ni tratamiento mejoran el pronóstico, su reconocimiento ahorra estudios innecesarios y permite iniciar una terapia sencilla que lleva al control precoz de la sintomatología.

A 24-year-old man suffered a traumatic brain injury due to a car accident. After one month of hospitalization in intensive care unit, he experimented episodic crisis of hypertension, tachycardia, hyperhidrosis, hypertermia, extensor posturing and pupil dilatation. This events presented in average 10 times per day. We reached to the diagnosis of Paroxysmal Sympathetic Storm. This is a subtype of dysautonomy which is present occasionally after a brain traumatic injury. The main mechanism of this brain dysfunction is a disassociation between the sympathetic and parasympathetic nervous systems due to cortical control loss. The patient was treated with morphine and labetalol and he experimented an excellent response, reducing his episodes of paroxysmal sympathetic storm by 80 percent. The aim of this review is to communicate this entity because a prompt and accurate diagnosis could minimize unnecessary studies and treatments.
Descritores: Doenças do Sistema Nervoso Autônomo/etiologia
Doenças do Sistema Nervoso Autônomo/terapia
Lesão Axonal Difusa/complicações
-Sistema Nervoso Simpático
Lesões Encefálicas Traumáticas/complicações
Limites: Seres Humanos
Masculino
Adulto
Tipo de Publ: Relatos de Casos
Responsável: CL29.1 - Biblioteca Biomédica


  4 / 106 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Lugon, Jocemir Ronaldo
Texto completo
Id: lil-769535
Autor: Sant Anna Junior, Maurício de; Carneiro, João Regis Ivar; Carvalhal, Renata Ferreira; Torres, Diego de Faria Magalhães; Cruz, Gustavo Gavina da; Quaresma, José Carlos do Vale; Lugon, Jocemir Ronaldo; Guimarães, Fernando Silva.
Título: Cardiovascular Autonomic Dysfunction in Patients with Morbid Obesity / Disfunção Autonômica Cardiovascular em Pacientes com Obesidade Mórbida
Fonte: Arq. bras. cardiol;105(6):580-587, Dec. 2015. tab, graf.
Idioma: pt.
Resumo: Abstract Background: Morbid obesity is directly related to deterioration in cardiorespiratory capacity, including changes in cardiovascular autonomic modulation. Objective: This study aimed to assess the cardiovascular autonomic function in morbidly obese individuals. Methods: Cross-sectional study, including two groups of participants: Group I, composed by 50 morbidly obese subjects, and Group II, composed by 30 nonobese subjects. The autonomic function was assessed by heart rate variability in the time domain (standard deviation of all normal RR intervals [SDNN]; standard deviation of the normal R-R intervals [SDNN]; square root of the mean squared differences of successive R-R intervals [RMSSD]; and the percentage of interval differences of successive R-R intervals greater than 50 milliseconds [pNN50] than the adjacent interval), and in the frequency domain (high frequency [HF]; low frequency [LF]: integration of power spectral density function in high frequency and low frequency ranges respectively). Between-group comparisons were performed by the Student’s t-test, with a level of significance of 5%. Results: Obese subjects had lower values of SDNN (40.0 ± 18.0 ms vs. 70.0 ± 27.8 ms; p = 0.0004), RMSSD (23.7 ± 13.0 ms vs. 40.3 ± 22.4 ms; p = 0.0030), pNN50 (14.8 ± 10.4 % vs. 25.9 ± 7.2%; p = 0.0061) and HF (30.0 ± 17.5 Hz vs. 51.7 ± 25.5 Hz; p = 0.0023) than controls. Mean LF/HF ratio was higher in Group I (5.0 ± 2.8 vs. 1.0 ± 0.9; p = 0.0189), indicating changes in the sympathovagal balance. No statistical difference in LF was observed between Group I and Group II (50.1 ± 30.2 Hz vs. 40.9 ± 23.9 Hz; p = 0.9013). Conclusion: morbidly obese individuals have increased sympathetic activity and reduced parasympathetic activity, featuring cardiovascular autonomic dysfunction.

Resumo Fundamentos: A obesidade mórbida está diretamente relacionada à deterioração da capacidade cardiorrespiratória, incluindo alterações na modulação autonômica cardiovascular. Objetivo: Este estudo teve por objetivo avaliar a função autonômica cardiovascular de obesos mórbidos. Métodos: Estudo transversal, incluindo dois grupos, Grupo I, composto por 50 obesos mórbidos, e Grupo II, por 30 indivíduos não obesos. A função autonômica foi avaliada pela variabilidade da frequência cardíaca no domínio do tempo [desvio padrão de todos os intervalos R-R normais (SDNN); desvio-padrão de todos os intervalos R-R normais (SDNN); raiz quadrada das médias quadráticas das diferenças dos intervalos R-R sucessivos (RMSSD); e o percentual de diferenças de intervalo intervalos R-R sucessivos maior que 50 milissegundos (pNN50)] em comparação ao adjacente, e no domínio da frequência (HF, do inglês, “high frequency”, e LF, do inglês, “low frequency”: integração da função da densidade espectral de potência para as bandas de alta e baixa frequência, respectivamente). Os grupos foram comparados pelo teste t de Student, considerando-se um nível de significância de 5%. Resultados: Quando comparados aos controles, os indivíduos obesos apresentaram valores menores de SDNN (40,0 ± 18,0 ms vs. 70,0 ± 27,8 ms; p = 0,0004), RMSSD (23,7 ± 13,0 ms vs. 40,3 ± 22,4 ms; p = 0,0030), pNN50 (14,8 ± 10,4 % vs. 25,9 ± 7,2%; p = 0,0061) e HF (30,0 ± 17,5 Hz vs. 51,7 ± 25,5 Hz; p = 0,0023). A relação LF/HF média foi maior no Grupo I (5,0 ± 2,8 vs. 1,0 ± 0,9; p = 0,0189), refletindo alteração no equilíbrio simpato-vagal. Não houve diferença estatística entre os grupos I e II com relação ao índice LF (50,1 ± 30,2 Hz vs. 40,9 ± 23,9 Hz; p = 0,9013). Conclusão: obesos mórbidos apresentam aumento de atividade simpática e redução da atividade parassimpática, caracterizando uma disfunção autonômica cardiovascular.
Descritores: Doenças do Sistema Nervoso Autônomo/fisiopatologia
Doenças Cardiovasculares/fisiopatologia
Obesidade Mórbida/fisiopatologia
-Antropometria
Doenças do Sistema Nervoso Autônomo/etiologia
Estudos de Casos e Controles
Estudos Transversais
Doenças Cardiovasculares/etiologia
Frequência Cardíaca/fisiologia
Força Muscular/fisiologia
Obesidade Mórbida/complicações
Valor Preditivo dos Testes
Valores de Referência
Testes de Função Respiratória
Fatores de Risco
Músculos Respiratórios/fisiopatologia
Estatísticas não Paramétricas
Limites: Adulto
Feminino
Seres Humanos
Masculino
Meia-Idade
Adulto Jovem
Responsável: BR1.1 - BIREME


  5 / 106 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: lil-736950
Autor: Cunha, Delma Maria.
Título: O estudo dos autoanticorpos antirreceptores beta1 e anti-m2 na cardiopatia chagásica crônica / The study of anti-beta1 and anti-m2 receptors autoantibodies in chronic chagas cardiopathy.
Fonte: Rio de Janeiro; s.n; 2012. 136 p. ilus, graf, tab.
Idioma: pt.
Tese: Apresentada a Fundação Oswaldo Crus. Instituto de Pesquisa Clínica Evandro Chagas para obtenção do grau de Doutor.
Resumo: Fundamentos: A Cardiopatia Chagásica Crônica (CCC) cujo agente etiológico é o Trypanosoma cruzi (T.cruzi) compromete 20 a 30 porcento dos indivíduos infectados. No Brasil, 2 a 3 milhões de pessoas estavam infectadas até 1980 e na América Latina 18 milhões de pessoas. Dados mais recentes da OMS (1991) mostram que esse número diminuiu para 11 milhões até 1990. Um dos mecanismos propostos para explicar o dano miocárdico na CCC é o autoimune. Objetivos: Relacionar a titulação dos anticorpos anti beta1 e anti M2 com função ventricular esquerda, disautonomia e arritmias cardíacas. Metodologia: Estudo transversal com 64 pacientes portadores de CCC confirmada sorologicamente por Elisa e Hemaglutinação. A titulação dos anticorpos anti-beta1 e anti-M2 foi obtida pelo imunoensaio ELISA. A análise da função ventricular esquerda foi feita pelo ecocardiograma através da fração de ejeção (FE) pelo método de Simpson. As arritmias cardíacas foram avaliadas pelo Holter cardíaco de 24 h assim como a disautonomia (variabilidade da freqüência cardíaca). O teste ergométrico avaliou disautonomia (queda da frequência cardíaca no primeiro minuto de recuperação) e desempenho cardíaco durante o esforço. O eletrocardiograma de alta resolução (ECGAR) avaliou o potencial arritmogênico em pacientes sem distúrbios de condução ao eletrocardiograma (ECG)Resultados: Holter de 24h: existe uma correlação inversa significativa entre a titulação de anti-beta1 com o SDNN index de 2 às 6h (rs = - 0,313; p= 0,041; n=43) e uma correlação direta significativa entre a titulação do anti- M2 com SDANN de 2 às 6h (rs = 0,317; 0,039; n=43). Teste ergométrico: observou-se correlação direta significativa entre a titulação anti-beta1 e o duplo produto (rs=0,371; p=0,005, n=56)...

O subgrupo com resposta cronotrópica normal apresentou titulação anti-beta1 significativamente maior que o subgrupo com resposta cronotrópica deprimida (p = 0,023). O subgrupo com resposta inotrópica normal apresentou titulação anti-M2 significativamente maior que o subgrupo com resposta inotrópica deprimida (p=0,044). Ecocardiograma: FE (Simpson) não correlacionou significativamente com anti-B1 e anti-M2 (rs =0,045; p = 0,73 ; n=62), (rs =-0,036; p = 0,78), respectivamente. ECGAR: RMS>20 e LAS <38 não mostrou correlação significativa de RMS com as titulações de anti- beta1 (rs-0,268; p= 0,26; n=18) e anti-M2 (rs= - 0,121; p=0,63; n=18) e de LAS com anti- beta1 (rs =0,006; p = 0,98; n=18) e anti- M2 (rs=0,059; p=0,82; n=18). ECG: titulação de anti-beta1 e anti- M2 foram significativamente maiores no grupo com Fibrilação atrial (FA) que no grupo sem FA (p=0,01) e (p=0,029) respectivamente. O subgrupo com ritmo cardíaco sinusal apresentou anti-M2 significativamente menor que o subgrupo sem ritmo cardíaco sinusal (p= 0,035). Análise multivariada: o Duplo Produto (p=0,016) foi variável independente, ao nível de 5 porcento, para titulação anti- beta1. SDANN de 2 ás 6h (p=0,13) foi variável independente ao nível de 15 porcento para explicar a titulação de anti-M2. Conclusões: Os anticorpos anti-beta1 correlacionam de forma inversa e significativa com o SDNN index e o SDANN ao Holter de 24h no período de 2 às 6h, de forma direta com duplo produto ao teste ergométrico, resposta cronotrópica e com fibrilação atrial ao ECG. Os anticorpos anti-M2 correlacionam diretamente com o SDNN index e SDANN ao Holter, com a resposta inotrópica normal ao teste ergométrico e com a fibrilação atrial ao ECG. Análise multivariada: o duplo produto é variável independente (5 porcento) para anti-beta1 e SDANN(15 porcento) é variável independente para anti- M2...
Descritores: Autoanticorpos
Doenças do Sistema Nervoso Autônomo
Cardiomiopatia Chagásica
Trypanosoma cruzi
Limites: Seres Humanos
Responsável: BR15.1 - Biblioteca de Ciências Biomédicas


  6 / 106 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-718523
Autor: Gardim, Camila Balsamo; Oliveira, Bruno Affonso P. de; Bernardo, Aline Fernanda B; Gomes, Rayana Loch; Pacagnelli, Francis Lopes; Lorençoni, Roselene Modolo R; Vanderlei, Luiz Carlos M.
Título: Heart rate variability in children with type 1 diabetes mellitus / Variabilidad de la frecuencia cardiaca en niños con diabetes mellitus tipo 1 / Variabilidade da frequência cardíaca em crianças com diabetes melito tipo 1
Fonte: Rev. paul. pediatr;32(2):279-285, 06/2014. tab.
Idioma: en.
Resumo: To gather current information about the effects of type 1 diabetes mellitus on children's cardiac autonomic behavior. DATA SOURCES: The search of articles was conducted on PubMed, Ibecs, Medline, Cochrane, Lilacs, SciELO and PEDro databases using the MeSH terms: "autonomic nervous system", "diabetes mellitus", "child", "type 1 diabetes mellitus", "sympathetic nervous system" and "parasympathetic nervous system", and their respective versions in Portuguese (DeCS). Articles published from January 2003 to February 2013 that enrolled children with 9-12 years old with type 1 diabetes mellitus were included in the review. DATA SYNTHESIS: The electronic search resulted in four articles that approached the heart rate variability in children with type 1 diabetes mellitus, showing that, in general, these children present decreased global heart rate variability and vagal activity. The practice of physical activity promoted benefits for these individuals. CONCLUSIONS: Children with type 1 diabetes mellitus present changes on autonomic modulation, indicating the need for early attention to avoid future complications in this group...

Reunir informaciones actuales sobre los efectos de la diabetes mellitus tipo 1 sobre el comportamiento cardiaco de niños. FUENTES DE DATOS: La búsqueda de artículos se realizó en las bases de datos PubMed, Ibecs, Medline, Cochrane, Lilacs y PEDro por medio de los descriptores del área de salud (DeCS) a continuación: "sistema nervioso autónomo", "diabetes mellitus", "niño", "diabetes mellitus tipo 1", "sistema nervioso simpático" y "sistema nervioso parasimpático" sus respectivas versiones en lengua inglesa (MeSH).Los artículos fueron publicados de enero de 2003 a febrero de 2013, implicando a niños de nueve a 12 años portadores de diabetes mellitus tipo 1. SÍNTESIS DE LOS DATOS: La búsqueda resultó en cuatro artículos que trataban la variabilidad de la frecuencia cardiaca en niños con diabetes mellitus tipo 1, demostrando que, por lo general, esos niños presentan reducción de la variabilidad de la frecuencia cardiaca global y de la actividad vagal. La práctica de actividad física promueve beneficios al organismo de niños con diabetes mellitus tipo 1. CONCLUSIONES: Niños diabéticos tipo 1 presentan modificaciones en la modulación autonómica, lo que demuestra la necesidad de atención temprana a esa población para evitar complicaciones futuras...

Reunir informações atuais acerca dos efeitos do diabetes melito tipo 1 sobre o comportamento autonômico cardíaco de crianças. FONTES DE DADOS: A busca dos artigos foi realizada nas bases de dados PubMed, Ibecs, Medline, Cochrane, Lilacs, SciELO e PEDro por meio dos seguintes descritores da área da saúde (DeCS): "sistema nervoso autônomo", "diabetes mellitus", "criança", "diabetes mellitus tipo 1", "sistema nervoso simpático" e "sistema nervoso parassimpático" e suas respectivas versões em língua inglesa (MeSH). Os artigos foram publicados de janeiro de 2003 a fevereiro de 2013, envolvendo crianças de nove a 12 anos portadoras de diabetes melito tipo 1. SÍNTESE DOS DADOS: A busca resultou em quatro artigos que abordam a variabilidade da frequência cardíaca em crianças com diabetes melito tipo 1, demonstrando que, em geral, essas crianças apresentam redução da variabilidade da frequência cardíaca global e da atividade vagal. A prática de atividade física promove benefícios no organismo de crianças com diabetes melito tipo 1. CONCLUSÕES: Crianças diabéticas tipo 1 apresentam modificações na modulação autonômica, o que demonstra a necessidade de atenção precoce a essa população para evitar complicações futuras...
Descritores: Diabetes Mellitus Tipo 1/complicações
Doenças do Sistema Nervoso Autônomo/complicações
Frequência Cardíaca
Limites: Seres Humanos
Criança
Tipo de Publ: Revisão
Responsável: BR1.1 - BIREME


  7 / 106 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-718512
Autor: Freitas, Isabelle Magalhães G; Miranda, Josiane Aparecida; Mira, Pedro Augusto C; Lanna, Carla Marcia M; Lima, Jorge Roberto P; Laterza, Mateus Camaroti.
Título: Cardiac autonomic dysfunction in obese normotensive children and adolescents / Disfunción autonómica cardiaca en niños y adolescentes obesos normotensos / Disfunção autonômica cardíaca em crianças e adolescentes obesos normotensos
Fonte: Rev. paul. pediatr;32(2):244-249, 06/2014. tab.
Idioma: en.
Projeto: Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais.
Resumo: To test the hypothesis that obese normotensive children and adolescents present impaired cardiac autonomic control compared to non-obese normotensive ones. METHODS: For this cross-sectional study, 66 children and adolescents were divided into the following groups: Obese (n=31, 12±3 years old) and Non-Obese (n=35, 13±3 years old). Obesity was defined as body mass index greater than the 95th percentile for age and gender. Blood pressure was measured by oscillometric method after 15 minutes of rest in supine position. The heart rate was continuously registered during ten minutes in the supine position with spontaneous breathing. The cardiac autonomic control was assessed by heart rate variability, which was calculated from the five-minute minor variance of the signal. The derivations were the index that indicates the proportion of the number of times in which normal adjacent R-R intervals present differences >50 miliseconds (pNN50), for the time domain, and, for the spectral analysis, low (LF) and high frequency (HF) bands, besides the low and high frequencies ratio (LF/HF). The results were expressed as mean±standard deviation and compared by Student's t-test or Mann-Whitney's U-test. RESULTS: Systolic blood pressure (116±14 versus 114±13mmHg, p=0.693) and diastolic blood pressure (59±8 versus 60±11mmHg, p=0.458) were similar between the Obese and Non-Obese groups. The pNN50 index (29±21 versus 43±23, p=0.015) and HF band (54±20 versus 64±14 normalized units - n.u., p=0.023) were lower in the Obese Group. The LF band (46±20 versus 36±14 n.u., p=0.023) and LF/HF ratio (1.3±1.6 versus 0.7±0.4, p=0.044) were higher in Obese Group. CONCLUSIONS: Obese normotensive children and adolescents present impairment of cardiac autonomic control...

Probar la hipótesis de que niños y adolescentes obesos normotensos presentan disfunción autonómica cardiaca cuando comparados a individuos no obesos también normotensos. MÉTODOS: Estudio transversal con 66 niños y adolescentes, divididos en los grupos Obeso (n=31, 12±3 años) y No obesos (n=35, 13±3 años). Se definió la obesidad por el índice de masa corporal superior al percentil 95, considerándose edad y sexo. Se verificó la presión arterial clínica por oscilometría después de 15 minutos de reposo en posición supina. Se registró la frecuencia cardiaca durante 10 minutos en la posición supina, con respiración espontánea. Se evaluó el control autonómico cardiaco por la variabilidad de la frecuencia cardiaca, calculada a partir de los cinco minutos de menor variancia de la señal. Fueron derivados el índice que indica la proporción del número de veces en que los intervalos R-R normales sucesivos presentan diferencia de duración superior a 50 milisegundos (pNN50) para el dominio del tiempo y, para el análisis espectral, las bandas de baja (LF) y alta (HF) frecuencias, además de la razón entre las bandas espectrales de baja y alta frecuencia (LF/HF). Los resultados se presentaron como promedio±desviación estándar, siendo comparados por la prueba t de Student o por la prueba U de Mann-Whitney. RESULTADOS: Los niveles de presión arterial sistólica (116±14 versus 114±13mmHg, p=0,693) y diastólica (59±8 versus 60±11mmHg, p=0,458) fueron semejantes entre los grupos Obeso y No obeso, respectivamente. El índice pNN50 (29±21 versus 43±23; p=0,015) y la banda HF (54±20 versus 64±14 unidades normalizadas - u.n.; p=0,023) fueron menores en el Grupo Obeso...

Testar a hipótese de que crianças e adolescentes obesos normotensos apresentam disfunção autonômica cardíaca quando comparados a indivíduos não obesos também normotensos. MÉTODOS: Estudo transversal com 66 crianças e adolescentes, divididos nos grupos Obeso (n=31, 12±3 anos) e Não Obeso (n=35, 13±3 anos). Definiu-se a obesidade pelo índice de massa corpórea maior que o percentil 95, considerando-se idade e sexo. Aferiu-se a pressão arterial clínica por oscilometria após 15 minutos de repouso em posição supina. Registrou-se a frequência cardíaca durante dez minutos na posição supina, com respiração espontânea. Avaliou-se o controle autonômico cardíaco pela variabilidade da frequência cardíaca, calculada a partir dos cinco minutos de menor variância do sinal. Foram derivados o índice que indica a proporção do número de vezes em que os intervalos R-R normais sucessivos apresentam diferença de duração superior a 50 milisegundos (pNN50) para o domínio do tempo e, para a análise espectral, as bandas de baixa (LF) e alta (HF) frequências, além da razão entre as bandas espectrais de baixa e alta frequência (LF/HF). Os resultados apresentam-se como média±desvio padrão, sendo comparados pelo teste t de Student ou pelo teste U de Mann-Whitney. RESULTADOS: Os níveis de pressão arterial sistólica (116±14 versus 114±13mmHg, p=0,693) e diastólica (59±8 versus 60±11mmHg, p=0,458) foram semelhantes entre os grupos Obeso...
Descritores: Pressão Arterial
Doenças do Sistema Nervoso Autônomo/complicações
Frequência Cardíaca
Obesidade/complicações
Limites: Seres Humanos
Masculino
Feminino
Criança
Adolescente
Responsável: BR1.1 - BIREME


  8 / 106 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: lil-712270
Autor: Figueiredo, Valéria Nasser; Martins, Luiz Claúdio; Boer-Martins, Leandro; Faria, Ana Paula Cabral de; Moraes, Carolina de Haro; Moreno Junior, Heitor.
Título: Circadian autonomic disturbance in resistant hypertension with and without white coat phenomenon / Distúrbios autonômicos do ritmo circadiano na hipertensão resistente com e sem o fenômeno do avental branco
Fonte: Rev. Soc. Bras. Clín. Méd;11(4), 2013. tab.
Idioma: pt.
Resumo: JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS: A definição de hipertensão arterial resistente inclui pacientes cuja pressão arterial permanece acima da meta apesar do uso de 3 classes de anti-hipertensivos bem como aqueles que usam 4 ou mais classes e possuem pressão controlada. A monitorização ambulatorial da pressão arterial é um método indispensável para o diagnóstico da hipertensão arterial resistente, excluindo a pseudorresistência, e classificar o hipertenso resistente em 2 grupos: hipertensão arterial resistente sem e com a presença do fenômeno do avental-branco. O objetivo deste estudo foi avaliar o perfil circadiano autonômico da hipertensão arterial resistente com e sem resposta ao fenômeno do avental-branco. MÉTODOS: Quarenta e quatro pacientes com hipertensão arterial resistente foram divididos em dois grupos: hipertensão arterial resistente com presença do fenômeno do avental-branco (n=25) e hipertensão arterial resistente sem presença do fenômeno do avental-branco (n=19). Todos os pacientes foram submetidos à medida da pressão arterial de escritório, monitorização ambulatorial da pressão arterial e eletrocardiografia ambulatorial para análise da variabilidade da frequência cardíaca. RESULTADOS: Não foram observadas diferenças entre a hipertensão arterial resistente com e sem a presença do fenômeno do avental-branco em relação à idade, índice de massa corporal ou de gênero. No grupo de hipertensão arterial resistente com a presença do fenômeno do avental-branco observou-se maior desequilíbrio autonômico avaliado por parâmetros da variabilidade da frequência cardíaca no domínio da frequência em comparação aos pacientes sem o fenômeno do avental-branco. Além disso, os parâmetros da variabilidade da frequência cardíaca noturnos no grupo da hipertensão arterial resistente com a presença do fenômeno do avental-branco correlacionaram-se positivamente com a hipertensão arterial resistente e pressão de pulso de consultório (r=0,57, p<0,05 er=0,55, p<0,05, respectivamente)...

BACKGROUND AND OBJECTIVES: The current definition of resistant hypertension includes both patients whose blood pressure is uncontrolled on three or more medications and those whose blood pressure is controlled when using four or more antihypertensive medications. Ambulatory blood pressure monitoring is an indispensable method to diagnose resistant hypertension and classify it into 2 groups: resistant hypertension without white-coat response and resistant hypertension with white-coat response. The aim of this study was to evaluate the circadian autonomic profile of resistant hypertension with and without white-coat phenomenon. METHODS: Forty four resistant hypertension patients were divided into two groups: resistant hypertension with white-coat phenomenon (n=25) and resistant hypertension without white-coat (n=19) phenomenon. All patients underwent office blood pressure measurement, ambulatory blood pressure monitoring, and 24-hour Holter monitoring. RESULTS: No differences were observed between the resistant hypertension with white-coat phenomenon and resistant hypertension without white-coat phenomenon groups regarding age, body mass index or gender. The group of resistant hypertension with white-coat phenomenon had greater autonomic imbalance evaluated by heart rate variability parameters in frequency domain compared to resistant hypertension patients without white-coat phenomenon. Moreover, nighttime frequency domain parameters of resistant hypertension group with white-coat phenomenon correlated positively with office resistant hypertension and office pulse pressure (r=0.57, p<0.05 and r=0.55, p<0.05, respectively). CONCLUSION: The presence of the white-coat response in resistant hypertension patients implies worse autonomic imbalance...
Descritores: Doenças do Sistema Nervoso Autônomo/diagnóstico
Hipertensão/diagnóstico
-Determinação da Pressão Arterial
Limites: Seres Humanos
Masculino
Feminino
Responsável: BR33.1 - Divisão Técnica de Biblioteca e Documentação


  9 / 106 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: lil-692131
Autor: Sánchez Legaza, Elena; Guerrero Cauqui, Rosario; Miranda Caravallo, José Idelfonso; Oliver, C. Cervera.
Título: Schwannoma cervical de la cadena del simpático / Cervical schwannoma of the sympathetic chain
Fonte: Acta otorrinolaringol. cir. cabeza cuello;40(4), oct.-dic. 2013. ilus.
Idioma: es.
Resumo: Los schwannomas de la cadena cervical del simpático (SC) son tumores benignos e infrecuentes, que se presentan como una masa cervical unilateral de lento crecimiento, y cuyo diagnóstico preoperatorio definitivo suele ser difícil. A pesar de las pruebas disponibles (TAC, RM, eco y angiografía), solo se obtiene en el momento de la cirugía. El tratamiento de elección es la cirugía, y rara vez se produce recidiva o malignización, aunque sí puede variar hastapresentarse el síndrome de Horner…

Schwannomas of the sympatic cervical chain are infrequent and benign tumors, presented as unilateral cervical mass of slow growth, and whose definitive preoperative diagnosis usually is difficult, in spite of the available tests (CAT, MR, ecography and angiography), obtaining it at the moment of the surgery. Surgical extirpation constitutes the election treatment, being rare the tumor recidive and the malignization, not so the Horner syndrome…
Descritores: Doenças do Sistema Nervoso Autônomo
Neurilemoma
Neoplasias Otorrinolaringológicas
Paraganglioma
Sistema Nervoso Simpático
Limites: Seres Humanos
Tipo de Publ: Relatos de Casos
Responsável: CO361.9


  10 / 106 LILACS  
              first record previous record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: lil-685688
Autor: Harthmann, Ângela d'Avila Harthmann; Manfroi, Waldomiro Manfroi.
Título: Efeitos da atividade física na modulação autonômica em pacientes diabéticos com disfunção autonômica / Effects of exercise training in autonomic modulation in diabetic patients with autonomic dysfunction
Fonte: Rev. HCPA & Fac. Med. Univ. Fed. Rio Gd. do Sul;27(3):37-42, 2007. tab.
Idioma: pt.
Resumo: A neuropatia autonômica diabética (NAD) é uma grave e comum complicação do diabetes. A neuropatia autonômica cardiovascular é uma das mais sérias e mais estudadas formas da NAD e está associada a alta morbidade e mortalidade em pacientes sintomáticos e assintomáticos, afetando a modulação autonômica e reduzindo a variabilidade da freqüência cardíaca (VFC). Os benefícios cardiovasculares, metabólicos e autonômicos após o exercício físico agudo e crônico, têm levado muitos investigadores a indicá-lo como uma conduta não-farmacológica no tratamento de diferentes doenças, inclusive o diabetes. Nesta revisão, apresentamos os efeitos do exercício físico na disfunção autonômica de pacientes com neuropatia autonômica, bem como os benefícios do exercício físico nessa disfunção, encontrados na literatura

Diabetic autonomic neuropathy (DAN) is a serious and common complication of diabetes. Cardiovascular autonomic neuropathy (CAN) is one of the most studied and clinically important forms of DAN. It is associated with high morbidity and mortality rates in symptomatic and asymptomatic patients, affecting autonomic modulation and reducing heart rate variability (HRV). Cardiovascular, metabolic and autonomic improvement induced by acute and chronic exercise have led many investigators to indicate exercise training as an important non-pharmacological treatment for different pathologies, include diabetes mellitus. In this review were carried out in literature the effects of exercise training in autonomic dysfunction in patients with autonomic neuropathy as well as the benefit of exercise training on control this dysfunction
Descritores: Diabetes Mellitus/fisiopatologia
Diabetes Mellitus/terapia
Exercício/fisiologia
Neuropatias Diabéticas/complicações
Neuropatias Diabéticas/terapia
-Complicações do Diabetes/fisiopatologia
Doenças do Sistema Nervoso Autônomo/complicações
Doenças do Sistema Nervoso Autônomo/fisiopatologia
Limites: Seres Humanos
Tipo de Publ: Revisão
Responsável: BR18.1 - Biblioteca FAMED/HCPA



página 1 de 11 ir para página                         
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde