Base de dados : LILACS
Pesquisa : C10.228.140.807 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 4 [refinar]
Mostrando: 1 .. 4   no formato [Detalhado]

página 1 de 1

  1 / 4 LILACS  
              next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: biblio-1026448
Autor: Gouveia, Bárbara Rocha.
Título: Manejo de delirium no paciente em unidade de terapia intensiva oncológica: elaboração de protocolos de diretrizes de cuidados / Delirium management in intensive cancer care unit patients: elaboration of care guidelines protocols.
Fonte: Rio de Janeiro; s.n; 20170000. 155 p. ilus, tab.
Idioma: pt.
Tese: Apresentada a Universidade Federal do Estado do Rio Janeiro. Centro de Ciências Biológicas e de Saúde para obtenção do grau de Mestre.
Resumo: Objetivo: propor diretrizes de cuidado de manejo de delirium em uma unidade de cuidados intensivos oncológica, utilizando as recomendações do Clinical Practice Guidelines for Pain, Agitation, and Delirium (PAD). Método: estudo transversal para avaliar a frequência de delirium no período de três meses e para avaliar e validar diretrizes a partir do PAD em prontuários. Foi realizado com 43 profissionais na unidade de cuidados intensiva oncológica de um hospital especializado em oncologia da rede pública do Estado do Rio de Janeiro, que é um roteiro para o desenvolvimento integrado, com base em evidências, e para a prevenção e tratamento da dor, agitação e delirium em pacientes críticos. O instrumento preliminar proposto foi avaliado/validado através da metodologia Delphi, obedecendo consenso de 80% e Índice de Validade de Conteúdo (IVC) para análise do grau de importância de 0.78. Durante os meses de outubro a dezembro de 2016. Resultados: Cento e trinta e cinco prontuários de pacientes internados na UTI/UPO foram incluídos no estudo. A média de dias que precedeu a internação destes pacientes na unidade de cuidados intensivos oncológica foi de 10,3 dias. Encontrou-se uma frequência de 39,3% de pacientes com delirium no período pesquisado. Considerando apenas os pacientes sob ventilação mecânica, a frequência de delirium foi de 64,6%. O resultado do teste U indicou diferença significativa entre os grupos conforme o tempo de permanência na unidade de cuidados intensivos oncológica (p < 0,01). Pacientes internados por até sete dias tiveram tempo médio (M= 0,36; DP= 0,89) de duração de delirium (em dias) significativamente inferior aos de pacientes internados por oito dias ou mais (M = 4,58; DP = 4,80). Na análise ajustada foi identificado que os pacientes submetidos a traqueostomia (OR = 4,15; IC95% 1,33 ­ 12,94; p = 0,01) e ventilação mecânica (OR = 7,64; IC95% 2,41 ­ 24,25; p < 0,01) apresentaram maiores chances de delirium do que os pacientes que não foram submetidos a tais procedimentos. Sobre as diretrizes todos os 19 itens avaliados obtiveram a concordância maior de 80% e IVC maior de 0,78, a validação dos juízes na etapa Delphi 1, com consenso de 19 itens, foi um resultado considerado positivo, em especial, pela extensão do protocolo e diversidades de temáticas envolvidas com o manejo de delirium com pacientes oncológicos em UTI, o que poderia ter aumentado as chances de inadequações, apesar da análise dos resultados obtidos na 1ª de rodada da Técnica Delphi obterem índice de concordância mínimo de 80%, a análise dos comentários e das sugestões realizados pelos juízes determinou a realização de alterações no conteúdo dos itens, que foram submetidas à nova avaliação do grupo, no Delphi 2 utilizando Método de Pascali com valores percentuais superiores a 90%. Isso atesta que as diretrizes se encontram competente, quanto ao seu conteúdo, para avaliar o que se propõem: o manejo do delirium em paciente oncológico na UTI. Conclusão, aplicabilidade e impacto: a elaboração e validação das diretrizes revelou-se pertinente pela alta concordância dos pares visando uma melhor gestão do delirium para qualidade em cuidado e melhores desfechos, manejos e incidência do delirium
Descritores: Enfermagem Oncológica
Delírio/enfermagem
Encefalopatia Associada a Sepse/enfermagem
-Estudos Transversais
Sedação Consciente/enfermagem
Delírio/diagnóstico
Encefalopatia Associada a Sepse/diagnóstico
Unidades de Terapia Intensiva
Limites: Humanos
Responsável: BR1208.1 - BSEN - Biblioteca Setorial de Enfermagem e Nutrição
BR1208.1


  2 / 4 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: lil-774252
Autor: Alexandre, Pedro Celso Braga.
Título: Disfunção cerebral associada à sepse: papel das estatinas na prevenção do dano cognitivo em modelo de sepse experimental / Brain dysfunction associated with sepsis: role of statins in the reversal of cognitive impairment in experimental sepsis model.
Fonte: Rio de Janeiro; s.n; 2014. xviii,94 p. ilus, graf, tab.
Idioma: pt.
Tese: Apresentada a Instituto Oswaldo Cruz para obtenção do grau de Doutor.
Resumo: A sepse é um dos mais graves problemas de saúde pública mundial, apresentando uma estimativa de 19 milhões de casos por ano. [...] A disfunção no sistema nervoso central se manifesta tipicamente por delirium, déficit de atenção e dano cognitivo. As estatinas são fármacos que têm a capacidade de bloquear a enzima HMG-CoA redutase,reduzindo a síntese de colesterol endógeno. Recentemente, foi observado que asestatinas, apresentam efeitos anti-inflamatórios, com potencial para prevenir a disfunção cerebral em modelo experimental de malária cerebral. Objetivamos neste estudo avaliar a capacidade do tratamento das estatinas em reduzir a neuroinflamação e proteger do dano cognitivo no modelo (ISC) de sepse. Para isso,foi coletado o conteúdo cecal, diluído em solução salina, e centrifugado, sendo sobrenadante recolhido para administração nos animais por via (i.p.) na dose de 5mg/g (0,5 mL) (n = 5-8/grupo). Os controles receberam 0,5 mL de solução salina. Os animais foram tratados 6, 24 e 48 h após a indução da sepse com imipenem (30mg/kg de peso corporal, por via subcutânea – s.c.) e 1,0 ml de solução salina (s.c.).As estatinas (atorvastatina e sinvastatina) foram administrados v.o. 1 hora antes e 6,24 e 48 h após a infecção (20 mg/kg). A mortalidade foi observada por 96 h e um escore de gravidade avaliado. O perfil de citocinas inflamatórias, o dano oxidativo e os níveis de mieloperoxidase foram determinados em 6 e 24 h. Além disso, foramavaliados a adesão e rolamento de leucócitos foram avaliados no cérebro dos animais a ativação da microglia, a disfunção da barreira hematoencefálica e alterações na microcirculação vascular cerebral...

Sepsis is one of the most serious problems in worldwide public health, with anestimated 19 million cases a year. [...] Thedysfunction in the central nervous system (CNS) is typically manifested by delirium,cognitive impairment and attention deficit. The statins are drugs with the ability toinhibit the HMG-CoA reductase enzymatic activity, reducing endogenous cholesterolsynthesis. Recently, it was observed that statins have anti-inflammatory effects, withthe potential to prevent brain dysfunction in an experimental model of cerebralmalaria. We aimed in this study to evaluate the capacity of statins to reduceneuroinflammation and protect from cognitive impairment in an experimental modelof sepsis (CSI). For this purpose, the cecal content was collected, diluted in salinesolution and centrifuged, and the supernatant collected for administration in animals(i.p.) at a dose of 5 mg/g (0.5 mL) (n= 5-8/grupo). The controls received 0.5 mL ofsaline. The animals received antibiotic therapy 6, 24 and 48 hours after induction ofsepsis with imipenem (30 mg/kg, subcutaneously - s.c.) and 1.0 ml of saline (s.c.).Statins (atorvastatin and simvastatin) were administered orally 1 h before and 6, 24and 48 h post-infection (20 mg/kg). Mortality was observed for 96 h and a clinicalscore reported. The profile of cytokines, oxidative stress and myeloperoxidase levelswere determined at 6 and 24 h. Moreover, adhesion and rolling of leukocytes inbrain, microglial activation, dysfunction of the blood brain barrier (BBB) and vascularchanges in the cerebral microcirculation were assessed. After 15 days we analyzedthe cognitive impairment using behavioral tests of inhibitory avoidance task andMorris Water Maze...
Descritores: Encefalopatia Associada a Sepse/fisiopatologia
Inibidores de Hidroximetilglutaril-CoA Redutases
Sepse/epidemiologia
Sepse/fisiopatologia
Limites: Humanos
Tipo de Publ: Estudo de Avaliação
Responsável: BR15.1 - Biblioteca de Ciências Biomédicas


  3 / 4 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-718447
Autor: Dal-Pizzol, Felipe; Tomasi, Cristiane D.; Ritter, Cristiane.
Título: Septic encephalopathy: does inflammation drive the brain crazy?
Fonte: Rev. bras. psiquiatr;36(3):251-258, Jul-Sep/2014. graf.
Idioma: en.
Resumo: Sepsis and the multiorgan dysfunction syndrome are among the most common reasons for admission to an intensive care unit, and are a leading cause of death. During sepsis, the central nervous system (CNS) is one of the first organs affected, and this is clinically manifested as sepsis-associated encephalopathy (SAE). It is postulated that the common final pathway that leads to SAE symptoms is the deregulation of neurotransmitters, mainly acetylcholine. Thus, it is supposed that inflammation can affect neurotransmitters, which is associated with SAE development. In this review, we will cover the current evidence (or lack thereof) for the mechanisms by which systemic inflammation interferes with the metabolism of major CNS neurotransmitters, trying to explain how systemic inflammation drives the brain crazy.
Descritores: Encéfalo/fisiopatologia
Encefalite/fisiopatologia
Encefalopatia Associada a Sepse/fisiopatologia
Sepse/fisiopatologia
-Aminas/metabolismo
Encéfalo/metabolismo
Sistema Nervoso Central/metabolismo
Sistema Nervoso Central/fisiopatologia
Citocinas/metabolismo
Encefalite/metabolismo
Encefalopatia Associada a Sepse/metabolismo
Sepse/metabolismo
Ácido gama-Aminobutírico/metabolismo
Limites: Humanos
Tipo de Publ: Research Support, Non-U.S. Gov't
Revisão
Responsável: BR1.1 - BIREME


  4 / 4 LILACS  
              first record previous record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-673368
Autor: Zenaide, Paula Veriato; Gusmao-Flores, Dimitri.
Título: Biomarcadores na encefalopatia séptica: revisão sistemática dos estudos clínicos / Biomarkers in septic encephalopathy: a systematic review of clinical studies
Fonte: Rev. bras. ter. intensiva;25(1):56-62, jan.-mar. 2013. tab.
Idioma: pt.
Resumo: OBJETIVO: O objetivo deste estudo foi revisar sistematicamente a importância da enolase específica neuronal e S100B para diagnóstico e monitorização da encefalopatia séptica. MÉTODOS: Foi realizada uma busca no banco de dados PubMed selecionando estudos que avaliaram níveis séricos de S 100 B e enolase específica neuronal em pacientes com sepse, publicados entre Janeiro de 2000 e Abril de 2012. Apenas estudos em humanos e que utilizaram um método adicional de avaliação neurológica foram selecionados. RESULTADOS: Foram identificados nove estudos, dos quais sete associaram concentrações elevadas de S100 beta e enolase específica neuronal ao desenvolvimento de encefalopatia séptica; quatro também as associaram ao aumento de mortalidade. Entretanto, dois trabalhos não encontraram essa associação quando avaliaram S100 beta e um deles não observou correlação entre a enolase específica neuronal e encefalopatia séptica. CONCLUSÃO: A S100 beta e enolase específica neuronal são biomarcadores promissores para diagnóstico e monitorização de pacientes com encefalopatia séptica, mas é necessária uma maior investigação.

OBJECTIVE: The aim of this study was to systematically review the importance of neuron-specific enolase and S100 beta for diagnosing and monitoring septic encephalopathy. METHODS: A PubMed database search was performed to identify studies that evaluated S100 beta and neuron-specific enolase serum levels in patients with sepsis and that were published between January 2000 and April 2012. Only human studies that employed an additional method of neurological assessment were selected. RESULTS: Nine studies were identified, seven of which associated high concentrations of S100 beta and neuron-specific enolase with the development of septic encephalopathy. Four studies also associated these concentrations with increased mortality. However, two studies did not find such an association when they evaluated S100 beta levels, and one of these studies did not observe a correlation between neuron-specific enolase and septic encephalopathy. CONCLUSION: S100 beta and neuron-specific enolase are promising biomarkers for diagnosing and monitoring patients with septic encephalopathy, but more research is necessary.
Descritores: Fosfopiruvato Hidratase/sangue
/sangue
SACETOLACTATE SYNTHASE CALCIUM BINDING PROTEIN BETA SUBUNIT/sangue
Encefalopatia Associada a Sepse/sangue
-Biomarcadores/sangue
Encefalopatia Associada a Sepse/diagnóstico
Encefalopatia Associada a Sepse/fisiopatologia
Sepse/sangue
Sepse/complicações
Limites: Humanos
Tipo de Publ: Revisão
Responsável: BR1.1 - BIREME



página 1 de 1
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde