Base de dados : LILACS
Pesquisa : C23.888.550 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 111 [refinar]
Mostrando: 1 .. 10   no formato [Detalhado]

página 1 de 12 ir para página                         

  1 / 111 LILACS  
              next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: lil-742338
Autor: Chahla, Jorge; Arroquy, Damian; Perez Herrera, Gonzalo; Orlowski, Belen; Guiñazu, Jorge; Carboni, Martin; Vilaseca, Tomas.
Título: Lesión del ligamento cruzado anterior: ¿ es la disminución en la movilidad de la cadera un factor predisponente ? / Predisposing factors of hip hypermotility in anterior cruciate ligament injuries
Fonte: Artrosc. (B. Aires);21(4):121-123, dic. 2014.
Idioma: es.
Resumo: Introducción: La lesion del ligamento cruzado anterior (LCA) es una de las patologias musculoesqueleticas mas frecuentes. Numerosos factores predisponentes han sido identificados intrinsecamente en la articulacion. El objetivo de este trabajo es analizar la relacion existente entre una hipomotilidad de cadera y la presencia concomitante de una lesion de LCA en deportistas recreacionales. Materiales y Método: Se incluyo en forma prospectiva a pacientes deportistas recreacionales entre 18 y 40 anos (48 con una lesion primaria de LCA confirmada por RMN y 53 controles voluntarios). Se midieron ambas rotaciones en decubito supino y los resultados fueron analizados estadisticamente con la prueba de t test. Resultados: Se analizaron los datos y resultaron estadisticamente significativos en cuanto a una disminucion de movilidad en la cadera homolateral a la rodilla afectada por la lesion del ligamento, tanto para la rotacion interna [RI] (p=0.001) como para la rotacion externa [RE] (p=0.016). El analisis comparativo con el grupo control mostro que existe una asociacion entre rotura de LCA y una hipomotilidad de cadera a expensas en mayor medida de una disminucion en la RI (p=0,002), puesto que la comparacion de la RE en ambos grupos no resulta estadisticamente significativa (p=0.936). Conclusión: Existe una fuerte asociacion entre la lesion del LCA y hipomotilidad de la cadera, principalmente a expensas de la rotacion interna en deportistas recreacionales. No solo encontramos esta asociacion entre voluntarios y pacientes con la lesion sino tambien en el miembro contralateral a la lesion LCA. Por tal motivo creemos de vital importancia el cribado de factores de riesgo para asi implementar planes de prevencion. Nivel de Evidencia: II. Tipo de Estudio: Prospectivo...

Introduction: Numerous intrinsic predisposing factors have been identified within the knee joint in ACL injuries. However, several studies have showed the influence of the hip on the knee biomechanics. The aim of this paper is to analyze the relationship between a hip hypomotility and the concomitant presence of an ACL injury in recreational athletes. Method: We prospectively evaluated 48 recreational athletes with ACL injury confirmed with MRI and 53 volunteer controls without ACL injuries between 18 and 40 years of age. Internal rotation [IR] and external rotation [ER] were measured and analyzed. Results: A significant decrease in hip range of motion was found in the ipsilateral hip, both for IR (p=0.001) and ER (p=0.016). Comparative analysis with the control group showed an association between ACL tear and hypomotility hip mainly because of IR lessening (p=0.002), since the comparison of the ER in both groups was not statistically significant (p=0.936). Conclusion: There is a strong association between ACL injury and hip hypomotility , not only but mainly due to a decrease in IR. Moreover, we found not only this association between volunteers and patients, but in the same patient compared to the unaffected side. Therefore, we believe that is especially important to identify risk factors in order to prevent these lesions. Level of Evidence: IV. Type of study: Case Series. Retrospective...
Descritores: Articulação do Quadril/patologia
Ligamento Cruzado Anterior/lesões
Limitação da Mobilidade
Traumatismos do Joelho
Traumatismos em Atletas
-Estudos Prospectivos
Fatores de Risco
Limites: Adulto
Adulto Jovem
Responsável: AR337.1 - Biblioteca A.A.O.T.


  2 / 111 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: biblio-998486
Autor: Nunes, Paulo Ricardo Prado; Souza, Aletéia de Paula; Martins, Fernanda Maria; Oliveira, Anselmo Alves; Nomelini, Rosekeila Simões; Michelin, Márcia Antoniazi; Murta, Eddie Cândido; Orsatti, Fábio Lera.
Título: The Short Physical Performance Battery is a discrimi-native tool for identifying low quality of life in gynecological postmenopausal cancer survivor / O Short Physical Performance Battery é uma ferramenta discriminativa para identificar baixa qualidade de vida em mulheres na pós-menopausa sobreviventes do câncer ginecológico
Fonte: Acta fisiátrica;25(1):27-30, mar. 2018.
Idioma: en.
Resumo: Adverse events due to cancer treatment (changes in weight, reduced muscle capacity and mobility) hinder the quality of life (QoL) of cancer survivors. Nevertheless, the identification of discriminative predictors of QoL in post-menopausal women (PW) survivors of gynecological cancer (PW-SGC) has been ignored. Objective: The purpose of the present study was to examine the role of muscle capacity, mobility and body mass index (BMI) on the deterioration of QoL in PW (n=35; 62.1±8.2 years) and PW-SGC (n=51; 60.8±11.4 years). Methods: The QoL questionnaire (SF-36), anthropometrical evaluation (BMI), hand-held dynamometry (HHD) and short physical performance battery (SPPB) were applied in all volunteers. Results: The participants had overweight, low SF-36 scores and normal HHD, and no significant differences were found between both groups, however the SPPB score was higher in the PW group (p<0.001). Linear regression analyses for QoL indicated the BMI (beta=-0.27) and the SPPB (beta=0.57) were the strongest and most significant predictors in PW and PW-SGC, respectively. The area under the curve (AUC) for the SPPB score was 0.74 (95% CI: 0.57-0.87; P=0.015) in the PW-SGC group and 0.62 (95% CI: 0.47-0.75; P = 0.181) in PW. Conclusion: The present study showed that the importance of BMI and mobility (SPPB) for QoL differ between PW and PW-SGC. For PW-SGC, the strongest independent predictor of QoL was mobility (SPPB), whereas BMI was the strongest contributor in PW. Moreover, the SPPB test is a discriminative predictor (or assessment tool) for identifying the low quality of life in postmenopausal women survivors of gynecological cancer.

Efeitos adversos do tratamento (modificações da massa corporal e reduções da capacidade muscular e mobilidade) podem modificar a qualidade de vida (QV) de sobreviventes de câncer. Semelhantemente, a menopausa e o envelhecimento podem promover alterações antropométricas e da função física. Portanto, torna-se necessário o levantamento de ferramentas para predizer, distintamente, a QV em mulheres na pós menopausa (PM) e em mulheres na pós menopausa sobreviventes de câncer ginecológico (PMSCG). Objetivo: Examinar a contribuição da força, mobilidade e do índice de massa corporal (IMC) sobre as alterações da QV em PM (n = 35; 62,1±8,2 anos) e PMSCG (n = 51; 60,8±11,4 anos). Métodos: Aplicou-se questionário de QV (SF-36), avaliação antropométrica (IMC), dinamometria de preensão manual (DPM) e short physical performance battery (SPPB). Resultados: Participantes apresentaram sobrepeso, baixo score em SF36 e DPM normal, sem diferenças entre os grupos. O score de SPPB foi maior em PM (p<0,001). Análise de regressão linear de QV, indicou IMC (beta = -0,27) e o SPPB (beta = 0,57), como os mais fortes preditores em PM e PMSCG, respectivamente. A área sob a curva para o score do SPPB foi 0,74 (95% CI: 0,57-0.87; P = 0,015) em PMSCG e 0,62 (95% CI: 0,47-0,75; P = 0,181) em PM. Conclusão: O presente estudo demonstrou que para PMSCG o principal preditor da QV foi a mobilidade (SPPB), enquanto o IMC foi o mais forte contribuidor em PM. Portanto, o SPPB é um teste específico para identificar reduções na QV pacientes sobreviventes de câncer ginecológico.
Descritores: Envelhecimento
Índice de Massa Corporal
Limitação da Mobilidade
Dinamômetro de Força Muscular
Sobreviventes de Câncer
Neoplasias dos Genitais Femininos/patologia
-Inquéritos e Questionários
Pós-Menopausa
Limites: Seres Humanos
Feminino
Responsável: BR1.1 - BIREME


  3 / 111 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: biblio-998483
Autor: Silva, Clévia da; Oliveira, Natália Cristina de; Alfieri, Fábio Marcon.
Título: Mobilidade funcional, força, medo de cair, estilo e qualidade de vida em idosos praticantes de caminhada / Functional mobility, strength, fear of falling, lifestyle and quality of life in elderly practitioners of walking
Fonte: Acta fisiátrica;25(1):22-26, mar. 2018.
Idioma: en; pt.
Resumo: O processo de envelhecimento envolve modificações no desempenho locomotor que podem predispor os idosos a quedas e alterações na qualidade de vida. Objetivo: Comparar o medo de cair, mobilidade funcional, força de membros inferiores, estilo e qualidade de vida em idosos sedentários e praticantes caminhada. Método: Trata-se de estudo transversal observacional do qual participaram 51 idosos, 25 praticantes de caminhada (GCam) e 26 sedentários (GSed), submetidos à avaliação de mobilidade funcional (Timed Up and Go - TUG), da força de membros inferiores (teste senta-levanta), medo de cair (Escala Internacional de Eficácia de Quedas - FES-I), estilo de vida (questionário FANTASTICO) e Qualidade de vida (SF-36). Resultados: Não houve diferença entre os grupos em relação às médias de idade, distribuição de gênero e índice de massa corporal. Os participantes do GCam apresentaram mobilidade funcional significantemente melhor (9,45±2,68 vs. 14,97±6,55 segundos; p=0,001) que os do GSed, e menos medo de cair (23,16±5,33 vs. 29,04±10,22; p=0,01). O estilo de vida também foi superior entre os praticantes de caminhada (79,84±5,52 vs. 67,19±10,35; (p=0,0001). Em relação à qualidade de vida, o GCam apresentou escores maiores nos domínios capacidade funcional (p=0,013), limitações por aspecto físico (p=0,17) e limitações por aspectos emocionais (p=0,05). Já no domínio dor, o GCam apresentou pior resultado (p=0,05) em relação ao GSed. Conclusão: Idosos praticantes regulares de caminhada possuem melhor resultados em relação à mobilidade funcional, habilidade de levantar e sentar, menos medo de cair, melhor estilo de vida e alguns domínios da qualidade de vida do que idosos sedentários.

The aging process involves changes in locomotor performance and may predispose the elderly to falls and changes in quality of life. Objective: Compare the fear of falling, functional mobility, lower limbs strength, lifestyle and quality of life in sedentary elderly and walking practitioners. Method: It is an observational cross-sectional study involving 51 elderly persons, 25 regular walkers (RW) and 26 sedentary (ST) participants. Participants were evaluated for functional mobility (Timed Up and Go - TUG), lower limb strength (stand and sit test), fear of falling (Falls Efficacy Scale ­ International - FES-I), lifestyle (FANTASTICO questionnaire) and quality of life (SF-36). Results: There were no differences between both groups regarding mean age, gender distribution and body mass index. Participants from RW displayed significantly better functional mobility (9.45±2.68 vs. 14.97±6.55 seconds, p=0.001) than those from ST, as well as less fear of falling (23.16±5.33 vs. 29.04±10.22, p=0.01). Lifestyle was also higher among walking practitioners (79.84±5.52 vs. 67.19±10.35, p=0.0001). Regarding quality of life, RW presented higher scores in functional capacity (p=0.013), functional limitations (p=0.17), and limitations due to emotional aspects (p=0.05) when compared to the ones in SG. Conclusion: Elderly who practice regular walking have better results regarding functional mobility, ability stand and sit down, less fear of falling, better lifestyle and better quality of life in some domains when compared to sedentary elderly subjects.
Descritores: Qualidade de Vida
Aptidão Física/fisiologia
Caminhada
Limitação da Mobilidade
Estilo de Vida Sedentário
Estilo de Vida Saudável
-Estudos Transversais
Estudo Observacional
Limites: Seres Humanos
Meia-Idade
Idoso
Idoso de 80 Anos ou mais
Tipo de Publ: Estudo Comparativo
Responsável: BR1.1 - BIREME


  4 / 111 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: biblio-998481
Autor: Silva, Liliane Pereira da; Lins, Carla Cabral dos Santos Accioly; Silva, Letícia do Nascimento; Silva, Kássia Maria Clemente da; Monteiro, Douglas; Silva, Tais Arcanjo Maropo da; Coriolano, Maria das Graças Wanderley de Sales; Lins, Otávio Gomes.
Título: Medo de quedas como fator comportamental determinante para redução da mobilidade funcional e risco de quedas na doença de Parkinson / Fear of falls as a determinant behavioral factor to reduce functional mobility in Parkinson's disease
Fonte: Acta fisiátrica;25(1):19-21, mar. 2018.
Idioma: en; pt.
Resumo: Objetivo: Verificar a repercussão do medo de cair sobre a mobilidade funcional e risco de quedas de pessoas com Doença de Parkinson. Método: Trata-se de um estudo transversal onde foram incluídas pessoas de ambos os sexos, com diagnóstico clínico de DP idiopática nos estágios 1 a 3 da escala original de Hoehn e Yahr e cadastradas no Programa Pró-Parkinson do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco. Foram excluídos pacientes que apresentassem outras doenças neurológicas, doenças sistêmicas descompensadas, alterações musculoesqueléticas, rebaixamento do nível cognitivo avaliado por meio do Mini Exame do Estado Mental e com depressão de moderada a grave avaliada pelo inventário de depressão de Beck. Os instrumentos de desfecho utilizados foram o questionário de histórico de quedas e o Timed Up and Go. Para verificar a normalidade da amostra foi utilizado o teste Shapiro-Wilk e para verificar a diferença entre os grupos foi utilizado Teste T para amostras independentes, considerando P<0.05. Resultados: Amostra foi composta por 18 pacientes, 11 pacientes (61%) relataram medo de cair com ou sem histórico de quedas no último ano. Aumento significativo no tempo para realização do TUG foi observado no grupo com medo de cair em relação ao grupo sem medo de cair (P=0.012). Conclusão: O medo de cair é um fator comportamental que apresenta repercussões negativas na mobilidade funcional e risco de quedas do indivíduo com doença de Parkinson, sendo necessário considerar esse fator na elaboração dos protocolos de tratamento do paciente.

Objective: To verify the repercussion of the fear of falling on the functional mobility and the actual risk of falls of people with Parkinson's Disease (PD). Method: This was a cross-sectional study in which individuals of both sexes with clinical diagnosis of idiopathic PD, at stages 1 to 3 of the original Hoehn and Yahr scale and enrolled in the Pró-Parkinson Program of the Hospital das Clinics of the Federal University of Pernambuco were included. Patients with other neurological diseases, untreated systemic diseases, musculoskeletal disorders, cognitive impairment measured by the Mini Mental State Examination and with moderate to severe depression measured by the Beck depression inventory were excluded. Normality of the sample was tested with the Shapiro-Wilk test and the difference between both groups was assessed with the T-test for independent samples, considering P <0.05. Results: The sample was consisted of 18 patients, 11 patients (61%) reported fear of falling with or without a history of falls in the previous year. Significant increase in TUG time was observed in the group with fear of falling in relation to the group without fear of falling (P = 0.012). Conclusion: The fear of falling seems to be a behavioral factor that has negative repercussions on the functional mobility and the actual risk of falls of patients with Parkinson's disease, therefore health providers must consider this factor when designing treatment protocols for these patients.
Descritores: Doença de Parkinson/fisiopatologia
Acidentes por Quedas
Limitação da Mobilidade
Medo
-Estudos Transversais
Limites: Seres Humanos
Responsável: BR1.1 - BIREME


  5 / 111 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: biblio-859521
Autor: Souza, Aletéia de Paula; Martins, Fernanda Maria; Carneiro, Marcelo Augusto da Silva; Nunes, Paulo Ricardo Prado; Oliveira, Erick Prado; Orsatti, Fábio Lera.
Título: Muscle strength to body weight ratio is a better predictor of low physical function than absolute muscle strength in postmenopausal women / A força muscular corrigida pela massa corporal é um preditor melhor da baixa função física do que a força muscular absoluta em mulheres na pós-menopausa
Fonte: Acta fisiátrica;23(4):213-218, dez. 2016. ilus.
Idioma: en.
Resumo: Objective: We investigated the predictive contributions and diagnostic accuracy of muscle strength (MS) and muscle strength to body weight ratio (MS/BW) on physical function in postmenopausal women (PW). Methods: This cross-sectional study evaluated forty-nine sedentary PW (61.7 ± 7.9 years). Body weight and height were measured with a digital scale and a stadiometer respectively. Muscle strength was determined by manual dynamometer and the left and right hand values were summed. Physical function was assessed by the six-minute walk test, short physical performance battery (SPPB) and Quality of Life Questionnaire (SF-36). A composite measure of physical function was calculated by summing the Z scores (x-µ/σ) of each individual assessment to provide a global index of physical function. Results: Muscle strength-specific linear regression analyses indicated that the strongest predictor of physical function was MS/BW [Beta of Z score = 0.91±0.07 (SE)] when compared to MS [Beta of Z score = 0.59±0.13 (SE)]. The ROC curve values indicated that the more accurate measure of physical function (P = 0.026) was MS/BW [AUC = 0.91±0.04 (SE)] when compared to MS [AUC = 0.75±0.08 (SE)]. Conclusion: The findings of this study suggest that MS/ BW is more accurate and predictive measure of low physical function than absolute MS in PW
Descritores: Envelhecimento/fisiologia
Pós-Menopausa
Limitação da Mobilidade
Força Muscular/fisiologia
-Estudos Transversais
Dinamômetro de Força Muscular
Limites: Seres Humanos
Feminino
Responsável: BR1.1 - BIREME


  6 / 111 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: biblio-982103
Autor: Tavares, Graziela Morgana Silva; Pires, Maurício Santa; Schopf, Pâmela Pissolato; Manfredini, Vanusa; Piccoli, Jacqueline da Costa Escobar; Gottlieb, Maria Gabriela Valle.
Título: Associação entre depressão, medo de cair e mobilidade em idosos residentes em uma comunidade / Association between depression, fear of falling and mobility of elderly residents in the community
Fonte: Rev. Kairós;18(4):233-246, dez. 2015. tab.
Idioma: pt.
Resumo: A queda bem como a depressão são causas importantes para a perda de autonomia e independência funcional de indivíduos idosos. O presente estudo teve como objetivo verificar a associação entre depressão, ansiedade, medo de cair de e mobilidade de idosos residentes em uma comunidade. Foram coletados dados de identificação, antropométricos, ansiedade (autorrelatada), medo de cair (autorrelatado) e pela escala de eficácia de quedas (FES-I), depressão (GDS 15) e histórico de quedas do último ano (HQA). A mobilidade foi avaliada através do Timed Up and Go test (TUG). A amostra foi composta por 50 idosos com idade média de 74,5 (±6,7 anos). Os resultados mostraram que 32 (64%) indivíduos possuíam medo de cair e 21 (42%) relataram ter sofrido queda no último ano. Também foi evidenciada diferença estatisticamente significante nas variáveis de FES-I com o HQA (ρ= 0,05) e depressão com TUG (ρ= 0,001). A regressão binária logística mostrou que a depressão está associada com o pior desempenho no TUG teste (p<0,003). O presente estudo identificou alta prevalência do medo de cair nos idosos e associação significativa entre FES-I e HQA dos idosos. Além disso, foi encontrada associação entre TUG teste e depressão.

The fall and depression are major causes for the loss of autonomy and functional independence of older people. This study aimed to verify the association between depression, anxiety, fear of falling and mobility of elderly residents in the community. Data were collected for identification, anthropometric, anxiety (selfreported), fear of falling (self-reported) and falls efficacy scale (FES-I), depression (GDS 15) and last year falls history (HQA). Mobility was assessed using the Timed Up and Go test (TUG). The sample consisted of 50 individuals with a mean age of 74.5(± 6.7 years).The results showed that 32 (64%) individuals had fear of falling and 21 (42%) reported having been dropped in the last year. It was also statistically significant differences in the FES-I variables with HQA (ρ = 0.05) and depression with TUG (ρ = 0.001). The regression binary logistic analysis showed that depression is associated with poorer performance in TUG test (p <0.003). This study identified a high prevalence of fear of falling in the elderly and a significant correlation between FES-I and HQA the elderly. Furthermore, an association was found between TUG test and depression.
Descritores: Ansiedade
Acidentes por Quedas
Idoso
Autonomia Pessoal
Depressão
Limitação da Mobilidade
Limites: Seres Humanos
Idoso
Responsável: BR195.3 - Biblioteca Nadir Gouvêa Kfouri


  7 / 111 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: biblio-1012631
Autor: Chindamo, Maria Chiara; Marques, Marcos Arêas.
Título: Papel da deambulação na prevenção do tromboembolismo venoso em pacientes clínicos: onde estamos? / Role of ambulation to prevent venous thromboembolism in medical patients: where do we stand?
Fonte: J. vasc. bras;18:e20180107, 2019. tab.
Idioma: pt.
Resumo: O tromboembolismo venoso (TEV), que compreende o espectro de manifestações de trombose venosa profunda e/ou embolia pulmonar, é uma complicação comum, grave e evitável em pacientes hospitalizados. Embora a perda da mobilidade recente ou continuada represente um dos principais fatores de risco relacionados ao desenvolvimento de TEV, não existem critérios claros e uniformes para a definição do conceito de imobilidade. A diversidade dessas descrições dificulta a interpretação e a comparação dos resultados de estudos clínicos randomizados no que se refere à influência dos diferentes níveis de imobilidade na magnitude do risco de TEV e ao papel da deambulação precoce, de forma isolada, na prevenção de tais eventos. O entendimento dessas limitações é mandatório para a utilização e interpretação adequadas das ferramentas de avaliação de risco de TEV, e para a indicação da melhor estratégia de prevenção de trombose em pacientes clínicos hospitalizados. O objetivo deste estudo é revisar as principais evidências da literatura quanto ao papel da deambulação na prevenção do TEV

Venous thromboembolism (VTE) encompasses the spectrum of manifestations of deep venous thrombosis and/or pulmonary embolism and is a common, serious, and preventable complication in hospitalized patients. Although immobility plays an important role in determining VTE risk in medical patients, no clear and uniform criteria exist to guide clinicians in assessing immobility. The variation in the descriptions that do exist makes it difficult to interpret and compare the results of randomized clinical trials with respect to the influence of different levels of immobility on the magnitude of VTE risk and the role that early ambulation as an isolated factor plays in prevention of such events. Understanding these limitations is a prerequisite for the proper use and interpretation of VTE risk assessment tools and for indicating the best strategy for preventing venous thrombosis in hospitalized medical patients. The objective of this study was to review the main evidence reported in the literature on the role of ambulation in prevention of VTE
Descritores: Pacientes
Caminhada
Tromboembolia Venosa/prevenção & controle
-Embolia Pulmonar/terapia
Terapia Trombolítica/métodos
Doença Aguda/terapia
Fatores de Risco
Trombose Venosa/complicações
Trombose Venosa/diagnóstico
Limitação da Mobilidade
Segurança do Paciente
Limites: Seres Humanos
Masculino
Feminino
Adulto
Tipo de Publ: Revisão
Responsável: BR44.1 - Serviço de Biblioteca, Documentação Científica e Didática Prof. Dr. Luiz Venere Décourt


  8 / 111 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: lil-737208
Autor: Gomes, Caio Ribeiro Azevedo; Araújo, Isolda Ferreira; Simone Carazzato, Maciel.
Título: Avaliação da função motora grossa pela GMFM pré e pós cirurgia ortopédica de membros inferiores em pacientes com paralisia cerebral / Evaluating gross motor function of cerebral palsy patients using the GMFM pre and post lower extremity orthopedic surgery
Fonte: Acta fisiátrica;21(1), mar. 2014.
Idioma: pt.
Resumo: Em pacientes com paralisia cerebral (PC) deambuladores, a cirurgia ortopédica é bastante utilizada para melhora do padrão de marcha. Conforme aumenta o acometimento motor, os objetivos podem mudar, contudo, uma melhora na mobilidade é importante e pode ser conseguida através de procedimentos cirúrgicos. A Gross Motor Function Measure (GMFM) é uma escala quantitativa da função motora grossa, utilizada para diversos fins, como controle da evolução terapêutica, progressosna reabilitação e, em nosso serviço, avaliação de cirurgias ortopédicas. Objetivo: A avaliação padronizada e sistematizada dessas cirurgias, comparando a GMFM pré e pós procedimento. Método: Incluímos no estudo aqueles pacientes que apresentam uma maior limitação da mobilidade e com potencial para melhorar sua movimentação (níveis III e IV da Gross Motor Function Classification System), operados entre janeiro de 2010 e dezembro de 2012 obtendo 36 pacientes. Resultados: Notamos que não houve diferença estatisticamente significante entre os momentosda GMFM, a não ser, no domínio C (engatinhar e ajoelhar), no qual notamos uma queda da pontuação. A idade dos pacientes, o tempo de aferição entre as medidas, a natureza da cirurgia e, principalmente, o método de avaliação, que em nosso caso, foi a GMFM, foram citados na literatura como dificuldades em se quantificar objetivamente o resultado obtido pelas cirurgias ortopédicas de membros inferiores em pacientes com PC. Conclusão: Uma avaliação de um número maior de pacientes, talvez com um instrumento diferente do utilizado em nosso trabalho, se faz necessária para uma melhor percepção do real efeito da cirurgia ortopédica de membros inferiores em pacientes com PC.

Orthopedic surgery is often used to improve the gait of ambulatory patients with cerebral palsy. The objectives may change, given the motor severity-however, an improvement in the patient?s mobility can be achieved through surgical procedures of the lower extremity. The Gross Motor FunctionMeasure (GMFM) is a measure of gross motor function, used to evaluate therapeutic choices, rehabilitation progress and, in our institution, to evaluate orthopedic surgeries. Objective: The main goal of this study was to evaluate orthopedic surgeries performed on children with cerebralpalsy through the comparison of the GMFM score pre and post procedure. Method: We included patients in this study that were greatly limited in functional mobility, but who had the potential to improve (Levels III and IV of the Gross Motor Function Classification System), and who hadundergone surgical procedures between January 2010 and December 2012, achieving a total of 36 subjects. Results: There was no statistically significant change between the measures, except for the C domain (crawling and kneeling), which presented a lower post-surgical procedure score. Age, time of follow up, the nature of the surgery, and, most of all the instrument used, which in our case was the GMFM, were all indicated as possible difficulties in objectively measuring the results of lower extremity surgery in children with cerebral palsy. Conclusion: A larger sample of subjects evaluated with a more suitable instrument is still necessary to reveal the real effects of orthopedic surgery on lower extremities of patients with cerebral palsy
Descritores: Paralisia Cerebral/fisiopatologia
Extremidade Inferior/cirurgia
Atividade Motora
-Pesos e Medidas/instrumentação
Limitação da Mobilidade
Limites: Seres Humanos
Tipo de Publ: Estudos de Avaliação
Responsável: BR1.1 - BIREME


  9 / 111 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: lil-771300
Autor: Zanelato, Natali; Rosanova, Giselle Cristina Lopes; Santucci, Fernanda; Campos, Debora da Silva Fragoso; Narumia, Lisa Carla; Ozu, Márcia Harumi Uema.
Título: Associação dos níveis de GMFCS com grau de escolaridade, tipo de marcha, empregabilidade e dor em adultos com paralisia cerebral / The association of GMFCS levels with education, type of motion, pain, and employability in adults with cerebral palsy
Fonte: Acta fisiátrica;21(4), dez. 2014.
Idioma: pt.
Resumo: Adultos com paralisia cerebral (PC) apresentam um envelhecimento precoce associado aodeclínio da função. E apesar da melhoria na assistência a saúde, estudos mostram que estesindivíduos possuem menos oportunidades de possuir algum grau de escolaridade e emprego.Além de apresentarem queixas com relação a dor e alteração quanto sua capacidade de marcha.Objetivo: Verificar a associação dos níveis de GMFCS para os parâmetros: empregabilidade, graude escolaridade, nível de marcha e queixa de dor em adultos com PC. Método: Foram selecionados 671 prontuários para análise de correlação entre as variáveis citadas acima. Resultado: Foi observado que aqueles com níveis mais acometidos da PC possuem menos chance de terem algum nível de escolaridade e emprego, além de apresentarem pior nível de marcha. Conclusão: Não foi encontrada correlação entre os níveis de GMFCS para o item dor.

Adults with cerebral palsy (CP) have experienced premature aging associated with functiondecline. And despite improvements in health care, studies show that these individuals havefewer opportunities to have some kind of education and employment, in addition to presentingcomplaints of pain and alterations in their ability to walk. Objective: The aim of this study was tocheck the association of GMFCS levels with the parameters of employability, education, level ofambulation, and pain in adults with CP. Method: 671 medical records were selected to analyzethe correlations among the variables mentioned above. Result: It was noticed that those withthe more severe levels of CP have fewer chances to get any level of education and employment,in addition to presenting a worse gait. Conclusion: No association was found between levels ofGMFCS and the parameter for pain.
Descritores: Dor
Paralisia Cerebral/fisiopatologia
Escolaridade
Emprego
Limitação da Mobilidade
-Estudos Transversais
Coleta de Dados/instrumentação
Limites: Seres Humanos
Responsável: BR1.1 - BIREME


  10 / 111 LILACS  
              first record previous record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Battistella, Linamara Rizzo
Texto completo
Id: lil-771307
Autor: Daniel, Christiane Riedi; Battistella, Linamara Rizzo.
Título: Uso do teste de caminhada de seis minutos para avaliar a capacidade de deambulação em pacientes com acidentevascular cerebral / Using the six minute walk test to evaluate walking capacity in patients with stroke
Fonte: Acta fisiátrica;21(4), dez. 2014.
Idioma: en.
Resumo: O teste de caminhada de 6 minutos (TC6) mede a distância máxima que uma pessoa podecaminhar em 6 minutos. O teste está ganhando popularidade porque avalia a capacidade doestado funcional dos pacientes com diferentes patologias e é considerando simples, seguro,válido, barato e não invasivo. Objetivo: O objetivo desta revisão foi investigar a aplicabilidade doteste de caminhada de seis minutos em sobreviventes de AVC. Método: A pesquisa bibliográficafoi realizada na base de dados MedLine (PubMed) de 1 de Janeiro de 2000 a Abril, 16 2013Os termos de pesquisa utilizados foram AVC (acidente vascular cerebral e/ou hemiplegia) ecaminhada (limitação da mobilidade). O primeiro autor revisou os títulos e/ou resumos deartigos encontrados e determinou relevância para a revisão. Cópias de texto completo de artigosrelevantes foram obtidas. Após a leitura foram selecionados os artigos mais relevantes. Apenasartigos escritos em Inglês foram incluídos nesta revisão. Resultados: Os 31 estudos incluídosforam divididos em 9 estudos de ensaio clinico randomizado, 2 estudos caso-controle, 5 estudosprospectivos e 15 estudos transversais e envolveu 1.824 pacientes sobreviventes de AVC, 146controles saudáveis e 38 pacientes com Esclerose Múltipla. Conclusão: O TC6 é útil para avaliar acapacidade de funcional em pacientes com acidente vascular cerebral, no entanto deve ser usadoem conjunto outras ferramentas de avaliação para determinar o perfil geral desses pacientes. Maisestudos são necessários para verificar os fatores que influenciam o resultado do teste e a formade complementá-lo.

The 6-minute walk test (6MWT) measures the maximum distance that a person can walk in 6minutes. The test is gaining popularity because it assesses the functional capacity of differentpatients and is considered a simple, safe, valid, inexpensive, and noninvasive cardiopulmonarytest. Objective: The aim of this review was to investigate the applicability of the six-minute walktest in stroke survivors. Method: A literature search of MedLine (PubMed) databases datingfrom January 1, 2000 to April 16, 2013 was performed. The search terms used were stroke (orcerebrovascular accident or hemiplegia) and walking (mobility limitation). Author number onereviewed the titles and/or abstracts of displayed articles and determined their relevance to thisreview. Full text copies of relevant articles were obtained. Reference lists were screened foridentification of other relevant articles. Only articles written in English were included in this review.Results: The 31 included studies were divided into 9 randomized controlled trials, 2 case-controlstudies, 5 prospective studies, and 15 cross-sectional studies and involved 1,824 surviving strokepatients, 146 healthy controls, and 38 Multiple Sclerosis patients. Conclusion: The 6MWT is usefulin evaluating de functional capacity of patients with stroke, however, it should be used alongwith other assessment tools to determine the general profile of these patients. More studies arenecessary to verify the factors that influence the test results and as a way to supplement them.
Descritores: Acidente Vascular Cerebral/fisiopatologia
Limitação da Mobilidade
Teste de Caminhada
Hemiplegia/etiologia
Limites: Seres Humanos
Tipo de Publ: Revisão
Responsável: BR1.1 - BIREME



página 1 de 12 ir para página                         
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde