Base de dados : LILACS
Pesquisa : C25.723.756 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 250 [refinar]
Mostrando: 1 .. 10   no formato [Detalhado]

página 1 de 25 ir para página                         

  1 / 250 LILACS  
              next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-1135641
Autor: Brandolt, Inácio M. C; Maurique, Ana Paula; Damboriarena, Pedro A; Trost, Maria Elisa; Pozzobon, Ricardo; Anjos, Bruno L.
Título: Gastric disorders of cattle in western Rio Grande do Sul State, Brazil / Distúrbios gástricos de bovinos no Oeste do Rio Grande do Sul
Fonte: Pesqui. vet. bras = Braz. j. vet. res;40(6):417-425, June 2020. tab, ilus.
Idioma: en.
Resumo: A retrospective study of gastric disorders in autopsied cattle in the Western region of Rio Grande do Sul State, was performed. The exam reports of bovine necropsy of the Veterinary Pathology Laboratory, Unipampa, were analyzed in the period from 2010 to 2018. All cases in which death was primarily caused by disturbance in the gastric chambers were included. During the period evaluated, 141 cattle were necropsied. Of those, 25 had gastric disorders. Of those, 53% had alterations in the rumen, followed by abomasum (17%), involvement of two chambers (13%) and reticulum (9%). Most cases corresponded to beef cattle raised in an extensive system and most them for calf production and fattening with an average age of approximately three years. The cases occurred in farms of four different municipalities. Bullous bloat by excessive Trifolium repens ingestion was the gastric disturbance with the highest number of dead cattle observed in this study, especially in irrigated áreas of livestock farms. Cases such as lactic acidosis, ruminal alkalosis due to excessive urea ingestion and Baccharis coridifolia poisoning were also important gastric disturbances in necropsied cattle, associated especially with poor management and period of scarcity of good quality fodder. Cases of Clostridium perfringens infection were also observed in young cattle suggesting that it is an important infectious agent in the evaluated cattle herds, also showing failures in vaccination of the herds. As observed, gastric disturbances in cattle in the western region of Rio Grande do Sul have several causes. Metabolic/toxic and infectious disturbances were important causes of mortality in the herds, inducing considerable economic losses. Based on this study, it is clear that the majority of outbreaks or isolated cases occurred due to errors in the management of the properties and the vast majority of them could have been avoided with improvements in the technical qualification of the workers and simple adjustments in the farming methods. It is also emphasized the importance of the conclusive diagnosis to control these disorders, once after the orientation to the producers, was observed significant decrease in cattle losses in the farms.(AU)

Foi realizado estudo retrospectivo dos distúrbios gástricos em bovinos necropsiados na região Oeste do Rio Grande do Sul. Foram analisados os relatórios de exame de necropsia de bovinos do Laboratório de Patologia Veterinária (LPV) da Universidade Federal do Pampa (Unipampa), Rio Grande do Sul, no período de 2010 a 2018. Foram incluídos todos os casos nos quais a morte foi causada primariamente pelo distúrbio nas câmaras gástricas. De um total de 141 bovinos necropsiados, 25 corresponderam a distúrbios gástricos. Dentre esses, 53% apresentaram alterações no rúmen, seguido de abomaso 17%, acometimento concomitante de duas câmaras 13% e retículo 9%. A maioria dos casos ocorreram em bovinos de corte criados em sistema extensivo e a maioria destinados à produção de bezerros e engorda com média de idade de aproximadamente três anos. Os casos ocorreram em propriedades rurais de quatro municípios da região Oeste do estado. O timpanismo bolhoso por ingestão excessiva de Trifolium repens foi o distúrbio gástrico com maior número de bovinos mortos observados nesse estudo, especialmente em propriedades com criação de animais em áreas de irrigação. Casos como acidose láctica, alcalose ruminal por intoxicação por ureia e intoxicação por Baccharis coridifolia também foram importantes distúrbios gástricos nos bovinos necropsiados e percebeu-se sua associação a falhas no manejo e à época de escassez de forragem de boa qualidade. Foram observados ainda casos de infecção por Clostridium perfringens em bovinos jovens o que sugere também tratar-se de um importante agente infeccioso nos rebanhos bovinos avaliados, demonstrando ainda falhas na vacinação dos rebanhos. Conforme observado, diversos são os distúrbios gástricos em bovinos na região Oeste do Rio Grande do Sul, tendo como importantes causas de mortalidades os distúrbios metabólicos/tóxicos e infecciosos, induzindo consideráveis perdas econômicas. Com base nesse levantamento, percebe-se que a maioria dos surtos ou casos isolados estudados ocorreram por erros no manejo nas propriedades e, na sua grande maioria, poderiam ter sido evitados com especialização da mão de obra e ajustes simples. Ressalta-se ainda a importância do diagnóstico conclusivo para controle desses distúrbios, uma vez que, após a orientação aos produtores, observou-se significativa diminuição das perdas de bovinos nas propriedades.(AU)
Descritores: Doenças dos Bovinos
Gastroenteropatias/etiologia
Gastroenteropatias/patologia
Gastroenteropatias/veterinária
Gastroenteropatias/epidemiologia
-Intoxicação por Plantas/veterinária
Infecções por Clostridium/veterinária
Dieta/veterinária
Limites: Animais
Bovinos
Responsável: BR68.1 - Biblioteca Virginie Buff D'Ápice


  2 / 250 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-1135645
Autor: Graça, Flávio A. S; dAvila, Mariana S; França, Ticiana N; Armién, Aníbal G; Rolim, Marcia F; Caldas, Saulo A; Santos, André M; Miranda, Ileana C; Peixoto, Paulo V.
Título: Tremorgenic syndrome caused by Ipomoea pes caprae in cattle / Síndrome tremorgênica causada pela ingestão de Ipomoea pes caprae em bovinos
Fonte: Pesqui. vet. bras = Braz. j. vet. res;40(6):443-450, June 2020. ilus.
Idioma: en.
Projeto: FAPERJ.
Resumo: Poisonous plants are a significant cause of death among adult cattle in Brazil. Plants that affect the central nervous system are widely spread throughout the Brazilian territory and comprise over 30 toxic species, including the genus Ipomoea, commonly associated with a lysosomal storage disease and a tremorgenic syndrome in livestock. We describe natural and experimental Ipomoea pes caprae poisoning in cattle from a herd in the Northside of Rio de Janeiro, Brazil. Affected cattle presented episodes of severe ataxia, abnormal posture followed by falling, muscular tremor, contraction, and spasticity, more prominent in the limbs, intensified by movement and forthcoming, and recumbence. Grossly, a substantial amount of leaves and petioles were found in the rumen. Histopathological examination showed degenerative neuronal changes, mostly in cerebellar Purkinje cells, which were confirmed with Bielschowsky silver. The characteristic clinical changes and mild histological lesion strongly suggested a tremorgenic syndrome. Lectin- immunohistochemistry evaluation reinforced this hypothesis; all lectins tested failed to react with affect neurons and Purkinje cells, which ruled out an underlying lysosomal storage disease. One calf given I. pes caprae leaves experimentally developed clinical signs similar to natural cases. On the 28th day of the experiment, the plant administration was suspended, and the calf recovered within four days. I. pes caprae's spontaneous tremorgenic syndrome in cattle is conditioned to exclusive feeding for several months. We were able to experimentally reproduce toxic clinical signs 12 days following the ingestion.(AU)

A intoxicação por plantas tóxicas está entre as três causas de morte mais importantes em bovinos adultos no Brasil. O grupo das plantas que causam alterações neurológicas, muito bem representada no país, encerra mais de trinta espécies tóxicas, entre as quais do gênero Ipomoea, amplamente distribuídas no território brasileiro. As plantas tóxicas desse gênero podem causar doenças do armazenamento ou síndrome tremorgênica. Descrevem-se a intoxicação natural e reprodução experimental por Ipomoea pes caprae em bovinos, verificada no norte do Estado do Rio de Janeiro. Foram observados episódios de intensa ataxia locomotora, postura anormal seguida de queda, incapacidade de levantar-se, tremores, contrações, espasticidades musculares nos membros, intensificados após estimulação ou a simples aproximação e decúbito. Nos bovinos afetados há mais de 6 meses, os sinais clínicos tornavam-se permanentes. À necropsia havia apenas significativa quantidade de folhas e pecíolos da planta no rúmen. O estudo histopatológico evidenciou lesões neuronais degenerativas principalmente nos neurônios de Purkinje. A impregnação argêntica pela técnica de Bielschowsky ratificou esses achados microscópicos. As lesões histológicas sutis associadas ao quadro clínico indicam que trata-se de intoxicação tremorgênica. O fato de não haver nenhum armazenamento intracitoplasmático, confirmado pelo resultado do estudo lectino-histoquímico (não houve afinidade das lectinas Con-A, WGA e sWGA e de outras lectinas empregadas aos neurônios de Purkinje e outros neurônios afetados), é suficiente para descartar a possibilidade de tratar-se de doença do armazenamento. No bezerro intoxicado experimentalmente verificaram-se sinais clínicos semelhantes, entretanto, com a interrupção do fornecimento da planta no 28º dia, os sinais clínicos desapareceram após quatro dias. I. pes caprae causa síndrome tremorgênica espontânea em bovinos, quando ingerida como alimentação exclusiva durante períodos prolongados (muitos meses). Experimentalmente, os primeiros sinais clínicos da intoxicação foram reproduzidos após 12 dias de ingestão da planta.(AU)
Descritores: Intoxicação por Plantas/veterinária
Intoxicação por Plantas/epidemiologia
Doenças dos Bovinos
Síndromes Neurotóxicas/etiologia
Síndromes Neurotóxicas/patologia
Ipomoea/envenenamento
-Tremor/etiologia
Tremor/veterinária
Síndromes Neurotóxicas/veterinária
Limites: Animais
Bovinos
Responsável: BR68.1 - Biblioteca Virginie Buff D'Ápice


  3 / 250 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-1135651
Autor: Santos, Igor R; Lima, Janaína C; Oliveira, Fábio H; Ferreira, Hugo H; Ramos, Marcus V. V; Santos, Adriana S.
Título: Spontaneous poisoning by Stryphnodendron rotundifolium var. villosum in cattle / Intoxicação espontânea por Stryphnodendron rotundifolium var. villosum em bovinos
Fonte: Pesqui. vet. bras = Braz. j. vet. res;40(6):438-442, June 2020. ilus.
Idioma: en.
Resumo: This is a report on an outbreak of cattle poisoning by Stryphnodendron rotundifolium var. villosum (Benth.) Scalon in the state of Goiás in Brazil. In a herd of 80 cattle that consumed the mature fruit of this plant that was present in their pasture, 12 animals fell ill and died. The clinical signs that they presented were apathy, progressive weight loss, reeling, bristling, and dry stools containing seeds. The main necropsy findings were jaundice, an increased lobular pattern and orange coloration in their liver, enlarged kidneys with yellowish medullae, and pre-stomachs containing fruit peels and seeds. A histopathological examination revealed vacuolar degeneration and necrosis in the liver and kidneys and vacuolar degeneration in the rumen, omasum, reticulum, and intestine. The diagnosis of poisoning by S. rotundifolium var. villosum was based on epidemiological data, clinical findings, and pathological changes. Our results can aid in the differentiation between poisoning by S. rotundifolium var. villosum and poisoning by other toxic plants that are of interest to lifestock.(AU)

Relata-se um surto de intoxicação em bovinos por Stryphnodendron rotundifolium var. villosum (Benth.) Scalon no estado de Goiás, Brasil. De um rebanho composto por 80 bovinos, os quais consumiram frutos maduros da planta presente na pastagem, 12 animais adoeceram e morreram. Os sinais clínicos apresentados foram apatia, emagrecimento progressivo, andar cambaleante, pelo eriçado e fezes secas contendo sementes. Os principais achados de necropsia foram icterícia, fígado com padrão lobular e coloração alaranjada, rins aumentados e com amarelamento da medular e pré-estômagos com presença de cascas e sementes do fruto. Ao exame histopatológico, notou-se degeneração vacuolar e necrose no fígado e rins e degeneração vacuolar no rúmen, omaso, retículo e intestino. O diagnóstico da intoxicação por S. rotundifolium var. villosum baseou-se nos dados epidemiológicos, nos achados clínicos e nas alterações patológicas. Nossos resultados podem auxiliar na diferenciação entre a intoxicação por S. rotundifolium var. villosum e a intoxicação por outras plantas tóxicas de interesse pecuário.(AU)
Descritores: Intoxicação por Plantas/patologia
Intoxicação por Plantas/veterinária
Intoxicação por Plantas/epidemiologia
Fabaceae/envenenamento
-Plantas Tóxicas
Limites: Animais
Bovinos
Responsável: BR68.1 - Biblioteca Virginie Buff D'Ápice


  4 / 250 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-1131472
Autor: Guizelini, C. C; Veiga, R. C. P; Gomes, D. C; Barros, C. S. L; Lemos, R. A. A.
Título: Poisoning by Enterolobium contortisiliquum pods in calves showing photosensitization and digestive lesions / [Lesões digestivas e fotossensibilização em bezerros intoxicados pelas favas de Enterolobium contortisiliquum]
Fonte: Arq. bras. med. vet. zootec. (Online);72(4):1555-1560, July-Aug. 2020. ilus.
Idioma: en.
Projeto: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior; . Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico.
Resumo: Este trabalho descreve um surto de rumenite e abomasite decorrente de sobrecarga de carboidratos em um rebanho de 238 bezerros, com idades entre 12 e 15 meses, causada pela ingestão dos frutos de Enterolobium contortisiliquum. As taxas de morbidade, mortalidade e letalidade foram de, respectivamente, 12,7%, 5,2% e 42,1%. Clinicamente, os bovinos apresentaram fotossensibilização, salivação e diarreia. Os achados de necropsia foram semelhantes nos dois bezerros necropsiados e consistiram de fotodermatite e rumenite ulcerativa multifocal, subaguda a crônica, e abomasite. A relevância deste relato é que, pela primeira vez, foi possível associar a ocorrência da rumenite devido à sobrecarga de carboidratos com a intoxicação espontânea por E. contortisiliquum em bovinos, confirmando achados anteriormente descritos em experimentos realizados com ovinos.(AU)
Descritores: Intoxicação por Plantas/veterinária
Rúmen/patologia
Acidose/veterinária
Abomaso/patologia
-Transtornos de Fotossensibilidade/veterinária
Plantas Tóxicas
Fabaceae/toxicidade
Limites: Animais
Bovinos
Responsável: BR68.1 - Biblioteca Virginie Buff D'Ápice


  5 / 250 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-1131518
Autor: Machado, M; Preliasco, M; Schild, C. O; Costa, R. A; Balserini, A; Giannitti, F; Riet-Correa, F.
Título: Thyroid parafollicular cell hyperplasia and carcinoma in a sheep with enzootic calcinosis due to Nierembergia rivularis poisoning / [Hiperplasia e carcinoma de células parafoliculares da tireóide em ovino com calcinose enzoótica associada a intoxicação por Nierembergia rivularis]
Fonte: Arq. bras. med. vet. zootec. (Online);72(4):1561-1565, July-Aug. 2020. ilus.
Idioma: en.
Projeto: Instituto Nacional de Investigación Agropecuaria.
Resumo: Calcinose enzoótica, causada por Nierembergia rivularis, no Uruguai, e Nierembergia veitchii, no Brasil, é uma doença caracterizada por mineralização de tecidos moles, hiperplasia das células parafoliculares da tireoide e elevação nos níveis de cálcio e fósforo. Descreve-se um caso de hiperplasia e carcinoma de células parafoliculares bilateral em um ovino de quatro anos, com calcinose enzoótica associada à intoxicação por Nierembergia rivularis. O diagnóstico histológico de hiperplasia e carcinoma de células parafoliculares é suportado pelas marcações imuno-histoquímicas positivas para calcitonina, peptídeo relacionado ao gene da calcitonina e enolase neurônio específica. Como a hiperplasia de células parafoliculares é uma lesão pré-neoplásica induzida por hipercalcemia, sugere-se que a hipercalcemia crônica causada pela intoxicação por N. rivularis pode ter induzido hiperplasia de células parafoliculares seguida de transformação em carcinoma, neste caso. Os efeitos carcinogênicos das plantas calcinogênicas no sistema endócrino devem ser melhor explorados.(AU)
Descritores: Intoxicação por Plantas/veterinária
Calcinose/veterinária
Ovinos
Neoplasias da Glândula Tireoide/veterinária
Células Epiteliais da Tireoide/patologia
-Plantas Tóxicas
Limites: Animais
Responsável: BR68.1 - Biblioteca Virginie Buff D'Ápice


  6 / 250 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-1091656
Autor: Silva Filho, Givaldo B; Chaves, Hisadora A. S; Albuquerque, Raquel F; Souza, Paulo E; Vieira, Maria E. Q; Nascimento, Ana L. O; Lima, Stephanie C; Mendonça, Fábio S.
Título: Spontaneous and experimental poisoning by Froelichia humboldtiana in cattle / Intoxicação espontânea e experimental por Froelichia humboldtiana em bovinos
Fonte: Pesqui. vet. bras = Braz. j. vet. res;40(1):1-6, Jan. 2020. ilus.
Idioma: en.
Projeto: FACEPE; . CAPES; . CNPq.
Resumo: The aim of this work was to describe the epidemiological, clinical and pathological aspects of two outbreaks of spontaneous poisoning caused by Froelichia humboldtiana in cattle in Pernambuco, northeastern Brazil and reproduce experimentally this poisoning in cattle. Spontaneous poisonings of primary photosensitization occurred in two farms at the municipalities of Cachoeirinha and São Caetano and affected twenty-two adult bovines and two suckling calves after the rainy season. All bovines have recovered 21 days after they were removed from the pasture. To reproduce experimental poisoning, three cows and a calf were maintained in a pasture with 1ha composed by F. humboldtiana during 14 days. Clinical signs and skin lesions were similar in both spontaneous and experimental poisoning and consisted of cutaneous itching and hyperemia of non-pigmented areas of skin that evolved into edema, exudative dermatitis and extensive areas of skin necrosis. Serum levels of aspartate aminotransferase (AST), gamma glutamyltransferase (GGT), total, direct and indirect bilirubin were normal in all cattle examined. Histologically, lesions consisted of epidermal necrosis, hyperkeratosis with large amounts of degenerate neutrophils and acanthosis. In the dermis, edema and inflammatory infiltrate composed of eosinophils, lymphocytes and plasma cells mainly around the blood vessels were observed. In the experimental group, clinical signs of photosensitization were observed after the third day of F. humboldtiana consumption. The suckling calf displayed mild clinical signs of photodermatitis on the 8th day of the experiment. It was estimated that the average consumption of F. humboldtiana necessary to initiate clinical signs in each adult bovine was 78kg.(AU)

Os objetivos deste trabalho foram descrever os aspectos epidemiológicos, clínicos e patológicos de dois surtos de intoxicação por Froelichia humboldtiana em bovinos em Pernambuco e reproduzir experimentalmente essa intoxicação em bovinos. Intoxicações espontâneas foram observadas após o início do período chuvoso nos municípios de Cachoerinha e São Caetano. Vinte e dois bovinos apresentaram sinais clínicos e lesões cutâneas compatíveis com fotossensibilização primária, dentre os quais, dois bezerros lactentes. Todos os bovinos se recuperaram totalmente cerca de 21 dias após serem retirados da pastagem. Para reproduzir experimentalmente a intoxicação, três vacas, uma delas com bezerro ao pé, foram mantidas em um piquete de 1ha composto por F. humboldtiana por 14 dias consecutivos. O quadro clínico e as lesões tegumentares, tanto nos bovinos intoxicados nos surtos espontâneos, quanto nos bovinos do experimento consistiram em prurido e hiperemia em áreas despigmentadas de pele, que evoluíam para edema, dermatite exsudativa e necrose de áreas extensas de pele. Em todos os bovinos examinados, os níveis séricos de aspartato aminotransferase (AST), gamaglutamiltransferase (GGT), bilirrubina total, direta e indireta estavam normais. Histologicamente, as lesões consistiram em necrose da epiderme, hiperqueratose com grande quantidade de neutrófilos degenerados e acantose. Na derme havia edema e infiltrado inflamatório composto por eosinófilos, linfócitos e plasmócitos principalmente ao redor dos vasos sanguíneos. Nos bovinos do experimento, sinais clínicos de fotossensibilização foram observados após o terceiro dia de consumo de F. humboldtiana. O bezerro lactente apresentou sinais clínicos leves de fotodermatite no 8º dia do experimento. Estimou-se que o consumo médio de matéria seca de F. humboldtiana necessário para iniciar os sinais clínicos em cada bovino adulto foi de 78kg.(AU)
Descritores: Intoxicação por Plantas/veterinária
Dermatite Fotoalérgica/etiologia
Cicer/envenenamento
Cicer/toxicidade
-Dermatite Fotoalérgica/veterinária
Dermatite/etiologia
Dermatite/veterinária
Limites: Animais
Bovinos
Responsável: BR68.1 - Biblioteca Virginie Buff D'Ápice


  7 / 250 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-1056926
Autor: Melo, Gleice K. A; Ítavo, Camila C. B. F; Silva, Jonilson A; Ferelli, Kedma L. S. M; Silva, Pâmila C. G; Pupin, Rayane C; Lemos, Ricardo A. A.
Título: Poisoning by Brachiaria spp. in various lamb breeds at increasing levels of supplementation during growth / Intoxicação por Brachiaria spp. em várias raças de cordeiros com incremento nos níveis de suplementação durante o crescimento
Fonte: Pesqui. vet. bras = Braz. j. vet. res;39(12):978-982, Dec. 2019. tab.
Idioma: en.
Projeto: CAPES; . CNPq.
Resumo: The study evaluate the frequency of poisoning by Brachiaria spp. at the rearing, growth and termination stages in various lamb breeds at increasing supplementation levels. Forty-five lambs were used in the growth phase in pastures of Brachiaria spp. with a history of having induced poisoning. The lambs were distributed in nutritional treatments: lambs receiving mineral supplementation (MS), energy/protein supplementation (EPS) at 0.8% of body weight (bw), EPS at 1.6% bw and EPS at 2.4% bw. The lambs were allotted two flocks (F1 and F2) of 21 and 24 lambs each. Clinical signs of poisoning were observed in all treatments. All MS lambs died. The frequency of poisoning were highest in the 0.8% EPS and 1.6% EPS treatments. All lambs in the 2.4% EPS treatment recovered. F1 lambs had a higher frequency of poisoning than F2 lambs regardless of nutritional treatment. Morbidity rates for the F1 and F2 lambs were 52.3 and 16.7%, respectively. Supplementation was not sufficient to decrease the frequency of poisoning in lambs at the termination stage, which was dependent on the genetic origin of the lambs. EPS of 2.4% bw treatment, was an efficient nutritional strategy to minimize the effects of poisoning in lambs fed on Brachiaria spp.(AU)

O objetivo deste estudo foi avaliar a frequência da intoxicação por Brachiaria spp. nas fases de recria, crescimento e terminação em várias raças de cordeiros em níveis crescentes de suplementação. Quarenta e cinco cordeiros foram utilizados na fase de crescimento em pastagens de Brachiaria spp. com história de intoxicação, distribuídos em diferents tratamentos nutricionais: cordeiros recebendo suplementação mineral (SM), suplementação energética/protéica (SEP) a 0,8% do peso vivo (pv), SEP a 1,6% pv e SEP a 2,4% pv. Vinte e um cordeiros vieram do lote F1 e 24 cordeiros foram do lote F2. Sinais clínicos de intoxicação foram observados em todos os tratamentos. Todos os cordeiros com MS morreram. As frequências de intoxicação foram maiores nos tratamentos com 0,8% e 1,6% de SEP. Todos os cordeiros no tratamento com 2,4% de SEP se recuperaram. Cordeiros F1 apresentaram maior frequência de intoxicação que os cordeiros F2, independentemente do tratamento nutricional. As taxas de morbidade para os cordeiros F1 e F2 foram de 52,3 e 16,7%, respectivamente. A suplementação não foi suficiente para diminuir a freqüência de intoxicação em cordeiros na fase de terminação, dependente da origem genética dos cordeiros. O SEP de 2,4% pv, no entanto, foi eficiente para minimizar os efeitos da intoxicação em cordeiros alimentados com Brachiaria spp.(AU)
Descritores: Intoxicação por Plantas/veterinária
Plantas Tóxicas/toxicidade
Ovinos
Brachiaria/toxicidade
Limites: Animais
Recém-Nascido
Lactente
Responsável: BR68.1 - Biblioteca Virginie Buff D'Ápice


  8 / 250 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-1056927
Autor: Melo, Jaianne K. A; Soares, Gliére S. L; Ramos, Taciana R. R; Almeida, Valdir M; Nascimento, Ana L. O; Silva Filho, Givaldo B; Chaves, Hisadora A. S; Mendonça, Fábio S.
Título: Spontaneous poisoning by Talisia esculenta in cattle / Intoxicação espontânea por Talisia esculenta em bovinos
Fonte: Pesqui. vet. bras = Braz. j. vet. res;39(12):949-953, Dec. 2019. ilus.
Idioma: en.
Projeto: FACEPE; . CAPES; . CNPq.
Resumo: Talisia esculenta, commonly known as pitombeira, is a tree which fruits are widely consumed by human beings in northeastern Brazil. The aim of this work is to describe the epidemiological, clinical and pathological aspects of two outbreaks of spontaneous poisoning by T. esculenta in cattle in the dry region of Pernambuco, northeastern Brazil. The cases occurred in the municipalities of São Bento do Una and Belo Jardim. From a total of 25 adult cattle, eight become sick after ingest T. esculenta leaves and fruits. Four cattle died until 72 hours after the first clinical signs; which consisted in ataxia, reluctance to walk, tottering, head tremors muscle spasms in the limbs, rigidity of the pelvic limbs with wide base stance position, ruminal atony and, when stressed, presented falls and remained in abnormal positions. Two cattle were necropsied; the only significant finding was the presence of partially digested leaves, barks and seeds of T. esculenta in ruminal contents. Microscopically no lesions were observed. There is no specific therapy for poisoning by T. esculenta leaves. Prophylaxis consists in preventing cattle from gaining access to pasture areas containing the plant.(AU)

Talisia esculenta, popularmente conhecida como pitombeira, é uma árvore cujos frutos são amplamente consumidos por seres humanos no nordeste do Brasil. O objetivo deste trabalho é descrever os aspectos epidemiológicos, clínicos e patológicos de dois surtos de intoxicação espontânea por T. esculenta em bovinos no Agreste de Pernambuco, Nordeste do Brasil. Os casos ocorreram nos municípios de São Bento do Una e Belo Jardim De um total de 25 bovinos adultos, oito adoeceram após consumirem as folhas e frutos de T. esculenta. Quatro morreram em até 72 horas após a observação dos primeiros sinais clínicos; que consistiam em ataxia, relutância em caminhar, andar cambaleante, tremores de cabeça, espasmos musculares nos membros, rigidez dos membros pélvicos com posição de ampla base, atonia ruminal e, quando excitados, apresentavam quedas e permaneciam em posições anormais. Dois bovinos foram necropsiados e o único achado significante foi a presença de folhas, cascas e sementes parcialmente digeridas de T. esculenta no conteúdo ruminal. Microscopicamente não foram observadas lesões. Não existe terapia específica para a intoxicação pelas folhas de T. esculenta. A profilaxia consiste em evitar que bovinos tenham acesso às áreas de pastagem contendo a planta.(AU)
Descritores: Intoxicação por Plantas/veterinária
Ataxia/etiologia
Sapindaceae/envenenamento
Limites: Animais
Bovinos
Responsável: BR68.1 - Biblioteca Virginie Buff D'Ápice


  9 / 250 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-1056919
Autor: Savaris, Thaiza; Biffi, Claudia P; Ogliari, Daiane; Wicpolt, Nathalia; Molossi, Franciéli Adriane; Melchioretto, Elaine; Gardner, Dale; Gava, Aldo.
Título: Experimental poisoning by Crotalaria lanceolata and Crotalaria pallida seeds in broilers / Intoxicação experimental pelas sementes de Crotalaria lanceolata E. Mey. e Crotalaria pallida Aiton. em frangos de corte
Fonte: Pesqui. vet. bras = Braz. j. vet. res;39(11):863-869, Nov. 2019. tab, ilus.
Idioma: en.
Resumo: Crotalaria lanceolata E. Mey. and Crotalaria pallida Aiton. are leguminous plants of family Fabaceae found in most of the Brazilian territory. They were initially used as green manure and due their easy spread they are currently considered weeds in crops. Soybean and corn contamination can occur through the mechanical harvesting of these grains along with seeds of the Crotalaria species, which end up in the formulation of feed for production animals. Crotalaria spp. genus has toxic pyrrolizidine alkaloids (PA). Most plant species belonging to this genus can cause acute or chronic liver injury. In a first stage, one-day old broilers were divided into three groups: Group A (C. pallida seeds), Group B (C. lanceolata seeds), and Group C (Control). Groups A and B were divided into five subgroups, each with eight broilers, which received the following doses of the respective seeds in feed as of the 7th day of age: daily doses of 0.4%, 0.8% and 2.5%, and single doses of 15% and 25%. Four broilers in each study group were euthanized at 28 days of age - completing 21 days of seed consumption, and the four remaining broilers were euthanized at 42 days of age - completing 35 days of seed consumption. In a second stage, experiments were conducted using seeds of both the aforementioned plants with 28-day old broilers. These were divided into three groups of four animals each: Group D (C. pallida seeds) and Group E (C. lanceolata seeds), which received the respective seeds at daily doses of 1% and 2% in feed for 20 days, and Group F (Control). These broilers were euthanized when they were 80 days old. C. lanceolata seeds showed higher toxicity to broilers than C. pallida seeds, both supplied as of the 7th day of life. Clinical signs included inappetence, ruffled feathers, and brown diarrhea. The following gross lesions were observed: subcutaneous edema, ascites, hydropericardium, yellowish liver with hypertrophy or atrophy and enhanced lobular pattern, and distended gallbladder. Histologic lesions present in all birds in varying degrees were characterized by tumefaction and vacuolar degeneration of hepatocytes. The following clinical conditions and gross lesions were observed in the broilers: hepatocyte megalocytosis and karyomegaly, slight biliary epithelial hyperplasia, eosinophilic spheroids, and nuclear invagination with loss of hepatocyte cord architecture.(AU)

Crotalaria lanceolata E. Mey. e Crotalaria pallida Aiton. são leguminosas da família Fabaceae presentes na maioria do território brasileiro. Inicialmente foram utilizadas como adubação verde e devido sua fácil disseminação são consideradas invasoras de culturas. Através da colheita mecanizada da soja e milho pode ocorrer a contaminação destes grãos com sementes dessas espécies e entrar na formulação de ração para animais de produção. O gênero Crotalaria spp. possui alcaloides pirrolizidínicos de ação tóxica. A maioria das espécies desse gênero causam lesões hepáticas, com evolução aguda, ou, crônica. Frangos de corte de um dia de vida foram divididos em três grupos: Grupo A (sementes de C. pallida - doses diárias de 0,4%, 0,8%, 2,5% e doses únicas de 15% e 25%), Grupo B (sementes de C. lanceolata - doses diárias de 0,4%, 0,8%, 2,5% e doses únicas de 15% e 25%) e Grupo C (Controle). Os Grupos A e B foram divididos em cinco subgrupos, com oito frangos cada, que a partir do sétimo dia de vida, receberam as doses estabelecidas. Quatro frangos de cada grupo foram sacrificados aos 28 dias, e os quatro restantes aos 42 dias de vida. Também foram conduzidos experimentos com as sementes dessas duas plantas com aves de 28 dias, as quais foram divididas em três grupos: Grupo D (C. pallida - doses de 1% e 2% diariamente, durante vinte dias), Grupo E (C. lanceolata - doses de 1% e 2% diariamente, durante vinte dias) e Grupo F (Controle). Cada grupo composto por quatro aves. Estas aves foram sacrificadas ao completarem 80 dias de vida. Sementes de C. lanceolata demonstraram maior toxicidade para frangos de corte do que sementes de C. pallida. Os sinais clínicos foram inapetência, penas arrepiadas e diarreia acastanhada. Na macroscopia observou-se edema subcutâneo, ascite, hidropericárdio, fígado de coloração amarelada com hipertrofia e, ou, atrofia, evidenciação do padrão lobular e vesícula biliar distendida. As lesões histológicas presentes em todas as aves, em diferentes graus caracterizaram-se por tumefação e degeneração vacuolar de hepatócitos. Nas aves que manifestaram alterações clínicas e lesões macroscópicas, havia megalocitose, cariomegalia, hiperplasia do epitélio biliar, leve, esferoides eosinofílicos e invaginação nuclear com perda da arquitetura dos cordões de hepatócitos.(AU)
Descritores: Intoxicação por Plantas/veterinária
Galinhas
Crotalaria/toxicidade
-Doença Hepática Induzida por Substâncias e Drogas/veterinária
Limites: Animais
Responsável: BR68.1 - Biblioteca Virginie Buff D'Ápice


  10 / 250 LILACS  
              first record previous record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-1056908
Autor: Pessoa, Danielle A. N; Medeiros, Rosane M. T; Riet-Correa, Franklin.
Título: Techniques for prevention and control of poisoning by sodium monofluoroacetate (MFA)-containing plants in ruminants / Técnicas para prevenção e controle da intoxicação em ruminantes por plantas que contém monofluoroacetato de sódio
Fonte: Pesqui. vet. bras = Braz. j. vet. res;39(10):771-779, Oct. 2019.
Idioma: en.
Projeto: CNPq.
Resumo: Monofluoroacetate (MFA)-containing plants cause sudden death associated with exercise in ruminants, and are responsible for significant losses in Brazilian livestock, estimated at 500,000 bovine deaths annually. Most of the times, the control and treatment of this type of poisoning are not efficient, because disease evolution is superacute, usually causing the death of the animal. Due to the difficulty in controlling this intoxication, several studies have suggested alternatives to prevent it, mainly by making animals resistant to the MFA present in these plants or by avoiding their consumption. This literature review addresses the techniques used experimentally to control the poisoning of ruminants by plants containing MFA. The first studies carried out in Brazil demonstrated that goats and sheep that continuously receive non-toxic doses of plant containing MFA show greater resistance to poisoning than untreated animals, and that this resistance can be transmitted by ruminal fluid transfaunation, suggesting that poisoning occurs due to the presence of bacteria that hydrolyze MFA in the rumen. Based on this hypothesis, several MFA-hydrolyzing bacteria were isolated (Enterococcus faecalis, Bacillus sp., Paenibacillus sp., Burkholderia sp., Cupriavidus sp., Staphylococcus sp., Ancylobacter sp., Ralstonia sp., Stenotrophomonas sp., Pigmentiphaga kullae, and Ancylobacter dichloromethanicus). When some of these bacteria were administered intraruminally, they provided the animal with a different level of protection against poisoning. However, it was observed that protection is gradually lost when the bacterium administration is interrupted. Consequently, to obtain more efficient protection, these bacteria should be administered continuously, probably in the form of probiotics. In another assay, MFA was administered to sheep at non-toxic doses to test the hypothesis that this substance could induce the multiplication of bacteria that hydrolyze it in the rumen. There was no increase in resistance to poisoning after administration of MFA; however, no signs of poisoning were observed when animals received trifluoroacetate and no clinical signs were verified when they were challenged with toxic doses of MFA; in contrast, all control animals presented clinical signs. These results suggest that trifluoroacetate induces the proliferation of MFA-degrading bacteria, and can be used in intoxication prophylaxis. The conditioned food aversion technique, using lithium chloride, has been successfully used experimentally to prevent ruminants from ingesting plants that contain MFA. Another alternative tested was the spraying of Amorimia septentrionalis with the endophytic bacterium Herbaspirillum seropedicae, which degrades MFA, resulting in decreased concentration of this compound in the plants. In conclusion, several experimental techniques have been proved efficient in the control and prophylaxis of MFA-containing plant poisoning; however, none of these techniques are available commercially. Further experiments, mainly in the field, should be carried out to adapt some of these techniques to the conditions of extensive breeding in the numerous areas where MFA-containing plants occur.(AU)

As plantas que contém monofluoroacetato (MFA) causam morte súbita associada ao exercício em ruminantes, e são responsáveis por grandes perdas na pecuária brasileira, estimadas em 500.000 mortes de bovinos anualmente. O controle e tratamento desse tipo de intoxicação, na maioria das vezes, não apresenta eficiência, visto que a evolução da doença é superaguda, e geralmente ocasiona a morte do animal. Devido à dificuldade no controle dessa intoxicação, diversos estudos sugerem alternativas para preveni-la, principalmente tornando os animais resistentes ao MFA presente nessas plantas ou evitando seu consumo. O objetivo do presente trabalho é fazer uma revisão bibliográfica das técnicas utilizadas experimentalmente para controlar a intoxicação de ruminantes por plantas que contém MFA. Nos primeiros trabalhos realizados no Brasil, foi determinado que caprinos e ovinos que recebem continuadamente doses não tóxicas de planta que contém MFA apresentam maior resistência a intoxicação que animais não tratados e que essa resistência pode ser transmitida por transfaunação de fluído ruminal, sugerindo que a mesma ocorre devido a presença de bactérias que hidrolisam MFA no rúmen. Com base nessa hipótese foram isoladas diversas bactérias que hidrolisam MFA (Enterococcus faecalis, Bacillus sp., Paenibacillus sp., Burkholderia sp., Cupriavidus sp., Staphylococcus sp., Ancylobactersp., Ralstoniasp., Stenotrophomonas sp., Pigmentiphaga kullae e Ancylobacter dichloromethanicus). Quando algumas dessas bactérias foram administradas intraruminalmente conferiram diferentes graus de proteção contra a intoxicação. No entanto foi observado que a proteção se perde gradualmente quando se deixa de administrar a(s) bactéria(s). Em consequência, para obter uma proteção mais eficiente essas bactérias deveriam ser administradas continuadamente, provavelmente na forma de probiótico. Em outro ensaio administrou-se MFA a ovinos em doses não tóxicas para testar a hipótese de que esta substância poderia induzir a multiplicação de bactérias que hidrolisam o mesmo no rúmen. Não houve um aumento da resistência a intoxicação após a administração de MFA; no entanto quando foi administrado trifluoroacetato, os animais não desenvolveram nenhum sinal de intoxicação e quando desafiados com doses tóxicas de MFA não apresentaram sinais clínicos, pelo contrário todos os animais controles apresentaram sinais clínicos. Esses resultados sugerem que o trifluoroacetato induz a proliferação de bactérias que degradam MFA e pode ser utilizado para a profilaxia da intoxicação. A técnica da aversão alimentar condicionada, utilizando cloreto de lítio, tem sido empregada experimentalmente, com sucesso, para evitar que ruminantes ingiram plantas que contém MFA. Outra alternativa testada foi a pulverização de Amorimia septentrionalis com a bactéria endofítica Herbaspirullum seropedicae, que degrada MFA, resultando na diminuição da concentração deste composto na planta. Conclui-se que há diversas técnicas que experimentalmente tem demonstrado eficiência no controle e profilaxia das intoxicações por plantas que contém MFA; no entanto, nenhuma dessas técnicas está disponível comercialmente. Futuros experimentos, principalmente, a campo, deverão ser realizados para adaptar alguma(s) dessas técnicas as condições de criação extensiva nas numerosas áreas onde ocorrem plantas que contém MFA.(AU)
Descritores: Intoxicação por Plantas/prevenção & controle
Intoxicação por Plantas/veterinária
Cabras
Ovinos
Probióticos/uso terapêutico
Fluoracetatos/envenenamento
Limites: Animais
Bovinos
Responsável: BR68.1 - Biblioteca Virginie Buff D'Ápice



página 1 de 25 ir para página                         
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde