Base de dados : LILACS
Pesquisa : D02.241.223.100.050.300.500 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 33 [refinar]
Mostrando: 1 .. 10   no formato [Detalhado]

página 1 de 4 ir para página            

  1 / 33 LILACS  
              next record last record
seleciona
para imprimir
Texto completo
Texto completo
Id: biblio-882587
Autor: Chile. Ministerio de Salud.
Título: Informe de evaluación científica basada en la evidencia disponible: colitis ulcerosa / Scientific evaluation report based on available evidence: ulcerative colitis.
Fonte: Santiago; Chile. Ministerio de Salud; 2017. graf, ilus, tab.
Idioma: es.
Resumo: INTRODUCCIÓN: La colitis ulcerosa es una enfermedad inflamatoria crónica que afecta la mucosa del colon en forma continua, comprometiendo el recto y una porción variable de la extensión del resto del colon, sin la presencia de granulomas en la biopsia. En esta enfermedad, el sistema inmune reconoce esta porción del colon como ajena al cuerpo y lo ataca generando úlceras que caracterizan a esta enfermedad. TECNOLOGÍAS SANITARIAS ANALIZADAS: Adalimumab, azatioprina, golimumab, infliximab, mesalazina, lansoprazol, omeprazol, sulfasalazina y colestiramina. EFICACIA DE LOS TRATAMIENTOS: Se extrajeron 31 revisiones sistemáticas que incluyen 11 ensayos controlados aleatorizados que evaluaban la eficacia de adalimumab, golimumab e infliximab en pacientes con colitis ulcerosa moderada a grave. El tratamiento con adalimumab aumenta ligeramente el número de pacientes que cicatrizan su mucosa e incrementan su score IBDQ (calidad de vida) en más de 12 puntos, a las 8 semanas. El tratamiento con golimumab probablemente aumenta el número de pacientes que responden clínicamente a las 6 semanas, mientras que probablemente aumenta ligeramente el número de pacientes que remite y cicatrizan su mucosa a las 6 semanas. Además, golimumab probablemente no genera diferencias en cuanto a la calidad de vida (cuestionario IBDQ) de pacientes con colitis ulcerosa. El tratamiento con infliximab aumenta el número de pacientes que presentan respuesta clínica a las 8 semanas, mientras que reduce ligeramente el número de pacientes que reciben colectomía a las 54 semanas. No se encontró evidencia de eficacia de los tratamientos sobre una menor hospitalización o una menor estadía hospitalaria, ni estudios que evaluaran la eficacia en niños con colitis ulcerosa. ANÁLISIS ECONÓMICO: Infliximab resultó ser la alternativa que presentó mayor efectividad. Sin embargo, la efectividad incremental en relación a adalimumab es sólo de 0,66 QALYs, superándolo en costes en aproximadamente un 45%. Infliximab y golimumab fueron los tratamientos que presentaron mayor costo en relación a adalimumab. En esto se incluyen los costos de efectos adversos serios, porcentaje de pacientes que se sometían a colectomía mientras estaban en terapia con algún biológico y los costos de administración de infliximab. Para este último se consideró un costo mayor, ya que como su administración es intravenosa se deben considerar las horas en que el paciente debe estar en una sala de observaciones para que se le administre el biológico. En cuanto a las agencias internacionales, Inglaterra recomienda el uso de adalimumab, infliximab o golimumab en pacientes con colitis ulcerosa moderada a grave, siempre y cuando la terapia convencional no funcione o no sea la adecuada. El impacto presupuestario calculado para el primer año de tratamiento fue de MM$1.810 para adalimumab, $MM2.424 para infliximab, y MM$353.378 para golimumab. CONCLUSIÓN: Para dar cumplimiento al artículo 28° del Reglamento que establece el proceso destinado a determinar los diagnósticos y tratamientos de alto costo con Sistema de Protección Financiera, según lo establecido en los artículos 7°y 8° de la ley N°20.850, aprobado por el decreto N°13 del Ministerio de Salud, se concluye que el presente informe de evaluación se considera favorable, de acuerdo a lo establecido en el Título III. de las Evaluaciones Favorables de la Norma Técnica N° 0192 de este mismo ministerio.
Descritores: Adalimumab/uso terapêutico
Azatioprina/uso terapêutico
Resina de Colestiramina/uso terapêutico
Colite Ulcerativa/tratamento farmacológico
Infliximab/uso terapêutico
Lansoprazol/uso terapêutico
Mesalamina/uso terapêutico
Omeprazol/uso terapêutico
Sulfassalazina/uso terapêutico
-Avaliação em Saúde/economia
Avaliação da Tecnologia Biomédica/economia
Limites: Seres Humanos
Tipo de Publ: Estudos de Avaliação
Responsável: BR1.1 - BIREME


  2 / 33 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Texto completo
Id: biblio-874912
Autor: Brasil. Ministério da Saúde. Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS.
Título: Mesalazina enema e supositório para tratamento da Doença de Crohn / Mesalazine enema and suppository for treatment of Crohn's Disease.
Fonte: Brasília; CONITEC; 2015.
Idioma: pt.
Resumo: A DOENÇA: A doença de Crohn (DC) é uma doença inflamatória intestinal de origem não conhecida e caracterizada pelo acometimento focal, assimétrico e transmural de qualquer porção do tubo digestivo, da boca ao ânus. Apresenta-se sob três formas principais: inflamatória, fistulosa e fibroestenosante.Os segmentos do tubo digestivo mais acometidos são íleo, cólon e região perianal. A DC não é curável clínica ou cirurgicamente e sua história natural é marcada por agudizações e remissões. TRATAMENTO: O tratamento da DC é definido segundo a localização da doença, o grau de atividade e as complicações. As opções são individualizadas de acordo com a gravidade, a resposta sintomática e a tolerância ao tratamento. O tratamento medicamentoso envolve o uso de anti-inflamatórios esteroidais e não esteroidais, antibióticos, imunomoduladores, e anticorpos monoclonais anti-fator de necrose tumoral (anti-TNF). Os primeiros incluem corticosteroides e aminossalicilatos (sulfassalazina e mesalazina). JUSTIFICATIVA DA EXCLUSÃO: Aminossalicilatos e antibióticos não têm ação uniforme ao longo do trato gastrointestinal, enquanto corticosteroides, imunomoduladores e terapias anti-TNF parecem ter uma ação mais constante em todos os segmentos gastrointestinais. Os aminossalicilatos não atingem concentração terapêutica no esôfago e no estômago, pois são formulados de maneira a serem liberados em segmentos mais distais no trato digestivo. Pacientes com doença ileal devem ser tratados com corticosteroide (qualquer representante e via de acordo com a situação clínica), uma vez que a mesalazina, o aminossalicilato que atinge níveis terapêuticos nesta região, tem efeito muito modesto quando comparado ao placebo. Desta forma, aminossalicilatos são indicados apenas no tratamento de doença colônica e ileocolônica. DELIBERAÇÃO FINAL: A CONITEC, na presença dos membros, na reunião do plenário do dia 02/07/2015 deliberou por unanimidade recomendar a exclusão da mesalazina nas apresentações enema e supositório para o tratamento da doença de Crohn conforme Protocolo Clinico e Diretrizes Terapêuticas estabelecidos pelo Ministério da Saúde. Foi assinado o Registro de Deliberação nº 129/2015. DECISÃO: PORTARIA Nº 36, de 24 de julho de 2015 - Torna pública a decisão de excluir a mesalazina nas apresentações enema e supositório para o tratamento da doença de Crohn no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS.
Descritores: Doença de Crohn/tratamento farmacológico
Enema
Mesalamina/administração & dosagem
Supositórios
Avaliação da Tecnologia Biomédica
-Administração Oral
Brasil
Sistema Único de Saúde
Limites: Seres Humanos
Tipo de Publ: Estudos de Avaliação
Responsável: BR1.1 - BIREME


  3 / 33 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Texto completo
Id: biblio-848532
Autor: Perú. EsSalud. Instituto de Evaluación de Tecnologías en Salud e Investigación.
Título: Eficacia y seguridad de supositorios de mesalazina en pacientes adultos con proctitis o proctosigmoiditis ulcerativa para las fases agudas y del mantenimiento de la remision / Efficacy and safety of mesalazine suppositories in adult patients with proctitis or ulcerative proctosigmoiditis for acute phases and maintenance of remission.
Fonte: Lima; s.n; mar. 2016.
Idioma: es.
Resumo: INTRODUCCIÓN: Antecedentes: El presente dictamen presenta la evaluación de tecnología de la eficacia y seguridad de los supositorios de mesalazina para su uso en pacientes adultos con proctitis o proctosigmoiditis ulcerativa para las fases aguda y del mantenimiento de la remisión. Aspectos Generales: La colitis ulcerativa (CU) es la condición inflamatoria crónica más común de las enfermedades gastrointestinales. Frecuentemente se desarrolla entre los 15 y 25 años y 55 y 65 años, aunque no excluye la población fuera de estos rangos de edad. Esta enfermedad genera inflamación a nivel de la mucosa del colon, siendo variable la extensión de la inflamación y pudiendo llegar a afectar también el área del recto. Se caracteriza por fases de relapso y remisión. Tecnología Sanitaria de Interés: Mesalazina (Canasa®/Mesacron®/Pentasa®/Salofalk®/Asacol®) es un medicamento anti-inflamatorio de acción tópica compuesto químicamente por el ácido 5 aminosalicílico o 5-ASA. Tiene dos vías de administración, oral y rectal, siendo los supositorios rectales, la forma de presentación de interés de esta evaluación de tecnología. METODOLOGÍA: Estratégia de Búsqueda: Se realizó una estrategia de búsqueda sistemática de la evidencia científica con respecto a la eficacia y seguridad de supositorios de mesalazina para pacientes con proctitis o proctosigmoiditis ulcerativa en fases aguda y del mantenimiento de la remisión. Para la búsqueda primaria se revisó la información disponible por entes reguladoras y normativas como la Administración de Drogas y Alimentos (FDA), y la Dirección General de Medicamentos y Drogas (DIGEMID). Posteriormente, se buscaron guías de práctica clínica a través de los metabuscadores: Translating Research into Practice (TRIPDATABASE), The National Guideline of Clearinghouse (NGC), y Health Systems Evidence (HSE). Seguidamente, se realizó una búsqueda dentro de la información generada por grupos internacionales que realizan revisiones sistemáticas, evaluaciónes de tecnologías sanitarias y guías de práctica clínica, tales comoHealth Technology Assesment (HTA), la Biblioteca de Cochrane, el Instituto Nacional de la Salud y Excelencia en Cuidado (NICE), la Agencia Canadiense de Drogas y Tecnologías en Salud (CADTH), y el Consorcio Escocés de Medicinas (SMC). Adicionalmente se revisaron las bases National Library of Medicine (Pubmed-Medline), LILACS, EMBASE, OVID, y complementando la búsqueda con la página de ensayos clínicos www.clinicaltrials.gov, para identificar estudios primarios en elaboración o que no hayan sido publicados aún. RESULTADOS: Tras la búsqueda se encontró evidencia que sustenta la eficacia y seguridad de supositorios de mesalazina en pacientes adultos con proctitis o proctosigmoiditis ulcerativa para las fases aguda y del mantenimiento de la remisión.RESULTADOS: Tras la búsqueda se encontró evidencia que sustenta la eficacia y seguridad de supositorios de mesalazina en pacientes adultos con proctitis o proctosigmoiditis ulcerativa para las fases aguda y del mantenimiento de la remisión. Sinopsis de la Evidencia: Se encontró evidencia acerca de la eficacia y seguridad de supositorios de mesalazina en pacientes adultos con proctitis o proctosigmoiditis ulcerativa para las fases aguda y del mantenimiento de la remisión. CONCLUSIONES: La presente evaluación de tecnología evalúa la evidencia disponible a Febrero del 2016 para el uso de supositorios de mesalazina para pacientes adultos con proctitis o proctosigmoiditis para las fases agudas y del mantenimiento de la remisión. - Se ha encontrado evidencia que sustenta la eficacia y seguridad de supositorios de mesalazina, la cual está basada en dos guías de práctica clínica y dos revisiones sistemáticas de buena calidad metodológica. Cabe resaltar que esta eficacia ha sido demostrada únicamente para la población de pacientes con proctitis o proctosigmoiditis ulcerativa, mas no en otras áreas del colon en fases aguda. Sin embargo, para la fase del mantenimiento de la remisión no se ha encontrado evidencia directa que evalúe el potencial beneficio de supositorios de mesalazina. , El Instituto de Evaluación de Tecnologías en Salud e Investigación ­ IETSI, aprueba el uso de supositorios de mesalazina en pacientes adultos con proctitis o proctosigmoiditis ulcerativa para el tratamiento de fases aguda y del mantenimiento de la remisión. El presente Dictamen Preliminar tiene una vigencia de dos años a partir de la fecha de publicación.
Descritores: Colite Ulcerativa/tratamento farmacológico
Mesalamina/administração & dosagem
Proctite/tratamento farmacológico
Proctocolite/tratamento farmacológico
Avaliação da Tecnologia Biomédica
-Reação de Fase Aguda
Quimioterapia de Manutenção
Proctocolite/etiologia
Supositórios
Resultado do Tratamento
Limites: Seres Humanos
Tipo de Publ: Revisão
Relatório Técnico
Estudos de Avaliação
Responsável: BR1.1 - BIREME


  4 / 33 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Texto completo
Texto completo
Id: biblio-836931
Autor: Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde.
Título: Mesalazina grânulos (2 gramas sachê ) para o tratamento de retocolite ulcerativa / Mesalazine granules (2 grams sachet) for the treatment of ulcerative colitis.
Fonte: Brasília; CONITEC; ago. 2013. tab, graf.
Idioma: pt.
Resumo: A Colite ulcerativa e a Doença de Crohn são as duas formas principais de doenças inflamatórias intestinais. Apesar de algumas características em comum, elas podem ser diferenciadas por predisposições genéticas, fatores de risco e diferentes aspectos clínicos, endoscópicos e histológicos. A etiologia ainda é desconhecida, no entanto, indivíduos suscetíveis parecem apresentar resposta imunológica alterada à flora comensal na mucosa, resultando em inflamação. Na retocolite ulcerativa a inflamação é restrita à superfície mucosa, inicia-se, geralmente, no reto e estende-se a todo o cólon. O diagnóstico da colite ulcerativa é baseado nos sintomas clínicos e confirmado por achados objetivos na endoscopia e histologia. O tratamento compreende aminossalicilatos orais e por via retal, corticoides e imunossupressores. É feito de maneira a tratar a fase aguda e após, manter a remissão, sendo o maior objetivo reduzir a sintomatologia. A Tecnologia: Tipo: Medicamento; Princípio Ativo: Mesalazina; Nome comercial: Pentasa® Sachê 2g; Fabricante: Laboratório Ferring Ltda. Mesalazina 2 gramas na formulação de grânulos de liberação prolongada, na forma farmacêutica de sachê, em dose única diária para o tratamento da colite ulcerativa é uma nova apresentação do medicamento. Atualmente, o Ministério da Saúde fornece o medicamento (mesalazina em grânulos) na apresentação de 0,5g em comprimidos aos pacientes diagnosticados com Retocolite Ulcerativa na rede pública de saúde. A proponente indica que nova apresentação proporcionaria maior aderência dos pacientes resultando em maior efetividade do tratamento. Análise da evidência apresentada pelo demandante: Demandante: Ferring International Center SA. Somente serão avaliados os estudos que se enquadram nos critérios e stabelecidos na solicitação por incorporação da tecnologia (tecnologia, indicação, comparadores), submetida pelo demandante. Considerações finais: A evidência atualmente disponível sobre eficácia e segurança do mesalazina sachê 2g para tratamento da colite ulcerativa é baseada fundamentalmente no estudo de Dignass 30 (ensaio clínico multicêntrico, randomizado, de não inferioridade). O estudo comparou mesalazina em grânulos, sachê 2g dose única diária à mesma dose diária dividida em duas tomadas. Foram Incluídos 362 pacientes com colite ulcerativa em remissão. O desfecho primário foi taxa de remissão em 1 ano baseado no disease activity index score. Dentre os desfechos secundários, foi avaliada a aderência à medicação entre os grupos, medida pelo número de sachês distribuídos e retornados, questionário auto-administrado, e escala visual analógica. Recomendação da CONITEC: Considerando a falta de evidências científicas mais robustas, o fato de o estudo apresentado ser de não inferioridade com limitações, que há no SUS tratamento disponível com outra forma farmacêutica do mesmo medicamento para a indicação em questão e a magnitude limitada dos benefícios, após discussão, os membros da CONITEC, presentes na 13ª Reunião do plenário, realizada no dia 07/03/2013, deliberaram por não recomendar a incorporação do medicamento mesalazina grânulos (2 gramas sachê) para o tratamento da colite ulcerativa. Deliberação final: Após análise das contribuições da consulta pública e considerando a preocupação do plenário da CONITEC sobre o impacto orçamentário decorrente da possível migração de pacientes que consomem outras apresentações disponíveis no SUS (de 400mg e 800mg de liberação convencional, as quais se apresentam como medicamento genérico), e o fato de que poderá haver desperdício no sachê, os membros do plenário da CONITEC decidiram buscar mais informações de impacto orçamentário do medicamento, considerando doses e migração entre as formas farmacêuticas. Com isso, foram apresentadas informações compiladas pelo Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos (DAF) acerca do impacto orçamentário do uso de mesalazina por via oral (comprimidos) nos pacientes com Retocolite Ulcerativa no Componente Especializado da Assistência Farmacêutica (CEAF), em 2012. Conforme a análise, foram atendidos 26.824 pacientes. Os membros da CONITEC presentes na reunião do plenário do dia 03/07/2013 deliberaram, por unanimidade, por não recomendar a incorporação da mesalazina sachê 2g para o tratamento da retocolite ulcerativa. Portaria nº 43, de 23 de agosto de 2013 - Decisão de não incorporar o medicamento mesalazina sachê 2g para o tratamento da retocolite ulcerativa no Sistema Único de Saúde (SUS).
Descritores: Ácido Aminossalicílico/uso terapêutico
Mesalamina/uso terapêutico
Proctocolite/terapia
-Ácido Aminossalicílico
Brasil
Análise Custo-Benefício
Avaliação da Tecnologia Biomédica
Sistema Único de Saúde
Limites: Seres Humanos
Tipo de Publ: Revisão
Relatório Técnico
Estudos de Avaliação
Responsável: BR1.1 - BIREME


  5 / 33 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: lil-768060
Autor: Reis, Luciano Dias de Oliveira; Poletti, Paula Bechara; Parada, Artur Adolfo; Ferreira, Luiz Rodrigo Guimarães; Waltrick, Renata.
Título: Retenção tardia de cápsula endoscópica / Late retention of endoscopy capsule: case report
Fonte: GED gastroenterol. endosc. dig;28(2):59-62, abr.-jun. 2009. ilus.
Idioma: pt.
Resumo: A enteroscopia por cápsula endoscópica é um método diagnóstico emergente e, embora seu custo atual ainda seja elevado, é o que apresenta o melhor resultado na visualização diretado intestino delgado, o qual não era acessível pelas tecnologias convencionais (endoscopiadigestiva alta, colonoscopia e enteroscopia). Trata-se de exame seguro, de fácil realização econfortável para o paciente. A retenção da cápsula endoscópica é uma condição rara,previamente documentada em pacientes portadores de patologias ou com hipótesesdiagnósticas de patologias sabidamente estenosantes. Este caso refere-se a paciente comanemia crônica severa que foi submetido a enteroscopia por cápsula endoscópica devido asangramento intestinal crônico de origem obscura. Foi diagnosticada doença de Crohn, aqual respondeu ao tratamento clínico. Em exames posteriores, foi encontrada a cápsulaendoscópica em radiografia simples de abdômen, fato inalterado 39 meses após a realizaçãodo exame.
Descritores: Cápsulas Endoscópicas/efeitos adversos
Hemorragia Gastrointestinal/diagnóstico
-Colonoscopia
Doença de Crohn/tratamento farmacológico
Mesalamina
Tomografia Computadorizada por Raios X
Limites: Seres Humanos
Masculino
Adulto
Tipo de Publ: Relatos de Casos
Responsável: BR9.1 - Biblioteca de Ciências da Saúde Profa. Susana Schimidt


  6 / 33 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Chile
Texto completo
Id: lil-747557
Autor: Pérez Calcagno, Gerardo; Bagattini, Juan Carlos; Forster, Thaïs A; Chiarella, Marcelo; Cohen, Henry.
Título: Trombosis de senos venosos intracraneales: una complicación infrecuente y grave de la colitis ulcerosa. Primera comunicación de un caso en Uruguay / Intracranial sinus venous thrombosis in ulcerative colitis: Report of one case
Fonte: Rev. méd. Chile;143(4):520-524, abr. 2015. ilus.
Idioma: es.
Resumo: Intracranial sinus venous thrombosis (ICSVT) is a rare complication of ulcerative colitis that affects from 1.7 to 7.5% of patients. We report a 22 year-old male with ulcerative colitis in treatment with mesalazine and prednisone presenting with headache and speech disturbances. A magnetic resonance imaging of the brain showed a left temporal hemorrhagic infarct with thrombosis of the ispilateral superficial vein and sigmoid venous sinus. No cause of thrombophilia was detected. Anticoagulation with heparin was started which was changed to oral anticoagulation with warfarin. The patient was discharged ten days after admission.
Descritores: Colite Ulcerativa/complicações
Trombose dos Seios Intracranianos/etiologia
-Anti-Inflamatórios/uso terapêutico
Anticoagulantes/uso terapêutico
Infarto Cerebral/diagnóstico
Colite Ulcerativa/tratamento farmacológico
Enoxaparina/uso terapêutico
Cefaleia/tratamento farmacológico
Cefaleia/etiologia
Mesalamina/uso terapêutico
Prednisona/uso terapêutico
Trombose dos Seios Intracranianos/diagnóstico
Trombose dos Seios Intracranianos/tratamento farmacológico
Distúrbios da Fala/tratamento farmacológico
Distúrbios da Fala/etiologia
Limites: Seres Humanos
Masculino
Adulto Jovem
Tipo de Publ: Relatos de Casos
Responsável: CL1.1 - Biblioteca Central


  7 / 33 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Uruguai
Texto completo
Id: lil-722866
Autor: Viroga Espino, Stephanie; López Pampin, Maynes; Tamosiunas Gorki, Gustavo A.
Título: Seguridad de los medicamentos gastrointestinales en el embarazo / Gastrointestinal drugs safety in pregnancy
Fonte: Arch. med. interna (Montevideo);35(2):49-54, jul. 2013. ilus.
Idioma: es.
Resumo: Las embarazadas se consideran población de riesgo para el uso de medicamentos. La incidencia de defectos congénitos en la población general es de 2-4%, y menos del 1% es atribuible a medicamentos. El problema es que la mayoría de los medicamentos tienen un riesgo indeterminado, dado las limitaciones de la evidencia durante el embarazo y la lactancia. Los medicamentos de uso gastrointestinal, son fármacos ampliamente utilizados en la población general y también durante el embarazo. Se realiza una revisión sobre la seguridad fetoneonatal de antieméticos, antiácidos, inhibidores de la bomba de protonoes, antagonistas del receptor H2 de histamina y medicamentos utilizados en el tratamiento de la enfermedad inflamatoria intestinal.
Descritores: Aleitamento Materno
Efeitos Colaterais e Reações Adversas Relacionados a Medicamentos
Gravidez
Fármacos Gastrointestinais
Fármacos Gastrointestinais/toxicidade
Feto
-Antiácidos
Anticorpos Monoclonais
Antieméticos
Azatioprina
ANTAGONISTAS DE LOS RECEPTORES HISTAMINICOS HTEMEFOS
Mesalamina
Inibidores da Bomba de Prótons
Medição de Risco
Limites: Seres Humanos
Masculino
Feminino
Tipo de Publ: Revisão
Responsável: UY1.1 - BINAME - Biblioteca Nacional de Medicina


  8 / 33 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: lil-698223
Autor: Passos, Maria do Carmo Friche.
Título: Síndrome do intestino irritável pós-infecção intestinal / Irritable bowel syndrome after intestinal infection
Fonte: J. bras. med;101(3):7-13, 2013. tab.
Idioma: pt.
Resumo: A síndrome do intestino irritável (SII) é um distúrbio funcional do trato gastrointestinal, caracterizado por dor abdominal e alterações do hábito intestinal, não explicadas por anormalidades bioquímicas ou orgânicas. Embora a maioria dos pacientes relate início insidioso dos sintomas, em um subgrupo eles aparecem após episódio de gastroenterite aguda, denominada SII pós-infecciosa (SII-PI). Os agentes infecciosos envolvidos incluem vírus, parasitas e bactérias patogênicas. O tratamento da SII-PI é semelhante ao da SII idiopática. Antibióticos e probióticos são terapias promissoras

Irritable bowel syndrome (IBS) is a funcional gastrointestinal disorder characterized by abdominal pain and changes in bowel habits, not explained by any organic or biochemical abnormalities. Although most patients describe an insidious onset of symptoms, a subgroup of individuals describes the onset of IBS symptoms following an episode of acute gastroenteritis, know as post-infectious IBS (PI-IBS). The infectious agents involved in the development of PI-IBS include pathogenic bacteria, parasites and viruses. Treatment of PI-IBS is similar to that idiopathic IBS. Antibiotics and probiotics appear to represent promising therapies in PI-IBS
Descritores: Dor Abdominal/etiologia
Síndrome do Intestino Irritável/fisiopatologia
Síndrome do Intestino Irritável/tratamento farmacológico
-Constipação Intestinal
Diarreia
Fármacos Gastrointestinais/uso terapêutico
Gastroenterite/complicações
Intestino Delgado/microbiologia
Mesalamina/uso terapêutico
Probióticos/uso terapêutico
Trato Gastrointestinal/fisiopatologia
Limites: Seres Humanos
Masculino
Feminino
Responsável: BR1365.1 - Biblioteca Biomédica A - CB/A


  9 / 33 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Almeida, Jose Roberto de
Texto completo
Id: lil-697580
Autor: BAFUTTO, Mauro; ALMEIDA, Jose Roberto de; LEITE, Nayle Vilela; COSTA, Michelle Bafutto Gomes; OLIVEIRA, Enio Chaves de; RESENDE-FILHO, Joffre.
Título: Treatment of dirrrhea-predominant irritable bowl syndrome with mesalazine and//or saccharomyces boulardii / Tratamento da sindrome do intestino irritavel tipo diarreia-predominante com mesalazina e/ou saccharomyces boulardii
Fonte: Arq. gastroenterol;50(4):304-309, Oct-Dec/2013. tab, graf.
Idioma: en.
Resumo: Context Irritable bowel syndrome (IBS) is a functional bowel disease characterized by abdominal pain and altered intestinal habits. The pathophysiology of IBS remains unclear. Recent studies have demonstrated that some IBS patients, especially in diarrhea-predominant IBS (IBS-D), display persistent signs of minor mucosal inflammation and a modified intestinal microflora. The mesalazine has known intestinal anti-inflammatory properties. Saccharomyces boulardii is a probiotic used for a long time in treatment of diarrhea, including infectious diarrhea. Objective Evaluate the effects of mesalazine alone, combined therapy of mesalazine with liophylised Saccharomyces boulardii or alone on symptoms of IBS-D patients. Methods Based on Rome III criteria, 53 IBS-D patients (18 year or more) were included. To exclude organic diseases all patients underwent colonoscopy, stool culture, serum anti-endomisium antibody, lactose tolerance test and ova and parasite exam. Patients were divided in three groups: mesalazine group (MG) - 20 patients received mesalazine 800 mg t.i.d. for 30 days; mesalazine and Saccharomyces boulardii group (MSbG) - 21 patients received mesalazine 800 mg t.i.d. and Saccharomyces boulardii 200 mg t.i.d. for 30 days and; Saccharomyces boulardii group (SbG) – 12 patients received Sb 200 mg t.i.d. for 30 days. Drugs that might have any effect on intestinal motility or secretion were not allowed. Symptom evaluations at baseline and after treatment were performed by means of a 4-point likert scale including: stool frequency, stool form and consistency (Bristol scale), abdominal pain and distension. Paired t test and Kruskal-Wallis test were used for statistical analyses. Results Compared to baseline, there were statistically significant reduction of symptom score after 30 th day therapy in all three groups: MG (P<0.0001); MSbG (P<0.0001) and in SbG (P = 0.003). There were statistically significant differences in ...

Contexto A síndrome do intestino irritável (SII) é uma doença funcional do intestino, caracterizada por dor abdominal e alterações do hábito intestinal, cuja fisiopatologia permanece desconhecida. Estudos recentes sustentam a hipótese de que algumas formas de SII, especialmente a síndrome do intestino irritável tipo diarreia (SII-D), apresentam sinais de uma inflamação de baixo grau persistente da mucosa intestinal e alterações da microflora intestinal. A mesalazina é conhecida por suas propriedades anti-inflamatórias intestinais. O Saccharomyces boulardii é um probiótico largamente utilizado para o tratamento da diarreia relacionada à causa infecciosa. Objetivo Avaliar os efeitos da mesalazina, da terapia com mesalazina combinada ao Saccharomyces boulardii e do Saccharomyces boulardii, em pacientes com SII-D. Método Com base nos critérios de Roma III, 53 pacientes com SII-D (maiores de 18 anos) foram incluídos. Para excluir as doenças orgânicas, todos os pacientes realizaram colonoscopia, coprocultura, anticorpo anti-endomísio, teste de tolerância à lactose e exame parasitológico de fezes. Os pacientes foram divididos em três grupos: grupo mesalazina (GM) – 20 pacientes foram medicados com mesalazina via oral 800 mg t.i.d. por 30 dias; grupo mesalazina e Saccharomyces boulardii (GMSb) – 21 pacientes foram medicados com mesalazina 800mg t.i.d. e Saccharomyces boulardii 200 mg via oral t.i.d. por 30 dias; grupo Saccharomyces boulardii (GSb) – 12 pacientes foram medicados com Saccharomyces boulardii 200 mg t.i.d. por 30 dias. Não foram permitidas drogas concomitantes com algum efeito sobre secreção ou motilidade intestinal. Os sintomas foram avaliados no basal e após tratamento por meio da escala de Likert de 4 pontos que incluía: frequência ...
Descritores: Anti-Inflamatórios não Esteroides/administração & dosagem
Síndrome do Intestino Irritável/tratamento farmacológico
Mesalamina/administração & dosagem
Probióticos/administração & dosagem
Saccharomyces
-Quimioterapia Combinada
Diarreia/tratamento farmacológico
Resultado do Tratamento
Limites: Adulto
Feminino
Seres Humanos
Masculino
Meia-Idade
Responsável: BR1.1 - BIREME


  10 / 33 LILACS  
              first record previous record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-697579
Autor: NISHIKAWA, Alvaro Mitsunori; PALADINI, Luciano; DELFINI, Regis; KOTZE, Paulo Gustavo; CLARK, Otavio.
Título: Decision tree cnnstruction and cost-effectivenes analysis of treatment of ulceerative colitis with pentasa® mesalazine 2 g sachet / Construcao de arvore de decisao e analise de custo-efetividade do tratamento da retocolite ulcerativa com Pentasa (mesalazina) 2 g sache
Fonte: Arq. gastroenterol;50(4):297-303, Oct-Dec/2013. tab, graf.
Idioma: en.
Resumo: Context Unspecified Ulcerative Rectocolitis is a chronic disease that affects between 0.5 and 24.5/105 inhabitants in the world. National and international clinical guidelines recommend the use of aminosalicylates (including mesalazine) as first-line therapy for induction of remission of unspecified ulcerative rectocolitis, and recommend the maintenance of these agents after remission is achieved. However, multiple daily doses required for the maintenance of disease remission compromise compliance with treatment, which is very low (between 45% and 65%). Use of mesalazina in granules (2 g sachet) once daily - Pentasa® sachets 2 g - can enhance treatment adherence, reflecting in an improvement in patients' outcomes. Objective To evaluate the evidence on the use of mesalazine for the maintenance of remission in patients with unspecified ulcerative rectocolitis and its effectiveness when taken once versus more than once a day. From an economic standpoint, to analyze the impact of the adoption of this dosage in Brazil's public health system, considering patients' adherence to treatment. Methods A decision tree was developed based on the Clinical Protocol and Therapeutic Guidelines for Ulcerative Colitis, published by the Ministry of Health in the lobby SAS/MS n° 861 of November 4 th, 2002 and on the algorithms published by the Associação Brasileira de Colite Ulcerativa e Doença de Crohn, aiming to get the cost-effectiveness of mesalazine once daily in granules compared with mesalazine twice daily in tablets. Results The use of mesalazine increases the chances of remission induction and maintenance when compared to placebo, and higher doses are associated with greater chance of success without increasing the risk of adverse events. Conclusion The use of a single daily dose in the maintenance of remission is effective and related to higher patient compliance when compared to the multiple daily dose regimens, ...

Contexto A retocolite ulcerativa inespecífica é uma doença crônica que atinge entre 0,5 e 24,5/105 habitantes no mundo. Diretrizes clínicas nacionais e internacionais recomendam o emprego de aminosalicilatos (entre eles, a mesalazina) como terapia de primeira linha na indução da remissão da retocolite ulcerativa inespecífica, com manutenção destes agentes após a remissão. Mas as múltiplas doses diárias necessárias comprometem a adesão ao tratamento, que é muito baixa (entre 45% e 65%). A utilização de mesalazina em grânulos (sachê 2 g) dose única diária - Pentasa® sachê 2 g - pode aumentar a aderência ao tratamento, refletindo numa melhora nos desfechos dos pacientes. Objetivo Avaliar as evidências sobre o uso de mesalazina para a manutenção da remissão em pacientes com retocolite ulcerativa inespecífica e sua eficácia quando tomada uma vez versus mais de uma vez ao dia. Do ponto de vista econômico, avaliar o impacto que a adoção desta posologia teria para o sistema público de saúde do país, comparada ao tratamento padrão atual, considerando a adesão dos pacientes. Métodos Foi elaborada uma árvore de decisão construída a partir do Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas de Colite Ulcerativa, publicado pelo Ministério da Saúde na portaria SAS/MS n° 861, de 04 de novembro de 2002, e de algoritmos publicados pela Associação Brasileira de Colite Ulcerativa e Doença de Crohn, objetivando-se obter o custo-efetividade da mesalazina dose única diária em grânulos comparado com mesalazina duas vezes ao dia em comprimidos. Resultados O emprego de mesalazina aumenta as chances de indução da remissão e sua manutenção, quando comparado a ...
Descritores: Anti-Inflamatórios não Esteroides/administração & dosagem
Colite Ulcerativa/tratamento farmacológico
Árvores de Decisões
Mesalamina/administração & dosagem
-Anti-Inflamatórios não Esteroides/economia
Análise Custo-Benefício
Mesalamina/economia
Cooperação do Paciente
Projetos Piloto
Estudos Prospectivos
Resultado do Tratamento
Limites: Feminino
Seres Humanos
Masculino
Meia-Idade
Tipo de Publ: Ensaio Clínico Controlado
Ensaio Clínico Controlado Aleatório
Responsável: BR1.1 - BIREME



página 1 de 4 ir para página            
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde