Base de dados : LILACS
Pesquisa : D02.455.326.146.379 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 1 [refinar]
Mostrando: 1 .. 1   no formato [Detalhado]

página 1 de 1

  1 / 1 LILACS  
             
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Silva, Ionizete Garcia da
Alves, Rosa de Belem das Neves
Silva, Heloisa Helena Garcia da
Id: lil-195532
Autor: Silva, Ionizete Garcia da; Santos, Adelair Helena dos; Ferri, Pedro Henrique; Alves, Rosa de Belem das Neves; Melo, Raquel Linhares; Peixoto, Luciano; Silva, Heloisa Helena Garcia da; Elias, Carmeci Natalina; Isac, Eliana; Lira, Kênia da Silva; Camargo, Marlene de Fátima.
Título: Açäo larvicida de extrato bruto etanólico de Magonia pubescens St.Hil. (tingui-do-cerrado), sobre o Aedes aegypti(Lin.) em laboratório / Larvicid action crude ethanol extract of Magonia pubescens St.Hil.(tingui-do-cerrado), on the Aedes aegypti(Lin.), dengue's main vector
Fonte: Rev. patol. trop;25(1):51-9, jan.-jun. 1996. ilus.
Idioma: pt.
Resumo: Realizaram-se testes biológicos com extrato bruto etanólico (e.b.e.) de Magonia pubescens St. Hill., (tingui-do-cerrado)(Sapindaceae) para verificar a açäo larvicida sobre o Aedes aegypti(Lin.). Os extratos foram obtidos a partir de cada parte da planta: casca do caule, envoltório da semente e semente. Após ter sido coletado, o material foi dessecado em estufa de ar forçado a 40§C, moído, percolado em etanol por 10 dias, filtrado em papel filtro qualitativo, concentrado em evaporador rotativo e dessecado em pistola à vácuo. Após a obtençäo do e.b.e. de cada parte da planta, este foi dissolvido em água, em diferentes concentraçöes e testados com larvas de 4§ estádio de A.aegypti para determinar a DL50, que foi de 35, 55 e 150mg do e.b.e./100ml de água destilada, respectivamente, para semente, envoltório da semente e casca do caule. Cada experimento foi realizado com 20 frascos descartáveis, com capacidade para 30ml, com uma larva em cada um deles e observados por 24 horas. As larvas foram criadas em câmara biológica climatizada a 28ñ1§c, umidade relativa de 80ñ5(pôr cento) e fotofase de 12 horas. Os testes biológicos com os e.b.e. foram realizados em outra câmara, climatizada similarmente. Entre os experimentos realizados, os e.b.e. da semente e seu envoltório, mostraram-se mais eficientes larvicidas do que os e.b.e. da casca do caule
Descritores: Dengue/prevenção & controle
Dengue/virologia
Etano
Extratos Vegetais
-Dengue/parasitologia
Dengue/prevenção & controle
Responsável: BR584.1 - Biblioteca Central BSCAN



página 1 de 1
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde