Base de dados : LILACS
Pesquisa : D02.705.429.906 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 14 [refinar]
Mostrando: 1 .. 10   no formato [Detalhado]

página 1 de 2 ir para página        

  1 / 14 LILACS  
              next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Ximenes, Ricardo Arraes de Alencar
Texto completo
Id: biblio-1089327
Autor: Azevedo, Larissa Negromonte; Ximenes, Ricardo Arraes de Alencar; Monteiro, Polyana; Montarroyos, Ulisses Ramos; Miranda-Filho, Demócrito de Barros.
Título: Factors associated to modification of first-line antiretroviral therapy due to adverse events in people living with HIV/AIDS
Fonte: Braz. j. infect. dis;24(1):65-72, Feb. 2020. tab, graf.
Idioma: en.
Projeto: Brasil (CAPES).
Resumo: ABSTRACT Antiretroviral therapy (ART) has modified the outcome of patients with HIV infection, providing virological control and reducing mortality. However, there are several reasons as to why patients may discontinue their antiretroviral therapy, with adverse events being one of the main reasons reported in the literature. This is a case-control nested in a cohort of people living with HIV/AIDS, conducted to identify the incidence of ART modification due to adverse events and the associated factors, in two referral services in Recife, Brazil, between 2011 and 2014. Of the modifications occurred in the first year of ART, 25.7% were driven by adverse events. The median time elapsed between initiating ART and the first modification due to adverse events was 70.5 days (95% CI: 26-161 days). The main adverse events were dermatological, neuropsychiatric and gastrointestinal. Dermatological events were the earliest to appear after initiating ART. Efavirenz was the most prescribed and most modified drug during the study period. The group of participants who used zidovudine, lamivudine, and efavirenz had a 2-fold greater chance (adjusted OR: 2.16 95% CI: 1.28-3.65) of switching ART due to adverse events when compared to the group that used tenofovir with lamivudine and efavirenz.
Descritores: Síndrome de Imunodeficiência Adquirida/tratamento farmacológico
Fármacos Anti-HIV/efeitos adversos
-Fatores de Tempo
Brasil
Zidovudina/efeitos adversos
Modelos Logísticos
Fatores de Risco
Síndrome de Imunodeficiência Adquirida/mortalidade
Ritonavir/efeitos adversos
Lamivudina/efeitos adversos
Terapia Antirretroviral de Alta Atividade/efeitos adversos
Benzoxazinas/efeitos adversos
Combinação de Medicamentos
Estimativa de Kaplan-Meier
Lopinavir/efeitos adversos
Tenofovir/efeitos adversos
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Adolescente
Adulto
Pessoa de Meia-Idade
Adulto Jovem
Responsável: BR1.1 - BIREME


  2 / 14 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: biblio-962007
Autor: Machado-Alba, Jorge E.
Título: Resultados de una intervencion de farmacovigilancia en pacientes con VIH/SIDA tratados con estavudina / Pharmacosurveillance regarding Colombian patients beingtreated with stavudine
Fonte: Rev. salud pública;15(3):446-454, mayo-jun. 2013. ilus, tab.
Idioma: es.
Resumo: Objetivos Dado que la estavudina se ha asociado a toxicidad acumulativa e irreversible, se pretendió reducir la aparición de resultados negativos asociados al uso de estavudina mediante la notificación del riesgo a diferentes responsables de la atención sanitaria de pacientes con VIH/SIDA en Colombia. Métodos A partir de la base de datos de dispensación de medicamentos de Audifarma S.A a unos 4,5 millones de personas, se identificaron todos los usuarios de estavudina, se notificó el riesgo a los prestadores del servicio de salud y se recomendó la sustitución por zidovudina o tenofovir. Resultados En 2010 se identificaron 1 410 pacientes en tratamiento antirretroviral, de los cuales 109 (7,5 %) recibían estavudina, distribuidos en 20 ciudades del país y atendidos por 19 instituciones diferentes. Tras la intervención se consiguió en 28 meses reducir su empleo en 94,6 %. El medicamento más empleado en la sustitución fue zidovudina. Discusión Se consiguió exitosamente reemplazar estavudina siguiendo las recomendaciones de la Organización Mundial de la Salud, con lo cual se puede evitar la aparición de lipodistrofia y neuropatía periférica asociada a su empleo.(AU)

Objectives Reducing the occurrence of negative stavudine use-associated outcomes by reporting such risk to doctors responsible for the care of HIV/AIDS patients in Colombia as stavudine has been associated with cumulative and irreversible toxicity. Methods All stavudine users were identified from Audifarma S.A. (drug suppliers) databases (covering about 4.5million people). The risk was then reported to health service providers and the substitution of stavudine for zidovudine or tenofovir was recommended. Results It was found that 1,410 patients registered in the afore mentioned databases were receiving antiretroviral therapy during 2010, of whom 109 (7.5 %) were receiving stavudine; these patients were living in 20 cities and being attended by 19 institutions. Stavudine use became reduced by 94.6 % during the 28 months following the intervention. Zidovudine was the most commonly used replacement drug. Discussion Stavudine was successfully replaced following World Health Organization recommendations aimed at preventing the occurrence of lipodystrophy and the peripheral neuropathy associated with its use.(AU)
Descritores: Síndrome de Imunodeficiência Adquirida/tratamento farmacológico
HIV/efeitos dos fármacos
Estavudina/toxicidade
Síndrome de Lipodistrofia Associada ao HIV
-Zidovudina/administração & dosagem
Colômbia
Substituição de Medicamentos
Farmacovigilância
Tenofovir/administração & dosagem
Limites: Humanos
Responsável: BR1.1 - BIREME


  3 / 14 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: biblio-995627
Autor: Núcleo de Telessaúde da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
Título: TeleCondutas: hepatite B / TeleGuides: Hepatitis B.
Fonte: Porto Alegre; Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Telessaúde; 2017.
Idioma: pt.
Resumo: As hepatite virais apresentam forma clínicas diversas, desde infecções assintomáticas até quadros de hepatopatia avançada, como cirrose e hepatocarcinoma. A equipe da atenção primária deve investigar pessoas com sinais e sintomas comuns da infecção, bem como assintomáticos que fazem parte do grupo de risco. Esta guia apresenta informação que orienta a conduta para casos de hepatite B no contexto da Atenção Primária à Saúde, incluindo: forma de transmissão, quadro clínico, suspeita ou diagnóstico de cirrose, diagnóstico de hepatite b, avaliação sorológica da hepatite b, avaliação de paciente com hepatite b aguda, avaliação de paciente com hepatite b crônica, rastreamento, vacina para hepatite b, encaminhamento para serviço especializado.
Descritores: Hepatite B/diagnóstico
Hepatite B/patologia
Hepatite B/terapia
Hepatite B/transmissão
-Atenção Primária à Saúde
Encaminhamento e Consulta
Fibrose
Interferons/uso terapêutico
Vacinas contra Hepatite B
Tenofovir/uso terapêutico
Antígenos E da Hepatite B/sangue
Limites: Humanos
Tipo de Publ: Guia de Prática Clínica
Responsável: BR1.1 - BIREME


  4 / 14 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: biblio-966438
Autor: Rodrigues, Marcus Paulo da Silva.
Título: Avaliação econômica das abordagens terapêuticas para o tratamento das hepatites B e C: comparação das diretrizes nacionais e internacionais / Economic evaluation of therapeutic approaches for the treatment of hepatitis B and C: comparison of national and international guidelines.
Fonte: Rio de Janeiro; s.n; 2017. 180 f p. graf, tab.
Idioma: pt.
Tese: Apresentada a Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Instituto de Medicina Social para obtenção do grau de Doutor.
Resumo: As hepatites virais B e C, nas últimas décadas, emergiram e se mantiveram em evidência como um grande problema de saúde pública. O desenvolvimento e a disseminação do uso de medicamentos antivirais vêm contribuindo para a diminuição da carga dessas infecções em nível individual e coletivo. Especialmente na última década, disponibilizaram-se tecnologias mais seguras e eficazes para o diagnóstico precoce e para o tratamento. No intuito de assegurar o uso racional desses insumos, muitos países elaboraram recomendações que incluem, os critérios de inclusão e exclusão para o tratamento e o estabelecimento do curso terapêutico. As recomendações nacionais e internacionais para o tratamento das hepatites B e C divergem em diversos aspectos, principalmente no que se refere aos fármacos eleitos como primeira linha de tratamento e ao público prioritário. No caso da hepatite C, o Ministério da Saúde brasileiro indica a terapia tripla somente para portadores de doença hepática avançada. O consenso internacional, representado pela OMS, pela AALSD e pelo NICE, assume direção oposta, ao propor como público prioritário, indivíduos com hepatite leve e moderada. As recomendações nacionais e internacionais para o tratamento da hepatite B se assemelham em grande medida, mas são conflitantes no que diz respeito aos medicamentos eleitos como primeira escolha. Com base nas divergências das diretrizes terapêuticas nacionais e internacionais, esse estudo objetivou confrontar as óticas nacionais e internacionais e avaliar as estratégias mais custo-efetivas para o tratamento contra o vírus da hepatite B (VHB) e o vírus da hepatite C (VHC) sob a perspectiva do SUS. Os resultados do modelo econômico construído indicam que o uso precoce e universal dos inibidores de protease (IPs) emerge como a conduta mais racional para o tratamento da hepatite C crônica na atualidade. Essa abordagem resulta em melhores desfechos clínicos e econômicos se comparada à terapia dual (peguinterferon + ribavirina) e ao uso de IPs no caso de refratariedade ao tratamento prévio e especialmente quando empregada restritamente aos casos de fibrose avançada, tal como recomendado pelas diretrizes nacionais. Na avaliação do custo-efetividade das recomendações terapêuticas para o tratamento contra o VHB em indivíduos HBeAg não reagentes, o uso do tenofovir se mostrou a estratégia mais eficiente. A terapia com tenofovir constitui a primeira linha de tratamento nas diretrizes nacionais atuais e foi a que apresentou maior efetividade associada ao menor custo global, contrariando as proposições de protocolos internacionais e de algumas publicações anteriores. Em síntese, a análise farmacoeconômica comparativa entre as diretrizes nacionais e internacionais para o tratamento das hepatites crônicas revela que a conduta de tratamento contra o VHB adotada no Brasil é adequada pelos pontos de vista clínico e econômico. Em contrapartida, as mesmas conclusões não se aplicam ao caso do tratamento da infecção do genótipo 1 da hepatite C, que, da forma como está sendo conduzido, penaliza uma parcela significativa dos indivíduos portadores, por oferecer o que há de mais avançado em tratamento antiviral exclusivamente aos pacientes com menores chances de resposta, maior risco de desenvolvimento de intolerância medicamentosa e já em estágio terminal da doença hepática

In the last decades, viral hepatitis B and C have emerged and have remained in evidence as a major public health problem. The development and dissemination of the use of antiviral drugs has contributed to reduce the burden of these infections at the individual and collective levels. Especially in the last decade, safer and more effective technologies have been made available for early diagnosis and treatment. In order to ensure the rational use of antivirals, many countries have developed recommendations that adds the inclusion and exclusion criterias for the treatment and establishment of the therapeutic course. National and international recommendations for the treatment of hepatitis B and C differ in several respects, especially for the drugs chosen as the first treatment line and for the priority public. In the case of hepatitis C, the Brazilian Ministry of Health indicates triple therapy only for patients with advanced liver disease. The international consensus, represented by WHO, AALSD and NICE, assumes the opposite direction proposing as a priority public, individuals with mild and moderate hepatitis. National and international recommendations for the treatment of Hepatitis B closely resemble each other but are in conflict with regard to medicines chosen as the first choice. Based on divergences among national and international therapeutic guidelines, this study aimed to compare national and international perspectives and to evaluate the most cost-effective strategies for the treatment of hepatitis B virus (HBV) and hepatitis C virus (HCV) from the SUS perspective. The results of the constructed economic model indicate that the early and universal use of protease inhibitors (PIs) emerges as the most rational conduct for the treatment of chronic hepatitis C today. This approach results in better clinical and economic outcomes compared to dual therapy (peginterferon + ribavirin) and the use of PIs in the case of refractoriness to previous treatment and especially when used strictly to cases of advanced fibrosis, as recommended by the national guidelines. In cost-effectiveness evaluation of the therapeutic recommendations for the treatment against HBV in non-reactive HBeAg individuals, the use of tenofovir was the most efficient strategy. In current national guidelines, tenofovir is recommended as the first-line treatment and was the one with the highest effectiveness associated with the lowest overall cost, contrary to the proposals of international protocols and some previous publications. In summary, the comparative pharmacoeconomic analysis between the national and international guidelines for the treatment of chronic hepatitis reveals that the treatment approach against HBV adopted in Brazil is adequate from the clinical and economic points of view. In contrast, the same conclusions do not apply to the treatment of hepatitis C genotype 1 infection, which, as it is being conducted, penalizes a significant portion of carriers because it offers the most advanced antiviral treatment exclusively to patients with lower chances of response, higher risk of developing drug intolerance and already in the terminal stage of liver disease
Descritores: Terapêutica/economia
Brasil
Guia de Prática Clínica
Análise Custo-Benefício
Hepatite C/economia
Farmacoeconomia
Tenofovir/uso terapêutico
Hepatite B/economia
Limites: Humanos
Tipo de Publ: Revisão
Estudo de Avaliação
Responsável: BR433.1 - CB/C - Biblioteca Biomédica C
BR433.1; 616.36, R696, T1613


  5 / 14 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Texto completo
Id: biblio-908702
Autor: Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos.
Título: Tenofovir associado a entricitabina (TDF/FTC 300/200mg) como profilaxia pré-exposição (PrEP) para populações sob maior risco de adquirir o vírus da imunodeficiência humana (HIV) / Tenofovir associated with emtricitabine (TDF / FTC 300 / 200mg) as pre-exposure prophylaxis (PrEP) for populations at increased risk of acquiring human immunodeficiency virus (HIV).
Fonte: Brasília; CONITEC; maio 2017. graf, ilus, tab.
Idioma: pt.
Resumo: CONTEXTO: A resposta brasileira à epidemia de aids é resultante de um longo processo de atuação do governo brasileiro que garante desde 1996 acesso universal ao tratamento antirretroviral. Contudo, apesar dos inúmeros avanços ocorridos na redução da morbimortalidade nos últimos anos, o número de novos casos de aids vem se mantendo praticamente inalterado. No Brasil, a epidemia de aids é concentrada em determinados segmentos populacionais, que apresentam uma maior prevalência de infecção pelo HIV, quando comparados à população em geral, e respondem pela maioria de casos novos da infecção. Assim, para essas populações sob maior risco de infecção pelo HIV faz-se necessário a construção de estratégias de prevenção focalizadas como forma de impactar a epidemia. TECNOLOGIA: Profilaxia pré-exposição (PrEP) oral, na forma de tenofovir associado a entricitabina (TDF/FTC 300/200mg). Consiste no uso de antirretrovirais previamente à exposição de risco. INDICAÇÃO: Redução de risco em adquirir a infecção pelo HIV, entre pessoas sob risco aumentado. PERGUNTA: O uso de tenofovir associado a entricitabina (TDF/FTC 300/200mg) quando comparado ao uso de placebo reduz o risco de infecção pelo HIV entre pessoas sob alto risco? EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS: As evidências científicas disponíveis demostram que o uso de PrEP reduz o risco de infecção pelo HIV, comparado a placebo, com eficácia >70% (RR=0,30, 95% IC: 0,21-0,45, p= 0,001). Sua eficácia está diretamente relacionada à adesão ao medicamento. Os eventos adversos foram similares entre o grupo placebo e o que usou PrEP. Casos de resistência aos medicamentos foram encontrados entre aqueles que iniciaram PrEP durante a fase aguda da infecção, mas a incidência de resistência durante o uso de PrEP foi baixa. Não foi encontrada associação entre uso de PrEP e mudanças no comportamento sexual. O uso de PrEP demonstrou segurança e eficácia, para a redução de risco em adquirir a infecção pelo HIV, entre pessoas sob risco aumentado, quando comparado ao uso de placebo. RECOMENDAÇÃO DA CONITEC: A CONITEC recomendou a incorporação da associação de tenofovir e entricitabina (TDF/FTC 300/200mg) como profilaxia pré-exposição (PrEP) para populações sob risco aumentado de infecção pelo HIV no SUS, condicionada à aprovação do registro na ANVISA para essa indicação e à apresentação de um plano de acompanhamento anual das pessoas que receberão a profilaxia, de forma que sua incorporação possa ser reavaliada dentro de um prazo de tempo de, no máximo, 2 anos. CONSULTA PÚBLICA: Por meio da Consulta Pública nº 05 foram recebidas 147 contribuições distribuídas entre os formulários destinados a experiência e opinião e os para contribuições técnico-científicas. O nível de concordância com a recomendação inicial favorável à incorporação do medicamento como profilaxia pré-exposição (prep) para populações sob risco aumentado de adquirir o vírus da imunodeficiência humana (HIV) no SUS foi alto, abrangendo quase a totalidade das contribuições técnico-científica e 77% das contribuições de experiência e opinião. Entre as discordantes ou parcialmente concordantes não foram identificadas contribuições que trouxessem evidências científicas novas às já incluídas nesse parecer técnico-científico ou contestações às evidências científicas identificadas e que embasam a proposta de incorporação do medicamento com finalidade profilática. A maioria das experiências profissionais relatadas convergem com a proposta de incorporação elaborada nesse parecer. RECOMENDAÇÃO FINAL: Deliberou-se por unanimidade recomendar a incorporação da associação de tenofovir e entricitabina (TDF/FTC 300/200mg) como profilaxia pré-exposição (prep) para populações sob risco aumentado de adquirir o vírus da imunodeficiência humana (HIV) no SUS, condicionada à aprovação da inclusão da indicação para profilaxia pré-exposição ao HIV no registro do medicamento pela ANVISA e reavaliação do plano de acompanhamento anual das pessoas que receberão a profilaxia, em até 2 anos. DECISÃO: Incorporar o tenofovir associado a entricitabina (TDF/FTC 300/200mg) como profilaxia pré-exposição (PrEP) para populações sob maior risco de adquirir o vírus da imunodeficiência humana (HIV), no âmbito do Sistema Único de Saúde ­ SUS, dada pela Portaria nº 21, publicada no DOU nº 101, do dia 29 de maio de 2017, seção 1, pág. 73.(AU)
Descritores: Infecções por HIV/prevenção & controle
Profilaxia Pré-Exposição/métodos
Inibidores da Transcriptase Reversa/uso terapêutico
Tenofovir/uso terapêutico
-Brasil
Análise Custo-Benefício
Avaliação em Saúde/economia
Avaliação da Tecnologia Biomédica
Sistema Único de Saúde
Limites: Humanos
Tipo de Publ: Revisão
Relatório Técnico
Estudo de Avaliação
Responsável: BR1.1 - BIREME


  6 / 14 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Saúde Pública
Texto completo
Id: biblio-895650
Autor: Villardi, Pedro.
Título: Ativismo, políticas públicas e acesso a medicamentos: o uso de oposições a pedidos de patentes por organizações da sociedade civil / Activism, public policies and access to medicines: the use of patent oppositions by civil society organizations
Fonte: Physis (Rio J.);28(1):e280107, 2018.
Idioma: pt.
Resumo: Resumo O artigo aborda o problema do acesso aos medicamentos ARVs e a construção da agenda de lutas do movimento social da AIDS, especificamente o caso do tenofovir, suas pró-drogas e a combinação com a emtricitabina. Discute de que estratégias o movimento AIDS lançou mão para evitar que tais medicamentos fossem patenteados, utilizando o método monográfico e a posição de insider do autor para fazer a análise.

Abstract This article brings the issue of access to ARV drugs and the construction of the struggles agenda of the Aids social movement regarding the tenofovir case as well as its prodrugs and the combination with emtricitabine. The article discusses which strategies the HIV movement used to avoid the patenting of such drugs, using the monographic method and the author's inside position to conduct this analysis.
Descritores: Acesso a Medicamentos Essenciais e Tecnologias em Saúde
Síndrome de Imunodeficiência Adquirida
Brasil
HIV
Propriedade Intelectual de Produtos e Processos Farmacêuticos
Ativismo Político
Tenofovir
Tipo de Publ: Revisão
Responsável: BR433.1 - CB/C - Biblioteca Biomédica C


  7 / 14 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Saúde Pública
Texto completo
Id: biblio-895649
Autor: Pinto, Cláudia du Bocage Santos; Miranda, Elaine Silva; Moritz, Ângela Fernandes Esher; Osorio-de-Castro, Claudia Garcia Serpa.
Título: A provisão de medicamentos pelo "Saúde Não Tem Preço" em municípios prioritários para o Plano Brasil Sem Miséria em Mato Grosso do Sul / Medicines provision through the "Saúde Não Tem Preço" initiative in target municipalities for the Brazil Without Poverty Plan in Mato Grosso do Sul state
Fonte: Physis (Rio J.);28(1):e280106, 2018. tab.
Idioma: pt.
Resumo: Resumo O Programa Farmácia Popular do Brasil (PFPB) tem como uma de suas características a interface que promove entre o setor público e o privado. A partir de 2011, passou a integrar o rol de ações do Plano Brasil Sem Miséria (BSM), com a iniciativa "Saúde Não Tem Preço" (SNTP), caracterizada pela gratuidade da provisão de medicamentos para hipertensão, diabetes e asma. O estudo teve como objetivo verificar o papel do SNTP nos municípios-alvo do BSM em Mato Grosso do Sul. Foi realizado inquérito baseado em método da OMS em 40 farmácias credenciadas de 15 municípios. Foram coletadas informações sobre o perfil socioeconômico e demográfico dos usuários, condições de saúde e medicamentos, além das etapas percorridas para obtenção dos mesmos. Entre os 896 usuários entrevistados, havia grande proporção de mulheres, acima de 60 anos, com baixa escolaridade e renda entre meio e dois salários mínimos. Aproximadamente, 95% vinham do SUS e mais de 60% relatou tentar obter os medicamentos no posto de saúde, mas a indisponibilidade os levou às farmácias credenciadas. Mais de 55% dos usuários chegaram ao SNTP por recomendação dos profissionais do SUS. Estima-se que, nesses municípios, a população mais pobre não chegou ao SNTP.

Abstract The Brazilian Popular Pharmacy Program promotes an interface between the public and private sectors. From 2011, the Program took part in the actions contemplated by the Brazil Without Poverty (BSM) Plan, through the "Saúde Não Tem Preço" (SNTP) initiative, characterized by free Ministry of Health-financed provision of medicines for hypertension, diabetes and asthma, dispensed in private Program-certified facilities. The study aimed to assess the role played by SNTP in BSM target municipalities in Mato Grosso do Sul state. A survey in 40 pharmacies from 15 municipalities, based on a WHO methodology, collected socioeconomic and demographic profile of users, as well as health perceptions, medicines and steps taken to obtain them. Among the 896 interviewees, there was a greater proportion of females, over 60 years, with low schooling, and total income between half and two minimum wages. About 95% of users came to the SNTP from public health system. More than 60% reported trying to obtain the medicines at public facilities, but unavailability led them to certified pharmacies. More than 55% of users were directed to SNTP by recommendation of a SUS health professional. We estimate that in these target municipalities the poorest segment of the population did not access SNTP.
Descritores: Síndrome de Imunodeficiência Adquirida
Antirretrovirais
Brasil
HIV
Patente
Ativismo Político
Tenofovir
Limites: Humanos
Tipo de Publ: Revisão
Responsável: BR433.1 - CB/C - Biblioteca Biomédica C


  8 / 14 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Saúde Pública
Texto completo
Id: biblio-895647
Autor: Chaves, Gabriela Costa; Hasenclever, Lia; Oliveira, Maria Auxiliadora.
Título: Redução de preço de medicamento em situação de monopólio no Sistema Único de Saúde: o caso do Tenofovir / Price reduction of monopoly medicine in the Unified Health System: the case of Tenofovir
Fonte: Physis (Rio J.);28(1):e280103, 2018. tab, graf.
Idioma: pt.
Resumo: Resumo O objetivo do estudo é analisar a evolução do preço do tenofovir (TDF) no Brasil à luz das diferentes iniciativas para sua redução. Os critérios para a seleção do caso foram: ter sido objeto de pelo menos uma estratégia de enfrentamento da barreira patentária, que no caso foi o subsídio ao exame do pedido da patente (oposição à patente); e ter sido objeto de uma Parceria para Desenvolvimento Produtivo (PDP) para produção local. Os principais resultados sugerem que os subsídios ao exame apresentados em 2005 e 2006 contribuíram para a decisão de indeferimento do pedido de patente em 2009. Estima-se que o Brasil pagou cerca de US$ 200 milhões a mais pelo monopólio gerado a partir de um pedido de patente pendente. Houve uma redução do preço do TDF entre 2003 e 2013, inclusive durante a vigência da PDP (2011 a 2013). Em 2010, após o anúncio da PDP, também houve uma diminuição de 40% no preço do TDF ofertado pela Gilead, que refletiu no preço de oferta do produto PDP. No entanto, o preço pago no Brasil para o produto nacional foi cerca de dez vezes mais caro que o genérico ofertado internacionalmente.

Abstract This study aimed to analyze the evolution of the price of tenofovir (TDF) in Brazil considering the different initiatives for its reduction. The selection criteria for the case were: to have been subject to at least one strategy to overcome patent barrier, which in the case was the support to examination of the patent application (patent opposition); and have been subject of a local production Partnership for Productive Development (PDP). The main results suggest that patent opposition presented in 2005 and 2006 contributed to the decision to reject the patent application in 2009. Brazil is estimated to have paid around US$ 200 million more for the monopoly due to the patent pending application period. There was a reduction in the price of TDF between 2003 and 2013, including during the PDP (2011 to 2013). In 2010, after the PDP announcement, there was an additional 40% decrease in the price of the TDF offered by Gilead, which reflected in the price offered by the PDP. However, the price paid in Brazil for the national product was about ten times higher than the generic offered internationally.
Descritores: Síndrome de Imunodeficiência Adquirida
Antirretrovirais/economia
Preço de Medicamento
Medicamentos Genéricos
HIV
Patente
Tenofovir
Sistema Único de Saúde
Limites: Humanos
Tipo de Publ: Relatos de Casos
Revisão
Responsável: BR433.1 - CB/C - Biblioteca Biomédica C


  9 / 14 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: lil-791161
Autor: Horta, Diana; Fernandez-Atutxa, Alberto; Miquel, Mireia; Vergara, Mercedes; Casas, Meritxell; Sánchez-Delgado, Jordi.
Título: Resultados en la práctica clínica del tratamiento de la hepatitis crónica por virus B con tenofovir y entecavir / Results in clinical practice of treatment of chronic hepatitis b virus with tenofovirand entecavir
Fonte: Infectio;20(3):123-129, jul.-sep. 2016. ilus, graf, tab.
Idioma: es.
Resumo: Actualmente hay pocos datos sobre los resultados obtenidos con tenofovir y entecavir en la práctica clínica. Objetivo: Valorar la respuesta viral y la seguridad de tenofovir y entecavir en un periodo de 5 años. Material y métodos: Estudio observacional en donde se incluyó a todos los pacientes con hepatitis crónica por virus B que iniciaron tratamiento con tenofovir o entecavir desde enero de 2008 hasta diciembre de 2012. Resultados: De un total de 70 pacientes: 42 (60%) en tratamiento con entecavir y 28 (40%) con tenofovir. Un 75,7% eran hombres, con una edad media de 53 (DE 14) años. Un 70% eran caucásicos. Se realizó biopsia hepática en 46 pacientes (F0 8,7%; F1 6,5%; F2 26,1%; F3 43,5% y F4 15,2%). El 51,4% eran naïve. Del grupo de pacientes previamente tratados, un 17,6% había recibido interferón; un 26,4% interferón inicialmente y luego análogos; y un 55,8% otros análogos de los nucleósidos o de los nucleótidos. El tiempo de seguimiento fue de 36 (DE 12) meses. El DNA del VHB inicial medio era de 31.570.006 UI/mL (rango 24-1.100.000.000 UI/mL).Todos ellos, excepto 3, presentaron un DNA indetectable al año del tratamiento. De los 10 con HBeAg+, 2 de ellos presentaron seroconversión. Los valores de creatinina y la estimación del filtrado glomerular (EFG) fueron de 0,9 (DE 0,3) mg/dL y de 93,92 ml/min/1,73 m² (DE 21,92) al inicio y creatinina 0,93 (DE 0,27) mg/dL y EFG 91,7392 ml/min/1,73 m² (DE 21,38) al año de seguimiento. Conclusiones: Entecavir y tenofovir son eficaces y seguros en la práctica clínica en pacientes con hepatitis crónica por virus B.

The current first line treatment for chronic hepatitis B virus is with entecavir andtenofovir. However, there are few data regarding the results obtained from these treatmentsin clinical practice. Objective: To assess viral response and safety of treatment with entecavir and tenofovir in a5-year follow-up. Material and methods: Observational study on patients with chronic hepatitis B virus who begantreatment with tenofovir or entecavir between January 2008 and December 2012. Results: Seventy patients were included; 42 (60%) were treated with entecavir and 28 (40%)with tenofovir. Of these, 75.7% were men, with an average age of 53 (SD ± 14) years, and mostwere white (70%). A liver biopsy was performed on 46 patients (F0 8.7%; F1 6.5%; F2 26.1%;F3 43.5% and F4 15.2%). Of all the patients, 51.4% were treatment naïve, and of the groupof previously treated patients, 17.6% had received interferon; 26.4% had received interferonfollowed by one or more analogues; and 55.8% had received other nucleoside or nucleotideanalogues.The time of follow-up was 36 (SD ± 12) months. The average initial DNA was 31,570,006UI/mL (range 24-1,100,000,000 UI/mL). All except 3 presented undetectable DNA after oneyear of treatment. Ten patients were HBeAg-positive at the beginning of the treatment and 2seroconverted. At the beginning of the treatment, creatinine was 0.9 (SD ± 0.3) mg/dL and theestimated glomerular filtration rate (eGFR) was 93.92 ml/min/1.73 m²(DE 21.92); both keepingstable after a year of treatment (creatinine levels 0.93 SD ± 0.27 mg/dL, eGFR 91.7392 SD± 21.38 ml/min/1.73 m²). Conclusions: Entecavir and tenofovir are safe and effective in clinical practice for the treatmentof chronic hepatitis B virus, both in treatment-naïve patients and in those previously treated.
Descritores: Antivirais/uso terapêutico
Hepatite B
Hepatite Crônica
Tenofovir
-Antivirais/uso terapêutico
Hepatite B
Hepatite Crônica
Tenofovir
Limites: Humanos
Tipo de Publ: Artigo Clássico
Responsável: CO332 - Facultad de Medicina


  10 / 14 LILACS  
              first record previous record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: lil-782293
Autor: Planello, Jéssica Freitas; Marcelino, Daniela Chinelato; Cypriani, Rafael; Souto, Bernardino Geraldo Alves.
Título: Síndrome de fanconi induzida pelo uso de tenofovir em pessoa coinfectada HIV-hepatite B multirresistente / Fanconi Syndrome induced by the use of Tenofovir in co-infected personHIV-multiresistant Hepatitis B virus
Fonte: ABCS health sci;41(1), jan.-abr. 2016.
Idioma: pt.
Resumo: Introdução: A coinfecção vírus da Hepatite B-vírus da imunodeficiência humana (HIV-HBV) é comum e o Tenofovir (TDF) é droga de eleição porque age contra os dois vírus ao mesmo tempo. Porém, em cerca de 1% dos casos pode induzir Síndrome de Fanconi (SF), levando à insuficiência renal. Relato de caso: Em um homem coinfectado HIV-HBV, com a replicação do HIV controlada, o vírus da Hepatite B foi resistente a todos os fármacos disponíveis, exceto ao TDF. Vinte e dois meses após tratamento antirretroviral composto com esse medicamento, o qual controlou a replicação dos dois vírus ao mesmo tempo, desenvolveu insuficiência renal com perda de solutos reabsorvíveis em túbulo contornado proximal, diagnosticada como SF induzida por TDF. Diante do dilema de suspender o TDF para preservar o rim e permitir a replicação do HBV, ou manter oTDF para preservar o fígado e aceitar a degeneração renal, optou-se por balancear o tratamento segundo o melhor equilíbrio possível entre a replicação do HBV e a preservação do rim, ajustando-se a posologia dos medicamentos de acordo com os indicadores clínicos e laboratoriais do risco hepático e do funcionamento renal. Conclusão: A única possibilidade terapêutica disponível atualmente para pessoas coinfectadas HIV-HBV multirresistente que desenvolvem insuficiência renal por TDF consiste no ajuste da dose do TDF segundo o clearance de creatinina, no tratamentosintomático, na reposição de perdas urinárias com repercussão metabólica e no monitoramento clínico e laboratorial da infecção pelo HIV, da Hepatite B, da insuficiência renal e da remodelação óssea.

Introduction: HIV-HBV coinfection is common and Tenofovir (TDF) is the drug of choice because it acts against both viruses at the same time. However, about 1% of cases can induce Fanconi Syndrome, leading to kidney failure. Case report: On an HIV-HBV co-infected man, with controlled HIV replication, Hepatitis B virus was resistant to all available drugs, except TDF. Twenty-two months after antiretroviral treatment compound with that drug, which controlled both viruses? replication at the same time, he developed renal insufficiency with loss of absorbable solutes at proximal convoluted tubule, diagnosed as Fanconi Syndrome induced by TDF. Facing the dilemma of suspending the TDF for preserving the kidney and to allow the replication of the HBV, or to keep the TDF for preserving the liver and to accept the renal degeneration, we chose to balance the treatment according to the best possible equilibrium between HBV replication and kidney preservation, adjusting the posology of medications according to clinical and laboratorial indicators of liver risk and renal function. Conclusion: The only therapeutic option currently available to coinfected people by HIV-HBV who develop renal failure by the TDF consists on adjustment of the dose of the TDF according creatinine clearance, symptomatic treatment, replacement ofurinary losses which have metabolic impact, and clinical and laboratory monitoring of the HIV infection, Hepatitis B, Renal insufficiency and Bone remodeling.
Descritores: Síndrome de Fanconi
Hepatite B
HIV
Infecções por HIV
Insuficiência Renal
Tenofovir
Limites: Humanos
Masculino
Tipo de Publ: Relatos de Casos
Responsável: BR1342.1 - Biblioteca da Escola de Enfermagem BENF



página 1 de 2 ir para página        
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde