Base de dados : LILACS
Pesquisa : D02.886.778.823.500 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 79 [refinar]
Mostrando: 1 .. 10   no formato [Detalhado]

página 1 de 8 ir para página                    

  1 / 79 LILACS  
              next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: lil-521580
Autor: Chamié, Daniel; Costa Junior, José Ribamar; Abizaid, Alexandre; Silva, José Fábio Almiro da; Feres, Fausto; Mattos, Luiz Alberto; Staico, Rodolfo; Costa, Ricardo A; Siqueira, Dimytri; Tanajura, Luiz Fernando; Sousa, Amanda G. M. R; Sousa, J. Eduardo.
Título: Stents libertadores de sirolimus com e sem cobertura polimérica: análise seriada com angiografia e ultrassom intracoronariano tridimensional / Sirolimus-eluting stents with and without polymeric coating: serial angiography and three-dimensional intravascular ultrasound analysis
Fonte: Rev. bras. cardiol. invasiva;17(1):20-30, jan.-mar. 2009. ilus, tab, graf.
Idioma: pt.
Resumo: A presença de polímeros sintéticos em contato com a parede vascular tem sido associada a intensa resposta inflamatória local e a eventos adversos tardios. Entretanto, sua ausência pode comprometer a eficácia dos stents farmacológicos em suprimir a hiperplasia intimal. Avaliamos, com angiografia coronariana quantitativa (ACQ) e ultrassom intracoronariano (USIC), a eficácia do stent Vestasyn (VES), liberador não-polimérico de sirolimus...
Descritores: Stents
Angiografia Coronária
Doença das Coronárias/dietoterapia
-Heparina/administração & dosagem
Seguimentos
Sirolimo/sangue
Ticlopidina/administração & dosagem
Limites: Humanos
Masculino
Idoso
Responsável: BR44.1 - Serviço de Biblioteca, Documentação Científica e Didática Prof. Dr. Luiz Venere Décourt


  2 / 79 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: lil-503483
Autor: Chamié, Daniel; Costa Junior, José Ribamar; Abizaid, Alexandre; Feres, Fausto; Devito, Fernando; Mattos, Luiz Alberto; Staico, Rodolfo; Abizaid, Andrea; Tanajura, Luiz Fernando L; Fitzgerald, Peter J; Whitbourn, Robert; Sousa, Amanda G. M. R; Sousa, J. Eduardo.
Título: Stents auto-expansíveis versus balão-expansível para tratamento de lesões em vasos de fino calibre: estudo com ultra-som intracoronário tridimensional / Self-expanding versus balloon-expandable stents for the treatment of small coronary vessels: a three-dimensional intracoronary ultrasound study
Fonte: Rev. bras. cardiol. invasiva;16(3):341-352, jul.-set. 2008. ilus, graf, tab.
Idioma: pt.
Resumo: Introdução: Intervenção coronária pecutânea em vasos de fino calibre (VF) está associada a piores resultados imediatos e tardios, com elevadas taxas de reestenose. Estudos prévios têm sugerido que stents auto-expansíveis causam menos injúria vascular no momento do implante, com expansão de seus volumes com o tempo, gerando maiores áreas luminais que stents balão-expansíveis. A influência desses fenômenos em VF ainda é desconhecida. Objetivos: Avaliar as propriedades mecânicas e a eficácia do novo stent CardioMind no tratamento de lesões em VF em comparação ao stent balão-expansível Multi-link Pixel (Pixel). Método: Treze pacientes portadores de lesões únicas primárias < 14 mm de extensão, em artérias coronárias nativas < 2,5 mm de diâmetro, foram tratados com o stent CardioMind e comparados a uma corte histórica de 25 pacientes, com os mesmos critérios de inclusão, tratados com o stent Pixel. Ultrasom intracoronário (USIC) seriado foi realizado pós-procedimento e aos 7,3 +/- 1,0 meses. Resultados: A média das idades foi de 58,1 +/- 9,9 anos, com 60,5 por cento do sexo masculino e 39,4 por cento diabéticos. Ambos os stents produziram volumes de hiperplasia neo-intimal (HNI) smelhantes...
Descritores: Stents
Angioplastia Coronária com Balão/métodos
-Aspirina/administração & dosagem
Estudo Comparativo
Ticlopidina/administração & dosagem
Vasos Coronários/anatomia & histologia
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Pessoa de Meia-Idade
Responsável: BR44.1 - Serviço de Biblioteca, Documentação Científica e Didática Prof. Dr. Luiz Venere Décourt


  3 / 79 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: lil-477835
Autor: Siqueira, Dimytri Alexandre de Alvim; Feres, Fausto; Abizaid, Alexandre A. C; Costa junior, José Ribamar da; Andrade, Pedro B. de; Lasave, Leandro I; Maia, Julio de Paiva; Mattos, Luiz A; Staico, Rodolfo; Costa, Ricardo A; Tanajura, Luiz Fernando; Chaves, Áurea J; Centemero, Marinella P; Abizaid, Andrea S; Sousa, Amanda G. M. R; Sousa, J. Eduardo M. R.
Título: Incidência de aposição incompleta persistente e tardia após implante de stents com sirolimus e zotarolimus / Incidence of persistent and late-acquired incomplete stent apposition after sirolimus and zotarolimus-eluting stents
Fonte: Rev. bras. cardiol. invasiva;15(4):363-369, out.-dez. 2007. ilus, tab.
Idioma: pt.
Resumo: Introdução: Aposição incompleta (AI) é descrita após implante de stents farmacológicos (SF) e pode associar-se à trombose de stents. Em razão de diferentes plataformas, polímeros e fármacos utilizados, diferenças na eficácia e na segurança entre SF também são esperadas. Objetivo: Avaliar a incidência de AI persistente e tardia após implante de stents com sirolimus (SES) e com zotarolimus (ZES) e a evolução dos pacientes que apresentem essa alteração. Método: Análise de 242 pacientes tratados com SF (175 pacientes com SES – Cypher® – e 67 pacientes com ZES – Endeavor™) e submetidos a ultra-sonografia intracoronária após o implante e aos seis meses. Resultados: No grupo tratado com SES, 7 (4%) pacientes apresentaram AI tardia e 12 (6,8%), AI persistente. No grupo tratado com ZES, nenhum caso de AI tardia foi identificado e, em 4 pacientes, observou-se AI após o implante e que desapareceu aos seis meses. Nos pacientes com AI tardia, observou-se aumento evolutivo dos volumes do vaso (de 377,2 ± 148,9 mm3 para 431,9 ± 155,1 mm3; p = 0,51)e da placa (de 206,1 ± 51,5 mm3 para 236,9 ± 68,4 mm3; p = 0,36). O volume de hiperplasia intimal foi maior após ZES (16,6 ± 5,8 mm3 vs. 5,1 ± 5,5 mm3; p < 0,0001). Após nove meses, não ocorreram eventos cardíacos adversos nos pacientes com AI. Conclusão: A incidência de AI tardia foi de 2,9% e observada após SES. A presença de AI não esteve relacionada a eventos adversos a médio prazo.

Background: Incomplete stent apposition (ISA) has been documented after drug-eluting stents (DES) and could be related to stent thrombosis. Because DES differ in metal platform, polymer and pharmacological agent, differences in performance and safety are expected. Objective: We sought to investigate the frequency and clinical consequences of ISA after implantation of sirolimus- (SES) and zotarolimuseluting stents (ZES). Methods: 242 patients (pts) who underwent DES placement (175 pts with Cypher® and 67 pts with EndeavorTM stents) had serial intravascular ultrasound (IVUS) performed (at index procedure and after 6-months). Results: 7 pts (4%) had late-acquired ISA after SES. Another 12 (6.8%) pts treated with SES had persistent ISA. Among pts treated with ZES, none had late ISA and 4 had ISA observed after stent implantation that completely resolved at 6-months. There was an increase in vessel (377.2 ± 148.9 to 431.9 ± 155.1 mm3, p = 0.51) and in plaque volume (206.1 ± 51.53 to 236.91 ± 68.4 mm3, p=0.36) in pts with late ISA. Amount of neointimal hyperplasia was significantly higher in ZES than SES (16.6 ± 5.8 mm3 vs 5.1 ± 5.5 mm3, p < 0.0001). After 9 months, no adverse clinical event was observed in pts with ISA. Conclusion: Overall incidence of IVUS-detected late incomplete DES apposition was 2.9%, all after SES. The presence of ISA was not related to clinical adverse events during mid term follow-up.
Descritores: Stents
Reestenose Coronária
-Ultrassom
Heparina/administração & dosagem
Incidência
Ticlopidina/administração & dosagem
Limites: Humanos
Feminino
Gravidez
Adulto
Responsável: BR44.1 - Serviço de Biblioteca, Documentação Científica e Didática Prof. Dr. Luiz Venere Décourt


  4 / 79 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Abizaid, Alexandre Antonio Cunha
Texto completo
Id: lil-477834
Autor: Maia, Julio de Paula; Abizaid, Alexandre Antonio Cunha; Chaves, Áurea J; Costa Junior, José Ribamar; Feres, Fausto; Mattos, Luiz Alberto; Staico, Rodolfo; Costa, Ricardo; Sousa, Amanda G. M. R; Sousa, J. Eduardo; Grube, Eberhard.
Título: Estudo inicial com o stent liberador de 17 beta estradiol (ETHOS R): avaliação clínica, angiográfica e pela ultra-sonografia intracoronária / Clinical, angiographic and ultrassound initial evaluation of the 17 beta estradiol-eluting stent (ETHOS)
Fonte: Rev. bras. cardiol. invasiva;15(4):357-362, out.-dez. 2007. tab.
Idioma: pt.
Resumo: Introdução: Estudos prévios demonstraram a capacidade do 17β estradiol (17β-E) em reduzir a proliferação de células musculares lisas e acelerar a regeneração endotelial. O stent ETHOS® foi desenvolvido com associação da plataforma R-stent® com um polímero bioestável (Bravo®), tendo a propriedade de liberar 17β-E. Objetivo: Avaliar a segurança e a eficácia antiproliferativa do stent ETHOS®, por meio da análise de eventos cardíacos adversos maiores (ECAM) aos seis meses e do porcentual de obstrução à ultra-sonografia intracoronária (USIC). Método: Foram incluídos 127 pacientes submetidos a intervenção coronária percutânea para tratamento de lesões de novo, únicas, em artérias coronárias nativas, divididos em quatro grupos: 1) controle (stent não-farmacológico); 2) ETHOS® I de liberação lenta; 3) ETHOS® I de liberação moderada; 4)ETHOS® II (liberação lenta e menores concentrações do fármaco e do polímero). O seguimento clínico foi realizado periodicamente e as análises por angiografia e USIC foram obtidas após o procedimento e aos seis meses. Resultados: A média de idade foi de 61,1 ± 10 anos, sendo 74% do sexo masculino. O porcentual de obstrução pela USIC foi semelhante entre os grupos (31 ± 14 mm3, 31 ± 14 mm3, 33 ± 11 mm3 e 30 ± 11 mm3, respectivamente; p = 0,84), bem como as medidas pela angiografia quantitativa. Resultados similares também foram observados quanto à incidência de ECAM, havendo maior necessidade de nova revascularização no grupo ETHOS® II (6,2%,6,2%, 12,9% e 18,8%, respectivamente; p = 0,08), sem significância estatística. Não ocorreram casos de trombose definitiva ou provável. Conclusão: O stent ETHOS® apresentou perfil de segurança adequado em todas as formulações estadas, sem, no entanto, reduzir a proliferação neointimal em comparação a stents não-farmacológicos.(

Introduction: Previous data demonstrated 17β estradiol's (17β-E) antiproliferative and pro-healing properties. The ETHOS® eluting stent, combines the R-stent® platform to a bioestable polymer (Bravo®), impregnated with 17β-E. Objective: To evaluate safety and efficacy of the ETHOS 17β-E eluting stent by the analysis of the incidence of 6-month major cardiac adverse events (MACE) and percent intimal volume obstruction (IVUS). Methods: A hundred twenty-seven patients were treated for de novo single lesions in native coronary arteries, and divided into 4 groups: 1) Control (bare-metal stent); 2) ETHOS® I slowrelease; 3) ETHOS® I moderate-release; 4) ETHOS® II (slowrelease and lower doses of drug and polymer). Clinical, angiographic and IVUS follow up were performed 6 months after the index procedure. Results: The mean age was 61.1 ± 10 years and 74% were men. Six-month IVUS volume obstruction were similar among the 4 groups (respectively 31 ± 14 mm3; 31 ± 14 mm3; 33 ± 11 mm3 and 30 ± 11 mm3; p = 0.84), as well as coronary quantitative angiography measurements. Similar results were observed regarding the incidence of MACE, although the occurrence of target-lesion revascularization was higher in the ETHOS® II group (respectively 6.2%, 6.2%, 12.9% e 18.8%; p = 0.08), without statistical significance. No cases of definite or probable thrombosis were reported. Conclusion: The ETHOS 17β-E eluting stent was feasible and safe in all the tested formulations. However, there was no additional antiproliferative effect over bare-metal stents.
Descritores: Stents
Ultrassonografia
Angioplastia Coronária com Balão
Reestenose Coronária
-Aspirina/administração & dosagem
Estradiol/administração & dosagem
Ticlopidina/administração & dosagem
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Adolescente
Responsável: BR44.1 - Serviço de Biblioteca, Documentação Científica e Didática Prof. Dr. Luiz Venere Décourt


  5 / 79 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: lil-414482
Autor: Piegas, Leopoldo Soares; Rossi Neto, João Manoel.
Título: Terapêutica antiplaquetária e anticoagulante / Antiplatelet and anticoagulation therapy
Fonte: Rev. Soc. Cardiol. Estado de Säo Paulo;13(2):234-239, mar.-abr. 2003. tab.
Idioma: pt.
Resumo: A aterosclerose é a principal base patológica para os pacientes com doença isquêmica do coração. O tratamento da angina estável tem dois propósitos maiores: o primeiro, é prevenir o óbito e o infarto, e, portanto, aumentar a "qualidade" de vida, incluindo, entre outros tratamentos, a terapêutica antiplaquetária e antitrombótica; e o segundo é reduzir os sintomas de angina e de isquemia recorrente, que deve melhorar a qualidade de vida. A aspirina deve ser usada de rotina em todos os pacientes com doença isquêmica do coração (crônica ou aguda) com ou sem sintomas manifestos e na ausência de contra-indicações. O clopidogrel é formalmente indicado na angina crônica nos casos de intolerância à aspirina. A ticlopidina não foi avaliada especificamente na doença arterial coronária crônica. O dipiridamol pode aumentar a isquemia miocárdica induzida pelo exercício, não devendo ser usado como agente antiplaquetário. A combinação de anticoagulação oral e aspirina deve ser considerada em pacientes com situações especiais, incluindo aqueles que sofreram evento cardiovascular na vigência de monoterapia com aspirina.
Descritores: Doença das Coronárias
Angina Pectoris
Anticoagulantes
Doença da Artéria Coronariana/etiologia
Doença da Artéria Coronariana/patologia
Doença da Artéria Coronariana/terapia
Inibidores da Agregação de Plaquetas/administração & dosagem
Inibidores da Agregação de Plaquetas/uso terapêutico
Isquemia Miocárdica/terapia
-Qualidade de Vida
Ticlopidina
Aspirina
Fatores de Risco
Dipiridamol
Combinação de Medicamentos
Limites: Humanos
Tipo de Publ: Revisão
Responsável: BR44.1 - Serviço de Biblioteca, Documentação Científica e Didática Prof. Dr. Luiz Venere Décourt


  6 / 79 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-839238
Autor: Marchini, JFM; Pinto, MR; Novaes, GC; Badran, AV; Pavão, RB; Figueiredo, GL; Lago, IM; Lima-Filho, MO; Lemos, DC; Tonani, M; Antloga, CM; Oliveira, L; Lorenzi, JC; Marin-Neto, JA.
Título: Decreased platelet responsiveness to clopidogrel correlates with CYP2C19 and PON1 polymorphisms in atherosclerotic patients
Fonte: Braz. j. med. biol. res = Rev. bras. pesqui. méd. biol;50(1):e5660, 2017. tab, graf.
Idioma: en.
Projeto: FAPESP.
Resumo: Clopidogrel and aspirin are the most commonly used medications worldwide for dual antiplatelet therapy after percutaneous coronary intervention. However, clopidogrel hyporesponsiveness related to gene polymorphisms is a concern. Populations with higher degrees of genetic admixture may have increased prevalence of clopidogrel hyporesponsiveness. To assess this, we genotyped CYP2C19, ABCB1, and PON1 in 187 patients who underwent percutaneous coronary intervention. Race was self-defined by patients. We also performed light transmission aggregometry with adenosine diphosphate (ADP) and arachidonic acid during dual antiplatelet therapy. We found a significant difference for presence of the CYP2C19*2 polymorphism between white and non-white patients. Although 7% of patients had platelet resistance to clopidogrel, this did not correlate with any of the tested genetic polymorphisms. We did not find platelet resistance to aspirin in this cohort. Multivariate analysis showed that patients with PON1 and CYP2C19 polymorphisms had higher light transmission after ADP aggregometry than patients with native alleles. There was no preponderance of any race in patients with higher light transmission aggregometry. In brief, PON1 and CYP2C19 polymorphisms were associated with lower clopidogrel responsiveness in this sample. Despite differences in CYP2C19 polymorphisms across white and non-white patients, genetic admixture by itself was not able to identify clopidogrel hyporesponsiveness.
Descritores: Aspirina/farmacologia
Plaquetas/efeitos dos fármacos
Doença da Artéria Coronariana/tratamento farmacológico
Inibidores da Agregação de Plaquetas/farmacologia
Ticlopidina/análogos & derivados
-Alelos
Arildialquilfosfatase/genética
Subfamília B de Transportador de Cassetes de Ligação de ATP/genética
Doença da Artéria Coronariana/genética
Citocromo P-450 CYP2C19/genética
Quimioterapia Combinada
Genótipo
Intervenção Coronária Percutânea
Polimorfismo Genético
Estudos Prospectivos
Ticlopidina/farmacologia
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Pessoa de Meia-Idade
Responsável: BR1.1 - BIREME


  7 / 79 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: biblio-835901
Autor: Yanine S, Diana; Orozco S, Cristóbal.
Título: Vasculitis leucocitoclástica secundaria a uso de clopidogrel / Leukocytoclastic vasculitis secondary to use of clopidogrel
Fonte: Rev. chil. dermatol;29(4):395-395, 2013. ilus.
Idioma: es.
Descritores: Inibidores da Agregação de Plaquetas/efeitos adversos
Ticlopidina/análogos & derivados
Ticlopidina/efeitos adversos
Vasculite Leucocitoclástica Cutânea/induzido quimicamente
Limites: Humanos
Masculino
Pessoa de Meia-Idade
Tipo de Publ: Relatos de Casos
Responsável: CL1.1 - Biblioteca Central


  8 / 79 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: lil-780354
Autor: Chacon A., Renato.
Título: Antiagregantes plaquetarios y resultado perioperatorio / Antiplatelet drugs and perioperative outcome
Fonte: Rev. chil. anest;42(1):33-47, mar.2013. tab.
Idioma: es.
Descritores: Aspirina/efeitos adversos
Complicações Intraoperatórias/etiologia
Inibidores da Agregação de Plaquetas/efeitos adversos
Ticlopidina/análogos & derivados
Ticlopidina/efeitos adversos
-Perda Sanguínea Cirúrgica
Período Perioperatório
Risco
Stents/efeitos adversos
Trombose/etiologia
Limites: Humanos
Tipo de Publ: Revisão
Responsável: CL1.1 - Biblioteca Central


  9 / 79 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-777103
Autor: Silva, Pedro Gabriel Melo de Barros e; Ribeiro, Henrique Barbosa; Baruzzi, Antônio Claudio do Amaral; Silva, Expedito Eustáquio Ribeiro da.
Título: When is the Best Time for the Second Antiplatelet Agent in Non-St Elevation Acute Coronary Syndrome? / Qual o Melhor Momento para o Segundo Antiplaquetário na Síndrome Coronariana Aguda sem Elevação do ST?
Fonte: Arq. bras. cardiol;106(3):236-246, Mar. 2016. tab, graf.
Idioma: en.
Resumo: Abstract Dual antiplatelet therapy is a well-established treatment in patients with non-ST elevation acute coronary syndrome (NSTE-ACS), with class I of recommendation (level of evidence A) in current national and international guidelines. Nonetheless, these guidelines are not precise or consensual regarding the best time to start the second antiplatelet agent. The evidences are conflicting, and after more than a decade using clopidogrel in this scenario, benefits from the routine pretreatment, i.e. without knowing the coronary anatomy, with dual antiplatelet therapy remain uncertain. The recommendation for the upfront treatment with clopidogrel in NSTE-ACS is based on the reduction of non-fatal events in studies that used the conservative strategy with eventual invasive stratification, after many days of the acute event. This approach is different from the current management of these patients, considering the established benefits from the early invasive strategy, especially in moderate to high-risk patients. The only randomized study to date that specifically tested the pretreatment in NSTE-ACS in the context of early invasive strategy, used prasugrel, and it did not show any benefit in reducing ischemic events with pretreatment. On the contrary, its administration increased the risk of bleeding events. This study has brought the pretreatment again into discussion, and led to changes in recent guidelines of the American and European cardiology societies. In this paper, the authors review the main evidence of the pretreatment with dual antiplatelet therapy in NSTE-ACS.

Resumo A indicação de dupla terapia antiplaquetária para o tratamento da síndrome coronariana aguda sem elevação do ST está bem estabelecida e é recomendação classe I (Nível de Evidência A) nas atuais diretrizes nacionais e internacionais. No entanto, essas mesmas diretrizes não são muito claras e consensuais quanto ao melhor momento para utilização do segundo antiplaquetário. As evidências sobre este tema são conflitantes e, após mais de uma década do uso do clopidogrel neste cenário, ainda há discussão se o pré-tratamento com dupla terapia antiplaquetária teria benefício de maneira rotineira, ou seja, quando aplicada sem conhecer a anatomia coronária. A recomendação de tratamentoupfront com clopidogrel na síndrome coronariana aguda sem elevação do ST se baseia em redução de eventos não fatais identificados em estudos que utilizavam estratégia conservadora, com eventual estratificação invasiva tardia, vários dias após o evento agudo. Essa abordagem é bastante diferente da que é feita atualmente, tendo em vista os benefícios já demonstrados da estratégia invasiva precoce nos pacientes de risco intermediário/alto. O único ensaio clínico randomizado que testou a hipótese do pré-tratamento na síndrome coronariana aguda sem elevação do ST sob a atual estratégia invasiva precoce utilizou o antiplaquetário prasugrel e mostrou que não houve benefício em redução de eventos isquêmicos, tendo, por outro lado, aumentado o risco de eventos hemorrágicos. Este estudo trouxe novamente o pré-tratamento à discussão e modificou recomendações nas atuais diretrizes das sociedades americana e europeia de cardiologia. Neste artigo, os autores apresentam uma revisão sobre as principais evidências do pré-tratamento com dupla terapia antiplaquetária na síndrome coronariana aguda sem elevação do ST.
Descritores: Síndrome Coronariana Aguda/tratamento farmacológico
Inibidores da Agregação de Plaquetas/uso terapêutico
Pré-Medicação/métodos
-Ensaios Clínicos como Assunto
Metanálise como Assunto
Guias de Prática Clínica como Assunto
Fatores de Tempo
Ticlopidina/análogos & derivados
Ticlopidina/uso terapêutico
Limites: Humanos
Tipo de Publ: Revisão
Responsável: BR1.1 - BIREME


  10 / 79 LILACS  
              first record previous record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-709430
Autor: Camargo, L.M.; França, C.N.; Izar, M.C.; Bianco, H.T.; Lins, L.S.; Barbosa, S.P.; Pinheiro, L.F.; Fonseca, F.A.H..
Título: Effects of simvastatin/ezetimibe on microparticles, endothelial progenitor cells and platelet aggregation in subjects with coronary heart disease under antiplatelet therapy
Fonte: Braz. j. med. biol. res = Rev. bras. pesqui. méd. biol;47(5):432-437, 02/05/2014. tab, graf.
Idioma: en.
Projeto: FAPESP.
Resumo: It is not known whether the addition of ezetimibe to statins adds cardiovascular protection beyond the expected changes in lipid levels. Subjects with coronary heart disease were treated with four consecutive 1-week courses of therapy (T) and evaluations. The courses were: T1, 100 mg aspirin alone; T2, 100 mg aspirin and 40 mg simvastatin/10 mg ezetimibe; T3, 40 mg simvastatin/10 mg ezetimibe, and 75 mg clopidogrel (300 mg initial loading dose); T4, 75 mg clopidogrel alone. Platelet aggregation was examined in whole blood. Endothelial microparticles (CD51), platelet microparticles (CD42/CD31), and endothelial progenitor cells (CD34/CD133; CDKDR/CD133, or CD34/KDR) were quantified by flow cytometry. Endothelial function was examined by flow-mediated dilation. Comparisons between therapies revealed differences in lipids (T2 and T3<T1 and T4 for total cholesterol, LDL-C, and triglycerides; P<0.002 for all), as well as for endothelial function (T2>T1 and T4, P=0.001). Decreased platelet aggregation was observed after aspirin (arachidonic acid, T1<T3 and T4, P=0.034) and clopidogrel (adenosine, T3 and T4<T1 and T2, P<0.0001) therapy. Simvastatin/ezetimibe diphosphate did not change platelet aggregation, the amount of circulating endothelial and platelet microparticles, or endothelial progenitor cells. Cardiovascular protection following therapy with simvastatin/ezetimibe seems restricted to lipid changes and improvement of endothelial function not affecting the release of microparticles, mobilization of endothelial progenitor cells or decreased platelet aggregation.
Descritores: Azetidinas/farmacologia
Micropartículas Derivadas de Células/efeitos dos fármacos
Doença das Coronárias/tratamento farmacológico
Células Progenitoras Endoteliais/efeitos dos fármacos
Agregação Plaquetária/efeitos dos fármacos
Sinvastatina/farmacologia
-Anticolesterolemiantes/farmacologia
Aspirina/uso terapêutico
LDL-Colesterol/sangue
Combinação de Medicamentos
Citometria de Fluxo
Inibidores da Agregação de Plaquetas/uso terapêutico
Ticlopidina/análogos & derivados
Ticlopidina/uso terapêutico
Triglicerídeos/sangue
Limites: Idoso
Feminino
Humanos
Masculino
Pessoa de Meia-Idade
Tipo de Publ: Ensaio Clínico
Research Support, Non-U.S. Gov't
Responsável: BR1.1 - BIREME



página 1 de 8 ir para página                    
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde