Base de dados : LILACS
Pesquisa : D03.132.760.864 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 1 [refinar]
Mostrando: 1 .. 1   no formato [Detalhado]

página 1 de 1

  1 / 1 LILACS  
             
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Mantovani, Mário Sérgio
Texto completo
Id: biblio-836596
Autor: Mantovani, Mário Sergio; Brianese, Rafael Canfield; Jacobs, Catherine Kuhn; Sartori, Daniele.
Título: Homeostatic unbalance via HSPA5 gene expression in HepG2C3A cells exposed to alpha-tomatine / Desequilíbrio homeostático através da expressão do gene HSPA5 em células HepG2C3A exposto a alpha-tomatine
Fonte: Semina cienc. biol. saude;37(1):43-52, jan.-jun. 2016. tab, ilus.
Idioma: pt.
Resumo: The α-tomatine is a glycoalkaloid found in immature tomatoes (Lycopersicon esculetum). Currently, α-tomatine has shown anticancer effects due to its anti-proliferative property. Stressors are one of the factors contributing to the antiproliferative activity of α-tomatine that can modify cellular homeostasis.Among the cell stressors are the endoplasmic reticulum stress response elements, which can be alteredleading to cell death. In the course of this study, we verified the expression of genes involved in the stress response of the endoplasmic reticulum in HepG2/C3A cells. The α-tomatine reduced the viability of HepG2/C3A cells in a dose-dependent manner. Thus, we selected 2µg/mL of α-tomatine (62% incell viability) to evaluate the gene expressions. After 24 hours of exposure to α-tomatine, the level of HSPA5 transcripts was reduced. The HSPA5 chaperone reduced marker is an indicative of homeostasisunbalance with the consequent lack of cellular resistance and, probably, cell death. Our results indicate the involvement of oxidative stress mechanisms in the death of HepG2/C3A cells exposed to α-tomatine.

A α-tomatina é um glicoalcaloide encontrado no tomate imaturo (Lycopersicon esculetum). Atualmente,a α-tomatina tem mostrado efeito anticancerígeno devido sua propriedade antiproliferativa. O estresse celular é um dos fatores que contribui para a atividade antiproliferative da α-tomatina que pode modificara homeostase celular. Entre os estressores celulares esta os elementos de resposta ao estresse do retículo endoplasmático, que podem ser alterados, levando à morte celular. No decorrer deste estudo, verificamos que a expressão de genes envolvidos na resposta ao estresse do retículo endoplasmático em célulasHepG2/C3A. A α-tomatina reduziu a viabilidade das células HepG2/C3A de forma dose-dependente.Assim, selecionamos a concentração de 2μg/mL de α-tomatina (viabilidade celular de 62%) para avaliara expressão gênica. Após 24 horas de exposição a α-tomatina, o nível de transcrição de HSPA5 foireduzido. A redução de HSPA5 é um indicativo de desequilíbrio da homeostase, com a consequente falta de resistência celular e, provavelmente, a morte celular. Nossos resultados indicam o envolvimento de mecanismos de estresse oxidativo na morte de células HepG2/C3A exposto a α-tomatina e mostram a eficácia do sistema como um futuro candidato para os estudos de terapia de câncer.
Descritores: Homeostase
Estresse Oxidativo
Tomatina
Limites: Seres Humanos
Responsável: BR512.1 - Biblioteca Setorial do Centro de Ciências da Saúde



página 1 de 1
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde