Base de dados : LILACS
Pesquisa : D03.383.129.308.704 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 7 [refinar]
Mostrando: 1 .. 7   no formato [Detalhado]

página 1 de 1

  1 / 7 LILACS  
              next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Solé, Dirceu
Texto completo
Id: lil-660416
Autor: Wandalsen, Gustavo Falbo; Mendes, Aline Inês; Solé, Dirceu.
Título: Correlação entre a resistência nasal e diferentes parâmetros da rinometria acústica em crianças e adolescentes com e sem rinite alérgica / Correlation between nasal resistance and different acoustic rhinometry parameters in children and adolescents with and without allergic rhinitis
Fonte: Braz. j. otorhinolaryngol. (Impr.);78(6):81-86, nov.-dez. 2012. tab.
Idioma: pt.
Projeto: FAPESP.
Resumo: Rinometria acústica e rinomanometria são importantes técnicas de avaliação da função nasal. Ainda não está definido em que extensão suas variáveis se correlacionam. OBJETIVO: Avaliar as relações entre a resistência nasal (RN) e parâmetros da rinometria acústica em crianças e adolescentes com rinite alérgica e controles. MÉTODO: Vinte pacientes com rinite alérgica e 20 controles foram avaliados. RN, volumes (V4, V5, V2-5) e menores áreas transversais (MC1, MC2) foram mensurados em três momentos: basal, após indução de obstrução nasal e após descongestionante tópico. RESULTADOS: No grupo rinite, a RN se correlacionou significantemente com todos os volumes (V5: r = -0,60) e com MC2. Nos controles, MC1 foi o parâmetro com melhor correlação com a RN no momento basal (r = -0,53) e após descongestionante. Na análise conjunta dos dados, V5 foi o que apresentou as melhores correlações, no momento basal (r = -0,53), quando obstruído (r = -0,58) e após descongestionante (r = -0,46). CONCLUSÕES: Nossos dados demonstram haver correlação negativa e significante entre os valores de rinometria acústica e RN. Em geral, os volumes apresentaram melhor correlação com a RN do que as menores áreas transversais. V5 foi a variável com melhor correlação no grupo com rinite alérgica e na análise conjunta.

Acoustic rhinometry and rhinomanometry are important tests used to assess nasal function. The degree to which the parameters of these tests are correlated is yet to be established. OBJECTIVE: This paper aimed to study the correlations between nasal resistance (NR) and acoustic rhinometry parameters in children and adolescents with allergic rhinitis and controls. METHOD: Twenty patients with allergic rhinitis and 20 controls were enrolled. NR, volumes (V4, V5, V2-5), and minimal cross-sectional areas (MC1, MC2) were measured in three moments: baseline, after induction of nasal obstruction and after topical decongestant administration. RESULTS: Patients with allergic rhinitis had significant correlation between NR and all volumes (V5: r = -0.60) and with MC2. Among controls, MC1 was the parameter with the strongest correlation with NR at baseline (r = -0.53) and after decongestant administration. In the combined analysis, V5 had the highest correlation coefficients at baseline (r = -0.53), after obstruction (r = -0.58) and after decongestant (r = -0.46). CONCLUSIONS: Our data showed that NR and acoustic rhinometry parameters have negative and significant correlations. Nasal volumes are, in general, better correlated than minimal cross-sectional areas. V5 was the parameter with the highest correlation in the rhinitis group and in the combined analysis.
Descritores: Resistência das Vias Respiratórias/fisiologia
Cavidade Nasal/fisiopatologia
Obstrução Nasal/fisiopatologia
Rinite Alérgica Perene/fisiopatologia
-Estudos de Casos e Controles
Descongestionantes Nasais/administração & dosagem
Obstrução Nasal/tratamento farmacológico
Oximetazolina/administração & dosagem
Rinomanometria
Rinometria Acústica
Limites: Adolescente
Criança
Humanos
Responsável: BR1.1 - BIREME


  2 / 7 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Texto completo
Texto completo
Id: lil-536206
Autor: Wang, Ricardo; Souza, Newton F. Stadler; Fortes, Jose Augusto Ribas; Santos, Gilmar Jorge dos; Faria Neto, Jose Rocha; Zytinski, Lidia.
Título: Síndrome do balonamento apical secundário ao uso abusivo de descongestionante nasal / Apical ballooning syndrome secondary to nasal decongestant abuse / Síndrome del abombamiento apical secundario al uso abusivo de descongestionante nasal
Fonte: Arq. bras. cardiol;93(5):e63-e78, nov. 2009. ilus, tab.
Idioma: en; es; pt.
Resumo: Descrevemos um caso típico de síndrome do balonamento apical em uma paciente octogenária com alteração eletrocardiográfica, de contratilidade do ventrículo esquerdo, e que apresentou recuperação da função ventricular. A paciente é portadora de rinite alérgica e fez uso excessivo de descongestionante nasal horas antes do episódio da dor.

We describe a typical case of apical ballooning syndrome in an octogenarian female patient with left ventricular wall motion abnormality on electrocardiography, whose ventricular function returned to normal. The patient has allergic rhinitis and had used nasal decongestant excessively a few hours prior to the episode of pain.

Describimos un caso típico de síndrome de abombamiento apical en una paciente octogenaria con alteración electrocardiográfica, de contractilidad del ventrículo izquierdo, y que presentó recuperación de la función ventricular. La paciente es portadora de rinitis alérgica y hace uso excesivo de descongestionante nasal horas antes del episodio del dolor.
Descritores: Descongestionantes Nasais/efeitos adversos
Oximetazolina/efeitos adversos
Cardiomiopatia de Takotsubo/induzido quimicamente
-Overdose de Drogas
Limites: Idoso de 80 Anos ou mais
Feminino
Humanos
Tipo de Publ: Relatos de Casos
Responsável: BR1.1 - BIREME


  3 / 7 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Bucaretchi, Fabio
Texto completo
Id: lil-355395
Autor: Bucaretchi, Fábio; Dragosavac, Sanja; Vieira, Ronan J.
Título: Exposiçäo aguda a derivados imidazolínicos em crianças / Acute exposure to imidazoline derivatives in children
Fonte: J. pediatr. (Rio J.);79(6):519-524, nov.-dez. 2003. tab.
Idioma: pt.
Resumo: OBJETIVOS: Estudar a exposiçäo aguda a derivados imidazolínicos em crianças com idade inferior a 15 anos, atendidas no período de janeiro de 1994 a dezembro de 1999. MÉTODOS: Neste estudo retrospectivo foram avaliadas 72 crianças com idades entre dois meses e 13 anos, mediana de dois anos (25 por cento a 75 por cento; um a três anos), expostas a nafazolina (n = 48), fenoxazolina (n = 18), oximetazolina (n = 5) e tetrizolina (n = 1); por via oral (n = 46), nasal (n = 24) ou desconhecida (n = 2). RESULTADOS: No total, 57 crianças desenvolveram manifestações clínicas: sonolência (n = 34), sudorese (n = 20), palidez (n = 17), hipotermia (n = 16), bradicardia (n = 13), extremidades frias (n = 9), agitaçäo (n = 7), taquicardia (n = 6), vômitos (n = 34), respiraçäo irregular e apnéia (n = 5), miose/midríase (n = 4), sendo a nafazolina (n = 47), a fenoxazolina (n = 5) e a oximetazolina (n = 4) os princípios ativos mais envolvidos. O início das manifestações clínicas foi rápido, iniciando-se, em 32/57 crianças, até duas horas após a exposiçäo. Somente medidas de suporte foram empregadas, com uma criança necessitando de ventilaçäo mecânica após exposiçäo à nafazolina. Na maioria dos pacientes, o quadro clínico remitiu até 24 horas após a exposiçäo (n = 39/57). Näo houve evoluçäo letal. Pacientes expostos à nafazolina (n = 47/48) apresentaram maior freqüência de manifestações clínicas de intoxicaçäo em comparaçäo com aqueles expostos à fenoxazolina (n = 5/18) (p < 0,001). Comparando-se a freqüência de pacientes que desenvolveram manifestações clínicas de acordo com a via de exposiçäo (oral, n = 34/46; nasal, n = 21/24), näo foi encontrada uma diferença estatisticamente significante (p = 0,31). CONCLUSÕES: Na maioria dos casos de exposiçäo a derivados imidazolínicos, principalmente à nafazolina e em crianças com menos de três anos de idade, ocorreu, independentemente da via (oral ou nasal), o aparecimento precoce de manifestações clínicas de intoxicaçäo, destacando-se as depressöes neurológica, cardiovascular e respiratória, que regrediram até 24 horas após a exposiçäo
Descritores: Imidazóis/envenenamento
Descongestionantes Nasais/envenenamento
-Doenças Cardiovasculares/induzido quimicamente
Sistema Cardiovascular/efeitos dos fármacos
Nafazolina/envenenamento
Doenças do Sistema Nervoso/induzido quimicamente
Oximetazolina/envenenamento
Estudos Retrospectivos
Respiração/efeitos dos fármacos
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Lactente
Pré-Escolar
Criança
Tipo de Publ: Research Support, Non-U.S. Gov't
Responsável: BR1.1 - BIREME


  4 / 7 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Butugan, Ossamu
Id: lil-261278
Autor: Balbani, Aracy P. S; Duarte, Jurandir G; Sanchez, Tanit G; Mello Júnior, Joäo F de; Butugan, Ossamu.
Título: Perfil das intoxicaçöes por medicamentos utilizados no tratamento das rinites na cidade de Säo Paulo / Intoxication by medicines for treatment of rhinitis in Säo Paulo
Fonte: Rev. bras. otorrinolaringol;64(1):33-40, jan.-fev. 1998. tab, graf.
Idioma: pt.
Resumo: 0s autores fazem revisäo da literatura sobre a farmacologia dos medicamentos usados no tratamento das rinites e analisam os casos de intoxicaçöes pelos mesmos (antialérgicos, descongestionantes, vasoconstritores nasais, antígenos respiratórios) notificados ao Centro de Controle de Intoxicaçöes (CCI-Jabaquara) do Hospital Municipal Dr. Arthur Ribeiro de Saboya e ao Centro de Assistência Toxicológica (CEATOX) na cidade de Säo Paulo durante o segundo semestre de 1996. Foram encontrados 177 casos de intoxicaçöes por esses fármacos, correspondendo a 2,66 por cento do total de intoxicaçöes notificadas aos dois serviços naquele período. Análise da distribuiçäo dos casos segundo sexo e idade mostrou predomínio de intoxicaçöes na populaçäo pediátrica (94 por cento das intoxicaçöes por antígenos respiratórios) e no sexo feminino (75 por cento das intoxicaçöes por antialérgiocos). Estudo das circunstâncias das intoxicaçöes revelou prevalência da ingestäo acidental para todos os grupos de medicamentos. Säo propostas medidas para prevenir as intoxicaçöes na utilizaçäo de medicamentos para o tratamento das rinites
Descritores: Fármacos do Sistema Respiratório/efeitos adversos
Fármacos do Sistema Respiratório/envenenamento
Centros de Controle de Intoxicações/estatística & dados numéricos
Antagonistas dos Receptores Histamínicos H1
Antagonistas dos Receptores Histamínicos H2
Descongestionantes Nasais
Rinite Alérgica Perene/tratamento farmacológico
-Beclometasona
Budesonida
Antagonistas Colinérgicos
Cromolina Sódica
Efedrina
Epinefrina
Ipratrópio
Erros de Medicação
Medicamentos sem Prescrição
Oximetazolina
Automedicação
Tentativa de Suicídio
Simpatomiméticos
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Lactente
Pré-Escolar
Criança
Adolescente
Adulto
Pessoa de Meia-Idade
Responsável: BR394.1 - BFE - Biblioteca Frei Eugênio


  5 / 7 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: lil-143524
Autor: Arrais, Anibal; Diniz Júnior, José; Chami, Fernando A. Ioriatti; Zopello, Denise L; Castro, Rosomiro H. A; Kim, Chang D.
Título: Permeabilidade nasal em crianças e adolescentes / Nasal in children and adolescents
Fonte: Acta AWHO;13(3):121-5, set.-dez. 1994. ilus, tab.
Idioma: pt.
Resumo: A rinomanometria anterior ativa foi considerado o método de escolha para avaliaçäo da permeabilidade nasal em crianças e adolescentes que apresentavam obstruçäo nasal e foram submetidos a algum tipo de cirurgia para sua correçäo. Desta maneira, pode ser realizado, uma comparaçäo objetiva entre os resultados pré e pós-operatórios
Descritores: Manometria/instrumentação
Cavidade Nasal
Ventilação Pulmonar/fisiologia
-Obstrução Nasal/cirurgia
Oximetazolina/farmacologia
Período Pós-Operatório
Respiração/fisiologia
Limites: Criança
Adolescente
Humanos
Masculino
Feminino
Tipo de Publ: Estudo Comparativo
Responsável: BR1.1 - BIREME


  6 / 7 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: lil-143078
Autor: García Ramírez, Arturo; López Sanabria, Karina; Sánchez Cisneros, Rodolfo.
Título: Alteraciones histopatológicas de la mucosa nasal por el empleo de vasoconstrictores tópicos: estudio experimental / Histological modifications of the nasal mucosa using topical vasoconstrictor: an experimental study
Fonte: An. otorrinolaringol. mex;39(3):127-32, jun.-ago. 1994. tab, ilus.
Idioma: es.
Resumo: Existen muchos descongestivos nasales y su empleo en ocasiones es indiscriminado, posiblemente por la publicidad y disponibilidad de los mismos, ya que son drogas que no requieren prescripción médica; sin embargo son escasos los reportes en relación a los cambios histológicos de la mucosa nasal por el empleo de estos fármacos. Se realizó un estudio prospectivo, comparativo y experimental, en 47 ratones, en los cuales se observaron las alteraciones histológicas de la mucosa nasal ocasionadas por fenilefrina, oximetazolina y solución fisiológica al cabo de cinco días, cuatro y ocho semanas. A los cinco días se observó que la oximetazolina ocasionó mayores cambios histológicos que la fenilefrina. A las cuatro semanas el grupo de fenilefrina presentó mayores alteraciones que el de oxometazolina, y a las ocho semanas los cambios fueron similares en ambos grupos. En los ratones que recibieron solución fisiológica, se identificaron cambios estructurales importantes en las tres etapas del estudio
Descritores: Histologia Comparada/tendências
Mucosa Nasal/anatomia & histologia
Mucosa Nasal/efeitos dos fármacos
Oximetazolina/efeitos adversos
Fenilefrina/efeitos adversos
Limites: Camundongos
Tipo de Publ: Estudo Comparativo
Responsável: MX1.1 - CENIDSP - Centro de Información para Decisiones en Salud Pública


  7 / 7 LILACS  
              first record previous record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: lil-5269
Autor: Vita, J. B.
Título: Oxymetazolina, um novo descongestionante ocular. / Oxymetazoline, a new ocular descongestant
Fonte: Arq. bras. oftalmol;44(3):117-9, 1981.
Idioma: pt.
Resumo: Quarenta voluntarios normais participaram neste estudo. Difosfato de histamina a 0,0075% produz um modelo experimental adequado da hiperemia ocular. Oxymetazonina, um derivado da imidazolina, mostrou-se um descongestionante ativo e seguro nas concentracoes de 0,01% e 0,05%
Descritores: Soluções Oftálmicas
Oximetazolina
Responsável: BR1.1 - BIREME



página 1 de 1
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde