Base de dados : LILACS
Pesquisa : D03.383.606.450 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 51 [refinar]
Mostrando: 1 .. 10   no formato [Detalhado]

página 1 de 6 ir para página                

  1 / 51 LILACS  
              next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-889287
Autor: Salmito, Márcio Cavalcante; Duarte, Juliana Antoniolli; Morganti, Lígia Oliveira Golçalves; Brandão, Priscila Valéria Caus; Nakao, Bruno Higa; Villa, Thais Rodrigues; Ganança, Fernando Freitas.
Título: Prophylactic treatment of vestibular migraine / Tratamento profilático da migrânea vestibular
Fonte: Braz. j. otorhinolaryngol. (Impr.);83(4):404-410, July-Aug. 2017. tab.
Idioma: en.
Resumo: Abstract Introduction: Vestibular migraine (VM) is now accepted as a common cause of episodic vertigo. Treatment of VM involves two situations: the vestibular symptom attacks and the period between attacks. For the latter, some prophylaxis methods can be used. The current recommendation is to use the same prophylactic drugs used for migraines, including β-blockers, antidepressants and anticonvulsants. The recent diagnostic definition of vestibular migraine makes the number of studies on its treatment scarce. Objective: To evaluate the efficacy of prophylactic treatment used in patients from a VM outpatient clinic. Methods: Review of medical records from patients with VM according to the criteria of the Bárány Society/International Headache Society of 2012 criteria. The drugs used in the treatment and treatment response obtained through the visual analog scale (VAS) for dizziness and headache were assessed. The pre and post-treatment VAS scores were compared (the improvement was evaluated together and individually, per drug used). Associations with clinical subgroups of patients were also assessed. Results: Of the 88 assessed records, 47 were eligible. We included patients that met the diagnostic criteria for VM and excluded those whose medical records were illegible and those of patients with other disorders causing dizziness and/or headache that did not meet the 2012 criteria for VM. 80.9% of the patients showed improvement with prophylaxis (p < 0.001). Amitriptyline, Flunarizine, Propranolol and Topiramate improved vestibular symptoms (p < 0.001) and headache (p < 0.015). The four drugs were effective in a statistically significant manner. There was a positive statistical association between the time of vestibular symptoms and clinical improvement. There was no additional benefit in hypertensive patients who used antihypertensive drugs as prophylaxis or depressed patients who used antidepressants in relation to other prophylactic drugs. Drug association did not show statistically significant results in relation to the use of a single drug. Conclusions: Prophylactic medications used to treat VM improve the symptoms of this disease, but there is no statistically significant difference between the responses of prophylactic drugs. The time of vestibular symptom seems to increase the benefit with prophylactic treatment.

Resumo Introdução: A migrânea vestibular (MV) é aceita atualmente como uma causa comum de vertigem episódica. O tratamento da MV envolve duas situações: as crises de sintomas vestibulares e o período intercrise. Para esse último, pode-se usar algum método de profilaxia. A recomendação atual é que se usem os mesmos medicamentos profiláticos usados para a enxaqueca, o que inclui os β-bloqueadores, antidepressivos e anticonvulsivantes. A recente definição diagnóstica da migrânea vestibular torna escasso o número de estudos sobre seu tratamento. Objetivo: Avaliar a eficácia do tratamento profilático usado em pacientes em um ambulatório de MV. Método: Revisão de prontuários de pacientes com MV pelos critérios da Bárány Society/International Headeache Society de 2012. Foram pesquisados os medicamentos usados e resposta ao tratamento obtida através da escala visual analógica (EVA) para tontura e cefaleia. Foram comparados os escores da EVA pré e pós-tratamento (a melhoria foi avaliada em conjunto e individualmente por droga usada). Também foram pesquisadas relações com subgrupos clínicos dos pacientes. Resultados: De 88 prontuários estudados, 47 foram elegíveis. Incluíram-se os pacientes que preenchiam os critérios diagnósticos para MV, foram excluídos os prontuários ilegíveis e aqueles de pacientes com outro distúrbio causador de tontura e/ou cefaleia que não preenchiam critérios de 2012 para MV. Apresentaram melhoria com a profilaxia 80,9% dos pacientes (p < 0,001). Amitriptilina, flunarizina, propranolol e topiramato apresentaram melhoria para sintomas vestibulares (p < 0,001) e para cefaleia (p < 0,015). Os quatro medicamentos foram eficazes de forma estatisticamente significante. Houve relação estatística positiva entre tempo de sintoma vestibular e melhoria clínica. Não houve benefício adicional para hipertensos que usaram anti-hipertensivos como profilaxia ou para os deprimidos que usaram antidepressivos em relação ao uso dos outros profiláticos. A associação de medicamentos não mostrou resultados estatisticamente significantes do uso de um medicamento isolado. Conclusões: Os medicamentos profiláticos usados para MV melhoram os sintomas dessa doença, porém não há diferença estatisticamente significante entre as respostas dos medicamentos profiláticos. O tempo de sintoma vestibular parece aumentar a melhoria obtida com o tratamento profilático.
Descritores: Propranolol/uso terapêutico
Flunarizina/uso terapêutico
Doenças Vestibulares/prevenção & controle
Frutose/análogos & derivados
Amitriptilina/uso terapêutico
Transtornos de Enxaqueca/prevenção & controle
-Estudos Retrospectivos
Estudos Longitudinais
Resultado do Tratamento
Topiramato
Frutose/uso terapêutico
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Adulto
Pessoa de Meia-Idade
Idoso
Tipo de Publ: Estudo Observacional
Responsável: BR1.1 - BIREME


  2 / 51 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Venezuela
Texto completo
Id: lil-676432
Autor: Lacruz-Rengel M, María Angelina; Scalisi F, Cammarata; Da Silva, G; Meneses-Jácome, Claudia.
Título: Migraña hemipléjica familiar / Familial hemiplegic migraine
Fonte: Arch. venez. pueric. pediatr;75(3):89-92, sep. 2012. ilus.
Idioma: es.
Resumo: Las cefaleas constituyen una causa frecuente de consulta en Pediatría, siendo la migraña el tipo más frecuente de las cefaleas primarias en la infancia. La asociación entre cefalea y hemiplejía aguda en la infancia pudiera corresponder a múltiples etiologías debiéndose considerar las de carácter hereditario. La migraña hemipléjica familiar se caracteriza por la presencia de crisis migrañosas con trastornos motores deficitarios transitorios, afasia o alteraciones sensitivas o sensoriales. Se describe el caso de una adolescente femenina de 12 años de edad, con antecedentes familiares de migraña, historia de cefalea migrañosa de un año de evolución, que cumple con los criterios establecidos por la Sociedad Internacional de Cefaleas de migraña hemipléjica familiar. El examen neurológico y los paraclínicos complementarios fueron normales. Se realizó tratamiento con flunarizina e ibuprofeno con evolución satisfactoria

Headaches are a frequent cause of consultation in Pediatrics, migraine being the most common type of primary headaches in children. The association between headache and acute hemiplegia in childhood may correspond to multiple etiologies, including those considered as inherited. Familial hemiplegic migraine is characterized by the presence of migraine crisis with transient motor deficit disorders, aphasia and sensitive or sensory disturbances. We describe the case of a 12 year-old girl with a family history of migraine, and migraine headache of a year of evolution, which meets the criteria established by the International Headache Society of Familial Hemiplegic Migraine. Neurological examination and the paraclinical studies were normal. She was treated with flunarizine and ibuprofen with satisfactory outcome
Descritores: Flunarizina/uso terapêutico
Enxaqueca com Aura/diagnóstico
Enxaqueca com Aura/terapia
Transtornos de Enxaqueca/patologia
Transtornos de Enxaqueca/terapia
-Pediatria
Limites: Humanos
Feminino
Adolescente
Tipo de Publ: Relatos de Casos
Responsável: VE1.1 - Biblioteca Humberto Garcia Arocha


  3 / 51 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-668763
Autor: Arquivos de Neuro-Psiquiatria; Dozza, Ana Luísa C. Brasil; Krymchantowski, Abouch Valenty.
Título: Adherence to migraine treatment does not depend on the number of prescribed medications / A adesão ao tratamento da migrânea não depende do número de medicações prescritas
Fonte: Arq. neuropsiquiatr;71(3):171-173, mar. 2013. tab, graf.
Idioma: en.
Resumo: Objective To compare the adherence between monotherapy and politherapy in prophylactic migraine treatment. Method Five hundred consecutive patients with migraine from a tertiary center were retrospectively studied as to the number of preventive medications prescribed during the first visit. Adherence, defined as returning for the next consultation after 4 to 6 weeks and following the prescribed regimens, were also evaluated and compared between patients. Results 71.8% were women, and 6% of the patients did not receive any preventive medication, 11.4% received one drug, 22.2% two drugs, 41.4% three drugs, and 19% four drugs for the prevention of migraine. The overall adherence was 79.6%. Respectively, 73.7, 71.8, 82.6 and 86.3% of those who received the prescription of one, two, three and four drugs returned, complying with the treatment. Conclusion There is no difference in adherence to monotherapy or politherapy (one to four drugs) for the prophylaxis of migraine. .

Objetivo Comparar a adesão entre monoterapia e politerapia no tratamento profilático da migrânea. Método Foram analisados retrospec-tivamente 500 pacientes com migrânea de um centro terciário, com vistas ao número de medicações preventivas prescritas na primeira consulta e adesão ao tratamento após 4 a 6 semanas. Resultados 71,8% da amostra era composta de mulheres. Em relação ao tratamento preventivo da migrânea, 6% não receberam medicação preventiva; 11,4% receberam uma droga; 22,2% duas drogas; 41,4% três drogas e 19% quatro drogas. A adesão média foi de 79,6%. Em relação à prescrição de uma, duas, três ou quatro drogas, essa adesão foi respectiva-mente de 73,7, 71,8, 82,6 e 86,3%. Conclusão Não houve diferenças na adesão à prescrição de medicações em monoterapia ou politerapia (uma a quatro drogas) para o tratamento preventivo da migrânea. .
Descritores: Adesão à Medicação/estatística & dados numéricos
Transtornos de Enxaqueca/tratamento farmacológico
Medicamentos sob Prescrição/uso terapêutico
-Antagonistas de Receptores Adrenérgicos beta 1/uso terapêutico
Antidepressivos/uso terapêutico
Brasil
Quimioterapia Combinada/métodos
Flunarizina/uso terapêutico
Relaxantes Musculares Centrais/uso terapêutico
Estudos Retrospectivos
Fatores de Tempo
Resultado do Tratamento
Limites: Adolescente
Adulto
Idoso
Idoso de 80 Anos ou mais
Criança
Pré-Escolar
Feminino
Humanos
Masculino
Pessoa de Meia-Idade
Adulto Jovem
Responsável: BR1.1 - BIREME


  4 / 51 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-528656
Autor: Mattos, James Pitágoras de; Nicaretta, Denise Hack; Rosso, Ana Lucia Zuma de.
Título: Progressive supranuclear palsy - like syndrome induced by amiodarone and flunarizine / Paralisia supranuclear progressiva síndrome simile induzida por amiodarona e flunarizina
Fonte: Arq. neuropsiquiatr;67(3b):909-910, Sept. 2009.
Idioma: en.
Descritores: Amiodarona/efeitos adversos
Flunarizina/efeitos adversos
Paralisia Supranuclear Progressiva/induzido quimicamente
Vasodilatadores/efeitos adversos
-Síndrome
Limites: Idoso
Feminino
Humanos
Tipo de Publ: Relatos de Casos
Carta
Responsável: BR1.1 - BIREME


  5 / 51 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-528651
Autor: Teive, Hélio A. G; Munhoz, Renato Puppi; Ferraz, Henrique B.
Título: Flunarizine and cinnarizine-induced parkinsonism: 25 years of de Melo-Souza's syndrome
Fonte: Arq. neuropsiquiatr;67(3b):957-957, Sept. 2009.
Idioma: en.
Descritores: Bloqueadores dos Canais de Cálcio/efeitos adversos
Cinarizina/efeitos adversos
Flunarizina/efeitos adversos
Transtornos Parkinsonianos/induzido quimicamente
Limites: Idoso
Feminino
Humanos
Responsável: BR1.1 - BIREME


  6 / 51 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-495521
Autor: Krymchantowski, Abouch V; Jevoux, Carla.
Título: Quetiapine for the prevention of migraine refractory to the combination of atenolol + nortriptyline + flunarizine: an open pilot study / Quetiapina para a prevenção da migrânea refratária à combinação de atenolol + nortriptilina + flunarizina: estudo piloto aberto
Fonte: Arq. neuropsiquiatr;66(3b):615-618, set. 2008. tab.
Idioma: en.
Resumo: BACKGROUND: Migraine is a prevalent neurological disorder. Although prevention is the mainstream treatment, some patients are refractory to standard therapies. AIM: To evaluate the use of quetiapine (QTP) in the preventive treatment of refractory migraine, defined as previous unresponsiveness to the combination atenolol + nortriptyline + flunarizine. METHOD: Thirty-four consecutive patients (30 women and 4 men) with migraine (ICHD-II) and headache attacks on less than 15 days per month not overusing symptomatic medications were studied. The main inclusion criterion was the lack of response (<50 percent reduction in attack frequency) after ten weeks to the combination of atenolol (60 mg/day) + nortriptyline (25 mg/day) + flunarizine (3 mg/day). The patients started on QTP as the sole treatment in a single daily dose of 25 mg, titrated to 75 mg. After ten weeks, headache frequency, consumption of rescue medications and adverse events were analyzed. RESULTS: Twenty nine patients completed the study. Among completers, 22 (75.9 percent; 64.7 percent of the intention-to-treat population) presented >50 percent headache reduction. The mean frequency of migraine days decreased from 10.2 to 6.2 and the average consumption of rescue medications decreased from 2.3 to 1.2 days/week. Adverse events were reported by 9 (31 percent) patients. CONCLUSION: Although limited by the open design, this study provides a pilot data to support the use of quetiapine in preventive treatment of refractory migraine.

INTRODUÇÃO: A migrânea é uma doença neurológica prevalente. Embora a prevenção seja o esteio principal do tratamento, alguns pacientes são refratários aos tratamentos tradicionais. OBJETIVO: Avaliar o uso da quetiapina (QTP) no tratamento preventivo da migrânea refratária definida como ausência de resposta ao uso prévio da combinação de atenolol com nortriptilina e flunarizina. MÉTODO: Trinta e quatro pacientes consecutivos (30 mulheres e 4 homens) com migrânea (CIC-II) e crises de cefaléia em menos de 15 dias/mês sem uso excessivo de sintomáticos foram estudados. O critério de inclusão principal foi a não obtenção na redução da frequência de cefaléia >50 por cento após 10 semanas de uso da combinação de atenolol (60 mg/dia) + nortriptilina (25 mg/dia) + flunarizina (3 mg/dia). Os pacientes iniciaram a QTP como tratamento único na dose de 25 mg à noite e aumentaram-na até 75 mg. Após 10 semanas de uso, a frequência da cefaléia, o consumo de sintomáticos e os efeitos colaterais foram avaliados. RESULTADOS: Vinte e nove pacientes completaram o estudo. Entre os que completaram, 22 (75.9 por cento; 64.7 por cento dos pacientes que foram incluídos) obtiveram redução da frequência >50 por cento. A frequência média de dias com migrânea por mês decresceu de 10,2 para 6,2. O consumo médio de sintomáticos caiu de 2,3 para 1,2 dias/semana. Efeitos colaterais foram relatados por 9 (31 por cento) pacientes. CONCLUSÃO: Apesar de limitado pela metodologia aberta, esse estudo oferece dados iniciais para a possível utilidade da QTP na prevenção da migrânea refratária.
Descritores: Antipsicóticos/uso terapêutico
Dibenzotiazepinas/uso terapêutico
Transtornos de Enxaqueca/prevenção & controle
-Atenolol/uso terapêutico
Resistência a Medicamentos
Quimioterapia Combinada
Flunarizina/uso terapêutico
Nortriptilina/uso terapêutico
Projetos Piloto
Estudos Prospectivos
Resultado do Tratamento
Adulto Jovem
Limites: Adulto
Feminino
Humanos
Masculino
Pessoa de Meia-Idade
Adulto Jovem
Responsável: BR1.1 - BIREME


  7 / 51 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: lil-493940
Autor: Couto, Rafael Espindula; Abrantes, Jefferson; Alves, José Galvão.
Título: Cefaléias: como eu trato? / Headache: how I treat
Fonte: J. bras. med;94(5):20-26, maio 2008. tab.
Idioma: pt.
Resumo: As cefaléias figuram entre as queixas mais comuns em unidades de atendimento primário. Ocupam o primeiro lugar entre os transtornos "benignos" incapacitantes, segundo dados da Organização Mundial de Saúde, com forte impacto socioeconômico. No artigo é descrito o manejo das diversas causas da cefaléia, com suas diferentes apresentações clínicas. A cefaléia tensional é a cusa primária mais comum, seguida pela cefaléia enxaquecosa.
Descritores: Cefaleia/classificação
Cefaleia/fisiopatologia
Cefaleia/terapia
Transtornos de Enxaqueca/terapia
-Ácido Valproico/uso terapêutico
Amitriptilina/uso terapêutico
Flunarizina/uso terapêutico
Propranolol/uso terapêutico
Verapamil/uso terapêutico
Responsável: BR1365.1 - Biblioteca Biomédica A - CB/A


  8 / 51 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo SciELO Brasil
Caovilla, Heloisa Helena
Texto completo
Texto completo
Id: lil-449700
Autor: Ganança, Maurício Malavasi; Caovilla, Heloisa Helena; Munhoz, Mário Sérgio Lei; Ganança, Cristina Freitas; Silva, Maria Leonor Garcia da; Serafini, Flavio; Ganança, Fernando Freitas.
Título: Otimizando o componente farmacológico da terapia integrada da vertigem / Optimizing the pharmacological component of integrated balance therapy
Fonte: Rev. bras. otorrinolaringol;73(1):12-18, jan.-fev. 2007. tab.
Idioma: pt.
Resumo: A farmacoterapia é opção importante no tratamento das vestibulopatias periféricas. OBJETIVO: Identificar a medicação que otimiza a terapia integrada da vertigem (TIV) na doença de Ménière e em outras vestibulopatias periféricas. MATERIAL E MÉTODO: Estudo de casos em que pacientes com doença de Ménière ou outras vestibulopatias periféricas receberam TIV com betaistina, cinarizina, clonazepam, flunarizina, Ginkgo biloba ou sem medicação durante 120 dias. RESULTADOS: Na doença de Ménière, TIV com qualquer um dos medicamentos foi mais eficaz do que TIV sem medicação, após 60 dias; a betaistina foi mais efetiva que todas as outras drogas, após 60 e 120 dias. Nas outras vestibulopatias periféricas, diferenças significantes foram observadas entre TIV com betaistina, cinarizina, clonazepam ou flunarizina e TIV sem medicação após 60 dias e todas as drogas foram mais efetivas que TIV sem medicação após 120 dias; betaistina, cinarizina ou clonazepam foram igualmente efetivos e betaistina foi mais efetiva que flunarizina e Ginkgo biloba. Os tratamentos foram bem tolerados. CONCLUSÕES: TIV incluindo medicação é mais efetiva que sem medicação na doença de Ménière ou em outras vestibulopatias periféricas. Betaistina foi o medicamento mais efetivo na doença de Ménière e tão eficaz quanto cinarizina ou clonazepam em outras vestibulopatias periféricas.

Drug treatment is an important option for the treatment of peripheral vestibular diseases. AIM: To identify the drug component associated with optimal integrated balance therapy (IBT) for MénièreÆs disease or other peripheral vestibular disorders. MATERIALS AND METHODS: Analysis of a series of patients with MénièreÆs disease patients or patients with other peripheral vestibular disorders that received IBT involving either no medication or betahistine, cinnarizine, clonazepam, flunarizine or Ginkgo biloba during 120 days. RESULTS: In MénièreÆs disease, significant differences were observed for all drug therapies (60 days) versus no medication; betahistine was significantly more effective than all other drugs at 60 and 120 days. For non-MénièreÆs disorders, significant differences were observed among betahistine, cinnarizine, clonazepam and flunarizine and no medication after 60 days; all drug therapies were significantly more effective than no medication after 120 days; betahistine, cinnarizine or clonazepam were equally effective and betahistine was more effective than flunarizine and EGb 761. All treatment options were well tolerated. CONCLUSIONS: Drug therapies were more effective than no medication in the IBT for patients with MénièreÆs disease or other peripheral vestibular disorders. Betahistine was the most effective medication for patients with MénièreÆs disease and was as effective as cinnarizine and clonazepam for other peripheral vestibular disorders.
Descritores: Agonistas dos Receptores Histamínicos/uso terapêutico
Antagonistas dos Receptores Histamínicos H1/uso terapêutico
Doença de Meniere/terapia
Doenças Vestibulares/terapia
-beta-Histina/uso terapêutico
Terapia Combinada
Cinarizina/uso terapêutico
Clonazepam/uso terapêutico
Quimioterapia Combinada
Flunarizina/uso terapêutico
Extratos Vegetais/uso terapêutico
Resultado do Tratamento
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Pessoa de Meia-Idade
Responsável: BR1.1 - BIREME


  9 / 51 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: lil-445372
Autor: Topczewski, Abram(edt); Wagner, Jairo Souza(edt); Silva, Patricia da(edt).
Título: Hemiplegia alternante da criança: Relato de caso / Alternating hemiplegia of childhood: Case report
Fonte: Einstein (Säo Paulo);4(4):331-333, 2006.
Idioma: pt.
Resumo: É apresentado um caso de hemiplegia alternante da criança com 13 anos que se iniciou mais tardiamente que o habitual. A evolução clínica sugere, contudo, tratar-se da hemiplegia alternante benigna da infância. O tratamento com flunarizina foi benéfico ao paciente.
Descritores: Flunarizina/uso terapêutico
Hemiplegia/tratamento farmacológico
Transtornos de Enxaqueca
Limites: Humanos
Tipo de Publ: Relatos de Casos
Responsável: BR500.1 - Biblioteca


  10 / 51 LILACS  
              first record previous record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: lil-387774
Autor: Botargues, Marcela.
Título: Flunarizina y migraña: ¿mito o realidad? / Flunarizine and migraine: myth or reality?
Fonte: Evid. actual. práct. ambul;6(1):18-20, ene.-feb. 2003. tab.
Idioma: es.
Resumo: En la presente nota farmacológica se evalúa la evidencia existente para el uso de la flunarizina, un bloqueante de los canales de calcio, en el tratamiento profiláctico de la migraña. En los pacientes que tienen indicación de tratamiento profiláctico de la migraña (por ataques frecuentes o severos), la flunarizina puede ser una opción si las drogas habitualmente recomendadas (los beta bloqueantes) están contraindicados o no logran su objetivo profiláctico
Descritores: Flunarizina
Transtornos de Enxaqueca
Resultado do Tratamento
-Medicina Baseada em Evidências
Transtornos de Enxaqueca
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Responsável: AR2.1 - Biblioteca Central



página 1 de 6 ir para página                
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde