Base de dados : LILACS
Pesquisa : D03.383.621.265 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 434 [refinar]
Mostrando: 1 .. 10   no formato [Detalhado]

página 1 de 44 ir para página                         

  1 / 434 LILACS  
              next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: lil-592364 LILACS-Express
Autor: Ardila Manjarrez, Eder Javier; Pérez Angarita, Lyda Loraine; Villareal Rueda, Paula Andrea.
Título: Ketamina versus fentanilo para sedación neonatal / Ketamine versus fentanyl for newborn sedation
Fonte: Med. U.P.B = Med. UPB;26(2):97-108, jul.-dic. 2007.
Idioma: es.
Resumo: Se presenta en este artículo una revisión sobre las ventajas que tiene la Ketamina frente al Fentanilo como agente sedante en población neonatal, discutiendo los principales cambios hemodinámicos, respiratorios y ocurrencia de efectos adversos atribuibles a cada uno de estos fármacos.

This article presents a review about the advantages of Ketamine compared to Fentanyl as sedative agents in the newborn population, discussing their mains hemodinamical and respiratory changes and the occurrence of side events attributable of each of ones.
Descritores: Analgesia
Dor
Fentanila
Ketamina
Recém-Nascido
Respiração Artificial
Limites: Humanos
Responsável: CO101.1 - BCdeS - Biblioteca Ciencias de la Salud


  2 / 434 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-769886
Autor: Honca, Mehtap; Dereli, Necla; Kose, Emine Arzu; Honca, Tevfik; Kutuk, Selcen; Unal, Selma Savas; Horasanli, Eyup.
Título: Low-dose levobupivacaine plus fentanyl combination for spinal anesthesia in anorectal surgery / Combinação de levobupivacaína em dose baixa e fentanil para raquianestesia em cirurgia anorretal
Fonte: Rev. bras. anestesiol;65(6):461-465, Nov.-Dec. 2015. tab.
Idioma: pt.
Resumo: BACKGROUND: the aim of this study was to investigate the effects of spinal anesthesia using two different doses of fentanyl combined with low-dose levobupivacaine in anorectal surgery. METHODS: in this prospective, double-blind study, 52 American Society of Anaesthesiologists I-II patients scheduled for elective anorectal surgery were randomized into two groups. The patients in group I received intrathecal 2.5 mg hyperbaric levobupivacaine plus 12.5 µg fentanyl and in group II received intrathecal 2.5 mg hyperbaric levobupivacaine plus 25 µg fentanyl. All the patients remained in the seated position for 5 min after completion of the spinal anesthesia. Sensory block was evaluated with pin-prick test and motor block was evaluated with a modified Bromage scale. RESULTS: motor block was not observed in both of the groups. The sensory block was limited to the S2 level in group I, and S1 level in group II. None of the patients required additional analgesics during the operation. Time to two-segment regression was shorter in group I compared with group II (p < 0.01). One patient in group I and 5 patients in group II had pruritus. Hemodynamic parameters were stable during the operation in both of the groups. CONCLUSION: spinal saddle block using hyperbaric levobupivacaine with both 12.5 µg and 25 µg fentanyl provided good quality of anesthesia without motor block for anorectal surgery in the prone position.

JUSTIFICATIVA: O objetivo deste estudo foi investigar os efeitos da raquianestesia com o uso de duas doses diferentes de fentanil em combinação com dose baixa de levobupivacaína em cirurgia anorretal. MÉTODOS: Neste estudo prospectivo e duplo-cego, 52 pacientes com estado físico ASA I-II, programados para cirurgia eletiva anorretal, foram randomicamente alocados em dois grupos. Os pacientes do Grupo I receberam 2,5 mg de levobupivacaína hiperbárica mais 12,5 µg de fentanil por via intratecal e os do Grupo II receberam 2,5 mg de levobupivacaína hiperbárica mais 25 µg de fentanil por via intratecal. Todos permaneceram em posição sentada por cinco minutos após o término da raquianestesia. O bloqueio sensorial foi avaliado com o teste da picada de agulha e o bloqueio motor com a escala modificada de Bromage. RESULTADOS: O bloqueio motor não foi observado em ambos os grupos. O bloqueio sensorial limitou-se ao nível S2 no Grupo I e S1 no Grupo II. Nenhum dos pacientes precisou de analgésico suplementar durante a operação. O tempo de regressão de dois seguimentos foi menor no Grupo I em comparação com o Grupo II (p < 0,01). Um paciente do Grupo I e cinco do Grupo II apresentaram prurido. Os parâmetros hemodinâmicos permaneceram estáveis durante a cirurgia em ambos os grupos. CONCLUSÃO: O bloqueio espinhal em sela com o uso de levobupivacaína hiperbárica, tanto com 12,5 µg quanto com 25 µg de fentanil, proporciona boa qualidade de anestesia sem bloqueio motor para cirurgia anorretal em decúbito ventral.
Descritores: Canal Anal/cirurgia
Reto/cirurgia
Bupivacaína/análogos & derivados
Fentanila/administração & dosagem
Raquianestesia/métodos
-Bupivacaína/administração & dosagem
Método Duplo-Cego
Estudos Prospectivos
Levobupivacaína
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Adulto
Tipo de Publ: Ensaio Clínico Controlado Aleatório
Responsável: BR1.1 - BIREME


  3 / 434 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-787623
Autor: Arslan, Zakir; Çalık, Eyup Serhat; Kaplan, Bekir; Ahiskalioglu, Elif Oral.
Título: The effect of pheniramine on fentanyl-induced cough: a randomized, double blinded, placebo controlled clinical study / Efeito de feniramina sobre a tosse induzida por fentanil: estudo clínico, randômico, duplo-cego e controlado com placebo
Fonte: Rev. bras. anestesiol;66(4):383-387tab.
Idioma: en.
Resumo: Abstract Background and objectives: There are many studies conducted on reducing the frequency and severity of fentayl-induced cough during anesthesia induction. We propose that pheniramine maleate, an antihistaminic, may suppress this cough. We aim to observe the effect of pheniramine on fentanyl-induced cough during anesthesia induction. Methods: This is a double-blinded, prospective, three-arm parallel, randomized clinical trial of 120 patients with ASA (American Society of Anesthesiologists) physical status III and IV who aged ≥18 and scheduled for elective open heart surgery during general anesthesia. Patients were randomly assigned to three groups of 40 patients, using computer-generated random numbers: placebo group, pheniramine group, and lidocaine group. Results: Cough incidence differed significantly between groups. In the placebo group, 37.5% of patients had cough, whereas the frequency was significantly decreased in pheniramine group (5%) and lidocaine group (15%) (Fischer exact test, p = 0.0007 and p = 0.0188, respectively). There was no significant change in cough incidence between pheniramine group (5%) and lidocaine group (15%) (Fischer exact test, p = 0.4325). Cough severity did also change between groups. Post Hoc tests with Bonferroni showed that mean cough severity in placebo differed significantly than that of pheniramine group and lidocaine group (p < 0.0001 and p = 0.009, respectively). There was no significant change in cough severity between pheniramine group and lidocaine group (p = 0.856). Conclusion: Intravenous pheniramine is as effective as lidocaine in preventing fentayl-induced cough. Our results emphasize that pheniramine is a convenient drug to decrease this cough.

Resumo Justificativa e objetivos: Há muitos estudos sobre a redução da frequência e da gravidade da tosse induzida por fentanil durante a indução da anestesia. Propomos que maleato de feniramina, um anti-histamínico, pode suprimir essa tosse. Nosso objetivo foi observar o efeito de feniramina sobre a tosse induzida por fentanil durante a indução da anestesia. Métodos: Este é um estudo clínico prospectivo, de três braços paralelos, randômico e duplo-cego, de 120 pacientes com estado físico ASA III e IV (de acordo com a Sociedade Americana de Anestesiologistas), ≥ 18 anos e programados para cirurgia cardíaca aberta eletiva sob anestesia geral. Os pacientes foram divididos aleatoriamente em três grupos de 40 pacientes cada, com números aleatórios gerados por computador: grupo placebo, grupo feniramina e grupo lidocaína. Resultados: A incidência de tosse diferiu significativamente entre os grupos. No grupo placebo, 37,5% dos pacientes apresentaram tosse, enquanto que a frequência foi significativamente reduzida no grupo feniramina (5%) e no grupo lidocaína (15%) (teste exato de Fischer, p = 0,0007 e p = 0,0188, respectivamente). Não houve alteração significativa na incidência de tosse entre os grupos feniramina (5%) e lidocaína (15%) (teste exato de Fischer, p = 0,4325). A gravidade da tosse também alterou entre os grupos. Testes post hoc com Bonferroni mostraram que a média da gravidade da tosse no grupo placebo diferiu significativamente das médias dos grupos feniramina e lidocaína (p < 0,0001 e p = 0,009, respectivamente). Não houve alteração significativa na gravidade da tosse entre o grupo feniramina e grupo lidocaína (p = 0,856). Conclusão: Feniramina por via intravenosa tem a mesma eficácia que lidocaína na prevenção da tosse induzida por fentanil. Os resultados enfatizam que feniramina é um medicamento conveniente para diminuir essa tosse.
Descritores: Feniramina/farmacologia
Fentanila/efeitos adversos
Tosse/induzido quimicamente
Tosse/tratamento farmacológico
-Método Duplo-Cego
Estudos Prospectivos
Antagonistas dos Receptores Histamínicos H1/farmacologia
Analgésicos Opioides/efeitos adversos
Pessoa de Meia-Idade
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Tipo de Publ: Ensaio Clínico Controlado Aleatório
Responsável: BR1.1 - BIREME


  4 / 434 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-782881
Autor: Neves, Jose Francisco Nunes Pereira das; Araújo, Mariana Moraes Pereira das Neves; Araújo, Fernando de Paiva; Ferreira, Clarice Martins; Duarte, Fabiana Baeta Neves; Pace, Fabio Heleno; Ornellas, Laura Cotta; Baron, Todd H; Ferreira, Lincoln Eduardo Villela Vieira de Castro.
Título: Colonoscopy sedation: clinical trial comparing propofol and fentanyl with or without midazolam / Sedação para colonoscopia: ensaio clínico comparando propofol e fentanil associado ou não ao midazolam
Fonte: Rev. bras. anestesiol;66(3):231-236, May.-June 2016. tab.
Idioma: en.
Resumo: ABSTRACT Colonoscopy is one of the most common procedures. Sedation and analgesia decrease anxiety and discomfort and minimize risks. Therefore, patients prefer to be sedated when undergoing examination, although the best combination of drugs has not been determined. The combination of opioids and benzodiazepines is used to relieve the patient's pain and discomfort. More recently, propofol has assumed a prominent position. This randomized prospective study is unique in medical literature that specifically compared the use of propofol and fentanyl with or without midazolam for colonoscopy sedation performed by anesthesiologists. The aim of this study was to evaluate the side effects of sedation, discharge conditions, quality of sedation, and propofol consumption during colonoscopy, with or without midazolam as preanesthetic. The study involved 140 patients who underwent colonoscopy at the University Hospital of the Federal University of Juiz de Fora. Patients were divided into two groups: Group I received intravenous midazolam as preanesthetic 5 min before sedation, followed by fentanyl and propofol; Group II received intravenous anesthesia with fentanyl and propofol. Patients in Group II had a higher incidence of reaction (motor or verbal) to the colonoscope introduction, bradycardia, hypotension, and increased propofol consumption. Patient satisfaction was higher in Group I. According to the methodology used, the combination of midazolam, fentanyl, and propofol for colonoscopy sedation reduces propofol consumption and provides greater patient satisfaction.

RESUMO A colonoscopia é um dos procedimentos mais feitos. Sedação e analgesia diminuem a ansiedade e o desconforto e minimizam riscos. Em razão disso, os pacientes preferem que o exame seja feito sob anestesia, embora não tenha sido determinada a melhor combinação de fármacos. A associação de benzodiazepínicos com opioides é usada para aliviar a dor e o desconforto do paciente. Mais recentemente, o propofol assumiu posição de destaque. Este estudo, prospectivo e randomizado, é único na literatura médica e especificamente comparou o uso do propofol e fentanil associado ou não ao midazolam na sedação para colonoscopia feita por anestesiologistas. Os objetivos do estudo foram avaliar os efeitos colaterais da sedação, as condições de alta, a qualidade da sedação e o consumo de propofol durante a colonoscopia, com ou sem o midazolam como pré-anestésico. Envolveu 140 pacientes submetidos à colonoscopia, no Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora. Os pacientes foram divididos em dois grupos. O Grupo I recebeu, por via endovenosa, midazolam como pré-anestésico, cinco minutos antes da sedação, seguido do fentanil e propofol. O Grupo II recebeu, por via endovenosa, anestesia com fentanil e propofol. Os pacientes do Grupo II apresentaram maior incidência de reação (motora ou verbal) à introdução do colonoscópio, bradicardia, hipotensão arterial e maior consumo de propofol. A satisfação dos pacientes foi maior no Grupo I. De acordo com a metodologia empregada, a associação de midazolam ao propofol e fentanil para sedação em colonoscopia reduz o consumo de propofol e cursa com maior satisfação do paciente.
Descritores: Midazolam/farmacologia
Propofol/farmacologia
Fentanila/farmacologia
Colonoscopia
Analgésicos Opioides/farmacologia
Hipnóticos e Sedativos/farmacologia
-Dor/prevenção & controle
Método Duplo-Cego
Estudos Prospectivos
Satisfação do Paciente/estatística & dados numéricos
Quimioterapia Combinada/métodos
Pessoa de Meia-Idade
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Tipo de Publ: Estudo Comparativo
Ensaio Clínico Controlado Aleatório
Responsável: BR1.1 - BIREME


  5 / 434 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-777407
Autor: Srivastava, Vinit K; Agrawal, Sanjay; Nimbhorkar, Vikrant K; Mishra, Abhishek; Sharma, Sunil; Panda, Prasanta K.
Título: Prophylactic use of pregabalin for prevention of succinylcholine-induced fasciculation and myalgia: a randomized, double-blinded, placebo-controlled study / Uso profilático de pregabalina para prevenção de mialgia e fasciculação induzidas por succinilcolina: estudo randômico, duplo-cego e controlado por placebo
Fonte: Rev. bras. anestesiol;66(2):165-170, Mar.-Apr. 2016. tab, graf.
Idioma: en.
Resumo: ABSTRACT BACKGROUND: Succinylcholine is commonly used to achieve profound neuromuscular blockade of rapid onset and short duration. OBJECTIVE: The present study compared the efficacy of pregabalin for prevention of succinylcholine-induced fasciculation and myalgia. DESIGN: Prospective, randomized, placebo controlled, double blinded study. MATERIALS AND METHODS: Patients of both genders undergoing elective spine surgery were randomly assigned to two groups. Patients in Group P (pregabalin group) received 150 mg of pregabalin orally 1 h prior to induction of anesthesia with sips of water and patients in Group C (control group) received placebo. Anesthesia was induced with fentanyl 1.5 mcg/kg, propofol 1.5-2.0 mg/kg followed by succinylcholine 1.5 mg/kg. The intensity of fasciculations was assessed by an observer blinded to the group allotment of the patient on a 4-point scale. A blinded observer recorded postoperative myalgia grade after 24 h of surgery. Patients were provided patient-controlled analgesia with fentanyl for postoperative pain relief. RESULTS: Demographic data of both groups were comparable (p > 0.05). The incidence of muscle fasciculation's was not significant between two groups (p = 0.707), while more patients in group C had moderate to severe fasciculation's compared to group P (p = 0.028). The incidence and severity of myalgia were significantly lower in group P (p < 0.05). CONCLUSION: Pregabalin 150 mg prevents succinylcholine-induced fasciculations and myalgia and also decreases the fentanyl consumption in elective sine surgery.

RESUMO JUSTIFICATIVA: A succinilcolina é comumente usada para atingir um bloqueio neuromuscular profundo, de início rápido e de curta duração. OBJETIVO: Comparar a eficácia de pregabalina na prevenção de mialgia e fasciculação induzidas por succinilcolina. DESENHO: Estudo prospectivo, randômico, duplo-cego e controlado por placebo. MATERIAIS E MÉTODOS: Pacientes de ambos os sexos submetidos a cirurgia eletiva de coluna foram aleatoriamente divididos em dois grupos. Os pacientes do Grupo P (pregabalina) receberam 150 mg de pregabalina oral uma hora antes da indução da anestesia e os pacientes do Grupo C (controle) receberam placebo. A anestesia foi induzida com fentanil (1,5 mcg/kg) e propofol (1,5-2,0 mg/kg), seguidos de succinilcolina 1,5 mg/kg. A intensidade da fasciculação foi avaliada por um observador, cego para a alocação dos grupos, com uma escala de 4 pontos. Um observador cego registrou o grau pós-operatório de mialgia após 24 horas de cirurgia. Para o alívio da dor no pós-operatório, fentanil foi usado em sistema de analgesia controlada pelo paciente. RESULTADOS: Os dados demográficos de ambos os grupos eram comparáveis (p > 0,05). A incidência de fasciculação muscular não foi significativa entre os dois grupos (p = 0,707), enquanto mais pacientes do Grupo C apresentaram fasciculação de moderada a grave em relação ao Grupo P (p = 0,028). A incidência e a gravidade da mialgia foram significativamente menores no grupo P (p < 0,05). CONCLUSÃO: Pregabalina (150 mg) previne mialgia e fasciculação induzidas por succinilcolina, além de diminur o consumo de fentanil em cirurgia eletiva de coluna.
Descritores: Succinilcolina/administração & dosagem
Fasciculação/prevenção & controle
Mialgia/prevenção & controle
Pregabalina/uso terapêutico
-Coluna Vertebral/cirurgia
Succinilcolina/efeitos adversos
Propofol/administração & dosagem
Fentanila/administração & dosagem
Método Duplo-Cego
Incidência
Estudos Prospectivos
Analgesia Controlada pelo Paciente/métodos
Procedimentos Cirúrgicos Eletivos/métodos
Fasciculação/induzido quimicamente
Fasciculação/epidemiologia
Mialgia/induzido quimicamente
Mialgia/epidemiologia
Pessoa de Meia-Idade
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Adulto
Adulto Jovem
Tipo de Publ: Ensaio Clínico Controlado Aleatório
Responsável: BR1.1 - BIREME


  6 / 434 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Carmona, Maria José Carvalho
Texto completo
Id: lil-773479
Autor: Vale, Arthur Halley Barbosa do; Videira, Rogério Luiz da Rocha; Gomez, David Souza; Carmona, Maria José Carvalho; Tsuchie, Sara Yume; Flório, Cláudia; Vane, Matheus Fachini; Posso, Irimar de Paula.
Título: Effect of nitrous oxide on fentanyl consumption in burned patients undergoing dressing change / Efeito do óxido nitroso sobre o consumo de fentanil em pacientes queimados submetidos à troca de curativo
Fonte: Rev. bras. anestesiol;66(1):7-11, Jan.-Feb. 2016. tab, graf.
Idioma: pt.
Resumo: BACKGROUND AND OBJECTIVES: Thermal injuries and injured areas management are important causes of pain in burned patients, requiring that these patients are constantly undergoing general anesthesia for dressing change. Nitrous oxide (N2O) has analgesic and sedative properties; it is easy to use and widely available. Thus, the aim of this study was to evaluate the analgesic effect of N2O combined with fentanyl in burned patients during dressing change. METHOD: After approval by the institutional Ethics Committee, 15 adult burned patients requiring daily dressing change were evaluated. Patient analgesia was controlled with fentanyl 0.0005% administered by intravenous pump infusion on-demand. Randomly, in one of the days a mixture of 65% N2O in oxygen (O2) was associated via mask, with a flow of 10 L/min (N2O group) and on the other day only O2 under the same flow (control group). RESULTS: No significant pain reduction was seen in N2O group compared to control group. VAS score before dressing change was 4.07 and 3.4, respectively, in N2O and control groups. Regarding pain at the end of the dressing, patients in N2O group reported pain severity of 2.8; while the control group reported 2.87. There was no significant difference in fentanyl consumption in both groups. CONCLUSIONS: The association of N2O was not effective in reducing opioid consumption during dressing changes.

JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS: Os ferimentos térmicos e a manipulação das áreas lesadas são causas importantes de dor em pacientes vítimas de queimaduras, necessitando que estes pacientes sejam constantemente submetidos a anestesias gerais para a troca do curativo. O óxido nitroso (N2O) tem propriedades analgésicas e sedativas, sendo capaz de fácil utilização e de ampla disponibilidade. Com isto, objetivou-se avaliar o efeito analgésico da administração de N2O associado ao fentanil em pacientes queimados, durante a troca de curativo. MÉTODO: Após aprovação pela comissão de ética institucional, foram avaliados 15 pacientes adultos, vítimas de queimaduras com necessidade de troca diária de curativo. A analgesia do paciente foi controlada pelo uso de fentanil 0,0005% administrado por bomba de infusão sob demanda, intravenosa. De maneira aleatória, em um dos dias foi associada mistura de N2O a 65% em oxigênio (O2) sob máscara com fluxo de 10 L/min (grupo N2O) e no outro dia apenas O2 sob o mesmo fluxo (grupo controle). RESULTADOS: Não se observou diminuição significativa da dor no grupo N2O em relação ao grupo controle. A dor na EAV antes da troca do curativo foi de 4,07 e 3,4; respectivamente nos grupos N2O e controle. Quanto à dor ao término da troca de curativo, os pacientes do grupo N2O referiram dor intensidade 2,8; enquanto no grupo controle foi de 2,87. Não houve diferença significativa de consumo de fentanil em ambos os grupos. CONCLUSÕES: A associação de N2O não foi eficaz na redução no consumo de opióides durante a troca de curativos.
Descritores: Bandagens
Queimaduras/terapia
Fentanila/administração & dosagem
Óxido Nitroso/administração & dosagem
-Oxigênio/administração & dosagem
Dor/etiologia
Dor/tratamento farmacológico
Queimaduras/complicações
Método Simples-Cego
Analgesia Controlada pelo Paciente/métodos
Resultado do Tratamento
Analgésicos Opioides
Pessoa de Meia-Idade
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Adolescente
Adulto
Adulto Jovem
Tipo de Publ: Ensaio Clínico Controlado Aleatório
Responsável: BR1.1 - BIREME


  7 / 434 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-843350
Autor: Hartmann, Flávia Vieira Guimarães; Novaes, Maria Rita Carvalho Garbi; Carvalho, Marta Rodrigues de.
Título: Femoral nerve block versus intravenous fentanyl in adult patients with hip fractures - a systematic review / Bloqueio do nervo femoral versus fentanil por via venosa em pacientes adultos com fraturas de quadril - revisão sistemática
Fonte: Rev. bras. anestesiol;67(1):67-71, Jan.-Feb. 2017. tab.
Idioma: en.
Resumo: Abstract Background: Hip fractures configure an important public health issue and are associated with high mortality taxes and lose of functionality. Hip fractures refer to a fracture occurring between the edge of the femoral head and 5 cm below the lesser trochanter. They are common in orthopedic emergencies. The number of proximal femoral fractures is likely to increase as the population ages. The average cost of care during the initial hospitalization for hip fracture can be estimated about US$ 7,000 per patient. Femoral fractures are painful and need immediate adequate analgesia. Treating pain femoral fractures is difficult because there are limited numbers of analgesics available, many of which have side effects that can limit their use. Opiates are the most used drugs, but they can bring some complications. In this context, femoral nerve blocks can be a safe alternative. It is a specific regional anesthetic technique used by doctors in emergency medicine to provide anesthesia and analgesia of the affected leg. Objective: To compare the analgesic efficacy of intravenous fentanyl versus femoral nerve block before positioning to perform spinal anesthesia in patients with femoral fractures assessed by Pain Scales. Methods: A systematic review of scientific literature was conducted. Studies described as randomized controlled trials comparing femoral nerve block and traditional fentanyl are included. Two reviewers (MR and FH) independently assessed potentially eligible trials for inclusion. The methodology assessment was based on the tool developed by the Cochrane Collaboration for assessment of bias for randomized controlled trials. The Cochrane Library, Pubmed, Medline and Lilacs were searched for all articles published, without restriction of language or time. Results: Two studies were included in this review. Nerve blockade seemed to be more effective than intravenous fentanyl for preventing pain in patients suffering from a femoral fracture. It also reduced the use of additional analgesia and made lower the risk for systemic complications. Femoral nerve block reduced the time to perform spinal anesthesia to the patient who will be subjected to surgery and facilitate the sitting position for this. Conclusion: The use of femoral nerve block can reduce the level of pain and the need for additional analgesia. There are less adverse systemic events associated with this and the procedure itself does not offer greater risks. More studies are required for further conclusions.

Resumo Justificativa: As fraturas de quadril são uma questão importante de saúde pública e estão associadas a altas taxas de mortalidade e perda de funcionalidade. As fraturas de quadril referem-se a uma fratura que ocorre entre a borda da cabeça femoral e 5cm abaixo do trocanter menor e são comuns em emergências ortopédicas. O número de fraturas do fêmur proximal provavelmente aumentará à medida que a população envelhece. O custo médio da assistência médica durante a hospitalização inicial para fratura de quadril pode ser estimado em US$ 7.000 por paciente. As fraturas do fêmur são dolorosas e requerem analgesia adequada imediata. O tratamento da dor causada por fraturas de fêmur é difícil porque há um número limitado de analgésicos disponíveis, muitos dos quais têm efeitos colaterais que podem limitar o seu uso. Os opioides são os fármacos mais usados, mas podem trazer algumas complicações. Nesse contexto, os bloqueios do nervo femoral podem ser uma opção segura. É uma técnica de anestesia regional específica usada em medicina de emergência para proporcionar anestesia e analgesia do membro afetado. Objetivo: Comparar a eficácia analgésica de fentanil versus bloqueio do nervo femoral antes do posicionamento para fazer raquianestesia em pacientes com fratura de fêmur avaliados com escalas de dor. Métodos: Revisão sistemática da literatura científica. Estudos descritos como ensaios clínicos randomizados que comparam bloqueio do nervo femoral e fentanil tradicional foram incluídos. Dois autores da revisão (MR e FH) avaliaram de forma independente os estudos potencialmente elegíveis para inclusão. A metodologia da avaliação baseou-se na ferramenta desenvolvida pela Colaboração Cochrane para avaliação de viés dos ensaios clínicos randomizados. As bases de dados Biblioteca Cochrane, PubMed, Medline e Lilacs foram consultadas para todos os artigos publicados, sem restrições de língua ou de tempo. Resultados: Dois estudos foram incluídos nesta revisão. O bloqueio do nervo pareceu ser mais eficaz do que fentanil por via intravenosa para a prevenção da dor em pacientes com fratura femoral. Também reduziu o uso de analgesia adicional e diminuiu o risco de complicações sistêmicas. O bloqueio femoral reduziu o tempo de administração da raquianestesia ao paciente a ser submetido à cirurgia e facilitou a posição sentada para esse fim. Conclusão: O uso de bloqueio do nervo femoral pode reduzir o nível de dor e a necessidade de analgesia adicional. Há menos eventos adversos sistêmicos associados a esse procedimento, que não oferece maiores riscos. Mais estudos são necessários para conclusões adicionais.
Descritores: Fentanila
Anestésicos Intravenosos
Fraturas do Quadril/cirurgia
Bloqueio Nervoso/métodos
-Medição da Dor
Ensaios Clínicos Controlados Aleatórios como Assunto
Resultado do Tratamento
Nervo Femoral
Dor Musculoesquelética/prevenção & controle
Pessoa de Meia-Idade
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Adulto
Idoso
Tipo de Publ: Estudo Comparativo
Revisão
Revisão Sistemática
Responsável: BR1.1 - BIREME


  8 / 434 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-1003408
Autor: Zolhavarieh, Seyed Mohammad; Mousavi-Bahar, Seyed Habibollah; Mohseni, Maede; Emam, Amir Hossein; Poorolajal, Jalal; Majzoubi, Faeze.
Título: Effect of intravenous acetaminophen versus fentanyl on postoperative pain after transurethral lithotripsy / Efeito do acetaminofeno versus fentanil intravenosos na dor pós litotripsia transuretral
Fonte: Rev. bras. anestesiol;69(2):131-136, Mar.-Apr. 2019. tab, graf.
Idioma: en.
Resumo: Abstract Background: Postoperative pain is the most common postoperative complication. This study was conducted to assess the effect of acetaminophen versus fentanyl on postoperative pain relief in patients who underwent urologic surgeries. Methods: This clinical trial was conducted on patients aged 18-65 years. Patients were randomly assigned to receive either 2000 mg acetaminophen (propacetamol) or 2 mcg.kg-1 fentanyl intravenously, 15 min before the end of surgery. The postoperative pain was evaluated every 6 h for 24 h using the Visual Analog Scale. Total morphine dose taken in 24 h and hemodynamic status were evaluated. Results: Eighty patients were enrolled into the trial. The mean score of pain in 6, 12, 18, and 24 h after surgery was lower in the acetaminophen group than in the fentanyl group but the difference was not statistically significant except in 12 and 18 h after surgery (p < 0.05). The amount of administered morphine was higher in the fentanyl group than in the acetaminophen group, but the difference was not statistically significant. The hemodynamic status including systolic and diastolic blood pressure and heart rates were nearly the same in the two groups but the SpO2 mean was significantly higher in the acetaminophen group than the fentanyl group. Conclusions: This trial indicated that intravenous acetaminophen is as effective as intravenous fentanyl in pain relief after urologic surgeries (transurethral lithotripsy).

Resumo Justificativa: A dor pós-operatória é a complicação mais comum no período pós-operatório. Este estudo foi realizado para avaliar o efeito de acetaminofeno versus fentanil no alívio da dor pós-operatória em pacientes submetidos a cirurgias urológicas. Métodos: Este ensaio clínico foi realizado com pacientes cujas idades variou entre 18 e 65 anos. Os pacientes foram randomicamente designados para receber 2.000 mg de acetaminofeno (propacetamol) ou 2 mcg.kg-1 de fentanil por via intravenosa 15 min antes do final da cirurgia. A dor pós-operatória foi avaliada a cada 6 horas por 24 horas, utilizando a escala visual analógica. A dose total de morfina administrada em 24 horas e o estado hemodinâmico foram avaliados. Resultados: Oitenta pacientes foram incluídos no estudo. O escore médio de dor em 6, 12, 18 e 24 horas após a cirurgia foi menor no grupo acetaminofeno que no grupo fentanil, mas a diferença não foi estatisticamente significativa, exceto em 12 e 18 horas após a cirurgia (p < 0,05). A quantidade de morfina administrada foi maior no grupo fentanil que no grupo acetaminofeno, mas a diferença não foi estatisticamente significativa. O estado hemodinâmico, incluindo pressão arterial sistólica e diastólica e frequência cardíaca, foi quase o mesmo nos dois grupos, mas a média de SpO2 foi significativamente maior no grupo acetaminofeno que no grupo fentanil. Conclusões: Este estudo indicou que acetaminofeno intravenoso é tão eficaz quanto fentanil intravenoso no alívio da dor após cirurgias urológicas (litotripsia transuretral).
Descritores: Dor Pós-Operatória/tratamento farmacológico
Litotripsia/métodos
Fentanila/administração & dosagem
Analgésicos Opioides/administração & dosagem
Acetaminofen/administração & dosagem
-Fatores de Tempo
Medição da Dor
Método Simples-Cego
Analgésicos não Entorpecentes/administração & dosagem
Administração Intravenosa
Pessoa de Meia-Idade
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Adolescente
Adulto
Idoso
Adulto Jovem
Tipo de Publ: Estudo Comparativo
Ensaio Clínico Controlado Aleatório
Responsável: BR1.1 - BIREME


  9 / 434 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-1013414
Autor: Monje, Beatriz; Giménez-Manzorro, Álvaro; Ortega-Navarro, Cristina; Herranz-Alonso, Ana; Sanjurjo-Sáez, María.
Título: Trends in hospital consumption of analgesics after the implementation of a pain performance improvement plan / Tendências no consumo hospitalar de analgésicos após a implantação de plano de melhoria do controle da dor
Fonte: Rev. bras. anestesiol;69(3):259-265, May-June 2019. tab, graf.
Idioma: en.
Resumo: Abstract Background: Pain management committee established a pain performance improvement plan in 2012. Objectives: The aim of the study was to assess the trends in analgesic consumption in a tertiary teaching hospital and the associated economic impact. Methods: A descriptive, retrospective study was conducted between 2011 and 2015. The analysis included: anti-inflammatory and antirheumatic products non-steroids, opioid analgesics and other analgesics and antipyretics. Data are converted into DDD/100 bed-days to analyze consumption trends. Main outcome measure: assessment of the analgesic consumption after the implementation of a pain performance improvement plan. Results: Overall, non-steroidal anti-inflammatory and antirheumatic products consumption decreased in 24.8 DDD/100 bed-days (-28.3%), accounting for most of the total analgesic consumption decrease (-13%) and total cost (-44.3%). Opioid consumption increased markedly from 22.3 DDD/100 bed-days in 2011 to 26.5 DDD/100 bed-days in 2015 (+18.9%). In 2011, the most consumed opioid was morphine (8.6 DDD/100 bed-days). However, there was an increasing trend in fentanyl consumption (from 8.1 to 12.1 DDD/100 bed-days in 2015), which resulted in fentanyl replacing morphine from the most consumed opioid in 2015 (12.1 DDD/100 bed-days). In 2015, the group of other analgesics and antipyretics represented 46.2% of the total analgesic consumption. Acetaminophen was the most commonly consumed analgesic drug (53.2 DDD/100 bed-days in 2015) and had the highest total cost, it represented 55.4% of the overall cost in 2015. Conclusion: Opioid consumption showed an increasing trend during the 5 year period, with fentanyl replacing morphine as the most used opioid. In general, analgesics diminished use was due to the decreasing trend of consumption of non-steroidal anti-inflammatory and antirheumatic products.

Resumo Justificativa: A Comissão para o Manejo da Dor estabeleceu um plano de melhoria no controle da dor em 2012. Objetivo: Avaliar as tendências do consumo de analgésicos em um hospital de ensino terciário e o impacto econômico associado. Métodos: Estudo descritivo, retrospectivo, feito entre 2011 e 2015. A análise incluiu: produtos anti-inflamatórios e antirreumáticos não esteroides, analgésicos opioides e outros analgésicos e antipiréticos. Os dados foram convertidos em DDD/100 leitos-dia para analisar as tendências de consumo. Principal medida do desfecho: avaliação do consumo de analgésicos após o estabelecimento de um plano de melhoria no controle da dor. Resultados: O consumo total de produtos anti-inflamatórios e antirreumáticos não esteroides diminuiu em 24,8 DDD/100 leitos-dia (-28,3%), representando a maior parte da redução total do consumo de analgésicos (-13%) e o custo total (-44,3%). O consumo global de opioides aumentou acentuadamente de 22,3 DDD/100 leitos-dia em 2011 para 26,5 DDD/100 leitos-dia em 2015 (+18,9%). Em 2011, o opioide mais consumido foi a morfina (8,6 DDD/100 leitos-dia). No entanto, houve uma tendência crescente no consumo de fentanil (de 8,1 para 12,1 DDD/100 leitos-dia em 2015), o que resultou na substituição de morfina por fentanil como o opioide mais consumido em 2015 (12,1 DDD/100 leitos-dia). Em 2015, o grupo dos outros analgésicos e antipiréticos representou 46,2% do consumo total de analgésicos. Acetaminofeno foi o analgésico mais consumido (53,2 DDD/100 leitos-dia em 2015) e teve o maior custo total, representou 55,4% do custo total em 2015. Conclusão: O consumo de opioides mostrou uma tendência crescente durante o período de cinco anos, fentanil substituiu morfina como o opioide mais usado. Em geral, o uso diminuído de analgésicos foi devido à tendência decrescente do consumo de produtos anti-inflamatórios e antirreumáticos não esteroides.
Descritores: Dor/tratamento farmacológico
Analgésicos/administração & dosagem
Analgésicos Opioides/administração & dosagem
Anti-Inflamatórios/administração & dosagem
-Anti-Inflamatórios não Esteroides/administração & dosagem
Fentanila/administração & dosagem
Estudos Retrospectivos
Antirreumáticos/administração & dosagem
Relação Dose-Resposta a Droga
Uso de Medicamentos/tendências
Hospitais de Ensino
Morfina/administração & dosagem
Limites: Humanos
Responsável: BR1.1 - BIREME


  10 / 434 LILACS  
              first record previous record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-1041998
Autor: Abdullayev, Ruslan; Uludag, Oznur; Celik, Bulent.
Título: Analgesia Nociception Index: assessment of acute postoperative pain / Índice de Analgesia/Nocicepção: avaliação da dor aguda pós-operatória
Fonte: Rev. bras. anestesiol;69(4):396-402, July-Aug. 2019. tab, graf.
Idioma: en.
Projeto: TIPFMAP.
Resumo: Abstract Background and objectives Patient self-rating based scales such as Numerical Rating Scale, Visual Analog Scale that is used for postoperative pain assessment may be problematic in geriatric or critically ill patients with communication problems. A method capable of the assessment of pain in objective manner has been searched for years. Analgesia nociception index, which is based on electrocardiographic data reflecting parasympathetic activity, has been proposed for this. In this study we aimed to investigate the effectiveness of analgesia nociception index as a tool for acute postoperative pain assessment. Our hypothesis was that analgesia nociception index may have good correlation with Numerical Rating Scale values. Methods A total of 120 patients of American Society of Anesthesiologists (ASA) physical status I and II undergoing any surgical procedure under halogenated-based anesthesia with fentanyl or remifentanil were enrolled for the study. At the 15th minute of arrival to the Postoperative Care Unit the patients' pain was rated on a 0-10 point Numerical Rating Scale. The patients' heart rate, blood pressure, and analgesia nociception index scores were simultaneously measured at that time. The correlation between analgesia nociception index, heart rate, blood pressure and Numerical Rating Scale was examined. Results The study was completed with 107 patients, of which 46 were males (43%). Mean (SD) analgesia nociception index values were significantly higher in patients with initial Numerical Rating Scale ≤3, compared with Numerical Rating Scale >3 (69.1 [13.4] vs. 58.1 [12.9] respectively, p < 0.001). A significant negative linear relationship (r 2 = -0.312, p = 0.001) was observed between analgesia nociception index and Numerical Rating Scale. Conclusion Analgesia nociception index measurements at postoperative period after volatile agent and opioid-based anesthesia correlate well with subjective Numerical Rating Scale scores.

Resumo Justificativa e objetivo As escalas baseadas na autoavaliação de pacientes, como a Escala Visual Numérica e a Escala Visual Analógica, que são usadas para avaliar a dor pós-operatória podem ser problemáticas em pacientes geriátricos ou em estado crítico com problemas de comunicação. Portanto, um método capaz de avaliar a dor de maneira objetiva vem sendo pesquisado há anos. O índice de analgesia/nocicepção, baseado em dados eletrocardiográficos que refletem a atividade parassimpática, tem sido proposto para tal avaliação. Neste estudo, objetivamos investigar a eficácia do índice de analgesia/nocicepção como uma ferramenta para a avaliação da dor pós-operatória aguda. Nossa hipótese foi que o índice de analgesia/nocicepção pode ter boa correlação com os valores da Escala de Classificação Numérica. Métodos Um total de 120 pacientes com estado físico ASA I e II, submetidos a qualquer procedimento cirúrgico com o uso de anestésicos halogenados associados a fentanil ou remifentanil, foi incluído no estudo. No 15º minuto após a chegada à sala de recuperação pós-anestesia, a dor dos pacientes foi avaliada em uma escala numérica de 0-10 pontos. Os escores de frequência cardíaca, pressão arterial e o índice de analgesia/nocicepção dos pacientes foram medidos simultaneamente naquele momento. A correlação entre o índice de analgesia/nocicepção, frequência cardíaca, pressão arterial e a Escala Visual Numérica foi avaliada. Resultados O estudo foi concluído com 107 pacientes, dos quais 46 eram do sexo masculino (43%). Os valores da média (DP) do índice de analgesia/nocicepção foram significativamente maiores nos pacientes com valor inicial na Escala Visual Numérica ≤ 3, em comparação com valor na mesma escala > 3 (69,1 [13,4] vs. 58,1 [12,9], respectivamente, p < 0,001). Uma relação linear negativa significativa (r2 = -0,312, p = 0,001) foi observada entre o índice de analgesia/nocicepção e a Escala Visual Numérica. Conclusão As mensurações do índice de analgesia/nocicepção no pós-operatório após anestesia com agentes halogenados e opioides mostraram boa correlação com os escores subjetivos da Escala Visual Numérica.
Descritores: Medição da Dor/métodos
Dor Aguda/diagnóstico
Nociceptividade/efeitos dos fármacos
Analgesia/métodos
-Dor Pós-Operatória/diagnóstico
Dor Pós-Operatória/prevenção & controle
Fentanila/administração & dosagem
Estudos Prospectivos
Dor Aguda/prevenção & controle
Remifentanil/administração & dosagem
Analgésicos Opioides/administração & dosagem
Pessoa de Meia-Idade
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Adulto
Adulto Jovem
Tipo de Publ: Estudo Observacional
Responsável: BR1.1 - BIREME



página 1 de 44 ir para página                         
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde