Base de dados : LILACS
Pesquisa : D08.811.277.040.330.300.400.475.100 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 2 [refinar]
Mostrando: 1 .. 2   no formato [Detalhado]

página 1 de 1

  1 / 2 LILACS  
              next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: biblio-940890
Autor: Figueiredo, Anna Carolina Cançado.
Título: Caracterização imunocitoquímica da expressão da proteína RAP1 em blocos de células escamosas provenientes de citologia cervical em meio líquido.
Fonte: Belo Horizonte; s.n; 2015. XXI, 120 p.
Idioma: pt.
Tese: Apresentada a Centro de Pesquisas René Rachou para obtenção do grau de Mestre.
Resumo: O diagnóstico precoce acurado do câncer cervical, relevante problema de saúde pública no mundo e no Brasil, pela citologia oncótica (Teste de Papanicolaou), é muito prejudicado pela subjetividade e variabilidade dos resultados falsos negativos e falsos positivos do método, particularmente diante de células escamosas atípicas(ASC). Recentes inovações técnicas, como citologia em meio líquido e imunocitoquímica com biomarcadores de proliferação celular, aumentaram a expectativa de melhorias no rastreamento do câncer cervical. No entanto, a aplicabilidade destas inovações nos estágios mais iniciais de atipia e displasias epiteliais permanecem incertas. Assim, considerando resultado prévio do nosso grupo de pesquisa, que identificou a proteína RAP1 como biomarcador diagnóstico da displasia cervical, este trabalho tem como objetivo caracterizar a expressão da proteína RAP1, comparativamente à expressão dos biomarcadores p16 e Ki-67, por imunocitoquímica, em blocos de células escamosas cervicais para possível aplicabilidade na triagem do câncer do colo do útero. Para tal, 34 amostras, 27 pacientes com diagnóstico de alterações celulares benignas (ACB) e 7 pacientes com diagnóstico de ASC foram coletadas na unidade Jenny Faria do Hospital das Clínicas da UFMG. Os resultados indicaram que 85% das amostras de blocos celulares foram satisfatórias para análise morfológica e a técnica reproduziu os principais parâmetros citopatológicos da citologia convencional.

Em relação a sua utilização para diagnóstico, o bloco de células apresentou sensibilidade de 38,46%,especificidade de 90,47% e uma variabilidade interobservador com taxa de concordância de aproximadamente 30% para os grupos ACB e ASC. A expressão da proteína RAP1 foi positiva na maioria das amostras do grupo “ACB” (15/27 ou55,56%) e resultado negativo na maioria das amostras do grupo “ASC” (4/7 ou 57,14%) com sensibilidade de 16,66%, especificidade de 75, %. As reações imunocitoquímicas das proteínas p16 e Ki-67 demonstraram, em ambos os grupos,apresentaram predomínio absoluto ou totalidade de resultados negativos. O DNA de HPV foi detectado em 9 (33,33%) das 27 amostras do grupo ACB e em 4 (57,14%)das 7 amostras do grupo ASC. O HPV-16 foi detectado nas 4 amostras do grupoASC. Nas amostras do grupo ACB foram detectados os HPV-16, em 5 amostras,HPV-58, em 2 amostras, HPV-45, em 1 amostra e HPV-66 em 1 amostra.Observamos inexistência de relação entre a presença do HPV e a expressão imunocitoquímica de RAP1 em ambos os grupos. Em conclusão, os blocos de células podem complementar o teste de Papanicolaou na triagem do câncer do colo uterino e a expressão da proteína RAP1 está aumentada em células cervicais em ambiente inflamatório, associado ou não à presença de HPV.
Descritores: Teste de Papanicolaou/instrumentação
Esfregaço Vaginal/métodos
Proteínas rap1 de Ligação ao GTP/análise
Limites: Feminino
Seres Humanos
Adulto Jovem
Adulto
Meia-Idade
Responsável: BR1719.1 - Biblioteca do CPqRR
BR1719.1; 618.15, F475c, 2015


  2 / 2 LILACS  
              first record previous record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: lil-760553
Autor: Figueiredo, Anna Carolina Cançado.
Título: Caracterização imunocitoquímica da expressão da proteína RAP1 em blocos de células escamosas provenientes de citologia cervical em meio líquido / Immunocytochemistry characterization of expression of RAP1 protein in squamous cell blocks from cervical cytology in liquid medium.
Fonte: Belo Horizonte; s.n; 2015. XXI, 120 p.
Idioma: pt.
Tese: Apresentada a Centro de Pesquisas René Rachou para obtenção do grau de Mestre.
Resumo: O diagnóstico precoce acurado do câncer cervical, relevante problema de saúde pública no mundo e no Brasil, pela citologia oncótica (Teste de Papanicolaou), é muito prejudicado pela subjetividade e variabilidade dos resultados falsos negativos e falsos positivos do método, particularmente diante de células escamosas atípicas(ASC). Recentes inovações técnicas, como citologia em meio líquido e imunocitoquímica com biomarcadores de proliferação celular, aumentaram a expectativa de melhorias no rastreamento do câncer cervical. No entanto, a aplicabilidade destas inovações nos estágios mais iniciais de atipia e displasias epiteliais permanecem incertas. Assim, considerando resultado prévio do nosso grupo de pesquisa, que identificou a proteína RAP1 como biomarcador diagnóstico da displasia cervical, este trabalho tem como objetivo caracterizar a expressão da proteína RAP1, comparativamente à expressão dos biomarcadores p16 e Ki-67, por imunocitoquímica, em blocos de células escamosas cervicais para possível aplicabilidade na triagem do câncer do colo do útero. Para tal, 34 amostras, 27 pacientes com diagnóstico de alterações celulares benignas (ACB) e 7 pacientes com diagnóstico de ASC foram coletadas na unidade Jenny Faria do Hospital das Clínicas da UFMG. Os resultados indicaram que 85% das amostras de blocos celulares foram satisfatórias para análise morfológica e a técnica reproduziu os principais parâmetros citopatológicos da citologia convencional...

Em relação a sua utilização para diagnóstico, o bloco de células apresentou sensibilidade de 38,46%,especificidade de 90,47% e uma variabilidade interobservador com taxa de concordância de aproximadamente 30% para os grupos ACB e ASC. A expressão da proteína RAP1 foi positiva na maioria das amostras do grupo “ACB” (15/27 ou55,56%) e resultado negativo na maioria das amostras do grupo “ASC” (4/7 ou 57,14%) com sensibilidade de 16,66%, especificidade de 75, %. As reações imunocitoquímicas das proteínas p16 e Ki-67 demonstraram, em ambos os grupos,apresentaram predomínio absoluto ou totalidade de resultados negativos. O DNA de HPV foi detectado em 9 (33,33%) das 27 amostras do grupo ACB e em 4 (57,14%)das 7 amostras do grupo ASC. O HPV-16 foi detectado nas 4 amostras do grupoASC. Nas amostras do grupo ACB foram detectados os HPV-16, em 5 amostras,HPV-58, em 2 amostras, HPV-45, em 1 amostra e HPV-66 em 1 amostra.Observamos inexistência de relação entre a presença do HPV e a expressão imunocitoquímica de RAP1 em ambos os grupos. Em conclusão, os blocos de células podem complementar o teste de Papanicolaou na triagem do câncer do colo uterino e a expressão da proteína RAP1 está aumentada em células cervicais em ambiente inflamatório, associado ou não à presença de HPV...
Descritores: Esfregaço Vaginal/métodos
Proteínas rap1 de Ligação ao GTP/análise
Teste de Papanicolaou/instrumentação
Limites: Seres Humanos
Feminino
Adulto Jovem
Meia-Idade
Responsável: BR1719.1 - Biblioteca do CPqRR



página 1 de 1
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde