Base de dados : LILACS
Pesquisa : D10.532.091.750.500 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 1 [refinar]
Mostrando: 1 .. 1   no formato [Detalhado]

página 1 de 1

  1 / 1 LILACS  
             
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Riella, Miguel Carlos
Texto completo
Id: biblio-984581
Autor: Siemens, Tobias August; Riella, Miguel Carlos; Moraes, Thyago Proença de; Riella, Cristian Vidal.
Título: APOL1 risk variants and kidney disease: what we know so far / Variantes de risco APOL1 e doença renal: o que sabemos até agora
Fonte: J. bras. nefrol;40(4):388-402, Out.-Dec. 2018. tab, graf.
Idioma: en.
Resumo: ABSTRACT There are striking differences in chronic kidney disease between Caucasians and African descendants. It was widely accepted that this occurred due to socioeconomic factors, but recent studies show that apolipoprotein L-1 (APOL1) gene variants are strongly associated with focal segmental glomerulosclerosis, HIV-associated nephropathy, hypertensive nephrosclerosis, and lupus nephritis in the African American population. These variants made their way to South America trough intercontinental slave traffic and conferred an evolutionary advantage to the carries by protecting against forms of trypanosomiasis, but at the expense of an increased risk of kidney disease. The effect of the variants does not seem to be related to their serum concentration, but rather to local action on the podocytes. Risk variants are also important in renal transplantation, since grafts from donors with risk variants present worse survival.

RESUMO Existem importantes diferenças na doença renal crônica entre caucasianos e afrodescendentes. Foi amplamente aceito que isso ocorreu devido a fatores socioeconômicos, mas estudos recentes mostraram que as variantes gênicas da apolipoproteína L-1 (APOL1) estão fortemente associadas à glomeruloesclerose segmentar e focal, nefropatia associada ao HIV, nefroesclerose hipertensiva e nefrite lúpica na população afrodescendente. Essas variantes chegaram à América do Sul através do tráfico intercontinental de escravos, e proporcionaram uma vantagem evolutiva aos portadores, protegendo contra formas de tripanossomíase, mas à custa de um maior risco de doença renal. O efeito das variantes não parece estar relacionado à sua concentração sérica, mas sim à sua ação local sobre os podócitos. Variantes de risco também são importantes no transplante renal, já que enxertos de doadores com variantes de risco apresentam pior sobrevida.
Descritores: Insuficiência Renal Crônica/genética
Apolipoproteína L1/genética
-Polimorfismo Genético
Variação Genética
Afro-Americanos/genética
Doenças Cardiovasculares/etiologia
Doenças Cardiovasculares/epidemiologia
Prevalência
Fatores de Risco
Podócitos
Insuficiência Renal Crônica/complicações
Insuficiência Renal Crônica/etiologia
Insuficiência Renal Crônica/epidemiologia
Apolipoproteína L1/fisiologia
Limites: Humanos
Tipo de Publ: Revisão
Responsável: BR1.1 - BIREME



página 1 de 1
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde