Base de dados : LILACS
Pesquisa : D12.776.660.650.875 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 9 [refinar]
Mostrando: 1 .. 9   no formato [Detalhado]

página 1 de 1

  1 / 9 LILACS  
              next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-675835
Autor: Barreto-Vianna, André R C; Oliveira, Luana S; Leonardo, André S; Santana, Marcelo I; Godoy, Roberta F; Lima, Eduardo M M de.
Título: Density of primary and secondary epidermal laminae of equine hoof / Densidade das lâminas epidérmicas primárias e secundárias nos cascos de equinos
Fonte: Pesqui. vet. bras = Braz. j. vet. res;33(4):543-548, Apr. 2013. ilus, tab.
Idioma: en.
Resumo: Differences in the microscopic morphology of the hoof in forelimbs and hindlimbs of horses have been scarcely reported in the literature, especially concerning the distribution of primary and secondary epidermal laminae in the different regions. This study aimed to determine the density of primary and secondary epidermal laminae in the hoof of horses. For this, it was used fore and hindlimbs of 16 adult mixed breed horses. With a cross section 0.5 cm above the sole, it was quantified the primary epidermal laminae in the regions of the toe, and of lateral and medial quarters. Fragments with about 1cm ³ were taken from the proximal, middle and distal thirds of the hooves, in the different regions, subjected to conventional histological techniques and examined with an optical microscope. Data were statistically analyzed in relation to the fore and hindlimbs and between their various regions. The density of primary epidermal laminae varied around the hoof circumference, with greater values in the hoof toe, which gradually decreased towards the bulb of the hoof, without difference between thoracic and pelvic limbs. The average density of the secondary epidermal laminae per primary epidermal lamina does not change around the circumference of the hoof. Our findings indicated that the density of epidermal laminae is not different between fore and hindlimbs. The variation in the density of primary epidermal laminae around the hoof seems to be part of an adaptive response to different stresses in each region. A better understanding of the structural morphology contributes to a better understanding of the diagnosis, pathophysiology, and treatment of disorders that affect the hoof.

Diferenças na morfologia microscópica dos cascos dos membros pélvicos e torácicos dos equinos têm sido pouco relatadas na literatura, principalmente no tocante a distribuição de lâminas epidérmicas primárias e secundárias nas diversas regiões. O propósito deste estudo foi quantificar a densidade de lâminas epidérmicas primárias e secundárias no casco de equinos. Foram utilizados membros torácicos e pélvicos de oito equinos adultos e sem raça definida. Em uma secção transversal de aproximadamente 0,5cm de altura da sola dos cascos foi quantificada a densidade das lâminas epidérmicas primárias tanto na região da pinça quanto dos quartos lateral e medial. Fragmentos com aproximadamente 1cm³ foram retirados dos terços proximal, médio e distal do casco, nas diferentes regiões e submetidos a técnica histológica convencional, a densidade de lâminas epidérmicas secundárias foi quantificada com auxilio de microscópio óptico. Os dados foram analisados estatisticamente em relação aos membros torácicos e pélvicos e entre suas diversas regiões. A densidade de lâminas epidérmicas primárias varia ao redor da circunferência do casco, sendo maior na região da pinça do casco e diminui gradualmente em direção ao bulbo do casco, não existindo diferença entre membros pélvicos e torácicos. A densidade média de lâminas epidérmicas secundárias por lâmina epidérmica primária não varia em torno da circunferência dos cascos, assim como, quando comparada entre os membros torácicos e pélvicos. A variação da densidade das lâminas epidérmicas primárias em torno do casco parece fazer parte de uma resposta adaptativa às diferentes tensões existentes em cada região. O melhor entendimento da morfologia das estruturas do casco contribui na melhor compreensão do diagnóstico, fisiopatologia e tratamento das afecções que as acometem.
Descritores: Casco e Garras/anatomia & histologia
Cavalos/anatomia & histologia
Laminas/análise
-Membro Posterior
Extremidade Superior
Limites: Animais
Responsável: BR68.1 - Biblioteca Virginie Buff D'Ápice


  2 / 9 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Texto completo
Id: lil-644430
Autor: Astolfi, Rodrigo Schroll; Tachibana, Wilson Tadao; Letaif, Olavo Biraghi; Cristante, Alexandre Fogaça; Oliveira, Reginaldo Perilo; Barros Filho, Tarcísio Eloy Pessoa de.
Título: Análise tomográfica para colocação de parafusos em C2 nos pacientes com artrite reumatoide / Tomographic analysis for C2 screw placement in rheumatoid arthritis patients
Fonte: Acta ortop. bras;20(4):207-209, 2012. ilus, tab.
Idioma: pt.
Resumo: OBJETIVO: A análise morfológica da estrutura óssea de C2, em pacientes com artrite reumatoide, com o objetivo de aumentar a segurança de procedimentos de estabilização desta vértebra. MÉTODOS: Analisamos retrospectivamente 20 tomografias de coluna cervical realizadas em pacientes com artrite reumatoide, foram medidos os seguintes parâmetros: o ângulo espinolaminar, espessura e comprimento da lâmina de C2. RESULTADOS: Os valores médios encontrados são: espessura das lâminas direita 5,92mm e esquerda 5,87mm; comprimento das lâminas direita 27,75mm e esquerda 27,94mm e ângulo espinolaminar 44,7(0). CONCLUSÃO: Os valores obtidos são compatíveis com os de estudos realizados em indivíduos normais publicados por outros autores, não havendo aparente necessidade de alteração na técnica para colocação dos parafusos. Nível de Evidência IV, Série de casos.

OBJECTIVE: A morphological analysis of the bone structure of C2 in patients with rheumatoid arthritis in order to enhance the security of the stabilization procedures for this vertebra. METHODS: We retrospectively analyzed 20 CT scans of the cervical spine performed in patients with rheumatoid arthritis; the following parameters were measured: espinolaminar angle, thickness and length of C2 lamina. RESULTS: The mean values are: 5.92mm and 5.87mm for thickness of right and left laminae retrospectively, 27.75mm for right lamina lenght and 27.94mm for left lamina lenght, and 44.7º for espinolaminar angle. CONCLUSION: The values obtained are consistent with studies in normal subjects published by other groups, with no apparent need for change in the screw placement technique. Level of Evidence IV, Case series.
Descritores: Vértebra Cervical Áxis
Artrite Reumatoide
Parafusos Ósseos
-Laminas
Tomografia
Limites: Seres Humanos
Masculino
Feminino
Responsável: BR734.1 - Biblioteca Central Cesar Lattes - BCCL


  3 / 9 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo SciELO Brasil
Barbieri, Cláudio Henrique
Texto completo
Texto completo
Id: lil-640112
Autor: Mandarano-Filho, Luiz Garcia; Bezuti, Márcio Takey; Mazzer, Nilton; Barbieri, Cláudio Henrique.
Título: Influência da espessura do osso cortical sobre a velocidade de propagação do ultrassom / Influence of cortical bone thickness on the ultrasound velocity
Fonte: Acta ortop. bras;20(3):184-190, 2012. ilus, graf, tab.
Idioma: pt.
Resumo: OBJETIVO: Avaliar a influência da espessura do osso cortical sobre a velocidade de propagação do ultrassom (in vitro). MÉTODO: Foram utilizadas 60 lâminas ósseas confeccionadas a partir do fêmur de bovinos, com diferentes espessuras, variando de 1 a 6mm (10 de cada). As medidas da velocidade do ultrassom foram realizadas por aparelho projetado para este fim, utilizando técnica subaquática e por contato direto com auxílio de gel de acoplamento. Os transdutores foram posicionados de duas maneiras diferentes; opostos entre si, com o osso entre eles, sendo a medida chamada de transversal; e, paralelos na mesma superfície cortical, sendo a medida chamada de axial. RESULTADOS: Com o modo de transmissão axial, a velocidade de propagação do ultrassom aumenta conforme a espessura do osso cortical aumenta, independente da distância entre os transdutores, até a espessura de 5mm, mantendo-se constante após. Não houve alteração da velocidade quando o modo de transmissão foi transversal. CONCLUSÃO: A velocidade de propagação do ultrassom aumenta com o aumento da espessura da cortical óssea, no modo de transmissão axial, até o momento em que a espessura supera o comprimento da onda, mantendo a velocidade constante a partir de então. Nível de Evidência: Estudo Experimental.

OBJECTIVE: An experimental in vitro study was carried out to evaluate the influence of cortical bone thickness on ultrasound propagation velocity. METHODS: Sixty bone plates were used, made from bovine femurs, with thickness ranging from 1 to 6 mm (10 of each). The ultrasound velocity measurements were performed using a device specially designed for this purpose, in an underwater acoustic tank and with direct contact using contact gel. The transducers were positioned in two ways: on opposite sides, with the bone between them, for the transverse measurement; and parallel to each other, on the same side of the bone plates, for the axial measurements. RESULTS: In the axial transmission mode, the ultrasound velocity speed increased with cortical bone thickness, regardless of the distance between the transducers, up to a thickness of 5 mm, then remained constant thereafter. There were no changes in velocity when the transverse measures were made. CONCLUSION: Ultrasound velocity increased with cortical bone thickness in the axial transmission mode, until the thickness surpasses the wavelength, after which point it remained constant. Level of Evidence: Experimental Study.
Descritores: Fêmur/ultraestrutura
Medição de Velocidade
-Laminas
Transdutores
Ultrassom
Limites: Animais
Bovinos
Responsável: BR734.1 - Biblioteca Central Cesar Lattes - BCCL


  4 / 9 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Texto completo
Id: lil-622366
Autor: Torelli, Alessandro Gonzalez; Kohlmann, Rafael Bellucci; Biraghi, Olavo Letaif; Iutaka, Alexandre Sadao; Cristante, Alexandre Fogaça; Marcon, Raphael Martus.
Título: Análise tomográfica dos parâmetros anatômicos do áxis de crianças / Tomographic analysis of anatomical parameters of the axis in children
Fonte: Acta ortop. bras;20(2):75-78, 2012. ilus, tab.
Idioma: pt.
Resumo: OBJETIVO: Estudo anatômico do áxis através de tomografia computadorizada (TC) em crianças de dois a dez anos de idade, mensurando a angulação das lâminas, espessura e comprimento de lâminas e pedículos e espessura da massa lateral. MÉTODOS: Estudou-se 64 TCs da coluna cervical de indivíduos com idades entre 24 e 120 meses, de ambos os sexos e sem deformidades cervicais. Correlacionaram-se as variáveis estudadas com os grupos etários e sexo dos pacientes. A análise estatística foi realizada por meio do teste t. RESULTADOS: Verificou-se que na faixa etária entre 24-48 meses, 5,5% das lâminas e 8,3% dos pedículos possuem espessura menores do que 3,5mm, espessura necessária para colocação de um parafuso. Entre 49-120 meses não há lâminas com espessuras menores do que 3,5mm e 1,2% dos pedículos possuem espessura menor do que 3,5mm. Em ambos os grupos etários não há comprimento de lâminas e pedículos menores do que 12 mm e massas laterais maiores do que 12 mm. CONCLUSÃO: A análise das dimensões obtidas no estudo permite, na maioria dos casos, a colocação de parafusos de 3,5mm nas lâminas e pedículos do áxis de crianças. Nível de Evidência II, Desenvolvimento de critérios diagnósticos em pacientes consecutivos.

OBJECTIVE: To carry out an anatomical study of the axis with the use of computed tomography (CT) in children aged from two to ten years, measuring the lamina angle, lamina and pedicle length and thickness, and lateral mass length. METHODS: Sixty-four CTs were studied from patients aged 24 to 120 months old, of both sexes and without any cervical anomaly. The measurements obtained were correlated with the data on age and sex of the patients. Statistical analysis was performed using the Students "t" tests. RESULTS: We found that within the age range 24-48 months, 5.5% of the lamina and 8.3% of the pedicles had thicknesses of less than 3.5mm, which is the minimum thickness needed for insertion of the screw. Between 49 and 120 months, there were no lamina thicknesses of less than 3.5mm, and 1.2% of the pedicle thicknesses were less than 3.5mm values. Neither of the age groups had any lamina and pedicle lengths of less than 12mm, or lateral mass lengths greater than 12mm. CONCLUSION: The analysis of the data obtained demonstrates that most of the time, is possible to use a 3.5mm pedicle screw in the laminas and pedicles of the axis in children. Level of Evidence: II, Development of diagnostic criteria in consecutive patients.
Descritores: Vértebra Cervical Áxis/anatomia & histologia
Parafusos Ósseos
Coluna Vertebral/anatomia & histologia
Laminas
Fusão Vertebral
-Análise Estatística
Tomografia Computadorizada por Raios X
Limites: Seres Humanos
Masculino
Feminino
Pré-Escolar
Criança
Responsável: BR734.1 - Biblioteca Central Cesar Lattes - BCCL


  5 / 9 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-593314
Autor: Leão, Lenora Maria Camarate Silveira Martins; Alencar, Renata Carvalho de; Rodrigues, Gisele da Cunha; Bouzas, Izabel; Gallo, Paulo; Rossini, Ana.
Título: Lipodistrofia parcial familiar do tipo Dunnigan: atenção ao diagnóstico precoce / Dunnigan-type familial partial lipodystrophy: attention to precocious diagnosis
Fonte: Rev. bras. ginecol. obstet;33(2):99-103, fev. 2011. ilus.
Idioma: pt.
Resumo: A lipodistrofia parcial familiar tipo Dunnigan é uma doença autossômica dominante rara. Em sua forma clássica, é resultante de uma mutação missense heterozigótica no gene LMNA, que codifica a proteína nuclear denominada lâmina tipo A/C. Caracteriza-se pelo desaparecimento progressivo do tecido adiposo subcutâneo nos membros, região glútea, abdome e tronco, que se inicia na puberdade, acompanhado de acúmulo de gordura em outras áreas, como a face, queixo, grandes lábios e região intra-abdominal, conferindo o aspecto de hipertrofia muscular e simulando o fenótipo de síndrome de Cushing. Mulheres afetadas são particularmente predispostas à resistência à insulina e suas complicações, incluindo sinais da síndrome dos ovários policísticos. Com o objetivo de alertar para o diagnóstico precoce, que possibilita a adoção de medidas que minimizam os graves distúrbios metabólicos vinculados à desordem, relatamos o caso de uma paciente em que a investigação foi realizada somente ao final da quinta década de vida. A aparente hipertrofia muscular e o acentuado depósito de gordura nos grandes lábios possibilitam aos médicos ginecologistas a suspeita diagnóstica.

Dunnigan-type familial partial lipodystrophy (FPLD) is an autosomal dominant disease that results from heterozygous missense mutations in LMNA, the gene that encodes nuclear lamin A/C. FPLD is characterized by a progressive disappearance of subcutaneous adipose tissue in the limbs, gluteal region, abdomen and trunk, beginning at the time of or after puberty, and excessive amount of fat in the face, chin, labia majora, and intra-abdominal region, leading to a Cushingoid appearance and increased muscularity phenotype. Affected women are particularly predisposed to insulin resistance and its complications, including features of polycystic ovary syndrome. To emphasize the importance of an early FPLD diagnosis, which is necessary to prevent serious metabolic disturbances, we report a woman diagnosed at about 50 years of age. Increased muscularity and significant labia majora fat deposit made the diagnosis possible by gynecologists.
Descritores: Heterozigoto
Resistência à Insulina
Laminas
Lipodistrofia Parcial Familiar/genética
Mutação de Sentido Incorreto/genética
Fenótipo
Limites: Seres Humanos
Feminino
Meia-Idade
Tipo de Publ: Relatos de Casos
Responsável: BR26.1 - Biblioteca Central


  6 / 9 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: lil-553365
Autor: Coló, Anna Estela Luiza.
Título: Perfil de expressão gênica em carcinoma epidermóide de cabeça e pescoço: alterações em módulos funcionais associadas à biologia e ao comportamento dos tumores / Gene expression profile in head and neck squamous cell carcinoma: alterations in functional modules associated to tumor biology and behavior.
Fonte: São Paulo; s.n; 2009. 107 p. ilus, tab.
Idioma: pt.
Tese: Apresentada a Fundação Antônio Prudente para obtenção do grau de Doutor.
Resumo: O carcinoma epidermóide de cabeça e pescoço se origina do epitélio estratificado escamoso através do acúmulo de alterações genéticas, devido principalmente ao consumo de álcool e tabaco. Em cabeça e pescoço, o carcinoma epidermóide acomete a cavidade nasal e seios paranasais, cavidade oral, orofaringe, hipofaringe e laringe. Apesar dos esforços para o aprimoramento dos métodos de diagnóstico e tratamento, o carcinoma epidermóide de cabeça e pescoço ainda é uma doença que apresenta alguns obstáculos no seu manejo, já que indivíduos com tumores clinica e patologicamente semelhantes, que recebem o mesmo tratamento, apresentam respostas bastante heterogêneas... Incluindo amostras de CE de esôfago, pulmão e colo de útero na análise de expressão gênica global, os dados sugerem a existência de duas classes “moleculares” de amostras de CECP, que apresentam expressão diferencial de genes e alteração em módulos funcionais relacionados à agressividade e progressão tumoral, e não à topografia... O conjunto de vias e módulos funcionais alterados nas diversas comparações indicam que os tumores de perfil agressivo apresentam mudanças na expressão de genes relacionados à comunicação entre microambiente, MEC e a célula tumoral. Isso pode estimular vias de sinalização que promovem a progressão tumoral através da inibição de apoptose...
Descritores: Carcinoma de Células Escamosas
Expressão Gênica
Neoplasias de Cabeça e Pescoço
Laminas
Biologia Molecular
Neoplasias/genética
Responsável: BR30.1 - Biblioteca
BR30.1


  7 / 9 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Venezuela
Texto completo
Id: lil-548612
Autor: Corzo, Otoniel; Bracho, Nelson; Millán, Rosa.
Título: Cambios de color en las láminas de sardina durantela deshidratación osmótica / Color changes on sardine sheets during osmotic dehydration
Fonte: Rev. cient. (Maracaibo);18(4):424-430, jul.-ago. 2008. ilus.
Idioma: es.
Resumo: En este trabajo se analizaron los cambios en los parámetros de color (L, a, b, Æ, IB) de láminas de sardina durante la deshidratación osmótica a diferentes condiciones de concentración y temperatura de la solución osmótica. Las sardinas (Sardinella aurita) se cortaron en láminas (20,1×15,0×6,4 mm3), se les midió el color y se formaron 175 grupos experimentales de 4 láminas cada uno. Se introdujeron simultáneamente siete grupos en una solución osmótica de concentración y temperatura dadas para someterlos a deshidratación osmótica, posteriormente se removió un grupo a los 20; 40; 60; 90; 120; 180 y 240 min de transcurrido el proceso osmótico y se midió el color en las láminas. Este procedimiento se efectuó para cada condición de acuerdo a un diseño factorial 5x5 donde la temperatura y concentración eran 30; 32; 34; 36 y 38°C, 0,15; 0,18; 0,21; 0,24 y 0,27 g NaCl/g, respectivamente. Se obtuvieron valores iniciales de L (36,48 ± 0,77), a (6,47 ± 0,64), b (8,74 ± 0,49), Æ (0) y IB (37,42 ± 0,69). Los valores finales variaron para L entre 40 y 47, a entre 4,2 y 2,6, b entre 7,5 y 5,7, IB entre 39,5 y 45,0 y Æ entre 5,3 y 10,4 dependiendo de las condiciones de deshidratación. Los valores de a y b disminuyeron (P<0,05) al incrementar el tiempo de deshidratación y la concentración, mientras que los de L, Æ y IB aumentaron (P < 0,05). Las disminuciones en a y b fueron menores al incrementarse la temperatura mientras que los aumentos en L, Æ y IB fueron mayores. Se obtuvieron modelos de predicción de los cambios en el color en función de las condiciones de la deshidratación osmótica.

The changes on the color parameters (L, a, b, Æ, whiteness index) of sardine sheets during osmotic dehydration were analyzed at different temperatures and brine concentrations. Sardines (Sardinella aurita) were cut into sheets (20.1x15.0x6.4 mm3), color was measured and 175 groups with 4 sheets in each were formed. Seven groups were introduced simultaneously in an osmotic solution of a desired concentration and temperature for carry out osmotic dehydration, one group was removed at 20; 40; 60; 90; 120; 180 and 240 min, and color of sheets was determined. This procedure was performed for each test condition according to a 5x5 factorial design where the temperature and concentration were 30; 32; 34; 36 and 38°C, 0.15, 0.18, 0.21, 0.24, and 0.27 g NaCl/g brine, respectively. Initial values for L (36.48 ± 0.77), a (6.47 ± 0.64), b (8.74 ± 0.49), Æ (0) and WI (37.42 ± 0.69) were obtained. Final values ranged for L from 40 to 47, for a from 4.2 to 2.6, for b from 7.5 to 5.7, for WI from 39.5 to 45.0 and for Æ from 5.3 to 10.4 according to dehydration conditions. Values for a and b decreased (P<0.05) with increasing both dehydration time and temperature while those for L, Æ and WI index increased (P < 0.05). The decreases in a and b values were lesser with increasing temperature while increases in L, Æ and WI values were higher. Models for prediction of color changes as functions of the conditions of osmotic dehydration were obtained.
Descritores: Corantes de Alimentos/efeitos da radiação
Conservação de Alimentos/métodos
Peixes
Laminas/análise
Pressão Osmótica
Tipo de Publ: Estudos de Avaliação
Responsável: VE1.1 - Biblioteca Humberto Garcia Arocha


  8 / 9 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: lil-502174
Autor: Andrade, Vera Lúcia Ângelo; Tavares, Raquel Melo Starling; Souza, Priscila Sucasas; Castro, Lúcia Porto Fonseca de; Ribeiro, Edílson Geraldo; Bittencourt, Maria de Fátima Masieiro.
Título: Esofagite eosinofílica, uma doença emergente: aspectos endoscópicos e proposta de uma classificação histopatológica / Eosinophilic esophagitis, an emerging disease: endoscopic aspects and a proposal of histopathologic classification
Fonte: GED gastroenterol. endosc. dig;27(5):131-136, set.-out. 2008. tab, ilus.
Idioma: pt.
Resumo: A esofagite eosinofílica (EE) é uma doença ainda pouco conhe»cida, cuja prevalência vem aumentando progressivamente, possi»velmente em decorrência de estar sendo mais diagnosticada. E uma condição inflamatória em que há grande infiltrado eosinofílico no epitélio esofágico. Seu quadro clínico inclui: disfagia, impactação de alimentos, dor retroestemal e náuseas/vômitos. Acomete pre»ferencialmente crianças e adultos jovens. Foi realizado estudo re-trospectivo em serviço de histopatologia em Belo Horizonte (MG), no período de janeiro de 2006 a fevereiro de 2007, visando à caracterização de aspectos histopatológicos do esôfago e à pro»posta de uma classificação, acrescido de uma revisão bibliográfica sobre o assunto. Foram identificadas 25 biópsias esofágicas endos»cópicas com contagens elevadas de eosinófilos. Dos 25 casos, 1 7 eram do sexo masculino (68%) e oito do feminino (32%). Os es»pécimes analisados apresentaram diferentes números de eosinófi»los por campo de grande aumento (eosinófilos/hpf) e foram clas»sificados em quatro diferentes graus: grau O - 0%, (N = O), até 14 eosinófilos/hpf; grau I - 48%, (N = 12), de 15 a 30 eosinófilos/ hpf; grau 11 - 28%, (N = 7), de 31 a 45 eosinófilos/hpf e grau 111 »24%, (N = 6), com 46 ou mais eosinófilos/hpf.Os achados en»doscópicos do esôfago também foram analisados em 20 pacien»tes, com os seguintes resultados: em 15% dos casos, (N = 3), de»tectaram-se grumos brancacentos; em 5% dos casos, (N = 1), encontraram-se estrias longitudinais; em 15% dos casos, (N = 3), foram detectados anéis concêntricos (feline aspect); em 25% dos casos, (N = 5), registrou-se espessamento de mucosa; em 45% dos casos, (N = 8), encontrou-se esofagite erosiva e em 10%, (N = 2), encontrou-se estenose parcial. Observamos que a EE é uma entidade clínico-patológica caracterizada pela presença de eosinó»filos intra-epiteliais com contagem acima de 15 eosinófilos / hpf. As queixas clínicas e os aspectos endoscópicos podem direcionar o diagnóstico...
Descritores: Eosinofilia
Endoscopia/classificação
Endoscopia/tendências
Esofagite/classificação
-Biópsia por Agulha
Achados Incidentais
Laminas
Estudos Retrospectivos
Sinais e Sintomas
Limites: Seres Humanos
Masculino
Feminino
Responsável: BR9.1 - Biblioteca de Ciências da Saúde Profa. Susana Schimidt


  9 / 9 LILACS  
              first record previous record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Alves Filho, Dari Celestino
Texto completo
Id: lil-432544
Autor: Míssio, Regis Luis; Brondani, Ivan Luiz; Menezes, Luís Fernando Glasenapp de; Arboitte, Miguelangelo Ziegler; Alves Filho, Dari Celestino; Restle, João; Leite, Daniel Terra; Pizzuti, Luiz Angelo Damian.
Título: Massas de lâminas foliares nas características produtivas e qualitativas da pastagem de capim-elefante "Pennisetum purpureum, Schum" (cv. "Taiwan") e desempenho animal / Mass of leaf lamina in the produtive and qualitative characteristics of Elephantgrass \"Pennisetum purpureum, Schum\" (cv. Taiwan) pasture and animal performance
Fonte: Ciênc. rural;36(4):1243-1248, jul.-ago. 2006. tab.
Idioma: pt.
Resumo: O experimento foi conduzido no Departamento de Zootecnia da Universidade Federal de Santa Maria, para avaliar produtiva e qualitativamente a pastagem de capim elefante e o desempenho animal sob pastejo. A área experimental foi composta de oito piquetes de 0,443ha cada de capim-elefante (Pennisetun purpureum, Schum. cv. "Tawian"), onde pastejaram 36 novilhos das raças Charolês, Nelore e suas cruzas, com três animais "testers" por piquete, em duas repetições. Foram estudadas as variáveis relacionadas à produtividade e à qualidade da pastagem e ao desempenho animal. As massas reais de lâminas foliares (MLF) de capim-elefante foram: 1.167; 1.543; 1.926 e 2.248kg MS LF/ha, o que constitui os tratamentos. A carga animal suportada pela pastagem, pode ser descrita pela equação y=2.243,14 - 0,32MLF (R2=0,4). O peso vivo final em kg apresentou resposta quadrática (PF=103,41 + 0,114x - 0,00003x², R2=0,5) com o acréscimo da MLF. O ganho de peso diário médio apresentou comportamento linear positivo (GMD = 0,25 + 0,0002MLF, R2=0,2). O aumento na massa de lâminas foliares de capim-elefante acarreta diminuição na carga animal suportada pela pastagem e aumenta o ganho de peso médio diário.
Descritores: Fenômenos Fisiológicos da Nutrição Animal
Animais
Laminas
Parasitos
Pennisetum/crescimento & desenvolvimento
Responsável: BR409.1 - Biblioteca



página 1 de 1
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde