Base de dados : LILACS
Pesquisa : D20.215.894.135 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 163 [refinar]
Mostrando: 1 .. 10   no formato [Detalhado]

página 1 de 17 ir para página                         

  1 / 163 LILACS  
              next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-1136250
Autor: Machado, João Neiva; Costa, José Coutinho; Costa, Teresa; Rodrigues, Cidália.
Título: Mucosal bacterial vaccines in clinical practice - a novel approach to an old problem?
Fonte: Rev Assoc Med Bras (1992);66(5):659-665, 2020. tab, graf.
Idioma: en.
Resumo: SUMMARY OBJECTIVES To evaluate the efficacy of mucosal bacterial vaccines (MBV) in reducing the number of exacerbations in patients with chronic respiratory disease. METHODS A prospective cohort study of patients followed at the Pneumology Unit of the University and Hospital Centre of Coimbra, with frequent infectious exacerbations (3 or more) despite the best therapeutic strategies employed. MBV was used as additional therapy. The number of exacerbations 1 year before therapy and 1 year after it were analyzed. RESULTS A sample of 11 individuals, 45.5% male, mean age 62.5 years. Eight patients had non-cystic fibrosis bronchiectasis, 2 COPD (1 on long-term oxygen therapy), and 1 patient with Mounier Kuhn's syndrome. Three patients were on azithromycin, 1 on inhaled colistin, and 2 on inhaled tobramycin. Out of the 11 patients, one presented complication (fever), which led to a suspension of therapy (excluded from results). Of the 10 patients who completed treatment, 5 had bacterial colonization and were submitted to a custom vaccine. The remaining 6 completed the standard composition. The average of infectious exacerbations in the previous year was 4.3 (0.7 with hospitalization). In the year after therapy, the mean number was 1.5 (0.5 with hospitalization). CONCLUSION The results obtained in this study favor the use of bacterial immunostimulation to reduce the frequency of RRIs in patients with chronic respiratory disease.

RESUMO OBJETIVO Avaliar a eficácia de vacinas bacterianas de mucosa (MBV) na redução do número de exacerbações de pacientes com doença respiratória crônica. MÉTODOS Um estudo de coorte prospectivo incluindo pacientes da Unidade de Pneumologia da Universidade e Centro Hospitalar de Coimbra, com exacerbações infecciosas frequentes (3 ou mais), apesar do uso das melhores estratégias terapêuticas. MBVs foram usadas como terapia adicional. O número de exacerbações 1 ano antes da terapia e 1 ano após ela foram analisados. RESULTADOS Amostra incluiu 11 indivíduos, 45,5% do sexo masculino, com média de idade de 62,5 anos. Oito pacientes apresentaram bronquiectasia não relacionada à fibrose cística, 2 DPOC (1 em oxigenoterapia prolongada) e 1 paciente com síndrome de Mounier-Kuhn. Três pacientes estavam sendo medicados com azitromicina, 1 com colistina inalada e 2 com tobramicina inalada. Dos 11 pacientes, um apresentou complicação (febre), o que levou à suspensão da terapia (excluído dos resultados). Dos 10 pacientes que completaram o tratamento, 5 apresentaram colonização bacteriana e receberam uma vacina personalizada. Os 6 restantes foram tratados com a composição padrão. A média de exacerbações infecciosas no ano anterior foi de 4,3 (0,7 com hospitalização). No ano após a terapia, o número médio foi de 1,5 (0,5 com hospitalização). CONCLUSÃO Os resultados obtidos neste estudo favorecem o uso de imunoestimulação bacteriana para reduzir a frequência de infecções respiratórias recorrentes em pacientes com doença respiratória crônica.
Descritores: Bronquiectasia
Antibacterianos
-Vacinas Bacterianas
Estudos Prospectivos
Colistina
Azitromicina
Pessoa de Meia-Idade
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Responsável: BR1.1 - BIREME


  2 / 163 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-888909
Autor: Pinto Neto, Lauro Ferreira da Silva; Vieira, Julia Vescovi; Ronchi, Nathália Rossoni.
Título: Vaccination coverage in a cohort of HIV-infected patients receiving care at an AIDS outpatient clinic in Espírito Santo, Brazil
Fonte: Braz. j. infect. dis;21(5):515-519, Sept.-Oct. 2017. tab.
Idioma: en.
Resumo: Abstract This cross-sectional study assessed the immunization status of human immune deficiency virus (HIV)-infected patients receiving care at an outpatient clinic in Brazil. The sociodemographic characteristics, CD4 count and HIV viral load of 281 out of 612 adult outpatients were analyzed. A total of 331 patients were excluded because of no availability of vaccination cards. Chi-square or Fisher's exact test were used. Immunization coverage was higher for diphtheria/tetanus (59.79%) and hepatitis B (56.7%), and lowest for hepatitis A (6.8%) and for meningococcal group C (6%). Only 11.74% of the patients had received the influenza virus vaccine yearly since their HIV-infection diagnosis. No vaccination against influenza (p < 0.034) or hepatitis B (p < 0.029) were associated with CD4 counts <500 cells/mL; no vaccination against flu or pneumococcus were associated with detectable HIV viral load (p < 0.049 and p < 0.002, respectively). Immunization coverage is still very low among HIV-infected adults in this setting despite recommendations and high infection-related mortality.
Descritores: Infecções Bacterianas/prevenção & controle
Viroses/prevenção & controle
Vacinas Bacterianas/administração & dosagem
Vacinas Virais/administração & dosagem
Infecções por HIV/complicações
Vacinação/estatística & dados numéricos
-Brasil
Vacinas Bacterianas/classificação
Vacinas Virais/classificação
Estudos Transversais
Programas de Imunização
Contagem de Linfócito CD4
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Adolescente
Adulto
Responsável: BR1.1 - BIREME


  3 / 163 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Ribeiro, Múcio Flávio Barbosa
Texto completo
Id: biblio-959181
Autor: Silvestre, Bruna Torres; Silveira, Júlia Angélica Gonçalves da; Facury-Filho, Elias Jorge; Carvalho, Antônio Último de; Versiani, Alice Freitas; Estevam, Letícia Gracielle Tôrres de Miranda; Araújo, Márcio Sobreira Silva; Martins-Filho, Olindo Assis; Negrão-Corrêa, Deborah Aparecida; Ribeiro, Múcio Flávio Barbosa.
Título: Immune response and biochemistry of calves immunized with rMSP1a ( Anaplasma marginale) using carbon nanotubes as carrier molecules / Resposta imunológica e bioquímica de bezerros imunizados com rMSP1 a (Anaplasma marginale) utilizando nanotubos de carbono como moléculas carreadoras
Fonte: Rev. bras. parasitol. vet;27(2):191-202, Apr.-June 2018. tab, graf.
Idioma: en.
Resumo: Abstract Vaccination against Anaplasma marginale has been considered an important control strategy for bovine anaplasmosis. Recently, mice immunized with rMSP1 a linked to carbon nanotubes (MWNT) showed significant immune responses, generating a new possibility for use of an inactivated vaccine. The objective of this study was to investigate the cellular and humoral responses in calves immunized with MWNT+rMSP1a , associated with inactivated vaccine of A. marginale produced in vitro, and evaluate the toxic effects of the MWNT on renal and hepatic function. rMSP1a was covalently linked to MWNT. Inactivated vaccine (AmUFMG2) was produced by cultivating A. marginale in IDE8 cells. Twenty-four Holstein calves were divided (four groups) and immunized subcutaneously with PBS and non-carboxylated MWNT (control, G1), AmUFMG2 (G2), MWNT+rMSP1a (G3), and AmUFMG2 with MWNT+rMSP1a (G4). Blood samples were collected for total leukocyte counts, biochemical profiling and evaluation of the cellular and humoral response. Immunization with MWNT+rMSP1a induced increase in the total number of leukocytes, NK cells, in the lymphocyte populations and higher levels of antibodies compared to calves immunized only with AmUFMG2. Furthermore, MWNT did not induce changes in the biochemical profile. These data indicate that MWNT+rMSP1a were able to induce the immune responses more efficiently than AmUFMG2 alone, without generating toxicity.

Resumo Vacinação contra Anaplasma marginale tem sido considerada uma importante estratégia de controle da anaplasmose bovina. Recentemente, camundongos imunizados com rMSP1a funcionalizada à nanotubos de carbono (MWNT) apresentaram resposta imune significante, gerando nova possibilidade para o uso da vacina inativada. O objetivo desse estudo foi investigar a resposta celular e humoral em bezerros imunizados com MWNT+rMSP1a, associado com a vacina inativada de A. marginale produzida in vitro, e avaliar os efeitos tóxicos dos MWNT nas funções hepática e renal. rMSP1 a foi ligada covalentemente aos MWNT. Vacina inativada (AmUFMG2) foi produzida através do cultivo de A. marginale em células IDE8. Vinte e quatro bezerros Holandeses foram divididos (quatro grupos) e imunizados subcutaneamente com: PBS e MWNT não-carboxilados (controle, G1), AmUFMG2 (G2), MWNT+rMSP1 a (G3), e AmUFMG2 com MWNT+rMSP1a (G4). Amostras de sangue foram coletadas para contagem de leucócitos, perfil bioquímico e avaliação da resposta celular e humoral. Imunização com MWNT+rMSP1a induziu aumento dos leucócitos totais, células NK, na população de linfócitos e altos níveis de anticorpos comparado com animais imunizados apenas com AmUFMG2. Além disso, MWNT não induziu alterações no perfil bioquímico. Esses dados indicam que MWNT+rMSP1a foram capazes de induzir eficientemente a resposta imune comparado com AmUFMG2 sozinho, sem gerar toxicidade.
Descritores: Portadores de Fármacos
Vacinas Bacterianas/imunologia
Doenças dos Bovinos/microbiologia
Doenças dos Bovinos/prevenção & controle
Nanotubos de Carbono
Anaplasma marginale/imunologia
Imunogenicidade da Vacina
Anaplasmose/prevenção & controle
-Imunidade Humoral
Imunidade Celular
Limites: Animais
Bovinos
Responsável: BR1.1 - BIREME


  4 / 163 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-1098441
Autor: Carvalho, Thaynara P; Ribeiro, Noelly Q; Mol, Juliana P. S; Costa, Fabíola B; Eckstein, Camila; Paula, Nayara F; Paixão, Tatiane A; Santos, Renato L.
Título: Pathogenic potential of Brucella ovis field isolates with different genotypic profile and protection provided by the vaccine strain B. ovis ΔabcBA against B. ovis field isolates in mice / Vacina viva atenuada Brucella ovis Δ abcBA encapsulada protege camundongos frente a desafios de B. ovis isoladas de campo
Fonte: Pesqui. vet. bras = Braz. j. vet. res;40(2):88-96, Feb. 2020. tab, graf.
Idioma: en.
Resumo: Brucella ovis causes economic and reproductive losses in sheep herds. The goal of this study was to characterize infection with B. ovis field isolates in a murine model, and to evaluate protection induced by the candidate vaccine strain B. ovis ΔabcBA in mice challenged with these field isolates. B. ovis field strains were able to colonize and cause lesions in the liver and spleen of infected mice. After an initial screening, two strains were selected for further characterization (B. ovis 94 AV and B. ovis 266 L). Both strains had in vitro growth kinetics that was similar to that of the reference strain B. ovis ATCC 25840. Vaccination with B. ovis ΔabcBA encapsulated with 1% alginate was protective against the challenge with field strains, with the following protection indexes: 0.751, 1.736, and 2.746, for mice challenged with B. ovis ATCC25840, B. ovis 94 AV, and B. ovis 266 L, respectively. In conclusion, these results demonstrated that B. ovis field strains were capable of infecting and inducing lesions in experimentally infected mice. The attenuated vaccine strain B. ovis ΔabcBA induced protection in mice challenged with different B. ovis field isolates, resulting in higher protection indexes against more pathogenic strains.(AU)

Brucella ovis é responsável por perdas econômicas e reprodutivas em rebanhos ovinos. O objetivo deste trabalho foi caracterizar a infecção com as cepas isoladas de campo de B. ovis em modelo murino e avaliar a eficiência vacinal da mutante B. ovis ΔabcAB para proteção contra desafio com as cepas isoladas de campo. Foram utilizadas sete cepas isoladas de campo foram capazes de colonizar e provocar lesões no fígado e no baço de camundongos após sete dias pós-infecção. Após triagem, duas cepas foram selecionadas para a melhor caracterização (B. ovis 94 AV and B. ovis 266L). Ambas apresentaram crescimento em placa de cultivo semelhante ao da cepa de referência B. ovis ATCC 25840. A vacinação com a cepa de Brucella ovis ΔabcBA encapsulada com alginato a 1% foi capaz de proteger camundongos desafiados com as cepas isoladas de campo, com os seguintes índices de proteção: 0,751, 1,736 e 2,746, para camundongos desafiados com B. ovis ATCC 25840, B. ovis 94 AV e B. ovis 266 L, respectivamente. Estes resultados demonstraram que as cepas isoladas de campo de B. ovis são capazes de infectar e induzir lesão em camundongos experimentalmente infectados. O uso da cepa mutante atenuada B. ovis ΔabcBA para vacinação de fêmeas C57BL/6 desafiados com diferentes cepas de B. ovis induziu proteção nos camundongos desafiados com diferentes cepas de B. ovis. Deste modo, mostrando-se eficiente na proteção das cepas de campo de B. ovis.(AU)
Descritores: Brucelose/prevenção & controle
Ovinos/microbiologia
Vacinas Bacterianas/imunologia
Brucella ovis/isolamento & purificação
Brucella ovis/imunologia
Brucella ovis/patogenicidade
Limites: Animais
Camundongos
Responsável: BR68.1 - Biblioteca Virginie Buff D'Ápice


  5 / 163 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: lil-385846
Autor: Gorla, Maria Cecília Outeiro.
Título: Resposta imune a uma vacina protéica antimeningocócica B: estudo da influência de intervalos de tempo entre as imunizações / The immune response to a protein-based meningococcal B vaccine: study of the effect of intervals between doses on the immune response.
Fonte: São Paulo; s.n; 2003. [122] p. tab, graf.
Idioma: pt.
Tese: Apresentada a São Paulo (Estado). Secretaria da Saúde. Coordenação dos Institutos de Pesquisa. Programa de Pós-Graduação em Ciências para obtenção do grau de Mestre.
Resumo: Uma vacina constituída de vesículas de membrana externa (VMEs) de meningococo sorogrupo B encontra-se em desenvolvimento no Brasil. Uma das etapas mais importantes nesse processo é avaliar a influência do intervalo de tempo entre doses imunizantes, na resposta imune humoral. Com esse objetivo, foram utilizadas populações de camundongos geneticamente homogêneas e heterogêneas. Os animais receberam, por via intramuscular, duas doses de vacina com intervalos de 30 dias - Grupo I e 90 dias - Grupo II. As cinéticas de respostas primária e secundária foram analisadas nas linhagens isogênicas, BALB/c e A/J, em animais geneticamente selecionados segundo a boa ("High") ou má ("Low") produção de anticorpos e em camundongos "Swiss", geneticamente heterogêneos. Os níveis de anticorpos IgG foram determinados por ELISA e sua atividade funcional pelo ensaio bactericida. A especificidade dos anticorpos contra as diferentes proteínas das VMEs do meningococo foi analisada por "Immunoblot". Houve, na resposta secundária, maior produção de anticorpos no Grupo II do que no Grupo I, para os camundongos "Low" e BALB/c, linhagens que, comparativamente às outras populações homogêneas e heterogênea, expressam níveis inferiores de anticorpos após a imunização primária. Essa diferença foi estatisticamente significante para os camundongos da linhagem BALB/c. Os resultados do "Immunoblot" confirmam, por análise visual, um aumento de resposta de anticorpos nos soros dos BALB/c e "Low" do Grupo II, comparativamente aos do Grupo I. O mesmo padrão de resposta não foi observado nos animais que apresentaram altos títulos de anticorpos já na resposta primária. Para todas as linhagens estudadas, não se observou diferença estatisticamente significativa na ação bactericida dos soros entre animais dos Grupos I e II, embora para as linhagens "Low" e BALB/c, tenha sido observada maior produção de anticorpos bactericidas nos camundongos do Grupo II. Esses resultados sugerem que um intervalo maior entre as imunizações poderia influenciar positivamente a maturação de células B de memória, favorecendo principalmente indivíduos que não produzam níveis elevados de anticorpos, indicando uma possível estratégia para o aumento da eficácia das vacinas
Descritores: Vacinas Bacterianas
Modelos Animais
Esquemas de Imunização
Vacinas Meningocócicas
Responsável: BR91.2 - Centro de Documentação
BR91.2; W4, G669r, 2003


  6 / 163 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Weckx, Lily Yin
Id: lil-281303
Autor: Silva, Luiz Jacintho da.
Título: Perspectivas e avanços em vacinaçäo / Perspectives and advances in vaccination
Fonte: In: Farhat, Calil Kairalla; Carvalho, Eduardo da Silva; Weckx, Lily Yin; Carvalho, Luiza Helena Falleiros R; Succi, Regina Célia de Menezes. Imunizaçöes: fundamentos e prática. Säo Paulo, Atheneu, 2000. p.603.
Idioma: pt.
Descritores: Vacinação/tendências
-Tuberculose
Vacinas Bacterianas
Vacina BCG
Vacinas Atenuadas
Vacinas contra a AIDS
Vacinas Combinadas
Vacinas de DNA
Malária/imunologia
Vacinas Sintéticas
Limites: Humanos
Responsável: BR31.1 - SIDC - Serviço de Informação e Documentação Científica
BR31.1; QW806, F225i, 4. ed, 2000


  7 / 163 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Weckx, Lily Yin
Id: lil-281271
Autor: Carvalho, Luiza Hellena Faleiros R.
Título: Vacinaçäo da gestante / Pregnant woman vaccination
Fonte: In: Farhat, Calil Kairalla; Carvalho, Eduardo da Silva; Weckx, Lily Yin; Carvalho, Luiza Helena Falleiros R; Succi, Regina Célia de Menezes. Imunizaçöes: fundamentos e prática. Säo Paulo, Atheneu, 2000. p.181-92.
Idioma: pt.
Descritores: Gravidez
Vacinas Bacterianas
Vacinas Virais
Vacinas de Produtos Inativados
Vacinas Anti-Haemophilus
Toxoide Diftérico
Toxoide Tetânico
Vacinação
-Febre Amarela
Vacina BCG
Vacina contra Sarampo
Vacina contra Caxumba
Vacinas Antirrábicas
Vacinas contra Hepatite B
Vacina contra Varicela
Mycobacterium bovis
Vacinas contra Influenza
Vacina contra Rubéola
Limites: Humanos
Feminino
Gravidez
Responsável: BR31.1 - SIDC - Serviço de Informação e Documentação Científica
BR31.1; QW806, F255i, 4. ed, 2000


  8 / 163 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Id: lil-157341
Autor: Sao Paulo (Estado). Secretaria da Saude. Centro de Vigilancia Epidemiologica.
Título: A doenca meningococica e a vacina cubana: rotina de atendimento as meningites bacterianas/aspectos clinicos e laboratoriais, tratamento e medidas de controle / Meningococcical disease and vaccine cubana: attending practice to bacterians meningitis/clinical and laboratorials aspects, treatment and measures control.
Fonte: Sao Paulo; Sao Paulo (Estado). Secretaria da Saude. Centro de Vigilancia Epidemiologica; 1989. 26 p. tab.
Idioma: pt.
Descritores: Doenças Transmissíveis
Meningite Meningocócica
-Vacinas Bacterianas
Responsável: BR91.2 - Centro de Documentação
BR91.2/1516/Cx.D5


  9 / 163 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Requejo, Henry I. Z
Texto completo
Id: lil-199529
Autor: Requejo, Henry I. Z.
Título: Comportamento imunológico das vacinas anti-meningocócicas / Immunological behavior of the menongococcal vaccines
Fonte: Rev. saúde pública = J. public health;31(4):402-16, ago. 1997.
Idioma: pt.
Resumo: A doença meningocócica continua sendo um grande problema de saúde pública em todos os continentes, e as vacinas anti-meningocócicas têm sido indicadas na prevençäo e controle de epidemias. As vacinas polissacarídicas A e C säo relativamente eficazes, com comportamentos imunológicos distintos frente às faixas etárias; no entanto, para o sorogrupo B, embora existam numerosos estudos internacionais até agora já desenvolvidos, ainda näo se tem uma vacina altamente segura e eficaz de ampla aceitaçäo. O polissacáride capsilar do meningococo B näo é imunogênico devido ao seu mimetismo com competentes celulares do hospedeiro. Tentativas de se introduzir carreadores protéicos vêm sendo feitas para se obter uma vacina que seja imunogênica em todas as faixas etárias e de preferência protetora contra todos os meningococos. Foi feita revisäo da literatura com o objetivo de estudar o comportamento imunológico de todas as vacinas, até entÝo desenvolvidas, e mostrar os esforços que estäo sendo empreendidos no sentido de se buscar um produto seguro e eficaz para o controle da doença meningocócica.
Descritores: Vacinas Bacterianas
Imunidade
Meningite Meningocócica/imunologia
-Vacinas/análise
Neisseria meningitidis
Infecções Meningocócicas/prevenção & controle
Tipo de Publ: Revisão
Responsável: BR67.1 - CIR - Biblioteca - Centro de Informação e Referência


  10 / 163 LILACS  
              first record previous record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-184738
Autor: Costa, Eduardo de A; Martins, Horiovaldo; Klein, Carlos H.
Título: Avaliaçäo da proteçäo conferida pela vacina antimeningocócica BC no Estado de Santa Catarina, Brazil, 1990/92 / Evaluation of the protective efficacy of an antimeningococcal vaccine for serogroups B and C Neisseria meningitidis infections in Brazil, 1990/92
Fonte: Rev. saúde pública = J. public health;30(5):460-70, out. 1996. tab.
Idioma: pt.
Resumo: Säo apresentados os resultados da avaliaçäo da vacina antimeningocócica BC de procedência cubana realizada com dados da vigilância epidemiológica de meningites do Estado de Santa Catarina, Brasil, dos anos de 1990-92. A eficácia para os casos confirmados por exames bacteriológicos foi de 59 por cento (IC de 95 por cento: 23 a 78 por cento) para os menores de 4 anos e de 78 por cento (IC de 95 por cento: 54 a 90 por cento) para as crianças de 4 a 7 anos. Com os casos confirmados como causados por sorogrupo B, as eficácias estimadas foram maiores, mas se ampliaram os intervalos de confiança. O efeito protetor da vacina em relaçäo à mortalidade em crianças menores de 4 anos foi estimado em 76 por cento (IC 95 por cento: 41 a 91 por cento). Outros dados apresentados sugerem que as mais baixas eficácias encontradas, quando se analisam os menores de 4 anos, decorrem da seletividade da confirmaçäo diagnóstica que exclui os casos mais graves que morrem a poucas horas do início dos sintomas, associada à modificaçäo do curso da doença (atenuaçäo) em vacinados. Por isso, indica-se a vacinaçäo, inclusive em menores de 4 anos, nas situacöes epidêmicas
Descritores: Avaliação de Processos e Resultados em Cuidados de Saúde
Vacinas Bacterianas/imunologia
Meningite Meningocócica/prevenção & controle
-Eficácia
Neisseria meningitidis/imunologia
Avaliação de Resultado de Ações Preventivas
Programas de Imunização
Meningite Meningocócica/epidemiologia
Meningite Meningocócica/mortalidade
Limites: Recém-Nascido
Lactente
Pré-Escolar
Humanos
Masculino
Feminino
Responsável: BR67.1 - CIR - Biblioteca - Centro de Informação e Referência



página 1 de 17 ir para página                         
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde