Base de dados : LILACS
Pesquisa : D27.505.519.389.375.400 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 5 [refinar]
Mostrando: 1 .. 5   no formato [Detalhado]

página 1 de 1

  1 / 5 LILACS  
              next record last record
seleciona
para imprimir
Texto completo
Texto completo
Id: biblio-859332
Autor: Brasil. Ministério da Saúde. Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias do SUS.
Título: Dolutegravir sódico para 3ª linha de tratamento da infecção pelo HIV (vírus de imunodeficiência humana) / Sodium Dolutegravir for 3rd line treatment of HIV infection (human immunodeficiency virus).
Fonte: Brasília; CONITEC; 2015. tab, graf.
Idioma: pt.
Resumo: CONTEXTO: HIV é a sigla em inglês do vírus da imunodeficiência humana. Trata-se de um retrovírus que infecta e se replica nos linfócitos e macrófagos humanos, resultando no enfraquecimento do sistema imunológico e por fim no aumento da susceptibilidade do doente a uma série de infecções oportunistas. O Brasil tem programa específico para o tratamento de pacientes infectados pelo HIV/AIDS. Estudos mostram que aproximadamente 80% dos pacientes alcançam o controle da doença (carga viral plasmática inferior a 50 cópias/ml) após um ano de tratamento e terão os níveis de linfócitos-T CD4+ em recuperação, mas os outros 20% terão falha virológica caracterizada e provável falha terapêutica, necessitando de chamada "terapia de resgate" com terceira linha de tratamento. O Programa Nacional de HIV/ AIDS já dispõe de terapia de resgate da mesma classe terapêutica do dolutegravir: inibidores de integrase; neste caso o raltegravir. EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS: Um único estudo foi identificado para o cenário proposto para a incorporação do dolutegravir. Os resultados do estudo SAILING, um estudo de não inferioridade, mostram que o dolutegravir é não inferior ao raltegravir em eficácia e segurança. DISCUSSÃO: O dolutegravir é uma tecnologia que se mostrou não inferior em relação a eficácia quando comparado ao raltegravir. A escolha equivocada do estudo de custo-efetividade prejudicou a análise da tecnologia. No entanto, a segurança do medicamento, de uso contínuo, em longos períodos ainda não é conhecida. O medicamento, embora não tenha indicação em bula para crianças menores de 12 anos, tem potencial para ser alternativa ao raltegravir em adultos. RECOMENDAÇÃO DA CONITEC: : A CONITEC, após apreciação do tema, considerando a falta de evidência disponível do dolutegravir em relação à segurança de longo prazo e ao seu uso em crianças menores de 12 anos, além da escolha equivocada do estudo de custo-efetividade e da maior experiência de uso em vida real com o raltegravir, deliberou por unanimidade recomendar a não incorporação dolutegravir sódico para a Infecção pelo HIV (vírus de imunodeficiência humana). A matéria será disponibilizada em Consulta Pública. CONSULTA PÚBLICA: Foram recebidas 268 contribuições. As novas contribuições da consulta pública, mostraram dados de segurança e corroboram com o já conhecido perfil de segurança dessa classe terapêutica e deste fármaco em particular. DELIBERAÇÃO FINAL: : Após a discussão das contribuições da Consulta Pública, deliberou-se por recomendar a incorporação do dolutegravir sódico para 3ª linha de tratamento da infecção pelo HIV (vírus da imunodeficiência humana), conforme Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas do Ministério da Saúde, a atualizar, condicionada à redução de preço. Foi assinado o Registro de Deliberação n˚144/2015. DECISÃO: Incorporar o dolutegravir sódico para 3ª linha de tratamento da infecção pelo HIV (vírus de imunodeficiência humana)no âmbito do Sistema Único de Saúde ­ SUS.
Descritores: Infecções por HIV/tratamento farmacológico
Inibidores de Integrase de HIV/administração & dosagem
HIV-1
Raltegravir Potássico/administração & dosagem
-Brasil
Análise Custo-Benefício/economia
Avaliação da Tecnologia Biomédica
Resultado do Tratamento
Sistema Único de Saúde
Limites: Humanos
Tipo de Publ: Estudo Comparativo
Relatório Técnico
Estudo de Avaliação
Responsável: BR1.1 - BIREME


  2 / 5 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: lil-694370
Autor: Antoni, A Degli; Weimer, LE; Manfredi, R; Fragola, V; Ferrari, C.
Título: A reduced grade of liver fibros-steatosis after raltegravir, maraviroc and fosamprenavir in an HIV/HCV co-infected patient with chronic hepatitis, cardiomyopathy, intolerance to nelfinavir and a marked increase of serum creatine phosphokinase levels probably related to integrase inhibitor use / Grado reducido de fibroesteatosis tras la administración de raltegravir, maraviroc y fosamprenavir en un paciente co-infectado de VIH/VHC con hepatitis crónica, cardiomiopatía, intolerancia al nelfinavir y un aumento pronunciado de los niveles de creatina fosfoquinasa sérica probablemente debido al uso del inhibidor de la integrasa
Fonte: West Indian med. j;61(9):932-936, Dec. 2012. ilus.
Idioma: en.
Resumo: The use of new antiretroviral drugs in HIV infection is particularly important in patients with intolerance or resistance to other antiretroviral agents. Raltegravir and maraviroc represent new, important resources in salvage regimens. A reduced grade of liver fibro-steatosis after a combination of raltegravir and maraviroc (second-line) has not been studied and the mechanism by which these new drug classes induced a marked reduction of grade of liver diseases is currently unknown. In the present case report, nested in an ongoing multicentre observational study on the use of new antiretroviral inhibitors in heavy treatment-experienced HIV patients, we evaluated the correlation between a "short therapeutic regimen" raltegravir, maraviroc and fosamprenavir and liver diseases. The aim of this report is to describe the use of a three-drug regimen based on two novel-class antiretroviral agents (raltegravir and maraviroc) plus the protease inhibitor fosamprenavir, in an experienced HIV-infected patient with chronic progressive hepatitis C complicated by liver fibrosis; an overwhelming increased serum creatine kinase level occurred during treatment, and is probably related to integrase inhibitor administration. At present no information is available regarding this correlation.

El uso de nuevos medicamentos antiretrovirales para la infección por VIH es particularmente importante en los pacientes con intolerancia o resistencia a otros agentes antiretrovirales. Raltegravir (RTV) y maraviroc (MRV) representan nuevos e importantes recursos en las terapias de salvamento. Un grado reducido de fibroesteatosis hepática después de una combinación de raltegravir y maraviroc (terapia de segunda línea) no ha sido estudiado, y el mecanismo por el cual estas nuevas clases de droga indujeron una marcada reducción de grado de las enfermedades hepáticas se desconoce hasta el momento. Como parte de la realización en curso de un estudio observacional multicentro acerca del uso de nuevos inhibidores antiretrovirales en pacientes de VIH altamente experimentados en el tratamiento, en el presente reporte de caso se evalúa la correlación entre un "régimen terapéutico corto" (raltegravir, maraviroc y fosamprenavir) y las enfermedades del hígado. El objetivo de este reporte es describir el uso de un régimen de tres medicamentos - basado en dos agentes antiretrovirales de nuevo tipo (raltegravir y maraviroc) además del fosamprenavir inhibidor de la proteasa - en un paciente de VIH experimentado. El paciente también sufre de hepatitis C evolutiva, progresiva, crónica, complicada por fibrosis hepática. Durante el tratamiento, se produjo un aumento extraordinario del nivel de creatina quinasa sérica, el cual probablemente esta relacionado con la administración del inhibidor de la integrasa. Actualmente no hay información disponible con respecto a esta correlación.
Descritores: Carbamatos/efeitos adversos
Cardiomiopatias/tratamento farmacológico
Creatina Quinase/sangue
Cicloexanos/efeitos adversos
Doença Hepática Induzida por Substâncias e Drogas/diagnóstico
Fígado Gorduroso/induzido quimicamente
Inibidores da Fusão de HIV/efeitos adversos
Infecções por HIV/tratamento farmacológico
Inibidores de Integrase de HIV/efeitos adversos
Inibidores da Protease de HIV/efeitos adversos
Hepatite C Crônica/tratamento farmacológico
Cirrose Hepática/induzido quimicamente
Organofosfatos/efeitos adversos
Pirrolidinonas/efeitos adversos
Sulfonamidas/efeitos adversos
Triazóis/efeitos adversos
-Carbamatos/uso terapêutico
Cicloexanos/uso terapêutico
Substituição de Medicamentos
Quimioterapia Combinada
Fígado Gorduroso/diagnóstico
Inibidores da Fusão de HIV/uso terapêutico
Inibidores de Integrase de HIV/uso terapêutico
Inibidores da Protease de HIV/uso terapêutico
Cirrose Hepática/diagnóstico
Organofosfatos/uso terapêutico
Pirrolidinonas/uso terapêutico
Sulfonamidas/uso terapêutico
Triazóis/uso terapêutico
Limites: Adulto
Humanos
Masculino
Tipo de Publ: Relatos de Casos
Responsável: BR21.1 - Biblioteca J Baeta Vianna- Campus Saúde UFMG


  3 / 5 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: lil-653099
Autor: Passaes, Caroline Pereira Bittencourt.
Título: Estudos sobre aspectos virais e genéticos relacionados à integrase e ao processo de integração do HIV-1 / Studies on viral and genetic aspects related integrase and the process of integration of HIV-1.
Fonte: rio de Janeiro; s.n; 2012. xv,195 p. ilus, graf, tab.
Idioma: en; pt.
Tese: Apresentada a Fundação Oswaldo Cruz. Instituto Oswaldo Cruz para obtenção do grau de Doutor.
Resumo: A integrase (IN) é uma enzima chave para o ciclo de replicação do HIV, sendo responsável por catalisar a integração do genoma do HIV no cromossomo hospedeiro. Devido ao papel essencial desta enzima para a patogênese da infecção pelo HIV, a recente introdução dos inibidores de IN (INI) na prática clínica e em vista da escassez de informação sobre a diversidade genética da IN do HIV no Brasil, o presente estudo tem como objetivos a) investigar a diversidade genética da IN e os níveis de resistência primária nos subtipos B, C e F do HIV que são prevalentes no Brasil; b) acompanhar pacientes sob terapia antirretroviral em esquemas contendo raltegravir (RAL) a fim de monitorar a emergência de mutações de resistência aos INI; c) desenvolver um método de genotipagem da IN do HIV para ser usado na pratica clínica no Brasil; e d) investigar o envolvimento do processo de integração no controle da replicação do HIV. Não foram detectadas mutações principais associadas aos INI entre os indivíduos virgens de tratamento infectados com diferentes subtipos de HIV-1. O nível de mutações acessórias observadas foi bem baixo, e algumas posições foram polimórficas nas amostras brasileiras dos subtipos B, C e F. Esses resultados encorajam o uso de INI no Brasil. Analisando as coortes de pacientes que trocaram a enfuvirtida por RAL ou sob terapia de resgate com RAL, nós observamos um aumento nas contagens de células T CD4+ e uma rápida diminuição da carga viral no grupo sob terapia de resgate. Três pacientes não atingiram supressão virológica e as mutações Q148H+G140S foram detectadas em dois deles. A fim de monitorar o crescente número de pacientes sob terapia com RAL no Brasil, nós desenvolvemos um método de genotipagem in-house que está atualmente em teste pela rede de Genotipagem do Ministério da Saúde do Brasil para futura incorporação no monitoramento de pacientes falhando INI. Sobre o papel da IN no controle da infecção pelo HIV, não observamos mutações nos resíduos importantes para a atividade catalítica nas sequências de IN obtidas de pacientes controladores da infecção pelo HIV, nem acúmulo de DNA 2-LTR, sugerindo que não há um mecanismo bloqueando a integração nestes pacientes. Juntos, os resultados apresentados trazem informações importantes sobre a diversidade genética da IN, resistência aos INI e sobre o papel da IN na patogênese da infecção pelo HIV.
Descritores: Síndrome de Imunodeficiência Adquirida
HIV
Integrase de HIV
Inibidores de Integrase de HIV
HIV-1
Responsável: BR15.1 - Biblioteca de Ciências Biomédicas
BR15.1


  4 / 5 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-570569
Autor: Hazuda, Daria J.
Título: Resistance to inhibitors of the human immunodeficiency virus type 1 integration
Fonte: Braz. j. infect. dis;14(5):513-518, Sept.-Oct. 2010. ilus.
Idioma: en.
Resumo: This review will summarize the role of integrase in HIV-1 infection, the mechanism of integrase inhibitors and resistance with an emphasis on raltegravir (RAL), the first integrase inhibitor licensed to treat HIV-1 infection.
Descritores: Farmacorresistência Viral/genética
Infecções por HIV/virologia
Inibidores de Integrase de HIV/farmacologia
Integrase de HIV/genética
HIV-1
Integração Viral/efeitos dos fármacos
-Integrase de HIV/efeitos dos fármacos
HIV-1
Limites: Humanos
Tipo de Publ: Revisão
Responsável: BR1.1 - BIREME


  5 / 5 LILACS  
              first record previous record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: lil-560942
Autor: Guevara, Fredy; Blanco, Francisco; Arredondo, Miguel.
Título: Inhibidores de la integrasa y raltegravir en el manejo de la infección por vírus de la inmunodeficiencia humana en la era de la resistencia a múltiples medicamentos: [revisión] / Integrase Inhibitors and raltegravir use in the management of HIV infection in the era of multidrug resistance: [review]
Fonte: Infectio;14(2):132-142, jun. 2010.
Idioma: es.
Resumo: La infección por el virus de la inmunodeficiencia humana ha generado un impacto mundial que ha sobrepasado los cálculos iniciales previstos para esta enfermedad. En la actualidad, se hace necesaria la búsqueda de nuevos medicamentos antirretrovirales dentro de las familias de medicamentos conocidas, pero, aún más importante, es la búsqueda de nuevos blancos terapéuticos sobre los cuales incidan los fármacos a los que no ha estado expuesto el virus y, asimismo, ante los cuales no presentan resistencia natural. Los inhibidores de la integrasa constituyen la familia de medicamentos antirretrovirales más recientemente aprobada para uso clínico. El raltegravir es un medicamento nuevo, con atributos importantes que lo hacen una herramienta que se debe tener en cuenta en esquemas de rescate, terapia de cambio y acorde con la consideración de paciente naive, es decir, sin tratamiento previo con este fármaco.

Immunodeficiency virus infection in humans (HIV) has generated a worldwide impact exceeding initial estimates for this disease. At present, it is necessary to search for new antiretroviral drugs within the families of known medication, but the search for new therapeutic objectives under the effect of medication which has not been exposed to the virus and, therefore without natural resistance to it, is even more important. Integrase inhibitors are the family of antiretroviral medication most recently approved for clinical use; raltegravir is a new drug with important attributes that make it a tool to be considered in rescue regimens, change therapies, and naïve patient particular cases.
Descritores: Terapia Antirretroviral de Alta Atividade
Inibidores de Integrase de HIV
-Antirretrovirais
Tipo de Publ: Revisão
Responsável: CO42.1 - Biblioteca Nacional de Salud José Celestino Mutis



página 1 de 1
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde