Base de dados : LILACS
Pesquisa : D27.505.696.663.050.495 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 9 [refinar]
Mostrando: 1 .. 9   no formato [Detalhado]

página 1 de 1

  1 / 9 LILACS  
              next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-950455
Autor: Vargas, Diva; Castro, Cleudson.
Título: Pupillometry in Chagas disease / Pupilometria na doença de Chagas
Fonte: Arq. bras. oftalmol;81(3):195-201, May-June 2018. tab.
Idioma: en.
Resumo: ABSTRACT Purpose: We investigated parasympathetic innervation abnormalities of the iris sphincter and ciliary muscles in chronic Chagas disease by measuring pupillary diameter and intraocular pressure. Methods: A group of 80 patients with Chagas disease was compared with 76 healthy individuals without chagasic infection. The following procedures were performed: pupillometry, hypersensitivity test to pilocarpine 0.125%, intraocular pressure measurement (IOP), basal pupil diameter (BPD), absolute pupillary constriction amplitude (ACA), relative pupillary constriction amplitude (RCA) and the presence of anisocoria. Results: The prevalence of anisocoria was higher in chagasic patients (p<0.01). These patients had mean basal pupillary diameter, mean photopic pupillary diameter and mean value of absolute pupillary constriction amplitude significantly lower than non-chagasic ones (p<0.01, mean difference -0.50mm), (p=0.02, mean difference -0.20mm), (p<0.01, mean difference -0.29mm), respectively. The relative pupillary constriction amplitude did not differ between the two groups (p=0.39, mean difference -1.15%). There was hypersensitivity to dilute pilocarpine in 8 (10%) of the chagasic patients in the right eye and in 2 (2.5%) in the left eye and in 1 (1.25%) in both eyes. The mean value of intraocular pressure had a marginal statistical significance between the two groups (p=0.06, mean difference -0.91mmHg). Conclusions: Patients with chagasic infection may exhibit ocular parasympathetic dysfunction, demonstrable by pupillometry and the dilute pilocarpine hypersensitivity test.

RESUMO Introdução: Investigaram-se anormalidades da inervação parassimpática dos músculos esfíncter da íris e ciliar na doença de Chagas crônica, através de medidas pupilares e da pressão intraocular. Métodos: Foram estudados dois grupos, um com 80 chagásicos e outro com 76 indivíduos saudáveis sem infecção chagásica. Foram realizados os seguintes procedimentos: pupilometria, teste de hipersensibilidade à pilocarpina a 0,125%, medida da pressão intraocular (PIO), diâmetro basal da pupila (DBP), amplitude de constrição pupilar absoluta (ACA), amplitude de constrição pupilar relativa (ACR), e presença de anisocoria. Resultados: A prevalência de anisocoria foi maior nos chagásicos (p<0,01). Estes pacientes apresentaram diâmetro basal pupilar médio, diâmetro fotópico médio e valor médio da amplitude de constrição pupilar absoluta, significativamente menores que os não chagásicos, (p<0,01, diferença de média -0,50mm), (p=0.02, diferença de média -0,20mm), (p<0,01, diferença de média -0,29mm), respectivamente. A amplitude de constrição pupilar relativa não diferiu entre os dois grupos (p=0,39, diferença de média -1,15%). Houve hipersensibilidade à pilocarpina diluída em 8 (10%) chagásicos no olho direito em 2 (2,5%) no olho esquerdo e em 1 (1,25%) em ambos os olhos. O valor médio da pressão intraocular teve significância marginal entre os dois grupos (p=0,06, diferença de média -0,91mmHg). Conclusões: Pacientes com infecção chagásica podem apresentar disfunção parassimpática ocular, demonstrável pela pupilometria e pelo teste de hipersensibilidade à pilocarpina diluída.
Descritores: Reflexo Pupilar/fisiologia
Anisocoria/etiologia
Doença de Chagas/complicações
Pressão Intraocular/fisiologia
-Pilocarpina/farmacologia
Reflexo Pupilar/efeitos dos fármacos
Anisocoria/diagnóstico
Anisocoria/fisiopatologia
Estudos de Casos e Controles
Estudos Transversais
Doença de Chagas/fisiopatologia
Mióticos/farmacologia
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Adolescente
Adulto
Pessoa de Meia-Idade
Idoso
Adulto Jovem
Responsável: BR1.1 - BIREME


  2 / 9 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-757456
Autor: Germano, Renato Antunes Schiave; Souza, Barbara Leite de; Germano, Flavio Augusto Schiave; Kawai, Rogerio Masahiro; Germano, Caroline Schiave; Chibana, Milena Naomi; Germano, Jorge Estefano.
Título: Adie-Holmes Syndrome / Síndrome de Adie-Holmes
Fonte: Rev. bras. oftalmol;74(5):312-314, set.-out. 2015. tab, ilus.
Idioma: en.
Resumo: The Holmes-Adie syndrome is characterized by the presence of tonic pupil associated with absence or diminution of deep tendon reflexes. In some cases there may be autonomous nerve dysfunction. The mechanism that causes the disorder is not fully known, but is believed to be caused by denervation of the postganglionic supply to the sphincter of the pupil and the ciliary muscle which can occur following viral disease. Typically it affects young adults and is unilateral in 80% of cases, although it may develop in the contralateral eye in months or years. We report a case of a woman presenting typical signs of this syndrome, in which pharmacological test was essential for diagnosis.

A Síndrome de Holmes-Adie É caracterizada pela presença de pupila tônica associada à diminuição ou ausência dos reflexos tendíneos profundos. Em alguns casos pode haver disfunção nervosa autônoma. O mecanismo que causa a desordem não é totalmente conhecido, mas acredita-se que seja causada pela desnervação do suprimento pós-ganglionar para o esfíncter da pupila e para o músculo ciliar, que pode ocorrer após doença viral. Tipicamente afeta adultos jovens e é unilateral em 80% dos casos, embora possa se desenvolver no olho contralateral em meses ou anos. Nós relatamos o caso de uma mulher apresentando sinais típicos desta síndrome, em que o teste farmacológico foi fundamental para o diagnóstico.
Descritores: Mióticos
Pilocarpina
Pupila Tônica/diagnóstico
Síndrome de Adie/diagnóstico
Limites: Humanos
Feminino
Adulto
Tipo de Publ: Relatos de Casos
Responsável: BR1.2 - Biblioteca Central


  3 / 9 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-497236
Autor: Diniz Filho, Alberto; Cronemberger, Sebastião; Mérula, Rafael Vidal; Calixto, Nassim.
Título: Plateau iris / Íris em platô
Fonte: Arq. bras. oftalmol;71(5):752-758, set.-out. 2008. ilus.
Idioma: en.
Resumo: The term plateau iris was first coined in 1958 to describe the iris configuration of a patient. Two years later the concept of plateau iris was published. In 1977, the plateau iris configuration was classically defined as presurgical changes of an eye with a relative normal central anterior chamber depth, flat iris by conventional biomicroscopy, but displaying an extremely narrow or closed angle on gonioscopic examination. On the other hand, the plateau iris syndrome was defined as an acute glaucoma crisis in one eye with a relative normal central anterior chamber depth and patent iridotomy on direct examination, presenting angle closure confirmed by gonioscopic examination after mydriasis. In 1992, the anatomic aspects of plateau iris were studied using ultrasound biomicroscopy. Finally, plateau iris has been considered an anatomic variant of iris structure in which the iris periphery angulates sharply forward from its insertion point and then again angulates sharply and centrally backward, along with an anterior positioning of the ciliary processes seen on ultrasound biomicroscopy. The clinical treatment of plateau iris syndrome is carried out with topical use of pilocarpine. However, the definitive treatment should be fulfilled by performing an argon laser peripheral iridoplasty.

O termo íris em platô foi primeiramente inventado em 1958 para descrever a configuração da íris de um paciente. Dois anos depois o conceito de íris em platô foi publicado. Em 1977, a configuração de íris em platô foi classicamente definida como alterações pré-cirúrgicas de um olho com uma profundidade de câmara anterior relativamente normal, íris plana pela biomicroscopia convencional, mas mostrando um ângulo extremamente estreito ou fechado pela gonioscopia. Por outro lado, a síndrome de íris em platô foi definida como uma crise de glaucoma agudo em um olho com uma profundidade de câmara anterior relativamente normal e uma iridectomia patente ao exame direto, apresentando fechamento angular confirmado pela gonioscopia após midríase. Em 1992, as alterações anatômicas dessa anomalia foram estudadas utilizando a biomicroscopia ultra-sônica. Finalmente, a configuração de íris em platô refere-se à alteração anatômica em que há a angulação anterior da periferia da íris, do seu ponto de inserção na parede do ângulo iridocorneal e centralmente, com anteriorização dos processos ciliares, diagnosticada pela biomicroscopia ultra-sônica. O tratamento clínico da síndrome da íris em platô pode ser feito com a administração tópica de pilocarpina, porém o tratamento definitivo é feito com a iridoplastia periférica com o laser de argônio.
Descritores: Doenças da Íris/diagnóstico
Doenças da Íris/terapia
-Gonioscopia
Terapia a Laser/métodos
Microscopia Acústica
Mióticos/uso terapêutico
Pilocarpina/uso terapêutico
Síndrome
Limites: Humanos
Tipo de Publ: Revisão
Responsável: BR1.1 - BIREME


  4 / 9 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-453182
Autor: Marques, Fredterico França; Marques, Daniela Meira Villano.
Título: Unilateral dysphotopsia after bilateral intraocular lens implantation using the AR40e IOL model: case report
Fonte: Arq. bras. oftalmol;70(2):350-354, mar.-abr. 2007. ilus.
Idioma: en.
Resumo: The authors report a recent complication during the postoperative period of cataract surgery. A patient was submitted to cataract surgery in both eyes with IOL implantation (Sensar®) inside the capsular bag. The postoperative period of right eye was uneventful, however, in the left eye the patient noted a dark shadow at the temporal visual field at the first postoperative week. This diagnosis was confirmed with the presence of a temporal scotoma revealed by the computerized visual field (first reported in this study) and also reducing the pupil area with miotic drops. The treatment of this complication was performed by using brimonidine tartrate and after 6 months this symptom completely disappeared as confirmed by the computerized visual field. The treatment should be based on reducing the pupil area with miotic drops and we also recommend to observe these cases until the 6th postoperative month before indicating an IOL exchange since the capsular edge that overlaps the IOL may opacify creating an optical barrier reducing or eliminating negative dysphotopsia.

Os autores relatam uma complicação no período pós-operatório relativamente recente na cirurgia de catarata. Trata-se de paciente que foi submetido à cirurgia de catarata bilateral não simultânea com implante sacular da lente intra-ocular (Sensar®). O pós-operatório do olho direito evoluiu sem nenhuma queixa, entretanto, no olho esquerdo o paciente referiu a presença de uma sombra em campo visual temporal na primeira semana de pós-operatório sendo diagnosticado disfotopsia negativa após exclusão de outras causas oculares, principalmente retinianas. Este diagnóstico foi confirmado com a presença de um escotoma temporal na campimetria visual computadorizada (relatado na literatura pela primeira vez neste estudo) e também com a redução medicamentosa do tamanho da pupila. Seu tratamento foi realizado com a administração de tartarato de brimonidina e após 6 meses o sintoma desapareceu sendo também documentado com o campo visual (ausência de escotoma). A disfotopsia negativa deve ser tratada visando reduzir a área pupilar e observar por pelo menos 6 meses antes de indicar a troca do lente intra-ocular, uma vez que a cápsula anterior que cobre a LIO pode opacificar criando uma barreira óptica reduzindo ou eliminando esta complicação.
Descritores: Lentes Intraoculares
Implante de Lente Intraocular/efeitos adversos
Implante de Lente Intraocular/instrumentação
Transtornos da Visão/etiologia
-Resinas Acrílicas
Anti-Hipertensivos/uso terapêutico
Extração de Catarata
Mióticos/uso terapêutico
Soluções Oftálmicas
Desenho de Prótese
Quinoxalinas/uso terapêutico
Escotoma/diagnóstico
Acuidade Visual
Testes de Campo Visual
Transtornos da Visão/diagnóstico
Transtornos da Visão/tratamento farmacológico
Limites: Humanos
Masculino
Pessoa de Meia-Idade
Tipo de Publ: Relatos de Casos
Responsável: BR1.1 - BIREME


  5 / 9 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-410453
Autor: Fugimoto, Fernando; Ghanem, Ramon Coral; Monteiro, Mário Luiz Ribeiro.
Título: Pupila tônica bilateral como seqüela oftálmica isolada da doença de Lyme: relato de caso / Bilateral tonic pupil as the only remaining ophthalmic sign of Lyme disease: case report
Fonte: Arq. bras. oftalmol;68(3):381-384, maio-jun. 2005. ilus.
Idioma: pt.
Resumo: A doença de Lyme é afecção sistêmica causada pela espiroqueta Borrelia burgdorferi, transmitida pelo carrapato. É descrita principalmente nos países do hemisfério norte, sendo pouco relatada no Brasil. O objetivo deste trabalho é documentar uma paciente com doença de Lyme que apresentou pupila tônica bilateral como única seqüela oftálmica da afecção. Trata-se de uma menina de 13 anos de idade, com diagnóstico de doença de Lyme, que apresentou paralisias facial periférica e do oculomotor bilaterais. Após recuperação do quadro neurológico manteve anisocoria, fraco reflexo fotomotor, amplitude de acomodação inferior ao normal, constrição pupilar tônica para perto e redilatação lenta em ambos os olhos. O teste com pilocarpina a 0,1 por cento foi positivo em ambos os olhos, confirmando a suspeita clínica de pupila tônica bilateral. Este é o primeiro caso relatado de pupila tônica bilateral causado pela doença de Lyme.
Descritores: Doença de Lyme/complicações
Pupila Tônica/etiologia
-Mióticos
Pilocarpina
Pupila Tônica/diagnóstico
Limites: Humanos
Feminino
Adolescente
Responsável: BR1.1 - BIREME


  6 / 9 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: lil-348105
Autor: Gross, Ronald L.
Título: Glaucoma: Therapy - New advances in medical management
Fonte: Rev. bras. oftalmol;56(9):689-702, set. 1997.
Idioma: en.
Descritores: Agonistas Adrenérgicos/farmacologia
Inibidores da Anidrase Carbônica
Glaucoma
Mióticos/farmacologia
Prostaglandinas
Reabilitação
Responsável: BR734.1 - Biblioteca Central Cesar Lattes - BCCL


  7 / 9 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: lil-348082
Autor: Arieta, Carlos Eduardo Leite; Deus, Péricles Ribeiro Gomes de; Silvestre, Rosane Pedrollo; José, Newton Kara.
Título: Uso de Carbachol em cirurgia de catarata / Carbachol in catarata surgery
Fonte: Rev. bras. oftalmol;46(5):28-30, out. 1987. tab.
Idioma: pt.
Resumo: Com a finalidade de avaliar a ação miótica induzida pelo uso intraocular de carbachol 0,01 por cento realizou-se estudo em 100 pacientes portadores de catarata submetidos a extração extracapsular do cristalino, com colocação de lente intraocular de câmara posterior. Obteve-se miose igual ou menor a 4,0 mm após 5 minutos de seu uso em 99 dos 100 casos e em todos os casos quando observados após 12-24 horas de uso.
Descritores: Carbacol
Implante de Lente Intraocular
Cristalino
-Mióticos
Limites: Humanos
Responsável: BR734.1 - Biblioteca Central Cesar Lattes - BCCL


  8 / 9 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Costa, Vital Paulino
Texto completo
Id: lil-322157
Autor: Arcieri, Enyr Saran; Crosta, Cybele; Schimiti, Rui Barroso; Pozo, Susana Bolívia Saavedra; Costa, Vital Paulino.
Título: Efeitos da constrição pulilar na perimetria de frequência dupla em olhos normais / Effects of pupillary constriction on frequency doubling perimetry in normal eyes
Fonte: Arq. bras. oftalmol;65(5):529-532, set.-out. 2002. tab, graf.
Idioma: pt.
Resumo: Objetivo: Estudar os efeitos da redução do diâmetro pupilar nos resultados da perimetria de freqüência dupla em um grupo de voluntários normais. Métodos: Dezoito voluntários saudáveis participaram do estudo. Realizou-se perimetria de freqüência dupla no olho direito de cada participante (estratégia " Full Threshold" C-20). Para a segunda sessão de perimetria, instilou-se uma gota de pilocarpina 2 por cento no olho direito dos voluntários e refez-se o exame após 60 minutos. Resultados: Sessenta minutos após adição de pilocarpina 2 por cento houve redução significante do diâmetro pupilar de 4,22 ñ 0,17 mm para 1,55 ñ 0,51 mm (p<0,05). Houve redução significativa da sensibilidade retiniana média após constrição pupilar de 5,67 ñ 2,49 dB nos 5 graus centrais, 4,49 ñ2,73 dB entre 2,5 graus e 10 grause 5,10 ñ 3,55 dB entre 10 graus e 20 graus (p<0,01). Observou-se redução de 4,06ñ2,67 dB no "mean deviation" e aumento de 0,64 ñ 0,94 dB no "pattern standard deviation" (p< 0,01). Não se observaram diferenças em relação às respostas falso-positivas, falso-negativas, perdas de fixação e duração média do exame (p>0,05). Conclusão: A alteração do diâmetro pupilar está associada a redução significativa dos limiares de sensibilidade dentro dos 20 graus centrais do campo testado pela perimetria de freqüência dupla. Estes resultados sugerem que seja importante manter o diâmetro pupilar constante em exames seriados.
Descritores: Contração Muscular
Miose
Mióticos/administração & dosagem
Pilocarpina
Pupila
Testes de Campo Visual
-Acuidade Visual
Campos Visuais
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Adulto
Pessoa de Meia-Idade
Responsável: BR1.2 - Biblioteca Central


  9 / 9 LILACS  
              first record previous record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Castro, Cleudson Nery de
Prata, Aluízio
Id: lil-191183
Autor: Prata, Joäo Antonio; Prata Junior, Joäo Antonio; Castro, Cleudson Nery de; Macedo, Vanize; Prata, Aluízio.
Título: A pupila na fase crônica da doença de Chagas e reaçäo à pilocarpina e à fenilefrina / The pupil in patients with chronic Chagas' disease and reaction to pilocarpine and phenylephrine
Fonte: Rev. Soc. Bras. Med. Trop;29(6):567-70, nov.-dez. 1996. tab.
Idioma: pt.
Resumo: To develop a method to analyse pupillary disturbances in patients with chronic Chagas disease in an endemic area, ten chagasic and ten normal subjects were matched according to sex, age and race. Pupillary diameter and area were determined using projection and topography techniques and compared between groups. Both pupils were visualised simultaneously. In each case three photographs were taken under standardised illumination. The first photo was obtained without medication, the second, 30 minutes after instillation of 0,1 per cent pilocarpine and the last 30 minutes after instillation of 3 per cent phenylephrine (60 minutes after pilocarpine). Pupils of chagasic patients had a statistically significant greater initial diameter and area, irregularity of the pupil border, greater percentual reduction in diameter and area after pilocarpine 0.1 per cent and greater percentual increase in diameter and area after 3 per cent phenylephrine eyedrops. The method developed for this study was considered satisfactory. The results suggest ocular autonomic nervous system disturbances in chagasic patients.
Descritores: Doença de Chagas/complicações
Infecções Oculares Parasitárias/fisiopatologia
Mióticos/farmacologia
Fenilefrina/farmacologia
Pilocarpina/farmacologia
Pupila/efeitos dos fármacos
-Doença Crônica
Doença de Chagas/fisiopatologia
Pupila/fisiologia
Limites: Feminino
Humanos
Masculino
Responsável: BR1.1 - BIREME



página 1 de 1
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde