Base de dados : LILACS
Pesquisa : E02.319.310 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 1582 [refinar]
Mostrando: 1 .. 10   no formato [Detalhado]

página 1 de 159 ir para página                         

  1 / 1582 LILACS  
              next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Cuba
Texto completo
Texto completo
Id: biblio-1139049
Autor: González Díaz, Donel; Díaz Toledo, Manuel; Díaz Garrido, Drialis; Fernández García, Sergio.
Título: Respuesta al tratamiento con poliquimioterapia en pacientes con carcinoma no microcítico / Treatment response to polychemotherapy in patients with non-microcytic carcinoma
Fonte: Rev. cuba. med;59(2):e1358, abr.-jun. 2020. tab.
Idioma: es.
Resumo: Introducción: El cáncer de pulmón constituye una de las principales causas de muerte en Cuba. La mayoría de los enfermos acuden al servicio de salud en etapa avanzada de la enfermedad, la poliquimioterapia es uno de los tratamientos utilizados. Objetivos: Evaluar la respuesta al tratamiento con cisplatino-etopósido vs cisplatino-paclitaxel, en pacientes con carcinoma no microcítico en estadios avanzado de la enfermedad. Métodos: Se realizó un estudio descriptivo, prospectivo, en 40 pacientes diagnosticados con carcinoma no microcítico en estado avanzado de la enfermedad, que fueron asignados de forma aleatoria a uno de los dos grupos de tratamiento de cisplatino + etopósido (n=20) y cisplatino + paclitaxel (n=20) en el Hospital Neumológico Benéfico Jurídico en el período comprendido desde enero de 2017 a septiembre de 2018. Resultados: Predominaron pacientes del sexo masculino entre 50 a 69 años de edad, 37,5 por ciento en estadio IV. En 72,5 por ciento de los pacientes se encontró una respuesta clínica al tratamiento, en la modalidad de cisplatino + etopósido 70 por ciento y en cisplatino + paclitaxel 75 por ciento respectivamente. Se observó un porcentaje similar de respuesta objetiva antitumoral, 32,5 por ciento de los pacientes tuvieron una reducción parcial de la lesión tumoral, mientras que en otro 32,5 por ciento se observó estabilidad de la enfermedad. Por el contrario, en 35 por ciento restante hubo progresión de la enfermedad. Conclusiones: Se concluye que ambas modalidades tienen una efectividad similar en la evolución clínico-radiológica de los enfermos de carcinoma no microcítico en etapa avanzada(AU)

Introduction: Lung cancer constitutes one of the main causes of death in Cuba. Most of the patients come to the health service at an advanced stage of the disease. Polychemotherapy is one of the treatments used. Objectives: To assess the response to treatment with cisplatin-etoposide vs. cisplatin-paclitaxel, in patients with advanced non-small cell carcinoma. Methods: A descriptive, prospective study was conducted in 40 patients diagnosed with advanced non-small cell carcinoma. They were randomly assigned to one of the two treatment groups: cisplatin + etoposide (n = 20) and cisplatin. + paclitaxel (n = 20) at the Pneumologic Hospital from January 2017 to September 2018. Results: Male patients predominated, ages ranged between 50 and 69 years, 37.5 percent were in stage IV. Clinical response to treatment was found in 72.5 percent of patients, that is, 70 percent in the modality of cisplatin + etoposide and 75 percent in cisplatin + paclitaxel. Similar percentage of objective antitumor response was observed, that is, 32.5 percent of the patients had partial reduction of the tumor lesion, while disease stability was observed in 32.5 percent . In contrast, in the remaining 35.0 percent , disease progression was observed. Conclusions: Both modalities are concluded to have similar effectiveness in the clinical-radiological evolution of persons suffering from non-microcytic carcinoma in advanced stage(AU)
Descritores: Carcinoma Pulmonar de Células não Pequenas/tratamento farmacológico
Quimioterapia Combinada/métodos
-Estudos Prospectivos
Relação Dose-Resposta a Droga
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Responsável: CU1.1 - Biblioteca Médica Nacional


  2 / 1582 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Abdo, Carmita Helena Najjar
Texto completo
Id: biblio-1146917
Autor: Paul, Gustavo Marquesine; Medici, Eduardo; Abdo, Carmita Helena Najjar.
Título: Diagnóstico clínico e tratamento medicamentoso em ejaculação precoce / Clinical diagnosis and drug treatment in premature ejaculation
Fonte: Diagn. tratamento;25(4):162-166, 20201200.
Idioma: pt.
Resumo: A ejaculação precoce é um dos transtornos sexuais mais prevalentes na população masculina com prevalência média de cerca de 30%. Possui diversas classificações de entidades médicas e classificações internacionais de doenças, todas elas tendo em comum um reduzido tempo de latência intravaginal, incapacidade de controle ejaculatório e consequências psicológicas negativas para o indivíduo e/ou para o casal. Dentre as causas da patologia, destacam-se alterações nas vias de neurotransmissão serotoninérgica, hipersensibilidade genital e causas genéticas nas patologias primárias. Na ejaculação precoce secundária devem-se pesquisar distúrbios psicogênicos, hormonais, sintomas de trato urinário inferior e disfunção erétil. O correto diagnóstico é importante para indicação e planejamento do tratamento adequado. Em casos de ejaculação precoce primária, o tratamento preferencial é o medicamentoso. Os tratamentos medicamentosos disponíveis podem ser por via oral ou de aplicação tópica. Dentre os tratamentos orais, destacam-se os antidepressivos com ação serotoninérgica que devem ser utilizados de modo contínuo. Outras classes de medicações utilizadas são os inibidores da fosfodieterase do tipo 5 e os opioides como tramadol. Como opção às medicações orais, as medicações de aplicação tópica peniana são aplicadas sob demanda na glande um período antes do encontro sexual, cujo tempo varia conforme o medicamento escolhido, e que podem ter apresentação no formato gel ou spray, contendo primariamente uma mistura de lidocaína e prilocaína ou compostos de naturais como o SS-Cream (Severance Secret Cream).
Descritores: Coito
Quimioterapia Combinada
Ejaculação
Anestésicos
Antidepressivos
Tipo de Publ: Revisão
Responsável: BR12.1 - Biblioteca Setorial da Ciências da Saúde


  3 / 1582 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: biblio-1100221
Autor: Araújo, Sandra Hernandez Morais; Martins, Renato Rocha; Lopes, Flavio Marques; Dewulf, Nathalie de Lourdes Souza.
Título: Pharmacotherapy of adolescents in the use of psychoactive substances
Fonte: Rev. ciênc. farm. básica apl;38, 01/01/2017. ilus, tab.
Idioma: en.
Resumo: The use of Psychoactive Substances brings problems in several areas of the subject's life such as: health, psychological and social. It´s necessary evaluate the factors involved in drug use and potential drug interactions (PDI) in adolescents using psychoactive substances. It was a Cross-sectional, analytical and quantitative study. The research was carried out at the Center for Psychosocial Care and other drugs for children and adolescents 24h, with adolescents under 18 years of age, using medication. The data were obtained by reviewing the charts and the potential interactions were evaluated through the database Micromedex® and Medscape®. Of the 159 records used, there were 815 PDI. By gravity were 59.4% moderate, 23.8% secondary, 15.7% severe and 1.1% contraindicated. The drugs that presented the most PDI were Chlorpromazine (32.3%) and Diazepam (19.6%). The factors involved in polypharmacy were total PDI and those involved in the occurrence of total PDI were studying and the quantity diagnostic hypotheses. Due to the high PDI index, the relationship with polypharmacy and a high number of diagnostic hypotheses, it is necessary to increase the attention of health professionals regarding the topic and the development of protocols to support decision making.(AU)
Descritores: Psicotrópicos/uso terapêutico
Interações Medicamentosas
-Clorpromazina
Adolescente
Diazepam
Quimioterapia Combinada
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Criança
Adolescente
Responsável: BR33.1 - Divisão Técnica de Biblioteca e Documentação


  4 / 1582 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-787614
Autor: Faria-Silva, Raphael; Rezende, Daniel Câmara de; Ribeiro, Juarez Mundim; Gomes, Telmo Heleno; Oliveira, Braulio Antônio Maciel Faria Mota; Pereira, Fábio Maciel R; Almeida Filho, Ildeu Afonso de; Carvalho Junior, Antônio Enéas Rangel de.
Título: Association of clonidine and ropivacaine in brachial plexus block for shoulder arthroscopy / Associação de clonidina e ropivacaína no bloqueio de plexo braquial para artroscopia de ombro
Fonte: Rev. bras. anestesiol;66(4):335-340tab, graf.
Idioma: en.
Resumo: Abstract Background and objectives: Arthroscopy for shoulder disorders is associated with severe and difficult to control pain, postoperatively. The addition of clonidine to local anesthetics for peripheral nerve block has become increasingly common, thanks to the potential ability of this drug to reduce the mass of local anesthetic required and to prolonging analgesia postoperatively. The present study aimed to evaluate the success of brachial plexus block for arthroscopic rotator cuff surgery using local anesthetic with or without clonidine. Method: 53 patients of both genders, between 18 and 70 years old, American Society of Anesthesiologists I or II, who were scheduled to undergo arthroscopic shoulder surgery were selected. Patients were then randomized into two groups. The verbal numerical pain scale and the presence of motor block were obtained in the post-anesthetic recovery room and 6, 12, 18 and 24 h postoperatively. Results: The association of clonidine (0.15 mg) to a solution of 0.33% ropivacaine (30 mL) in brachial plexus block for shoulder arthroscopy has not diminished the visual numeric pain scale values, nor the need for opioid rescue postoperatively. There was a lower incidence of nausea/vomiting postoperatively and a significant motor block time prolongation in the group of patients who received clonidine as adjuvant. Conclusions: The use of brachial plexus block with local anesthetic for analgesic postoperative control is well established in the literature. The addition of clonidine in the dose proposed for prolongation of the analgesic effect and reduction of opioid rescue proved unhelpful.

Resumo Justificativa e objetivos: A artroscopia para afecções do ombro associa-se a dor de forte intensidade no pós-operatório, de difícil manejo. A adição de clonidina ao anestésico local em bloqueios periféricos tornou-se progressivamente maior graças à potencial habilidade dessa droga em reduzir a massa de anestésicos locais necessários e prolongar a analgesia no pós-operatório. O presente estudo teve como objetivo avaliar o sucesso do bloqueio de plexo braquial para a cirurgia artroscópica de manguito rotador com o uso de anestésico local associado ou não à clonidina. Método: Foram selecionados 53 pacientes de ambos os sexos, entre 18 e 70 anos, ASA I ou II, que seriam submetidos à cirurgia de ombro por artroscopia. Os pacientes foram então randomizados em dois grupos. A escala numérica verbal de dor e a presença de bloqueio motor eram obtidas na sala de recuperação pós-anestésica (SRPA) e com seis, 12, 18 e 24 horas de pós-operatório. Resultados: A associação de clonidina (0,15 mg) à solução de ropivacaína 0,33% (30 mL) no bloqueio de plexo braquial para artroscopia de ombro não diminuiu os valores da escala visual numérica de dor, nem a necessidade de resgate com opioides no pós-operatório. Houve uma menor incidência de náuseas e vômitos no pós-operatório (NVPO) e aumento considerável do tempo de bloqueio motor no grupo de pacientes que recebeu clonidina como adjuvante. Conclusões: O uso do bloqueio de plexo braquial com anestésico local para controle analgésico pós-operatório está consolidado na literatura. A adição de clonidina na dose proposta para prolongamento do efeito analgésico e redução de resgate com opioides mostrou-se pouco útil.
Descritores: Dor Pós-Operatória/tratamento farmacológico
Artroscopia/métodos
Articulação do Ombro/cirurgia
Clonidina/uso terapêutico
Bloqueio do Plexo Braquial/métodos
Amidas/uso terapêutico
-Manguito Rotador/cirurgia
Quimioterapia Combinada/métodos
Ropivacaina
Analgésicos/uso terapêutico
Anestésicos Locais/uso terapêutico
Tempo de Internação/estatística & dados numéricos
Pessoa de Meia-Idade
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Adolescente
Adulto
Idoso
Adulto Jovem
Tipo de Publ: Ensaio Clínico Controlado Aleatório
Responsável: BR1.1 - BIREME


  5 / 1582 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-787624
Autor: Sadeghi, Mostafa; Yekta, Reza Atef; Azimaraghi, Omid; Barzin, Gilda; Movafegh, Ali.
Título: Evaluation of spinal anesthesia blockade time with 0. 5% hyperbaric bupivacaine, with or without sufentanil, in chronic opioid users: a randomized clinical trial / Avaliação do tempo de bloqueio da raquianestesia com bupivacaína a hiperbárica 0, 5%, com ou sem sufentanil, em usuários crônicos de opioides: um estudo clínico randômico
Fonte: Rev. bras. anestesiol;66(4):346-350tab.
Idioma: en.
Resumo: Abstract Objective: The primary outcome of this study was to evaluate the effect of adding sufentanil to hyperbaric bupivacaine on duration of sensory blockade of spinal anesthesia in chronic opioid users in comparison with non-addicts. Methods: Sixty patients scheduled for orthopedic surgery under spinal anesthesia were allocated into four groups: group 1 (no history of opium use who received intrathecal hyperbaric bupivacaine along with 1 mL saline as placebo); group 2 (no history of opium use who received intrathecal bupivacaine along with 1 mL sufentanil [5 µg]); group 3 (positive history of opium use who received intrathecal bupivacaine along with 1 mL saline as placebo) and group 4 (positive history of opium use who received intrathecal bupivacaine along with 1 mL sufentanil [5 µg]). The onset time and duration of sensory and motor blockade were measured. Results: The duration of sensory blockade in group 3 was 120 ± 23.1 min which was significantly less than other groups (G1 = 148 ± 28.7, G2 = 144 ± 26.4, G4 = 139 ± 24.7, p = 0.007). The duration of motor blockade in group 3 was 145 ± 30.0 min which was significantly less than other groups (G1 = 164 ± 36.0, G2 = 174 ± 26.8, G4 = 174 ± 24.9, p = 0.03). Conclusions: Addition of 5 µg intrathecal sufentanil to hyperbaric bupivacaine in chronic opioid users lengthened the sensory and motor duration of blockade to be equivalent to blockade measured in non-addicts.

Resumo Objetivo: Avaliar o efeito da adição de sufentanil à bupivacaína hiperbárica na duração do bloqueio sensorial da raquianestesia em usuários crônicos de opioides em comparação com não adictos. Métodos: Foram distribuídos em quatro grupos 60 pacientes agendados para cirurgia ortopédica sob raquianestesia: Grupo 1 (sem história de uso de ópio, recebeu bupivacaína hiperbárica intratecal juntamente com 1 mL de solução salina como placebo); Grupo 2 (sem história de uso de ópio, recebeu bupivacaína intratecal juntamente com 1 mL de sufentanil [5 µg]); Grupo 3 (com história de uso de ópio, recebeu bupivacaína intratecal juntamente com 1 mL de solução salina como placebo) e Grupo 4 (com história de uso de ópio, recebeu bupivacaína intratecal juntamente com 1 mL de sufentanil [5 µg]). O tempo de início e a duração dos bloqueios sensitivo e motor foram registrados. Resultados: A duração do bloqueio sensorial no Grupo 3 foi de 120 ± 23,1 min, um tempo significativamente menor do que nos outros grupos (G1 = 148 ± 28,7, G2 = 144 ± 26,4, G4 = 139 ± 24,7, p = 0,007). A duração do bloqueio motor no Grupo 3 foi de 145 ± 30,0 min, um tempo significativamente menor do que nos outros grupos (G1 = 164 ± 36.0, G2 = 174 ± 26.8, G4 = 174 ± 24,9; p = 0,03). Conclusões: A adição de 5 µg de sufentanil intratecal à bupivacaína hiperbárica em usuários crônicos de opioides aumenta a duração dos bloqueios sensorial e motor de forma equivalente ao bloqueio avaliado em não adictos.
Descritores: Ópio/farmacologia
Bupivacaína/farmacologia
Sufentanil/farmacologia
Transtornos Relacionados ao Uso de Substâncias/complicações
Analgésicos Opioides/farmacologia
Raquianestesia/métodos
-Fatores de Tempo
Doença Crônica
Quimioterapia Combinada
Usuários de Drogas
Anestésicos Locais/farmacologia
Limites: Humanos
Masculino
Adulto
Tipo de Publ: Ensaio Clínico Controlado Aleatório
Responsável: BR1.1 - BIREME


  6 / 1582 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-782881
Autor: Neves, Jose Francisco Nunes Pereira das; Araújo, Mariana Moraes Pereira das Neves; Araújo, Fernando de Paiva; Ferreira, Clarice Martins; Duarte, Fabiana Baeta Neves; Pace, Fabio Heleno; Ornellas, Laura Cotta; Baron, Todd H; Ferreira, Lincoln Eduardo Villela Vieira de Castro.
Título: Colonoscopy sedation: clinical trial comparing propofol and fentanyl with or without midazolam / Sedação para colonoscopia: ensaio clínico comparando propofol e fentanil associado ou não ao midazolam
Fonte: Rev. bras. anestesiol;66(3):231-236, May.-June 2016. tab.
Idioma: en.
Resumo: ABSTRACT Colonoscopy is one of the most common procedures. Sedation and analgesia decrease anxiety and discomfort and minimize risks. Therefore, patients prefer to be sedated when undergoing examination, although the best combination of drugs has not been determined. The combination of opioids and benzodiazepines is used to relieve the patient's pain and discomfort. More recently, propofol has assumed a prominent position. This randomized prospective study is unique in medical literature that specifically compared the use of propofol and fentanyl with or without midazolam for colonoscopy sedation performed by anesthesiologists. The aim of this study was to evaluate the side effects of sedation, discharge conditions, quality of sedation, and propofol consumption during colonoscopy, with or without midazolam as preanesthetic. The study involved 140 patients who underwent colonoscopy at the University Hospital of the Federal University of Juiz de Fora. Patients were divided into two groups: Group I received intravenous midazolam as preanesthetic 5 min before sedation, followed by fentanyl and propofol; Group II received intravenous anesthesia with fentanyl and propofol. Patients in Group II had a higher incidence of reaction (motor or verbal) to the colonoscope introduction, bradycardia, hypotension, and increased propofol consumption. Patient satisfaction was higher in Group I. According to the methodology used, the combination of midazolam, fentanyl, and propofol for colonoscopy sedation reduces propofol consumption and provides greater patient satisfaction.

RESUMO A colonoscopia é um dos procedimentos mais feitos. Sedação e analgesia diminuem a ansiedade e o desconforto e minimizam riscos. Em razão disso, os pacientes preferem que o exame seja feito sob anestesia, embora não tenha sido determinada a melhor combinação de fármacos. A associação de benzodiazepínicos com opioides é usada para aliviar a dor e o desconforto do paciente. Mais recentemente, o propofol assumiu posição de destaque. Este estudo, prospectivo e randomizado, é único na literatura médica e especificamente comparou o uso do propofol e fentanil associado ou não ao midazolam na sedação para colonoscopia feita por anestesiologistas. Os objetivos do estudo foram avaliar os efeitos colaterais da sedação, as condições de alta, a qualidade da sedação e o consumo de propofol durante a colonoscopia, com ou sem o midazolam como pré-anestésico. Envolveu 140 pacientes submetidos à colonoscopia, no Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora. Os pacientes foram divididos em dois grupos. O Grupo I recebeu, por via endovenosa, midazolam como pré-anestésico, cinco minutos antes da sedação, seguido do fentanil e propofol. O Grupo II recebeu, por via endovenosa, anestesia com fentanil e propofol. Os pacientes do Grupo II apresentaram maior incidência de reação (motora ou verbal) à introdução do colonoscópio, bradicardia, hipotensão arterial e maior consumo de propofol. A satisfação dos pacientes foi maior no Grupo I. De acordo com a metodologia empregada, a associação de midazolam ao propofol e fentanil para sedação em colonoscopia reduz o consumo de propofol e cursa com maior satisfação do paciente.
Descritores: Midazolam/farmacologia
Propofol/farmacologia
Fentanila/farmacologia
Colonoscopia
Analgésicos Opioides/farmacologia
Hipnóticos e Sedativos/farmacologia
-Dor/prevenção & controle
Método Duplo-Cego
Estudos Prospectivos
Satisfação do Paciente/estatística & dados numéricos
Quimioterapia Combinada/métodos
Pessoa de Meia-Idade
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Tipo de Publ: Estudo Comparativo
Ensaio Clínico Controlado Aleatório
Responsável: BR1.1 - BIREME


  7 / 1582 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-782892
Autor: Singh, Suneet Kaur Sra Charanjit; Yahya, Nurlia; Misiran, Karis; Masdar, Azlina; Nor, Nadia Md; Yee, Lee Choon.
Título: Combined spinal-epidural analgesia in labour: its effects on delivery outcome / Analgesia combinada raquiperidural em trabalho de parto: seus efeitos sobre o desfecho do parto
Fonte: Rev. bras. anestesiol;66(3):259-264, May.-June 2016. tab.
Idioma: en.
Resumo: ABSTRACT BACKGROUND AND OBJECTIVES: Combined spinal-epidural (CSE) has become an increasingly popular alternative to traditional labour epidural due to its rapid onset and reliable analgesia provided. This was a prospective, convenient sampling study to determine the effects of CSE analgesia on labour outcome. METHODS: One hundred and ten healthy primigravida parturients with a singleton pregnancy of ≥37 weeks gestation and in the active phase of labour were studied. They were enrolled to the CSE (n = 55) or Non-CSE (n = 55) group based on whether they consented to CSE analgesia. Non-CSE parturients were offered other methods of labour analgesia. The duration of the first and second stage of labour, rate of instrumental vaginal delivery and emergency cesarean section, and Apgar scores were compared. RESULTS: The mean duration of the first and second stage of labour was not significantly different between both groups. Instrumental delivery rates between the groups were not significantly different (CSE group, 11% versus Non-CSE group, 16%). The slightly higher incidence of cesarean section in the CSE group (16% versus 15% in the Non-CSE group) was not statistically significant. Neonatal outcome in terms of Apgar score of less than 7 at 1 and 5 min was similar in both groups. CONCLUSION: There were no significant differences in the duration of labour, rate of instrumental vaginal delivery and emergency cesarean section, and neonatal outcome in parturients who received compared to those who did not receive CSE for labour analgesia.

RESUMO JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS: A analgesia combinada raquiperidural (RP) tornou-se uma opção cada vez mais popular para o trabalho de parto tradicional devido ao seu rápido início de ação e ao resultado confiável. Este foi um estudo prospectivo de amostragem conveniente para determinar os efeitos da RP sobre o desfecho do parto. MÉTODOS: Foram incluídas 110 parturientes primigestas saudáveis, com gestação única de ≥ 37 semanas e na fase ativa do trabalho de parto. As pacientes foram designadas para os grupos RP (n = 55) ou não RP (n = 55) com base em seus consentimentos para a analgesia combinada RP. As parturientes do grupo não RP receberam outros métodos de analgesia para o parto. As durações do primeiro e segundo estágio do trabalho de parto, as taxas de parto vaginal instrumental e cesariana de emergência e os escores de Apgar foram comparados. RESULTADOS: A média de duração do primeiro e segundo estágio do trabalho de parto não foi significativamente diferente entre os dois grupos. As taxas de parto instrumental não foram significativamente diferentes entre os grupos, RP (11%) versus não RP (16%). A incidência ligeiramente maior de cesariana no grupo RP (16% versus 15% no não RP) não foi estatisticamente significativa. O desfecho neonatal em termos de índice de Apgar foi inferior a 7. CONCLUSÃO: Não houve diferenças significativas em relação à duração do trabalho, às taxas de parto vaginal instrumental e cesariana de emergência e ao desfecho neonatal em parturientes que receberam RP para analgesia de parto em comparação com aquelas que não receberam.
Descritores: Trabalho de Parto
Analgesia Epidural/métodos
Analgesia Obstétrica/métodos
Parto Obstétrico/estatística & dados numéricos
Raquianestesia/métodos
-Fatores de Tempo
Estudos Prospectivos
Resultado do Tratamento
Quimioterapia Combinada
Limites: Humanos
Feminino
Gravidez
Adulto
Adulto Jovem
Responsável: BR1.1 - BIREME


  8 / 1582 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Martelli, Antonio Carlos Ceribelli
Texto completo
Texto completo
Id: lil-434696
Autor: Fleury, Raul Negrao; Barreto, Jaison Antonio; Bispo, Magna Dantas; Martelli, Antonio Carlos Ceribelli.
Título: Hanseniase: episodio reacional tuberculoide desencadeado preconcemente apos instalaçao de poliquimioterapia, em individuo inicialmente diagnosticado como multibacilar / Leprosy: tuberculoid reactional episode developed early after multidrugtherapy was initiated in patient initially diagnosed as multibacillary
Fonte: Hansen. int;30(2):195-200, jul.-dez. 2005. ilus.
Idioma: pt.
Resumo: Um homem de cor parda, 66 anos de idade, refere ha 10 anos disturbio de sensibilidade na regiao dorsal do halux direito, e ha 6 meses placa eritematosa no braço direito co diagnostico histopatologico de hanseniase multibacilar. Quinze dias apos instalaçao de poliquimioterapia, a lesao inicial se tumefaz, ulcera e aparecem novas lesoes eritemato-edematosas disserminadas na pele. A biopsia de uma dessas novas lesoes demonstra hanseniase reacionla na faixatuberculoide com baciloscopia de 3+/6. O aparecimento da lesao inicial coincidiu com diagnostico recente de diabetes mellitus, e durante o episodio reacional o paciente apresentou mal-estado geral, febre e leve ictiricia Os autores discutem a patogenese destes eventos, surgerindo uma fase previa de degradaçao (downgrading) devido a progressiva proliferaçao bacilar, com consequente inibiçao da imunidade celular pela açao dos antigenos capsulares produzidos pela fraçao de bacilos integros e viaveis...
Descritores: Quimioterapia Combinada
Eritema Nodoso
Hanseníase Dimorfa/complicações
Hanseníase Dimorfa/diagnóstico
Responsável: BR191.1 - Biblioteca e Centro de Documentação Luiza Keffer


  9 / 1582 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-897803
Autor: Aksu, Recep; Patmano, Gülçin; Biçer, Cihangir; Emek, Ertan; Çoruh, Aliye Esmaoğlu.
Título: Efficiency of bupivacaine and association with dexmedetomidine in transversus abdominis plane block ultrasound guided in postoperative pain of abdominal surgery / Eficácia de bupivacaína e associação com dexmedetomidina em bloqueio do plano transverso abdominal guiado por ultrassom na dor após cirurgia abdominal
Fonte: Rev. bras. anestesiol;68(1):49-56, Jan.-Feb. 2018. tab, graf.
Idioma: en.
Resumo: Abstract Background and objectives We aimed to evaluate the effect of bupivacaine and dexmedetomidine added to bupivacaine used in tranversus abdominis plane (TAP) block on postoperative pain and patient satisfaction in patients undergoing lower abdominal surgery. Methods Patients submitted to lower abdominal surgery were enrolled in the study. After anesthesia induction, ultrasound guided TAP block was performed. TAP block was obtained with 21 mL 0.9% saline in Group C (n = 31), 20 mL 0.5% bupivacaine + 1 mL saline in Group B (n = 31), and 20 mL 0.5% bupivacaine + 1 mL dexmedetomidine (100 µg) in Group BD (n = 31). Results Visual analog scale scores were lower in Group BD compared to Group C, at all time points (p < 0.05); it was lower in group BD than in group B at 10-24 h. In Group B, it was lower than Group C at 2-8 h (p < 0.05). Total morphine consumption was lower in Group BD compared to other groups and lower in group B than in the controls (p < 0.001). Patient satisfaction was higher in Group BD than in other groups and was higher in both study groups than in the controls (p < 0.001). Nausea-vomiting scores, antiemetic requirement, or additional analgesic administration were not significant among groups (p > 0.05). Conclusions The addition of dexmedetomidine to bupivacaine on TAP block decreased postoperative pain scores and morphine consumption; it also increased patient satisfaction in patients undergoing lower abdominal surgery. Dexmedetomidine did not have any effect on nausea and vomiting score and antiemetic requirement.

Resumo Justificativa e objetivos O objetivo do estudo foi avaliar o efeito de bupivacaína e dexmedetomidina adicionada à bupivacaína para bloqueio do plano transverso abdominal (TAP) no controle da dor e satisfação do paciente após cirurgia abdominal inferior. Métodos Pacientes submetidos à cirurgia abdominal inferior foram incluídos no estudo. Após a indução da anestesia, o bloqueio TAP guiado por ultrassom foi feito com 21 mL de solução salina a 0,9% no Grupo C (n = 31), 20 mL de bupivacaína a 0,5% + 1 mL de solução salina no Grupo B (n = 31) e 20 mL de bupivacaína a 0,5% + 1 mL de dexmedetomidina (100 µg) no grupo BD (n = 31). Resultados Os escores da escala visual analógica foram menores no Grupo BD comparado com o Grupo C em todos os tempos mensurados (p < 0,05); foi menor no Grupo BD do que no Grupo B em 10-24 horas. No Grupo B, os escores VAS foram menores do que no Grupo C em 2-8 horas (p < 0,05). O consumo total de morfina foi menor no Grupo BD em comparação com outros grupos e menor no Grupo B do que nos controles (p < 0,001). A satisfação do paciente foi maior no Grupo BD do que nos outros grupos e maior em ambos os grupos de estudo do que nos controles (p < 0,001). Os escores de náusea e vômito, necessidade de antiemético ou de analgésicos adicionais não foram significativos entre os grupos (p > 0,05). Conclusões A adição de dexmedetomidina à bupivacaína em bloqueio TAP reduziu os escores de dor e o consumo de morfina no pós-operatório, além de aumentar a satisfação em pacientes submetidos à cirurgia abdominal inferior. Dexmedetomidina não apresentou efeito sobre os escores de náusea e vômito e a necessidade de antiemético.
Descritores: Dor Pós-Operatória/tratamento farmacológico
Apendicectomia
Bupivacaína/administração & dosagem
Dexmedetomidina/administração & dosagem
Agonistas de Receptores Adrenérgicos alfa 2/administração & dosagem
Herniorrafia
Anestésicos Locais/administração & dosagem
Bloqueio Nervoso/métodos
-Método Duplo-Cego
Estudos Prospectivos
Resultado do Tratamento
Músculos Abdominais
Ultrassonografia de Intervenção
Quimioterapia Combinada
Pessoa de Meia-Idade
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Adolescente
Adulto
Idoso
Adulto Jovem
Tipo de Publ: Ensaio Clínico Controlado Aleatório
Responsável: BR1.1 - BIREME


  10 / 1582 LILACS  
              first record previous record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-1089372
Autor: Shen, Congxiang; Chen, Fang; Wang, Huigang; Zhang, Xinyu; Li, Guanxue; Wen, Zhong.
Título: Individualized treatment for allergic rhinitis based on key nasal clinical manifestations combined with histamine and leukotriene D4 levels / Tratamento individualizado para a rinite alérgica baseado nas principais manifestações clínicas nasais e dos níveis de histamina e leucotrieno D4
Fonte: Braz. j. otorhinolaryngol. (Impr.);86(1):63-73, Jan.-Feb. 2020. tab, graf.
Idioma: en.
Projeto: Science and Technology Program Project of Guangdong Province.
Resumo: Abstract Introduction The types of allergic rhinitis are roughly classified based on the causative antigens, disease types, predilection time, and symptom severity. Objective To examine the clinical typing and individualized treatment approach for allergic rhinitis and to determine the optimal treatment method for this disease using various drug combination therapies. Methods A total of 108 participants with allergic rhinitis were divided into three groups based on symptoms. Subsequently, each group was further categorized into four subgroups based on the medications received. The efficacy of the treatments was evaluated using the visual analog scale VAS scores of the total and individual nasal symptoms, decline index of the symptom score, histamine and leukotriene levels, and mRNA and protein expression levels of histamine 1 and cysteinyl leukotriene 1 receptors. Results Loratadine + mometasone furoate and loratadine + mometasone furoate + montelukast significantly improved the sneezing symptom and reduced the histamine levels compared with the other combination therapies (p < 0.05). Meanwhile, montelukast + mometasone furoate and montelukast + mometasone furoate + loratadine considerably improved the nasal obstruction symptom and decreased the leukotriene D4 levels compared with the other combination therapies (p < 0.05). Conclusion Clinical symptom evaluation combined with experimental detection of histamine and leukotriene levels can be an objective and accurate method to clinically classify the allergic rhinitis types. Furthermore, individualized treatment based on allergic rhinitis classification can result in a good treatment efficacy.

Resumo Introdução A rinite alérgica é basicamente classificada de acordo com os antígenos causadores, tipos de doença, peridiocidade e gravidade dos sintomas. Objetivo Avaliar os tipos clínicos e a abordagem terapêutica individualizada para cada tipo de rinite alérgica e determinar o método de tratamento ideal utilizando várias terapias de combinação de fármacos. Método Um total de 108 participantes com rinite alérgica foram divididos em três grupos com base nos sintomas. Posteriormente, cada grupo foi subsequentemente categorizado em quatro subgrupos com base nos medicamentos recebidos. A eficácia dos tratamentos foi avaliada utilizando os escores da escala visual analógica EVA dos sintomas nasais totais e individualmente, índice de declínio do escore de sintomas, níveis de histamina e leucotrienos e níveis de expressão de mRNA e proteína dos receptores de histamina 1 e cisteinil-leucotrieno 1. Resultados As associações entre loratadina + furoato de mometasona, assim como a de loratadina + furoato de mometasona + montelucaste melhoraram significativamente o sintoma de espirros e reduziram os níveis de histamina em comparação às outras terapias combinadas (p < 0,05). Por outro lado, a associação montelucaste + furoato de mometasona, assim como a associação montelucaste + furoato de mometasone + loratadina melhoraram consideravelmente o sintoma de obstrução nasal e diminuíram os níveis de leucotrieno D4 em comparação com as outras combinações (p < 0,05). Conclusão A avaliação clínica dos sintomas combinada com a detecção experimental dos níveis de histamina e leucotrieno pode ser um método objetivo e preciso para classificar clinicamente os tipos de rinite alérgica. Além disso, o tratamento individualizado baseado na classificação da rinite alérgica pode resultar no aumento da eficácia do tratamento.
Descritores: Histamina/sangue
Leucotrieno D4/sangue
Quimioterapia Combinada/métodos
Medicina de Precisão/métodos
Rinite Alérgica/sangue
-Quinolinas/uso terapêutico
Espirro
RNA Mensageiro/genética
Receptores Histamínicos H1/genética
Obstrução Nasal/tratamento farmacológico
Resultado do Tratamento
Loratadina/uso terapêutico
Receptores de Leucotrienos/genética
Antialérgicos/uso terapêutico
Rinite Alérgica/diagnóstico
Rinite Alérgica/tratamento farmacológico
Furoato de Mometasona/uso terapêutico
Acetatos/uso terapêutico
Mucosa Nasal
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Adolescente
Adulto
Pessoa de Meia-Idade
Idoso
Adulto Jovem
Tipo de Publ: Ensaio Clínico Controlado
Responsável: BR1.1 - BIREME



página 1 de 159 ir para página                         
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde