Base de dados : LILACS
Pesquisa : E03.250 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 215 [refinar]
Mostrando: 1 .. 10   no formato [Detalhado]

página 1 de 22 ir para página                         

  1 / 215 LILACS  
              next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Texto completo
Id: biblio-966122
Autor: Barrionuevo, N,Livia; Correa , M, Karen; Consiglio, N, Macarena.
Título: Incidencia de reacciones adversas en sedación con midazolam endovenoso o intramuscular en niños y jóvenes en situación de discapacidad: experiencia de dos años / Incidence of side effects during i.v. or i.m. midazolam sedation in children and young people with disabilities: two-year experience
Fonte: Rehabil. integral (Impr.);13(1):8-13, jul. 2018. tab.
Idioma: es.
Resumo: Introducción: Los pacientes no cooperadores con trastorno neuromotor generan dificultad para realizar tratamientos dentales y exámenes diagnósticos. En el Instituto Teletón de Santiago estos procedimientos se realizan bajo sedación, por profesional no anestesiólogo. Se administra midazolam para sedación leve o moderada (nivel II a IV, escala de Ramsay), guiada por un protocolo específico. Las reacciones adversas al medicamento en pacientes con discapacidad neuromotora es-tán escasamente documentadas en los últimos 10 años en la literatura. Objetivo: Determinar la incidencia de reacciones ad-versas a la administración de midazolam endovenoso o intramuscular en pacientes con trastorno neuromotor, no cooperado-res que requieren sedación para recibir tratamientos dentales y otros procedimientos como potencial evocado visual (PEV), potencial evocado auditivo (BERA) y toma de moldes para órtesis de tronco y extremidades. Material y Método: Estudio de vigilancia farmacológica, basado en 389 registros de sedación de la Unidad de Enfermería del Instituto Teletón de Santiago, en los años 2014 y 2015. Se consignaron las variables: vía de administración, tipo de procedimiento, presencia de reacción adversa, tipo de reacción adversa. Resultados: De los 389 procedimientos de sedación, 255 (65,5%) fueron para atención dental; 83% utilizó vía endovenosa; se registraron 10 (2,6%) eventos de reacción adversa, de los cuales 6 fueron reacción paradojal, 3 hipotensión, 1 taquicardia y 1 evento de desaturación a 60%. Conclusión: Midazolam usado sin asociación con otro medicamento, siguiendo protocolos de administración y vigilancia, es una alternativa segura para la sedación leve a mo-derada, administrado por profesional no anestesiólogo, ocasionando mínimas reacciones adversas. Palabras clave: Midazolam, sedación consciente, efectos adversos, odontopediatría.(AU)

Introduction: It is difficult to perform dental treatment and diagnostic examinations in non-cooperative patients with neuro-motor disorders. At Teletón Institute in Santiago, Chile, these procedures are performed while the patient is under seda-tion, administered by non-anesthesiologist health professionals. Midazolam is used for mild or moderate sedation (level II to IV, Ramsay scale), guided by a specific protocol. Side effects and adverse drug reactions in patients with neuro-motor disabili-ties are scarcely documented for the last 10 years. Objective: To establish the incidence of side effects after the administration of intravenous or intramuscular Midazolam in non-cooperative patients with neuromotor disorders, requiring sedation in order to receive dental treatment and other procedures such as visual evoked potentials (VEP), brain-stem evoked response audio-metry (BERA) and for the preparation of custom made trunk and limb orthoses. Materials and Methods: Drug surveillance study, based on 389 sedation records of the nurses' unit at Teleton Institute in Santiago, Chile during 2014 and 2015. The fo-llowing variables were recorded: route of administration, procedure, adverse drug reaction, and type of reaction. Results: Of 389 sedation procedures, 255 (65.5%) were for dental treatment; 83% were administered intravenously; 10 adverse drug reac-tion events (2.6%) were recorded: paradoxical reactions (6), low blood pressure (3), tachycardia (1) and 60% oxygen desatura-tion (1). Conclusion: Isolated use of midazolam, in compliance with administration and surveillance protocols, is a safe alter-native for mild to moderate sedation, administered by non-anesthesiologist health professionals, showing minimum adverse effects. Key words: Midazolam, conscious sedation, adverse effects, pediatric dentistry.(AU)
Descritores: Midazolam/administração & dosagem
Midazolam/efeitos adversos
Assistência Odontológica
Pessoas com Deficiência
-Sedação Consciente
Anestésicos Intravenosos/efeitos adversos
Farmacovigilância
Limites: Seres Humanos
Criança
Responsável: CL61.1 - Biblioteca Central Campus Sur


  2 / 215 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: lil-294471
Autor: Brunow de Carvalho, Werther.
Título: Sedacao e analgesia
Fonte: Pediatr. (Asunción);27(supl.1):119-27, oct. 2000. tab.
Idioma: es; en.
Descritores: Analgesia
Sedação Consciente
Responsável: PY30.1 - Biblioteca


  3 / 215 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Texto completo
Id: biblio-887460
Autor: Taffarel, Pedro; Bonetto, German; Jorro Barón, Facundo; Meregalli, Claudia.
Título: Sedación y analgesia en pacientes con asistencia ventilatoria mecánica en unidades de cuidados intensivos pediátricos de Argentina / Sedation and analgesia in patients on mechanical ventilation in pediatric intensive care units in Argentina
Fonte: Arch. argent. pediatr;116(2):196-203, abr. 2018. tab, graf.
Idioma: en; es.
Resumo: Introducción. Los niños en unidades de cuidados intensivos pediátricos (UCIP) están expuestos a padecer dolor, estrés y ansiedad debido a su enfermedad, el tratamiento o el ambiente. La adecuada sedación y analgesia son fundamentales para su cuidado, especialmente, en aquellos que requieren asistencia ventilatoria mecánica (AVM). Objetivo. Determinar la práctica habitual en la sedación y analgesia de los pacientes que requieren ARM en UCIP de Argentina. Material y métodos. Estudio descriptivo, transversal, multicéntrico, realizado a través de encuestas enviadas por correo electrónico. Resultados. Se encuestaron y respondieron 45 UCIP. El 18% (N= 8) utiliza un protocolo de sedoanalgesia de seguimiento estricto, mientras que el 58% (N= 26) siguen un protocolo "tácito" producto de la automatización en la práctica. Las drogas más utilizadas son el midazolam para sedación y fentanilo para analgesia. El 31% (N= 14) de las UCIP monitorizan la sedación con escalas de evaluación (Ramsay modificada y/o Comfort). El 4% (N= 2) realizan la interrupción diaria de la sedación en forma programada. En pacientes de difícil sedación, la dexmedetomidina es la droga más utilizada como coadyuvante. El 73% (N= 33) de las unidades utilizan bloqueantes neuromusculares ante indicaciones precisas, y un monitoreo clínico. El 20% (N= 9) de las UCIP tienen un protocolo de destete para la sedoanalgesia, la morfina y lorazepam son las drogas más frecuentemente utilizadas. Conclusión. Existe un bajo porcentaje de protocolización en la práctica habitual del manejo de la sedoanalgesia en pacientes con AVM en las UCIP encuestadas.

Introduction. Children in pediatric intensive care units (PICUs) are exposed to experiencing pain, stress and anxiety due to their disease, treatment or care setting. Adequate sedation and analgesia are key to their care, particularly in patients requiring mechanical ventilation (MV). Objective. To determine the usual practice in sedation and analgesia management in patients requiring MV in PICUs in Argentina. Material and methods. Descriptive, crosssectional, multi-center study conducted by means of e-mailed surveys. Results. A total of 45 PICUs were surveyed, 18% (N= 8) of which follow a sedation and analgesia protocol strictly, while 58% (N= 26) follow an "implied" protocol based on routine practice. The most commonly used drugs were midazolam, for sedation, and fentanyl, for analgesia. In 31% (N= 14) of the PICUs, sedation was monitored through assessment scales (modified Ramsay and/or Comfort scales). In 4% (N= 2) of units, daily, scheduled interruptions of sedation was implemented. In patients who are difficult to sedate, dexmedetomidine was the most commonly used adjuvant. In 73% (N= 33) of the units, neuromuscular blocking agents were used in compliance with precise guidelines and under clinical monitoring. In 20% (N= 9) of the PICUs there was a sedation and analgesia weaning protocol in place, and morphine and lorazepam are the most commonly used drugs. Conclusion. Only a low percentage of surveyed PICUs had a protocol in place for the routine management of sedation and analgesia in patients on MV.
Descritores: Unidades de Terapia Intensiva Pediátrica/normas
Sedação Consciente/estatística & dados numéricos
Sedação Profunda/estatística & dados numéricos
/estatística & dados numéricos
AMERICAN NURSES' ASSOCIATIONABELSON MURINE LEUKEMIA VIRUS/estatística & dados numéricos
Analgesia/estatística & dados numéricos
-Respiração Artificial
Estudos Transversais
Pesquisas sobre Serviços de Saúde
Limites: Seres Humanos
Criança
Tipo de Publ: Estudo Multicêntrico
Responsável: AR94.1 - Centro de Información Pediatrica


  4 / 215 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: biblio-1026448
Autor: Gouveia, Bárbara Rocha.
Título: Manejo de delirium no paciente em unidade de terapia intensiva oncológica: elaboração de protocolos de diretrizes de cuidados / Delirium management in intensive cancer care unit patients: elaboration of care guidelines protocols.
Fonte: Rio de Janeiro; s.n; 20170000. 155 p. ilus, tab.
Idioma: pt.
Tese: Apresentada a Universidade Federal do Estado do Rio Janeiro. Centro de Ciências Biológicas e de Saúde para obtenção do grau de Mestre.
Resumo: Objetivo: propor diretrizes de cuidado de manejo de delirium em uma unidade de cuidados intensivos oncológica, utilizando as recomendações do Clinical Practice Guidelines for Pain, Agitation, and Delirium (PAD). Método: estudo transversal para avaliar a frequência de delirium no período de três meses e para avaliar e validar diretrizes a partir do PAD em prontuários. Foi realizado com 43 profissionais na unidade de cuidados intensiva oncológica de um hospital especializado em oncologia da rede pública do Estado do Rio de Janeiro, que é um roteiro para o desenvolvimento integrado, com base em evidências, e para a prevenção e tratamento da dor, agitação e delirium em pacientes críticos. O instrumento preliminar proposto foi avaliado/validado através da metodologia Delphi, obedecendo consenso de 80% e Índice de Validade de Conteúdo (IVC) para análise do grau de importância de 0.78. Durante os meses de outubro a dezembro de 2016. Resultados: Cento e trinta e cinco prontuários de pacientes internados na UTI/UPO foram incluídos no estudo. A média de dias que precedeu a internação destes pacientes na unidade de cuidados intensivos oncológica foi de 10,3 dias. Encontrou-se uma frequência de 39,3% de pacientes com delirium no período pesquisado. Considerando apenas os pacientes sob ventilação mecânica, a frequência de delirium foi de 64,6%. O resultado do teste U indicou diferença significativa entre os grupos conforme o tempo de permanência na unidade de cuidados intensivos oncológica (p < 0,01). Pacientes internados por até sete dias tiveram tempo médio (M= 0,36; DP= 0,89) de duração de delirium (em dias) significativamente inferior aos de pacientes internados por oito dias ou mais (M = 4,58; DP = 4,80). Na análise ajustada foi identificado que os pacientes submetidos a traqueostomia (OR = 4,15; IC95% 1,33 ­ 12,94; p = 0,01) e ventilação mecânica (OR = 7,64; IC95% 2,41 ­ 24,25; p < 0,01) apresentaram maiores chances de delirium do que os pacientes que não foram submetidos a tais procedimentos. Sobre as diretrizes todos os 19 itens avaliados obtiveram a concordância maior de 80% e IVC maior de 0,78, a validação dos juízes na etapa Delphi 1, com consenso de 19 itens, foi um resultado considerado positivo, em especial, pela extensão do protocolo e diversidades de temáticas envolvidas com o manejo de delirium com pacientes oncológicos em UTI, o que poderia ter aumentado as chances de inadequações, apesar da análise dos resultados obtidos na 1ª de rodada da Técnica Delphi obterem índice de concordância mínimo de 80%, a análise dos comentários e das sugestões realizados pelos juízes determinou a realização de alterações no conteúdo dos itens, que foram submetidas à nova avaliação do grupo, no Delphi 2 utilizando Método de Pascali com valores percentuais superiores a 90%. Isso atesta que as diretrizes se encontram competente, quanto ao seu conteúdo, para avaliar o que se propõem: o manejo do delirium em paciente oncológico na UTI. Conclusão, aplicabilidade e impacto: a elaboração e validação das diretrizes revelou-se pertinente pela alta concordância dos pares visando uma melhor gestão do delirium para qualidade em cuidado e melhores desfechos, manejos e incidência do delirium
Descritores: Enfermagem Oncológica
Delírio/enfermagem
Encefalopatia Associada a Sepse/enfermagem
-Estudos Transversais
Sedação Consciente/enfermagem
Delírio/diagnóstico
Encefalopatia Associada a Sepse/diagnóstico
Unidades de Terapia Intensiva
Limites: Seres Humanos
Responsável: BR1208.1 - BSEN - Biblioteca Setorial de Enfermagem e Nutrição
BR1208.1


  5 / 215 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-311164
Autor: Nociti, José Roberto; Zuccolotto, Sérgio Neves; Cagnolati, Carlos André; Bastos, Maurício Mahalem.
Título: Sedação com propofol e alfentanil para litotripsia extracorpórea por ondas de choque / Propofol and alfentanil sedation for extracorporeal shock wave lithotripsy / Sedación con propofol y alfentanil para litotripsia extracorpórea por ondas de choque
Fonte: Rev. bras. anestesiol;52(1):74-78, fev. 2002. tab.
Idioma: en; pt.
Resumo: Justificativa e Objetivos - Este estudo não-comparativo tem por objetivo pesquisar as doses adequadas de propofol e alfentanil em sedação para litotripsia extracorpórea por ondas de choque (LEOC) bem como o tempo necessário para a alta hospitalar. Método - Foram observados 24 pacientes consecutivos de ambos os sexos submetidos a LEOC em regime ambulatorial, com estado físico ASA I ou II, sob sedação por via venosa com propofol na dose inicial de 1 mg.kgðû, seguida de infusão contínua com velocidade variável, e alfentanil na dose inicial de 15 µg.kgðû, seguida de bolus adicionais de 5 µg.kgðû conforme as necessidades clínicas. Monitoração de SpO2, PAS, PAD e FC por método nãoðinvasivo e alta hospitalar conforme critérios propostos por Kortilla para pacientes ambulatoriais. Resultados - A duração média dos procedimentos foi de 46,8 ñ 12,8 minutos. As doses totais médias de propofol e de alfentanil foram respectivamente de 59,0 ñ 17,9 µg.kgðû.minðû e 0,38 ñ 0,14 µg.kgðû.minðû. Alta hospitalar em até 60 minutos em 58,3 por cento dos casos; de 61 a 90 minutos em 20,9 por cento; de 91 a 120 minutos em 12,5 por cento; e acima de 120 minutos em 8,3 por cento. Ocorreu dessaturação do sangue arterial (SpO2 < ou = 85 por cento) em pelo menos uma ocasião em 45,8 por cento dos pacientes, com rápida recuperação após fornecimento de oxigênio a 100 por cento. Conclusões - A sedação com propofol e alfentanil nas doses relatadas para LEOC constitui método prático, efetivo e seguro desde qie adotadas medidas para monitorização e atendimento a complicações cardiorrespiratórias que podem ocorrer no curso do procedimento
Descritores: Litotripsia
Alfentanil
Propofol
Procedimentos Cirúrgicos Ambulatórios
Anestesia
Hemodinâmica
Período de Recuperação da Anestesia
-Anestesia Epidural
Sedação Consciente/métodos
Limites: Seres Humanos
Masculino
Feminino
Adolescente
Adulto
Meia-Idade
Responsável: BR14.1 - Biblioteca Central


  6 / 215 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Vianna, Pedro Thadeu Galväo
Braz, José Reinaldo Cerqueira
Texto completo
Id: lil-311157
Autor: Braz, Leandro Gobbo; Vianna, Pedro Thadeu Galvão; Braz, José Reinaldo Cerqueira; Mello, Maria Zoé Turchiari.
Título: Níveis de sedação determinados pela clonidina e midazolam na medicação pré-anestésica: avaliação clínica e eletroencefalográfica bispectral / Sedation levels of oral preanesthetic clonidine and midazolam: clinical and electroencephalographic bispectral analysis / Níveles de sedación determinados por la clonidina y midazolam en la medicación pré-anestésica: evaluación clínica y eletroencefalográfica bispectral
Fonte: Rev. bras. anestesiol;52(1):9-18, fev. 2002. tab.
Idioma: en; pt.
Resumo: Justificativa e Obejetivos - Verificar o efeito sedativo da clonidina, um alfa 2 - agonista, e do midazolam, um benzodiazepínico, quando utilizados na medicação pré-anestésica, empregando-se avaliação clínica e eletroencefalográfica bispectral. Método - Após aprovação institucional e consentimento escrito fornecido, 45 pacientes de 18 a 65 anos, estado físico ASA l, foram aleatoriamente distribuídos nos grupos placebo (P), clonidina (C) ou midazolam (M), em que receberam, respectivamente placebo, 150 µg de clonidina ou 15 mg de midazolam por via oral, 60 minutos antes da indução da anestesia (n = 15 por grupo). A monitorização constituiu-se de eletrocardiograma (Dll), pressão arterial não invasiva, freqüência cardíaca, saturação de pulso de oxigênio, freqüência respiratória, temperatura axiliar e da sala de cirurgia e eletroencefalograma bispectral para determinação do índice bispectral (BIS). Esses atributos e a escala de sedações (1 - ansioso, 2 - calmo, 3 - sonolento, 4 - dormindo com reflexo, 5 - dormindo sem reflexo) foram obtidos aos 0 (M0), 15 (M15), 30 (M30), 40 (M40), 50 (M50) e 60 (M60) minutos após a medicação. Resultados - Nos grupos não houve alteração significante dos parâmetros respiratórios, hemodinâmicos e de temperatura. Houve diferença significante entre os grupos na ES (M60: M=C>P) e no BIS (M50 e M60: M=C>P). Conclusões - Nas condições utilizadas, a clonidina e o midazolam determinaram níveis de sedação adequados e semelhantes na medicação pré-anestésica de pacientes estado físico ASA I, quando avaliados pela escala de sedação e pelo índice bispectral, sem determinarem alterações hemodinâmicas e respiratórias
Descritores: Temperatura Corporal
Midazolam
Monitorização Intraoperatória
Clonidina
Eletroencefalografia
Hemodinâmica
Medicação Pré-Anestésica/métodos
Sedação Consciente
-Respiração
Limites: Seres Humanos
Masculino
Feminino
Adulto
Meia-Idade
Tipo de Publ: Estudo Comparativo
Responsável: BR14.1 - Biblioteca Central


  7 / 215 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Costa, Luciane Ribeiro de Rezende Sucasas da
Almeida, Roberta Barros de
Texto completo
Id: lil-392451
Autor: Costa, Luciane Ribeiro de Rezende Sucasas da; Dias, Andréia Diniz; Pinheiro, Luciana Silva; Chaves, Maria Edwiges Pinheiro de Souza; Ferreira, Raíssa de Aquino Rodrigues; Almeida, Roberta Barros de; Lima, Alessandra Rodrigues de Almeida.
Título: Perceptions of dentists, dentistry undergraduate students, and the lay public about dental sedation / Percepção de cirurgiões-dentistas, acadêmicos de odontologia e público leigo sobre sedação em odontologia
Fonte: J. appl. oral sci;12(3):182-188, July-Sept. 2004. ilus, tab.
Idioma: en.
Resumo: A sedação constitui-se em opção no controle do medo e da ansiedade relacionados à visita ao dentista. Propôs-se captar a percepção de 20 cirurgiões-dentistas, 20 acadêmicos de odontologia e 20 leigos sobre a utilização de recursos sedativos em ambiente odontológico, através da aplicação de formulários. As respostas foram avaliadas através de método quantitativo-interpretativo. Cirurgiões-dentistas: 75% tinham conhecimento do uso de sedativos em consultório odontológico, sendo que sua prática efetiva foi mencionada por apenas três. Quanto ao uso de sedativos por dentistas, um considerou "arriscado" e 19 manifestaram-se favoráveis. Dois afirmaram que a sedação não oferece riscos. Dezoito disseram saber reagir frente a emergência médica. Acadêmicos de odontologia: 60% admitiam conhecer o tema, em teoria. Dezenove expressaram interesse no assunto. Quinze afirmaram haver riscos associados à técnica. Doze (60%) tinham o conhecimento teórico para conduta frente a uma emergência médica no consultório. Público leigo: Sete (35%) responderam que sentiam algum desconforto no tratamento odontológico, representado pelo medo (n=6) e o ruído dos equipamentos (n=2). Cinco disseram que iriam mais freqüentemente ao consultório odontológico se houvesse algum meio para reduzir o desconforto. Metade dos entrevistados relatou saber o que é sedação. Dezesseis foram favoráveis à sua realização para tratamento odontológico. Sete julgaram que não há riscos quando se faz sedação. Concluiu-se que poucos participantes, dentro das três categorias, estiveram seguros com relação ao assunto, embora tenham demonstrado interesse. A população em geral sentiu-se otimista, enquanto que CDs e acadêmicos queixaram-se da pouca vivência do tema nas faculdades.
Descritores: Educação em Odontologia
Percepção Social
Sedação Consciente/psicologia
-Analgesia
Ansiedade ao Tratamento Odontológico
Estudantes de Odontologia
Relações Dentista-Paciente
Limites: Seres Humanos
Masculino
Feminino
Responsável: BR28.1 - Serviço de Biblioteca e Documentação Professor Doutor Antônio Gabriel Atta


  8 / 215 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: biblio-998743
Autor: Chávarri-Vargas, Lizeth; Gonzales-Mendoza, Juliio.
Título: Comparación de los niveles de saturación de oxígeno entre dos diferentes oxímetros con relación al llanto y movimiento en pacientes odontopediátricos atendidos bajo sedación consciente / Comparison of oxigen saturation levels using two oximeters in in relation to the crying and body movement of children treated under conscious sedation
Fonte: Rev. cient. odontol;6(1):39-50, ene.-jun. 2018. tab, graf.
Idioma: es.
Resumo: Objetivo: Comparar los niveles de saturación de oxígeno medidos con dos dife- rentes oxímetros con relación al llanto y movimiento en pacientes odontope- diátricos atendidos bajo sedación cons- ciente. Metodología: Estudio obser- vacional descriptivo, conformado por 15 pacientes (8 mujeres y 7 varones) entre 3 y 6 años de edad, que reci- bieron tratamientos dentales bajo seda- ción consciente por vía oral en una clínica odontológica universitaria. Se evaluó la saturación de oxígeno en cada paciente, se realizaron 8 mediciones cada 5 minutos con dos oxímetros dife- rentes con sensor interno (SI) y sensor externo (SE) al mismo tiempo, con 120 mediciones en total. La investigadora se capacitó en la lectura de la escala de Houpt y monitoreo clínico para asegurar una adecuada medición. Se utilizaron las pruebas de T Student para el análisis de las variables y el nivel de significancia fue (p < 0,05). Resultados: Al evaluar el nivel de coincidencia entre ambos oxímetros, se encontró una diferencia estadísticamente significativa (p < 0,05) en los tiempos T2, T3, T4, T6, T7 y T8, pero esta diferencia de medidas llegó a estar entre un 2% y un 3%, principal- mente. La magnitud de diferencia de no coincidencia entre los dos oxímetros fue del 51,7%. Conclusión: Se encontraron discrepancias significativas no asociadas al llanto y movimiento entre las lecturas de saturación de oxígeno de los oxíme- tros con sensor interno y sensor externo en los pacientes evaluados. (AU)

Objective: To compare oxygen satura-tion levels measured with two different oximeters in relation to crying and body movement in pediatric dental patients treated under conscious sedation. Methodology: This descriptive obser-vational study, involving 15 patients (8 females and 7 males) between 3 and 6 years of age, who underwent dental treatment under conscious oral sedation in a university dental clinic, assessed oxygen saturation in each patient. 8 measurements were made simultaneously every 5 minutes with two different oximeters, with an internal sensor (IS) and external sensor (ES), producing a total of 120 measurements. The researcher was trained in reading the Houpt scale and clinical monitoring, in order to ensure correct measurement. Student's t-tests were used to analyze the variables and the level of significance was p <0.05. Results: when evaluating the level of coincidence between the two oximeters, a statistically significant difference was identified (p <0.05) in the T2, T3, T4, T6, T7 and T8 times, but this difference in measurements was mostly between 2% and 3%. The magnitude of difference of non-coincidence between the two oximeters was 51.7%. Conclu-sion: Significant discrepancies, not asso-ciated with crying and body movement, were found between the oxygen satura-tion readings of the internal sensor and external sensor oximeters in the patients evaluated.
Descritores: Oximetria
Criança
Sedação Consciente
Limites: Seres Humanos
Masculino
Feminino
Criança
Tipo de Publ: Artigo Clássico
Responsável: PE391.9 - UCS - Universidad Científica del Sur


  9 / 215 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-777599
Autor: Silva, Cátia Carvalho; Lavado, Carla; Areias, Cristina; Mourão, Joana; Andrade, David de.
Título: Conscious sedation vs general anesthesia in pediatric dentistry: a review / Sedação consciente vs anestesia geral em pediatria odontológica: uma revisão
Fonte: MedicalExpress (São Paulo, Online);2(1), Jan.-Feb. 2015. tab.
Idioma: en.
Resumo: INTRODUCTION: Performing dental treatments on pediatric patients who present behavioral problems is usually a great clinical challenge. Depending on the patients’ emotional maturity and their physical, psychological and mental skills, the usual behavior control techniques may not offer adequate efficacy and safety when dental procedures are being carried out. In these circumstances, alternative and more invasive methods such as conscious sedation and general anesthesia may become necessary. OBJECTIVE: To compare the indications and contraindications of conscious sedation and general anesthesia in pediatric dentistry. METHOD: Literature research undertaken through the MEDLINE/Pubmed, Science Direct and B-on search engines between April and June 2013 using a 5 year time frame and the following keywords: conscious sedation, general anesthesia, pediatric dentistry and guidelines. RESULTS: Conscious sedation is recommended to anxious patients who have dental and needle phobia, to patients that present an increased vomiting reflex and also to patients with special needs but capable of communicating. General anesthesia is indicated for non-cooperating patients under the age of four, in mouth breathers, in children ASA III or higher and in pediatric patients who do not communicate. CONCLUSIONS: Each technique must be selected according to the characteristics showed by patient. Although conscious sedation and general anesthesia introduce benefits to pediatric dentistry, they should not be regarded as priority intervention techniques for behavior control. The pediatric dentist’s previous knowledge of these techniques provides a better level of dental care quality as well as more safety and less discomfort for their patients.

RESUMO INTRODUÇÃO: A execução de tratamentos odontológicos em pacientes pediátricos que apresentam alterações comportamentais constitui frequentemente um grande desafio clínico para o odontopediatra. Dependendo da maturidade emocional dos pacientes e de suas habilidades físicas, psicológicas e mentais, as técnicas de controle de comportamento usuais podem não oferecer a eficácia e a segurança adequadas à realização dos procedimentos dentários. Nestas circunstâncias, podem ser necessários métodos alternativos e mais invasivos, como a sedação consciente e a anestesia geral. Neste trabalho comparam-se as indicações e contra-indicações de sedação consciente e anestesia geral em odontopediatria. MÉTODO: A revisão da literatura foi realizada através dos motores de pesquisa MEDLINE/PubMed, Science Direct e B-ON, entre abril e junho de 2013, com uma limitação temporal de cinco anos e as seguintes palavras-chave: sedação consciente, a anestesia geral, odontopediatria e diretrizes. RESULTADOS: A sedação consciente é recomendada para pacientes ansiosos, com "medo de dentista e de agulhas", para pacientes que apresentam um maior reflexo do vómito e também para pacientes com necessidades especiais, mas capazes de comunicação. Por outro lado, a anestesia geral é recomendada para pacientes com idade inferior a quatro anos que não colaboram, para respiradores orais, para crianças ASA III ou superior e para crianças que não se comunicam. CONCLUSÕES: Cada técnica deve ser escolhida de acordo com as características do paciente. Apesar da anestesia geral e da sedação consciente introduzirem benefícios no atendimento dentário do paciente infantil, estas não devem ser consideradas como técnicas de intervenção prioritária no controle comportamental. O conhecimento prévio das indicações e contraindicações destas técnicas permitem ao odontopediatra proporcionar um maior nível de qualidade no atendimento dentário, assegurando a maior segurança e o menor desconforto para os seus pacientes jovens.
Descritores: Sedação Consciente
Ansiedade ao Tratamento Odontológico
Assistência Odontológica para Crianças
Anestesia Geral
Limites: Seres Humanos
Tipo de Publ: Estudo Comparativo
Revisão
Responsável: BR1.1 - BIREME


  10 / 215 LILACS  
              first record previous record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: biblio-934523
Autor: Oliveira, Leila do Nascimento.
Título: Análise do uso da sedação consciente durante o processo de desmame ventilatório em Terapia Intensiva Oncológica.
Fonte: Rio de Janeiro; s.n; 2009. 25 p. ilus.
Idioma: pt; pt.
Tese: Apresentada a Instituto Nacional de Câncer. Especialização em Enfermagem Oncológica para obtenção do grau de Especialista.
Resumo: Todo paciente internado em terapia intensiva que necessita de ventilação artificial precisa estar bem adaptado à prótese ventilatória, necessitando fazer uso de sedação intermitente ou contínua. Geralmente esses pacientes estão descompensados por patologias como: pneumonia, sepse, diversos tipos de choques, distúrbios metabólicos e hemodinâmicos entre outras. Após compensar todo o quadro clínico, inicia-se a fase de desmame respiratório o mais precoce possível. Isso ocorre com ajuda de um tipo de sedação, conhecida como sedação consciente. Neste processo o paciente apresenta sensação de bem estar, pois em seu atual estado ele pode desenvolver um tipo de Delirium que pode se tomar perigoso ao seu estado de saúde. Este estudo trata-se de um anteprojeto de pesquisa que visa analisar o uso da sedação consciente durante o processo de desmame ventilatório em terapia intensiva oncológica, utilizando como referencial teórico as escalas de RASS e EV A, que avaliam o nível de consciência, identificação do Delirium e intensidade da dor. Objeto de estudo: O paciente oncológico e seu nível de sedação durante o processo de desmame respiratório em terapia intensiva oncológica. Objetivo geral: Analisar o nível de sedação do paciente, em uso da sedação consciente em terapia intensiva oncológica, utilizando as escalas RASS e EV A. Objetivos específicos: Identificar as complicações associadas à implementação da sedação consciente. Avaliar o nivel de consciência utilizando as escalas de RASS e EV A. Discutir a importância das escalas RASS e EV A durante o desmame respiratório e definir a melhor escala de sedação. Metodologia: Tratase de um estudo que será desenvolvido através de pesquisa do tipo descritivo; com abordagem quantitativa e qualitativa nos pacientes internados sob ventilação mecânica em terapia intensiva oncológica.
Descritores: Sedação Consciente
Unidades de Terapia Intensiva
Desmame do Respirador
-Respiração Artificial
Limites: Masculino
Feminino
Seres Humanos
Responsável: BR440.1 - Biblioteca Geraldo Matos de Sá . Hospital do Câncer I
BR440.1; 619. 994028, O48a HCI



página 1 de 22 ir para página                         
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde