Base de dados : LILACS
Pesquisa : E04.270.532 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 40 [refinar]
Mostrando: 1 .. 10   no formato [Detalhado]

página 1 de 4 ir para página            

  1 / 40 LILACS  
              next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Teixeira, Manoel Jacobsen
Texto completo
Id: lil-719978
Autor: Oroz, Edson Flavio Lizarazu; Figueiredo, Eberval Gadelha; Pinna, Fabio de Rezende; Souza, Anderson Rodrigo; Viegas, Maria Luana Carvalho; Rodrigues, Daniella Brito; Teixeira, Manoel Jacobsen.
Título: Acessos endoscópicos para lesões hipofisárias / Endoscopic approach of the pituitary lesions
Fonte: Arq. bras. neurocir;32(3):181-185, set. 2013. ilus.
Idioma: pt.
Resumo: Ao longo dos anos, a cirurgia minimamente invasiva avançou com a contribuição importante dos neurocirurgiões sobre a melhor opção para a abordagem terapêutica de tumores da região selar, partindo-se de uma cirurgia extremamente prejudicial, com alta morbidade e mortalidade, até a evolução de técnicas mais modernas, as quais dispõem de materiais mais adequados, que permitem ressecções completas com menor agressão às estruturas neurovasculares. Para praticá-las, é necessário um grupo de trabalho que envolva diferentes especialidades, como endocrinologia, oftalmologia, otorrinolaringologia, neurocirurgia e radioterapia, a fim de oferecer aos pacientes as melhores opções, garantindo atendimento individualizado, resolutivo e pouco agressivo. Há necessidade de um planejamento pré-operatório cuidadoso, com o uso de exames complementares avançados como ressonância magnética, tomografia computadorizada dos seios da face, dosagem sérica dos hormônios hipofisários e campimetria visual. Ainda, durante o procedimento cirúrgico, pode-se dispor de neuronavegação, tornando a cirurgia mais segura, especialmente nas reoperações. Por essas vantagens, a cirurgia transesfenoidal por microscopia convencional e por endoscopia é o procedimento atual de escolha para tratar tumores selares e fornecer adequada descompressão de estruturas neurais, com recuperação favorável mais rápida no pós-operatório em comparação com a abordagem transcraniana convencional.

Over the years, minimally invasive surgery has advanced with the important contribution of neurosurgeons for the best option for the therapeutic approach of sellar tumors. Starting from an extremely harmful surgery with high morbidity and mortality until the evolution of techniques modern, which have the most suitable materials, which allow complete resections with less aggression to the neurovascular structures. To do them, is necessary a working group involving different specialities, such as endocrinology, ophthalmology, otolaryngology, neurosurgery and radiotherapy in order to offer patients the best options, ensuring individualized care, resolute and less aggressive. It?s necessary a careful preoperative planning, using advanced exams such as MRI, CT scan of the sinuses, serum levels of pituitary hormones and visual perimetry. Still, the surgical procedure can be increased with the neuronavigation, making surgery more safer, especially in reoperations. Thus, because of these advantages, transphenoidal surgery for conventional microscopy and for endoscopy is the current procedure of choice for treating parasellar tumors, and provide adequate decompression of the neural structures with a favorable and faster recovery after surgery compared to the approach transcranial conventional.
Descritores: Neoplasias Hipofisárias/cirurgia
Endoscopia
Hipofisectomia
Limites: Humanos
Responsável: BR1.1 - BIREME


  2 / 40 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Chile
Texto completo
Id: lil-713543
Autor: Arias A, Roberto; Gómez G, Matías; Rojas O, Mónica.
Título: Descripción de variantes del acceso transeptoesfenoidal para el abordaje de la patología selar / Description of transseptosphenoidal access variants to sellar pathology approach
Fonte: Rev. otorrinolaringol. cir. cabeza cuello;74(1):75-80, abr. 2014. ilus.
Idioma: es.
Resumo: El abordaje quirúrgico de la patología selar ha sufrido importantes cambios desde sus primeras descripciones. Inicialmente de manejo neuroquirúrgico, hoy en día el abordaje hipofisiario transeptoesfenoidal se ha transformado en una de las vías de acceso más utilizadas por el otorrinolaringólogo para lesiones a nivel de silla turca. Esta publicación describe un tipo de acceso transeptoesfenoidal utilizado por el otorrinolaringólogo en el Instituto de Neurocirugía Dr. Alfonso Asenjo (INCA) en el abordaje de lesiones selares, tanto en cirugía primaria de hipófisis, cirugía secundaria o en casos con alteraciones anatómicas del septum nasal posterior.

The surgical approach to the sellar pathology has undergone significant changes since its first descriptions. Initially addressed by neurosurgical management, today the transseptosphenoidal pituitary approach has become one of the most used pathways by the otolaryngologist to reach sellar lesions. This publication describes one of the transseptosphenoidal approach used by the otolaryngologist at the Instituto de Neurocirugía Dr. Alfonso Asenjo (INCA) in addressing sellar lesions and its variations in primary pituitary surgery, secondary surgery, multiple interventions and in cases of anatomical variations of the posterior nasal septum.
Descritores: Hipofisectomia/métodos
Sela Túrcica/cirurgia
-Osso Esfenoide/cirurgia
Seio Esfenoidal/anatomia & histologia
Limites: Humanos
Tipo de Publ: Revisão
Responsável: CL1.1 - Biblioteca Central


  3 / 40 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: lil-648300
Autor: Mejía, Miguel; Saborío, Francisco; Gei, Orlando; Evans, Teodoro; Alvarado, Fernando.
Título: Tumores de hipófisis, síndrome de Cushing / Pituitary tumors, Cushing's syndrome
Fonte: Neuroeje;13(2):33-45, ago. 1999. ilus.
Idioma: es.
Resumo: La enfermedad de Cushing, representa para el neurocirujano y el endocrinólogo un reto interesante en su diagnóstico y tratamiento. Se han realizado numerosas investigaciones al respecto, desde que el Doctor Harvey W. Cushing describiera ésta patología como un Sindrome Basofílico en 1932. Los cuatro casos clínicos presentados en este artículo, tienen las características clínicas como hormonales de la clásica Enfermedad de Cushing. Se realizaron pruebas hormonales basales que demostraron, el hipercortisismo, la pérdida del ritmo circadiano de la secreción del cortisol y la supresión parcial con dexametasona en los niveles de cortisol. La región de la Silla Turca fue estudiada por radiografías simples, tomografía axial computarizada y las imágenes por resonancia magnética. Estas últimas demostraron las lesiones tumorales bien delimitadas a nivel de hipofisis. Los tumores fueron resecados pos vía transfrontal con una recuperación adecuada; el análisis histopatológico demostró las características células basófilas sin embargo, en uno de los casos bien documentado, éstas estaban acompañando una mayor cantidad de células nerviosas y fibras nerviosas algunas con aspecto displásico. Algunos tumores que producen esta enfermedad se pueden originar del lóbulo intermedio de la hipofisis.
Descritores: Adenoma
Síndrome de Cushing
Hipofisectomia
Hipófise
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Adolescente
Adulto
Tipo de Publ: Relatos de Casos
Responsável: CR1.1 - BINASSS - Biblioteca Nacional de Salud y Seguridad Social


  4 / 40 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Machado, Hélio Rubens
Texto completo
Id: lil-580291
Autor: Barbosa, Erika Ribeiro; Zymberg, Samuel Tau; Santos, Rodrigo de Paula; Machado, Helio Rubens; Abucham, Julio.
Título: Controle hormonal dos adenomas hipofisários pela cirurgia transesfenoidal: evolução dos resultados nos primeiros cinco anos de experiência / Hormonal control of pituitary adenomas by transsphenoidal surgery: results of the first five years of experience
Fonte: Arq. bras. endocrinol. metab;55(1):16-28, Feb. 2011. graf, tab.
Idioma: pt.
Resumo: OBJETIVO: Avaliar os resultados iniciais de uma equipe cirúrgica no controle hormonal dos adenomas hipofisários secretores. MATERIAIS E MÉTODOS: Em cinco anos, foram operados 51 adenomas secretores (31 GH, 14 ACTH, 5 prolactina, 1 TSH). O controle hormonal foi GH basal < 2,5 ng/dL, cortisol livre urinário normal, redução dos níveis de prolactina, e T3 e T4 livre normais. RESULTADOS: As taxas de controle foram 36 por cento na acromegalia e 57 por cento no Cushing. Dois prolactinomas (40 por cento) normalizaram a prolactina. Os hormônios tiroidianos normalizaram no adenoma secretor de TSH. O controle do hipercortisolismo correlacionou-se com o tempo de experiência da equipe (p = 0,01). CONCLUSÃO: Nossos resultados, limitados aos primeiros anos de experiência cirúrgica, situam-se abaixo da variação reportada em grandes casuísticas com maior tempo de experiência. Ao longo do tempo, observou-se melhora progressiva nos níveis de cortisol urinário no pós-operatório inicial da doença de Cushing em função da experiência cirúrgica.

OBJECTIVE: To evaluate the initial results of a surgical team in the hormonal control of secreting pituitary adenomas. MATERIALS AND METHODS: In five years 51 functioning adenomas were operated (31 GH-secreting, 14 ACTH-secreting, 5 PRL-secreting and 1 TSH-secreting). Hormonal control was defined as GH < 2,5 ng/mL, normal free-urinary cortisol, lower prolactin and normal T3 and FT4. RESULTS: Control rates were 36 percent in acromegaly, and 57 percent in Cushing's disease. Two prolactinomas normalized prolactin levels. Thyroid hormone levels were normalized in the TSH-secreting adenoma. Control of hypercortisolism was positively correlated with years of experience (p = 0.01). CONCLUSION: Our results, although restricted to the beginning of our experience, lie below the reported range of other surgical series with much longer experience. During these years, there was a significant improvement in initial post surgery urinary cortisol levels in Cushing's disease as a function of surgical experience.
Descritores: Hipofisectomia/métodos
Neoplasias Hipofisárias/cirurgia
-Acromegalia/sangue
Síndrome de Cushing/sangue
Síndrome de Cushing/urina
Hormônio do Crescimento Humano
Hidrocortisona/urina
Fator de Crescimento Insulin-Like I
Hormônios Hipofisários/sangue
Neoplasias Hipofisárias/patologia
Neoplasias Hipofisárias
Prolactinoma/sangue
Prolactinoma/cirurgia
Estatísticas não Paramétricas
Fatores de Tempo
Tireotropina/sangue
Limites: Adulto
Idoso
Feminino
Humanos
Masculino
Pessoa de Meia-Idade
Adulto Jovem
Tipo de Publ: Relatos de Casos
Responsável: BR1.1 - BIREME


  5 / 40 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Castro, Margaret de
Moreira, Ayrton Custódio
Machado, Hélio Rubens
Texto completo
Id: lil-544027
Autor: Oliveira, Ricardo Santos de; Castro, Margaret de; Antonini, Sonir Roberto Rauber; Martinelli Júnior, Carlos Eduardo; Moreira, Ayrton Custódio; Machado, Helio Rubens.
Título: Surgical management of pediatric Cushing's disease: an analysis of 15 consecutive cases at a specialized neurosurgical center / Estratégia cirúrgica na doença de Cushing em pacientes pediátricos: análise de 15 casos consecutivos operados em centro neurocirúrgico especializado
Fonte: Arq. bras. endocrinol. metab;54(1):17-23, fev. 2010. tab, ilus.
Idioma: en.
Resumo: OBJECTIVE: The aim of this study was to review the results of surgery for pediatric patients with Cushing's disease who were less than 18 years old and underwent transsphenoidal surgery in a specialized center during a 25-year period. SUBJECTS AND METHODS: Retrospective study, in which the medical records, histology and pituitary imaging of 15 consecutive pediatric patients with Cushing's disease (mean age: 13 years) were evaluated by the same team of endocrinologists and a neurosurgeon from 1982 to 2006. Patients were considered cured when there was clinical adrenal insufficiency and serum cortisol levels were below 1. 8 µg/dL or 50 nmol/L after one, two, three, or seven days following surgery; they therefore required cortisone replacement therapy. Follow-up was for a median time of 11.5 years (range: 2 to 25 years). RESULTS: Clinical and biochemical cure was achieved in 9/15 patients (60 percent) exclusively after transsphenoidal surgery. Hypopituitarism was observed in four patients; growth hormone deficiency, in two; permanent diabetes insipidus, in one case. CONCLUSIONS: Cushing's disease is rare in children and adolescents. Transsphenoidal surgery is an effective and safe treatment in most of these patients. Plasma cortisol level < 1. 8 µg/dL following surgery is the treatment goal and is a good predictive factor for long-term cure of Cushing's disease.

OBJETIVO: O objetivo deste estudo foi avaliar os resultados cirúrgicos em pacientes pediátricos com doença de Cushing com idade inferior a 18 anos, submetidos à cirurgia transfenoidal num centro especializado, durante um período de acompanhamento de 25 anos. SUJEITOS E MÉTODOS: Estudo retrospectivo dos prontuários médicos de 15 pacientes pediátricos com doença de Cushing (idade média de 13 anos), sendo avaliados aspectos clínicos, laboratoriais, histológicos e radiológicos. Todos os pacientes foram avaliados pela mesma equipe de endocrinologistas e operados por um mesmo neurocirurgião, entre 1982 e 2006. O tempo médio de seguimento foi 11,5 anos (2 a 25 anos). Os pacientes foram considerados curados quando houve insuficiência adrenal e níveis de cortisol plasmático inferiores a 1,8 µg/dL ou 50 nmol/L no pós-operatório um, dois, três ou sete dias após a cirurgia; estes pacientes necessitaram de reposição de corticosteroide. RESULTADOS: Cura clínica e bioquímica foi alcançada em 9/15 pacientes (60 por cento) após a cirurgia transfenoidal. Hipopituitarismo foi observado em quatro pacientes; déficit de hormônio de crescimento, em dois; diabetes insípido permanente, em um. CONCLUSÕES: A doença de Cushing é rara na infância e na adolescência. A cirurgia transfenoidal é um tratamento efetivo e seguro para a maioria dos pacientes. Uma concentração de cortisol plasmático < 1,8 µg/dL nos primeiros dias pós-cirurgia transfenoidal é o objetivo do tratamento e um fator preditivo tardio para a cura da doença de Cushing.
Descritores: Adenoma/cirurgia
Hipofisectomia/métodos
Hipersecreção Hipofisária de ACTH/cirurgia
Neoplasias Hipofisárias/cirurgia
-Adenoma/patologia
Insuficiência Adrenal/patologia
Métodos Epidemiológicos
Hidrocortisona/sangue
Neoplasias Hipofisárias/patologia
Valores de Referência
Resultado do Tratamento
Limites: Adolescente
Criança
Feminino
Humanos
Masculino
Responsável: BR1.1 - BIREME


  6 / 40 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Texto completo
Id: lil-521090
Autor: Petry, Carolina; Leães, Carolina Garcia Soares; Pereira-Lima, Julia Fernanda Semmelmann; Gerhardt, Katia D; Sant, Geraldo Druck; Oliveira, Miriam da Costa.
Título: Oronasal complications in patients after transsphenoidal hypophyseal surgery / Complicações oronasais em pacientes pós-abordagem hipofisária via transesfenoidal
Fonte: Braz. j. otorhinolaryngol. (Impr.);75(3):345-349, maio-jun. 2009. tab.
Idioma: en; pt.
Resumo: Transsphenoidal surgery is the most commonly used surgical procedure to handle the hypophyseal region, sometimes associated with oronasal complications. MATERIAL AND METHODS/AIM: To evaluate prospectively (specific questionnaire, clinical evaluation) undiagnosed chronic oronasal complications in patients submitted to conventional transsphenoidal adenomectomy surgery, operated at different neurosurgery services more than 6 months ago. RESULTS: 49 patients were evaluated, 37/45 presented macroadenoma. 28,5 percent were submitted to more than one intervention, 2/5 transsphenoidally. Transsphenoidal approach 92.8 percent through sublabial route. No patient had spontaneous complaint. With the specific questionnaire 63.2 percent presented complaints. One patient presented an oronasal fistula, 1 stenosis of the nasal valve area with external nasal deformity. Rhinoscopy detected alterations in 77.5 percent, nasal endoscopy in 87.7 percent. Septal perforation was present in 10/12 patients with scabs and 2 with purulent secretion. All 4 patients submitted to 2 transsphenoidal approaches presented septal perforation and nasal synechiae. In the endonasal, synechiae (2), alteration in medium meatus (1) and stenosis of the nasal valve area (1) were observed. Only two patients presented normal evaluation. CONCLUSION: A high incidence of nasal complications after conventional transsphenoidal surgery observed through examination and not reported spontaneously point to the need of otorhinolaryngological investigation complemented by nasal endoscopy in patients submitted to procedures through this route.

A cirurgia transesfenoidal é o procedimento cirúrgico mais utilizado para abordagem da região hipofisária, sendo por vezes associada a complicações oronasais. MATERIAL E MÉTODOS/OBJETIVO: Estudo prospectivo, através de questionário específico e avaliação clínica complicações oronasais crônicas não-diagnosticadas, em pacientes submetidos à cirurgia transesfenoidal convencional em diferentes serviços de neurocirurgia há mais de 6 meses. RESULTADOS: 49 pacientes, 37/45 com macroadenoma. 14/49 submetidos a mais de uma intervenção, em 2/5 por via transesfenoidal. Abordagem transesfenoidal 92,8 por cento via sublabial. Nenhum apresentava queixa espontânea. Com o questionário específico, 63,2 por cento apresentaram queixas. Um apresentava fístula oronasal, outro, estenose da área de válvula nasal com deformidade nasal externa. A rinoscopia detectou alterações em 77,5 por cento e a endoscopia nasal em 87,7 por cento. Perfuração septal presente em 10/12 pacientes com crostas e 2 com secreção purulenta. Todos 4 pacientes submetidos a 2 abordagens transesfenoidais apresentaram perfuração do septo e sinéquias nasais. Nos casos com abordagem endonasal observaram-se sinéquias2, alteração em meato médio1 e estenose em área de válvula nasal1. Apenas 2 pacientes apresentaram avaliação normal. CONCLUSÃO: Alta incidência de complicações nasais após abordagem transesfenoidal convencional, observadas (exame) e não referidas espontaneamente indicam a necessidad de investigação otorrinolaringológica complementada com endoscopia nasal sistemática nestes pacientes.
Descritores: Endoscopia/efeitos adversos
Hipofisectomia/efeitos adversos
Doenças Nasais/etiologia
Complicações Pós-Operatórias
Neoplasias Hipofisárias/cirurgia
Seio Esfenoidal/cirurgia
-Doença Crônica
Endoscopia/métodos
Hipofisectomia/métodos
Doenças Nasais/diagnóstico
Estudos Prospectivos
Inquéritos e Questionários
Limites: Adulto
Feminino
Humanos
Masculino
Responsável: BR1.1 - BIREME


  7 / 40 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Texto completo
Id: lil-487167
Autor: Albergaria, Viviane Ferreira; Soares, Carla Márcia; Araújo, Rodolfo de Moraes; Mendonça, Washington Luiz de.
Título: Edema pulmonar por pressão negativa após hipofisectomia transesfenoidal: relato de caso / Negative-pressure pulmonary edema after transsphenoidal hypophysectomy: case report / Edema pulmonar por presión negativa después de la hipofisectomía transesfenoidal: relato de caso
Fonte: Rev. bras. anestesiol;58(4):391-396, jul.-ago. 2008. ilus.
Idioma: en; pt.
Resumo: JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS: O edema pulmonar por pressão negativa (EPPN) é uma complicação incomum que evolui rapidamente após quadro agudo ou crônico de obstrução de vias aéreas. O objetivo deste relato foi apresentar um caso de EPPN após obstrução de vias aéreas superiores em paciente com acromegalia que foi submetido à hipofisectomia transesfenoidal. RELATO DO CASO: Paciente do sexo masculino, 48 anos, 80 kg, estado físico ASA III, portador de tumor de hipófise, hipertensão arterial e acromegalia, foi submetido à hipofisectomia transesfenoidal sob anestesia geral balanceada. O procedimento cirúrgico evoluiu sem intercorrências. A extubação traqueal foi realizada com o paciente em plano anestésico superficial. Evoluiu com esforço ventilatório, retração da parede abdominal, hipoxemia grave (SpO2 30 por cento), inconsciência e disritmia cardíaca (extra-sístole ventricular e bradicardia). A ventilação com pressão positiva sob máscara facial e cânula orofaríngea foi ineficaz. O paciente foi intubado e, nesse momento, havia estertores pulmonares bilaterais com a presença de secreção rósea aerada dentro da cânula traqueal compatível com quadro de EPPN. O paciente foi encaminhado ao CTI, onde permaneceu sob ventilação mecânica por 96 horas. Recebeu alta para a enfermaria no quinto dia pós-operatório sem seqüela neurológica. CONCLUSÃO: O EPPN pode ocorrer no período pós-anestésico imediato de hipofisectomia transesfenoidal. O diagnóstico e tratamento rápidos são essenciais para uma resolução precoce e diminuição da morbidade.

BACKGROUND AND OBJECTIVES: Negative-pressure pulmonary edema (NPPE) is a rare complication that evolves rapidly after acute or chronic obstruction of the airways. The objective of this report was to present a case of NPPE after upper airways obstruction in a patient with acromegaly who underwent transsphenoidal hypophysectomy. CASE REPORT: A 48 years old male patient, weighing 80 kg, physical status ASA III, with a tumor in the hypophysis, hypertension, and acromegaly, underwent transsphenoidal hypophysectomy under general balanced anesthesia. The surgery proceeded without intercurrences. The patient was extubated while in a superficial anesthetic plane. He developed difficulty breathing, retraction of the abdominal wall, severe hypoxemia (SpO2 30 percent), unconsciousness, and cardiac arrhythmia (PVCs and bradycardia). Positive-pressure ventilation with a face mask and oropharyngeal cannula was ineffective. The patient was intubated and, at this moment, there were bilateral pulmonary rales and frothy pinkish secretion inside the tracheal tube, compatible with NPPE. The patient was transferred to the ICU and remained on mechanical ventilation for 96 hours. He was discharged to the regular ward on the 5th postoperative day without neurological sequelae. CONCLUSION: Negative-pressure pulmonary edema may occur in the immediate postoperative period of transsphenoidal hypophysectomy. Immediate diagnosis and treatment are essential for early resolution of the process and to decrease morbidity.

JUSTIFICATIVA Y OBJETIVOS: El edema pulmonar por presión negativa (EPPN) es una complicación poco común que evoluciona rápidamente después de un cuadro agudo o crónico de obstrucción de las vías aéreas. El objetivo de este relato fue presentar un caso de EPPN después de la obstrucción de las vías aéreas superiores en paciente con acromegalia que fue sometido a la hipofisectomía transesfenoidal. RELATO DEL CASO: Paciente del sexo masculino, 48 años, 80 kg, estado físico ASA III, portador de tumor de hipófisis, hipertensión arterial y acromegalia, fue sometido a la hipofisectomía transesfenoidal bajo anestesia general balanceada. El procedimiento quirúrgico evoluciona sin intercurrencias. La extubación traqueal fue realizada con el paciente en plano anestésico superficial. Evoluciona con esfuerzo ventilatorio, retracción de la pared abdominal, hipoxemia grave (SpO2 30 por ciento), inconsciencia y arritmia cardíaca (extrasístolis ventricular y bradicardia). La ventilación con presión positiva bajo máscara facial y cánula orofaríngea fue ineficaz. El paciente fue intubado y en ese momento, había estertores pulmonares bilaterales con la presencia de secreción rósea ventilada dentro de la cánula traqueal compatible con el cuadro de EPPN. El paciente fue llevado al CTI, donde permaneció bajo ventilación mecánica por 96 horas. Recibió alta para enfermaría en el quinto día del postoperatorio sin secuela neurológica. CONCLUSIÓN: El EPPN puede ocurrir en el período postanestésico inmediato de hipofisectomía transesfenoidal. El diagnóstico y tratamiento rápidos son esenciales para una resolución precoz y para la disminución de la morbidez.
Descritores: Anestesia Geral
Edema Pulmonar/complicações
Hipofisectomia
Complicações Pós-Operatórias
Limites: Humanos
Masculino
Pessoa de Meia-Idade
Tipo de Publ: Relatos de Casos
Responsável: BR14.1 - Biblioteca Central


  8 / 40 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Czepielewski, Mauro A
Texto completo
Id: lil-471753
Autor: Czepielewski, Mauro A; Rollin, Guilherme A. F. S; Casagrande, Alessandra; Ferreira, Nelson P.
Título: Criteria of cure and remission in Cushing's disease: an update: [review]
Fonte: Arq. bras. endocrinol. metab;51(8):1362-1372, nov. 2007. ilus, tab.
Idioma: en.
Resumo: We review the clinical and biochemical criteria used for evaluation of the transsphenoidal pituitary surgery results in the treatment of Cushing's disease (CD). Firstly, we discuss the pathophysiology of the hypothalamic-pituitary-adrenal axis in normal subjects and patients with CD. Considering the series published in the last 25 years, we observed a significant variation in the remission or cure criteria, including the choice of biochemical tests, timing, threshold values to define remission, and the interference of glucocorticoid replacement or previous treatment. In this context we emphasize serum cortisol levels obtained early (from hours to 12 days) in the postoperative period without any glucocorticoid replacement or treatment. Our experience demonstrates that: (i) early cortisol < 5 to 7 µg/dl, (ii) a period of glucocorticoid dependence > 6 mo, (iii) absence of response of cortisol/ACTH to CRH or DDAVP, (iv) return of dexamethasone suppression, and circadian rhythm of cortisol are appropriate indices of remission of CD. In patients with undetectable cortisol levels early after surgery, recurrence seems to be low. Finally, although certain biochemical patterns are more suggestive of remission or surgical failure, none has been proven to be completely accurate, with recurrence observed in approximately 10 to 15 percent of the patients in long-term follow-up. We recommended that patients with CD should have long-term monitoring of the CRH-ACTH-cortisol axis and associated co-morbidities, especially hypopituitarism, diabetes mellitus, hypertension, cardiovascular disturbances, and osteoporosis.

Neste artigo, são revisados os principais critérios clínicos e hormonais utilizados para avaliação do tratamento cirúrgico da Doença de Cushing (DC). Inicialmente são comentados aspectos fisiopatológicos que orientam a avaliação hormonal e os principais fatores clínicos, laboratoriais, cirúrgicos e histológicos associados com melhores resultados, observados nas principais séries da literatura e em pacientes acompanhados prospectivamente pelos autores. Foram revisados, também, critérios adotados nas principais séries da literatura, nos últimos 25 anos, chamando-se atenção para as dosagens hormonais, o momento em que foram realizadas, a possibilidade de interferência de tratamentos prévios e da reposição glicocorticóide. À seguir, essas dosagens são discutidas salientando-se a importância do cortisol obtido seqüencialmente no pós-operatório e sem a interferência de reposição glicocorticóide. A experiência prospectiva dos autores, recentemente referendada na literatura, demonstra que valores de cortisol < 5 a 7 µg/dl associados com um período de dependência aos glicocorticóides > 6 meses, ausência de resposta do ACTH/cortisol ao DDAVP e/ou CRH, retorno da supressão à dexametasona e do ritmo circadiano, estão associados com remissão da DC. Em pacientes com cortisol indetectável após cirurgia transesfenoidal, a chance de recidiva parece ser menor do que naqueles em que se observa cortisol detectável. Finalmente, chamamos a atenção para que, mesmo adotando critérios rígidos de avaliação, a recidiva da DC pode ocorrer a longo prazo em até 15 por cento dos casos, recomendando-se, portanto, que esses pacientes sejam acompanhados por tempo indeterminado, com monitorização cuidadosa do eixo CRH-ACTH-cortisol e de suas co-morbidades, especialmente hipopituitarismo, diabete melito, hipertensão arterial, alterações cardiovasculares e osteoporose.
Descritores: Adenoma Hipofisário Secretor de ACT
Adenoma
Hipersecreção Hipofisária de ACTH
Neoplasias Hipofisárias
-Adenoma Hipofisário Secretor de ACT/fisiopatologia
Adenoma Hipofisário Secretor de ACT/cirurgia
Adenoma/fisiopatologia
Adenoma/cirurgia
Hormônio Adrenocorticotrópico/sangue
Hormônio Liberador da Corticotropina/sangue
Hipofisectomia
Hidrocortisona/sangue
Hidrocortisona/urina
Sistema Hipotálamo-Hipofisário/fisiopatologia
Testes de Função Adreno-Hipofisária
Hipersecreção Hipofisária de ACTH/fisiopatologia
Hipersecreção Hipofisária de ACTH/cirurgia
Neoplasias Hipofisárias/fisiopatologia
Neoplasias Hipofisárias/cirurgia
Sistema Hipófise-Suprarrenal/fisiopatologia
Recidiva
Resultado do Tratamento
Limites: Humanos
Tipo de Publ: Revisão
Responsável: BR1.1 - BIREME


  9 / 40 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Czepielewski, Mauro A
Texto completo
Id: lil-471752
Autor: Rollin, Guilherme; Ferreira, Nelson Pires; Czepielewski, Mauro A.
Título: Prospective evaluation of transsphenoidal pituitary surgery in 108 patients with Cushing's disease
Fonte: Arq. bras. endocrinol. metab;51(8):1355-1361, nov. 2007. ilus, tab.
Idioma: en.
Resumo: Transsphenoidal pituitary surgery (TSS) remains the treatment of choice for Cushing's disease (CD). Despite the widespread acceptance of this procedure as the first line treatment in CD, the indication of a second TSS in not cured or relapsed DC patients is not consensus. We report the results of TSS in 108 patients with CD (a total of 117 surgeries). The mean postoperative follow-up period was 6 years. Remission was defined as clinical and laboratorial signs of adrenal insufficiency, period of glucocorticoid dependence, serum cortisol suppression on oral 1-mg dexamethasone overnight suppression test and clinical remission of hypercortisolism. We evaluated 103 patients with CD by the time of the first TSS. Fourteen patients underwent second TSS (5 had already been operated in others centers; in 5 patients the first surgery was not curative; in 4 patients CD relapsed). Remission rates were 85.4 percent and 28.6 percent (p < 0.001) after first and second TSS, respectively. In microadenomas, remission rates were higher than macroadenomas (94.9 percent vs. 73.9 percent; p = 0.006). In patients with negative pituitary imaging remission rates were 71.4 percent (p = 0.003; vs. microadenomas). Postoperative complications were: transient diabetes insipidus, definitive diabetes insipidus, hypopituitarism, stroke and one death. Only hypopituitarism was more frequent after second TSS (p = 0.015). In conclusion, TSS for CD is an effective and safe treatment. The best remission rates were observed at the first surgery and in microadenomas. The low remission rates after a second TSS suggest that this approach could not be a good therapeutic choice when the first one was not curative.

O tratamento de escolha para a doença de Cushing (DC) ainda é a cirurgia transesfenoidal (CTE) para ressecção do adenoma hipofisário produtor de ACTH. Porém, a indicação de uma segunda CTE representa uma questão controversa, tanto nos pacientes não curados após a primeira cirurgia quanto nos casos de recidiva. Neste trabalho, relatamos os resultados da CTE em 108 pacientes com DC (totalizando 117 cirurgias). O tempo médio de seguimento foi de 6 anos. Critérios de cura: ocorrência de insuficiência adrenal (clínica ou laboratorial), período de dependência ao glicocorticóide, supressão do cortisol sérico pós-1 mg de dexametasona overnight e remissão clínica do hipercortisolismo. Foram avaliados 103 pacientes com DC submetidos à primeira CTE. Quatorze pacientes foram submetidos a uma segunda CTE (5 já tinham sido operados em outros centros; a primeira cirurgia não fora curativa em 5; 4 pacientes com recidiva da DC). Índices de cura: 85,4 por cento e 28,6 por cento (p < 0,001) após a primeira e segunda CTE, respectivamente. Nos microadenomas, remissão maior que nos macroadenomas (94,9 por cento vs. 73,9 por cento; p = 0,006). Nos pacientes com imagem hipofisária negativa, cura foi de 71,4 por cento (p = 0,003; vs. micro). Complicações pós-operatórias: diabetes insipidus transitório e definitivo, hipopituitarismo, acidente vascular cerebral e um óbito. Apenas a ocorrência de hipopituitarismo foi mais freqüente após a segunda CTE (p = 0,015). Assim sendo, a CTE para a DC representa uma terapêutica efetiva e segura. Os melhores índices de cura foram obtidos na primeira cirurgia e em microadenomas. O baixo índice de cura após a segunda CTE sugere que esta abordagem não deve ser considerada uma boa opção terapêutica quando a primeira cirurgia não for curativa.
Descritores: Adenoma Hipofisário Secretor de ACT/cirurgia
Adenoma/cirurgia
Hipofisectomia/normas
Hipersecreção Hipofisária de ACTH/cirurgia
Neoplasias Hipofisárias/cirurgia
Seio Esfenoidal/cirurgia
-Adenoma Hipofisário Secretor de ACT/patologia
Adenoma/patologia
Seguimentos
Hipofisectomia/métodos
Neoplasias Hipofisárias/patologia
Complicações Pós-Operatórias/diagnóstico
Recidiva
Indução de Remissão
Reoperação
Resultado do Tratamento
Limites: Adolescente
Adulto
Idoso
Criança
Feminino
Humanos
Masculino
Pessoa de Meia-Idade
Tipo de Publ: Estudo de Avaliação
Responsável: BR1.1 - BIREME


  10 / 40 LILACS  
              first record previous record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-433298
Autor: Rocha Filho, Pedro A. S; Galvão, Antonio Cezar R; Teixeira, Manoel J; Rabello, Getulio D; Fortini, Ida; Calderaro, Marcelo; Carrocini, Dalva.
Título: SUNCT syndrome associated with pituitary tumor: case report
Fonte: Arq. neuropsiquiatr;64(2b):507-510, jun. 2006. ilus, tab.
Idioma: en.
Resumo: O paciente relatado neste artigo apresentou uma condição clínica compatível com síndrome SUNCT (cefaléia de curta duração, unilateral, neuralgiforme com hiperemia conjuntival e lacrimejamento). Ele referia dor diária, intensa, em facada, localizada na região pré-auricular e temporal esquerdas. Cada ataque de dor permanecia por cerca de um minuto, com freqüência de duas a oito vezes por dia. A dor se acompanhava de lacrimejamento ipsolateral, congestão conjuntival e rinorréia. A RM mostrou um tumor de hipófise com pouca extensão suprasselar. Dosagens de prolactina, GH, TSH e ACTH estavam em níveis normais. Foi então submetido a hipofisectomia transesfenoidal com remoção completa do tumor após o que a dor cessou completamente. O diagnóstico anátomo-patológico foi adenoma não secretor. Quatorze meses após a cirurgia, o paciente permanecia livre de dor.
Descritores: Adenoma/complicações
Neoplasias Hipofisárias/complicações
Síndrome SUNCT/etiologia
-Adenoma/diagnóstico
Adenoma/cirurgia
Hipofisectomia
Imagem por Ressonância Magnética
Neoplasias Hipofisárias/diagnóstico
Neoplasias Hipofisárias/cirurgia
Resultado do Tratamento
Limites: Adulto
Humanos
Masculino
Tipo de Publ: Relatos de Casos
Responsável: BR1.1 - BIREME



página 1 de 4 ir para página            
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde