Base de dados : LILACS
Pesquisa : E05.318.308.980.485.350 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 437 [refinar]
Mostrando: 1 .. 10   no formato [Detalhado]

página 1 de 44 ir para página                         

  1 / 437 LILACS  
              next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-1289987
Autor: Motta, Virginia Williane de Lima; Lima, Severina Carla Vieira Cunha; Marchioni, Dirce Maria Lobo; Lyra, Clélia de Oliveira.
Título: Food frequency questionnaire for adults in the Brazilian Northeast region: emphasis on the level of food processing / Questionário de frequência alimentar para adultos da região Nordeste: ênfase no nível de processamento dos alimentos
Fonte: Rev. saúde pública (Online);55:51, 2021. tab, graf.
Idioma: en.
Projeto: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - Brasil.
Resumo: ABSTRACT OBJECTIVE To develop a quantitative Food Frequency Questionnaire (FFQ) for adults in the Northeast region of Brazil, in order to identify the frequency of consumption of foods considered to be of protection and risk for chronic non-communicable diseases (NCDs), grouping food items by processing level. METHODS To develop the FFQ, data from 7,516 adults from Northeastern Brazil were used, extracted from the 2008-2009 Household Budget Survey. The food lists were elaborated according to the methodology of the relative contribution of each item, identifying foods with the highest relative contribution for macronutrients, fiber, saturated fat, trans fat, sodium and potassium. All foods whose contribution sum was up to 90% composed such lists. The final structure of the FFQ organized the food items in order to respect the mental image of the meals. RESULT The FFQ resulted in 83 food items, distributed in minimally processed, processed and ultra-processed. We chose the previous year as the time to estimate food consumption, and frequency options ranged from "never" to "10 times". The instrument includes guidelines for filling and collects data on serving sizes (small, medium, large and extra-large), as well as additional information on culinary preparations. There was a high percentage of people who were overweight (44.1%). CONCLUSION The study culminated in an FFQ to identify the frequency of consumption of foods considered protective and risk for NCDs. The instrument can support epidemiological studies that evaluate outcomes related to the diet of adults considering the level of food processing, in accordance with the Guia alimentar para a população brasileira .

RESUMO OBJETIVO Desenvolver um Questionário de Frequência Alimentar (QFA) quantitativo para adultos da região Nordeste do Brasil, com o fim de identificar a frequência de consumo de alimentos considerados de proteção e risco para doenças crônicas não transmissíveis (DCNT), agrupando os itens alimentares por nível de processamento. MÉTODOS Para desenvolver o QFA foram utilizados dados de 7.516 adultos do Nordeste do Brasil, extraídos da Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009. As listas de alimentos foram elaboradas segundo a metodologia da contribuição relativa do item, nas quais foram identificados os itens alimentares com maior contribuição relativa para macronutrientes, fibra, gordura saturada, gordura trans, sódio e potássio. Tais listas foram compostas de todos os alimentos cujo somatório de contribuição foi de até 90%. Na estrutura final do QFA, os itens alimentares foram organizados de modo a respeitar a imagem mental das refeições. RESULTADOS O QFA resultou em 83 itens alimentares, distribuídos em minimamente processados, processados e ultraprocessados. O ano anterior foi escolhido como tempo para estimar o consumo dos alimentos, e as opções de frequência variaram de "nunca" até "10 vezes". O instrumento inclui orientações para preenchimento e colhe dados sobre o tamanho das porções (pequena, média, grande e extragrande), bem como informações complementares sobre as preparações culinárias. Registrou-se um percentual elevado de pessoas com excesso de peso (44,1%). CONCLUSÃO O estudo culminou em um QFA para identificar a frequência de consumo de alimentos considerados de proteção e risco para DCNT. O instrumento pode subsidiar estudos epidemiológicos que avaliem desfechos relacionados à dieta de adultos considerando o nível de processamento de alimentos, em consonância com o Guia alimentar para a população brasileira .
Descritores: Dieta
Fast Foods
-Brasil
Ingestão de Energia
Inquéritos sobre Dietas
Manipulação de Alimentos
Limites: Humanos
Adulto
Responsável: BR1.1 - BIREME


  2 / 437 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-962112
Autor: Coelho, Natália de Lima Pereira; Cunha, Diana Barbosa; Esteves, Ana Paula Pereira; Lacerda, Elisa Maria de Aquino; Theme Filha, Mariza Miranda.
Título: Dietary patterns in pregnancy and birth weight / Padrão de consumo alimentar gestacional e peso ao nascer
Fonte: Rev. saúde pública (Online);49:62, 2015. tab.
Idioma: en.
Projeto: Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico.
Resumo: OBJECTIVE To analyze if dietary patterns during the third gestational trimester are associated with birth weight.METHODS Longitudinal study conducted in the cities of Petropolis and Queimados, Rio de Janeiro (RJ), Southeastern Brazil, between 2007 and 2008. We analyzed data from the first and second follow-up wave of a prospective cohort. Food consumption of 1,298 pregnant women was assessed using a semi-quantitative questionnaire about food frequency. Dietary patterns were obtained by exploratory factor analysis, using the Varimax rotation method. We also applied the multivariate linear regression model to estimate the association between food consumption patterns and birth weight.RESULTS Four patterns of consumption - which explain 36.4% of the variability - were identified and divided as follows: (1) prudent pattern (milk, yogurt, cheese, fruit and fresh-fruit juice, cracker, and chicken/beef/fish/liver), which explained 14.9% of the consumption; (2) traditional pattern, consisting of beans, rice, vegetables, breads, butter/margarine and sugar, which explained 8.8% of the variation in consumption; (3) Western pattern (potato/cassava/yams, macaroni, flour/farofa/grits, pizza/hamburger/deep fried pastries, soft drinks/cool drinks and pork/sausages/egg), which accounts for 6.9% of the variance; and (4) snack pattern (sandwich cookie, salty snacks, chocolate, and chocolate drink mix), which explains 5.7% of the consumption variability. The snack dietary pattern was positively associated with birth weight (β = 56.64; p = 0.04) in pregnant adolescents.CONCLUSIONS For pregnant adolescents, the greater the adherence to snack pattern during pregnancy, the greater the baby's birth weight.

OBJETIVO Analisar se padrões de consumo alimentar durante o terceiro trimestre gestacional estão associados ao peso ao nascer.MÉTODOS Estudo longitudinal realizado nos municípios de Petrópolis e Queimados, RJ, entre 2007 e 2008. Foram analisados dados da primeira e segunda onda de seguimento de uma coorte prospectiva. O consumo alimentar de 1.298 gestantes foi aferido por meio de questionário de frequência alimentar semiquantitativo. Os padrões alimentares foram obtidos por análise fatorial exploratória, utilizando o método de rotação Varimax. Aplicou-se modelo de regressão linear multivariado para estimar a associação entre padrões de consumo alimentar e peso ao nascer.RESULTADOS Foram identificados quatro padrões de consumo, que explicam 36,4% da variabilidade, compostos da seguinte forma: (1) padrão prudente, composto por leite, iogurte, queijo, frutas e suco natural, biscoito sem recheio e carne de frango/boi/peixe/fígado, que explica 14,9% do consumo; (2) padrão tradicional, composto por feijão, arroz, vegetais, pães, manteiga/margarina e açúcar, que explica 8,8% da variação do consumo; (3) padrão ocidental, composto por batata/aipim/inhame, macarrão, farinha/farofa/angu, pizza/hambúrguer/pastel, refrigerante/refresco e carne de porco/salsicha/linguiça/ovo, que explica 6,9% da variância; e (4) padrão lanche, composto por biscoito recheado, biscoitos tipo salgadinhos, chocolate e achocolatado, que explica 5,7% da variabilidade de consumo. O padrão alimentar lanche associou-se positivamente com o peso ao nascer (β = 56,64; p = 0,04) em gestantes adolescentes.CONCLUSÕES Para as gestantes adolescentes, quanto maior a adesão ao padrão alimentar lanche durante a gestação, maior o peso ao nascer do bebê.
Descritores: Trimestres da Gravidez
Peso ao Nascer/fisiologia
Fenômenos Fisiológicos da Nutrição Materna
Comportamento Alimentar/fisiologia
-Fatores Socioeconômicos
Brasil
Inquéritos sobre Dietas
Estudos Longitudinais
Limites: Humanos
Feminino
Gravidez
Recém-Nascido
Adolescente
Tipo de Publ: Research Support, Non-U.S. Gov't
Responsável: BR1.1 - BIREME


  3 / 437 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Monteiro, Carlos Augusto
Texto completo
Id: biblio-962109
Autor: Louzada, Maria Laura da Costa; Martins, Ana Paula Bortoletto; Canella, Daniela Silva; Baraldi, Larissa Galastri; Levy, Renata Bertazzi; Claro, Rafael Moreira; Moubarac, Jean-Claude; Cannon, Geoffrey; Monteiro, Carlos Augusto.
Título: Ultra-processed foods and the nutritional dietary profile in Brazil / Alimentos ultraprocessados e perfil nutricional da dieta no Brasil
Fonte: Rev. saúde pública (Online);49:38, 2015. tab.
Idioma: en.
Projeto: Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo.
Resumo: OBJECTIVE To assess the impact of consuming ultra-processed foods on the nutritional dietary profile in Brazil.METHODS Cross-sectional study conducted with data from the module on individual food consumption from the 2008-2009 Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF - Brazilian Family Budgets Survey). The sample, which represented the section of the Brazilian population aged 10 years or over, involved 32,898 individuals. Food consumption was evaluated by two 24-hour food records. The consumed food items were classified into three groups: natural or minimally processed, including culinary preparations with these foods used as a base; processed; and ultra-processed.RESULTS The average daily energy consumption per capita was 1,866 kcal, with 69.5% being provided by natural or minimally processed foods, 9.0% by processed foods and 21.5% by ultra-processed food. The nutritional profile of the fraction of ultra-processed food consumption showed higher energy density, higher overall fat content, higher saturated and trans fat, higher levels of free sugar and less fiber, protein, sodium and potassium, when compared to the fraction of consumption related to natural or minimally processed foods. Ultra-processed foods presented generally unfavorable characteristics when compared to processed foods. Greater inclusion of ultra-processed foods in the diet resulted in a general deterioration in the dietary nutritional profile. The indicators of the nutritional dietary profile of Brazilians who consumed less ultra-processed foods, with the exception of sodium, are the stratum of the population closer to international recommendations for a healthy diet.CONCLUSIONS The results from this study highlight the damage to health that is arising based on the observed trend in Brazil of replacing traditional meals, based on natural or minimally processed foods, with ultra-processed foods. These results also support the recommendation of avoiding the consumption of these kinds of foods.

OBJETIVO Avaliar o impacto do consumo de alimentos ultraprocessados sobre o perfil nutricional da dieta.MÉTODOS Estudo transversal com dados obtidos do módulo sobre consumo alimentar de indivíduos da Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009. A amostra, representativa da população brasileira de 10 ou mais anos de idade, envolveu 32.898 indivíduos. O consumo alimentar foi avaliado por meio de dois registros alimentares de 24h. Os alimentos consumidos foram classificados em três grupos: in natura ou minimamente processados, incluindo preparações culinárias à base desses alimentos; processados; e ultraprocessados.RESULTADOS O consumo médio diário de energia per capita foi de 1.866 kcal, sendo 69,5% proveniente de alimentos: in natura ou minimamente processados, 9,0% de alimentos processados e 21,5% de alimentos ultraprocessados. O perfil nutricional da fração do consumo relativo a alimentos ultraprocessados mostrou maior densidade energética, maior teor de gorduras em geral, de gordura saturada, de gordura trans e de açúcar livre e menor teor de fibras, de proteínas, de sódio e de potássio, quando comparado à fração do consumo relativa a alimentosin natura ou minimamente processados. Alimentos ultraprocessados apresentaram, no geral, características desfavoráveis quando comparados aos alimentos processados. Maior participação de alimentos ultraprocessados na dieta determinou generalizada deterioração no perfil nutricional da alimentação. Os indicadores do perfil nutricional da dieta dos brasileiros que menos consumiram alimentos ultraprocessados, com exceção do sódio, aproximam este estrato da população das recomendações internacionais para uma alimentação saudável.CONCLUSÕES Os resultados indicam prejuízos à saúde decorrentes da tendência observada no Brasil de substituir refeições tradicionais baseadas em alimentosin naturaou minimamente processados por alimentos ultraprocessados e apoiam a recomendação para ser evitado o consumo desses alimentos.
Descritores: Ingestão de Energia
Comportamento Alimentar
Manipulação de Alimentos/classificação
-Brasil
Avaliação Nutricional
Inquéritos sobre Dietas
Estado Nutricional
Estudos Transversais
Renda
Limites: Humanos
Criança
Tipo de Publ: Research Support, Non-U.S. Gov't
Responsável: BR1.1 - BIREME


  4 / 437 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-962184
Autor: Soldateli, Betina; Vigo, Alvaro; Giugliani, Elsa Regina Justo.
Título: Adherence to dietary recommendations for preschoolers: clinical trial with teenage mothers / Adesão a recomendações alimentares em pré-escolares: ensaio clínico com mães adolescentes
Fonte: Rev. saúde pública (Online);50:83, 2016. tab, graf.
Idioma: en.
Projeto: Hospital de Clínicas of Porto Alegre.
Resumo: ABSTRACT OBJECTIVE To assess the effect of educational dietary intervention offered in the child's first year of life, as well as teenage mothers and grandmothers in carrying out the dietary recommendations at four to seven years. METHODS Randomized clinical trial initiated in 2006, in Porto Alegre, RS, involving 323 teenage mothers and grandmothers who cohabited. The intervention consisted of six counseling sessions on breastfeeding and healthy complementary feeding. The first session occurred in the maternity ward and the other ones in the households of mothers at seven, 15, 30, 60, and 120 days of the child's life. The information about the child's diet were obtained on a monthly basis in the first six months, every two months in the second half-year, and at four to seven years, using a food frequency questionnaire. To assess the adequacy of food consumption to the recommendations from the Ministry of Health, we elaborated a score system that would reflect the compliance with the Ten Steps for Healthy Toddlers from 2 to 10 Years. The average scores of intervention and control groups were compared using the t-test. RESULTS Low adherence to recommendations on child nutrition was found in the study population, with no difference in implementation the steps between the groups. The score on the compliance with the steps was similar in both groups (9.6 [SD = 1.63] and 9.3 [SD = 1.60] in the intervention and control groups, respectively) and no influence of the cohabitation with the grandmother was found. CONCLUSIONS Educational dietary intervention in the first four months of the child's life for teenage mothers and grandmothers had no effect on the compliance with the recommendations at four to seven years of the child's life.

RESUMO OBJETIVO Avaliar o efeito de intervenção alimentar educativa oferecida, no primeiro ano de vida da criança, a mães adolescentes e avós maternas, no cumprimento das recomendações alimentares aos quatro a sete anos. MÉTODOS Ensaio clínico randomizado iniciado em 2006, em Porto Alegre, RS, envolvendo 323 mães adolescentes e avós maternas, quando em coabitação. A intervenção consistiu em seis sessões de aconselhamento sobre aleitamento materno e alimentação complementar saudável. A primeira sessão ocorreu na maternidade e as demais, nos domicílios das mães aos sete, 15, 30, 60 e 120 dias de vida da criança. As informações sobre alimentação da criança foram obtidas mensalmente nos primeiros seis meses de vida, a cada dois meses no segundo semestre, e aos quatro a sete anos, por meio de questionário de frequência alimentar. Para avaliar a adequação do consumo alimentar às recomendações do Ministério da Saúde, elaborou-se um sistema de escore que refletisse o cumprimento dos Dez Passos Para Uma Alimentação Saudável Para Crianças de 2 a 10 Anos. As médias dos escores dos grupos intervenção e controle foram comparadas por meio do teste t. RESULTADOS Houve baixa adesão às recomendações sobre alimentação infantil na população estudada, sem diferença no cumprimento dos passos entre os grupos. O escore relativo ao cumprimento dos passos foi semelhante nos dois grupos (9,6 [DP = 1,63] e 9,3 [DP = 1,60] nos grupos intervenção e controle, respectivamente) e não houve influência da coabitação com a avó materna. CONCLUSÕES Intervenção alimentar educativa nos primeiros quatro meses de vida da criança para mães adolescentes e avós maternas não teve efeito no cumprimento das recomendações alimentares aos quatro a sete anos de vida.
Descritores: Dieta/normas
Recomendações Nutricionais
-Fatores Socioeconômicos
Brasil
Inquéritos sobre Dietas
Inquéritos e Questionários
Comportamento Alimentar
Avós
Mães
Limites: Humanos
Feminino
Pré-Escolar
Criança
Adolescente
Adulto Jovem
Tipo de Publ: Ensaio Clínico Controlado Aleatório
Responsável: BR1.1 - BIREME


  5 / 437 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Sichieri, Rosely
Texto completo
Id: biblio-903211
Autor: Monteiro, Luana Silva; Hassan, Bruna Kulik; Estima, Camilla Chermont Prochnik; Souza, Amanda de Moura; Verly Junior, Eliseu; Sichieri, Rosely; Pereira, Rosangela Alves.
Título: Food Consumption According to the Days of the Week - National Food Survey, 2008-2009 / Consumo alimentar segundo os dias da semana - Inquérito Nacional de Alimentação, 2008-2009
Fonte: Rev. saúde pública (Online);51:93, 2017. tab, graf.
Idioma: en.
Projeto: Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico.
Resumo: ABSTRACT OBJECTIVE Evaluate the variations in energy, nutrients, and food groups intake between days of the week and weekend days in the Brazilian population. METHODS We used data from the first National Food Survey (2008-2009) of a one-day food log of a representative sample of the Brazilian population aged 10 years or older (n = 34,003). For the analyses, we considered the sample weights and the effect of the study design. The mean (and standard deviations) and frequencies (%) of energy, nutrients, and food groups consumption were estimated for weekdays (Monday to Friday) and weekend (Saturday and Sunday), we then estimated the differences according to the days of the week for the population strata analyzed. RESULTS The average daily energy intake for the weekend was 8% higher than the one observed for weekdays. The average percentage contribution of carbohydrate to the daily energy intake was higher during the week compared to Saturday and Sunday (56.3% versus 54.1%, p < 0.01). The inverse was observed for averages of the contribution to the daily intake of energy from total fat (26.8% versus 28.4%), saturated fat (9.1% versus 9.9%) and trans fat (1.4% versus 1.6%). The most significant changes between weekdays and weekend days were observed for eggs, sugar-added beverages, puff snacks and chips, beans, and pasta. During weekends, the frequency of beverage with added sugar consumption increased by 34%, the amount consumed increased by 42%, and the contribution to energy intake increased by 62% when compared to weekdays. CONCLUSIONS The Brazilian population increases energy intake and unhealthy food markers on weekends compared to weekdays.

RESUMO OBJETIVO Avaliar as variações na ingestão de energia, nutrientes e grupos de alimentos entre dias da semana e dias de fim de semana na população brasileira. MÉTODOS Foram utilizados dados obtidos no primeiro Inquérito Nacional de Alimentação (2008-2009) de um dia de registro alimentar de amostra representativa da população brasileira com 10 ou mais anos de idade (n = 34.003). Para as análises, foram considerados os pesos amostrais e o efeito do desenho de estudo. Foram estimadas as médias (e desvios-padrões) e frequências (%) da ingestão de energia, nutrientes e grupos de alimentos para dias de semana (de segunda a sexta-feira) e de final de semana (sábado e domingo), sendo estimadas as diferenças segundo os dias da semana para os estratos populacionais analisados. RESULTADOS A ingestão diária média de energia do fim de semana foi 8% maior que a observada para dias de semana. A contribuição percentual média de carboidrato para a ingestão diária de energia foi maior durante a semana em comparação com sábado e domingo (56,3% versus 54,1%; p < 0,01). O inverso foi observado para as médias da contribuição para a ingestão diária de energia de gordura total (26,8% versus 28,4%), gordura saturada (9,1% versus 9,9%) e gordura trans (1,4% versus 1,6%). As mudanças mais importantes entre os dias de semana e de fim de semana foram observadas para ovos, bebidas com adição de açúcar, salgadinhos e chips, feijão e massas. Nos finais de semana, a frequência de consumo de bebidas com adição de açúcar aumentou em 34%, a quantidade consumida sofreu incremento de 42% e a contribuição para a ingestão de energia se elevou em 62%, quando comparados aos dias de semana. CONCLUSÕES A população brasileira aumenta a ingestão de energia e de marcadores de alimentação pouco saudável nos finais de semana em comparação aos dias de semana.
Descritores: Ingestão de Energia
Inquéritos sobre Dietas/estatística & dados numéricos
Comportamento Alimentar
Alimentos/estatística & dados numéricos
-Periodicidade
Valores de Referência
Fatores Socioeconômicos
Fatores de Tempo
Brasil
Registros de Dieta
Fatores Sexuais
Fatores Etários
Distribuição por Sexo
Distribuição por Idade
Pessoa de Meia-Idade
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Criança
Adolescente
Adulto
Adulto Jovem
Responsável: BR1.1 - BIREME


  6 / 437 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo SciELO Saúde Pública
Texto completo
Texto completo
Id: biblio-903463
Autor: Canella, Daniela Silva; Louzada, Maria Laura da Costa; Claro, Rafael Moreira; Costa, Janaina Calu; Bandoni, Daniel Henrique; Levy, Renata Bertazzi; Martins, Ana Paula Bortoletto.
Título: Consumption of vegetables and their relation with ultra-processed foods in Brazil / Consumo de hortaliças e sua relação com os alimentos ultraprocessados no Brasil
Fonte: Rev. saúde pública (Online);52:50, 2018. tab, graf.
Idioma: en.
Projeto: National Council for Scientific and Technological Development (CNPq).
Resumo: ABSTRACT OBJECTIVE To characterize the household purchase and the individual consumption of vegetables in Brazil and to analyze their relation with the consumption of ultra-processed foods. METHODS We have used data on the purchase of food for household consumption and individual consumption from the 2008-2009 Brazilian Household Budget Survey. The Brazilian Household Budget Survey studied the purchase of food of 55,970 households and the food consumption of 34,003 individuals aged 10 years and over. The foods of interest in this study were vegetables (excluding roots and tubers) and ultra-processed foods. We have described the amount of vegetables (grams) purchased and consumed by all Brazilians and according to the quintiles of caloric intake of ultra-processed food. To this end, we have calculated the crude and predicted values obtained by regression models adjusted for sociodemographic variables. We have analyzed the most commonly purchased types of vegetables (% in the total amount) and, in relation to individual food consumption, the variety of vegetables consumed (absolute number), the participation (%) of the types of culinary preparations based on vegetables, and the time of consumption. RESULTS The adjusted mean household purchase of vegetables was 42.9 g/per capita/day. The adjusted mean individual consumption was 46.1 g. There was an inverse relation between household purchase and individual consumption of vegetables and ultra-processed foods. Ten types of vegetables account for more than 80% of the total amount usually purchased. The variety consumed was, on average, 1.08 type/per capita/day. Approximately 60% of the vegetables were eaten raw, and the amount consumed at lunch was twice that consumed at dinner; individuals with higher consumption of ultra-processed foods tended to consume even less vegetables at dinner. CONCLUSIONS The consumption of vegetables in Brazil is insufficient, and this is worse among individuals with higher consumption of ultra-processed foods. The most frequent habit was to consume raw vegetables at lunch and with limited variety.

RESUMO OBJETIVO Caracterizar a aquisição domiciliar e o consumo alimentar individual de hortaliças no Brasil e analisar sua relação com o consumo de alimentos ultraprocessados. MÉTODOS Foram utilizados dados de aquisição de alimentos para consumo no domicílio e de consumo alimentar individual da Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009. A Pesquisa de Orçamentos Familiares estudou a aquisição de alimentos de 55.970 domicílios e o consumo alimentar de 34.003 indivíduos com 10 anos ou mais de idade. Os alimentos de interesse neste estudo foram as hortaliças (excluindo raízes e tubérculos) e os alimentos ultraprocessados. A quantidade de hortaliças (gramas) adquiridas e consumidas foi descrita para o conjunto dos brasileiros e segundo quintos da participação calórica de alimentos ultraprocessados na alimentação. Para tanto, foram calculados os valores brutos e preditos, obtidos por modelos de regressão ajustados por variáveis sociodemográficas. Analisaram-se os tipos mais adquiridos de hortaliças (% na quantidade total) e, em relação ao consumo alimentar individual, a variedade de hortaliças consumidas (número absoluto), a participação (%) dos tipos de preparação culinária à base de hortaliças e os horários de consumo. RESULTADOS A aquisição domiciliar média ajustada de hortaliças foi 42,9 g/per capita/dia. O consumo individual médio ajustado foi 46,1 g. Verificou-se relação inversa entre aquisição domiciliar e consumo individual de hortaliças e de alimentos ultraprocessados. Dez tipos de hortaliças respondem por mais de 80% da quantidade total habitualmente adquirida. A variedade consumida foi, em média, 1,08 tipo/per capita/dia. Cerca de 60% das hortaliças foram consumidas cruas, sendo a quantidade consumida no almoço duas vezes maior que aquela do jantar e indivíduos com maior consumo de alimentos ultraprocessados tenderam a consumir quantidade ainda menor de hortaliças no jantar. CONCLUSÕES O consumo de hortaliças no Brasil é insuficiente, sendo pior entre indivíduos com maior consumo de alimentos ultraprocessados. O hábito mais frequente foi consumir hortaliças cruas, no almoço e com limitada variedade.
Descritores: Verduras/classificação
Verduras/economia
Fast Foods/economia
Manipulação de Alimentos/estatística & dados numéricos
-Brasil
Ingestão de Energia
Características de Residência
Inquéritos sobre Dietas
Comportamento Alimentar
Manipulação de Alimentos/economia
Renda
Pessoa de Meia-Idade
Valor Nutritivo
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Criança
Adolescente
Adulto
Adulto Jovem
Responsável: BR1.1 - BIREME


  7 / 437 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo SciELO Saúde Pública
Canesqui, Ana Maria
Barros, Marilisa Berti de Azevedo
Texto completo
Texto completo
Id: biblio-903479
Autor: Assumpção, Daniela de; Senicato, Caroline; Fisberg, Regina Mara; Canesqui, Ana Maria; Barros, Marilisa Berti de Azevedo.
Título: Are there differences in the quality of the diet of working and stay-at-home women? / Há diferenças na qualidade da dieta de trabalhadoras remuneradas e donas de casa?
Fonte: Rev. saúde pública (Online);52:47, 2018. tab.
Idioma: en.
Projeto: National Council for Scientific and Technological Development (CNPq); . Ministry of Health and Department of Health of Campinas; . Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP).
Resumo: ABSTRACT OBJECTIVE To verify whether there is an association between the quality of the diet and the inclusion of women in the labor market and whether the education level would modify this association. We have analyzed the differences according to education level and evaluated whether the insertion or not in the market modifies the association between the quality of the diet and education level. METHODS This is a cross-sectional population-based study that has used data from the Campinas Health Survey (2008 ISACamp). We have evaluated the diet of 464 women, aged 18 to 64 years, using the Brazilian Healthy Eating Index - Revised. We have estimated the means of the total score and index components using simple and multiple linear regression. RESULTS We have observed no difference in the quality of diet of working and stay-at-home women. The analysis stratified by education level showed a lower intake of fruits among stay-at-home women in the segment of lower education level, in relation to working women. Among all women, a lower education level was associated with lower overall quality of the diet, higher intake of sodium, and lower intake of fruits, vegetables, whole grains, milk, and saturated fat. On the other hand, the inclusion in the labor market changed the effect of the education level on the quality of the diet. In the stay-at-home stratum, a low education level was associated with poorer quality of the diet and lower consumption of fruits, dark green and orange vegetables, and whole grains. Among the working women, a low education level was associated with higher intake of sodium and lower intake of vegetables, whole grains, and milk and dairy products. CONCLUSIONS The results show inequities in the profile of food in relation to education level and inclusion in the labor market, which shows the relevance of public policies that increase the access to education and provide guidance on a healthy diet.

RESUMO OBJETIVO Verificar se existe associação entre qualidade da dieta e inserção das mulheres no mercado de trabalho e se o nível de escolaridade modificaria essa associação; analisar as diferenças segundo escolaridade; e avaliar se a inserção ou não no mercado modifica a associação entre qualidade da dieta e escolaridade. MÉTODOS Trata-se de estudo transversal de base populacional, que utilizou dados do Inquérito de Saúde de Campinas (ISACamp 2008). A alimentação de 464 mulheres, de 18 a 64 anos, foi avaliada por meio do Índice de Qualidade da Dieta Revisado. Foram estimadas as médias do escore total e dos componentes do índice com o uso de regressão linear simples e múltipla. RESULTADOS Nenhuma diferença foi observada entre qualidade da dieta de donas de casa e trabalhadoras remuneradas. A análise estratificada por escolaridade mostrou menor ingestão de frutas entre as donas de casa no segmento de pior escolaridade, em comparação às trabalhadoras remuneradas. Entre as mulheres, a menor escolaridade esteve associada à pior qualidade global da dieta e à maior ingestão de sódio e menor ingestão de frutas, vegetais, grãos integrais, leite e gordura saturada. Em contraste, a inserção no mercado de trabalho modificou o efeito da escolaridade sobre a qualidade da dieta. No estrato de donas de casa, a baixa escolaridade foi associada à pior qualidade da dieta e ao menor consumo de frutas, vegetais verde-escuros e alaranjados e grãos integrais. Entre as trabalhadoras remuneradas, a baixa escolaridade mostrou-se associada à ingestão maior de sódio e menor de vegetais, cereais integrais e leite e laticínios. CONCLUSÕES Os resultados expõem iniquidades no perfil alimentar em relação à escolaridade e à inserção no mercado de trabalho, sinalizando a relevância de políticas públicas que ampliem o acesso à educação e à orientação sobre dieta saudável.
Descritores: Mulheres Trabalhadoras
Ingestão de Energia
Inquéritos sobre Dietas/estatística & dados numéricos
Cônjuges
Comportamento Alimentar
Dieta Saudável/normas
-Fatores Socioeconômicos
Verduras
Brasil
Avaliação Nutricional
Estudos Transversais
Local de Trabalho
Laticínios
Frutas
Pessoa de Meia-Idade
Limites: Humanos
Feminino
Adolescente
Adulto
Adulto Jovem
Tipo de Publ: Estudo Comparativo
Responsável: BR1.1 - BIREME


  8 / 437 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo SciELO Saúde Pública
Texto completo
Texto completo
Id: biblio-903453
Autor: Crivellenti, Lívia Castro; Zuccolotto, Daniela Cristina Candelas; Sartorelli, Daniela Saes.
Título: Development of a Diet Quality Index Adapted for Pregnant Women / Desenvolvimento de um Índice de Qualidade da Dieta Adaptado para Gestantes
Fonte: Rev. saúde pública (Online);52:59, 2018. tab.
Idioma: en.
Projeto: National Council for Scientific and Technological Development (CNPq).
Resumo: ABSTRACT OBJECTIVE: To develop a Diet Quality Index Adapted for Pregnant Women (IQDAG) and to evaluate its relation with the characteristics of women treated at the Brazilian Unified Health System. METHODS: The data on food intake come from a cross-sectional study carried out with 785 adult pregnant women in the city of Ribeirão Preto, state of São Paulo, Brazil, between 2011 and 2012. The index was based on the recommendations of the Brazilian Ministry of Health, previous national dietary indexes, and the new Dietary Guidelines for the Brazilian Population. We used the ANOVA, Kruskal-Wallis, and chi-square tests to describe the quality of the diet according to the characteristics of the mother. RESULTS: The IQDAG has nine components, and it is represented by three food groups (in servings/1,000 kcal), five nutrients, and a moderator component. A high proportion of pregnant women reached the maximum score for the components of legumes and vegetables. However, few women reached the maximum score for consumption of fresh fruits, fiber, omega-3, calcium, folate, iron, and ultra-processed foods. We verified a better quality of diet among older and eutrophic pregnant women who reported practicing more physical activity and taking dietary supplements. We also observed the highest index score among women with higher intake of carbohydrates, proteins, vitamins C, E, and A, and minerals calcium, folate, and iron, as well as among those with lower intake of total fats and saturated fats. CONCLUSIONS: This dietary index is unprecedented in incorporating the recommendation of the new Dietary Guidelines for the Brazilian Population regarding the moderation of the consumption of ultra-processed foods. It was useful in evaluating the quality of the diet of pregnant women and we verified a higher score among older and eutrophic women who reported a healthy lifestyle. Strategies are needed to promote a higher consumption of fresh fruits, foods high in fiber, omega-3, calcium, folate, iron, and minimally processed foods in pregnant women.

RESUMO OBJETIVO: Desenvolver um Índice de Qualidade da Dieta Adaptado para Gestantes (IQDAG) e avaliar sua relação com características de mulheres atendidas pelo Sistema Único de Saúde. MÉTODOS: Os dados de consumo alimentar são provenientes de um estudo transversal conduzido entre 785 gestantes adultas do município de Ribeirão Preto, SP, entre 2011 e 2012. A elaboração do índice foi baseada nas recomendações do Ministério da Saúde, em índices dietéticos nacionais prévios e no novo Guia Alimentar para a População Brasileira. Para descrever a qualidade da dieta segundo as características maternas, foram empregados os testes ANOVA, Kruskal-Wallis e qui-quadrado. RESULTADOS: O IQDAG apresenta nove componentes, sendo representados por três grupos de alimentos (em porções/1.000 kcal); cinco nutrientes; e um componente moderador. Elevada proporção de gestantes atingiu a pontuação máxima para os componentes leguminosas e hortaliças. Porém, poucas mulheres atingiram a pontuação máxima para o consumo de frutas frescas, ingestão de fibras, ômega 3, cálcio, folato, ferro e alimentos ultraprocessados. Verificou-se melhor qualidade da dieta entre gestantes de maior idade, eutróficas, que relataram praticar mais tempo de atividade física e que faziam uso de suplementos dietéticos. A maior pontuação do índice também foi observada entre as mulheres com maior ingestão de carboidratos, proteínas, vitaminas C, E e A, e dos minerais cálcio, folato e ferro, bem como entre aquelas com menor ingestão de gorduras totais e gorduras saturadas. CONCLUSÕES: O presente índice dietético foi inédito ao incorporar a recomendação do novo Guia Alimentar para a População Brasileira quanto à moderação do consumo de alimentos ultraprocessados. Demonstrou-se útil na avaliação da qualidade da dieta de gestantes e uma maior pontuação foi verificada entre mulheres de maior idade, eutróficas e que relataram um estilo de vida saudável. Estratégias de promoção do consumo de frutas frescas, alimentos ricos em fibras, ômega 3, cálcio, folato, ferro e minimamente processados em gestantes são necessárias.
Descritores: Cuidado Pré-Natal
Ingestão de Energia
Dieta Saudável/métodos
Necessidades Nutricionais
-Fatores Socioeconômicos
Brasil
Inquéritos sobre Dietas
Estudos Transversais
Inquéritos e Questionários
Limites: Humanos
Feminino
Gravidez
Adulto
Responsável: BR1.1 - BIREME


  9 / 437 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Saúde Pública
Texto completo
Id: biblio-985822
Autor: Rinaldi, Ana Elisa Madalena; Conde, Wolney Lisboa.
Título: Socioeconomic inequality in dietary intake begins before 24 months in Brazilian children
Fonte: Rev. saúde pública (Online);53:9, jan. 2019. tab, graf.
Idioma: en.
Resumo: ABSTRACT OBJECTIVE: To assess dietary patterns by socioeconomic gradient of Brazilian infants and young children in 2006 and 2013. METHODS: Data from the National Demographic Survey (2006) and the National Health Survey (2013) were used. Food intake were described by wealth index, age range and survey year. Dietary patterns were defined by principal component analysis. Association of wealth index and dietary patterns were modelled using linear regression. RESULTS: Breast milk intake was higher for poor infants and young children, while fresh food intake (fruits, vegetables, meats, beans) was higher for the richer ones in 2006 and 2013. Biscuits and sweetened beverages were more consumed by rich infants and young children in 2006 and by poor and rich children in 2013. Three dietary patterns (DP1, DP2, and DP3) were identified in 2006 and four in 2013 (DP1, DP2, DP3, and DP4). DP1 was composed mainly of fresh foods, and it was positively associated with the wealth index for infants and young children in both years. DP2 was composed of biscuits, cookies and sweetened beverages, and it was positively associated with the wealth index for young children in 2006 and for poor and rich infants and young children in 2013. DP3 was composed of milk, water and porridge in both years, and it was not associated with the wealth index. DP4 was composed of breast milk and porridge, and it was negatively associated with the wealth index. CONCLUSIONS: DP1 is a characteristic pattern for richer infants and young children since 2006, while DP2 is a characteristic pattern for all infants and young children in 2013, regardless of wealth index. Dietary inequality between the poor and the rich seems to begin in childhood.
Descritores: Fatores Socioeconômicos
Ingestão de Energia
Inquéritos sobre Dietas
Dieta/estatística & dados numéricos
-Brasil
Aleitamento Materno/estatística & dados numéricos
Fatores Etários
Limites: Humanos
Lactente
Tipo de Publ: Estudo Comparativo
Responsável: BR1.1 - BIREME


  10 / 437 LILACS  
              first record previous record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-1020895
Autor: Mendonça, Raquel de Deus; Lopes, Mariana Souza; Freitas, Patrícia Pinheiro; Campos, Suellen Fabiane; Menezes, Mariana Carvalho de; Lopes, Aline Cristine Souza.
Título: Monotony in the consumption of fruits and vegetables and food environment characteristics / Monotonia no consumo de frutas e hortaliças e características do ambiente alimentar
Fonte: Rev. saúde pública (Online);53:63, 2019. tab, graf.
Idioma: en.
Projeto: National Council of Scientific and Technological Development; . Foundation of the State of Minas Gerais; . Foundation of the State of Minas Gerais; . Foundation of the State of Minas Gerais; . Coordination for the Improvement of Higher Level Personnel.
Resumo: ABSTRACT OBJECTIVE To analyze the quantity and diversity in the consumption fruits and vegetables, as well as its relationship with the consumer's purchase characteristics and food environment. METHODS Baseline study stemming from a controlled and randomized community trial investigating a sample representative of Primary Health Care services (Health Academy Program) of Belo Horizonte, state of Minas Gerais. The intake of fruits and vegetables was analyzed in servings/day, whereas diversity was assessed by the Food Frequency Questionnaire. Users were also questioned on the frequency, purchase location and availability of these foods at their households. To assess the consumer's food environment, commercial establishments within a 1.6 km radius around the program unit sampled were audited. RESULTS 3,414 adults and older adults (88.1% women) were investigated, as well as 336 commercial establishments, in 18 units of the Health Academy Program. The average consumption of fruits and vegetables was adequate [5.4 (SD = 2.1) servings/day] but monotonous, with average daily intake of two different types. In the establishments audited, a good diversity (77.7% and 85.0%) and variety (74.5% and 81.4%) of fruits and vegetables was observed, although with lower quality of vegetables (60.4%). After adjusting for sociodemographic variables, we identified that knowledge on food crops (p = 0.006), increased monthly availability of fruits at households (p < 0.001), and greater variety of fruits (p = 0.03) and quality of vegetables (p = 0.05) in commercial establishments could improve the quantitative intake of fruits and vegetables, whereas a greater variety of fruits (p = 0.008) would increase consumption diversity. CONCLUSIONS The intake of fruits and vegetables was quantitatively adequate but monotonous, being influences by the consumer environment. Such results highlight the need for improving educational actions in health services and programs, in addition to acting on the consumer environment, aiming to promote and maintain the adequate and diversified consumption, as recommended by Brazilian guidelines for proper and healthy eating.

RESUMO OBJETIVO Analisar a quantidade e a diversidade do consumo de frutas e hortaliças, assim como sua relação com características da aquisição e do ambiente alimentar do consumidor. MÉTODOS Estudo da linha de base oriundo de ensaio comunitário controlado e aleatorizado que investigou amostra representativa de serviços da atenção primária à Saúde (Programa Academia da Saúde) de Belo Horizonte, MG. Analisou-se o consumo de frutas e hortaliças em porções/dia, e sua diversidade por Questionário de Frequência Alimentar. Os usuários também foram questionados sobre frequência, local de compra e disponibilidade dos alimentos no domicílio. Para aferir o ambiente alimentar do consumidor, realizou-se auditoria dos estabelecimentos comerciais dentro de um raio de 1,6 km ao redor das unidades amostradas do programa. RESULTADOS Investigaram-se 3.414 adultos e idosos (88,1% mulheres) e 336 estabelecimentos comerciais em 18 unidades do Programa Academia da Saúde. O consumo médio de frutas e hortaliças foi adequado [5,4 (DP = 2,1) porções/dia], porém monótono, com ingestão média diária de dois tipos. Nos estabelecimentos auditados, observou-se boa diversidade (77,7% e 85,0%) e variedade (74,5% e 81,4%) de frutas e hortaliças, mas com qualidade inferior de hortaliças (60,4%). Após ajuste por variáveis sociodemográficas, identificou-se que o conhecimento sobre safras de alimentos (p = 0,006), aumento da disponibilidade mensal de frutas nos domicílios (p < 0,001), maior variedade de frutas (p = 0,03) e qualidade das hortaliças (p = 0,05) nos estabelecimentos comerciais poderiam melhorar o consumo quantitativo de frutas e hortaliças, enquanto a maior variedade de frutas (p = 0,008) poderia ampliar a diversidade do consumo. CONCLUSÕES O consumo de frutas e hortaliças foi quantitativamente adequado, porém monótono, sendo influenciado pelo ambiente do consumidor. Tais resultados evidenciam a necessidade de aperfeiçoar as ações educativas nos serviços e programas de saúde, além de atuar sobre o ambiente do consumidor, visando promover e manter o consumo adequado e diversificado, conforme preconizado pelas diretrizes brasileiras para a alimentação adequada e saudável.
Descritores: Abastecimento de Alimentos/estatística & dados numéricos
Dieta Saudável/estatística & dados numéricos
-Fatores Socioeconômicos
Verduras/classificação
Brasil
Características de Residência
Inquéritos sobre Dietas
Frutas/classificação
Pessoa de Meia-Idade
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Idoso
Responsável: BR1.1 - BIREME



página 1 de 44 ir para página                         
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde