Base de dados : LILACS
Pesquisa : E05.599.835.893 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 1 [refinar]
Mostrando: 1 .. 1   no formato [Detalhado]

página 1 de 1

  1 / 1 LILACS  
             
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: biblio-1049423
Autor: Régis, Ingrid Alves.
Título: Interação espacial entre Triatoma brasiliensis Neiva, 1911 e Triatoma pseudomaculata Corrêa e Espínola, 1964 em ecótopos artificiais no município de Jaguaretama ­ CE, Brasil / Spatial interaction between Triatoma brasiliensis Neiva, 1911 and Triatoma pseudomaculata Corrêa and Espínola, 1964 in artificial ecotopes in the municipality of Jaguaretama - CE, Brazil.
Fonte: Rio de Janeiro; s.n; 2019. xvi, 64 p. ilus.
Idioma: pt.
Tese: Apresentada a Instituto Oswaldo Cruz para obtenção do grau de Mestre.
Resumo: Triatoma brasiliensis e Triatoma pseudomaculata são vetores do Trypanosoma cruzi, agente da doença de Chagas, na Caatinga do nordeste do Brasil. Na natureza, essas espécies ocupam diferentes ecótopos e exploram diferentes hospedeiros. T. brasiliensis é terrestre e está associado a afloramentos rochosos (e cactos em algumas áreas) frequentemente compartilhados por roedores, enquanto T. pseudomaculata é arbóreo e parece alimentar-se principalmente de aves. Ambas as espécies, no entanto, podem infestar habitats feitos pelo homem, onde a possibilidade surge para a competição sobre os principais recursos - abrigo e sangue. Determinamos a ocorrência / coocorrência de T. brasiliensis e T. pseudomaculata em 412 ecótopos artificiais (91 habitações) para investigar padrões de segregação de espécies e investigar dois candidatos a processos subjacentes: (a) partição de recursos (T. brasiliensis preferindo ecótopos minerais ou ocupados por roedores e T. pseudomaculata preferindo ecótopos ocupados por vegetação ou aves) e (b) competição interespecífica verdadeira (cada espécie efetivamente evitando a outra). Usamos modelos lineares mistos generalizados (GLMMs) para identificar correlatos de ocorrência específica, incluindo a coocorrência de outras espécies. Ambas as espécies co-ocorreram em quatro ecótopos (0,97%). T. brasiliensis (12,9% de ocorrência geral) foi mais comum que T. pseudomaculata em ecótopos minerais (17,9% vs. 3,46%) e em ecótopos utilizados por roedores (74,1% vs. 11,1%); o melhor desempenho do T. brasiliensis GLMM estimou um forte efeito positivo da disponibilidade de roedores na ocorrência desses insetos (ßroedor = 3,55 ± 0,57EP)

Em contraste, T. pseudomaculata foi mais rara (7,1%) e ocorreu mais frequentemente que T. brasiliensis em ecótopos vegetais (13,6% vs. 6,8%) e em ecótopos utilizados por aves (19,3% vs 6,4%); o melhor desempenho de T. pseudomaculata GLMM estimou o efeito da presença de aves na ocorrência de insetos como ßaves = 2,30 ± 0,48EP. Os GLMMs não revelaram nenhuma evidência de que a ocorrência de uma espécie afetou a probabilidade de que o outro co-ocorresse no mesmo ecótopo, após o ajuste para as características do ecótopo e a disponibilidade do hospedeiro. Esses achados sugerem que as espécies de estudo mantêm a segregação espacial em ambientes humanos associando-se preferencialmente com os vertebrados que exploram na natureza. Assim, conclue-se que a partição de recursos, e não a verdadeira competição interespecífica, provavelmente impulsiona a segregação ecológica de T. brasiliensis e T. ix pseudomaculata em habitats criados pelo homem. Elucidar os mecanismos subjacentes ao particionamento de recursos exigirá abordagens experimentais. (AU)
Descritores: Triatominae
Modelos de Interação Espacial
Limites: Humanos
Responsável: BR15.1 - Biblioteca de Ciências Biomédicas



página 1 de 1
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde