Base de dados : LILACS
Pesquisa : E07.190.250.510 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 414 [refinar]
Mostrando: 1 .. 10   no formato [Detalhado]

página 1 de 42 ir para página                         

  1 / 414 LILACS  
              next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: biblio-1291347
Autor: Mendes, Luciane Vieira.
Título: Satisfação com o uso do implante contraceptivo e do dispositivo intrauterino com cobre entre usuárias de um hospital público da cidade de São Paulo / Satisfaction with the use of contraceptive implant and copper intrauterine device among users of a public hospital in the city of São Paulo.
Fonte: São Paulo; s.n; 2021. 134 p.
Idioma: pt.
Tese: Apresentada a Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública para obtenção do grau de Mestre.
Resumo: Introdução: Apesar de serem altamente eficazes, os métodos contraceptivos de longa duração são usados por apenas 2% das mulheres brasileiras. A cidade de São Paulo tem realizado esforços para aumentar o uso desses métodos por meio da ampliação da oferta do dispositivo intrauterino (DIU) com cobre, especialmente no período pós-parto e pós-abortamento, e do implante contraceptivo para mulheres em situação de vulnerabilidade social. No entanto, pouco se sabe sobre a experiência das usuárias desses métodos, principalmente no que concerne à satisfação. Objetivo: Analisar a satisfação das mulheres com o uso do implante contraceptivo e do DIU com cobre. Método: Estudo quantitativo transversal, conduzido com 331 mulheres entre 15 e 49 anos que passaram por inserção de implante ou DIU com cobre em um hospital púbico da cidade de São Paulo/SP, entre 2016 e 2019. Os dados foram obtidos por meio de entrevista telefônica conduzida em 2020 por meio de um instrumento estruturado. A mensuração da satisfação com o método contraceptivo ocorreu de duas formas: por meio da resposta direta satisfação autorreferida e por meio da análise conjunta de quatro atributos (expectativa, experiência, efetividade e continuidade) nomeada como satisfação completa. A análise das duas formas de mensuração e dos aspectos associados a elas ocorreu por meio de teste de diferença entre duas proporções pelo Qui-quadrado. Resultados: A satisfação com o uso do implante foi superior a 90% e alcançou 85% entre as usuárias de DIU com cobre, pela forma de mensuração autorreferida. Pela análise por atributos (satisfação completa), a satisfação foi relacionada à expectativa de que o método fosse seguro para a prevenção da gravidez; à experiência ter sido melhor que o esperado, proporcionando a sensação de tranquilidade em razão da segurança; à efetividade do método em prevenir a gravidez; e à continuidade no uso indicando adesão ao método. O principal motivo para a alta satisfação foi a segurança de que o método seria eficaz para evitar a gravidez (94,6% das entrevistadas). As duas formas de mensuração não foram equivalentes. A melhora dos efeitos colaterais ao longo do tempo foi a única variável associada à satisfação autorreferida, para ambos os métodos (p=0,012 para usuárias de implante e p<0,001 para usuárias de DIU). Nenhuma variável foi associada à satisfação completa. Conclusão: A alta satisfação com o uso do implante e do DIU com cobre foi motivada pela segurança quanto à eficácia em prevenir a gravidez e mostrou estar associada à melhora dos efeitos colaterais ao longo do tempo de uso.

Introduction: Despite being highly effective, long-term contraceptives are used by only 2% of Brazilian women. The city of São Paulo has made efforts to increase the use of these methods by expanding the supply of the Copper intrauterine device (IUD), especially in the postpartum and post-abortion period, and contraceptive implant for women in social vulnerability situations. However, little is known about the experience of the users of these methods, especially with regard to satisfaction. Objective: To analyze women's satisfaction with the use of contraceptive implants and Copper IUDs. Method: Cross-sectional quantitative study, conducted with 331 women between 15 and 49 years who underwent implant or Copper IUD insertion in a public hospital in the city of São Paulo/SP, between 2016 and 2019. Data were obtained through a telephone interview conducted in 2020 through a structured instrument. The measurement of satisfaction with the contraceptive method occurred in two ways: through direct response - self-reported satisfaction - and through the joint analysis of four attributes (expectation, experience, effectiveness and continuity) - named as complete satisfaction. The analysis of the two forms of measurement and the aspects associated with them occurred through a test of difference between two proportions by Chi-square. Results: Satisfaction with the use of the implant was higher than 90% and reached 85% among the users of Copper IUD, by the self-reported measurement form. By the analysis by attributes (complete satisfaction), satisfaction was related to the expectation that the method was safe for pregnancy prevention; to experience to have been better than expected, providing the feeling of tranquility due to safety; to the effectiveness of the method in preventing pregnancy; and to the continuity in use indicating adhering to the method. The main reason for the high satisfaction was the safety that the method would be effective to avoid the pregnancy (94.6% of the interviewees). The two forms of measurement were not equivalent. The improvement of side effects over time was the only variable associated with self-reported satisfaction for both methods (p=0.012 for implant users and p<0.001 for IUD users). No variable was associated with complete satisfaction. Conclusion: The high satisfaction with the use of the implant and the Copper IUD was motivated by the safety regarding the efficacy in preventing pregnancy and was shown to be associated with the improvement of side effects over the time of use.
Descritores: Satisfação do Paciente
Anticoncepção
Saúde Sexual e Reprodutiva
Inquéritos sobre o Uso de Métodos Contraceptivos
Dispositivos Intrauterinos
Responsável: BR67.1 - CIR - Biblioteca - Centro de Informação e Referência


  2 / 414 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Texto completo
Id: biblio-1282459
Autor: Barreto, Danyella da Silva; Maia, Duana Soares; Gonçalves, Rafael Dias; Soares, Ricardo de Sousa.
Título: Dispositivo Intrauterino na Atenção Primária a Saúde: uma revisão integrativa / Intrauterine Device in the Primary Health Care: an integrative review / Dispositivo Intrauterino en la Atención Primaria de Salud: una revisión integradora
Fonte: Rev. bras. med. fam. comunidade;16(43):2821, 20210126. tab.
Idioma: pt.
Resumo: A gravidez não planejada é uma realidade mundial e corresponde a 40% de todas as gestações e podem desencadear aumento da mortalidade materna. O Dispositivo Intrauterino (DIU) é uma das opções de contraceptivos ofertadas no SUS de boa eficácia, mas ainda é pouco utilizado. Diversos países desenvolvidos têm buscado formas de romper as barreiras e aumentar as taxas de inserção do DIU, como treinamento profissional, investimentos na área e educação da população. Este estudo tem como objetivo realizar uma revisão integrativa na literatura sobre os artigos relacionados ao DIU na Atenção Primária a Saúde (APS) nos últimos dez anos. Foram realizadas buscas no Pubmed, Scielo, LILACS e BDENF-Enfermagem utilizando-se descritores correlatos. Foram incluídas publicações que abordavam o DIU na Atenção Primária à Saúde e publicações nos últimos dez anos. Foram considerados artigos decorrentes de pesquisas originais, revisões e protocolos clínicos ou de aprendizagem. Após utilizar os critérios de inclusão e exclusão, 39 artigos foram selecionados e fizeram parte da revisão, os quais foram agrupados em categorias. Os temas que mais se repetiram geraram as categorias: as Barreiras para Inserção do DIU, Treinamento dos Profissionais, Taxas de Inserção, taxas de Continuação e Outros. Entre os artigos apenas dois eram nacionais. Conclui-se que existem poucos estudos nacionais abordando o DIU na APS e que dentre os trabalhos encontrados há uma preocupação em identificar barreiras e estratégias para ampliar a oferta do método.

Unplanned pregnancy is a worldwide reality and accounts for 40% of all pregnancies and can trigger increased maternal mortality. The Intrauterine Device (IUD) is one of the options of contraceptives offered in SUS with good effectiveness, but is still little used. Several developed countries have been looking for ways to break down barriers and increase IUD insertion rates, such as vocational training, investments in the area and education of the population. This study aims to conduct an integrative literature review on IUD-related articles in Primary Care over the past ten years. Searches were performed at Pubmed, Scielo, LILACS and BDENF-Enfermagem using related descriptors. Publications that addressed the IUD in Primary Health Care in the last ten years were included. Articles resulting from original research, reviews and clinical or learning protocols were considered. After using the inclusion and exclusion criteria, 39 articles were selected and were part of the review, which were grouped into categories. The themes most repeated were the following categories: Barriers to IUD Insertion, Professional Training, Knowledge about IUD, Insertion and Continuation Rates and Others. Among the articles, only two were national. It is concluded that there are few national studies addressing IUD in PHC and that among the studies found there is a concern to identify barriers and strategies to expand the offer of the method.

El embarazo no planificado es una realidad mundial y representa el 40% de todos los embarazos y puede desencadenar un aumento de la mortalidad materna. El Dispositivo Intrauterino (DIU) es una de las opciones anticonceptivas que ofrece el SUS con buena eficacia, pero aún se utiliza poco. Varios países desarrollados han estado buscando formas de romper barreras y aumentar las tasas de inserción de DIU, como capacitación profesional, inversiones en el área y educación de la población. Este estudio tiene como objetivo realizar una revisión integradora de la literatura sobre artículos relacionados con los DIU en Atención Primaria de Salud (APS) en los últimos diez años. Las búsquedas se realizaron en Pubmed, Scielo, LILACS y BDENF-Enfermagem utilizando descriptores relacionados. Se incluyeron publicaciones que abordaron el DIU en la Atención Primaria de Salud y publicaciones de los últimos diez años. Se consideraron artículos resultantes de investigaciones originales, revisiones y protocolos clínicos o de aprendizaje. Luego de utilizar los criterios de inclusión y exclusión, se seleccionaron 39 artículos que fueron parte de la revisión, los cuales fueron agrupados en categorías. Los temas que más se repitieron fueron los siguientes: Barreras para la inserción del DIU, Capacitación profesional, Conocimiento sobre DIU, Tasas de inserción y continuación y Otros. Entre los artículos, solo dos eran nacionales. Se concluye que existen pocos estudios nacionales que abordan el DIU en la APS y que entre los estudios encontrados existe una preocupación por identificar barreras y estrategias para ampliar la oferta del método.
Descritores: Atenção Primária à Saúde
Assistência Integral à Saúde
Anticoncepção
Medicina de Família e Comunidade
Dispositivos Intrauterinos
Responsável: BR408.1 - Biblioteca da Faculdade de Medicina - BFM


  3 / 414 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Chile
Texto completo
Id: biblio-990878
Autor: Cortes Caballero, Carlos; Vera Campos, Silvia Nathalia; Mogollón zehr, Margarita Rosa; Deluque González, Juan Manuel; Pinto Vasquez, Jorge Adolfo; Calderón Bautista, Yanina Andrea.
Título: Reacción decidual endometrial: un efecto inesperado del dispositivo intrauterino liberador de Levonorgestrel. Reporte de caso / Decidual endometrial reaction: an unexpected effect of the levonorgestrel-releasing intrauterine device. Case report
Fonte: Rev. chil. obstet. ginecol. (En línea);83(6):630-634, 2018. graf.
Idioma: es.
Resumo: RESUMEN La reacción decidual que se genera en el endometrio involucra el estroma y las glándulas, esta ocurre por sobre estimulación de la progesterona en el tejido. Es inducida por el dispositivo liberador de levonogestrel, el cual es utilizado para el tratamiento de la hemorragia uterina anormal en mujeres postmenopáusicas. Sin embargo, dada su amplia gama terapéutica, sus efectos secundarios no siempre son predecibles y no existe mucha evidencia en la literatura que correlacione la susceptibilidad de la paciente con la aparición de este cuadro morfológico. Se presenta un reporte de caso de mujer posmenopáusica que recibió este tratamiento por 17 meses y presento una reacción decidual exagerada con el objetivo de dar a conocer la presentación histopatológica de la reacción decidual poco documentada y aumentar los conocimientos relacionados con el dispositivo intrauterino.

ABSTRACT The decidual reaction that is generated in the endometrium involves the stroma and the glands, this occurs due to over stimulation of progesterone in the tissue. It is induced by the levonogestrel-releasing device, which is used for the treatment of abnormal uterine bleeding in postmenopausal women. However, given its wide therapeutic range, its side effects are not always predictable and there is not much evidence in the literature that correlates the patient's susceptibility to the appearance of this morphological case. We present a case report of a postmenopausal woman who received this treatment for 17 months and presented an exaggerated decidual reaction in order to publicize the histopathological presentation wich is poorly documented and increase knowledge related to the intrauterine device.
Descritores: Hemorragia Uterina/terapia
Anemia Ferropriva/diagnóstico
Dispositivos Intrauterinos
Leiomioma/diagnóstico por imagem
-Levanogestrel/efeitos adversos
Limites: Humanos
Feminino
Pessoa de Meia-Idade
Tipo de Publ: Relatos de Casos
Responsável: CL126.2 - Biblioteca Médica Dr. Profesor Hernán Alessandri R.


  4 / 414 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Texto completo
Id: biblio-1144387
Autor: Sandoval-Vivas, Patricia.
Título: Safety and acceptability of the 52 mg levonorgestrel-releasing intrauterine system in women with abnormal uterine bleeding in an ambulatory care center in Bogotá, Colombia, 2012-2016 / Seguridad y aceptabilidad del sistema intrauterino liberador de levonorgestrel 52 mg en mujeres con hemorragia uterina anormal en un centro de atención ambulatoria en bogotá, colombia, 2012-2016
Fonte: Rev. colomb. obstet. ginecol;71(3):247-256, jul.-set. 2020. tab, graf.
Idioma: es.
Resumo: RESUMEN Objetivo: describir la seguridad y aceptabilidad del uso del sistema intrauterino liberador de levonorgestrel de 52 mg en mujeres con hemorragia uterina anormal. Materiales y métodos: cohorte retrospectiva en la que se incluyeron mujeres de 18 años o más con diagnóstico de hemorragia uterina anormal, reporte por ultrasonido de tamaño uterino entre 6 y 10 cm de longitud y cavidad endometrial uniforme en toda su longitud, independiente de alteración estructural, a quienes se les colocó para tratamiento el sistema intrauterino liberador de levonorgestrel de 52 mg, en el periodo de 2012 hasta 2016 Se realizó un muestreo por conveniencia. Se midieron variables sociodemográficas y clínicas basales, así como la percepción de la hemorragia por parte de la paciente y la frecuencia de falla, amenorrea, necesidad de histerectomía y eventos adversos, con seguimiento a 12 meses. Se aplicó estadística descriptiva. Resultados: se evaluaron 200 pacientes, hubo una percepción de mejoría subjetiva del volumen de sangrado y de la frecuencia de incapacidad laboral o asistencia a urgencias. El 90 % de las pacientes registró amenorrea y el 6 % eventos adversos. Conclusiones: el sistema intrauterino liberador de levonorgestrel de 52 mg es una alternativa segura para el manejo de la hemorragia uterina anormal en mujeres con úteros de tamaño normal y sin alteraciones submucosas del endometrio. Se requieren estudios aleatorizados en el medio local para evaluar su efectividad y eficiencia respecto a otras alternativas de manejo.

ABSTRACT Objective: To describe safety and acceptability with the use of the 52-mg levonorgestrel-releasing intrauterine system in women with abnormal uterine bleeding. Materials and methods: Retrospective cohort of women 18 years of age and older diagnosed with abnormal uterine bleeding, ultrasound-reported uterine length between 6 and 10 cm and uniform endometrial cavity in its entire length, regardless of structural abnormality, who received treatment with 52-mg levonorgestrel-releasing intrauterine system between 2012 and 2016. Non-probabilistic convenience sampling was carried out. Sociodemographic and clinical baseline variables were measured, as well as patient perception of bleeding and the frequency of failure, amenorrhea, need for hysterectomy and adverse events, over a 12-month follow-up period. Descriptive statistics were applied. Results: Overall, 200 patients were assessed. A subjective perception of improvement in terms of bleeding volume and frequency of leave of absence or visits to the emergency department was found; 90 % of the patients had amenorrhea, and 6 % experienced adverse events. Conclusions: The 52-mg levonorgestrel-releasing intrauterine system is a safe option for the management of abnormal uterine bleeding in women with normal uterine size and no submucosal endometrial abnormalities. Local randomized studies are required to assess effectiveness and efficiency in comparison with other management options.
Descritores: Hemorragia Uterina
-Levanogestrel
Assistência Ambulatorial
Dispositivos Intrauterinos
Menorragia
Limites: Humanos
Feminino
Adulto
Tipo de Publ: Estudo Observacional
Estudo Clínico
Responsável: CO76


  5 / 414 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Texto completo
Id: biblio-875643
Autor: Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde.
Título: Sistema intrauterino liberador de levonorgestrel para o tratamento da menorragia idiopática / Levonorgestrel-releasing intrauterine system for the treatment of idiopathic menorrhagia.
Fonte: Brasília; CONITEC; 2013. graf, tab.
Idioma: pt.
Resumo: A DOENÇA: Aspectos clínicos e epidemiológicos da doença: A menorragia é clinicamente definida como a perda sanguínea, durante o período menstrual, excessiva em quantidade ou número de dias (definidos como habituais naquela mulher). O sangramento excessivo é considerado na maioria dos casos, aquele que envolvem uma perda de sangue menstrual maior que 80 ml. Em um sentido mais amplo, a menorragia também é definida como a perda excessiva de sangue menstrual que interfere com a qualidade física, social, emocional e /ou material de uma mulher. Isso pode ocorrer por si só ou em combinação com outros sintomas. Esta condição não está associada com uma mortalidade significativa, no entanto, trata-se de causa comum de procura ao ginecologista. Deve-se distinguir a menorragia de outros diagnósticos ginecológicos comuns. Isso inclui a metrorragia (perda sanguínea, de origem corporal, fora do período menstrual), menometrorragia (perda sanguínea irregular e prolongada) e polimenorréia (sangramento com intervalos menores do que 21 dias). Muitas vezes estes termos recebem descrições e definições conflitantes. Em boa parte das mulheres que sofrem de menorragia, as patologias ou causas que levam à perda excessiva de sangue não podem ser identificadas, justificando dessa forma a denominação menorragia idiopática. . Esse diagnóstico é firmado após a realização de exames diagnósticos, como a ultrassonografia, e o descarte de outras condições que poderiam levar à desregulação ou sangramento em excesso, como endometriose, terapia de reposição hormonal, dentre outros. Outras causas como complicações da gestação (ectópica, aborto), doenças pélvicas (mioma, pólipo endometrial ou cervical, adenomiose, cervicite, grave infecção vaginal, carcinoma do trato reprodutivo, hiperplasia endometrial), doenças sistêmicas (distúrbios hemostáticos, distúrbios da tireóide, lúpus eritematoso sistêmico, insuficiência renal crônica, insuficiência hepática) e causas iatrogênicas (hormonioterapia, contraceptivos injetáveis, medicamentos como tranquilizantes, antidepressivos, anticoagulantes e corticoides) também devem ser afastadas. Os dados epidemiológicos da menorragia idiopática são bastante imprecisos, pela própria subjetividade ou dificuldade em se determinar um sangramento menstrual excessivo. Assim, os estudos trazem acometimentos entre 8,0-51,6% de mulheres com uma maior prevalência em mulheres com idade mais avançada. No Brasil, não há uma estatística nacional sobre a doença, mas um estudo realizado em 2011 na cidade de Pelotas-RS mostrou que a prevalêcia de mulheres com menorragia atendidas pelo SUS de 2006 a 2011 foi de 35,3%, com maior prevalência entre as mulheres mais velhas e com elevado número de gravidezes. TRATAMENTO RECOMENDADO: O tratamento médico da menorragia pode envolver tratamentos farmacológicos ou cirúrgicos, e a escolha do tratamento adequado deve levar em conta algumas condições individuais das mulheres, como idade, doença concomitantes, tratamentos anteriores, opção pela fertilidade e o próprio custo do tratamento, que estará relacionado à sua adesão ao tratamento. Como alternativas de tratamento para a menorragia temos: Antiinflamatórios não esteróides, Contraceptivos orais, Terapia com prostagênio, Agonistas do hormônio liberador de gonadotrofina, Danazol, Estrogênios conjugados, Ácido tranexâmico, Sistema intra-uterino liberador de levonorgestrel (SIU-LNG), Curetagem, Ablação endometrial, Histerectomia. A TECNOLOGIA: Levonorgestrel - O levonorgestrel é um progestógeno com atividade anti-estrogênica utilizado em ginecologia de diversas formas: como componente progestogênico em contraceptivos orais e na terapia de reposição hormonal ou isoladamente para contracepção em pílulas contendo somente progestógeno e implantes subdérmicos. O lenorgestrel também pode ser administrado na cavidade uterina por meio de um endoceptivo (SIU) possibilitando o uso de doses menores, com liberação diretamente no órgão-alvo. EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS: Além da análise dos estudos apresentados pelo demandante, a Secretaria-Executiva da CONITEC realizou busca na literatura por artigos científicos, com o objetivo de localizar a melhor evidência científica disponível sobre o tema. Para isso, foi considerada a estratégia de busca descrita no Quadro 3, tendo como principal critério de inclusão o tipo de estudo considerado a melhor evidência para avaliar a eficácia de uma tecnologia para tratamento, isto é, revisões sistemáticas e ensaios clínicos randomizados (ECR). Outro critério de inclusão foi estudos que avaliassem a eficácia e/ou segurança do dispositivo intrauterino liberador de levonorgestrel no tratamento de Menorragia Idiopática. Alguns critérios de exclusão foram estabelecidos: registros de ensaios controlados em andamento, revisões narrativas, estudos sobre outros medicamentos que não o de interesse, estudos que incluam outras indicações do medicamento, estudos de biologia molecular ou ensaios pré-clínicos (com modelos animais), estudos fase I/II, estudos sem grupo comparador, relatos ou séries de casos, e estudos escritos em outro idioma que não inglês, português ou espanhol. Não houve restrições com relação à data de publicação, sendo resgatados artigos até a data de 29/01/2013. CONSIDERAÇÕES FINAIS: As evidências atualmente disponíveis sobre eficácia e segurança do sistema intrauterino liberador de levonorgestrel 52mg mostram que o produto apresentou-se como alternativa possível a mulheres com menorragia idiopática, com resultados de redução do sangramento menstrual superior ao das terapias farmacológicas existentes e, em termos de melhora na qualidade de vida, similares ao da histerectomia, alternativa cirúrgica padrão-ouro com 100% de eficácia. No entanto, a evidência comparando diretamente os desfechos entre o uso do SIU-LNG e a histerectomia ainda é escassa, e não demonstrou superioridade em relação à histerectomia sob qualquer aspecto, sugerindo-se que estudos de longo prazo sejam realizados para avaliar as taxas de permanência e satisfação com o dispositivo, e se o tratamento cirúrgico está sendo de fato evitado ou apenas postergado. Mesmo considerando o fato de que a opção pelo SIU-LNG é menos invasiva e com menor potencial para complicações do que o procedimento cirúrgico da histerectomia, observou-se nos estudos uma alta taxa de descontinuação do uso do SIU-LNG pelas mulheres e posterior opção pela cirurgia. Considerando todas as limitações metodológicas e de impacto orçamentário, os resultados sugerem que a tecnologia demandada, no contexto do Sistema Único de Saúde, não apresentou superioridade clínica e pode não ser mais custo-efetiva que a histerectomia, procedimento padrão já incorporado ao SUS, com similaridade em relação aos aspectos de qualidade de vida, além de maior eficácia. Assim, o conjunto de argumentos à disposição configura-se como insuficiente para assegurar que a incorporação do produto, dentro da indicação e escopo oferecidos, apresenta reais e inequívocas vantagens para o sistema de saúde público brasileiro. DELIBERAÇÃO FINAL: Na 15º reunião ordinária, os membros do plenário da CONITEC discutiram todas as contribuições da consulta pública, no entanto nenhuma delas trouxe informações ou dados relevantes para a mudança da decisão. Houve consenso que o SIU-LNG não se aplica a toda a população-alvo apresentada pelo demandante, e que o SUS dispõe de outras opções terapêuticas farmacológicas para o tratamento desta condição, nos casos em que não é necessária a histerectomia. Assim, os membros da CONITEC presentes na 15º reunião ordinária, ratificaram, por unanimidade, a deliberação de não recomendar a incorporação do sistema intrauterino liberador de levonorgestrel 52mg para o tratamento da menorragia idiopática. DECISÃO: PORTARIA Nº 31, de 3 de julho de 2013 - Torna pública a decisão de não incorporar o sistema intrauterino liberador de levonorgestrel para o tratamento da menorragia idiopática no Sistema Único de Saúde (SUS).
Descritores: Anti-Inflamatórios não Esteroides/uso terapêutico
Levanogestrel
Estrogênios Conjugados (USP)/uso terapêutico
Anticoncepcionais Orais/uso terapêutico
Danazol/uso terapêutico
Gonadotropinas/uso terapêutico
Dispositivos Intrauterinos
Menorragia/tratamento farmacológico
-Sistema Único de Saúde
Brasil
Análise Custo-Benefício/economia
Dilatação e Curetagem/métodos
Técnicas de Ablação Endometrial
Histerectomia
Limites: Humanos
Tipo de Publ: Revisão
Relatório Técnico
Estudo de Avaliação
Responsável: BR1.1 - BIREME


  6 / 414 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Texto completo
Id: biblio-1282015
Autor: Morais, Ianna Gil de Farias; Barreto, Danyella da Silva; Melo Neto, Alexandre José de; Soares, Ricardo de Sousa; Gonçalves, Rafael Dias; Rêgo, Maria Eduarda de Melo Pereira do; Costa, Priscylla Silveira Ramos.
Título: Perfil das mulheres submetidas à inserção do dispositivo intrauterino de cobre na Atenção Primária à Saúde de municípios da Paraíba / Profile of women submitted to insertion of the intrauterine copper device in the Primary Health Care of municipalities of Paraíba / Perfil de las mujeres sometidas a la inserción del dispositivo intrauterino de cobre en la Atención Primaria a la Salud de municipios de Paraíba
Fonte: Rev. bras. med. fam. comunidade;16(43):2649, 20210126. tab.
Idioma: pt.
Resumo: Introducción: Entre los anticonceptivos reversibles de larga acción disponibles en el mercado, el dispositivo intrauterino (DIU) de cobre es el método ofrecido por el gobierno brasileño para estar disponible en la red de servicios del Sistema Único de Salud (SUS). A pesar de ser una forma de contracepción con alta eficacia y seguridad, incluso en adolescentes y nulíparas, el DIU aún es infrautilizado en Brasil. Objetivo: Trazar el perfil de las mujeres sometidas a la inserción de DIU de cobre en la Atención Primaria a la Salud de municipios del estado de Paraíba. Métodos: Estudio transversal, descriptivo, con muestra de 246 mujeres sometidas a la inserción de DIU de cobre en la Atención Primaria a la Salud de municipios de Paraíba entre 2016 y 2019. Información sobre edad, ocupación, educación, estado civil y paridad de esas mujeres fueron recolectadas de prontuarios médicos y registros del procedimiento. Las variables nominales fueron presentadas por medio de sus frecuencias absolutas y relativas y las variables continuas por medio de sus medias, medianas y modas. La edad de las mujeres varía de 15 a 50 años, la edad promedio siendo de 27,4 años, 158 (64,2%) usuarias estaban casadas o estaban en unión consensual y 150 (61%) mujeres terminaron por al menos sus estudios de preparatoria. En la encuesta, 110 (44,7%) mujeres ejercían alguna actividad remunerada y 97 (39,4%) eran amas de casa. Se observaron 27 (11%) nulíparas y 215 (87,4%) mujeres con al menos un hijo, la media siendo de 1,6 hijos por mujer. Entre las adolescentes del estudio, 15 (75%) tenían al menos un hijo. Conclusión: La mayoría de las mujeres que ingresaron DIU en la Atención Primaria a la Salud en el estado Paraíba eran de las edades entre 20 y 29 años, poseía enseñanza media completa, ejercía actividad remunerada y tenían entre de 1 a 2 hijos. Los bajos porcentajes de mujeres con baja educación, adolescentes y nulíparas encontradas en la encuesta indican la necesidad de trazar estrategias específicas de incentivo al dispositivo intrauterino en la Atención Primaria a la Salud.

Introduction: Among the long-acting reversible contraceptives available on the market, the copper intrauterine device (IUD) is the method offered by the Brazilian government to be made available through the Unified Health System (SUS). Despite being a form of contraception with high efficacy and safety, including in adolescents and nulliparous, the IUD is still underutilized in Brazil. Objectives: To trace the profile of women submitted to the insertion of copper IUDs in Primary Health Care of municipalities in the state of Paraíba. Methods: This was a descriptive cross-sectional study with a sample of 246 women submitted to copper IUD insertion in the Primary Health Care of municipalities of Paraíba between 2016 and 2019. Information on age, occupation, education, marital status, and parity of these women were collected from medical records and records of the procedure. The nominal variables were presented by means of their absolute and relative frequencies and the continuous variables by means of their means, medians, and mode. Results: The age of women ranged from 15 to 50 years, with a mean age of 27.4 years, 158 (64.2%) were married or in consensual union and 150 (61%) women had at least complete. In the sample, 110 (44.7%) women were engaged in some paid activity and 97 (39.4%) declared housewife. There were 27 (11%) nulliparous and 215 (87.4%) women with at least one child, with an average of 1.6 children per woman. Among the adolescents in the study, 15 (75%) had at least one child. Conclusion: Most of the women who inserted IUDs in the Primary Health Care of Paraíba were between 20 and 29 years of age, had completed high school, had paid work, and had 1 to 2 children. The low percentages of women with low levels of education, adolescents and nulliparas found in the sample point to the need to outline specific strategies to encourage intrauterine devices in Primary Health Care.

Introdução: Dentre os contraceptivos reversíveis de longa ação disponíveis no mercado, o dispositivo intrauterino (DIU) de cobre é o método oferecido pelo Ministério da Saúde para ser disponibilizado na rede de serviços do Sistema Único de Saúde (SUS). Apesar de ser uma forma de contracepção com alta eficácia e segurança, inclusive em adolescentes e nulíparas, o DIU ainda é subutilizado no Brasil. Objetivo: Traçar o perfil das mulheres submetidas à inserção de DIU de cobre na Atenção Primária à Saúde (APS) de municípios da Paraíba. Métodos: Estudo transversal, descritivo, com amostra de 246 mulheres submetidas à inserção de DIU de cobre em Unidades Básicas de Saúde (UBS) de municípios da Paraíba entre 2016 e 2019. Informações sobre idade, ocupação, escolaridade, estado civil e paridade dessas mulheres foram coletadas de prontuários médicos e registros do procedimento. As variáveis nominais foram apresentadas por meio de suas frequências absolutas e relativas e as variáveis contínuas por meio de suas médias, medianas e modas. Resultados: A idade das mulheres variou de 15 a 50 anos, sendo a idade média de 27,4 anos, 158 (64,2%) usuárias eram casadas ou estavam em união consensual e 150 (61%) mulheres apresentavam pelo menos o ensino médio completo. Na amostra, 110 (44,7%) mulheres exerciam alguma atividade remunerada e 97 (39,4%) declararam-se do lar. Foram observadas 27 (11%) nulíparas e 215 (87,4%) mulheres com pelo menos um filho, sendo uma média de 1,6 filhos por mulher. Dentre as adolescentes do estudo, 15 (75%) tinham pelo menos um filho. Conclusão: A maioria das mulheres que inseriram DIU na APS de municípios da Paraíba apresentava entre 20 e 29 anos, possuía ensino médio completo, exercia atividade remunerada e continha de 1 a 2 filhos. As baixas porcentagens de mulheres com baixa escolaridade, adolescentes e nulíparas encontradas na amostra apontam para a necessidade de traçar estratégias específicas de incentivo ao dispositivo intrauterino na Atenção Primária à Saúde.
Descritores: Atenção Primária à Saúde
Perfil de Saúde
Dispositivos Intrauterinos
Limites: Humanos
Feminino
Adolescente
Adulto
Pessoa de Meia-Idade
Responsável: BR408.1 - Biblioteca da Faculdade de Medicina - BFM


  7 / 414 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: biblio-1224068
Autor: Câmara, Felipe Alves da; Santos, Anne Caroline Arcanjo; Silveira, Bárbara Soany Lima; Socorro, Flávia Hermínia Oliveira Souza; Moura, Juliana Thalia Souza de; Rollemberg, Karla Carolline Vieira.
Título: Principais causas ginecológicas de dor pélvica aguda em mulheres / Main gynecological causes of acute pelvic pain in women
Fonte: Femina;49(2):115-120, 20210228. ilus.
Idioma: pt.
Resumo: Este trabalho buscou reunir dados essenciais sobre as etiologias de dor pélvica aguda, uma queixa constante nos serviços de emergências e ambulatórios de ginecologia, responsável por grande desconforto e impacto na qualidade de vida de pacientes mulheres. É uma condição laboriosa por causa de seu amplo espectro de causas, devendo ser abordada com cuidado e atenção pelo profissional médico, o qual deve considerar os diversos diagnósticos diferenciais, sendo a ultrassonografia o exame de maior importância para auxiliar em seu diagnóstico. As principais etiologias não obstétricas podem ser não ginecológicas e ginecológicas; essas últimas são divididas em anexiais e uterinas. Entre as causas ginecológicas, devem- -se investigar cistos ovarianos, torções anexiais, leiomiomas, doença inflamatória pélvica, abscesso tubo-ovariano, dismenorreia e complicações de dispositivos intrauterinos. A maioria das causas tem tratamento eficaz, com retorno da função do órgão e melhora da qualidade de vida, sem complicações, especialmente se diagnosticada precocemente.(AU)

The aim of this study was to gather important data on acute pelvic pain etiologies, a usual complaint in the emergency services and gynecology outpatient clinics, responsible for great discomfort and impact on quality of life in female patients. It is a laborious condition due to its wide spectrum of causes, which needs to be approached with attention by the physician, who must consider all the possible diagnoses, being the ultrasonography the most important exam to detect it. The main non-obstetric etiologies can be non-gynecological and gynecological, which are separated in adnexal and uterine causes. Among the gynecological causes, ovarian cysts, adnexal torsions, leiomyomas, pelvic inflammatory disease, ovarian tube abscess, dysmenorrhea and complications of intrauterine devices should be investigated. Most causes can be effectively treated, with return of organ function and improved quality of life, without complications, especially if diagnosed early.(AU)
Descritores: Dor Pélvica/etiologia
Dor Aguda/etiologia
-Cistos Ovarianos/complicações
Bases de Dados Bibliográficas
Doença Inflamatória Pélvica/complicações
Dor Pélvica/diagnóstico
Dor Pélvica/diagnóstico por imagem
Abscesso/complicações
Dismenorreia/complicações
Torção Ovariana/complicações
Dispositivos Intrauterinos/efeitos adversos
Leiomioma/complicações
Limites: Humanos
Feminino
Tipo de Publ: Revisão
Responsável: BR1365.1 - Biblioteca Biomédica A - CB/A


  8 / 414 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-1040053
Autor: Basiri, Abbas; Shakiba, Behnam; Rostaminejad, Niloufar.
Título: Removal of intramural trapped intrauterine device by cystoscopic incision of bladder wall
Fonte: Int. braz. j. urol;45(2):408-409, Mar.-Apr. 2019.
Idioma: en.
Resumo: ABSTRACT A healthy 37 - year - old woman referred to our clinic with one - year history of recurrent urinary tract infection, dysuria and frequency. Her past medical history informed us that an IUD (Copper TCu380A) had been inserted 11 years ago. Eleven months after the IUD insertion she had become pregnant, unexpectedly. At that time, she had undergone gynecological examination and abdominal ultrasound study. However, the IUD had not been found, and the gynecologist had made the diagnosis of spontaneous fall out of the IUD. She had experienced normal pregnancy and caesarian section with no complications. On physical examination, pelvic examination was normal and no other abnormalities were noted. Urinalysis revealed microhematuria and pyuria. Urine culture was positive for Escherichia coli. Ultrasound study revealed a calculus of about 10 mm in the bladder with a hyperdense lesion. A plain abdominal radiograph was requested which showed a metallic foreign body in the pelvis. We failed to remove the IUD by cystoscopic forceps because it had strongly invaded into the uterine and bladder wall. Despite previous papers suggesting open or laparoscopic surgeries in this situation (1, 2), we performed a modified cystoscopic extraction technique. We made a superficial cut in the bladder mucosa and muscle with J - hook monopolar electrocautery and extracted it completely with gentle traction. This technique can decrease the indication of open or laparoscopic surgery for extraction of intravesical IUDs. In the other side of the coin, this technique may increase the risk of uterovesical fistula. Therefore, the depth of incision is important and the surgeon should cut the bladder wall superficially with caution. Although present study is a case report which is normally classified as with low level of evidence, it seems that our modified cystoscopic extraction technique is a safe and useful method for extraction of partially intravesical IUDs.
Descritores: Bexiga Urinária/cirurgia
Remoção de Dispositivo/instrumentação
Cistoscopia/métodos
Dispositivos Intrauterinos/efeitos adversos
-Procedimentos Cirúrgicos em Ginecologia/métodos
Migração de Corpo Estranho/cirurgia
Laparoscopia/métodos
Limites: Humanos
Feminino
Adulto
Tipo de Publ: Relatos de Casos
Responsável: BR1.1 - BIREME


  9 / 414 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: lil-295676
Autor: Gómez Pérez, Luis; Becerra Pérez, Ángel; Rivero Araújo, Alberto V; Castañeda Àlvarez, Eduardo.
Título: Vejiga perforada por dispositivo intrauterino: presentación de 1 caso / Urinary bladder perforated by intrauterine device. A case report
Fonte: Rev. cuba. cir;40(1):[56-8], ene.-abr. 2001. ilus.
Idioma: es.
Resumo: Se presenta el caso de una paciente femenina de 32 años de edad que consulta al ginecólogo por presentar dolor mantenido de mediana intensidad en hipogastrio y crisis de sepsis urinaria repetida. Se comprobó la presencia de un cuerpo extraño (dispositivo intrauterino) en la vejiga, mediante la realización de endoscopia y por esta vía se logró extraer. Actualmente la paciente está asintomática(AU)

A 32 year-old female patient who visits the gynecologist due to a mantained pain of moderate intensity in the hypogastrium and repeated crises of urinary sepsis is presented. The presence of a foreign body (intrauterine device) in the urinary bladder is proved by endoscopy, which is also used to extract it. At present, the patient is asymptomatic(AU)
Descritores: Bexiga Urinária/lesões
Reação a Corpo Estranho/diagnóstico por imagem
Endoscopia/métodos
Dispositivos Intrauterinos/efeitos adversos
Limites: Humanos
Feminino
Adulto
Responsável: CU1.1 - Biblioteca Médica Nacional


  10 / 414 LILACS  
              first record previous record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-1249589
Autor: Pan, Li-Zhen; Wang, Ying; Chen, Xian.
Título: A randomized controlled study on an integrated approach to prevent and treat re-adhesion after transcervical resection of moderate-to-severe intrauterine adhesions
Fonte: Clinics;76:e1987, 2021. tab.
Idioma: en.
Projeto: Medical Innovation Project of Fujian Province.
Resumo: OBJECTIVES: This study aims to compare the clinical efficacy of an integrated approach to prevent and treat the recurrence of moderate-to-severe intrauterine adhesions (IUA) after hysteroscopic transcervical resection of adhesion (TCRA). METHODS: The study included a total of 70 patients with moderate-to-severe IUAs who underwent TCRA. Patients were randomly divided into two groups: treatment group (n=35) and control group n=35). In the treatment group, patients underwent balloon uterine stent placement and artificial cycle as well as received intrauterine perfusion of Danshen injection and oral Chinese medicine. In the control group, patients underwent balloon uterine stent placement and artificial cycle as well as received hyaluronic acid sodium and intrauterine device (IUD). Follow-up was performed after treatment of uterine cavity, menstruation and pregnancy. RESULTS: After 3 months of treatment, we observed a significantly lower rate of intrauterine re-adhesion (45.71% versus 77.14%, p=0.044) and significantly higher clinical efficiency (82.86% versus 77.14%, p=0.025) in the treatment group than those in the control group. After 6 months of treatment, we observed a significantly higher clinical efficiency in the treatment group than that in the control group (88.57% versus 68.57%, p=0.039). During the follow-up period, the pregnancy rate was 45.71% and 37.14% in the treatment group and control group, respectively, although the difference was not statistically significant (p=0.628). CONCLUSIONS: After surgical management of IUA, the integrated treatment combining a uterus stent placement and artificial cycle with Danshen injection and oral Chinese medicine can improve the condition of menstruation, and prevent and treat recurrence of IUA.
Descritores: Doenças Uterinas/cirurgia
Doenças Uterinas/prevenção & controle
Dispositivos Intrauterinos
-Histeroscopia
Aderências Teciduais/prevenção & controle
Ácido Hialurônico/uso terapêutico
Limites: Humanos
Feminino
Gravidez
Tipo de Publ: Ensaio Clínico Controlado Aleatório
Responsável: BR1.1 - BIREME



página 1 de 42 ir para página                         
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde