Base de dados : LILACS
Pesquisa : E07.858.442.660.430.500 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 101 [refinar]
Mostrando: 1 .. 10   no formato [Detalhado]

página 1 de 11 ir para página                         

  1 / 101 LILACS  
              next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-1144205
Autor: Bertinatto, Ronan; Forlin, Edilson; Wustro, Leonardo; Tolotti, Jacqueline Ojeda; de Souza, Geovanna Andrade Labres.
Título: Does the Presence of Clubfoot delay the Onset of Walking? / A presença do pé torto congênito atrasa o início da marcha?
Fonte: Rev. bras. ortop;55(5):637-641, Sept.-Oct. 2020. tab, graf.
Idioma: en.
Resumo: Abstract Objective Congenital clubfoot (PTC) is a congenital orthopedic condition often requiring intensive treatment; little is known about the impact of such treatment on motor development. The present study assessed whether gait development is later in patients with PTC treated with the Ponseti method in comparison to a control group and analyzed possible related factors. Methods Patients born at term, < 6 months old, not submitted to previous treatment and with a minimum follow-up period of 24 months were included. The control group consisted of patients with no musculoskeletal disorders seen during the present study. Results The study group consisted of 97 patients, whereas the control group had 100 subjects. The mean age at gait start was 14.7 ± 3.2 months in the study group and 12.6 ± 1.5 months in the control group (p< 0.05). Factors related to late gait included age at beginning of treatment > 3 weeks, number of plaster cast changes > 7, recurrence and nonperformance of Achilles tenotomy. Age at beginning of treatment > 3 weeks was related to a greater number of plaster cast changes. Gender and laterality were not related to late gait development. Conclusion Congenital clubfoot patients treated with the Ponseti method show independent walking approximately 2 months later than the control group. Delayed treatment, higher number of plaster cast changes, recurrence and nonperformance of Achilles tenotomy were related to late gait.

Resumo Objetivo O pé torto congênito (PTC) é uma das alterações ortopédicas congênitas que mais frequentemente necessita tratamento intensivo, e pouco se sabe o impacto desse tratamento no desenvolvimento motor. O presente estudo buscou avaliar se pacientes portadores de PTC tratados pelo método de Ponseti desenvolvem a marcha mais tardiamente comparado a um grupo controle e analisar possíveis fatores relacionados. Métodos Incluídos pacientes nascidos a termo, com < 6 meses de idade, sem tratamento prévio e com seguimento mínimo de 24 meses. O grupo controle foi de pacientes sem alterações musculoesqueléticas, atendidos no mesmo período da realização do presente estudo. Resultados Um total de 97 pacientes formaram o grupo de estudo e 100 o grupo controle. A média de idade no início da marcha no grupo de estudo foi de 14,7 ± 3,2 meses, e 12,6 ± 1,5 meses (p< 0,05) no grupo controle. Fatores relacionados à marcha tardia foram: idade de início do tratamento > 3 semanas, número de trocas gessadas > 7, recidiva e não realização da tenotomia de Aquiles. Idade de início do tratamento > 3 semanas esteve relacionada a maior número de trocas de gessos. Gênero e lateralidade não tiveram relação com a marcha tardia. Conclusão Pacientes com PTC tratados com o método de Ponseti apresentam marcha independente aproximadamente 2 meses mais tarde do que o grupo controle. Início mais tardio do tratamento, maior número de trocas de gessos, recidiva e não realização da tenotomia de Aquiles foram relacionados com atraso da marcha.
Descritores: Pé Torto Equinovaro
Moldes Cirúrgicos
Grupos Controle
Caminhada
Resultado do Tratamento
Idade de Início
Deformidades Congênitas das Extremidades Inferiores
Tempo para o Tratamento
Marcha
Identidade de Gênero
Lateralidade Funcional
Manipulação Ortopédica
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Lactente
Responsável: BR26.1 - Biblioteca Central


  2 / 101 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: biblio-1141518
Autor: Fernández Tarazona, Juan A; Torres Rivera, Zady J.
Título: Mechanical retention: an important factor for the bond strength of glass fiber posts
Fonte: J. oral res. (Impresa);8(1):4-5, feb. 28, 2019.
Idioma: en.
Descritores: Técnica para Retentor Intrarradicular
Colagem Dentária
Cimentos de Resina
-Moldes Cirúrgicos
Cimentação
Cimentos Dentários
Vidro
Limites: Humanos
Responsável: CL30.1 - Biblioteca


  3 / 101 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: biblio-842505
Autor: Porta, Julieta; Masquijo, Javier.
Título: Tratamiento del pie bot idiopático luego de la edad de la marcha: revisión sistemática de la bibliografía / Treatment of the idiopathic clubfoot after the walking age: a systematic bibliographic review
Fonte: Rev. Asoc. Argent. Ortop. Traumatol;82(1):14-18, mar. 2017. [].
Idioma: es.
Resumo: Introducción: La eficacia obtenida con el método de Ponseti en pacientes recién nacidos ha llevado a extender las indicaciones a pacientes de mayor edad. Llevamos a cabo una revisión sistemática de la bibliografía para: 1) definir el grado de comprobación científica con respecto al tratamiento del pie bot con el método de Ponseti en niños >1 año, 2) determinar el número de yesos y procedimientos asociados, 3) determinar el porcentaje de corrección y 4) identificar la tasa de complicaciones. Materiales y Métodos: Utilizando las bases de datos informáticas disponibles en Ovid, PubMed, LILACS y Cochrane Library, se recogieron todos los trabajos sobre pacientes >1 año, con tratamiento de pie bot idiopático mediante el método de Ponseti, publicados hasta el 1 de mayo de 2014. Se revisaron aquellos que cumplieran con criterios de inclusión y exclusión prestablecidos. Resultados: La muestra analizada incluyó 11 estudios con 492 pacientes. La edad promedio al iniciar el tratamiento fue de 3.8 años (rango 1-18). El seguimiento promedio fue de 31 meses. Se realizaron un número promedio de 8 yesos (rango 4-12). Se consiguió un pie plantígrado en el 75% de los casos. La tasa de complicaciones fue del 4,3%. Conclusiones: La evidencia actual en niños >1 año tratados con el método de Ponseti es de nivel IV. Si bien el uso de esta técnica requiere de un mayor número de yesos y procedimientos asociados que en el recién nacido, permite corregir la deformidad, de forma segura, en un alto porcentaje de los casos. Nivel de Evidencia: IV

Introduction: Ponseti´s method efficacy in newborns has led to widen the indications in older patients. A systematic review of the literature was performed to: 1) define the degree of scientific evidence on Ponseti´s method in children over one-year-old with clubfoot; 2) assess the number of casts and associated procedures required to accomplish full correction; 3) determine the percentage of full corrected patients; and 4) identify the rate of recurrence and complications related to this method. Methods: We retrieved from Ovid, PubMed, LILACS and Cochrane Library articles referred to Ponseti´s method in children over one-year-old published until May 1st 2014. Papers that met predetermined inclusion and exclusion criteria were reviewed. Results: Eleven papers met the inclusion criteria. The sample consisted in 492 patients. Average age at the beginning of treatment was 3.8 years (range 1-18). Average follow-up was 31 months. A mean of 8 (range 4-12) casts was required to accomplish full correction. Plantigrade feet were achieved in 75%. Complication rate was 4.3%. Conclusions: Current evidence regarding Ponseti’s method for patients over one-year-old is primarily Level IV. Even though this technique requires higher number of casts and associated procedures, deformity correction is safely achieved in most patients. Level of Evidence: IV
Descritores: Moldes Cirúrgicos
Procedimentos Ortopédicos
Pé Torto/diagnóstico
Pé Torto/terapia
Limites: Pré-Escolar
Criança
Tipo de Publ: Metanálise
Responsável: AR337.1 - Biblioteca A.A.O.T.


  4 / 101 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: lil-518050
Autor: icvila, Gisseli Bertozzi; Dias, Sérgio Cândido; Ribeiro, José Carlos Rabelo; Gomes, Priscila Nogueira; Moysés, Marcos Ribeiro.
Título: Análise da fragilidade do Core- quando reconstruído com diferentes resinas e pinos pré-fabricados não metálicos / Analysis of the Core frailty whenever reconstructed with different composites resins and prefabricated no-metallic
Fonte: Arq. odontol;43(2):4-8, 2007. tab.
Idioma: pt.
Resumo: Para realização deste estudo vinte condutos artificiais foram construídos em blocos formados por esmaltee dentina, a partir de dentes bovinos. Dez pinos de fibra de vidro e dez de fibra de carbono foram cimentadosnos condutos com cimento resinoso C&B. Empregou-se matriz de policarbonato para confecção do coreem resina composta, perfazendo quatro grupos: Grupo (1) pino de fibra de vidro e core com resina compostaCharisma; Grupo (2) pino de fibra de carbono e core com resina composta Charisma; Grupo (3) pino defibra de vidro e core com resina composta reforçada Enforce-core; Grupo (4) pino de fibra de carbono ecore com resina composta reforçada Enforce-core. Os ensaios mecânicos de compressão foram realizadosna máquina universal de ensaios EMIC DL 2000, com célula de carga 2000kgf e velocidade 1mm/mim.Verificou-se diferença estatística (p<0,05) (ANOVA) somente do fator resina no que tange as medidas daresistência à fratura do core, além disso, não há uma influencia significativa do tipo de fibra e nem mesmoda interação entre os fatores (resina x fibra). A conclusão para um fator é a mesma independentemente donível do outro fator. Os resultados para os dentes com resina composta reforçada diferem significativamentedos dentes que utilizaram resina composta não reforçada, onde, os dentes com resina composta reforçadaapresentaram medidas de resistência significativamente superiores aos dentes que utilizaram resina compostanão reforçada, independentemente do tipo de fibra (Teste de DUNCAN). Portanto, a fibra não influencia noresultado de resistência.
Descritores: Pinos Dentários
Resinas Compostas/uso terapêutico
Resinas/análise
-Cimentos de Resina/uso terapêutico
Interpretação Estatística de Dados
Moldes Cirúrgicos
Limites: Bovinos
Responsável: BR365.1 - BIB - Biblioteca


  5 / 101 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: lil-472241
Autor: Santos, Márcia Caroline Marins; Duarte, Glauber Vieira; Carvalho, Lívia; Mota, Andrea Pereira; Wanderley-Cruz, José Flávio.
Título: Desinfecção de moldes / Disinfection of impressions
Fonte: Rev. Ciênc. Méd. Biol. (Impr.) = J. med. biol. sci;4(1):32-37, jan.-abr. 2005. ilus, tab.
Idioma: pt.
Resumo: Devido à necessidade de prevenção da contaminação cruzada entre a equipe odontológica e pacientes, inúmeras técnicase substâncias têm sido utilizadas na promoção da biossegurança em odontologia. Os moldes são classificados como meios de transmissão de microorganismos e, portanto, requerem atenção especial na sua manipulação. O processo de desinfecção de moldes é controverso, e não existe uma padronização universal, variando desde as substâncias utilizadas, suas concentrações, o tempo de desinfecção e até a técnica. Além disso, existe associação entre desinfecção e possibilidade de alteração dimensional dos moldes, propiciando modelos infiéis à condição bucal. O objetivo deste artigo é apresentar técnicas viáveis de desinfecção de moldes, como também alertar os profissionais quanto ao risco da infecção cruzada.
Descritores: Poluição Ambiental
Desinfecção
Moldes Cirúrgicos
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Responsável: BR337.1 - Biblioteca


  6 / 101 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: biblio-1113011
Autor: Gómez Neyra, Marco Antonio.
Título: Tratamiento ortopédico de las fracturas diafisiarias de fémur en niños / Orthopedic treatment of femoral shaft fractures in children.
Fonte: Lima; s.n; 2012. 45 p. ilus, tab.
Idioma: es.
Tese: Apresentada a Universidad Nacional Mayor de San Marcos. Facultad de Medicina para obtenção do grau de Especialista.
Resumo: Objetivo: El propósito de este estudio es mostrar nuestra experiencia en el Hospital Nacional Hipólito Unanue sobre el tratamiento ortopédico de las fracturas diafisiarias de fémur en niños. Material y Métodos: Se realizó un estudio retrospectivo, longitudinal, de tipo analítico en 88 pacientes menores de 12 años de edad en el período comprendido entre enero del 2007 y diciembre del 2010, que recibieron tratamiento ortopédico (tracción de partes blandas más colocación de yeso). Resultados: Se encontró predominancia en el sexo masculino en un 55 por ciento de casos, la edad de presentación más frecuente correspondió a los menores de 3 años (65 por ciento), el lado de mayor predominancia fue el lado derecho en un 55 por ciento. La causa principal fue por caídas (51 por ciento) y la localización más frecuente de la fractura fue en el tercio medio (80 por ciento). Primó el trazo de fractura transverso en un 43 por ciento. En este estudio el 86 por ciento de los pacientes estuvo con tracción lineal de partes blandas entre 15 a 21 días. Sobre el tiempo de uso del aparato de yeso el 55 por ciento en promedio estuvo con aparato de yeso entre 40 a 50 días. De los 88 pacientes un 48 por ciento presentaron complicaciones posteriores al retiro de la espica de yeso, dolor (23 por ciento), rigidez de rodilla (18 por ciento) y dismetrías (7 por ciento). Con la prueba estadística de chi-cuadrado se halló relación estadísticamente significativa entre las complicaciones presentadas y el tiempo de tracción, y entre las complicaciones y el tiempo de uso de aparato de yeso. Conclusiones: Los resultados obtenidos a corto y largo plazo así como las complicaciones son de características similares a otros estudios. Se requiere una adecuada valoración de este tipo de fracturas, y un análisis de los riesgos y beneficios de los diversos tipos de tratamiento. El tratamiento quirúrgico se debe reservar principalmente para los niños mayores de 6 años.

Objective: The purpose of this study is to show our experience in the National Hospital Hipolito Unanue about the orthopedic treatment of femoral shaft fractures in children. Material and Methods: We conducted a retrospective longitudinal analytical type in 88 patients under 12 years of age in the period between January 2007 and December 2010, who received orthopedic treatment (more traction placement plaster). Results: Was found in the male predominance in 55 per cent of cases, the most common presenting age corresponded to less than 3 years (65 per cent), the most predominant side was the right side in 55 per cent. The main cause was due to falls (51 per cent) and the most common site of the fracture was in the middle third (80 per cent). The main fracture line was transverse with 43 per cent. In this study 86 per cent of patients with linear-pull was soft between 15 to 21 days. About the time the appliance is plaster on average 55 per cent Installed plaster was between 40 to 50 days. Of the 88 patients 48 per cent had complications after the removal of the plaster spica, pain (23 per cent), knee stiffness (18 per cent) and limb differences (7 per cent). With the test statistical test of chi-square statistically significant relationship was found between the complications and time traction, and between complications and plaster airtime. Conclusion: The results in the short and long term and complications are similar to other studies. It requires a proper assessment of these fractures, and an analysis of the risks and benefits of various types of treatment. Surgical treatment should be reserved mainly for children over 6 years.
Descritores: Fraturas do Fêmur
Moldes Cirúrgicos
Procedimentos Ortopédicos
Tração
-Estudos Longitudinais
Estudos Retrospectivos
Limites: Masculino
Feminino
Humanos
Lactente
Pré-Escolar
Criança
Responsável: PE13.1 - Oficina de Biblioteca, Hemeroteca y Centro de Documentación
PE13.1; ME, WE, 175, G61, ej.1. 010000091565; PE13.1; ME, WE, 175, G61, ej.2. 010000091566


  7 / 101 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: biblio-873769
Autor: Matsui, Roberto Hiroshi; Ortolani, Cristina Lúcia Feijó; Castilho, Julio Cezar de Melo; Costa, Cláudio.
Título: Análise de modelos ortodônticos pelo método digitalizado* / Analiysis for orthodontics models through digitalized methods
Fonte: J. Health Sci. Inst = Rev. Inst. Ciênc. Saúde;25(3):285-290, jul.-set. 2007. tab, graf.
Idioma: pt.
Resumo: Introdução - Neste trabalho foi feita uma adaptação para que a análise de método pelo método digitalizado se torne mais confiável, incluindo uma mudança na fórmula para o cálculo da discrepância total. Material e Métodos - Foram utilizados modelos de estudo inferiores com Curva de Spee acentuada, scanner, programa de computador, compasso de ponta seca, régua milimetrada e paquímetro digital para demonstrar diferenças entre as análises nos métodos direto e digitalizado projeta a imagem tridimensional (3D) em um único plano bidimensional (2D), com medidas discrepantes e estatisticamente diferentes (nível 5%) quando comparadas aos valores obtidos pelo método direto. No método digitalizado não são considerados os espaços de 2ª ordem (ex: Curva de Spee enquanto no método direto as medidas do espaço requerido são maiores do que as encontradas no método digitalizado, onde tais espaços são submetidos pela projeção bidimensional das imagens utilizadas. Conclusão - Os métodos de análises devem ser escolhidos individualmente a cada caso, e existem meios para compensar eventual deficiência técnica na captação de imagens, nesse caso a fórmula para análise de modelos (DT - DC + DM + DSp).
Descritores: Diagnóstico por Computador
Modelos Dentários
Simulação por Computador
-Moldes Cirúrgicos
Oclusão Dentária
Sulfato de Cálcio
Tipo de Publ: Estudo Comparativo
Responsável: BR12.1 - Biblioteca Setorial da Ciências da Saúde


  8 / 101 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Texto completo
Id: biblio-963862
Autor: Pithon, Matheus Melo; Santos, Rogerio Lacerda; Araújo, Jean Thiago Silva; Coqueiro, Raildo da Silva.
Título: Applicability of moyers' probability table in the population of the northeast of Brazil / Aplicabilidade da tabela de probabilidade de moyers na população do nordeste do Brasil
Fonte: Biosci. j. (Online);31(1):311-318, jan./fev. 2015.
Idioma: en.
Resumo: This study aimed to evaluate the applicability and reliability of Moyers' probability tables in a sample population of youngsters in the Northeast of Brazil. A total of 200 plaster casts of the mandibular arch were evaluated, whom 99 were men and 101 females, aged 15-19 years. For this purpose a digital pachymeter was used to measure the mesiodistal widths of the tooth crowns. The values of the mesiodistal diameters obtained were submitted to statistical analysis by simple linear regression. Only the canine/premolar segment presented significant difference (p<.001) between the mesiodistal diameters of the individuals of the male and female genders, and the male gender presented broader teeth. The regression equations for the mandibular arch for men, Y= 13.42 + 0.37(X) and women, Y= 8.79 + 0.55(X), demonstrated that Moyers' tables with 75 percentage levels, tended to underestimate the real sum of the mandibular permanent canine and premolar of individuals of the male and female gender, however, without statistical difference (p>.05). It could be concluded that there was sexual dimorphism in the size of the teeth for the canine/premolar segment, with men presenting broader teeth. Moyers' probability tables were shown to be reliable for application in white individuals in the Northeast of Brazil.

Este estudo objetivou avaliar a aplicabilidade e a confiabilidade das tabelas de Moyers em uma amostra populacional de jovens do Nordeste brasileiro. Um total de 200 modelos de gesso da arcada inferior foram avaliados, sendo 99 indivíduos do gênero masculino e 101 do gênero feminino, na faixa etária de 15 a 19 anos. Para tal foi utilizado paquímetro digital para realizar a medição das larguras mésio-distais das coroas dos dentes. Os valores dos diâmetros mésio-distais obtidos foram submetidos à análise estatística de regressão linear simples. Apenas o segmento canino/pré-molares apresentou diferença significativa (p<0.001) entre os diâmetros mésio-distais dos indivíduos do gênero masculino e feminino, sendo que o gênero masculino apresentou dentes mais largos. As equações de regressão para o arco inferior para homens, Y= 13,42 + 0,37(X) e Mulheres, Y= 8,79 + 0,55(X), demonstraram que as Tabelas de Moyers com 75 níveis percentuais, tenderam a subestimar a soma real do canino inferior permanente e pré-molares para indivíduos do gênero masculino e feminino, no entanto, sem diferença estatística (p>0.05). Pôde-se concluir que há dimorfismo sexual, no tamanho dos dentes para o segmento canino/pré-molares, com os homens apresentando dentes mais largos. As tabelas de probabilidade de Moyers mostraram ser confiáveis para ser aplicadas em indivíduos brancos do nordeste brasileiro.
Descritores: Ortodontia
Dente
Moldes Cirúrgicos
Caracteres Sexuais
Coroa do Dente
Dentição Mista
-População
Responsável: BR396.1 - Biblioteca Central


  9 / 101 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: biblio-865629
Autor: Araki, Janine Della Valle.
Título: Comparação da estabilidade do tratamento da má oclusão de Classe II subdivisão realizado com extração de três e quatro pré-molares / Stability of Class II Subdivision Malocclusion Treatment With 3- and 4- Extractions.
Fonte: Bauru; s.n; 2010. 182 p. ilus, tab.
Idioma: pt.
Tese: Apresentada a Universidade de São Paulo. Faculdade de Odontologia de Bauru para obtenção do grau de Doutor.
Resumo: Diante da indicação do tratamento da Classe II subdivisão com extrações dentárias, existe a alternativa de extrair três ou quatro pré-molares. Estes protocolos atuam diferentemente na relação molar porque o tratamento com três extrações mantém a relação molar de Classe II em um dos lados e a de Classe I no outro e o tratamento com quatro extrações busca atingir uma relação molar de Classe I bilateral, corrigindo a relação molar de Classe II presente no início do tratamento. Considerando-se que o sucesso do tratamento ortodôntico está relacionado com a manutenção das alterações promovidas, em longo prazo, e que alguns autores questionam a estabilidade do término com relação molar de Classe II, julgou-se pertinente comparar a estabilidade dos resultados promovidos por estes dois protocolos. Para tanto, foram selecionados 162 pares de modelos de gesso de 52 pacientes Classe II subdivisão, correspondentes a três estágios distintos: pré-tratamento (T1), pós-tratamento (T2) e de observação pós-tratamento (T3), ou seja, confeccionados 6,9 anos, em média, após o término do tratamento. O grupo 1 foi composto pelos modelos de gesso de 24 pacientes tratados com três extrações e com idade média de 13,54 anos (9,50 a 21,06) no pré-tratamento, de 17,03 anos (14,42 a 25,11) no pós-tratamento e de 23,45 anos (18,33 a 29,87) no estágio de observação pós-tratamento e o grupo 2 compreendeu os modelos de gesso de 28 pacientes tratados com quatro extrações e com idade média de 13,33 anos (10,51 a 15,68) no pré-tratamento, de 16,31 anos (14,01 a 20,86) no pós-tratamento e de 23,70 anos (17,18 a 35,16) no estágio de observação pós-tratamento. Calculou-se os valores dos índices oclusais PAR e IPT para todos os pares de modelos de gesso e, a partir deles, calculou-se as alterações do tratamento e pós-tratamento. O teste t independente foi empregado para a comparação entre os grupos das idades e dos valores dos índices oclusais PAR e IPT nos três estágios de avaliação, dos...

If Class II subdivision treatment with extractions is the best treatment alternative, it can comprise 3- or 4- premolar extractions. The main difference between these two protocols is their accomplishment to the posttreatment molar relationship because the first achieve a Class II molar relationship in one side and a Class I in the other and the second attain a bilateral Class I molar relationship. Considering that long-term stability is an important item of treatment success evaluation and stability of Class II molar relationship that is kept unchanged in some protocols is considered to be suspicious by some authors, the purpose of this study was to compare the occlusal stability of Class II subdivision malocclusion treatment with 3- and 4- premolar extractions. The sample comprised 162 pairs of dental casts obtained at T1 (pretreatment), T2 (posttreatment) and T3 (long-term posttreatment), that match to a mean of 6.9 years after treatment conclusion of 52 Class II subdivision patients. Group 1 comprised the dental casts of 24 patients treated with 3 premolar extractions and with a mean age of 13.54 years (range, 9.50 to 21.06) at pretreatment, 17.03 years (range 14.42 to 25.11) at posttreatment and 23.45 years (range, 18.33 to 29.87) at long-term posttreatment and group 2 included 28 patients' dental casts treated with four premolar extractions and with a mean age of 13.33 years (range, 10.51 to 15.68) at pretreatment, 16.31 years (range, 14.01 to 20.86) at posttreatment and 23.70 years (range, 17.18 to 35.16) at long-term posttreatment. The PAR and TPI occlusal indexes were calculated for all the dental casts and they were used to calculate the treatment and long-term posttreatment changes. T tests were used to compare the groups´ ages and the indexes values at T1, T2 and T3, the treatment time, the long-term posttreatment time, the amount of treatment and long-term posttreatment changes and the percentages of reduction and relapse...
Descritores: Má Oclusão de Angle Classe II/terapia
Extração Dentária
-Estudos de Casos e Controles
Moldes Cirúrgicos
Distribuição de Qui-Quadrado
Assimetria Facial
Estatísticas não Paramétricas
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Criança
Adolescente
Adulto Jovem
Adulto
Responsável: BR28.1 - Serviço de Biblioteca e Documentação Professor Doutor Antônio Gabriel Atta


  10 / 101 LILACS  
              first record previous record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: biblio-855227
Autor: Mattos, Beatriz silva Câmara; Reis, Ricardo César; Marafon, Priscila Galzo; Alves, Ana Paula Pereira Pinheiro; Saboya, Antonio Carlos Lorenz.
Título: Avaliação comparativa de técnicas de escultura para prótese auricular / Comparative evaluation of sculpture techniques in auricular prostheses
Fonte: RPG, Rev. Pós-Grad;15(2):97-102, abr.-jun. 2008. ilus, tab.
Idioma: pt.
Resumo: Embora fundamentatada em pontos anatômicos de referência, atécnica de escultura à mão livre se afeita às variações individuais, dependendo da habilidade do operador em transferir dados anatômicos em uma situação tridimensional. Com o objetivo de minimizar essa dependência e facilitar a trasferência de dados antropométricos para escultura de prótese auricular foi realizada uma avaliação comparativa de uma técnica de escultura à mão liver e guiada por imagem impressa em transparência. Pontos antropométricos foram demarcados em modelos em gesso da orelha externa direita de 15 indivíduos adultos voluntários, estabelecendo-se as medidas lineares a serem observadas. Os modelos foram escaneados e as imagens obtidas foram revertidas e impressas em transparências. O Grupo Controle foi constituído por 15 modelos de gesso e o Grupo de Estudo foi composto pelas 15 esculuras à mão livre e 15 eculturas guiadas pela transparência. Embora as medidas lineares 6-3 (ponto auricular superior ao ponto auricular inferior) e 7-5 (ponto auricular posterior ao ponto otobásio superior) tenham sido reproduzidas de modo semelhante por ambas as técnicas de escultura, em todas as outras medidas a escultura guiada apresentou coeficientes de variação bastante próximos àqueles dos modelos de gesso, sugerindo melhor reprodutibilidade por esta técnica de escultura. A análise estatística Postos Sinalizados de Wilcoxon (p<=0,05), utilizada para comparação das medidas obtidas nas técnicas de escultura e entre as duas técnicas de escultura, apontou que, no geral, não foram observadas diferenças significativas entre o modelo e as técnicas de escultura guiada por imagem revertida da orelha externa impressa em transparência mostrou melhores resultados, facilitando a transferência de medidas lineares a serem observadas durante a escultura de prótese auricular
Descritores: Antropometria
Implantes Cocleares
Prótese Maxilofacial
-Moldes Cirúrgicos
Orelha
Escultura
Análise Estatística
Tipo de Publ: Estudo Comparativo
Estudo de Avaliação
Responsável: BR501.1 - Biblioteca de Ciências da Saúde / Sede Botânico



página 1 de 11 ir para página                         
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde