Base de dados : LILACS
Pesquisa : F01.145.813.550.500 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 201 [refinar]
Mostrando: 1 .. 10   no formato [Detalhado]

página 1 de 21 ir para página                         

  1 / 201 LILACS  
              next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: lil-638468
Autor: Lopera Valle, Johan Sebastián; Rojas Jiménez, Sara.
Título: Salud mental en poblaciones indígenas: una aproximación a la problemática de salud pública / Mental health in indigenous population: an approach to the problem of public health
Fonte: Med. U.P.B = Med. UPB;31(1):42-52, ene.-jun. 2012.
Idioma: es.
Resumo: La población indígena que habita territorio colombiano constituye el 3.4% de la población total del país y es propietaria de un tercio del territorio nacional. Se conoce también que es el grupo más desfavorecido de América Latina y tiene menor acceso a los servicios básicos de salud. Es la población que presenta los menores niveles de escolaridad, empleo, economía, vivienda y salud; el racismo, la discriminación, el rechazo continuo, la hostilidad y los sentimientos de vergüenza, propician un círculo de desventajas que favorecen el abuso de sustancias, depresión y otros trastornos mentales que se convierten en obstáculos para el derecho al goce del grado máximo de salud física y mental. Mientras en la población colombiana la tasa de suicidios es de 4.4 por cada 100 000 habitantes, entre los pueblos indígenas la tasa se eleva a 500 por cada 100 000. Es indispensable que se tomen medidas especiales para atender a esta población. Se trata de aplicar el concepto de cultura a la ciencia médica para enfrentar el desafío de la trasgresión cultural que sufren las poblaciones marginadas, para lo cual es necesario dejar a un lado el escepticismo de la medicina occidental con el fin de acceder al conocimiento de las creencias que el paciente tiene sobre su padecimiento y el significado social que atribuye a su trastorno para lograr un ambiente de total confianza entre estos dos mundos que están separados por una brecha cultural inmensa.

The Colombian indigenous population constitutes 3.4% of the total population of the country and they own a third of the country ́s land. Also, they are known as the most disadvantaged group in Latin America and continue having less access to basic health services. They have lower levels of education, employment, economy, housing and health; factors like racism, discrimination, the continued refusal, hostility and feelings of shame foster a cycle of disadvantage that favors the development of substance abuse, depression and other mental disorders that become obstacles to the right of the highest attainable standard of physical and mental health and other human rights and fundamental liberties related. while in the Colombian population the suicide rate is 4.4 per 100 000 inhabitants, in indigenous groups the rate rises to 500 per 100 000. On the other hand, it is essential that the medical act take special measures in the caring for these populations. It's basically to apply the concept of culture to medical science, in order to approach the challenge of cultural transgression that affects marginalized populations. This requires the exclusion of the skepticism of western medicine in order to gain access to the knowledge of the beliefs that patients have about their illness, and the social meaning attributed to their disorder, thus achieving an atmosphere of confidence between these two worlds that are separated by a huge cultural gap
Descritores: Grupos Populacionais
-Saúde Mental
Saúde Pública
Populações Vulneráveis
Grupos Populacionais
Racismo
Discriminação Social
Direitos Humanos
Limites: Humanos
Tipo de Publ: Revisão
Responsável: CO101.1 - BCdeS - Biblioteca Ciencias de la Salud


  2 / 201 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Saúde Pública
Texto completo
Id: biblio-1125358 LILACS-Express
Autor: Souza, Flávia.
Título: O dia em que a vida parou. Expressões da colonialidade em tempos de pandemia
Fonte: Physis (Rio J.);30(2):1-6, 2020.
Idioma: pt.
Descritores: Infecções por Coronavirus
Colonialismo
Grupo com Ancestrais do Continente Africano
Disparidades nos Níveis de Saúde
Iniquidade Social
Betacoronavirus
-Brasil
Grupos Étnicos
Racismo
Limites: Humanos
Tipo de Publ: Comentário
Responsável: BR433.1 - CB/C - Biblioteca Biomédica C


  3 / 201 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Saúde Pública
Texto completo
Id: biblio-1125365 LILACS-Express
Autor: Rodrigues, Igor de Assis; Cavalcante, João Roberto; Faerstein, Eduardo.
Título: Pandemia de Covid-19 e a saúde dos refugiados no Brasil
Fonte: Physis (Rio J.);30(3):1-14, 2020.
Idioma: pt.
Descritores: Refugiados
Infecções por Coronavirus
Vulnerabilidade em Saúde
Emigrantes e Imigrantes
Betacoronavirus
Direito à Saúde
-Brasil
Saúde Pública
Comunicação em Saúde
Racismo
Xenofobia
Barreiras ao Acesso aos Cuidados de Saúde
Tipo de Publ: Comentário
Responsável: BR433.1 - CB/C - Biblioteca Biomédica C


  4 / 201 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Saúde Pública
Texto completo
Id: biblio-1125372 LILACS-Express
Autor: Souza, Flávia Assis; Medeiros, Thamires; Mendonça, André Luis de Oliveira.
Título: "Eu não posso respirar": asfixiados pelo coronavírus e pelo Estado racializado
Fonte: Physis (Rio J.);30(3):1-10, 2020.
Idioma: pt.
Descritores: Política
Sistema Único de Saúde
Infecções por Coronavirus
Acesso Universal aos Serviços de Saúde
Racismo
Betacoronavirus
-Brasil
Saúde Pública
Estado
Origem Étnica e Saúde
Racismo/história
Direito à Saúde
Tipo de Publ: Comentário
Responsável: BR433.1 - CB/C - Biblioteca Biomédica C


  5 / 201 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: biblio-1096975
Autor: Nascimento, Andrea dos Santos; Souza, Gabriela Faria de; Silva, Maiara da; Oliveira, Mário Silva de.
Título: "Pretitude" e o Afroperspectivismo em Psicoterapia: Desafios para a Abordagem Gestáltica / "Pretitude" and Afroperspectivism in Psychotherapy: Challenges for the Gestalt Approach / "Pretitude" y Afroperspectivismo en Psicoterapia: Desafíos para el Enfoque de la Gestalt
Fonte: Estud. pesqui. psicol. (Impr.) = Estud. pesqui. psicol;19(4):927-946, mar. 2020.
Idioma: pt.
Resumo: Apresentamos a intervenção do projeto de extensão "Gestalt-Terapia, escuta e acolhimento psicológico de grupos", realizado desde 2018 por alunos extensionistas negros do Curso de Psicologia da Universidade Federal do Espírito Santo utilizando a abordagem Gestáltica. O objetivo é desenvolver a prática do acolhimento psicológico de grupos, para homens e mulheres negras, principalmente universitários. Para tanto, foram realizados 07 encontros no ano de 2018 (04 participantes) e 15 encontros no ano de 2019 (07 participantes), sendo 04 mulheres e 07 homens, com idades entre 19 e 45 anos. Os encontros aconteceram no Núcleo de Psicologia Aplicada em horário noturno. Os principais recursos terapêuticos são provenientes da expressão verbal e corporal, entretanto, músicas, vivências e atividades de colagens foram agregadas. Os resultados parciais indicaram que os encontros grupais proporcionaram cuidado e reconhecimento de si, do mundo e do outro, e melhora da autoestima na população assistida. Os participantes reconheceram muitos processos que interrompem as trocas afetivas, como resultado do racismo estrutural que a população negra brasileira vivencia. A consciência corporal e afetiva possibilitou uma reaproximação dos afetos positivos entre pessoas negras, de modo a reafirmar as características positivas dessa população. (AU)

We present the intervention of the extension project "Gestalt-Therapy, listening and psychological reception of groups", conducted since 2018 by black extension students of the Psychology Course of the Federal University of Espírito Santo using the Gestaltic approach. The objective is to develop the practice of psychological group reception for black men and women, mainly university students. To this end, 07 meetings were held in 2018 (04 participants) and 15 meetings in 2019 (07 participants), 04 women and 07 men, aged 19 to 45 years old. The meetings took place at the Center for Applied Psychology at night time. The main therapeutic resources came from verbal and body expression, however, songs, experiences and collage activities were added. The partial results indicated that the group meetings provided care and recognition of self, of the world and the other, it also improved self-esteem in the assisted population. The participants recognized many processes that interrupt affective exchanges as a result of the structural racism that the black Brazilian population experiences. Body and affective awareness made it possible to re-approach positive affections among black people in order to reaffirm the positive characteristics of this population. (AU)

Presentamos la intervención del proyecto de extensión "Terapia Gestalt, escucha y acogimiento psicológico de grupos", realizado desde 2018 por estudiantes negros extensionistas del Curso de Psicología de la Universidad Federal do Espírito Santo utilizando el enfoque Gestáltico. El objetivo es desarrollar una práctica de acogimiento psicológico de grupos, para hombres y mujeres negros, principalmente estudiantes universitarios. Para esto, fue realizado 07 encuentros en el año de 2018 (04 participantes) y 15 encuentros en el año de 2019 (07 participantes), siendo 04 mujeres y 07 hombres, con edades comprendidas entre 19 y 45 años. Los encuentros ocurrieron en el Núcleo de Psicología Aplicada en horario nocturno. Los principales recursos terapéuticos provenían de la expresión verbal y corporal, sin embargo, se agregaron la música, las experiencias y actividades de collage. Los resultados parciales indicaron que los encuentros grupales proporcionaron cuidado y reconocimiento de sí mismos, del mundo y del otro, y mejoraron la autoestima de la población asistida. Los participantes reconocieron muchos procesos que interrumpieron, destacándose los intercambios afectivos como resultado de un racismo estructural que la populación negra brasileña experimenta. La consciencia corporal y afectiva posibilitó una reaproximación de los afectos positivos entre personas negras, a modo de reafirmar las características positivas de esta populación. (AU)
Descritores: Psicoterapia
Terapia Gestalt
-Autoimagem
Grupo com Ancestrais do Continente Africano
Racismo
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Adulto
Pessoa de Meia-Idade
Responsável: BR1691.1 - Biblioteca CEH/A


  6 / 201 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Texto completo
Id: biblio-1145597
Autor: Lopes, Winnie Samanú de Lima.
Título: Meia lua Falciforme: poesia, dor e luta / Meia lua Falciforme: poetry, pain and battles / Meia lua Falciforme: poesía, dolor y lucha
Fonte: RECIIS (Online);14(4):996-1000, out.-dez. 2020. ilus.
Idioma: pt.
Resumo: O documentário Meia lua Falciforme retrata diversas faces e enfrentamentos no cotidiano dos pacientes e familiares que convivem com a doença falciforme no cenário brasileiro. A dor, o racismo e a resistência são pontos-chave discutidos no relevante curta-metragem, de Débora Evellyn Olimpo e Denise Kelm, que traz uma perspectiva para além do adoecimento físico e, com leveza, apresenta produções artísticas dos conviventes com a temática. No tocante à resistência e à luta, o documentário cita a grande conquista no que diz respeito ao reconhecimento e à normatização da doença no Brasil, os conflitos enfrentados rotineiramente em busca de acesso aos serviços de saúde, bem como a luta por um SUS que garanta os princípios da universalidade e equidade. A presente resenha traz algumas notas sobre o documentário e os temas que perpassam a vida dos pacientes desde o momento do diagnóstico até os itinerários e decisões terapêuticos.

The documentary entitled Meia lua Falciforme portrays different aspects and daily battles in the life of patients and their families who live with sickle cell disease in the Brazilian scenario. Pain, racism and resistance are key issues discussed in the relevant short-length film by Débora Evellyn Olimpo and Denise Kelm, which brings a perspective that extends beyond the physical illness, and presents in a dainty way some artistic productions of those living with the matter. The documentary mentions the great success regarding the resistance and the struggle for the recognition and regulation of the disease in Brazil, the conflicts routinely faced in search of access to health services, as well as the battle for a SUS that guarantees the principles of universality. and equity. This review brings some observations on the documentary and the matters that permeate the life of patients from the moment of diagnosis to the therapeutic itineraries and decisions.

El documental Meia lua Falciforme nos trae diferentes aspectos y enfrentamientos en la vida diaria de los pacientes y sus familiares que viven con la anemia de células falciformes en el escenario brasileño. El dolor, el racismo y la resistencia son puntos clave discutidos en el cortometraje relevante de Débora Evellyn Olimpo y Denise Kelm, que aporta una perspectiva más allá de la enfermedad física y con delicadeza presenta producciones artísticas de quien vive con el tema. Con respecto a la resistencia y la lucha, el documental cita el gran logro en la pelea por el reconocimiento y la regulación de la enfermedad en Brasil, los conflictos habituales que se enfrentan en busca del acceso a los servicios de salud, así como la lucha por un SUS que garantice los principios de universalidad. y equidad. Esta reseña trae algunas notas sobre el documental y los temas que atravesan la vida de los pacientes desde el momento del diagnóstico, hasta los itinerarios terapéuticos y las decisiones tomadas.
Descritores: Dor
Saúde Pública
Racismo
Saúde das Minorias Étnicas
Anemia Falciforme
-Fatores Socioeconômicos
Sistema Único de Saúde
Brasil
Filme e Vídeo Educativo
Acesso aos Serviços de Saúde
Limites: Humanos
Responsável: BR526.1 - Biblioteca de Saúde Pública


  7 / 201 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Texto completo
Id: biblio-1120496
Autor: Cordeiro, Rosa Cândida.
Título: Práticas de discriminação racial e de gênero na atenção à saúde de mulheres negras com anemia falciforme / Racial and gender discrimination procedures on behalf of African Brazilian women with sickle-cell anemia.
Fonte: Salvador; s.n; 2007. 91P p.
Idioma: pt.
Tese: Apresentada a Universidade Federal da Bahia para obtenção do grau de Mestre.
Resumo: Esta dissertação tem como objetivos: analisar práticas de discriminação racial e de gênero nos serviços de saúdes relatadas por mulheres negras com anemia falciforme e identificar e descrever práticas de discriminação racial e de gênero relacionadas ao acesso e a permanência de mulheres negras com diagnóstico de anemia falciforme nos serviços de saúde. A pesquisa foi de natureza qualitativa descritiva. O campo empírico foi a cidade de Salvador e o lócus da pesquisa foi o Distrito Sanitário Cabula/Beiru. Foram entrevistadas dez mulheres com anemia falciforme que se auto-declararam pretas ou pardas. Para coleta de dados utilizou-se a entrevista semi-estruturada e a observação participante, orientada por roteiros específicos. Os dados foram organizados utilizando-se a técnica do Discurso do Sujeito Coletivo (DSC), que consiste em agregar num só discurso-síntese conteúdos discursivos semelhantes. Os depoimentos foram analisados e destes extraídos as idéias centrais equivalentes e respectivas expressões chave para posteriormente com a organização dos depoimentos construir os Discursos do Sujeito Coletivo que descrevem as marcas da anemia falciforme no corpo e na vida dessas mulheres, o tratamento injusto, descortês ou humilhante percebido nas práticas e na organização dos serviços, a conversa depreciativa e a internalização da opressão nos fornecendo pistas de como se concretiza a discriminação racial e de gênero nos serviços de saúde. Os resultados mostram como a vida dessas mulheres foi fortemente marcada pela doença e pelas questões de gênero, raça e classe. Nos fornecem também pistas de como a discriminação racial e de gênero se concretiza dificultando o acesso e a permanência dessas mulheres nos serviços de saúde.(AU)
Descritores: Serviços de Saúde da Mulher
Saúde da Mulher
Racismo
Anemia Falciforme
-Grupo com Ancestrais do Continente Africano
Vulnerabilidade em Saúde
Limites: Humanos
Feminino
Responsável: BR342.1 - Biblioteca Universitária de Saúde


  8 / 201 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Texto completo
Id: biblio-1145272
Autor: Mota, Marina Soares; Oliveira, Michele Mandagará de; Rodrigues, Wendel Farias.
Título: Notasdo Coletivo Hildete Bahia acerca do racismo estrutural e da educação / Notas del Colectivo Hildete Bahia sobre racismo estructural y educación / Notes from the Hildete Bahia Collective on structural racism and education
Fonte: J. nurs. health;10(2):20102011, mai.2020.
Idioma: pt.
Descritores: Enfermagem
Educação
Racismo
Tipo de Publ: Editorial
Responsável: BR1060.1 - Biblioteca do Campus Porto


  9 / 201 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-1139773
Autor: Goes, Emanuelle Freitas; Ramos, Dandara de Oliveira; Ferreira, Andrea Jacqueline Fortes.
Título: Desigualdades raciais em saúde e a pandemia da Covid-19 / Racial health inequalities and the COVID-19 pandemic / Las desigualdades raciales en la salud y la pandemia del Covid-19
Fonte: Trab. educ. saúde;18(3):e00278110, 2020.
Idioma: pt.
Resumo: Resumo O racismo é um sistema estruturante, gerador de comportamentos, práticas, crenças e preconceitos que fundamentam desigualdades evitáveis e injustas, baseadas na raça ou etnia. Na saúde o racismo pode se manifestar de diversas formas, como o institucional, que frequentemente ocorre de forma implícita. A pandemia do coronavírus tem sido um desafio para países que apresentam profundas desigualdades. No Brasil, em que pese a ausência das informações desagregadas por raça ou etnia ou que quando coletadas apresentam um preenchimento precário, sabe-se que negras e negros irão sofrer mais severamente os impactos da pandemia e seus vários desfechos negativos. No texto recuperamos aspectos históricos e sua relação com as condições de vulnerabilidade da população negra e apresentamos uma agenda de ações específicas para o combate ao racismo e suas devastadoras consequências no contexto da Covid-19.

Abstract Racism is a structural system that generates behaviors, practices, beliefs and prejudices that underlie unfair and avoidable inequalities, based on race or ethnicity. In health, racism can manifest itself in several ways, including institutional racism, which often occurs covertly. The coronavirus pandemic has been a challenge for countries with profound inequalities. In Brazil, despite the absence of information disaggregated by race or ethnicity, and even when collected, oftentimes recorded with errors; it is known that black people will suffer more sever impacts of the pandemic as well as its various negative outcomes. In this article we recall historical aspects and their relationship with the vulnerability of black population as well as suggest specific actions to combat racism and its devastating consequences in the context of COVID-19.

Resumen El racismo es un sistema estructural, que genera comportamientos, prácticas, creencias y prejuicios que dan fundamento a desigualdades que son evitables e injustas, basadas en la raza o etnia. En la salud, el racismo se puede manifestar de varias maneras, como la institucional, que a menudo ocurre de manera implícita. La pandemia del coronavirus ha sido un desafío para países que presentan grandes desigualdades. En Brasil, a pesar de la falta de información separadas por raza o etnia, o que, cuando se recopila, las respuestas son incompletas; se sabe que la raza negra, sufrirán mucho más los impactos de la pandemia y los diversos resultados negativos. En el texto recuperamos aspectos históricos y su relación con las condiciones de vulnerabilidad de la población negra y presentamos un plan de acciones específicas para combatir el racismo y sus consecuencias devastadoras dentro del contexto de Covid-19.
Descritores: Infecções por Coronavirus
Vulnerabilidade Social
Racismo
Limites: Humanos
Responsável: BR15.3 - Biblioteca Emília Bustamante


  10 / 201 LILACS  
              first record previous record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-1139537
Autor: Oraka, Claudia Simões; Faustino, Deivison Mendes; Oliveira, Elda; Teixeira, João Alexandre Mendes; Souza, Allex Sander Porfírio de; Luiz, Olinda do Carmo.
Título: Raça e obesidade na população feminina negra: uma revisão de escopo / Race and obesity in the black female population: a scoping review
Fonte: Saúde Soc;29(3):e191003, 2020. tab, graf.
Idioma: pt.
Resumo: Resumo Cerca de 40% da população mundial está acima do peso, sendo a obesidade mais frequente nos estratos com menores rendimentos e tempo de estudo. A relação entre ganho de peso e fatores sociodemográficos é bem documentada, mas poucos pesquisadores buscam associar obesidade com raça/cor. Desta forma, este artigo visa mapear, na literatura científica, a extensão, o alcance e a natureza da relação entre obesidade e raça, por meio de revisão de escopo. As fontes informacionais foram os bancos de dados Medical Literature Analysis and Retrieval System Online (Medline), Excerpta Medica Database (Embase), Web of Science, Health InterNetwork Access to Research Initiative (Hinari) e Scopus, além da literatura cinza. Foram encontrados 2.526 artigos, permanecendo 10 documentos após eliminadas as duplicatas e aplicados os critérios de inclusão e exclusão. Existe uma relação complexa entre raça, obesidade, nível socioeconômico e gênero, cuja especificidade se dá em função do contexto sócio-histórico. As possíveis explicações para as disparidades raciais na obesidade residem nos efeitos fisiológicos, psicológicos e culturais do estresse devido à discriminação racial. Novos estudos devem ser realizados considerando as diferenças regionais, pois a desigualdade racial, embora aconteça em todos os lugares, assume diferentes formatos.

Abstract About 40% of the world's population is overweight. Obesity is most prevalent among social strata with lower income and education. Although the association between sociodemographic factors and weight gain is well documented, few researchers associated obesity with race/color. This article aims to map the extent, scope, and nature of the association between obesity and race in the scientific literature by conducting a scoping review. Data sources were the Literature Analysis and Retrieval System Online (Medline), Excerpta Medica Database (Embase), Web of Science, Health InterNetwork Access to Research Initiative (Hinari), and Scopus databases, as well as the gray literature. In total, 2,526 articles were found. After duplicates were excluded and inclusion and exclusion criteria applied, 10 articles remained. Race, obesity, socioeconomic status, and gender are tied into a complex relationship whose specificity lies on the socio-historical context. Racial disparities in obesity may be explained by physiological, psychological, and cultural effects of stress due to racial discrimination. Although racial inequality happens everywhere, it assumes different forms. Considering that, further studies should approach regional differences.
Descritores: Saúde da Mulher
Racismo
Determinantes Sociais da Saúde
Saúde das Minorias Étnicas
Obesidade
Tipo de Publ: Revisão
Responsável: BR67.1 - CIR - Biblioteca - Centro de Informação e Referência



página 1 de 21 ir para página                         
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde