Base de dados : LILACS
Pesquisa : F01.145.875.864 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 101 [refinar]
Mostrando: 1 .. 10   no formato [Detalhado]

página 1 de 11 ir para página                         

  1 / 101 LILACS  
              next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-952307
Autor: Furtado, Juarez Pereira; Oda, Wagner Yoshizaki; Borysow, Igor da Costa; Kapp, Silke.
Título: A concepção de território na Saúde Mental / La concepción de territorio en la Salud Mental / The concept of territory in Mental Health
Fonte: Cad. Saúde Pública (Online);32(9):e00059116, 2016. tab, graf.
Idioma: pt.
Resumo: Resumo: O termo território e seus derivados se tornaram correntes no campo da Saúde Mental desde a reforma psiquiátrica, marco de ideário não hospitalocêntrico e potencialmente emancipatório. No entanto, constatamos em pesquisa empírica anterior que a essa incorporação terminológica não corresponderam concepções e práticas coerentes de reinserção territorial de pessoas com sofrimento mental. Para esclarecer os diversos usos do termo e suas possíveis correlações na prática, realizamos um levantamento sistemático de artigos científicos e documentos oficiais, confrontando-os entre si e com o conceito de território da Geografia Crítica. Concluímos que no campo da Saúde Mental brasileira, à revelia de muitos e sempre renovados esforços críticos, tem prevalecido uma noção funcional de território, que omite relações de poder e apropriações simbólicas, aumentando a tendência de a reinserção de pessoas com sofrimento mental desembocar na sua sujeição ao território dado, em vez de favorecer transformações socioespaciais para o convívio com as diferenças.

Resumen: El término territorio y sus derivaciones se han hecho habituales en el campo de la Salud Mental desde la reforma psiquiátrica, marco del ideario no hospitalocéntrico y potencialmente emancipatorio. No obstante, constatamos en la investigación empírica precedente que a esa incorporación terminológica no le correspondieron concepciones y prácticas coherentes de reinserción territorial de personas con enfermedades mentales. Para aclarar los diversos usos del término, y sus posibles correlaciones en la práctica, realizamos una localización sistemática de artículos científicos y documentos oficiales, comparándolos entre sí y con el concepto de territorio de la Geografía Crítica. Concluimos que en el campo de la Salud Mental brasileña, a pesar de los muchos, y siempre renovados esfuerzos críticos, ha prevalecido una noción funcional de territorio, que omite relaciones de poder y apropiaciones simbólicas, aumentando la tendencia de la reinserción de personas con enfermedades mentales que desembocan en su sujeción a un territorio determinado, en vez de favorecer transformaciones socio-espaciales para la convivencia en diversidad.

Abstract: The term "territory" and its correlates have become commonplace in the field of Mental Health since the psychiatric reform, a potentially emancipatory milestone in non-hospital-centered ideals. However, in a previous empirical study, we found a lack of consistent concepts and practices (corresponding to the use of this term) in the territorial reinsertion of persons with mental illness. To clarify the term's various uses and its possible correlations in practice, we have conducted a systematic survey of scientific articles and official documents, comparing them to each other and with the concept of territory from Critical Geography. We conclude that in the Mental Health field in Brazil, despite numerous and repeated critical efforts, a functional notion of territory has prevailed, overlooking power relations and symbolic appropriations, increasing the tendency of subjecting the reinsertion of persons with mental illness to a given territory rather than favoring socio-spatial transformations for the coexistence of differences.
Descritores: Territorialidade
Saúde Mental
Transtornos Mentais/psicologia
-Reforma dos Serviços de Saúde
Desinstitucionalização
Terminologia como Assunto
Limites: Humanos
Tipo de Publ: Revisão
Responsável: BR1.1 - BIREME


  2 / 101 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-1094563
Autor: Faria, Cintya Cristine Martins da Veiga; Paiva, Carlos Henrique Assunção.
Título: O trabalho do agente comunitário de saúde e as diferenças sociais no território / The work ofthe community health agent and social differences in the territory / El trabajo del agente comunitario de salud y la comprensión de las diferenciaciones sociales dentro del territorio
Fonte: Trab. educ. saúde;18(supl.1):e0025183, 2020.
Idioma: pt.
Projeto: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior; . Departamento de Pesquisa em História das Ciências e da Saúde da Casa de Oswaldo Cruz.
Resumo: Resumo Neste artigo, discutem-se as diferenciações sociais apresentadas como desafios aos agentes comunitários de saúde no seu trabalho cotidiano. O estudo consistiu em analisar as configurações sociais construídas no território adscrito, com base na ação dos agentes. Destacam-se as ferramentas analíticas que permitem compreender os diferentes padrões de estratificação social entre grupos pertencentes a um mesmo ambiente socioeconômico. O método de pesquisa adotado baseou-se na abordagem qualitativa por meio de dez entrevistas semiestruturadas e acompanhamento em uma clínica da família do município do Rio de Janeiro em 2016 e 2017, valendo-se de técnicas socioetnográficas. Os resultados apontam para a existência de dificuldades que impedem a adesão da população adscrita aos serviços ofertados pela clínica da família, assim como para a identificação de grupos com diferenças de poder e prestígio. Reitera-se a questão sobre como as equipes de saúde lidam com configurações sociais específicas. Conclui-se que as relações estabelecidas no espaço que circunscreve as unidades de saúde da família necessitam ser constantemente monitoradas, para identificar possíveis diferenças na adesão decorrentes das configurações sociais específicas da população adscrita aos serviços de saúde.

Abstract The article discusses the social differentiations presented as challenges to the community health agents in their daily work. The study consisted of analyzing the social configurations built in the assigned territory, based on the agents' action. We highlight the analytical tools that allow us to understand the different patterns of social stratification between groups belonging to the same socioeconomic environment. The research method adopted was based on the qualitative approach through ten semi-structured interviews and follow-up with a family clinic in Rio de Janeiro, in 2016 and 2017 using socio-ethnographic techniques. The results point to the existence of difficulties that prevent the adherence of the population to the services offered by the family clinic, as well as the identification of groups with differences in power and prestige. The question is reiterated about how health teams deal with specific social configurations. It is concluded that the relationships established in the space which circumscribes family health units need to be constantly monitored to identify possible differences in adherence resulting from the specific social configurations of the population enrolled in health services.

Resumen En el artículo discutimos las diferenciaciones sociales presentadas como desafíos para el agente comunitario de salud en su trabajo diario. El estudio consistió en analizar las configuraciones sociales construidas en el territorio adscrito, a partir de la acción de los agentes comunitarios de salud. Se destacan las herramientas analíticas que permiten comprender los distintos padrones de estratificación social entre grupos que pertenecen al mismo entorno socioeconómico. El método de investigación adoptado se basó en el enfoque cualitativo por medio de diez entrevistas semiestructuradas y seguimiento junto a una clínica de la familia, de la municipalidad del Rio de Janeiro, en 2016 y 2017, utilizando técnicas socio-etnográficas. Los resultados apuntan a la existencia de dificultades que impiden la adhesión de la población adscrita a los servicios ofertados por la clínica de la familia, así como la identificación de grupos con diferencias de poder y prestigio. Se reitera la cuestión de cómo los equipos de salud tratan con entornos sociales específicos. Se concluye que las relaciones establecidas en el espacio que circunscribe las unidades de salud de la familia necesitan ser constantemente monitorizadas para identificar posibles diferencias en la adhesión resultantes de las configuraciones sociales específicas de la población adscrita a los servicios de salud.
Descritores: Territorialidade
Trabalho
Saúde
Agentes Comunitários de Saúde
Território Sociocultural
Limites: Humanos
Tipo de Publ: Artigo Clássico
Responsável: BR15.3 - Biblioteca Emília Bustamante


  3 / 101 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: biblio-1048901
Autor: Martins, Ludimilla Deisy da Silva Gomes; Paula, Mariangela Nascimento Bezerra de; Araújo, Vivian Andrade; Andrade, Elisabete Agrela.
Título: Percepções de psicólogos sobre as dinâmicas territoriais na construção de ações promotoras da saúde / Psychologists' perceptions of the territorial dynamics in the construction of health promotion actions / Percepciones de psicólogos sobre las dinámicas territoriales para la construcción de acciones de promoción de la salud
Fonte: Rev. bras. promoç. saúde (Impr.) = Braz. j. health promot;32:1-10, 28/03/2019.
Idioma: en; pt.
Resumo: Objetivo: Analisar potencialidades, desafios e limitações de um território para a construção de ações de promoção da saúde, a partir da percepção dos psicólogos que trabalham em uma região. Métodos: Pesquisa qualitativa, realizada em maio de 2018, com 15 psicólogos que trabalham no território da região Sul de São Paulo, Brasil. A coleta de dados ocorreu através de quatro grupos focais. Os dados foram analisados pela análise de conteúdo, emergindo três categorias temáticas: Potencialidades do território para ações de promoção da saúde; Desafios e limitações para desenvolver ações de promoção da saúde no território; A psicologia promotora de saúde no território. Resultados: Como potencialidades destacam-se a diversidade cultural e a possibilidade de atuação via arte. Os desafios e limitações destacados foram a atuação em rede e a falta de suporte na atuação. Há a necessidade de atuação ampliada e contextualizada, além da constante capacitação. Conclusão: Reconhecer a potencialidade no território engloba o profissional ampliar seus horizontes de atuação e constituir espaços de produção subjetiva e coletiva. Incide também reconhecer as limitações do local, com dificuldades de oferta e articulação de serviços e descaso aos direitos básicos daquela comunidade. Assim, sugere-se uma visão voltada para a capacitação continuada e a legitimidade de seu trabalho nesse contexto da atenção primaria. (AU)
Descritores: Psicologia
Territorialidade
Meio Ambiente
Promoção da Saúde
Responsável: BR6.1 - BCS - Biblioteca de Ciências da Saúde


  4 / 101 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Texto completo
Id: biblio-1050374
Autor: Azambuja, Marcos Adegas de; Ferreira Neto, João Leite.
Título: Do território à multiterritorialidade entre usuários, trabalhadores e pesquisadores em saúde mental / From territory to the multi territoriality among users, workers, and researchers in mental health / Del territorio a la multiterritorialidad entre usuarios, trabajadores e investigadores en salud mental
Fonte: Psicol. ciênc. prof;39(2,n.esp):74-86, ago.-nov. 2019.
Idioma: pt.
Resumo: Este artigo busca problematizar a noção de território na saúde mental por meio da experiência de trabalhadores, usuários e pesquisadores no município de Santa Maria-RS. Trabalhamos com pesquisa de documentos do campo da saúde e da saúde mental, buscando identificar o modo que a noção de território é apresentada nesses textos. Descrevemos e analisamos uma experiência desenvolvida por diversos atores sociais envolvidos na experiência ocorrida em Santa Maria, a partir de dois movimentos. O primeiro é o de usuários em direção à academia, e o segundo, o do cuidado em saúde do serviço de referência para além dos muros. A experiência de trânsito dos diferentes atores sociais em vivências de multiterritorialidades revelou-se um importante vetor de mudança subjetiva e institucional. Vimos em ambos a emergência de uma reivindicação por um direito mais extenso do que o simples acesso aos serviços públicos de saúde. Buscava-se também um "direito à cidade", ou mesmo um trânsito além dela. Enfim, uma busca pela ampliação da experiência de multiterritorialidade e as transformações decorrentes dela...(AU)

This article seeks to problematize the notion of territory in mental health through the experience of workers, users, and researchers in the field of mental health in the municipality of Santa Maria/RS. We work with the research of documents of the field of health and mental health, trying to identify the way that the notion of territory is presented in these texts. We describe and analyze an experience developed by several social actors involved in the experience that occurred in Santa Maria / RS, from two movements. The first is that of users towards academia, and the second is that of the health care of the referral service beyond the walls. The experience of transit of the different social actors in multi-territorial experiences has proved to be an important vector of subjective and institutional change. We have seen in both movements the emergence of a claim for a more extensive right than simple access to public health services. A "right to the city," or even a transit beyond it. Finally, a search for the amplification of the multi territoriality experience and the transformations arising from it...(AU)

Este artículo busca problematizar la noción de territorio en la salud mental por medio de la experiencia de trabajadores, usuarios e investigadores en el municipio de Santa Maria/RS. Trabajamos con la investigación de documentos del campo de la salud y de la salud mental, buscando identificar el modo que la noción de territorio es presentada en esos textos. Describimos y analizamos una experiencia desarrollada por diversos actores sociales involucrados en la experiencia ocurrida en Santa Maria/RS, a partir de dos movimientos. El primero es de los usuarios hacia la academia, y el segundo es del cuidado en salud del servicio de referencia más allá de los muros. La experiencia de tránsito de los diferentes actores sociales en vivencias de multiterritorialidades se ha revelado un importante vector de cambio subjetivo e institucional. Vimos en ambos la emergencia de una reivindicación por un derecho más extenso que el simple acceso a los servicios públicos de salud. Se buscaba también un "derecho a la ciudad", o incluso un tránsito más allá de ella. En fin, una búsqueda por la ampliación de la experiencia de multiterritorialidad, y las transformaciones resultantes de ella...(AU)
Descritores: Política Pública
Territorialidade
Saúde Mental
Pessoalidade
Desinstitucionalização
Grupos Minoritários
-Serviço Social
Serviços Comunitários de Saúde Mental
Funções Essenciais da Saúde Pública
Direitos Humanos
Limites: Humanos
Adulto
Tipo de Publ: Revisão Sistemática
Responsável: BR1552.1 - Biblioteca Central


  5 / 101 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: biblio-2699
Autor: Oliveira, Tatiane Almeida de; Farah, Beatriz Francisco; Ribeiro, Luiz Cláudio.
Título: O processo de territorização de equipes multidisciplinares de assistência domiciliar (EMAD) com base nas condições socioeconômicas e ambientais da população idosa / The process of territorializing multidisciplinary teams in home care (EMAD acronym in portuguese) based on socio-economic and environmental conditions of the elderly population
Fonte: Rev. APS;19(1):85-94, jan. 2016.
Idioma: pt.
Resumo: Introdução: O número de Equipes Multidisciplinares de Assistência Domiciliar (EMAD) de cada município é delimitado por critérios de cobertura populacional por áreas de abrangência (uma equipe por 100 mil habitantes).No entanto, para se realizar o processo de territorização desses serviços, é importante que se leve em consideração os aspectos socioeconômicos e demográficos da população, além da presença de condições adequadas de saneamento básico nos domicílios, como o abastecimento de água, energia elétrica, meio de comunicação acessível, coleta do lixo e rede de esgoto. Objetivo: Propor uma delimitação para as áreas de abrangência de EMAD com base nas condições de saneamento e moradia, nas características socioeconômicas, demográficas e de acesso aos Serviços de Atenção Domiciliar (SAD) pela população idosa em Juiz de Fora (MG). Metodologia: Foram utilizados os microdados do censo demográfico de 2010, da população idosa de Juiz de Fora (MG) e da cobertura de serviços de saúde pelo município. Foram consideradas as variáveis referentes às condições de saneamento e moradia exigidas pelo arcabouço legal. Por meio da soma dessas variáveis, foi criada uma variável dicotômica que indicava se o domicílio atendia ou não às exigências mínimas para implantação do SAD. Resultados: As áreas de abrangência de cada uma das cinco EMAD foram representadas por meio de geo- processamento dos dados. As cinco divisões territoriais apresentaram diferentes características populacionais, no que se refere à proporção de idosos, cor, sexo, renda, nível de instrução,condições domiciliares e cobertura por serviços de saúde. Os grupos sociais que residiam mais distante dos serviços hospitalares apresentaram piores condições socioeconômicas e apresentaram as maiores porcentagens de domicílios inadequados para a implantação de um SAD. Conclusões: O processo de territorização das EMAD realizado, a partir do critério legal de número de habitantes, refletiu as desigualdades nas condições populacionais do município, o que demonstra que as desigualdades de acesso aos SAD têm associação com o território. Dessa forma, para que a Assistência domiciliar (AD) seja inserida efetivamente no contexto público de saúde, deve- se primar pela intersetorialidade no planejamento desses serviços, com a finalidade de oferecer um atendimento integral e universal pelo SUS.

Introduction: The number of Multidisciplinary Teams in Home Care (EMAD, acronym in Portuguese) of each city is defined by population coverage criteria per coverage area (one team per 100 thousand inhabitants). However, in order to carry out the process of territorializing such services, it is important to take into consideration the demographic and socioeconomic aspects of the population, as well as the presence of adequate basic sanitation conditions in the homes, such as water supply, electricity, and accessible means of communication, garbage collection, and connection to the sewage system. Objective: To propose a delimitation of the EMAD coverage areas based on sanitation and housing conditions, as well as on socio-economic and demographic characteristics, and on access to Home Care Services (SAD, acronym in Portuguese), available to the elderly population of Juiz de Fora (MG). Methodology: We used microdata from the 2010 demographic census of the elderly population of Juiz de Fora (MG) and from the health services coverage by the city. We considered the variables related to the sanitation and housing conditions demanded by the legal framework. Through the combination of such variables, we created a dichotomous variable that indicated whether a dwelling did or did not meet the minimum requirements for the implementation of SAD. Results: The coverage areas of each of the five EMADs were represented through geoprocessing of the data. The five territorial divisions presented different population characteristics with respect to proportion of elderly people, skin color, gender, income, education level, housing conditions, and health services coverage. The social groups that resided farther from the hospital services presented poorer socio-economic conditions, as well as higher percentages of dwellings unfit for the implementation of SAD. Conclusions: The process of territorializing the EMADs, based on the legal criterion of number of inhabitants, reflected the inequalities in the conditions of the city's population, which shows that inequalities in access to SAD are associated with territory. Thus, for the Home Care process to be effectively included in the public health context, it should be focused on intersectoriality in the planning of such services, aiming to offer integrated universal care by the SUS (the Brazilian publicly funded health care system).
Descritores: Idoso
Assistência Domiciliar
-Atenção Primária à Saúde
Territorialidade
Assistência Integral à Saúde
Planejamento em Saúde
Tipo de Publ: Relatos de Casos
Responsável: BR378.1 - Biblioteca Central


  6 / 101 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Texto completo
Id: biblio-997233
Autor: Soares, Khellen Cristina Pires Correia; Debortoli, José Alfredo Oliveira.
Título: Lazer e experiência cultural: territorialidade e alteridade do povo Akwe-Xerente / Leisure and cultural experience: territoriality and otherness of the Akwe-Xerente people
Fonte: Licere (Online);22(1):122-147, mar.2019.
Idioma: pt.
Resumo: Este trabalho é um recorte da tese de doutorado intitulada Cultura e Lazer na vida cotidiana do povo Akwe-Xerente. Este texto busca uma discussão entre lazer e experiência cultural, aproximando do modo de vida e de constituição da territorialidade e alteridade Akwe-Xerente. Uma aproximação com a antropologia permitiu que a metodologia fosse construída a partir do diálogo entre a pesquisa bibliográfica e de campo; em uma perspectiva etnográfica foi desenvolvida a observação participante e realizadas entrevistas. Através do "olhar de perto e de dentro" buscamos a compreensão do que os indígenas vivenciam que se aproxima das perspectivas de lazer lançadas até o momento. Assim, o objetivo é apresentar as práticas culturais de lazer do povo Akwe-Xerente, mais especificamente o Dasipê e a utilização das tecnologias, trazendo para a discussão questões que permeiam a alteridade e territorialidade deste povo. Estas práticas culturais de lazer fazem parte da vida cotidiana e participam da força geradora que define essa cultura. A tessitura deste habitar é composta por fios da tradição e outros fios da modernidade, revelando o processo híbrido da experiência cultural.

This project work is a cut of the doctoral thesis entitled Culture and Leisure in the daily life of the Akwe-Xerente people. This text seeks a discussion between leisure and cultural experience, approaching the way of life and the constitution of territoriality and distinctiveness from Akwe-Xerente.Through an approach with anthropology, the methodology was constructed from the dialogue between bliographical and field research, from an ethnographic perspective. The present study constitutes a dialogue of the understanding of leisure as dimension of culture and complex social practice, based on the analysis of the daily life of the Akwe-Xerente people, by means of what is revealed as alterity and territoriality of this people. Through the "close and inward look" we seek to understand what indigenous people experience that approaches the perspectives of leisure that have been released so far,considering the way of life of this people, describing the relationships that are established with time, work, nature, traditional knowledge,the knowledge of the surrounding society and how all these elements bring perspectives of dialogue with the field of study of leisure.
Descritores: Cultura
Grupos Populacionais
Atividades de Lazer
-Territorialidade
Cultura Indígena
Responsável: BR21.1 - Biblioteca J Baeta Vianna- Campus Saúde UFMG


  7 / 101 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Texto completo
Id: biblio-1025628
Autor: Hüning, Simone Maria; Gomes, Carlysson Alexandre Rangel.
Título: A pesquisa-experiência na psicologia: corpos, afetos e experiências em territórios urbanos / Experience-based research in psychology: bodies, affections and experiences in urban territories / La investigación-experiencia en psicología: cuerpos, afectos y experiencias en territorios urbanos
Fonte: Psicol. ciênc. prof;39(2,n.esp):100-111, ago.-nov. 2019.
Idioma: pt.
Resumo: Neste artigo temos como objetivo discutir como podemos promover outras formas de ocupação e produção do território acadêmico frente a questões emergentes na pesquisa em Psicologia em territórios urbanos. Apresentamos um debate teórico sobre como pesquisas relacionadas a territórios e territorialidades têm modificado teórica e epistemologicamente nosso campo de saber e suas formas de construção. Buscando inspiração nas derivas situacionistas damos ênfase à experiência produzida pelos corpos e afetos de quem pesquisa percorrendo a cidade. O caminhar pelos territórios urbanos como alternativa metodológica nos conduz a argumentar que nossos corpos compõem o processo de pesquisa tornando possíveis e ordenando a construção do conhecimento. Seguimos nossa reflexão sugerindo a pesquisaexperiência como estratégia de produção, de narrativa e problematização do conhecimento a partir de um corpo singular afetado pelos encontros ocorridos nos territórios: experienciar é o ponto de partida para um segundo momento, fundamental, quando se desloca a experiência para o território acadêmico e com ferramentas teórico-políticas coloca-se em análise a relação territorialidades-subjetividades....(AU)

In this article we will discuss how we can promote other forms of occupation and production of academic territory in the face of emerging issues in psychology research in urban territories. We present a theoretical debate on how research related to territories and territorialities has theoretically and epistemologically changed our field of knowledge and its forms of construction. Inspired by situationist dérive, we emphasize the experience produced by the bodies and affections of those who investigate the city. Walking through urban territories as a methodological alternative leads us to argue that our bodies make up the research process, making possible and ordering the construction of knowledge. We continue our reflection suggesting experience-based research as a production strategy, of narrative and problematization of knowledge from a singular body affected by the encounters that occurred in the territories: living experience is the starting point for a second moment, fundamental, when the experience is shifted to the academic territory and, with theoretical-political tools, the relationship territorialities-subjectivities is analyzed....(AU)

En este artículo tenemos como objetivo discutir cómo podemos promover otras formas de ocupación y producción del territorio académico ante cuestiones emergentes en la investigación en psicología en territorios urbanos. Presentamos un debate teórico sobre cómo las investigaciones relacionadas a territorios y territorialidades han cambiado teórica y epistemológicamente nuestro campo de conocimiento y sus formas de construcción. Al buscar inspiración en las derivas situacionistas, enfatizamos la experiencia producida por los cuerpos y afectos de quienes investigan recorriendo la ciudad. Caminar por los territorios urbanos como alternativa metodológica nos lleva a argumentar que nuestros cuerpos componen el proceso de investigación, haciendo posible y ordenando la construcción del conocimiento. Seguimos nuestra reflexión sugiriendo la investigación-experiencia como estrategia de producción, de narrativa y problematización del conocimiento a partir de un cuerpo singular afectado por los encuentros ocurridos en los territorios: vivir la experiencia es el punto de partida para un segundo momento, fundamental, cuando la experiencia se desplaza hacia el territorio académico y, con herramientas teórico políticas, se analiza la relación territorialidades-subjetividades....(AU)
Descritores: Psicologia
Psicologia Social
Pesquisa
Territorialidade
Área Urbana
Afeto
Aparência Física
Limites: Humanos
Tipo de Publ: Estudo de Avaliação
Responsável: BR1552.1 - Biblioteca Central


  8 / 101 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Texto completo
Id: biblio-1025549
Autor: Hüning, Simone Maria; Bernardes, Anita Guazzelli; Reis, Carolina dos.
Título: Psicologia, Territorialidades e Violências / Psychology, Territories and Violence / Psicología, Territorialidades y Violencia
Fonte: Psicol. ciênc. prof;39(2,n.esp):3-5, ago.-nov. 2019.
Idioma: pt.
Descritores: Psicologia
Política Pública
Socialização
Territorialidade
Violência
Políticas
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Tipo de Publ: Editorial
Responsável: BR1552.1 - Biblioteca Central


  9 / 101 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Castro, Lucia Rabello de
Texto completo
Id: lil-796924
Autor: Bacelar, Rafael Prosdocimi; Castro, Lucia Rabello de.
Título: Modos de subjetivação de jovens em um território de conflito socioambiental / Modos de subjetivación de jóvenes en un territorio de conflicto social y ambiental / Modes of subjectivation of young people in a territory of socio-environmental conflict
Fonte: Psicol. soc. (Online);28(3):463-472, set.-dez. 2016.
Idioma: pt.
Projeto: CNPq.
Resumo: RESUMO A instalação de um grande empreendimento de mineração transformou a dinâmica social e ambiental na região próxima à Conceição do Mato Dentro, interior de Minas Gerais. A proposta extrativista alterou profundamente as relações históricas entre sujeitos, comunidades e territórios. A partir de uma pesquisa de orientação etnográfica analisamos como os jovens se subjetivam frente aos deslocamentos provocados na região. Os modos de subjetivação se constituem na configuração de formas de ser, sentir e agir frente às mudanças objetivas no território. Embora os jovens se queixem do empreendimento em razão dos problemas socioambientais causados, os mesmos reconhecem que a mineradora gerou o aumento de renda, a oferta de empregos e a promessa de desenvolvimento. Ao escutar as palavras dos jovens, vemos como eles são sujeitos que refletem e se posicionam frente aos conflitos em curso na região.

RESUMEN La instalación de un gran proyecto empresarial de minería transformó la dinámica social y ambiental en la región cercana al municipio de Conceição do Mato Dentro, en el interior del estado de Minas Gerais. La propuesta extractiva alteró profundamente las relaciones históricas entre los sujetos, comunidades y territorios. A través de una investigación de orientación etnográfica, analizamos como los jóvenes se subjetivan frente a los desplazamientos causados en la región. Los modos de subjetivación se constituyen en las configuraciones de las formas de ser, sentir y actuar frente a los cambios objetivos en el territorio. Mientras los jóvenes se quejan del proyecto debido a los problemas ambientales causados, ellos también reconocen que la minería ha generado aumento del ingreso, oferta de empleos y la promesa de desarrollo. Al escuchar las palabras de los jóvenes vemos como ellos son sujetos que reflexionan y se posicionan frente a los conflictos en curso en la región.

ABSTRACT The installation of a big mining project transformed the social and environmental dynamics in the region around Conceição do Mato Dentro, Minas Gerais. The new enterprise "dislocated" the historical relations between individuals, communities and territories. From an ethnographic research orientation we have analyzed how young people subjectivate themselves when facing displacement caused in the region. The forms of subjectivization are established on the articulation between the objective changes and ways of interpretation of this process. While young people complain about the project due to various social and environmental problems, they recognize that the presence of mining has generated an increase in income and job opportunities, in addition to the promise of development. The words of young people show us how they are subjects that reflect and take decisions about the ongoing conflicts in the region.
Descritores: Territorialidade
Adolescente
Conflito Psicológico
Meio Ambiente
Zona de Conflito Cultural
Mineração
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Adolescente
Responsável: BR1.1 - BIREME


  10 / 101 LILACS  
              first record previous record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-796919
Autor: Veiga, Marcia Regina Medeiros; Ferreira, Sónia Cristina Mairos; Cordeiro, António Manuel Rochette.
Título: Construção de identidade(s) na velhice: os territórios enquanto marcos identitários / Construction of identity(ties) in old age: the territories as identitarian landmarks / Construcción de identidad(es) en la vejez: los territorios como puntos de referencia de identidad
Fonte: Psicol. soc. (Online);28(3):453-462, set.-dez. 2016. tab.
Idioma: pt.
Projeto: CAPES.
Resumo: RESUMO Este artigo tem por objetivo refletir sobre o contributo específico dos territórios - a casa, a rua, o entorno - enquanto referência fundamental na construção identitária de pessoas idosas. Nossa base reflexiva foi construída a partir de observações e descrições do território conhecido como "Alta", no casco histórico de Coimbra, Portugal; entrevistas semiestruturadas, com 12 de seus residentes; e com notas de campo, sistematizadas num diário de bordo da pesquisa, construído para o efeito. A construção identitária de grande parte das pessoas idosas encontra-se profundamente ancorada nos territórios onde vivem, principalmente quando estas pessoas residem há muito tempo em um mesmo espaço geográfico, no qual vivenciam uma parte muito substantiva do seu cotidiano. Esta centralidade é, ainda, reforçada quando apresentam mobilidades reduzidas ou condicionadas, quer pelas dificuldades de acessibilidade dos próprios territórios, quer por limitações pessoais, iniciadas e/ou acentuadas na velhice.

RESUMEN Este artículo tiene como objetivo reflexionar sobre la contribución específica de los territorios - la casa, la calle, el entorno - como un referente clave en la construcción de la identidad de las personas mayores. Nuestra reflexión fue construida sobre a base observaciones y descripciones del territorio conocido como "Alto" en el centro histórico de Coimbra, Portugal. Este material fue colectado mediante entrevistas semi-estructuradas con 12 de sus residentes, y notas de campo de quien investiga; los datos de la investigación fueron sistematizados en el formato libro de registro, construido para tal propósito. El análisis devela que la construcción de la identidad de gran parte de las personas mayores está profundamente anclada en los territorios en los que viven, sobre todo cuando estas personas viven mucho tiempo en la misma zona geográfica en la que experimentan una parte muy importante de su vida cotidiana. Este aspecto central se refuerza aún más en aquellos casos que han reducido o condicionado sus movilidades, ya sea por las dificultades de accesibilidad a los mismos, territorio o por las limitaciones personales, que comenzaron o se agudizaron en la vejez.

ABSTRACT This article aims to reflect on the specific contribution of the territories - the house, the street, the surroundings - as a key reference in the identity construction of the elderly. Our reflective base was built from observations and descriptions of the territory known as "Alta", situated in the historical core of Coimbra, Portugal, and semi-structured interviews with 12 of its residents as well as from field notes, systematized in a research logbook, built for this purpose. The identity construction of much of the elderly is deeply anchored in the territories where they live, especially when these people have been living for a long time in the same geographic area in which they have experienced a substantial part of their daily lives. This centrality is further reinforced when they have reduced or conditioned mobility, either by the accessibility difficulties of the territories themselves, or by personal limitations, initiated and /or intensified in old age.
Descritores: Territorialidade
Idoso
Identificação Social
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Idoso
Idoso de 80 Anos ou mais
Responsável: BR1.1 - BIREME



página 1 de 11 ir para página                         
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde