Base de dados : LILACS
Pesquisa : G05.360.340.024.340.375.249.385 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 102 [refinar]
Mostrando: 1 .. 10   no formato [Detalhado]

página 1 de 11 ir para página                         

  1 / 102 LILACS  
              next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-889012
Autor: de Almeida, V H; de Melo, A C; Meira, D D; Pires, A C; Nogueira-Rodrigues, A; Pimenta-Inada, H K; Alves, F G; Moralez, G; Thiago, L S; Ferreira, C G; Sternberg, C.
Título: Radiotherapy modulates expression of EGFR, ERCC1 and p53 in cervical cancer
Fonte: Braz. j. med. biol. res = Rev. bras. pesqui. méd. biol;51(1):e6822, 2018. tab, graf.
Idioma: en.
Resumo: Cervical cancer is a public health problem and the molecular mechanisms underlying radioresistance are still poorly understood. Here, we evaluated the modulation of key molecules involved in cell proliferation, cell cycle and DNA repair in cervical cancer cell lines (CASKI and C33A) and in malignant tissues biopsied from 10 patients before and after radiotherapy. The expression patterns of epidermal growth factor receptor (EGFR), excision repair cross-complementation group 1 (ERCC1) and p53 were evaluated in cancer cell lines by quantitative PCR and western blotting, and in human malignant tissues by immunohistochemistry. The mutation status of TP53 gene was evaluated by direct sequencing. Among cell lines, absent or weak modulations of EGFR, ERCC1 and p53 were observed after exposure to 1.8 Gy. Conversely, increased expressions of p53 (5/10 patients; P=0.0239), ERCC1 (5/10 patients; P=0.0294) and EGFR (4/10 patients; P=0.1773) were observed in malignant tissues after radiotherapy with the same radiation dose. TP53 mutations were found only in one patient. Here we show that a single dose of radiotherapy induced EGFR, ERCC1 and p53 expression in malignant tissues from cervical cancer patients but not in cancer cell lines, highlighting the gap between in vitro and in vivo experimental models. Studies on larger patient cohorts are needed to allow an interpretation that an upregulation of p53, EGFR and ERCC1 may be part of a radioresistance mechanism.
Descritores: Carcinoma de Células Escamosas/radioterapia
Neoplasias do Colo do Útero/radioterapia
Genes p53/efeitos da radiação
Genes erbB-1/efeitos da radiação
Proteínas de Ligação a DNA/efeitos da radiação
Endonucleases/efeitos da radiação
-Imuno-Histoquímica
Carcinoma de Células Escamosas/genética
Carcinoma de Células Escamosas/patologia
Ensaio Tumoral de Célula-Tronco
Western Blotting
Estudos Prospectivos
Linhagem Celular Tumoral
Mutação
Limites: Humanos
Feminino
Adulto
Pessoa de Meia-Idade
Idoso
Tipo de Publ: Ensaio Clínico
Responsável: BR1.1 - BIREME


  2 / 102 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Chile
Texto completo
Id: lil-734665
Autor: Melo, A; Artigas, C. G; Fritz, C; Díaz, P; Muñoz, S; Brebi, P; Roa, J. C.
Título: Hipermetilación del gen supresor de tumores p53 en pacientes pediátricos con leucemia linfoblástica aguda / Hypermethylation of tumor suppressor gene p53 in Chilean pediatrics patients under 15 years with acute lymphoblastic leukemia
Fonte: Int. j. morphol;32(4):1243-1247, Dec. 2014. ilus.
Idioma: es.
Projeto: Universidad de La Frontera. Dirección de Investigación y Desarrollo; . CORFO-CEGIN; . Scientific and Technological Bioresource Nucleus.
Resumo: La leucemia linfoblástica aguda (LLA) es la neoplasia maligna hematooncólogica más frecuente en pacientes pediátricos contando hasta 75% de las leucemias y 32-35% del total de cánceres infantiles. Aunque la LLA es considerada una enfermedad con base genética, es cada vez más evidente que alteraciones epigenéticas desempeñan un rol central en su patogénia y progresión. La hipermetilación de regiones promotoras de genes es asociada con la pérdida de función génica. El gen supresor de tumores p53 (GST), es uno de los principales genes en el ciclo celular y apoptosis. El objetivo de este trabajo fue determinar el estado de metilación en la región del promotor-exón 1 del GST p53 y la asociación con la supervivencia en menores de 15 años con LLA. Se analizaron 40 pacientes provenientes de la Región de la Araucanía-Chile. La hipermetilación del p53 se determinó combinando enzimas de restricción sensibles a metilación (HpaII y EcoR II) y reacción en cadena de la polimerasa. Los resultados indicaron que 15/40 casos (37,5%) presentaron hipermetilación. Se encontró una diferencia estadística en la supervivencia según estado de metilación de p53 en el grupo de niñas (p=0,02). Considerando el total de pacientes, una tendencia a mejor supervivencia cuando los recuentos de leucocitos fueron <30.000/mm3 (p=0,08). Se encontró frecuentemente hipermetilado el gen p53 en la región del promotor-exon1. Esto indicaría que la hipermetilación del GST p53 puede ser un evento importante en la patogénesis de la LLA.

Acute lymphoblastic leukemia (ALL) is the most common hematology oncology malignancy in pediatric patients counting up to 75% of leukemias and 32­35% of all childhood cancers. Although ALL is considered a disease with a genetic basis, it is increasingly clear that epigenetic alterations play a central role in the pathogenesis and work was to determine the methylation status in promoter-exon1 of the TSG-p53 and association with survival in children under 15 years with ALL. In our study 40 patients from the Araucanía Region, Chile were analyzed. Hypermethylation of p53 was determined by combining restriction enzymes sensitive to methylation (HpaII and EcoR II) and polymerase chain reaction. Results indicated that 15/40 cases (37.5%) showed hypermethylation. Statistical difference was found in survival according to p53 methylation status in the girls group (p=0.02). Considering all patients, there was a trend to improved survival when leukocyte counts were <30.000/ul (p=0.08). We found the p53 gene frequently hypermethylated in the promoter-exon1 region. This would indicate that TSG p53 hypermethylation may be an important event in the pathogenesis of ALL.
Descritores: Genes p53
Metilação de DNA
Leucemia-Linfoma Linfoblástico de Células Precursoras/genética
-Medula Óssea
Enzimas de Restrição do DNA
Análise de Sobrevida
Regiões Promotoras Genéticas
Epigênese Genética
Distribuição por Idade e Sexo
Reação em Cadeia da Polimerase Multiplex
Contagem de Leucócitos
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Lactente
Pré-Escolar
Criança
Adolescente
Responsável: CL1.1 - Biblioteca Central


  3 / 102 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: biblio-1255263
Autor: Campos, Rodrigo Sousa Madeira.
Título: Análise da expressão imunoistoquímica da nucleofosmina, Ki67 e p53 como fatores prognósticos em câncer de pênis / Evaluation of prognostic value of the immunohistochemistry expression of the nucleophosmine, p53 and Ki67 in patients with penile carcinoma.
Fonte: São Paulo; s.n; 2018. 108 p. ilust, tabelas, quadros.
Idioma: pt.
Tese: Apresentada a Fundação Antônio Prudente para obtenção do grau de Doutor.
Resumo: O carcinoma epidermóide do pênis tem incidência significativa em países em desenvolvimento como o Brasil. O tratamento dos tumores invasivos consiste na ressecção da lesão primária e linfadenectomia bilateral, procedimento associado a alta taxa de morbidade. O estudo de fatores prognósticos do tumor primário pode ajudar na seleção dos pacientes candidatos às linfadenectomias. A expressão imunoistoquímica do ki-67, do p53 e da nucleofosmina (NPM) se associam a pior prognóstico em diversas neoplasias. Estudamos retrospectivamente 112 pacientes portadores de carcinoma epidermóide do pênis, submetidos a cirurgia do tumor primário no Departamento de Cirurgia Pélvica do AC Camargo Cancer Center. Os blocos de parafina foram revisados e submetidos a coloração imunoistoquímica para NPM, ki-67 e p53. A leitura foi realizada no dispositivo Aperio®. A imunorreatividade da NPM, Ki67 e p53 foi relacionada a fatores clínicos e patológicos: idade, estado civil, raça, tempo de evolução da doença, antecedentes venéreos, estadiamento clínico, espessura do tumor, grau de diferenciação, embolização linfovascular, estadiamento patológico, tipo de invasão. Analisamos quais fatores influenciaram o risco de metástases linfonodais e sobrevida global (SG) e livre de doença (SLD). Os testes estatísticos de associação utilizados foram o Qui-quadrado, teste de Fischer, a regressão logística múltipla. Na análise de sobrevida utilizamos o Kaplan e Meier, o Log-rank e o modelo de riscos proporcionais de cox. A imunorreatividade do p53 estava alta em 42,3% dos casos e se associou a maior ocorrência de recidivas, mas não a outras variáveis. A imunorreatividade do Ki67 estava alta em 89,1% dos casos e não se associou a nenhuma variável. A NPM apresentou imunoexpressão baixa em 50% dos casos e se associou a maiores estadios clínicos T e N e invasão de corpo cavernoso. A imunorreatividade do p53, da NPM e do Ki67 não se associaram a metástases linfonodais. A ocorrência de metástases linfonodais foi influenciada pelo estadiamento clínico N (p=0,001), grau de diferenciação (p=0,007), invasão vascular (p=0,004), invasão perineural (p<0,001), infiltração de corpos cavernosos (p=0,004), infiltração da uretra (p=0,013) e espessura tumoral (p=0,008). No modelo multivariado, estadiamento clínico N (RR=5,5); IC [1,4-20,8], infiltração de corpos cavernosos (RR=3,9); IC [1,2-12,3] e invasão perineural (RR=4,9); IC [1,5-16,2] foram fatores independentes de risco de metástases linfonodais. A SG ao final de 120 meses foi de 47,3% e foi influenciada por raça (p=0,009), recidivas (p=0,018), grau moderado e alto (p=0,031), infiltração de corpos cavernosos (p=0,037), invasão vascular (p=0,02), invasão perineural (p=0,030), espessura tumoral >5 mm (p=0,015) e metástases linfonodais (p=0,003). A imunoexpressão da NPM, do Ki67 e do p53 não influenciou a SG. Na análise multivariada, a invasão vascular (RR=1,9; IC [1,0-3,6]) se associou a menor SG. A SLD foi influenciada por infiltração de corpo cavernoso (p<0,001), infiltração da uretra (p=0,032), infiltração vascular (p<0,001), metástases linfonodais (p<0,001) e alta imunoexpressão do p53 (p=0,008). A imunorreatividade do Ki67 e da NPM não influenciaram a SLD. Na análise multivariada apenas a invasão de corpo cavernoso (RR=4,0; IC [1,4-11,3]) e a ocorrência de metástases linfonodais (RR=4,2;IC[1,4-13,1]) se associaram a menor SLD. Os resultados permitem concluir que a alta expressão do p53 se associou a pior SLD na análise univariada e a perda de expressão da NPM se associou a maiores estadios clínico e patológico

Penile carcinoma still has relevant incidence in developing countries like Brazil. The gold standard for the treatment of invasive lesions remains amputation followed by bilateral lymphadenectomy, procedures associated with high morbidity. The identification of prognostic factors could help to select the best candidates to lymphadenectomies. The immunoreactivity of p53, nucleophosmin (NPM) and ki67 has been associated with the prognosis of many tumors. A retrospective study of 112 patients with penile carcinoma submitted to amputation and lymphadenectomy at the Division of Urology of A.C.Camargo Cancer Center was undertaken to evaluate the prognostic value of immunoreactivity of p53, NPM and Ki67 in the primary tumor. The immunoreactivity of these proteins were correlated with the followed factors: age, race, marital status, time to diagnosis, venereal history, clinical stage, tumor thickness, histological grade, lymphovascular embolization, corpora cavernosa and urethra infiltration, pattern of invasion, lymph node metastasis, overall survival (OS) and disease free survival (DFS). The association among variables was done by the chi-square test and the survival analysis were performed with the Kaplan & Meier technique and the multi-factorial analysis by the Cox regression technique. The p53 immunoreactivity was high in 42,3% of the cases and was associated with high recurrence rates, but not with other variables. Ki67 immunoreactivity was high in 89,1% of the cases and was not associated with any variable. NPM immunostaining was considered low in 50% of the cases and was associated with higher clinical stages N and T and corpora cavernosa invasion, but not with other variables. There was no association between NPM, p53 and Ki67 immunostaining and lymph node metastasis. Clinical stage N (p=0,001), grade of differentiation (p=0,007), vascular invasion (p=0,004), perineural invasion (p<0,001), corpora cavernosa infiltration (p=0,004), urethral infiltration (p=0,013) and tumor thickness (p=0,008) were significant for the incidence of lymph node metastasis. The multivariate analysis revealed that clinical stage N (RR=5,5; CI [1,4-20,8]), corpora cavernosa infiltration (RR=3,9; CI [1,2-12,3]) and perineural invasion (RR=4,9; CI [1,5-16,2]) were significant for the incidence of lymph node metastasis. The OS at the end of 120 months was 47,3% and was influenced by race (p=0,009), recurrences (p=0,018), moderate or high pathologic grade (p=0,031), corpora cavernosa infiltration (p=0,037), lymphovascular embolization (p=0,02), perineural invasion (p=0,030), tumor thickness (p=0,015) and lymph node metastasis (p=0,03). There was no association between p53, NPM and Ki67 immunoreactivity and OS. Multivariate analysis revealed that vascular invasion (RR=1,9; CI [1,0-3,6]) influenced OS. DFS was influenced by corpora cavernosa infiltration (p<0,001), urethra infiltration (p=0,032), lymphovascular embolization (p<0,001), lymph node metastasis (p<0,001) and p53 immunostaining (p=0,008). NPM and Ki67 immunoreactivity did not influence DFS. Multivariate analysis revealed that corpora cavernosa infiltration (RR=4,0; CI [1,4-11,3]) and lymph node metastasis (RR=4,2; CI [1,4-13,1]) influenced DFS. These results showed that higher p53 expression was associated with a worst DFS at univariate analysis and the low NPM imunoexpression was associated with higher clinical and pathological stages
Descritores: Neoplasias Penianas
Prognóstico
Imuno-Histoquímica
Análise Estatística
Genes p53
Metástase Linfática
-Sobrevida
Antígeno Ki-67
Quinase do Linfoma Anaplásico
Limites: Humanos
Masculino
Adulto
Pessoa de Meia-Idade
Idoso
Idoso de 80 Anos ou mais
Responsável: BR30.1 - Biblioteca
BR30.1


  4 / 102 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: biblio-1247978
Autor: Andrade, Kelvin César de.
Título: Prevalência populacional de variantes germinativas patogênicas no gene TP53 / Population prevalence of pathogenic germline TP53 variants.
Fonte: São Paulo; s.n; 2018. 83 p.
Idioma: pt.
Tese: Apresentada a Fundação Antônio Prudente para obtenção do grau de Doutor.
Resumo: Recentes indicações de um fenótipo mais variável e uma menor penetrância de câncer na síndrome de Li-Fraumeni (LFS) levantaram questões a respeito da verdadeira prevalência populacional da síndrome. Investigações anteriores, baseadas em contextos clínicos, propuseram que as estimativas de prevalência populacional de LFS poderiam variar entre um portador a cada 5.000 a 20.000 indivíduos. O primeiro artigo demonstrou que a prevalência populacional de variantes patogênicas e provavelmente patogênicas no gene TP53, as principais causas de LFS, é mais alta do que a esperada em uma população não selecionada pelo histórico de câncer. Nós sugerimos que a prevalência populacional poderia ser de até 10x mais alta do que previamente descrita. O segundo artigo teve como objetivo avaliar e validar as estimativas de prevalência de variantes germinativas em TP53 no banco de dados do gnomAD, que inclui variações genéticas de mais de 130.000 individuos. Variantes em TP53 foram selecionadas e classificadas com base em nosso algoritmo previamente descrito. Além disso, nós fornecemos estimativas de prevalência alternativas com base na classificação de três bancos de dados, ClinVar, HGMD e o portal UMD_TP53. Com base nessa nova análise, nós observamos que a prevalência populacional de variantes germinativas patogênicas e provavelmente patogênicas no gene TP53 é, de fato, maior do que previamente descrita. Contudo, as estimativas podem variar drasticamente (0,02-0,25%) devido a diferentes classificações e a algumas variantes específicas em TP53 que podem estar associadas a um risco inflacionado (p.N235S, p.V31I e p.R290H). Abordagens interdisciplinares são necessárias para melhor entender a interação entre classificação de variantes em TP53, estimativas de prevalência, penetrância de câncer e fenótipo em LFS

Recent suggestions of a variable Li-Fraumeni syndrome (LFS) phenotype and a lower LFS-associated cancer penetrance have raised questions regarding the true disease population prevalence. Earlier investigations, based on clinical contexts, had proposed that the estimated population prevalence of LFS could be between the range of one carrier in every 5,000-20,000 individuals. The first article reported a higher-than-expected population prevalence of pathogenic and likely pathogenic germline TP53 variants in a population unselected for cancer history. We suggested that the population prevalence could be up to 10x higher than previously described in clinically-based studies. The second article aimed to further evaluate germline TP53 variant prevalence estimates in the gnomAD database, which includes germline variation from over 130,000 individuals. Variants were selected and classified based on our previously published algorithm. In addition, we provided alternative prevalence estimates based on three other classifications databases, ClinVar, HGMD, and the UMD_TP53 website. Based on the new analysis, we observed that the population prevalence of pathogenic and likely pathogenic TP53 variants is indeed higher than previously described. However, the estimates can vary widely (0.02-0.25%) due to differences in variant classifications and due to some specific TP53 variants that may be associated with inflated risk (p.N235S, p.V31I, and p.R290H). Comprehensive approaches are needed to better understand the interplay of germline TP53 variant classification, prevalence estimates, cancer penetrance and phenotype of LFS
Descritores: Variação Genética
Genes p53
Síndrome de Li-Fraumeni
Mutação em Linhagem Germinativa
Responsável: BR30.1 - Biblioteca
BR30.1


  5 / 102 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Texto completo
Id: lil-365254
Autor: Fett-Conte, Agnes C; Salles, Andréa B. C. F.
Título: A importância do gene p53 na carcinogênese humana / The importance of the p53 gene in human carcinogenesis
Fonte: Rev. bras. hematol. hemoter;24(2):85-89, abr.-jun. 2002.
Idioma: pt.
Resumo: Existem várias razões que justificam o título de "guardião do genoma" do gene P53. Seu envolvimento, direto ou indireto, tem sido observado na etiopatogenia de praticamente todas as neoplasias humanas, incluindo as leucemias e linfomas. Conhecer seus mecanismos de ação é fundamental para compreender os aspectos moleculares da carcinogênese. O presente trabalho apresenta uma revisão sobre as características deste gene e sua importância no diagnóstico, prognóstico e terapêutica, o que faz dele um alvo em potencial das estratégias de terapia gênica.
Descritores: Genes p53
-Terapêutica
Terapia Genética
Leucemia
Genoma
Diagnóstico
Carcinogênese
Neoplasias
Responsável: BR408.1 - Biblioteca da Faculdade de Medicina - BFM


  6 / 102 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: biblio-1179853
Autor: Mambelli, Lisley Inata.
Título: Estabelecimento e caracterização de células tumorais de pacientes portadores da síndrome de Li-Fraumeni / Establishment and characterization of cancer cells from patients with Li-Fraumeni syndrome.
Fonte: São Paulo; s.n; 2015. 130 p. ilust, tabelas, quadros.
Idioma: pt; fr.
Tese: Apresentada a Fundação Antônio Prudente para obtenção do grau de Doutor.
Resumo: A Síndrome de Li-Fraumeni (LFS) é uma síndrome rara de predisposição hereditária ao câncer relacionada a mutações germinativas no gene TP53. Portadores de mutações neste gene apresentam alto risco para o desenvolvimento de um amplo espectro tumoral em idade precoce. No sul do Brasil, 0,3% da população local é portadora de uma mutação germinativa no códon 337 do gene TP53 (p.R337H) que foi descrita como tendo um efeito fundador no país. Sabe-se que a proteína p53 desempenha um papel crítico na regulação da diferenciação e do padrão de divisão das células tronco (CT). As CT são células capazes de se autorrenovarem e de se diferenciarem em diversos tipos celulares. Estas células têm sido apontadas como responsáveis pela iniciação e progressão tumoral, sendo resistentes aos tratamentos quimioterápicos. Levantou-se a hipótese de que pacientes LFS possuem alto risco para o desenvolvimento de tumores malignos devido a presença de CT em tecidos específicos. O objetivo do presente trabalho foi isolar e caracterizar células tronco tumorais (CTT) de pacientes LFS portadores de mutações germinativas no gene TP53. As amostras tumorais foram obtidas mediante consentimento informado e no total, 12 culturas de células primárias de 11 pacientes LFS com e sem a mutação p.R337H foram estabelecidas. Uma cultura de células oriunda de um carcinoma de mama foi o enfoque do presente estudo. O novo protocolo nomeado "ALTERNADO" (cultura em monocamada ­ cultura em suspensão (mamoesferas) ­ cultura em monocamada) foi elaborado e permitiu o cultivo prolongado das células obtidas sem sinais de senescência. Os métodos de imunofluorescência e citometria de fluxo demonstraram que estas células apresentam o mesmo perfil imunofenotípico CD44high/+, CD24low/- e ALDH+ previamente descrito para CTT de mama. Ainda, observamos a expressão dos seguintes marcadores: nanog, sox2, oct3/4, p53 e Ki67. A videomicroscopia por time-lapse permitiu a observação de divisões simétricas frequentes e ausência de fenótipos senescentes na cultura obtida. A análise do padrão de divisão celular utilizando o anti-oct3/4 demonstrou que ambos os tipos de divisões (simétrica e assimétrica) ocorrem, porém a divisão simétrica se mostrou mais frequente. Além disso, as células apresentaram capacidade de diferenciação in vitro para as linhagens adipogênica e osteogênica, bem como alta capacidade clonogênica. O perfil da expressão dos receptores de estrógeno e progesterona, além da capacidade proliferativa demonstrada pelo anti-Ki67 se mostrou idêntica ao observado no anatomopatológico do tumor, porém, diferentemente do tumor, algumas células tiveram marcação citoplasmática para o receptor HER2. A análise de expressão gênica em larga escala revelou perfil diferencial de expressão entre as mamoesferas e as células aderentes, sendo que os principais genes diferencialmente expressos na mamoesfera estavam relacionados com o aumento da capacidade de metástase e invasão. Por meio do ensaio de invasão demonstramos que as mamoesferas possuem células com maior capacidade de invasão quando comparadas as mesmas células cultivadas em monocamada. Estabelecemos, pela primeira vez, um banco de células a partir de diferentes tipos tumorais de pacientes LFS. As culturas celulares primárias estabelecidas e os dados apresentados no presente trabalho são de extrema importância para o melhor entendimento do papel desta mutação específica e também do gene TP53 na biologia dos tumores desta coorte de pacientes

Li-Fraumeni Syndrome (LFS) is a rare syndrome of hereditary predisposition to cancer which is related to germline mutations in TP53 gene. Carriers of mutations in this gene are at high risk for the development of a broad spectrum of tumors in early ages. In southern Brazil, 0,3% of the local population is carrier of a germline mutation in codon 337 of TP53 gene (p.R337H) which was described as having a founder effect in the country. It is known that p53 plays a critical role in the regulation of differentiation and the pattern of stem cells (SC) division. SC are cells capable of self renewing and differentiating to different cell types. These cells have been identified as responsible for tumor initiation and progression, being resistant to chemotherapy treatments. It was hypothesized that LFS patients are at high risk for developing malignant tumors due to the presence of SC in specific tissues. The objective of the present study was to isolate and characterize tumor stem cells (CSC) of LFS patients carriers of germline mutations in TP53 gene. Tumor samples were obtained with informed consent and in total, 12 primary cultures from 11 patients with and without LFS p.R337H mutation were established. A culture of cells derived from a breast carcinoma was the focus of the present study. The new protocol named "ALTERNATE" (monolayer culture - suspension culture (mammospheres) - monolayer culture) was prepared and allowed extended cultivation of obtained cells without signs of senescence. Immunofluorescence and flow cytometry assays demonstrated that these cells shared the same immunophenotypic profile CD44high/+, CD24low/- and ALDH+ previously described for breast CSC. We also observed the expression of the following markers: nanog, sox2, oct3/4, p53 and ki67. The videomicroscopy by time-lapse allowed the observation of frequent symmetric divisions and the lack of senescent phenotypes in established culture. The cell division pattern analysis by using anti-oct3/4 showed that both types of divisions (symmetric and asymmetric) occur, but symmetric division was more frequently observed. Moreover, the cells had the ability to differentiate in vitro to osteogenic and adipogenic lineages, as well as possess high clonogenic capacity. The expression profile of estrogen and progesterone receptors, as well as proliferative capacity demonstrated by anti-ki67 showed identical pattern to that observed in the tumor, however, some cells began to express HER2 receptor in cytoplasm. The microarray analysis revealed distinct gene expression profile between mammospheres and adherent cells, while the major differentially expressed genes in mammospheres were associated with increased metastasis and invasion ability. Through the invasion assay we demonstrated that our cells cultured as mammospheres possess high invasive capacity when compared to the same population of cells but which were cultured in monolayer. Herein, we established for the first time a bank of cells from different tumor types of LFS patients. These obtained cell cultures and the results presented in this study are extremely important to better understand the role of this specific mutation and also the TP53 gene in tumor biology of this cohort of patients
Descritores: Células-Tronco Neoplásicas
Genes p53
Imunofluorescência
Síndrome de Li-Fraumeni
Citometria de Fluxo
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Adulto
Pessoa de Meia-Idade
Idoso
Responsável: BR30.1 - Biblioteca
BR30.1


  7 / 102 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Texto completo
Id: lil-365258
Autor: Klumb, Claudete E; Cavalcanti Júnior, Geraldo B.
Título: Avaliação dos métodos de detecção das alterações do gene e proteína P53 nas neoplasias linfóides / Evaluation of detection methods of alterations of the P53 gene and protein in lymphoid neoplasms
Fonte: Rev. bras. hematol. hemoter;24(2):111-125, abr.-jun. 2002. ilus, tab, graf.
Idioma: pt.
Resumo: A proteína p53 desempenha um papel central na resposta celular que inclui a parada do ciclo celular permitindo o reparo do dano no DNA, ou indução da morte celular. A perda da função dessa proteína pode levar à proliferação celular desordenada, aumento da sobrevida da célula e resistência às drogas quimioterápicas. O gene supressor de tumor p53 é alterado em diversas neoplasias, entre as quais se incluem as neoplasias hematológicas. Estas alterações são, em sua maioria, mutações que levam à perda da capacidade da proteína p53 de regular a transcrição de diversos genes envolvidos em importantes processos da célula. Ao contrário da proteína selvagem, cuja degradação ocorre rapidamente depois da síntese, as formas mutadas da proteína têm a meia vida aumentada e se acumulam dentro da célula possibilitando a detecção por imunohistoquímica. As mutações do gene p53 ocorrem com uma freqüência em torno de 12.5 por cento nas neoplasias hematológicas, no entanto, em alguns tipos de linfomas não Hodgkin (LNH), particularmente, nos linfomas de Burkitt, freqüências superiores têm sido observadas. A maior parte das mutações do gene p53 são mutações do tipo missense e ocasionam perda da função e estabilização da proteína. Entretanto, alta expressão da proteína selvagem também tem sido detectada por imunohistoquímica, o que indica uma discrepância entre mutações do gene e detecção da proteína. O objetivo deste trabalho é realizar uma revisão dos métodos usados para identificar as alterações do gene e da proteína p53 com ênfase nas neoplasias linfóides, visando determinar o seu envolvimento nessas neoplasias.
Descritores: Proteína Supressora de Tumor p53
-Leucemia Linfoide
Genes p53
Responsável: BR408.1 - Biblioteca da Faculdade de Medicina - BFM


  8 / 102 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: biblio-1178234
Autor: Formiga, Maria Nirvana da Cruz.
Título: Caracterização clínica e histopatológica da síndrome de Li-Fraumeni e síndrome Li-Fraumeni like em pacientes brasileiros / Clinical and histopathologic characterization of Li-Fraumeni syndrome and Li-Fraumeni like syndrome in Brazilian patients.
Fonte: São Paulo; s.n; 2016. 158 p. ilust, tabelas, quadros.
Idioma: pt.
Tese: Apresentada a Fundação Antônio Prudente para obtenção do grau de Doutor.
Resumo: INTRODUÇÃO: a Síndrome de Li-Fraumeni (LFS; OMIM#151623) é uma síndrome rara de predisposição hereditária ao câncer, de caráter autossômico dominante e de alta penetrância, relacionada a mutações germinativas no gene TP53. Os tumores típicos da LFS são sarcomas de partes moles e ósseos, leucemias, tumores do sistema nervoso central (SNC), tumores adrenocorticais e tumores de mama. No entanto, há uma variação no espectro tumoral de acordo com o genótipo. No Brasil, há uma alta prevalência da mutação germinativa p.R337H (presente em 0.3% da população do Sul e Sudeste) devido a um efeito fundador. O conhecimento do real espectro tumoral da síndrome associada a esta mutação fundadora ainda é objeto de discussão. PACIENTES E MÉTODOS: foram avaliados dados clínicos, retrospectivamente, a partir de prontuários médicos, de 247 pacientes com LFS e LFS portadores de mutações germinativas no gene TP53, atendidos no Departamento de Oncogenética do A.C.Camargo Cancer Center de 2001 a 2015. As características dos tumores apresentados pelos pacientes portadores de mutação (espectro tumoral, idade do diagnóstico do primeiro tumor e dos tumores subsequentes, tipo histológico dos tumores) foram comparadas entre o grupo de portadores da mutação p.R337H e o grupo de pacientes com as demais mutações patogênicas no gene TP53. As taxas de frequência das mutações (p.R337H versus outras mutações), assim como sexo (masculino e feminino) foram correlacionados com o status de óbito, desenvolvimento ou não de câncer, a idade do diagnóstico do primeiro câncer, tempo do primeiro câncer até aparecimento do segundo câncer, através do teste qui-quadrado ou teste exato de Fisher. Foi aplicado o Teste T para amostras independentes. O estimador de Kaplan-Meier e o teste de log rank foram utilizados para avaliar a influência das variáveis nos tempos de sobrevida global, tempo de aparecimento do primeiro câncer e tempo do primeiro câncer até aparecimento do segundo câncer. RESULTADOS: de 247 portadores de LFS incluídos no estudo, 193 pacientes eram portadores da mutação p.R337H. Deste total de 193 portadores da mutação p.R337H, 101 pacientes apresentaram câncer (52.3%) e 23,8% dos pacientes com câncer tiveram dois ou mais tumores ao longo da vida; enquanto dos 54 pacientes portadores de outras mutações no gene TP53 (21.9% da população total), 39 pacientes tiveram câncer (72.2%), p=0.009. A idade média de diagnóstico do primeiro câncer nos portadores da mutação p.R337H foi de 30.8 anos, comparada a 28.9 anos nos portadores de outras mutações no gene TP53, p=0.604. nos portadores da mutação p.R337H, o primeiro tumor também ocorreu em idade mais precoce nas pacientes femininas (média de 34.7 anos versus 50.4 anos, p<0.001). Em relação ao espectro dos tumores p.R337H na nossa população, câncer de mama e sarcoma de partes moles foram os tumores mais frequentes, seguidos de carcinoma adrenocortical, perfazendo 70,5% dos tumores apresentados nesta população. Nos portadores de outras mutações no gene TP53 , câncer de mama, sarcoma de partes moles, tumor de sistema nervoso central e sarcoma ósseo corresponderam a 69.3% de todos os tumores observados. Nossos dados revelam uma alta frequência de carcinoma adrenocortical (21.5%), carcinoma papilífero de tireoide (6.8%), adenocarcinoma de pulmão (4.9%) e carcinoma renal (4.3%) nos portadores da mutação p.R337H. Interessantemente carcinoma colorretal foi observado apenas nos portadores de outras mutações não-p.R337H. O sarcoma de partes moles nos portadores p.R337H mais frequente foi o leiomiossarcoma e a idade média de diagnóstico foi 46.8 anos; nos portadores das outras mutações, rabdomiossarcoma e leiomiossarcoma foram os subtipos mais frequentes e a idade média do diagnóstico foi 24 anos (p=0.001). A idade média de diagnóstico de câncer de mama foi 42.8 anos nos portadores da mutação p.R337H e 37 anos nos portadores das demais mutações no gene TP53 (p=0.029). O câncer de mama nos portadores das outras mutações apresentavam hiperexpressão de HER2 em 62.5% dos casos, comparado a 19% nos tumores de mama das portadoras da mutação p.R337H. CONCLUSÕES: nossos dados mostram um espectro tumoral distinto para os portadores da LFS com a mutação p.R337H. Esses dados podem ajudar a estabelecer um programa de rastreamento para esses portadores diferente do preconizado para os portadores das demais mutações no gene TP53.

INTRODUCTION: Li Fraumeni syndrome (LFS, OMIM #151623) is a rare autosomal dominant genetic disorder inherited by germline TP53 mutations. Carriers have a high lifetime risk of developing multiple early-onset childhood and adult cancers, including soft tissue and bone sarcomas, central nervous system (CNS) tumors, adrenocortical tumors (ACT), breast cancer and leucemia. However, tumor spectrum may have difference according to genotype. In Brazil, it is observed a high prevalence of a founder germline mutation p.R337H (present in 0.3% of the population in South and Southeast). The exact tumor profile associated to p.R337H carriers is unknown. PATIENTS AND METHODS: we have analyzed medical records of a cohort of 247 germline TP53 mutation carriers, members of Brazilian families who fulfilled LFS/LFL clinical criteria, between 2001 and 2015 from the Oncogenetics Department at A.C.Camargo Cancer Center, Sao Paulo, Brazil. Clinical data were retrospectively evaluated and the tumor characteristics of carriers (tumor spectrum, age at diagnosis, histological subtype) were compared between p.R337H carriers and carriers of other mutations in TP53 gene. The mutation status (p.R337H and other mutations) and gender (male and female) were correlated with death rate, cancer risk, age at diagnosis of cancer, interval between the first and the second cancer diagnosis, using the chi-squared test or Fisher's exact test. The T test was used for independent samples analysis. The Kaplan-Meier and log rank test were used to evaluate the influence of variables on overall survival, time and cancer the first time until onset of the second cancer. RESULTS: the study evaluated 247 patients with LFS, 193 patients had the mutation p.R337H. Among 193 p.R337H carriers, 101 patients had cancer (52.3%) and 23.8% of cancer-affected carriers had two or more tumors lifetime; whereas from 54 non-p.R337H mutation carriers, 39 patients were cancer-affected (72.2%), p = 0.009. The mean age at diagnosis of first cancer in p.R337H carriers was 30.8 years old (yo) compared to 28.9 yo in non-p.R337H mutation carriers, p = 0.604. In p.R337H patients, the first tumor occurred at an earlier age in female patients (mean age at 34.7 yo vs. 50.4 yo, p <0.001). Regarding the tumor spectrum in p.R337H carriers, breast cancer and soft tissue sarcoma were the most frequent tumors, followed by adrenocortical carcinoma (70.5% of the total of tumors). In non-p.R337H mutation carriers, breast cancer, soft tissue sarcoma, central nervous system tumor and bone sarcoma accounted for 69.3% of all tumors observed. Our results showed a high frequency of adrenocortical carcinoma (21.5%), papillary thyroid carcinoma (6.8%), lung adenocarcinoma (4.9%) and renal cell carcinoma (4.3%) in p.R337H patients. Interestingly, colorectal carcinoma was observed only in nonp.R337H mutation patients. Leiomyosarcoma was the most frequent sarcoma subtype in p.R337H carriers and the mean age at diagnosis was 46.8 yo; in non-p.R337H mutation patients, rhabdomyosarcoma and leiomyosarcoma were the most frequent subtypes and the mean age at diagnosis was 24 yo (p = 0.001). The mean age at diagnosis of breast cancer was 42.8 yo in p.R337H patients and 37 yo in non-p.R337H mutation patients (p = 0.029). The breast cancer in non-p.R337H mutation patients showed overexpression of HER2 in 62.5% of cases, compared to 19% in breast tumors from p.R337H carriers. CONCLUSIONS: our clinical cohort revealed a different tumor spectrum associated with p.R337H TP53 mutation. The major limitation in our study was the relatively small sample of nonp.R337H mutation carriers to compare with p.R337H carriers. Notwithstanding, our findings offer insight into exploring a distinct cancer screening protocol for p.R337H mutation carriers in Brazil.
Descritores: Fenótipo
Sarcoma
Neoplasias da Mama
Genes p53
Síndrome de Li-Fraumeni/genética
Carcinoma Adrenocortical
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Adulto
Pessoa de Meia-Idade
Idoso
Responsável: BR30.1 - Biblioteca
BR30.1


  9 / 102 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Texto completo
Id: biblio-1147183
Autor: Miranda Alcalde, Belén; Villa Alcázar, Marta; Martínez Romera, Isabel; López Ibor, Blanca.
Título: Importancia del síndrome de Li-Fraumeni, un síndrome genético de predisposición al cáncer / The importance of Li-Fraumeni syndrome, a hereditary cancer predisposition disorder
Fonte: Arch. argent. pediatr;119(1):e11-e17, feb. 2021. tab.
Idioma: en; es.
Resumo: El cáncer en pediatría es una entidad infrecuente. Se estima que más de un 10-15 % de los tumores son secundarios a una variante patogénica en un gen de predisposición al cáncer.Se conocen más de 100 genes de predisposición al cáncer y su asociación con síndromes o tumores aislados. Uno de los más descritos es el síndrome de Li-Fraumeni.Los pacientes con este síndrome tienen alto riesgo de desarrollar uno o más tumores. Su conocimiento permite realizar un protocolo de seguimiento del paciente y de sus familiares afectos, con el que detectar precozmente nuevos tumores y disminuir la morbimortalidad del tumor y de su tratamiento.Esta revisión pretende ser una guía útil para el pediatra. Utilizando como caso guía a una familia, se revisarán los motivos de sospecha de un síndrome de Li-Fraumeni, su diagnóstico clínico y genético, y el protocolo de seguimiento de los familiares portadores de la misma mutación

Pediatric cancer is rare. It is estimated that more than 10-15 % of tumors are secondary to a pathogenic variant in a cancer predisposition gene.More than 100 cancer predisposition genes and their association with syndromes or isolated tumors have been identified. Li-Fraumeni syndrome is one of those who have been most widely described.Patients with this syndrome present a high risk of developing one or more tumors. Its knowledge allows to establish a follow-up protocol for the patient and affected family members, so as to detect new tumors in an early manner and reduce tumor- and treatment-related morbidity and mortality.The objective of this review is to offer useful guidelines for pediatricians. Based on a family case, reasons for Li-Fraumeni syndrome suspicion, clinical and genetic diagnosis, and the follow-up protocol of family members who carry the same mutation will be reviewed.
Descritores: Síndrome de Li-Fraumeni/diagnóstico
-Pediatria
Síndromes Neoplásicas Hereditárias
Genes p53
Síndrome de Li-Fraumeni/epidemiologia
Limites: Humanos
Lactente
Pré-Escolar
Criança
Tipo de Publ: Revisão
Guia de Prática Clínica
Responsável: AR94.1 - Centro de Información Pediatrica


  10 / 102 LILACS  
              first record previous record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: biblio-1147092
Autor: Oliveira, Ligia Petrolini de.
Título: Investigação da diversidade proteica, transcricional e genômica de TP53 e seu impacto em adenocarcinomas colorretais / Investigation of protein, transcriptional and genomic diversity of TP53 and its impact on colorectal adenocarcinomas.
Fonte: São Paulo; s.n; 2012. 139 p. ilust, tabelas, quadros.
Idioma: pt.
Tese: Apresentada a Fundação Antônio Prudente para obtenção do grau de Doutor.
Resumo: O câncer colorretal (CCR) é resultado da interação de fatores ambientais com múltiplos fatores genéticos. O gene TP53 regula muitas funções celulares e apresenta-se mutado na maioria dos casos de CCR. Mutações, polimorfismos e variações de expressão gênica fornecem a base genética para a diversidade humana e podem ter um papel crucial na variabilidade fenotípica e susceptibilidade às doenças. O estudo analisou as alterações em TP53 encontradas e buscou associações entre os achados com a expressão imunoistoquímica e os dados clinicopatológicos. Foram realizadas análises da proteína, do cDNA e gDNA de TP53 em 101 pacientes com CCR submetidos à cirurgia no Hospital AC Camargo, no período de 2000-2006. Foram encontradas mutações em TP53 em 54,5% dos tumores. As mutações foram mais frequentes no grupo de pacientes que apresentaram reação imunoistoquímica positiva para p53 (48,5%) do que no grupo negativo (51,5%) (p < 0,001). Foram encontradas três (3%) mutações sinônimas, o que corresponde a 8,8% das mutações pontuais; uma (33,4%) delas levando à ruptura do sítio de splicing. Foram encontradas oito inserções/deleções (7,9%), quatro (50%) delas descritas pela primeira vez e três (37,5%) delas levando à ruptura do sítio de splicing. O polimorfismo PIN2 (c.74+38C>G) foi encontrado em 89,1% dos pacientes. A frequência do alelo G foi de 0,72. O polimorfismo PIN3 (c.96+41_96+56del16) foi encontrado em 21,8% dos pacientes. A frequência do alelo A2 foi de 0,12. O polimorfismo 72Pro>Arg foi encontrado em 85,4% dos pacientes. A frequência do alelo Pro72 foi de 0,26 para o cDNA e 0,23 para o gDNA, diferença encontrada devido a expressão preferencial de um dos alelos em 40,7% dos heterozigotos. A expressão de p53, a mutação de TP53, a presença do alelo A2 e expressão do alelo Pro72 foram associadas significativamente às características clinicopatológicas que conferem pior comportamento tumoral e prognóstico adverso. Assim, a análise do cDNA de TP53 foi importante para determinar seu padrão de alteração e a contribuição específica do alelo expresso. Os dados obtidos foram congruentes com a forte associação que existe entre a mutação de TP53 e o seu acúmulo proteico, ainda que este acúmulo tenha sido verificado na minoria das amostras. Existe envolvimento de mutação sinônima com o mecanismo de splicing. As associações com os dados clinicopatológicos indicam que os polimorfismos em TP53 podem ter um papel na agressividade do CCR

Colorectal cancer (CRC) is the result of the interaction of environmental factors with multiple genetic factors. The TP53 gene regulates many cellular functions and is presented mutated in the majority of CRC cases. The mutations, polymorphisms and variations in gene expression provide the genetic basis for human diversity and may have a crucial role in the phenotypic variability and disease susceptibility. The study examined the TP53 alterations and sought associations between the findings with the immunohistochemical expression and clinicopathological data. We studied 101 patients, who underwent surgery at AC Camargo Hospital in the 2000-2006 period, through analysis of the protein, cDNA and gDNA of TP53. We found 54.5% of tumors with mutations in TP53. The mutations were significantly more frequent in the group of patients with positive immunohistochemistry reactions for p53 than in the negative group (p < 0.001). Synonymous mutations were found in three tumors, one of them leading to disruption of the splicing site. We found eight insertions/deletions, four of them described for the first time and three of them leading to the rupture of the splicing site. The PIN2 (c.74+38C>G) polymorphism was found in 89.1% of patients. The frequency of the G allele was 0.72. PIN3 (c.96+41_96+56del16) polymorphism was found in 21.8% of patients. The frequency of the A2 allele was 0.12. The polymorphism 72Pro>Arg was found in 85.4% of patients. The frequency of allele Pro72 was 0.26 for the cDNA and 0.23 for the gDNA. This difference was found because it was noticed the preferential expression of one allele in 40.7% of heterozygotes.The expression of p53, the TP53 mutation, the presence of the A2 allele and the allele Pro72 expression were significantly associated with tumor characteristics that confer worse tumor behavior and unfavorable prognosis. The analysis of TP53 cDNA is important to determine the pattern of alteration and the specific contribution of the allele expressed. This approach is consistent with the strong association that exists between TP53 mutation and its protein accumulation. Synonymous mutations are involved with splicing. The associations with linocophatological characteristics indicate that TP53 polymorphisms may play a role in the aggressiveness of CRC.
Descritores: Neoplasias Colorretais
Splicing de RNA
Genes p53
Proteína Supressora de Tumor p53
Mutação
Responsável: BR30.1 - Biblioteca
BR30.1



página 1 de 11 ir para página                         
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde