Base de dados : LILACS
Pesquisa : G09.330.580.880 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 192 [refinar]
Mostrando: 1 .. 10   no formato [Detalhado]

página 1 de 20 ir para página                         

  1 / 192 LILACS  
              next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-792644
Autor: Bazan, Ovandir; Ortiz, Jayme Pinto.
Título: Duration of systole and diastole for hydrodynamic testing of prosthetic heart valves: comparison between iso 5840 standards and in vivo studies
Fonte: Rev. bras. cir. cardiovasc = Braz. j. cardiovasc. surg. (impr.);31(2):171-173, Mar.-Apr. 2016. tab, graf.
Idioma: en.
Resumo: Abstract Objective: To complement the ISO 5840 standards concerning the duration of left ventricular systole and diastole as a function of changes in heart rates according to in vivo studies from the physiologic literature review. Methods: The systolic and diastolic durations from three in vivo studies were compared with the durations of systole proposed by the ISO 5840:2010 and ISO 5840-2:2015 for hydrodynamic performance assessment of prosthetic heart valves. Results: Based on the in vivo studies analyzed, the systolic durations proposed by the ISO 5840 standard seemed consistent for 45 and 120 beats per minute (bpm), and showed diverse results for the 70 bpm condition. Conclusion: Information on the realistic validation of the operation of left ventricular models for different heart rates were obtained.
Descritores: Próteses Valvulares Cardíacas/normas
Frequência Cardíaca/fisiologia
-Sístole/fisiologia
Fluxo Pulsátil
Guias como Assunto/normas
Diástole/fisiologia
Hidrodinâmica
Modelos Cardiovasculares
Limites: Humanos
Tipo de Publ: Estudo Comparativo
Responsável: BR1.1 - BIREME


  2 / 192 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: biblio-1052961
Autor: Sguiglia, Sebastián.
Título: Objetivos de presión más bajos al estándar no reducirían la morbi-mortalidad en pacientes con hipertensión arterial y enfermedad cardiovascular / Objectives of blood pressure lower than the standard did not reduce morbidity and mortality in patients with hypertension and cardiovascular disease
Fonte: Evid. actual. práct. ambul;22(4):e00110, 2019. tab..
Idioma: es.
Descritores: Pressão Sanguínea/efeitos dos fármacos
Doenças Cardiovasculares/tratamento farmacológico
Hipertensão/tratamento farmacológico
Anti-Hipertensivos/uso terapêutico
-Pacientes Desistentes do Tratamento/estatística & dados numéricos
Valores de Referência
Sístole
Pressão Sanguínea/fisiologia
Literatura de Revisão como Assunto
Doenças Cardiovasculares/mortalidade
Ensaios Clínicos Controlados Aleatórios como Assunto
Metanálise como Assunto
Diástole
Abordagem GRADE
Revisões Sistemáticas como Assunto
Hipertensão/complicações
Hipertensão/mortalidade
Anti-Hipertensivos/efeitos adversos
Limites: Humanos
Tipo de Publ: Comentário
Responsável: AR2.1 - Biblioteca Central


  3 / 192 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-1020508
Autor: Tiwari, Kaushal Kishore; Bevilacqua, Stefano; Aquaro, Giovanni Donato; Festa, Pierluigi; Ait-Ali, Lamia; Gasbarri, Tommaso; Solinas, Marco; Glauber, Mattia.
Título: Functional magnetic resonance imaging in the evaluation of the elastic properties of ascending aortic aneurysm
Fonte: Rev. bras. cir. cardiovasc = Braz. j. cardiovasc. surg. (impr.);34(4):451-457, July-Aug. 2019. tab, graf.
Idioma: en.
Resumo: Abstract Objective: To evaluate the aortic wall elasticity using the maximal rate of systolic distension (MRSD) and maximal rate of diastolic recoil (MRDR) and their correlation with the aortic size index (ASI). Methods: Forty-eight patients with thoracic aortic aneurysm were enrolled in this study. A standard magnetic resonance imaging (MRI) protocol was used to calculate MRSD and MRDR. Both MRSD and MRDR were expressed as percentile of maximal area/10-3 sec. ASI (maximal aortic diameter/body surface area) was calculated. A correlation between MRSD, MRDR, ASI, and the patient's age was performed using regression plot. Results: A significant correlation between MRSD (t=-4,36; r2=0.29; P≤0.0001), MRDR (t=3.92; r2=0.25; P=0.0003), and ASI (25±4.33 mm/m2; range 15,48-35,14 mm/m2) is observed. As ASI increases, aortic MRSD and MRDR decrease. Such inverse correlation between MRSD, MRDR, and ASI indicates increased stiffness of the ascending aorta. A significant correlation between the patient's age and the decrease in MRSD and MRDR is observed. Conclusion: MRSD and MRDR are significantly correlated with ASI and the patient's age. They seem to describe properly the increasing stiffness of aortas. These two new indexes provide a promising, accessible, and reproducible approach to evaluate the biomechanical property of the aorta.
Descritores: Aorta/fisiopatologia
Imageamento por Ressonância Magnética
Aneurisma da Aorta Torácica/diagnóstico por imagem
Aneurisma Dissecante/diagnóstico por imagem
-Sístole/fisiologia
Diástole/fisiologia
Dilatação Patológica
Elasticidade
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Adulto
Pessoa de Meia-Idade
Idoso
Responsável: BR1.1 - BIREME


  4 / 192 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-1092476
Autor: Soares, Raquel Reis; Ferber, Leonardo; Ferber, Matheus; Mata, Daniel Soares.
Título: Congenital supravalvar mitral ring - a case report
Fonte: Rev. bras. cir. cardiovasc = Braz. j. cardiovasc. surg. (impr.);35(1):117-119, Jan.-Feb. 2020. tab, graf.
Idioma: en.
Resumo: Abstract Congenital mitral valve stenosis is a rare and severe disease, usually associated with other heart defects. The appropriate intervention depends on the site and mechanism of valvular obstruction and the aim is to avoid or delay valve replacement since it is associated with significant morbidity and mortality. Early single-stage complete repair is associated with better prognosis. We report the case of a 20-month-old child with a supravalvar mitral ring combined with a ventricular septal defect; pulmonary arterial systolic pressure before the surgery was 79 mmHg. The patient underwent a successful surgical repair with good clinical resolution.
Descritores: Cardiopatias Congênitas
Comunicação Interventricular
Estenose da Valva Mitral
-Prognóstico
Sístole
Limites: Humanos
Lactente
Tipo de Publ: Relatos de Casos
Responsável: BR1.1 - BIREME


  5 / 192 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-827854
Autor: Távora-Mehta, Maria Zildany P; Mehta, Niraj; Magajevski, Adriano; Oliveira, Larissa de; Maluf, Débora Lee Smith; Concato, Letícia; Doubrawa, Eduardo; Ortiz, Márcio Rogério; Cunha, Cláudio L Pereira da.
Título: Reduced Systolic Volume: Main Pathophysiological Mechanism in Patients with Orthostatic Intolerance? / Volume Sistólico Reduzido: Mecanismo Fisiopatológico Principal em Pacientes com Intolerância Ortostática?
Fonte: Arq. bras. cardiol;107(4):354-364, Oct. 2016. tab, graf.
Idioma: en.
Resumo: Abstract Background: Orthostatic intolerance patients' pathophysiological mechanism is still obscure, contributing to the difficulty in their clinical management. Objective: To investigate hemodynamic changes during tilt test in individuals with orthostatic intolerance symptoms, including syncope or near syncope. Methods: Sixty-one patients who underwent tilt test at - 70° in the phase without vasodilators were divided into two groups. For data analysis, only the first 20 minutes of tilting were considered. Group I was made up of 33 patients who had an increase of total peripheral vascular resistance (TPVR) during orthostatic position; and Group II was made up of 28 patients with a decrease in TPVR (characterizing insufficient peripheral vascular resistance). The control group consisted of 24 healthy asymptomatic individuals. Hemodynamic parameters were obtained by a non-invasive hemodynamic monitor in three different moments (supine position, tilt 10' and tilt 20') adjusted for age. Results: In the supine position, systolic volume (SV) was significantly reduced in both Group II and I in comparison to the control group, respectively (66.4 ±14.9 ml vs. 81.8±14.8 ml vs. 101.5±24.2 ml; p<0.05). TPVR, however, was higher in Group II in comparison to Group I and controls, respectively (1750.5± 442 dyne.s/cm5 vs.1424±404 dyne.s/cm5 vs. 974.4±230 dyne.s/cm5; p<0.05). In the orthostatic position, at 10', there was repetition of findings, with lower absolute values of SV compared to controls (64.1±14.0 ml vs 65.5±11.3 ml vs 82.8±15.6 ml; p<0.05). TPVR, on the other hand, showed a relative drop in Group II, in comparison to Group I. Conclusion: Reduced SV was consistently observed in the groups of patients with orthostatic intolerance in comparison to the control group. Two different responses to tilt test were observed: one group with elevated TPVR and another with a relative drop in TPVR, possibly suggesting a more severe failure of compensation mechanisms.

Resumo Fundamento: O mecanismo fisiopatológico de pacientes com intolerância ortostática ainda é obscuro, contribuindo para a dificuldade no manejo clínicos desses pacientes. Objetivo: Investigar as alterações hemodinâmicas durante teste de inclinação (tilt teste) em indivíduos com sintomas de intolerância ortostática, incluindo síncope ou pré-síncope. Métodos: Sessenta e um pacientes, com tilt teste a 70º negativo na fase livre de vasodilatador, foram divididos em dois grupos. Para análise dos dados foram considerados apenas os primeiros 20 minutos de inclinação. Grupo I (33 pacientes) que tiveram elevação da resistência vascular periférica total (RVPT) durante posição ortostática e Grupo II (28 pacientes) com queda da RVPT (caracterizando insuficiência de resistência vascular periférica). O grupo controle consistia de indivíduos saudáveis e assintomáticos (24 indivíduos). Os parâmetros hemodinâmicos foram obtidos por um monitor hemodinâmico não invasivo em 3 momentos distintos (posição supina, tilt 10' e tilt 20'), ajustados para idade. Resultados: Na posição supina, o volume sistólico (VS) foi significantemente reduzido tanto no Grupo II quanto no I, quando comparado ao do Grupo controle, respectivamente (66,4 ±14,9 ml vs. 81,8±14,8 ml vs. 101,5±24,2 ml; p<0,05.) A RVPT, no entanto, foi mais elevada no Grupo II, quando comparada a do Grupo I e controles, respectivamente (1750,5± 442 dyne.s/cm5 vs.1424±404 dyne.s/cm5 vs. 974,4±230 dyne.s/cm5; p<0,05). Na posição ortostática, aos 10', houve repetição dos achados, com valores absolutos inferiores de VS Comparado aos controles (64,1±14,0 ml vs 65,5±11,3 ml vs 82,8±15,6 ml; p<0,05). A RVPT, todavia, apresentou queda relativa no Grupo II comparado ao I. Conclusão: Volume sistólico reduzido foi consistentemente observado nos grupos de pacientes com intolerância ortostática, quando comparado ao grupo controle. Foram observadas duas respostas distintas ao teste de inclinação: um grupo com elevação de RVPT e outro com queda relativa desta, indicando, possivelmente, falência mais acentuada dos mecanismos de compensação.
Descritores: Pressão Sanguínea/fisiologia
Teste da Mesa Inclinada/métodos
Intolerância Ortostática/fisiopatologia
Hemodinâmica/fisiologia
-Valores de Referência
Síncope/fisiopatologia
Sístole/fisiologia
Fatores de Tempo
Estudos de Casos e Controles
Antropometria
Estudos Retrospectivos
Decúbito Dorsal/fisiologia
Limites: Humanos
Adolescente
Adulto
Pessoa de Meia-Idade
Idoso
Idoso de 80 Anos ou mais
Adulto Jovem
Responsável: BR1.1 - BIREME


  6 / 192 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-827859
Autor: Ozkan, Hakan; Binici, Suleyman; Tenekecioglu, Erhan; Ari, Hasan; Bozat, Tahsin.
Título: Atrial Strain and Strain Rate: A Novel Method for the Evaluation of Atrial Stunning / Strain Atrial e Strain Rate: Novo Método para Avaliar Atordoamento Atrial
Fonte: Arq. bras. cardiol;107(4):305-313, Oct. 2016. tab.
Idioma: en.
Resumo: Abstract Background: Atrial fibrillation (AF) is the most common arrhythmia seen in adults. Atrial stunning is defined as the temporary mechanical dysfunction of the atrial appendage developing after AF has returned to sinus rhythm (SR). Objectives: We aimed to evaluate atrial contractile functions by strain and strain rate in patients with AF, following pharmacological and electrical cardioversion and to compare it with conventional methods. Methods: This study included 41 patients with persistent AF and 35 age-matched control cases with SR. All the AF patients included in the study had transthoracic and transesophageal echocardiography performed before and after. Septum (SEPsSR), left atrium (LAsSR) and right atrium peak systolic strain rate (RAsSR) were defined as the maximum negative value during atrial contraction and septum (SEPε), left atrium (LAε) and right atrium peak systolic strain (RAε) was defined as the percentage of change. Parameters of two groups were compared. Results: In the AF group, 1st hour and 24th hour LAε, RAε, SEPε, LAsSR, RAsSR, SEPsSR found to be significantly lower than in the control group (LAε: 2.61%±0.13, 3.06%±0.19 vs 6.45%±0.27, p<0.0001; RAε: 4.03%±0.38, 4.50%±0.47 vs 10.12%±0.64, p<0.0001; SEPε: 3.0%±0.22, 3.19%±0.15 vs 6.23%±0.49, p<0.0001; LAsSR: 0.61±0.04s-1, 0.75±0.04s- 1 vs 1.35±0.04s-1, p<0.0001; RAsSR: 1.13±0.06s-1, 1.23±0.07s-1 vs 2.10±0.08s- 1, p<0.0001; SEPsSR: 0.76±0.04s- 1, 0.78±0.04s- 1 vs 1.42±0.06 s- 1, p<0.0001). Conclusion: Atrial strain and strain rate parameters are superior to conventional echocardiographic parameters for the evaluation of atrial stunning in AF cases where SR has been achieved.

Resumo Fundamento: A fibrilação atrial (FA) é a arritmia mais comum em adultos. Define-se atordoamento atrial como a disfunção mecânica temporária do apêndice atrial que se desenvolve depois de reversão da FA ao ritmo sinusal (RS). Objetivos: Avaliar as funções atriais contráteis através de strain atrial e strain rate em pacientes com FA, após cardioversão farmacológica e elétrica, assim como compará-los com os métodos convencionais. Métodos: Este estudo incluiu 41 pacientes com FA persistente e 35 controles com RS e pareados por idade. Todos os pacientes com FA incluídos neste estudo foram submetidos a ecocardiografia transtorácica e transesofágica antes e após. Strain rates de pico sistólico do septo (SEPsSR), do átrio esquerdo (LAsSR) e do átrio direito (RAsSR) foram definidas como o máximo valor negativo durante contração atrial. Strains de pico sistólico do septo (SEPε), do átrio esquerdo (LAε) e do átrio direito (RAε) foram definidas como porcentagem de mudança. Resultados: No grupo com FA, os parâmetros LAε, RAε, SEPε, LAsSR, RAsSR e SEPsSR da 1a hora e da 24a hora foram significativamente mais baixos que no grupo controle (LAε: 2,61%±0,13; 3,06%±0,19 vs 6,45%±0,27; p<0,0001; RAε: 4,03%±0,38; 4,50%±0,47 vs 10,12%±0,64; p<0,0001; SEPε: 3,0%±0,22; 3,19%±0,15 vs 6,23%±0,49; p<0,0001; LAsSR: 0,61±0,04s-1; 0,75±0,04s-1 vs 1,35±0,04s-1; p<0,0001; RAsSR: 1,13±0,06s-1; 1,23±0,07s-1 vs 2,10±0,08s-1; p<0,0001; SEPsSR: 0,76±0,04s-1; 0,78±0,04s-1 vs 1,42±0,06 s-1; p<0,0001). Conclusão: Os parâmetros strain atrial e strain rate são superiores aos parâmetros ecocardiográficos convencionais para avaliar atordoamento atrial em pacientes com FA que reverteram ao RS.
Descritores: Fibrilação Atrial/complicações
Fibrilação Atrial/fisiopatologia
Função Atrial/fisiologia
Miocárdio Atordoado/fisiopatologia
Apêndice Atrial/fisiopatologia
-Fibrilação Atrial/diagnóstico por imagem
Volume Sistólico/fisiologia
Sístole/fisiologia
Fatores de Tempo
Cardioversão Elétrica/métodos
Ecocardiografia
Reprodutibilidade dos Testes
Miocárdio Atordoado/diagnóstico por imagem
Estatísticas não Paramétricas
Apêndice Atrial/diagnóstico por imagem
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Pessoa de Meia-Idade
Tipo de Publ: Estudo Comparativo
Estudo de Avaliação
Responsável: BR1.1 - BIREME


  7 / 192 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-827867
Autor: Yaylali, Yalin Tolga; Saricopur, Ahmet; Yurtdas, Mustafa; Senol, Hande; Gokoz-Dogu, Gamze.
Título: Atrial Function in Patients with Breast Cancer After Treatment with Anthracyclines / Função Atrial em Pacientes com Câncer de Mama Após tratamento com Antraciclinas
Fonte: Arq. bras. cardiol;107(5):411-419, Nov. 2016. tab, graf.
Idioma: en.
Resumo: Abstract Background: Atrial electromechanical delay (EMD) is used to predict atrial fibrillation, measured by echocardiography. Objectives: The aim of this study was to assess atrial EMD and mechanical function after anthracycline-containing chemotherapy. Methods: Fifty-three patients with breast cancer (48 ± 8 years old) who received 240 mg/m2of Adriamycin, 2400 mg/m2 of cyclophosphamide, and 960 mg/m2 of paclitaxel were included in this retrospective study, as were 42 healthy subjects (47 ± 9 years old). Echocardiographic measurements were performed 11 ± 7 months (median 9 months) after treatment with anthracyclines. Results: Left intra-atrial EMD (11.4 ± 6.0 vs. 8.1 ± 4.9, p=0.008) and inter-atrial EMD (19.7 ± 7.4 vs. 14.7 ± 6.5, p=0.001) were prolonged; LA passive emptying volume and fraction were decreased (p=0.0001 and p=0.0001); LA active emptying volume and fraction were increased (p=0.0001 and p=0.0001); Mitral A velocity (0.8 ± 0.2 vs. 0.6 ± 0.2, p=0.0001) and mitral E-wave deceleration time (201.2 ± 35.6 vs. 163.7 ± 21.8, p=0.0001) were increased; Mitral E/A ratio (1.0 ± 0.3 vs. 1.3 ± 0.3, p=0.0001) and mitral Em (0.09 ± 0.03 vs. 0.11 ± 0.03, p=0.001) were decreased; Mitral Am (0.11 ± 0.02 vs. 0.09 ± 0.02, p=0.0001) and mitral E/Em ratio (8.8 ± 3.2 vs. 7.6 ± 2.6, p=0.017) were increased in the patients. Conclusions: In patients with breast cancer after anthracycline therapy: Left intra-atrial, inter-atrial electromechanical intervals were prolonged. Diastolic function was impaired. Impaired left ventricular relaxation and left atrial electrical conduction could be contributing to the development of atrial arrhythmias.

Resumo Fundamento: Atraso eletromecânico atrial (AEA) é utilizado para prever fibrilação atrial, medido pela ecocardiografia. Objetivos: O propósito deste estudo era verificar o AEA e a função mecânica após quimioterapia com antraciclinas. Métodos: Cinquenta e três pacientes com câncer de mama (48 ± 8 anos) que receberam 240 mg/m2 de adriamicina, 2400 mg/m2 de ciclofosfamida, e 960 mg/m2 de paclitaxel foram incluídas neste estudo retrospectivo, além de 42 indivíduos saudáveis (47 ± 9 anos). Medidas ecocardiográficas foram realizadas por aproximadamente 11 ± 7 meses (média de 9 meses) após tratamento com antraciclinas. Resultados: AEA esquerdo intra-atrial (11,4 ± 6,0 vs. 8,1 ± 4,9, p=0,008) e AEA interarterial (19,7 ± 7,4 vs. 14,7 ± 6,5, p=0,001) foram prolongados; Volume de esvaziamento passivo e fracionamento de AE diminuíram (p=0,0001 e p=0,0001); Volume de esvaziamento ativo e fracionamento de AE (p=0,0001 e p=0,0001); Tempo de aceleração mitral A (0,8 ± 0,2 vs. 0,6 ± 0,2, p=0,0001) e de desaceleração de onda-E mitral (201,2 ± 35,6 vs. 163,7 ± 21,8, p=0,0001) aumentarão; Razão mitral E/A (1,0 ± 0,3 vs. 1,3 ± 0,3, p=0,0001) e mitral Em (0,09 ± 0,03 vs. 0,11 ± 0,03, p=0,001) diminuíram; Razão mitral Am (0,11 ± 0,02 vs. 0,09 ± 0,02, p=0,0001) e mitral E/Em (8,8 ± 3,2 vs. 7,6 ± 2,6, p=0,017) aumentaram nos pacientes. Conclusões: Em pacientes com câncer de mama após terapia com antraciclina: intervalos eletromecânicos intra-atriais esquerdos, intra-atriais foram prolongados. A função diastólica foi prejudicada. O relaxamento ventricular esquerdo foi prejudicado, e a condução elétrica atrial esquerda pode estar contribuindo para o desenvolvimento de arritmias atriais.
Descritores: Arritmias Cardíacas/etiologia
Neoplasias da Mama/tratamento farmacológico
Protocolos de Quimioterapia Combinada Antineoplásica/efeitos adversos
Função Ventricular Esquerda/fisiologia
Antraciclinas/efeitos adversos
-Fibrilação Atrial/etiologia
Fibrilação Atrial/fisiopatologia
Sístole
Pressão Sanguínea/fisiologia
Ecocardiografia
Doxorrubicina/administração & dosagem
Doxorrubicina/efeitos adversos
Valor Preditivo dos Testes
Estudos Retrospectivos
Paclitaxel/administração & dosagem
Paclitaxel/efeitos adversos
Disfunção Ventricular Esquerda/fisiopatologia
Ciclofosfamida/administração & dosagem
Ciclofosfamida/efeitos adversos
Diástole
Limites: Humanos
Feminino
Adulto
Pessoa de Meia-Idade
Responsável: BR1.1 - BIREME


  8 / 192 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-838725
Autor: Damorim, Igor Rodrigues; Santos, Tony Meireles; Barros, Gustavo Willames Pimentel; Carvalho, Paulo Roberto Cavalcanti.
Título: Kinetics of Hypotension during 50 Sessions of Resistance and Aerobic Training in Hypertensive Patients: a Randomized Clinical Trial / Cinética Hipotensiva durante 50 Sessões de Treinamento de Força e Aeróbio em Hipertensos: Ensaio Clínico Randomizado
Fonte: Arq. bras. cardiol;108(4):323-330, Apr. 2017. tab, graf.
Idioma: en.
Resumo: Abstract Background: Resistance and aerobic training are recommended as an adjunctive treatment for hypertension. However, the number of sessions required until the hypotensive effect of the exercise has stabilized has not been clearly established. Objective: To establish the adaptive kinetics of the blood pressure (BP) responses as a function of time and type of training in hypertensive patients. Methods: We recruited 69 patients with a mean age of 63.4 ± 2.1 years, randomized into one group of resistance training (n = 32) and another of aerobic training (n = 32). Anthropometric measurements were obtained, and one repetition maximum (1RM) testing was performed. BP was measured before each training session with a digital BP arm monitor. The 50 training sessions were categorized into quintiles. To compare the effect of BP reduction with both training methods, we used two-way analysis of covariance (ANCOVA) adjusted for the BP values obtained before the interventions. The differences between the moments were established by one-way analysis of variance (ANOVA). Results: The reductions in systolic (SBP) and diastolic BP (DBP) were 6.9 mmHg and 5.3 mmHg, respectively, with resistance training and 16.5 mmHg and 11.6 mmHg, respectively, with aerobic training. The kinetics of the hypotensive response of the SBP showed significant reductions until the 20th session in both groups. Stabilization of the DBP occurred in the 20th session of resistance training and in the 10th session of aerobic training. Conclusion: A total of 20 sessions of resistance or aerobic training are required to achieve the maximum benefits of BP reduction. The methods investigated yielded distinct adaptive kinetic patterns along the 50 sessions.

Resumo Fundamento: Os treinamentos de força e aeróbio são indicados para o tratamento adjuvante da hipertensão. Entretanto, o número de sessões necessárias até estabilização do efeito hipotensor com o exercício ainda não está claramente estabelecido. Objetivo: Estabelecer a cinética adaptativa das respostas tensionais em função do tempo e do tipo de treinamento em hipertensos. Métodos: Foram recrutados 69 hipertensos com idade média de 63,4 ± 2,1 anos, randomizados em um grupo de treinamento de força (n = 32) e outro de treinamento aeróbio (n = 32). Foram realizadas medidas antropométricas e testes de uma repetição máxima (1RM). A pressão arterial (PA) foi medida antes de cada sessão de treinamento com um aparelho de pressão digital de braço. As 50 sessões de treinamento foram categorizadas em quintis. Para comparar o efeito da redução da PA entre os métodos de treinamentos (between), utilizamos análise de covariância (ANCOVA) bifatorial ajustada para os valores de PA pré-intervenção. As diferenças entre os momentos foram estabelecidas por análise de variância (ANOVA) unifatorial. Resultados: As reduções na PA sistólica (PAS) e diastólica (PAD) foram de 6,9 mmHg e 5,3 mmHg, respectivamente, com o treinamento de força e 16,5 mmHg e 11,6 mmHg, respectivamente, com o treinamento aeróbio. A cinética hipotensiva da PAS apresentou reduções significativas até a 20ª sessão em ambos os grupos. Observou-se estabilização da PAD na 20ª sessão com o treinamento de força e na 10ª sessão com o aeróbio. Conclusão: São necessárias 20 sessões de treinamento de força ou aeróbio para alcance dos benefícios máximos de redução da PA. Os métodos investigados proporcionaram padrões cinéticos adaptativos distintos ao longo das 50 sessões.
Descritores: Exercício Físico/fisiologia
Treinamento de Força
Hipotensão Pós-Exercício/fisiopatologia
Hipertensão/fisiopatologia
-Sístole/fisiologia
Fatores de Tempo
Pressão Sanguínea/fisiologia
Adaptação Fisiológica/fisiologia
Cinética
Análise de Variância
Diástole/fisiologia
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Pessoa de Meia-Idade
Idoso
Tipo de Publ: Ensaio Clínico Controlado Aleatório
Responsável: BR1.1 - BIREME


  9 / 192 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Mota, Cleonice de Carvalho Coelho
Texto completo
Id: biblio-888029
Autor: De-Paula, Camilla Rayane; Magalhães, Giselle Santos; Jentzsch, Nulma Souto; Botelho, Camila Figueredo; Mota, Cleonice de Carvalho Coelho; Murça, Tatiane Moisés; Ramalho, Lidiana Fatima Correa; Tan, Timothy C; Capuruço, Carolina Andrade Braganca; Rodrigues-Machado, Maria da Gloria.
Título: Echocardiographic Assessment of Ventricular Function in Young Patients with Asthma / Avaliação Ecocardiográfica da Função Ventricular em Pacientes Jovens com Asma
Fonte: Arq. bras. cardiol;110(3):231-239, Mar. 2018. tab, graf.
Idioma: en.
Projeto: Ethics Committee of the Faculdade Ciências Médicas-Minas Gerais.
Resumo: Abstract Background: Despite significant advances in understanding the pathophysiology and management of asthma, some of systemic effects of asthma are still not well defined. Objectives: To compare heart function, baseline physical activity level, and functional exercise capacity in young patients with mild-to-moderate asthma and healthy controls. Methods: Eighteen healthy (12.67 ± 0.39 years) and 20 asthmatics (12.0 ± 0.38 years) patients were enrolled in the study. Echocardiography parameters were evaluated using conventional and tissue Doppler imaging (TDI). Results: Although pulmonary acceleration time (PAT) and pulmonary artery systolic pressure (PASP) were within normal limits, these parameters differed significantly between the control and asthmatic groups. PAT was lower (p < 0.0001) and PASP (p < 0.0002) was higher in the asthma group (114.3 ± 3.70 ms and 25.40 ± 0.54 mmHg) than the control group (135.30 ± 2.28 ms and 22.22 ± 0.40 mmHg). The asthmatic group had significantly lower early diastolic myocardial velocity (E', p = 0.0047) and lower E' to late (E'/A', p = 0.0017) (13.75 ± 0.53 cm/s and 1.70 ± 0.09, respectively) compared with control group (15.71 ± 0.34 cm/s and 2.12 ± 0.08, respectively) at tricuspid valve. In the lateral mitral valve tissue Doppler, the asthmatic group had lower E' compared with control group (p = 0.0466; 13.27 ± 0.43 cm/s and 14.32 ± 0.25 cm/s, respectively), but there was no statistic difference in the E'/A' ratio (p = 0.1161). Right isovolumetric relaxation time was higher (p = 0.0007) in asthmatic (57.15 ± 0.97 ms) than the control group (52.28 ± 0.87 ms), reflecting global myocardial dysfunction. The right and left myocardial performance indexes were significantly higher in the asthmatic (0.43 ± 0.01 and 0.37 ± 0.01, respectively) compared with control group (0.40 ± 0.01 and 0.34 ± 0.01, respectively) (p = 0.0383 and p = 0.0059, respectively). Physical activity level, and distance travelled on the six-minute walk test were similar in both groups. Conclusion: Changes in echocardiographic parameters, evaluated by conventional and TDI, were observed in mild-to-moderate asthma patients even with normal functional exercise capacity and baseline physical activity level. Our results suggest that the echocardiogram may be useful for the early detection and evoluation of asthma-induced cardiac changes.

Resumo Fundamento: Apesar de avanços significativos no entendimento da fisiopatologia e manejo da asma, alguns efeitos sistêmicos da asma ainda não são bem definidos. Objetivos: Comparar a função cardíaca, o nível de atividade física basal, e a capacidade funcional de pacientes jovens com asma leve a moderada com controles saudáveis. Métodos: Dezoito voluntários saudáveis (12,67 ± 0,39 anos) e 20 pacientes asmáticos (12,0 ± 0,38 anos) foram incluídos no estudo. Os parâmetros de ecocardiografia foram avaliados pelo exame de ecocardiogragia com Doppler convencional e tecidual (EDT). Resultados: Apesar de o tempo de aceleração pulmonar (TAP) e da pressão arterial sistólica pulmonar (PASP) encontrarem-se dentro da faixa de normalidade, esses parâmetros foram significativamente diferentes entre o grupo controle e o grupo asmático. O TAP foi menor (p < 0,0001) e a PASP maior (p < 0,0002) no grupo de indivíduos asmáticos (114,3 ± 3,70 ms e 25,40 ± 0,54 mmHg) que o grupo controle (135,30 ± 2,28 ms e 22,22 ± 0,40 mmHg). O grupo asmático apresentou velocidade diastólica inicial do miocárdio (E', p = 0,0047) e relação entre E' e velocidade tardia mais baixas (E'/A', p = 0,0017) (13,75 ± 0,53 cm/s e 1,70 ± 0,09, respectivamente) em comparação ao grupo controle (15,71 ± 0,34 cm/s e 2,12 ± 0,08, respectivamente) na valva tricúspide. No exame Doppler tecidual do anel mitral lateral, o grupo asmático apresentou menor E' em comparação ao grupo controle (p = 0,0466; 13,27 ± 0,43 cm/s e 14,32 ± 0,25 cm/s, respectivamente), mas não houve diferença estatística na razão E'/A' (p = 0,1161). O tempo de relaxamento isovolumétrico foi maior no grupo de pacientes asmáticos (57,15 ± 0,97 ms) que no grupo controle (52,28 ± 0,87 ms) (p = 0,0007), refletindo uma disfunção global do miocárdio. O índice de performance miocárdica direito e esquerdo foi significativamente maior no grupo asmático (0,43 ± 0,01 e 0,37 ± 0,01, respectivamente) que no grupo controle (0,40 ± 0,01 e 0,34 ± 0,01, respectivamente) (p = 0,0383 e p = 0,0059 respectivamente). O nível de atividade física e a distância percorrida no teste de caminhada de seis minutos foram similares entre os grupos. Conclusão: Mudanças nos parâmetros ecocardiográficos, avaliados pela ecocardiografia convencional e pela EDT foram observadas em pacientes com asma moderada a grave com capacidade funcional e nível de atividade física basal normais. Nossos resultados sugerem que o ecocardiograma pode ser útil para a detecção precoce e a evolução de alterações cardíacas induzidas pela asma. (Arq Bras Cardiol. 2018; 110(3):231-239)
Descritores: Asma/fisiopatologia
Exercício Físico/fisiologia
Função Ventricular/fisiologia
Tolerância ao Exercício/fisiologia
-Qualidade de Vida
Valores de Referência
Testes de Função Respiratória/métodos
Sístole/fisiologia
Fatores de Tempo
Índice de Gravidade de Doença
Estudos de Casos e Controles
Inquéritos e Questionários
Disfunção Ventricular/fisiopatologia
Disfunção Ventricular/diagnóstico por imagem
Estatísticas não Paramétricas
Ecocardiografia Doppler de Pulso/métodos
Diástole/fisiologia
Teste de Esforço/métodos
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Criança
Adolescente
Responsável: BR1.1 - BIREME


  10 / 192 LILACS  
              first record previous record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-888046
Autor: Winter, Simone de Campos Neitzke; Macedo, Rafael Michel de; Francisco, Júlio Cesar; Santos, Paula Costa; Lopes, Ana Paula Sarraff; Meira, Leanderson Franco de; Carvalho, Katherine A. Teixeira de; Faria Neto, José Rocha; Macedo, Ana Carolina Brandt de; Guarita-Souza, Luiz César.
Título: Impact of a High-Intensity Training on Ventricular Function in Rats After Acute Myocardial Infarction / Repercussão do Treinamento de Alta Intensidade sobre a Função Ventricular de Ratos após Infarto Agudo do Miocárdio
Fonte: Arq. bras. cardiol;110(4):373-380, Apr. 2018. tab, graf.
Idioma: en.
Resumo: Abstract Background: Physical exercise should be part of the treatment of post-acute myocardial infarction (AMI) patients. Objective: To evaluate the effects of two training prescription models (continuous x interval) and its impact on ventricular function in rats after AMI with normal ventricular function. Methods: Forty Wistar rats were evaluated by echocardiography 21 days after the AMI. Those with LVEF = 50% (n = 29) were included in the study and randomized to control group (CG n = 10), continuous training group (CTG n = 9) or interval training group (ITG, n = 10). Then, a swimming test with control of lactate production was performed. Based on its result, the lactate threshold (LT) was established to define the training intensities. After six weeks, the animals were reassessed by echocardiography and lactate production. Outcome measures were end-diastolic diameter (EDD), end-systolic diameter (ESD), left ventricular ejection fraction (LVEF, %) lactate at rest, lactate without overload, and lactate with 12g and 13.5g of additional load. Group comparisons of quantitative variables of the study were performed by one-factor analysis of variance (ANOVA). The Newman-Keuls test was used for multiple comparisons of the groups. Within-group comparisons of dependent variables between the two training protocols were performed by Student's t-test. Normality of the variables was tested by the Shapiro-Wilks test. Values of p < 0.05 indicated statistical significance. Results: EDD, ESD, and LVEF before and after the training period were similar in within-group comparisons. However, EDD was significantly different (p=0.008) in the CG. Significant differences were found for L12g (p=0.002) and L13.5g (p = 0.032) in the ITG, and for L12g (p = 0.014) in the CG. No differences were found in the echocardiographic parameters between the groups. Significant differences were found in lactate without overload (p = 0.016) and L12 (p = 0.031) in the second assessment compared with the first, and between the groups - ITG vs. CG (p = 0.019) and CTG vs. CG (p = 0.035). Conclusion: Both methods produced a training effect without altering ventricular function.

Resumo Fundamento: O exercício físico deve fazer parte do tratamento de pacientes pós-infarto agudo do miocárdio (IAM). Objetivo: Avaliar os efeitos de treinamento produzidos por dois modelos distintos (contínuo x intervalado) e sua repercussão sobre a função ventricular de ratos pós-IAM com função ventricular normal. Métodos: Quarenta ratos Wistar pós-IAM foram avaliados ecocardiograficamente 21 dias após o evento. Aqueles com FEVE = 50% (n = 29) foram incluídos e randomizados: controle (GC n = 10), treinamento contínuo (GTC n = 9) e treinamento intervalado (GTI n = 10). Após, foi realizado um teste de natação com controle de lactato. A partir do resultado foi definido o limiar de lactato (LL) para determinar as intensidades do treinamento. Após seis semanas, foram reavaliados com ecocardiografia e controle de lactato. Como desfecho, foram avaliados: diâmetros diastólico e sistólico final (DDF, DSF, mL), fração de ejeção do ventrículo esquerdo (FEVE, %), lactato de repouso, livre de carga (LC), lactato com 12 g e 13,5 g de carga adicional. Para a comparação dos grupos em relação às variáveis quantitativas do estudo, foi considerado o modelo de análise da variância com um fator (ANOVA). Nas comparações múltiplas dos grupos foi usado o teste de Newman-Keuls. Na comparação entre as duas avaliações, dentro de cada grupo, foi usado o teste t de Student para amostras dependentes. A condição de normalidade das variáveis foi avaliada pelo teste de Shapiro-Wilks. Valores de p < 0,05 indicaram significância estatística. Resultados: Com relação à análise intragrupos, entre o período pré- e pós-treinamento foi identificado semelhança para DDF, DSF, FEVE, porém o GC apresentou diferença significativa para a variável DDF (p = 0,008). Houve diferença do GTI para L12g (p = 0,002) e L13,5g (p = 0,032) e para o GTC na variável L12g (p = 0,014). Não houve diferença para as variáveis ecocardiográficas entre os grupos. Houve diferença nas variáveis LC e L12g na segunda avaliação (p = 0,016 e p = 0,031, respectivamente) e entre os grupos: GTI vs. GC (p = 0,019) e GTC vs. GC (p = 0,035). Conclusão: Os dois métodos produziram efeito de treinamento sem alterar a função ventricular.
Descritores: Condicionamento Físico Animal/métodos
Função Ventricular Esquerda/fisiologia
Treinamento Intervalado de Alta Intensidade/métodos
Infarto do Miocárdio/fisiopatologia
-Valores de Referência
Volume Sistólico/fisiologia
Natação/fisiologia
Sístole/fisiologia
Fatores de Tempo
Ecocardiografia
Distribuição Aleatória
Resultado do Tratamento
Ratos Wistar
Ácido Láctico/sangue
Diástole/fisiologia
Teste de Esforço/métodos
Infarto do Miocárdio/diagnóstico por imagem
Limites: Animais
Masculino
Tipo de Publ: Estudo Comparativo
Estudo de Avaliação
Responsável: BR1.1 - BIREME



página 1 de 20 ir para página                         
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde