Base de dados : LILACS
Pesquisa : G11.427.410.568.610.320 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 7 [refinar]
Mostrando: 1 .. 7   no formato [Detalhado]

página 1 de 1

  1 / 7 LILACS  
              next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: biblio-1015342
Autor: Keihan Rodrigues Matsudo, Victor; dos Santos, Maurício; Carolina Gonzalez Beltran, Diana; da Silva Guedes, José.
Título: Exercício: quanto mais, melhor? / Exercise: The more the merrier?
Fonte: Diagn. tratamento;24(2):[67-69], abr - jun 2019. fig.
Idioma: pt.
Resumo: O entusiasmo com a melhora progressiva da potência aeróbica faz com que as pessoas se animem a se envolver cada vez mais com corridas de longa duração. Mas será que quanto mais, melhor? As evidências têm se acumulado mostrando que realmente a redução do risco de morte por todas as causas e mortalidade cardiovascular ocorre de forma marcante em volumes modestos ou intermediários. No entanto, é surpreendente verificar que a maior parte desses benefícios se reduzem à medida que o envolvimento com esses exercícios passa a ser muito intenso ou extremamente intenso. A somatória das evidências permite concluir que temos uma relação do tipo curva L ou mesmo U entre nível de intensidade do exercício e a mortalidade. Uma interessante hipótese para explicar o alto índice de mortes cardiovasculares entre esses grandes corredores recebeu a denominação de síndrome de Fidípides, em que esses excessos levariam a microisquemias miocárdicas, que evoluíram para áreas de microfibrose disparando o aparecimento de arritmias que poderiam evoluir para fibrilação ventricular.
Descritores: Corrida
Exercício
Aptidão Física
Risco
Prevenção de Doenças
Estilo de Vida Sedentário
FREEMARTINISMABBREVIATIONS AS TOPIC
Corrida Moderada
Limites: Seres Humanos
Masculino
Feminino
Responsável: BR12.1 - Biblioteca Setorial da Ciências da Saúde


  2 / 7 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: lil-727878
Autor: Rocha, Priscila Garcia Marques da; Vieira, José Luiz Lopes; Moraes, Solange Marta Franzói de.
Título: A interferência ambiental sobre os níveis de cortisol salivar e lactato durante a corrida em atletas / The environmental interference on levels of salivary cortisol and lactate during the treadmill running in athletes
Fonte: Rev. bras. ciênc. mov;17(1):1-22, jan.-mar. 2009. tab, graf.
Idioma: pt.
Resumo: O objetivo deste estudo foi avaliar o efeito da alteração ambiental no nível de cortisol salivar e concentração de lactato sanguíneo de atletas de Handebol durante a corrida em esteira. Dezoito atletas participaram de quatro triagens experimentais de corrida em esteira com duração de 20 minutos a 70% de velocidade de pico. Os atletas foram orientados para correr: Na “Linha de base”, durante 20 min.; na segunda triagem experimental durante 10 minutos, sendo que no 10º minuto receberam a instrução para correr durante mais 10 minutos (fragmentada); na terceira triagem experimental durante 10 minutos e no 10º minuto foram informados que deveriam correr mais 20 minutos (superestimada); na quarta triagem experimental os atletas não receberam informação sobre a duração da corrida (indefinida). Durante as triagens experimentais foram avaliados: freqüência cardíaca, cortisol salivar e lactato sanguíneo. A ANOVA two-way foi usada para verificar diferençasestatisticamente significativas (p<0,05). Foram verificadas diferenças estatisticamente significativas para as triagens experimentais “fragmentada” e “superestimada” no nível de cortisol salivar (nmol/l) ao 11º minuto (11,59±1,92, *p=0,042) e (10,60±1,48, *p=0,046), e para a concentração de lactato sanguíneo (mM) no pós-teste (17,28±1,82) e (17,19±1,01), respectivamente. Os resultados sugerem que o efeito do ambiente é uma interferência importante na resposta metabólica durante o exercício físico.

The aim this study to evaluate the effect of environmental alteration in salivary cortisol levels and blood lactate concentration during treadmill running in handball athletes. Eighteen athletes participated in four treadmill running experimental trials with duration of 20 minutes at 70% of peak speed. The athletes were instructed to run: At baseline, for 20 min; at second experimental trial for 10 minutes, being that at the 10th minute they received the instruction to run for more 10 minutes (fragmented); at the third experimental trial for 10 minutes and at the 10th minute they were informed that they should run more 20 minutes (overestimated); at the fourth experimental trial the athletes did not receive information about the duration of the race (undefined). During the experimental trials were evaluated: affect, subjective perception of effort, heart frequency and cortisol levels. The two-way ANOVA were used to verify statistically significant differences (p<0,05). Differences statistically significant 4were verified at “fragmented” and “overestimated” trials the salivary cortisol level (nmol / l) for 11th (11.59±1.92, *p=0.042) and (10.60±1,48, *p=0046), and the blood lactate concentration (mM) in the post-test (17.28 ± 1.82) and (17.19 ± 1.01), respectively. The results suggest that the effect of the environment is an important interference in the metabolic response during exercise. Key-words: Treadmill running, Cortisol, Lactate.
Descritores: Atletas
Hidrocortisona
Ácido Láctico
Metabolismo
Corrida
-Exercício
Corrida Moderada
Limites: Seres Humanos
Masculino
Feminino
Responsável: BR1552.1 - Biblioteca Central


  3 / 7 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Texto completo
Id: lil-591382
Autor: Baptista, Claudio Aparício S.
Título: Rabdomiólise após exercício físico não intenso / Rhabdomyolysis after non-intense physical exercise
Fonte: Rev. bras. med. esporte;17(2):142-146, mar.-abr. 2011.
Idioma: pt.
Resumo: Discutiremos um raro caso clínico de rabdomiólise ocorrido após um exercício físico habitual e não intenso, em paciente masculino de 34 anos e os prováveis fatores desencadeantes envolvidos, bem como suas implicações clínicas. Destacando-se a elevação expressiva e não vista em outros trabalhos como da creatinoquinase, enzimas hepáticas, e as medidas clínicas adotadas para a prevenção de complicações renais sérias e com risco grave para o paciente em análise.

A rare clinical case of rhabdomyolysis occurred after habitual and non-intense physical exercise, in a male, 34 year-old patient, as well as the probable triggered factors involved and their clinical implications will be discussed. Moreover, the expressive increase, which is pioneering compared to other research such as on creatine kinase, hepatic enzymes, as well as clinical measures adopted for serum renal complications and with severe risk to the patient under study will be highlighted.
Descritores: Exercício
Corrida Moderada
Rabdomiólise/etiologia
Rabdomiólise/etnologia
Limites: Seres Humanos
Masculino
Adulto
Tipo de Publ: Relatos de Casos
Responsável: BR14.1 - Biblioteca Central


  4 / 7 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo SciELO Brasil
Marchini, Júlio Sérgio
Texto completo
Texto completo
Texto completo
Id: lil-536214
Autor: Fett, Carlos Alexandre; Fett, Waléria Christiane Rezende; Marchini, Julio Sérgio.
Título: Exercício resistido vs jogging em fatores de risco metabólicos de mulheres com sobrepeso/obesas / Circuit weight training vs jogging in metabolic risk factors of overweight/obese women / Ejercicio resistido versus jogging en factores de riesgo metabólicos de mujeres con sobrepeso/obesas
Fonte: Arq. bras. cardiol;93(5):509-525, nov. 2009. tab, graf.
Idioma: en; es; pt.
Resumo: FUNDAMENTO: Exercícios resistidos e aeróbicos são recomendados para reduzir o peso e melhorar a saúde, mas ainda não foi definido qual dos dois tipos é o melhor. OBJETIVO: O objetivo do presente estudo foi comparar o exercício resistido e jogging (JOGG) na doença cardiovascular múltipla (DCV), nos fatores de risco metabólicos e aptidão física de mulheres obesas ou com sobrepeso [composição corporal, perfil lipídico, acido úrico, glicose, equivalente metabólico (MET), frequência cardíaca, pressão arterial, flexibilidade, gasto de energia em repouso (GER) e balanço de nitrogênio (BN)]. MÉTODOS: Cinquenta mulheres foram aleatoriamente divididas em dois grupos, mas apenas 26 terminaram o estudo: exercício resistido (ER) (n=14; 36±12 anos; índice de massa corporal, IMC=32±7 kg/m²) e JOGG (n=12; 37±9 anos; IMC=29±2). O primeiro mês de treinamento consistiu em 60 min x 03 dias/semana e o segundo mês de treinamento consistiu em 04 dias/semana para ambos os protocolos, mais reeducação alimentar. RESULTADOS: Ambos os grupos apresentaram diminuição da massa corporal total, IMC, acido úrico plasmático e aumento do MET (p<0,05); não houve alteração na massa corporal magra, GER, e frequência cardíaca de repouso. O treinamento com ER reduziu o colesterol total, triglicérides plasmáticos, BN e aumentou a flexibilidade; o treinamento com JOGG reduziu a razão cintura/quadril, níveis de glicose, pressão arterial sistólica, lipoproteína de alta densidade e aumentou a razão colesterol total/ lipoproteína de alta densidade (p<0,05). CONCLUSÃO: Ambos os protocolos melhoram a DCV e os fatores de risco metabólicos. Os ER apresentaram mudanças favoráveis no perfil lipídico e na flexibilidade, enquanto o JOGG apresentou mudanças favoráveis sobre a glicose, razão cintura/quadril e pressão arterial. Esses resultados sugerem que treinamento de pesos em circuito combinados com exercícios aeróbicos devem ser considerados para indivíduos obesos...

BACKGROUND: Resisted and aerobic exercises are recommended to reduce weight and improve health, but which exercise modality offers the best results is still unclear. OBJECTIVE: The aims of this study were to compare circuit weight training (CWT) with jogging (JOGG) on multiple cardiovascular disease (CVD), metabolic risk factors and fitness of overweight and obese women (body composition, lipid profile, uric acid, glucose, metabolic equivalent (MET), heart rate, blood pressure, flexibility, resting energy expenditure (REE) and nitrogen balance (NB)). METHODS: Fifty women were randomly divided in two groups, but only 26 finished it: CWT (n=14; 36±12 years old; body mass index, BMI=32±7 kg/m²) and JOGG (n=12; 37±9; BMI=29±2). The first month of training consisted of 60 min x 03 days/week and the second month of training consisted of 04 days/week for both protocols and a dietary reeducation. RESULTS: Both groups reduced total body mass, fat body mass, BMI, plasma uric acid and increase in MET (p<0.05); there was no change in lean body mass, REE and resting heart rate. CWT reduced total cholesterol, plasma triglycerides, NB and increased flexibility; JOGG reduced waist/hip ratio, glucose, systolic blood pressure, high-density lipoprotein cholesterol, and increased the total cholesterol/high-density lipoprotein cholesterol ratio (p<0.05). CONCLUSION: Both protocols improved CVD and metabolic risk factors. The CWT presented favorable changes regarding lipid profile and flexibility; JOGG on glucose, waist/hip ratio and blood pressure. These results suggest that resisted exercise combined with aerobics should be considered for obese people. Nevertheless, regarding some basal differences between the groups , it was not possible to conclude that changes were due to exercise type or intra-group variability.

FUNDAMENTO: Ejercicios resistidos y aeróbicos se recomiendan para reducir el peso y mejorar la salud, pero todavía no se definió cuál de los dos tipos es el mejor. OBJETIVO: El objetivo del presente estudio fue comparar el ejercicio resistido y el jogging (JOGG) en la enfermedad cardiovascular múltiple (ECV), en los factores de riesgo metabólicos y la aptitud física de mujeres obesas o con sobrepeso [composición corporal, perfil lipídico, ácido úrico, glucosa, equivalente metabólico (MET), frecuencia cardiaca, presión arterial, flexibilidad, gasto de energía en reposo (GER) y balance de nitrógeno (BN)]. MÉTODOS: Cincuenta mujeres se dividieron en dos grupos, de modo aleatorio, pero solamente 26 terminaron el estudio: ejercicio resistido (ER) (n=14; 36±12 anos; índice de masa corporal, IMC=32±7 kg/m²) y JOGG (n=12; 37±9 años; IMC=29±2). El primer mes de entrenamiento consistió en 60 min x 03 días/semana y el segundo mes de entrenamiento consistió en 04 días/semana para ambos protocolos, pero reeducación alimentaria. RESULTADOS: Ambos grupos presentaron disminución de la masa corporal total, IMC, ácido úrico plasmático y aumento del MET (p<0,05); no hubo alteración en la masa corporal magra, GER, y frecuencia cardiaca de reposo. El entrenamiento con ER redujo el colesterol total, triglicéridos plasmáticos, BN y aumentó la flexibilidad; el entrenamiento con JOGG redujo a la razón cintura/cadera, los niveles de glucosa, la presión arterial sistólica, la lipoproteína de alta densidad y aumentó la razón colesterol total/ lipoproteína de alta densidad (p<0,05). CONCLUSIÓN: Ambos protocolos mejoraron la ECV y los factores de riesgo metabólicos. Los ER presentaron cambios favorables en el perfil lipídico y en la flexibilidad, mientras que el JOGG presentó cambios favorables sobre la glucosa, razón cintura/cadera y presión arterial. Estos resultados sugieren que entrenamiento de pesos en circuito combinados con ejercicios...
Descritores: Doenças Cardiovasculares/metabolismo
Corrida Moderada/fisiologia
Obesidade/metabolismo
Levantamento de Peso/fisiologia
-Índice de Massa Corporal
Glicemia/metabolismo
Pressão Sanguínea/fisiologia
Doenças Cardiovasculares/fisiopatologia
Lipídeos/sangue
Sobrepeso/metabolismo
Sobrepeso/fisiopatologia
Fatores de Risco
Estatísticas não Paramétricas
Limites: Adulto
Feminino
Seres Humanos
Tipo de Publ: Ensaio Clínico Controlado Aleatório
Responsável: BR1.1 - BIREME


  5 / 7 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: lil-535229
Autor: Coledam, Diogo Henrique Constantino; Talamoni, Guilherme Augusto; Cozin, Maurício; Santos, Julio Wilson dos.
Título: Efeito do aquecimento com corrida sobre a agilidade e a impulsão vertical em jogadores juvenis de futebol / Effect of running warm-up on agility and vertical jump in young soccer players
Fonte: Motriz rev. educ. fís. (Impr.);15(2):257-262, abr.-jun. 2009. tab.
Idioma: pt.
Resumo: O objetivo deste estudo foi verificar o efeito do aquecimento sobre os testes de agilidade (AG) e de impulsão vertical (IV) em jogadores de futebol juvenis. Dezesseis jogadores realizaram os testes de AG e de IV (n=16) sem aquecimento (SA) e com aquecimento (CA), de maneira randômica, em duas semanas, com pelo menos 48 h de intervalo, durante o período de competição. O aquecimento foi realizado apenas com uma corrida leve de 10 min. O test-t pareado identificou diferença significativa (p<0,05) entre as condições SA e CA nos testes de AG e IV (9,14±0,28 vs 8,94±0,30 s e 51,4±4,2 vs 54,5±6,4 cm, respectivamente). O aquecimento com corrida de intensidade leve melhorou o desempenho nos testes de AG e IV em atletas juvenis de futebol.

The aim of this study was to evaluate the effect of warm-up on agility (AG) and on vertical jump (VJ) tests in youth soccer players. Sixteen players performed the AG and VJ tests without warm-up (NW) and with warm-up (WW) randomly, within two weeks, at least 48 h interval, during season. The warm-upwas performed only a light running during 10 min. The paired t-test identified significant difference (p <0,05) between the NW and WW conditions in the tests of SR and CJ (9,14±0,28 vs 8,94±0,30 s e 51,4±4,2 vs 54,5±6,4 cm, respectively). The warm-up performed on light intensity running was effective to improve the AG and VJ tests performance in youth soccer players.
Descritores: Corrida Moderada
Futebol
Esportes
Limites: Seres Humanos
Masculino
Adolescente
Responsável: BR33.1 - Divisão Técnica de Biblioteca e Documentação


  6 / 7 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: lil-454236
Autor: Vasconcelos, Italo Quenni Araujo de; Mascarenhas, Luís Paulo Gomes; Ulbrich, Anderson Zampier; Stabelini Neto, Antonio; Bozza, Rodrigo; Campos, Wagner de.
Título: A velocidade crítica como preditor de desempenho aeróbio em crianças / Critical speed as a predictor of aerobic performance in children
Fonte: Rev. bras. cineantropom. desempenho hum;9(1):44-49, mar. 2007. graf, tab.
Idioma: pt.
Resumo: O estudo teve como objetivo comparar o tempo obtido na prova de 1.600m com o tempo predito pela velocidadecrítica, bem como verifi car a associação da velocidade crítica e da potência aeróbia (VO2máx) com o desempenho aeróbio (tempo 1.600m) em crianças. A amostra foi composta de 25 meninos e 39 meninas, com faixa etária entre 9 a 11 anos, classifi cadas nos estágios de maturação sexual 1 e 2 de Tanner. A velocidade crítica foi obtida pelo modelo de avaliação trabalho versus tempo, na realização de dois tiros máximos de 200m e 800m. O VO2máx foi obtido através do teste de vai-vem de 20m. O desempenho aeróbio foi obtido através do tempo de percurso em uma prova rústica de 1.600m. Utilizou-se a estatística descritiva, teste ôtõ student e a correlação de Pearson, adotando p<0,05. Em ambos os grupos, odesempenho obtido na prova de 1.600m foi signifi cativamente menor que o desempenho predito pela velocidade crítica (masculino: 8,43 ± 0,78 min versus 10,16 ± 1,37 min; feminino: 9,09 ± 0,75 min versus 10,30 ± 1,09 min) (p= 0,0001). Observaram-se correlaçães inversamente signifi cativas entre a velocidade crítica e o desempenho aeróbio nos gruposmasculino e feminino (r= -0,52 e r= -0,70, respectivamente), e entre o VO2máx e o desempenho aeróbio no grupo feminino (r= -0,48). Para este estudo, a velocidade crítica não se apresentou como preditor para prova de 1.600m. No entanto, as correlaçães signifi cativas indicam que a velocidade crítica pode ser utilizada como ferramenta para controle de treinamentoaeróbio em crianças...

To compare times achieved in a 1,600m rural road run with the times predicted from critical speed, in additionto verify any association between critical speed and VO2max with the aerobic performance (1,600m time) of children. The sample consisted of 25 boys and 39 girls, aged 9 to 11 years. Their critical speeds were determined using the work versus time model, performed in the 200m and 800m maximum runs. The value of VO2max was measured using a 20-meter shuttlerun test. Endurance performance was determinate from the time obtained in a rural 1,600m road run. Statistical procedures used were descriptive analyses, StudentÆs t test and PearsonÆs moment correlation, with signifi cance level set at p<0.05. The times achieved for aerobic performance were signifi cantly lower than the performance predicted from critical speed, forboth sexes (males: 8.43 ± 0.78 min versus 10.16 ± 1.37 min; females: 9.09 ± 0.75 min versus 10.30 ± 1.09 min) (p=0.0001). Signifi cant inverse relationships were observed between critical speed and aerobic performance for both subsets (males: r= -0.52; females: r= -0.70), and between VO2max and aerobic performance in the case of females (r= -0.48). In this studycritical speed was not shown to be a predictor of performance in a 1,600m road run. However, the signifi cant correlations observed suggest that critical speed could be used as a tool to control endurance training in children...
Descritores: Antropometria
Corrida Moderada/classificação
Corrida Moderada/fisiologia
Exercício
Educação Física e Treinamento
Limites: Seres Humanos
Masculino
Feminino
Criança
Responsável: BR17.1 - Biblioteca Setorial Centro de Ciências da Saúde (BSCCSM)


  7 / 7 LILACS  
              first record previous record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: lil-27638
Autor: Lobato, Oly.
Título: Efeitos psicológicos da corrida / Psychological efects of running
Fonte: Pesqui. méd. (Porto Alegre);19(1):50-4, 1985.
Idioma: pt.
Resumo: O autor revisa os efeitos näo-físicos da corrida, assunto pouco explorado na literatura médica. Procura descrever as diferentes modificaçöes mentais que podem surgir com o referido exercício e tenta estabelecer, usando a literatura disponível, a correlaçäo entre modificaçöes psicológicas e eventuais alteraçöes bioquímicas no sistema nervoso central. Acrescenta, no final, algumas notas sobre o que chama a psicopatologia de correr
Descritores: Psicofisiologia
Corrida
-Corrida Moderada
Responsável: BR1.1 - BIREME



página 1 de 1
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde