Base de dados : LILACS
Pesquisa : G14.020 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 15 [refinar]
Mostrando: 1 .. 10   no formato [Detalhado]

página 1 de 2 ir para página        

  1 / 15 LILACS  
              next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-503441
Autor: Mérula, Rafael Vidal; Cronemberger, Sebastião; Diniz Filho, Alberto; Calixto, Nassim.
Título: New comparative ultrasound biomicroscopic findings between fellow eyes of acute angle closure and glaucomatous eyes with narrow angle / Novos achados comparativos de biomicroscopia ultra-sônica entre olhos contralaterais com fechamento angular agudo e olhos glaucomatosos com ângulo estreito
Fonte: Arq. bras. oftalmol;71(6):793-798, nov.-dez. 2008. ilus, tab.
Idioma: en.
Resumo: PURPOSE: To compare morphometric features between fellow acute primary angle-closure (APAC) eyes and glaucomatous or suspect eyes with narrow angle (NA). METHODS: Fellow eyes of 30 patients with unilateral APAC and 30 with NA were evaluated by ultrasound biomicroscopy (UBM) under light and dark conditions. UBM parameters such as anterior chamber depth (ACD), angle opening distance at 250 µm/500 µm from the scleral spur (AOD250/AOD500), trabecular ciliary process distance (TCPD) and iris-lens contact distance (ILCD) were measured in the superior (SQ) and inferior (IQ) quadrants. RESULTS: Significant differences between APAC fellow and NA eyes were found in ACD, P<0.001; AOD250 at SQ and IQ, P<0.001; AOD500 at SQ and IQ, P<0.001; TCPD light, P=0.010 and TCPD dark at SQ, P=0.031; and TCPD light at IQ, P=0.010. Significant differences between light and dark examinations of APAC fellow eyes were found in ILCD (P=0.009) at SQ and ILCD at IQ (P=0.006), and of NA eyes in ILCD at SQ (P=0.047) and ILCD at IQ (P<0.001). CONCLUSIONS: APAC fellow eyes have a more crowded anterior segment and shallower ACD than NA eyes. ILCD decreases in both groups when the illumination conditions change from light to dark.

OBJETIVO: Comparar características morfométricas entre olhos contralaterais com fechamento angular primário agudo (FAPA) e olhos glaucomatosos ou suspeitos com ângulo estreito (AE). MÉTODOS: Olhos contralaterais de 30 pacientes com FAPA unilateral e olhos de 30 pacientes com AE foram avaliados através da biomicroscopia ultra-sônica (BUS) no claro e escuro. Parâmetros da BUS como a profundidade central de câmara anterior (PCA), distância da abertura angular a 250 µm/500 µm do esporão escleral (AOD250/AOD500), distância entre o processo ciliar e o trabeculado (TCPD) e distância do contato iris-cristalino (ILCD) foram medidos nos quadrantes superior (QS) e inferior (QI). RESULTADOS: Diferenças significativas entre olhos contralaterais de FAPA e olhos com AE foram encontradas na PCA, p<0,001; AOD250 no QS e QI, p<0,001; AOD500 no QS e QI, p<0,001; TCPD no claro, p=0,010 e TCPD no escuro no QS, p=0,031; e TCPD no claro no QI, p=0,010. Diferenças significativas entre exames no claro e escuro realizados em olhos contralaterais com FAPA foram encontradas na ILCD (p=0,009) no QS e ILCD no QI (p=0,006), e em olhos com SE na ILCD no QS (p=0,047) e ILCD no QI (p<0,001). CONCLUSÕES: Olhos contralaterais de FAPA apresentam um segmento anterior mais aglomerado e uma PCA menor que olhos com AE. ILCD diminui em ambos os grupos quando as condições de iluminação mudam do claro para o escuro.
Descritores: Adaptação Ocular/fisiologia
Segmento Anterior do Olho
Glaucoma de Ângulo Fechado
-Doença Aguda
Câmara Anterior/fisiopatologia
Câmara Anterior
Segmento Anterior do Olho/fisiopatologia
Distribuição de Qui-Quadrado
Adaptação à Escuridão/fisiologia
Gonioscopia
Glaucoma de Ângulo Fechado/fisiopatologia
Pressão Intraocular
Iris/fisiopatologia
Iris
Microscopia Acústica
Estudos Prospectivos
Esclera/fisiopatologia
Esclera
Limites: Idoso
Feminino
Humanos
Masculino
Pessoa de Meia-Idade
Tipo de Publ: Estudo Comparativo
Responsável: BR1.1 - BIREME


  2 / 15 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-503438
Autor: Carvalho, Luis Alberto Vieira de; Paranhos Júnior, Augusto.
Título: Resultados preliminares de um sistema computadorizado e estereoscópico para pupilometria in vivo / Preliminary results of a computerized and stereoscopic system for in vivo pupillometry
Fonte: Arq. bras. oftalmol;71(6):775-780, nov.-dez. 2008. ilus, graf.
Idioma: pt.
Resumo: OBJETIVOS: Desenvolver um sistema digital, com capacidade de induzir acomodação, para medida do diâmetro e formato da pupila para dez diferentes níveis de iluminação (LUX), variando do nível mesópico ao fotópico. MÉTODOS: Um sistema óptico para conjugar imagens da pupila iluminada por LED infravermelho e branco foi projetado e montado usando um capacete típico de oftalmoscópio e uma máscara típica de mergulhador como suporte e uma câmera CCD de alta resolução e sensibilidade. Algoritmos usando princípios de processamento de imagens foram implementados para leitura do arquivo de vídeo e a detecção automática do centro geométrico e diâmetro da pupila para cada quadro. RESULTADOS: Apresentamos dados preliminares deste sistema para um paciente voluntário. Os dados sobre posição horizontal (x), vertical (y) do centro geométrico e do diâmetro da pupila foram exportados para arquivos texto que podem ser impressos usando um programa convencional de planilha (Excel). O processo de acomodação é garantido por uma mira virtual (LED branco) localizada a 6 metros do olho do paciente e o nível de iluminação é precisamente controlado por uma placa eletrônica que alimenta o LED central que tem sua potência controlada pelo "software". CONCLUSÕES: Com o instrumento desenvolvido dados precisos da posição e tamanhos da pupila podem então ser obtidos estereoscopicamente (para ambas as pupilas e ao mesmo tempo) para qualquer paciente. Acreditamos que tal instrumento possa ser útil em algumas práticas oftálmicas onde as características geométricas da pupila sejam importantes.

PURPOSE: We developed a digital system with accommodation capacities for measurement of the diameter and shape of the in vivo pupil for 10 different levels of illumination intensity, varying from mesopic to photopic. METHODS: An optical system for conjugating images from an infrared and white light illuminated pupil was designed and mounted using an ophthalmoscope helmet and a typical diving mask as support for a high-resolution and sensitivity CCD. Using an IBM compatible computer sequences of video in AVI format were digitized for several seconds at a mean rate of 30 Hz. Algorithms using principles of image processing were implemented for detection of the pupil edges. RESULTS: We present preliminary results of this system for a voluntary patient. Data for the horizontal (x) and vertical (y) central position and for the diameter of the pupil were then exported to files that could be read by typical spread sheet programs (Excel). CONCLUSIONS: In this manner, precise data can be obtained stereoscopically (for both pupils at the same time) for any patient, given that the accommodation process is guaranteed by using a white LED virtual mire located 6 meters from the patient's eye. An electronic board precisely controls the level of illumination. We believe here developed instrument may be useful in certain ophthalmic practices where precise pupil geometric data are needed.
Descritores: Adaptação Ocular/fisiologia
Processamento de Imagem Assistida por Computador/instrumentação
Estimulação Luminosa/métodos
Pupila/fisiologia
-Algoritmos
Desenho de Equipamento
Fixação Ocular/fisiologia
Iris/anatomia & histologia
Iluminação/métodos
Visão Mesópica/fisiologia
Oftalmoscópios
Dispositivos Ópticos
Software
Limites: Adulto
Humanos
Masculino
Responsável: BR1.1 - BIREME


  3 / 15 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Chile
Texto completo
Id: lil-424733
Autor: Ocampo-Garc's, Adrian; Hern ndez, Felipe; Mena, Wilson; Palacios, Adri n G.
Título: Wheel-running and rest activity pattern interaction in two octodontids (Octodon degus, Octodon bridgesi)
Fonte: Biol. Res;38(2/3):299-305, 2005. ilus.
Idioma: en.
Projeto: National Fund for Scientific and Technological Development.
Resumo: Wheel-running and other non-photic stimuli influence the rest-activity pattern of diurnal and nocturnal mammals. A day to night inversion of phase preference of activity was described among Octodon degus, when exposed to ad-libitum wheel running. We have studied the rest-activity pattern response in presence of ad libitum wheel-running in wild-captured male individuals from two species of genus Octodon: O. degus (n=9, crepuscular-diurnal) and O. bridgesi (n=3, nocturnal). After two months of habituation to laboratory conditions, recordings were performed in isolation chambers under a 12:12 light-dark schedule with or without access to a running wheel. Actograms were constructed from data obtained by an automated acquisition system. O. bridgesi were also recorded under constant darkness, with or without access to wheel-running. Entrained to the light-dark schedule, a crepuscular pattern of activity was evident for O. degus, whereas O. bridgesi displayed a robust nocturnal chronotype. The activity of O. degus observed during the dark phase was enhanced when wheel-running was allowed. No significant change in phase preference was observed for O. bridgesi when wheel-running was allowed. A lengthening of endogenous period was observed in O. bridgesi after wheel-running exposure under constant darkness. Nocturnal and diurnal octodontids exhibit different masking responses to wheel-running.
Descritores: Adaptação Ocular/fisiologia
Adaptação à Escuridão/fisiologia
Ritmo Circadiano/fisiologia
-Mascaramento Perceptivo
Roedores/fisiologia
Limites: Masculino
Animais
Tipo de Publ: Estudo de Validação
Research Support, Non-U.S. Gov't
Responsável: CL1.1 - Biblioteca Central


  4 / 15 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Berezovsky, Adriana
Texto completo
Id: lil-420181
Autor: Punaro, Elizabete; Berezovsky, Adriana; Salomão, Solange Rios.
Título: Eletrorretinografia focal em adultos jovens normais / Focal electroretinography in normal young adults
Fonte: Arq. bras. oftalmol;68(6):747-751, nov.-dez. 2005. tab, graf.
Idioma: pt.
Resumo: OBJETIVO: Estabelecer valores normativos para o exame de eletrorretinograma focal em adultos jovens normais, segundo protocolo recomendado pela sociedade Internacional de Eletrofisiologia Visual Clínica (IsCEV). MÉTODOS: Participaram 33 indivíduos de idades variando entre 14 a 38 anos (média 22,96±5,73), 14 homens e 19 mulheres. O eletrorretinograma focal foi registrado a partir de um eletrodo corneano bipolar, e oftalmoscópio estimulador com luz branca intermitente em freqüências temporais de 42 Hz e 31,25 Hz na mácula. Os parâmetros, amplitude (em nanovolts) e latência (em milissegundos), foram analisados pela transformada de Fourier. Para análise estatística de ambas as freqüências, foram calculados a mediana, mínimo, máximo, percentis e teste t entre as amplitudes e as latências. RESULTADOS: Para 42 Hz. Amplitude: mediana 614nV; 1° quartil 529nV; 3° quartil 650nV; mínimo 370nV; máximo 794nV; percentil 2,5 378,8nV; percentil 97,5 779,6nV. Latência: mediana 26,4ms; 1° quartil 25,4ms; 3° quartil 26,8ms; mínimo 23,4ms; máximo 28,2ms; percentil 2,5 23,8ms; percentil 97,5 27,88ms. Para 31,25Hz. Amplitude: mediana 632nV; 1° quartil 429nV; 3° quartil 750nV; mínimo 364nV; máximo 1036nV; percentil2,5 364,8nV; percentil 97,5 1018,4nV. Latência: mediana 30,1ms; 1° quartil 29,3ms; 3° quartil 31,2ms; mínimo 25,9ms; máximo 33,9ms; percentil 2,5 27,18ms; percentil 97,5 27,88ms. CONCLUSÃO: O presente estudo estabelece limites de normalidade para o exame de eletrorretinografia focal em adultos jovens para freqüências temporais de 42Hz e 31,25 Hz. Os resultados encontrados mostram valores similares de amplitude para ambas as freqüências temporais e latência significantemente mais rápida para a freqüência de 42 Hz.
Descritores: Eletrorretinografia
Macula Lutea/fisiologia
Valores de Referência
-Fatores Etários
Adaptação Ocular/fisiologia
Eletrodos
Análise de Fourier
Guias de Prática Clínica como Assunto
Tempo de Reação/fisiologia
Sociedades Médicas
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Adolescente
Adulto
Responsável: BR1.1 - BIREME


  5 / 15 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Chile
Texto completo
Id: lil-396046
Autor: Olivares, R; Godoy, G; Adaro, L; Aboitiz, F.
Título: Densidad neuronal en la corteza visual primaria (area 17(, de dos especies de roedores silvestres / Neuronal density in primary visual cortex (17 visual area), in two wild rodent species
Fonte: Int. j. morphol;22(4):279-284, dez. 2004. ilus.
Idioma: es.
Resumo: Diversos estudios experimentales demuestran que modificaciones medioambientales (por ejemplo: nutricionales y lumínicas), pueden producir alteraciones en el desarrollo normal de la corteza visual y sus conexiones. Por otro lado, es posible que en condiciones naturales, las especies animales hayan desarrollado adaptaciones a las distintas condiciones de luminosidad en que realizan su actividad. Por ende, la finalidad de este trabajo, fue estudiar la corteza visual primaria (área 17), de dos especies de roedores silvestres, relacionados filogenéticamente, pero con diferentes períodos de actividad; Abrothrix olivaceus (n=7) y Phyllotis darwini (n=7), con el propósito de evidenciar cambios detectados a través de la medición de la densidad neuronal, mediante la técnica del disector óptico, en cortes de 40µm de grosor, incluidos en celoidina y teñidos con cresyl violeta (Nissl). A. olivaceus, el cual presenta un periodo de actividad continuo en la zona central de Chile, evidenció una densidad neuronal menor (34.75 x 104 ± 1.35 x 104 neuronas/mm3) que la observada en P. darwini (37.23 x 104 ± 2.20 x 104 neuronas/mm3), especie de actividad nocturna en la misma región del país; siendo lo anterior estadísticamente significativo (t=2.54; p<0.05). Las diferencias encontradas se relacionarían con el tipo de conducta que presentan ambas especies, dado principalmente por las características de luminosidad en que se desenvuelven, así como también, de otros factores que se relacionarían con este parámetro, como son la relación predador-presa y la alimentación, entre otros.
Descritores: Córtex Cerebral/anatomia & histologia
Córtex Cerebral/irrigação sanguínea
Córtex Visual/anatomia & histologia
Córtex Visual/irrigação sanguínea
Neurônios
Roedores/anatomia & histologia
Roedores/crescimento & desenvolvimento
-Adaptação Ocular
Desnutrição/complicações
Luz
Limites: Animais
Responsável: CL1.1 - Biblioteca Central


  6 / 15 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Alvim, Heryberto da Silva
Texto completo
Id: lil-348171
Autor: Alvim, Heryberto da Silva; Costa, Leonardo Torqueti; Tárcia, Rogério de Almeida; Sá Filho, Lourival Franco de.
Título: Adaptação de lentes de contato pós-trauma ocular / Contact lens fitting after ocular trauma
Fonte: Arq. bras. oftalmol;66(4):477-480, jul.-ago. 2003. graf.
Idioma: pt.
Resumo: OBJETIVOS: Descrever os achados referentes à adaptaçäo de lentes de contato nos casos de trauma ocular nos últimos 6 anos no Hospital Säo Geraldo, identificando os mecanismos dos traumas, os parâmetros das lentes de contato prescritas, e por fim avaliar quantitativamente a melhora da acuidade visual com o uso destas. MÉTODOS: Revisäo dos prontuários de pacientes atendidos no Serviço de Lentes de Contato do Hospital Säo Geraldo nos últimos 6 anos. Os dados referentes à idade, sexo, diagnóstico, doenças associadas, olho acometido, acuidade visual pós-trauma, raio, curvatura e índice de permeabilidade ao oxigênio das lentes säo descritos. RESULTADOS: O principal diagnóstico foi perfuraçäo, com 25 casos (44,6 por cento), o olho esquerdo estando acometido em 25 casos (58,2 por cento). A AV pós-trauma corrigida mais freqüente foi 20/200 (20,9 por cento). A AV corrigida média após o uso das lentes de contato foi de 20/20 (14 por cento). O maior ganho em número de linhas na tabela de Snellen ocorreu em seis pacientes (14 por cento) (5 linhas). O diâmetro médio das lentes foi de 9,5 mm, o raio médio foi de 8,0 mm. A curvatura das lentes variou de 37,00 D a 52,75 D. A maioria das lentes tinha DK 71. A adaptaçäo foi adequada em todos os casos. O intervalo médio entre o trauma e o início da adaptaçäo foi de 3,5 anos. CONCLUSÄO: As lentes de contato säo parte importante no tratamento tardio do trauma ocular, permitindo melhora significativa da AV na maioria dos casos
Descritores: Adaptação Ocular
Lentes de Contato
Traumatismos Oculares
-Estudos Retrospectivos
Acuidade Visual
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Criança
Adolescente
Adulto
Pessoa de Meia-Idade
Responsável: BR1.2 - Biblioteca Central


  7 / 15 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Chamon, Wallace
Texto completo
Id: lil-330854
Autor: Chamon, Wallace.
Título: Cirurgia refrativa: quem precisa de tratamento personalizado? / Refractive surgery: who needs of personalized treatment?
Fonte: Arq. bras. oftalmol;66(1):101-105, jan.-fev. 2003. ilus.
Idioma: pt.
Resumo: Estamos em uma fase de ebulição para a determinação do futuro da cirurgia refrativa corneana. Dia após dia vão se tornando mais comuns os termos como: "análise de frentes de onda", "wave front", "ablação customizada" (que seria mais adequado se fosse alterado para "ablação personalizada"), "supervisão", "aberações", etc...O que será então o futuro de todas estas tecnologias? É importante que entendamos que todos estes termos convergem para alguns fatos que são inquestionáveis. Neste texto são abordados os seguintes pontos: 1. A melhora do desempenho visual com a correção das aberrações ópticas, 2. A mudança do conceito de óptica fisiológica, 3. A relação entre refração e mapa refratométrico, 4. O benfício visual, 5. As aberrações cromáticas e as aberrações esféricas.
Descritores: Erros de Refração/cirurgia
-Adaptação Ocular
Topografia da Córnea
Óptica e Fotônica
Refração Ocular/fisiologia
Retina
Visão Ocular/fisiologia
Acuidade Visual
Responsável: BR1.2 - Biblioteca Central


  8 / 15 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-322155
Autor: Gomes, José Alvaro Pereira; Lani, Luiz Alexandre; Juliano, Yara; Gomes, Roseli; Pedro, Erik Alessandro; Anbar, Roberto.
Título: Uso da topografia de córnea na adaptação de lente de contato rígida gás-permeável em pacientes portadores de ceratocone: descrição de técnica e resultados preliminares / Use of corneal topography in rigid gas permeable contact lens adaptation in patients with keratoconus: technique description and preliminary results
Fonte: Arq. bras. oftalmol;65(5):519-523, set.-out. 2002. ilus, tab, graf.
Idioma: pt.
Resumo: Objetivo: Apresentar um método prático baseado nos valores topográficos para adaptação de lente de contato rígida gás-permeável (LCRGP) em pacientes com ceratocone. Método: Foram estudados 33 olhos de 17 pacientes consecutivos portadores de ceratocone, no período de julho de 1997 a abril de 1999. O exame inicial consistiu de medida da acuidade visual, refração, biornicroscopia e topografia de córnea com o topógrafo computadorizado Eye Sys. As sessões de adaptação foram feitas com lentes de contato de teste, com curva-base selecionada a partir da topografia de córnea. Foi considerada como referência inicial o valor médio de K 1,5 mm superior ao centro óptico de cada olho a 90 graus. Resultados: A adaptação de lente de contato rígida gás-permeável foi bem sucedida em 30 olhos (91 por cento). Em todos esses casos houve melhora significativa da acuidade visual, que nofinal variou de 20/20 a 20/6¸. Para a adaptação inicial, foram necessárias, em média, 3 ñ 1 tentativas. Foi realizada readaptação com sucesso em 3 casos (10 por cento). Na maioria dos casos (57 por cento), as lentes pedidas possuíam curva-base com valor mais próximo de K 1,5 mm a 90 graus em relação a K. Esse achado foi comprovado por análise estatísticadas medidas individualmente e das médias das diferenças entre as duas medidas topográficas e a curva-base final de lente pedida. Conclusão: A adaptação baseada na topografia de córnea 1,5mm superiormente 90 graus ao centro óptico mostrou-se rápida e eficaz nos casos de ceratocone.
Descritores: Adaptação Ocular/fisiologia
Lentes de Contato
Ceratocone
Topografia da Córnea/métodos
-Acuidade Visual
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Adolescente
Adulto
Responsável: BR1.2 - Biblioteca Central


  9 / 15 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: lil-277039
Autor: Oliveira, Regina de S. C. de Salles; José, Mewton Kara; José Junior, Newton Kara.
Título: Avaliaçäo do uso de lentes de contato descartáveis em 100 pacientes / Evaluation of the use of disposable contact lenses in 100 patients
Fonte: Arq. bras. oftalmol;59(3):272, 274, 276, passim, jun. 1996. tab.
Idioma: pt.
Resumo: Estudou-se o comportamento de 100 pacientes particulares adaptados com lentes de contato dscartáveis. A maioria dos pacientes considerou o conforto ótim, e a aderência ao uso e os exames de controle, foram ao redor de 95 por cento. Ainda em sua maioria, os pacientes (72 por cento) já tinham sofrido complicaçöes com outros tipos de lentes de contato e destes, apenas uma portador de conjuntivite papilar gigante näo se adaptou com as lentes descartávais. Cinco pacientes desistiram e oito näo foram localizados. Dentro das condiçöes deste estudo as LCD foram uma boa alternativa para paciente com prévio insucesso à lente de contato de outro tipo, e representam uma alvissareira possibilidade de aumentar o número de usuários. Como qualquer novo tipo de lente de contato é necessário um acompanhamento a longo prazo quando os pacientes tendem a ser menos cuidadosos e as complicaçöes menos frequentes e de aparecimento tardio säo detectadas.
Descritores: Adaptação Ocular/fisiologia
Lentes de Contato/efeitos adversos
Equipamentos Descartáveis
-Oftalmopatias/complicações
Inquéritos e Questionários
Estudos Retrospectivos
Fatores de Risco
Limites: Masculino
Feminino
Adulto
Humanos
Adolescente
Pessoa de Meia-Idade
Responsável: BR1.1 - BIREME


  10 / 15 LILACS  
              first record previous record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: lil-276019
Autor: Reschini, Rosa Maria; Lima, Claudia Assis; Rech, Eulália; Kara-José, Newton; Trajan Neto, Alfredo.
Título: Avaliaçäo clínica de lentes de contato descartáveis / Clinical evaluation of disposable contact lenses
Fonte: Rev. bras. oftalmol;52(2):27-33, abr. 1993. ilus, tab.
Idioma: pt.
Resumo: Estudou-se durante sete meses a adaptaçäo de lente de contato descartável em 51 pacientes, que renovam as lentes semanalmente. Apenas três pacientes abandonaram o estudo devido a complicaçöes pelo uso da lente de contato: um por sintomas de olho seco, um por meibomite e outro que desenvolveu infiltrados corneanos imunoalérgicos. Outros oito pacientes foram excluídos do estudo: quatro por näo comparecerem aos exames de controle, três por terem mudado de cidade e um outro acometido por paralisia facial com lagoftalmo. Dentro das condiçöes deste estudo, a adaptaçäo, acuidade visual e segurança da lente descartável foram consideradas satisfatórias, mesmo em pacientes que haviam abandonado o uso de outros tipos de lente de contato. Recomendam-se seleçäo e orientaçäo rigorosas dos pacientes a serem adaptados e um programa regular (a cada três meses) de controle pós adaptaçäo.
Descritores: Adaptação Ocular
Lentes de Contato
Acuidade Visual
-Lentes de Contato/efeitos adversos
Limites: Humanos
Adolescente
Adulto
Responsável: BR734.1 - Biblioteca Central Cesar Lattes - BCCL



página 1 de 2 ir para página        
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde