Base de dados : LILACS
Pesquisa : M01.686.508 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 306 [refinar]
Mostrando: 1 .. 10   no formato [Detalhado]

página 1 de 31 ir para página                         

  1 / 306 LILACS  
              next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Saúde Pública
Texto completo
Id: biblio-898590
Autor: Malta, Deborah Carvalho; Stopa, Sheila Rizzato; Santos, Maria Aline Siqueira; Andrade, Silvânia Suely Caribé de Araújo; Oliveira, Max Moura de; Prado, Rogério Ruscitto do; Silva, Marta Maria Alves da.
Título: Fatores de risco e proteção de doenças e agravos não transmissíveis em adolescentes segundo raça/cor: Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar / Risk and protective factors for noncommunicable chronic diseases in adolescents by race/skin color: National Adolescent School-Based Health Survey
Fonte: Rev. bras. epidemiol;20(2):247-259, Abr.-Jun. 2017. tab.
Idioma: pt.
Resumo: RESUMO: Introdução: A raça/cor da pele é um importante preditor do estado de saúde da população, assim como um marcador de desigualdades sociais. Objetivo: O objetivo deste estudo foi descrever as prevalências dos principais fatores de risco e proteção para as doenças crônicas e agravos não transmissíveis em escolares, segundo as diferenças de raça/cor da pele. Métodos: Foram utilizados dados da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE) de 2012 e calculadas as prevalências ajustadas por idade e escolaridade materna, segundo distribuição por raça/cor da pele. Resultados: Adolescentes brancos são mais novos, estudam em escolas privadas, têm mães mais escolarizadas. O consumo de feijão e frutas foi maior em pretos, pardos e indígenas. A prática de atividade física foi maior em indígenas. A experimentação de bebidas alcoólicas foi maior em brancos. Indígenas relataram sofrer maior violência física. Amarelos e pretos relataram sofrer mais bullying. Conclusão: Os dados sugerem iniquidades na distribuição por raça/cor, sendo necessário minimizar as disparidades raciais e étnicas na saúde a fim de contribuir mais efetivamente para a prevenção de doenças e a promoção da saúde dos adolescentes.

ABSTRACT: Introduction: The race/skin color is an important predictor of health status of the population, as well as a marker of social inequalities. Objective: The aim of this paper was to describe the prevalence of the main risks and the protective factors for chronic diseases in schoolchildren, according to race/skin color differences. Methods: Data from the National Adolescent School-Based Health Survey (2012) were used. This is a cross-sectional study carried out in public and private schools. Prevalences were calculated according to the distribution by race/skin color. Prevalence ratios adjusted for age and maternal schooling were analyzed. Results: White adolescents were younger, studied more frequently in private schools and had mothers with higher levels of education in comparison to the other students. Consumption of beans and fruits was higher among black, brown, and indigenous participants. Physical activity was more frequent among indigenous people. Experimentation with alcohol was higher among white adolescents. Indigenous students reported greater physical violence. Asian and black adolescents reported experiencing greater bullying. Conclusion: Minimizing racial and ethnic disparities in health is necessary to disease prevention and health promotion among adolescents.
Descritores: Doenças não Transmissíveis/epidemiologia
-Brasil/epidemiologia
Pigmentação da Pele
Prevalência
Estudos Transversais
Fatores de Risco
Inquéritos Epidemiológicos
Grupos de Populações Continentais
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Adolescente
Responsável: BR1.1 - BIREME


  2 / 306 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Carvalho, Denise
Texto completo
Texto completo
Id: biblio-1121855
Autor: Carvalho, Denise; Meirinho, Daniel.
Título: O quesito cor/raça: desafios dos indicadores raciais de mortalidade materna como subsídio ao planejamento de políticas públicas em saúde / Color/race issue: challenges of race-related maternal mortality indicators as important information to elaborate public health policy plans / La cuestión color/raza: desafíos de los indicadores raciales de la mortalidad materna como informaciones esenciales para elaboración de proyectos de políticas públicas de salud
Fonte: RECIIS (Online);14(3):656-680, jul.-set. 2020. graf, tab.
Idioma: pt.
Resumo: A pesquisa apresentada neste artigo realizou um balanço quantitativo da taxa de mortalidade materna no Brasil ao longo das últimas duas décadas (2000-2019), sob o recorte de cor/raça com o objetivo de enfatizar a importância da divulgação de informações como demarcadores de mensuração de desigualdades raciais na mortalidade materna de mulheres negras no período gestacional, durante o parto e puerpério. A metodologia compreende a desagregação por cor/raça de dados do Sistema Único de Saúde (MS/DataSUS) derivados do Sistema de Informação de Mortalidade (SIM), a fim de coletar dados referentes a óbitos maternos, e do Sistema de Nascidos Vivos (Sinasc) para os dados relacionados aos nascimentos informados em território nacional. Os resultados obtidos apontam uma tendência de índices de mortalidade materna entre mulheres de cor/raça preta substancialmente maiores do que os que se referem às de cor/raça branca, revelando a falta de informações e políticas que minimizem a condição de vulnerabilidade de alguns grupos étnico-raciais no sistema de atenção à saúde materna.

This article presents a quantitative research examining the color/race-related maternal mortality rate in Brazil over the last two decades (2000-2019), aiming to emphasize the importance of the disclosure of information as indicators of racial inequalities in the black women' maternal mortality in the gestational period, during the childbirth and puerperium. The methodology uses the disaggregation by color/race of data from the Sistema Único de Saúde (DataSUS - Unified Health System) derived from the SIM - Sistema de Informação de Mortalidade (Mortality Information System), in order to collect data related to maternal deaths and from the Sinasc - Sistema de Nascidos Vivos (Live Births System), for the data related to births registered in the national territory. The results obtained point to a trend towards the maternal mortality rates being substantially higher among Black race/color women than among White race/color women, revealing the lack of information and policies that minimize the vulnerability of some ethnic-racial groups in the maternal health care system.

Este artículo presenta una investigación cuantitativa acerca de la tasa de mortalidad materna en Brasil a lo largo de las dos últimas décadas (2000-2019), del punto de vista de color/raza con el objetivo de enfatizar la importancia de la divulgación de informaciones como indicadores de las desigualdades raciales en la mortalidad materna de las mujeres negras en la fase de gestación, en el momento del parto y en el período de puerperio. La metodología utiliza la desagregación por color/raza de los datos del Sistema Único de Saúde (DataSUS - Sistema Unificado de Salud) derivados del SIM - Sistema de Informação de Mortalidade (Sistema de Información sobre Mortalidad), con el fin de recopilar datos relacionados con las muertes maternas, y del Sinasc - Sistema de Nascidos Vivos (Sistema de Nacidos Vivos) para los datos relacionados con los nacimientos documentados en el territorio nacional. Los resultados obtenidos apuntan una tendencia de las tasas de mortalidad materna entre las mujeres de color/raza negra sustancialmente superior a de las mujeres de color/raza blanca, revelando la falta de información y políticas que minimicen la condición de vulnerabilidad de ciertos grupos étnico-raciales en el sistema de atención de salud materna.
Descritores: Morte Materna
Sistemas de Informação em Saúde
Saúde Materna
Análise de Dados
-Brasil
Grupos de Populações Continentais
Nascimento Vivo
Racismo
Limites: Humanos
Responsável: BR526.1 - Biblioteca de Saúde Pública


  3 / 306 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Saúde Pública
Celeste, Roger Keller
Texto completo
Id: biblio-977719
Autor: Celeste, Roger Keller; Oliveira, Sara Cioccari; Junges, Roger.
Título: Threshold-effect of income on periodontitis and interactions with race/ethnicity and education / Efeito limiar de renda na periodontite e interações com raça/etnia e educação
Fonte: Rev. bras. epidemiol;22:e190001, 2019. tab, graf.
Idioma: en.
Projeto: Foundation for Post-Graduate Education.
Resumo: ABSTRACT: Objectives: The aims of this study were to explore the shape of the relationship of income and education with periodontal health, and to assess the interactions between them and race/ethnicity. Method: Individual level data from the Brazilian National Oral Health Survey in 2010 (Pesquisa Nacional de Saúde Bucal-SB Brasil 2010) were obtained for 9,779 subjects. Relations between per capita income and education with periodontal health were smoothed using Locally Weighted Scatter-plot Smoother (Lowess) technique. Multivariable logistic regression was used to assess independent effects of income, education, race/ethnicity adjusted for age, sex and time since last dental appointment. Results: Prevalence of adults with moderate to severe and severe periodontitis was 17.6 and 6.5%, respectively. The relationship between periodontal health and income was curvilinear, showing a threshold of no relationship for income levels higher than US$ 600/month. In multivariable analysis, after controlling for covariates, only income was significantly associated with periodontal health. There was no significant interaction of income with race or education, neither between race and education. Conclusion: The relation between periodontal health and income was curvilinear and indicated the presence of a threshold, supporting income transfer programs. Beyond the threshold, only education presented a negative linear relationship with moderate to severe periodontitis.

RESUMO: Objetivo: Os objetivos deste estudo foram explorar a relação entre renda e educação com doença periodontal e avaliar a interação entre eles e raça/etnia. Método: Dados individuais do inquérito epidemiológico de saúde bucal da Pesquisa Nacional de Saúde Bucal (SB Brasil 2010) foram obtidos para 9.779 indivíduos. A relação entre renda per capita e educação com saúde periodontal foi suavizada usando técnica de Locally Weighted Scatter-plot Smoother (LOWESS). Utilizou-se regressão logística multivariável para avaliar os efeitos independentes de sexo, idade, renda, educação, raça/etnia, posse de bens, última visita ao dentista e número de pessoas por dormitório. Resultados: A prevalência de adultos com doença periodontal moderada e grave foi de 17,6 e 6,5%, respectivamente. A relação entre saúde periodontal e renda foi curvilínea, com limiar de R$ 1.050/mensais, a partir do qual não havia relação entre as variáveis. Na análise multivariavel, após ajuste por covariadas, apenas renda estava associada significativamente com saúde periodontal. Não foram encontradas interações significantes entre renda e educação ou raça/etnia, nem entre educação com raça/etnia. Conclusões: A relação entre saúde periodontal e renda foi curvilínea com a presença de efeito de limar, dando suporte para programas de transferência de renda. Além do limiar, apenas educação mostrou associação linear negativa com periodontite moderada a severa.
Descritores: Periodontite/etiologia
-Periodontite/etnologia
Brasil
Modelos Logísticos
Inquéritos de Saúde Bucal
Indicadores Básicos de Saúde
Grupos de Populações Continentais
Escolaridade
Renda
Pessoa de Meia-Idade
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Adulto
Responsável: BR1.1 - BIREME


  4 / 306 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-1003490
Autor: Oliveira, Bruno Luciano Carneiro Alves de; Luiz, Ronir Raggio.
Título: Densidade racial e a situação socioeconômica, demográfica e de saúde nas cidades brasileiras em 2000 e 2010 / Racial density and the socioeconomic, demographic and health context in Brazilian cities in 2000 and 2010
Fonte: Rev. bras. epidemiol;22:e190036, 2019. tab, graf.
Idioma: pt.
Projeto: Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro.
Resumo: RESUMO: Introdução: A densidade racial ainda não foi explorada nos estudos sobre desigualdades raciais no Brasil. Este estudo identifica categorias de densidade racial para as cidades brasileiras e descreve a situação de vida e saúde nessas categorias nos anos dos Censos Demográficos de 2000 e 2010. Método: Estudo ecológico em que a informação de cor/raça nos dois últimos censos foi usada para calcular a densidade racial (proporçãode pessoas do mesmo grupo racial) nas cidades brasileiras em cada ano. Criaram-se quatro categorias de densidade racial (parda; mistos, mas com maioria negra; branca; e mistos, mas com maioria branca).Paraquais foram descritos indicadores socioeconômicos, demográficos e de saúde. Resultados: As categorias de densidade racial captaram desigualdades importantes ao longo dos censos e apontaram a permanência de piores condições de vida e saúde nas cidades formadas por pardos e mistos, mas com maioria negra, e melhores onde predominaram brancos. As cidades predominadas por pardos e mistos, mas com maioria negra, em relação às demais, apresentam, nos dois censos, estrutura etária mais jovem, piores índices de desenvolvimento humano, maior vulnerabilidade social, concentração de renda, mortalidade infantil e prematura (< 65 anos) e menor esperança de vida de seus moradores. Discussão: Semelhantemente a outros países, a densidade racial espelhou desigualdades na situação de vida e saúde no Brasil, bem como defasagem temporal entre suas cidades. Conclusão: As categorias de densidade racial podem contribuir para os estudos sobre a epidemiologia social e sobre as relações raciais no país.

ABSTRACT: Introduction: Racial density has not yet been explored in studies of racial inequalities in Brazil. Thisstudy identified categories of racial density in Brazilian cities and described the living and health context in these categories in 2000 and 2010, when demographic censuses were conducted. Method: Ecological study which used skin color or race information from the last two censuses to calculate racial density (the ratio of people aggregated to the same racial group) of the Brazilian cities each year. Four categories of racial density (Brown; Mixed-race, predominantly black; White/Caucasian; and Mixed-race, predominantly white). Socioeconomic, demographic and health indicators were described to each category. Results: The categories of racial density captured important inequalities throughout the census and also indicated the continuance of worse living and health conditions in the cities composed by Browns and mixed-race people, predominantly Black; better conditions were indicated in cities where White/Caucasians are predominant. The cities, composed mainly of Browns and mixed-race people, predominantly Black, presented younger age structure, worse human development indexes, greater social vulnerability, income concentration, infant and premature mortality (<65 years) and lower life expectancy in both censuses, as compared to other cities. Discussion: Similarly to other countries, the racial density reflected inequalities in the Brazilian living and health context as well as a time lag among the cities. Conclusion: The categories of racial density may contribute to social epidemiology and race relations studies in Brazil.
Descritores: Nível de Saúde
Densidade Demográfica
Grupos de Populações Continentais/estatística & dados numéricos
Fatores Raciais/estatística & dados numéricos
-Fatores Socioeconômicos
Fatores de Tempo
Brasil/epidemiologia
Características de Residência
Expectativa de Vida/etnologia
Cidades/etnologia
Distribuição por Sexo
Distribuição por Idade
Análise Espaço-Temporal
Pessoa de Meia-Idade
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Recém-Nascido
Pré-Escolar
Criança
Adolescente
Adulto
Idoso
Adulto Jovem
Responsável: BR1.1 - BIREME


  5 / 306 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: biblio-960847
Autor: Moreira, Tiago Ricardo; Toledo, Luana Vieira; Colodette, Renata Maria; Mendonça, Érica Toledo de; Amaro, Marilane de Oliveira Fani; Ayres, Lilian Fernandes Arial; Henriques, Bruno David.
Título: Fatores relacionados à autoaplicação de insulina em indivíduos com diabetes mellitus / Factores relacionados con la autoadministración de insulina en sujetos con diabetes mellitus / Factors related to the self-application of insulin in subjects with diabetes mellitus
Fonte: Rev. gaúch. enferm;39:e20170066, 2018. tab.
Idioma: pt.
Resumo: Resumo OBJETIVO Identificar os fatores associados à autoaplicação de insulina em adultos com Diabetes Mellitus. MÉTODO Estudo transversal desenvolvido no município de Viçosa-MG, que avaliou 142 pacientes. A coleta de dados foi realizada entre abril e julho de 2013 mediante entrevista no domicílio do participante. Regressão logística múltipla foi utilizada. RESULTADO A prevalência de autoaplicação de insulina foi de 67,6%, apresentando associação com idade entre 57 e 68 anos (OR = 0,3; IC95%: 0,1 - 0,9), conviver com companheiro e filhos (OR = 2,5; IC95%: 1,1 - 5,0), ter 9 anos ou mais de estudo (OR = 8,4; IC95%: 1,9 - 37,9), morar em área não coberta pela Estratégia Saúde da Família (ESF) (OR = 2,8; IC95%: 1,1 - 7,0). CONCLUSÃO Autoaplicação de insulina mostrou-se associada à idade, escolaridade, situação conjugal e cobertura da ESF. O reconhecimento desses fatores pode contribuir para o desenvolvimento de estratégias para adesão à autoaplicação de insulina.

Resumen OBJETIVO Identificar los factores asociados con la autoadministración de insulina en adultos con diabetes mellitus. MÉTODOS Se trata de un estudio transversal desarrollado en el municipio de Viçosa-MG, en el que se evaluaron 142 pacientes. La recolección de datos se llevó a cabo entre abril y julio de 2013 mediante entrevistas en el hogar del participante. Se aplicó la regresión logística múltiple. RESULTADOS La prevalencia de la auto-administración de insulina fue de 67,6% y se asoció con edad entre 57 y 68 años (OR = 0,3; IC del 95%: 0,1 - 0,9), que viven con una pareja e hijos ( OR = 2,5; IC del 95%: 1.1 5,0), con 9 o más años de educación (OR = 8,4; IC del 95%: no 1,9-37,9), que viven en un área cubierta por la Estrategia de Salud de la familia (ESF) (OR = 2,8; IC del 95%: 1.1 7.0). CONCLUSIÓN La autoadministración de insulina se asoció con la edad, la educación, el estado civil y la cobertura del ESF. El reconocimiento de estos factores puede contribuir para la adhesión a la autoadministración de insulina.

ABSTRACT Objective: To identify the factors associated with the self-application of insulin in adult individuals with Diabetes Mellitus. Method: A cross-sectional study developed in the city of Viçosa-MG, which assessed 142 patients. The data collection was performed between April and July 2013 through an interview at the participant's home. Multiple logistic regression was used. Results: The prevalence of the self-administration of insulin was of 67.6%, and it was associated with ages between 57 and 68 years old (OR = 0.3, 95% CI: 0.1-0.9), living with a partner and children (OR = 2.5, 95% CI: 1.1-5.0), 9 years or more of study (OR = 8.4, 95% CI: 1.9-37.9), living in an area not covered by the Family Health Strategy (FHS) (OR = 2.8, 95% CI: 1.1 - 7.0). Conclusion: The self-application of insulin was associated with age, schooling, marital status, and the FHS coverage. The recognition of these factors may contribute to the adherence to the self-application of insulin.
Descritores: Diabetes Mellitus/tratamento farmacológico
Adesão à Medicação
Hipoglicemiantes/administração & dosagem
Insulina/administração & dosagem
-Brasil/epidemiologia
Autoadministração
Casamento
Área Programática de Saúde
Comorbidade
Educação de Pacientes como Assunto
Estudos Transversais
Inquéritos e Questionários
Fatores Etários
Cobertura do Seguro
Grupos de Populações Continentais
Diabetes Mellitus/psicologia
Diabetes Mellitus/epidemiologia
Escolaridade
Hospitalização/estatística & dados numéricos
Hipertensão/epidemiologia
Hipoglicemiantes/uso terapêutico
Insulina/uso terapêutico
Pessoa de Meia-Idade
Programas Nacionais de Saúde
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Adolescente
Adulto
Idoso
Idoso de 80 Anos ou mais
Adulto Jovem
Responsável: BR1.1 - BIREME


  6 / 306 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: biblio-1115319
Autor: Dordunoo, Dzifa.
Título: Raça não é patológica, mas o racismo é / Raza no es patológica, pero el racismo es / Race is not pathological but racism is
Fonte: Rev. baiana enferm;34:e34990, 2020.
Idioma: pt.
Resumo: Objetivos Fornecer uma breve história da variável raça, discutir o uso incorreto da raça como uma construção biológica em vez de social e suas implicações para a prática da enfermagem e, sugerir o racismo como determinante primário da saúde entre as pessoas de ascendência africana. Método Reflexão crítica sobre a concepção de raça e racismo. Resultados O racismo não mudou ao longo dos anos, embora a sua unidade de medida: raça evoluiu. Conclusão É importante explorar a história da raça para entender que a ascendência africana tem pouco a ver com o perfil de saúde física e mental de pessoas negras. As inconsistências na classificação de pessoas da mesma espécie entre os países não tiram as implicações sociais do racismo, porque a noção de desigualdade está implícita nos grupos raciais. As disparidades nos determinantes sociais da saúde tendem a continuar e piorar para as pessoas de descendência africana.

Objetivos proporcionar una breve historia de la variable raza, discutir el mal uso de la raza como una construcción biológica más que social y sus implicaciones para la práctica de la enfermería y sugerir el racismo como un determinante principal de la salud entre las personas de ascendencia africana. Método Reflexión crítica sobre el concepto de raza y racismo. Resultados el racismo no ha cambiado con los años, pero su unidad de medida: la raza ha evolucionado. Conclusión es importante explorar la historia de la raza para comprender que la ascendencia africana tiene poco que ver con el perfil de salud física y mental de las personas negras. Las inconsistencias en la clasificación de las personas de la misma especie en todos los países no eliminan las implicaciones sociales del racismo, porque la noción de desigualdad está implícita en los grupos raciales. Las disparidades en los determinantes sociales de la salud tienden a continuar y empeorar para las personas de ascendencia africana.

Objectives To provide a brief history of the race variable, to discuss the misuse of race as a biological rather than a social construction and its implications for the practice of nursing and to suggest racism as a primary determinant of health among people of African descent. Method Critical reflection on the concept of race and racism. Results Racism has not changed over the years, but its unit of measurement: race has evolved. Conclusion It is important to explore the history of the race to understand that African descent has little to do with the physical and mental health profile of black people. The inconsistencies in the classification of people of the same species across countries do not remove the social implications of racism, because the notion of inequality is implicit in racial groups. Thus, disparities in social determinants of health tend to continue and worsen for people of African descent.
Descritores: Grupos de Populações Continentais
Racismo
Cuidados de Enfermagem/métodos
-Fatores Socioeconômicos
Limites: Humanos
Responsável: BR21.2 - BVS Enfermería


  7 / 306 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Texto completo
Texto completo
Id: biblio-1117152
Autor: Goiás (Estado). Secretaria de Estado da Saúde. Superintendência de Vigilância em Saúde. Gerência de Vigilância Epidemiológica.
Título: Situação epidemiológica (04/02 a 08/08/2020) / Epidemiological situation (02/02 to 08/08/2020).
Fonte: Goiânia; SES-GO; 12 ago 2020. 1-18 p. ilus, tab, graf, mapas. (Boletim Epidemiológico Covid-19, 19).
Idioma: pt.
Resumo: A Secretaria de Estado da Saúde de Goiás através da Superintendência de Vigilância em Saúde e Gerência de Vigilância Epidemiológica, apresentam neste boletim a distribuição de casos confirmados, óbitos e taxa de crescimento de COVID-19 no mundo, no Brasil, no período compreendido entre 31 de dezembro de 2019 a 08 de agosto de 2020. Quanto ao Estado de Goiás apresenta a distribuição dos casos notificados de COVID-19 segundo classificação e critério de confirmação, no período de 04 de fevereiro a 08 de agosto de 2020, a distribuição dos casos confirmados por data de início de sintomas, do acumulado de casos confirmados, dos casos confirmados e média móvel segundo a data de início de sintomas, do acumulado de óbitos, dos óbitos confirmados e média móvel segundo a data de ocorrência do óbito, da distribuição proporcional dos casos confirmados por municípios integrantes da Região metropolitana, do interior e capital, dos casos confirmados e taxa de incidência por município de residência, de casos confirmados por Semana Epidemiológica nas Macrorregiões, distribuição de casos confirmados de COVID-19 por Semana Epidemiológica segundo a região de saúde, número de casos confirmados segundo gênero, faixa etária e taxa de incidência, percentual de casos confirmados segundo raça/cor, casos confirmados segundo evolução, percentual de casos confirmados segundo ocupação, distribuição por município de residência dos óbitos confirmados segundo taxa de letalidade, percentual dos óbitos confirmados por sexo, óbitos confirmados e letalidade segundo faixa etária, casos confirmados que necessitaram de hospitalização segundo a evolução, perfil de gestantes com COVID-19, distribuição dos casos confirmados em gestantes segundo a necessidade de hospitalização, dos casos confirmados em gestantes segundo o local de internação, dos casos confirmados em gestantes segundo evolução, casos confirmados que necessitaram de hospitalização segundo o tempo médio de internação, percentual de casos confirmados por critério laboratorial segundo o método diagnóstico e positividade dos testes RT-PCR liberados pelo LACEN-GO segundo identificação de SARS-CoV-2

The Goiás State Department of Health, through the Health Surveillance Superintendence and Epidemiological Surveillance Management, presents in this bulletin the distribution of confirmed cases, deaths and growth rate of COVID-19 in the world, in Brazil, in the period between 31 from December 2019 to August 8, 2020. As for the State of Goiás, it presents the distribution of notified cases of COVID-19 according to classification and confirmation criteria, in the period from February 4 to August 8, 2020, the distribution of cases confirmed by date of onset of symptoms, cumulative number of confirmed cases, confirmed cases and moving average according to date of symptom onset, accumulated number of deaths, confirmed deaths and moving average according to date of occurrence of death, proportional distribution of confirmed cases by municipalities in the metropolitan region, inland and capital, confirmed cases and incidence rate by municipality of residence, d and confirmed cases by Epidemiological Week in Macroregions, distribution of confirmed cases of COVID-19 by Epidemiological Week according to health region, number of confirmed cases according to gender, age group and incidence rate, percentage of confirmed cases according to race / color, cases confirmed according to evolution, percentage of confirmed cases according to occupation, distribution by municipality of residence of deaths confirmed according to lethality rate, percentage of deaths confirmed by sex, confirmed deaths and lethality according to age group, confirmed cases that required hospitalization according to evolution, profile of pregnant women with COVID-19, distribution of confirmed cases in pregnant women according to the need for hospitalization, confirmed cases in pregnant women according to the place of hospitalization, confirmed cases in pregnant women according to the evolution, confirmed cases that required hospitalization according to the average length of hospitalization , percentage of trusted cases according to laboratory criteria according to the diagnostic method and positivity of the RT-PCR tests released by LACEN-GO according to the identification of SARS-CoV-2
Descritores: Brasil/epidemiologia
Incidência
Infecções por Coronavirus/epidemiologia
Vigilância em Saúde Pública
Monitoramento Epidemiológico
-Vigilância Sanitária
Mortalidade
Notificação de Doenças
Técnicas de Laboratório Clínico
Gestantes
Grupos de Populações Continentais
Diagnóstico
Hospitalização
Grupos Etários
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Gravidez
Criança
Adolescente
Adulto
Pessoa de Meia-Idade
Idoso
Idoso de 80 Anos ou mais
Tipo de Publ: Relatório Técnico
GOVERNMENT PUBLICATIONS
Responsável: BR1759.1 - Biblioteca Professora Ena Galvão


  8 / 306 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Texto completo
Id: biblio-1783
Autor: Pinto, Dione; Mockdeci, Hanny; Almeida, Luiz Eduardo; Assis, Neuza Maria; Vilela, Eduardo.
Título: Análise da prevalência e correlações por gênero, faixa etária, raça e classificação dos terceiros molares / Analysis of the prevalence and correlations by gender, age, race, and rank third molars
Fonte: HU rev;41(3/4):155-162, dez. 2015.
Idioma: pt.
Resumo: As inclusões dentárias mais frequentes ocorrem em dentes que fazem erupção tardiamente, ou seja, os terceiros molares, sendo a falta de espaço no arco dentário a principal causa de sua inclusão. A classificação dos terceiros molares proposta por George Winter reúne todos os requisitos necessários ao planejamento do tratamento, porém, para o aprimoramento, a associação com a classificação de Pell e Gregory é de imensa utilidade. Através de um estudo retrospectivo dos prontuários dos pacientes atendidos no Serviço Especial de Cirurgia Oral - Faculdade de Odontologia ­ Universidade Federal de Juiz de Fora (SECO-FO-UFJF), visou-se estimar a prevalência, classificação e associação dos terceiros molares com gênero, faixa etária e raça dos pacientes. Tomando como base 603 prontuários dos pacientes atendidos pelo referido serviço entre os anos de 2003 até o primeiro semestre de 2011, foi selecionada uma amostra de 202 pacientes. Constatou-se a prevalência de pacientes do gênero feminino, leucodermas, com idade entre 22 e 25 anos, apresentando para os dentes 18 e 28, segundo Pell & Gregory maior prevalência da profundidade A e para George Winter a posição vertical. Para o dente 38, segundo Pell & Gregory, maior prevalência da posição I, profundidade A e, para George Winter, a posição vertical e mesioangular com igual prevalência. Para o dente 48, segundo Pell & Gregory, houve maior prevalência da posição I, profundidade A e, para George Winter, a posição vertical. Conclui-se que apesar de não terem sido encontradas correlações estatísticas expressivas entre as variáveis, foi possível traçar o perfil dos pacientes assistidos pelo SECO-FO-UFJF.
Descritores: Dente Molar
Dente Serotino
-Dente não Erupcionado
Arco Dental
Odontologia
Grupos de Populações Continentais
Identidade de Gênero
Grupos Etários
Tipo de Publ: Relatos de Casos
Responsável: BR378.1 - Biblioteca Central


  9 / 306 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Id: lil-422150
Autor: Muniz, Edna(coord).
Título: Caderno de apoio para implementacao do quesito cor na saude / Notebook of support for implementacao of the question color in greets.
Fonte: Sao Paulo; CEERT; 2004. 27 p. tab, graf.
Idioma: pt.
Descritores: Cor
Grupo com Ancestrais do Continente Africano
Grupos Étnicos
Grupos de Populações Continentais
Opinião Pública
Saúde Pública
Limites: Humanos
Responsável: BR1310.1 - Núcleo de Biblioteca
BR1310.1; F0627


  10 / 306 LILACS  
              first record previous record
seleciona
para imprimir
Id: lil-399070
Autor: GAPA.
Título: Aids e desenvolvimento / Aids and development.
Fonte: Salvador; GAPA; 2004. 127 p.
Idioma: pt.
Descritores: Sociologia
CARPAL TUNNEL SYNDROMEABDOMINAL INJURIES
Síndrome de Imunodeficiência Adquirida
-Pobreza
Grupos de Populações Continentais
Limites: Humanos
Feminino
Responsável: BR1310.1 - Núcleo de Biblioteca
BR1310.1; L1862



página 1 de 31 ir para página                         
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde