Base de dados : LILACS
Pesquisa : M01.686.508 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 319 [refinar]
Mostrando: 1 .. 10   no formato [Detalhado]

página 1 de 32 ir para página                         

  1 / 319 LILACS  
              next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: lil-79948
Autor: Marotti, Mirtes; Alcântara, Soraya B de.
Título: Influência da raça, sexo, idade e faixa salarial na experiência de cárie em indivíduos que procuraram o serviço de atendimento odontológico da FO/UFRGS / Influence of race, sex, age and wages in occurrence of carie in people that looked for the odontologic service of FO/UFRGS (Odontology School, Federal University of Rio Grande do Sul)
Fonte: Rev. Fac. Odontol. Porto Alegre;29(28/29):41-47, jun.-jul. 1989. tab.
Idioma: pt.
Resumo: O presente trabalho analisou as relaçöes entre raça, sexo, idade e faixa salarial com experiência de cárie em indivíduos que procuraram o Serviço de Atendimento Odontológico da Fo/UFRGS de agosto de 1985 a maio de 1986. Foram analisados os prontuários de 446 indivíduos de 4 a 81 anos de idade, escolhidos ao acaso, sendo 365 brancos, 45 negros e 36 mestiços, 276 indivíduos do sexo feminino e 170 do sexo masculino, divididos pelos critérios de faixas salariais adotados pelo Serviço de Triagem da FO. Os resultados encontrados säo de que é maior a experiência de cárie em indivíduos mestiços, seguidos de brancos e negros. Prevalece também no grupo feminino sobre o masculino. Quanto a idade foi constatado um significativo aumento de incidência de cárie na adolescência. Os resultados referentes a situaçäo sócio-econômica e experiência de cárie näo foram elucidativos, uma vez que o diferencial de salários entre os indivíduos näo era suficiente para caracterizar distintos extratos sócio-econômicos
Descritores: Cárie Dentária/epidemiologia
Saúde Bucal
-Fatores Socioeconômicos
Brasil
Fatores Sexuais
Grupos de Populações Continentais
Fatores Etários
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Pré-Escolar
Criança
Adolescente
Adulto
Pessoa de Meia-Idade
Responsável: BR1.1 - BIREME


  2 / 319 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Saúde Pública
Texto completo
Id: biblio-890229
Autor: Sousa, Gabriel Renaldo de; Silva, Diego Augusto Santos.
Título: Sedentary behavior based on screen time: prevalence and associated sociodemographic factors in adolescents / Comportamento sedentário baseado em tempo de tela: prevalência e fatores sociodemográficos associados em adolescentes
Fonte: Ciênc. Saúde Colet;22(12):4061-4072, Dez. 2017. tab.
Idioma: en.
Resumo: Abstract The aim of this study to estimate the prevalence of sedentary behavior based on screen time (≥ 2-hour day) and to identify the association with sociodemographic factors among adolescents in a city in southern Brazil. This is an epidemiological survey of school-based cross-sectional study with students aged 14-19 years in the city of São José/SC - Brazil. Self-administered questionnaire was used, containing information sociodemographic, level of physical activity and about screen time. Descriptive statistics were performed, and odds ratios were estimated using binary logistic regression and 95% confidence level. The prevalence of excess screen time was 86.37% followed by computer use (55.24%), TV use (51.56%) and Videogame use (15.35%). Boys had higher prevalence of excessive video game use. Those of skin color different from white and mothers who studied less than eight years were more likely to watch too much TV, and those of low economic level were more likely of having excessive screen time. Girls of skin color different from white were more likely to watch too much TV, and those aged 14-16 years were more likely to have videogame use time and total time screen above recommended.

Resumo O objetivo deste estudo foi estimar a prevalência de comportamentos sedentários baseado em tempo de tela (≥ 2 horas por dia) e identificar a associação com fatores sociodemográficos em adolescentes, de uma cidade do Sul do Brasil. Esta é uma pesquisa epidemiológica de base escolar com delineamento transversal, em estudantes de 14 a 19 anos na cidade de São José/SC, Brasil. Foi utilizado questionário autoaplicado, com informações sociodemográficas, atividade física e tempo de uso de tela. Foi realizada estatística descritiva, e as razões de chances estimadas por regressão logística binária. A prevalência de uso excessivo de tela foi de 86,37% seguido de uso de computador (PC) (55,24%), televisão (TV) (51,56%) e videogame (VG) (15,35%). Os meninos tiveram maior prevalência de uso excessivo de VG. Aqueles de cor de pele diferente de branca e que mães estudaram menos de oito anos tiveram mais chances de assistirem TV em excesso, e aqueles, de baixo nível econômico tiveram mais chances de terem tempo total de tela excessivo. Meninas de cor de pele diferente de branca tiveram mais de assistirem TV em excesso, e aquelas com 14 a 16 anos tiveram mais chances de estarem com tempo de uso de VG e tempo total de tela acima do recomendado.
Descritores: Televisão/estatística & dados numéricos
Exercício Físico
Jogos de Vídeo/estatística & dados numéricos
Comportamento Sedentário
-Instituições Acadêmicas
Fatores Socioeconômicos
Estudantes/estatística & dados numéricos
Fatores de Tempo
Brasil/epidemiologia
Fatores Sexuais
Prevalência
Estudos Transversais
Inquéritos e Questionários
Comportamento do Adolescente
Grupos de Populações Continentais/estatística & dados numéricos
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Adolescente
Adulto Jovem
Responsável: BR1.1 - BIREME


  3 / 319 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Saúde Pública
Texto completo
Id: biblio-890233
Autor: Smolen, Jenny Rose; Araújo, Edna Maria de.
Título: Raça/cor da pele e transtornos mentais no Brasil: uma revisão sistemática / Race/skin color and mental health disorders in Brazil: a systematic review of the literature
Fonte: Ciênc. Saúde Colet;22(12):4021-4030, Dez. 2017. tab, graf.
Idioma: pt.
Resumo: Resumo Transtornos mentais contribuem para uma grande carga de incapacidade. Esta revisão sistemática tem como objetivo resumir a literatura sobre raça/cor da pele e transtornos mentais no Brasil. PubMed e Lilacs foram pesquisados com o uso de descritores sobre transtornos mentais (depressão, ansiedade, etc.) e raça/cor da pele. Estudos sobre grupos não populacionais, que não analisaram raça/cor da pele, ou em que o transtorno mental não foi o objeto de estudo não foram incluídos. Depois da avaliação de qualidade, 14 estudos foram selecionados para inclusão. A tendência foi uma prevalência maior de transtornos mentais nas pessoas não brancas. Das seis análises multivariadas que acharam resultados estatisticamente significantes, cinco mostraram uma maior prevalência ou chance de transtornos mentais nas pessoas não brancas em comparação com pessoas brancas (medida de associação entre 1,18 e 1,85). Essa revisão contribuiu para identificar a tendência na literatura em relação à associação entre raça/cor da pele e transtornos mentais, mas há importantes dificuldades com relação à comparabilidade dos estudos, principalmente, em função das diferenças em relação aos transtornos mentais estudados, as formas de categorizar raça/cor da pele e nos instrumentos utilizados nos estudos analisados.

Abstract Mental health disorders contribute a significant burden to society. This systematic literature review aims to summarize the current state of the literature on race/skin color and mental health disorders in Brazil. Methods: PubMed and Lilacs were searched using descriptors for mental health disorders (depression, anxiety, Common Mental Disorders, psychiatric morbidity, etc.) and race to find studies conducted in Brazil. Studies of non-population groups, that did not analyze race/skin color, or for which the mental disorder was not the object of study were excluded. After evaluation of quality, 14 articles were selected for inclusion. There was an overall higher prevalence of mental health disorders in non-Whites. Of the six multivariate analyses that found statistically significant results, five indicated a greater prevalence or odds of mental health disorder in non-Whites compared to Whites (measure of association between 1.18-1.85). This review identified the trend in the literature regarding the association between race and mental health disorders. However, important difficulties complicate the comparability of the studies, principally in function of the differences in the mental health disorders studied, the method of categorizing race/skin color, and the screening tools used in the studies analyzed.
Descritores: Projetos de Pesquisa/estatística & dados numéricos
Grupos de Populações Continentais/estatística & dados numéricos
Transtornos Mentais/epidemiologia
-Brasil/epidemiologia
Prevalência
Análise Multivariada
Grupo com Ancestrais do Continente Europeu/estatística & dados numéricos
Transtornos Mentais/diagnóstico
Limites: Humanos
Tipo de Publ: Revisão
Revisão Sistemática
Responsável: BR1.1 - BIREME


  4 / 319 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Lotufo, Paulo A
Mill, José Geraldo
Barreto, Sandhi Maria
Ribeiro, Antonio Luiz Pinho
Texto completo
Id: biblio-887969
Autor: Pinto Filho, Marcelo Martins; Brant, Luisa C C; Padilha-da-Silva, José Luiz; Foppa, Murilo; Lotufo, Paulo A; Mill, José Geraldo; Vasconcelo-Silva, Paulo R; Almeida, Maria da Conceição C; Barreto, Sandhi Maria; Ribeiro, Antônio Luiz Pinho.
Título: Electrocardiographic Findings in Brazilian Adults without Heart Disease: ELSA-Brasil / Medidas Eletrocardiográficas de Adultos Brasileiros sem Cardiopatia Estabelecida: ELSA-Brasil
Fonte: Arq. bras. cardiol;109(5):416-424, Nov. 2017. tab, graf.
Idioma: en.
Resumo: Abstract Background: The electrocardiogram (ECG) is widely used in population-based studies. However, there are few studies on electrocardiographic findings in Latin America and in Brazil. The Brazilian Longitudinal Study of Adult Health (ELSA-Brasil) comprised 15,105 participants (35-74 years) from six Brazilian capitals. Objectives: To describe electrocardiographic findings in Brazilian adults without heart disease, stratified by sex, age and race/skin color. Methods: Cross-sectional study with baseline data of 11,094 adults (44.5% men) without heart disease from ELSA-Brasil. The ECGs were recorded with the Burdick Atria 6100 machine and stored at the Pyramis System. ECG analysis was automatically performed using the Glasgow University software. A descriptive analysis of heart rate (HR), P, QRS and T waves' duration, PR and QT intervals, and P, R and T axes was performed. After stratification by sex, race/color and age, the groups were compared by the Wilcoxon and Kruskal-Wallis test at a significance level of 5%. Linear regression models were used to evaluate the behavior of electrocardiographic parameters over age. Major electrocardiographic abnormalities defined by the Minnesota code were manually revised. Results: Medians values of the electrocardiographic parameters were different between men and women: HR 63 vs. 66 bpm, PR 164 vs.158 ms, QT corrected 410 vs. 421 ms, QRS duration 92 vs. 86 ms, P-wave duration 112 vs. 108 ms, P-wave axis 54 vs. 57 degrees, R-wave axis 35 vs. 39 degrees, T-wave axis 39 vs. 45 degrees (p < 0.001 for all). The 2nd and the 98th percentiles of each variable were also obtained, and graphs were constructed to illustrate the behavior of the electrocardiographic findings over age of participants stratified by sex and race/skin color. Conclusions: The values for the electrocardiographic measurements herein described can be used as reference for Brazilian adults free of heart disease, stratified by sex. Our results suggest that self-reported race/skin color have no significant influence on electrocardiographic parameters.

Resumo Fundamento: O eletrocardiograma (ECG) é amplamente utilizado em estudos de base populacional. Porém, poucos desses estudos descrevem achados eletrocardiográficos na América Latina e particularmente no Brasil. O Estudo Longitudinal de Saúde do Adulto (ELSA-Brasil) incluiu 15105 participantes (35-74 anos) de seis capitais brasileiras. Objetivos: Descrever as medidas eletrocardiográficas em adultos brasileiros não cardiopatas, estratificados por sexo, raça/cor e idade. Métodos: Estudo transversal com dados da linha de base do ELSA-Brasil (n=11094, 44,5% homens) de participantes sem doença cardiopatia prevalente. Os ECGs foram obtidos no aparelho Burdick Atria 6100 e armazenados pelo Sistema Pyramis. A análise dos ECGs foi realizada automaticamente utilizando-se o software da Universidade de Glasgow. Realizou-se análise descritiva da frequência cardíaca, da duração das ondas P, QRS e T, dos intervalos (i) PR e QT, e dos eixos de P, R e T. A comparação dos grupos estratificados por sexo, raça/cor e idade, foi feita pelos testes de Wilcoxon e Kruskal-Wallis com nível de significância definido em 5%. O comportamento das medidas eletrocardiográficas ao longo da idade foi avaliado por modelos de regressão linear. Alterações eletrocardiográficas definidas como maiores pelo código de Minnesota foram revisadas manualmente. Resultados: As medianas das mensurações foram diferentes entre homens e mulheres: FC 63 vs 66 bpm, iPR 164 vs 158 ms, iQT corrigido 410 vs. 421 ms, QRS 92 vs 86 ms, onda P 112 vs 108 ms, eixo da onda P 54 vs 58, eixo da onda R 35 vs 39 e eixo da onda T 39 vs 45 (p < 0,001 para todas). Os percentis 02 e 98 foram obtidos para cada variável analisada, assim como gráficos demonstrando o comportamento dos parâmetros eletrocardiográficos ao longo da idade dos participantes estratificados por sexo e raça/cor. Conclusões: Os valores descritos para as medidas eletrocardiográficas analisadas poderão ser utilizados como referência para adultos brasileiros sem cardiopatia prevalente, estratificados por sexo. Os resultados sugerem que não existe grande influência da raça/cor autodeclarada nas mensurações eletrocardiográficas realizadas.
Descritores: Eletrocardiografia
Frequência Cardíaca/fisiologia
-Valores de Referência
Brasil
Fatores Sexuais
Estudos Transversais
Estudos Longitudinais
Grupos de Populações Continentais
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Adulto
Pessoa de Meia-Idade
Idoso
Responsável: BR1.1 - BIREME


  5 / 319 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-1011889
Autor: Araújo Júnior, Fábio Baptista; Machado, Isabela Thaís Jesus; Santos-Orlandi, Ariene Angelini dos; Pergola-Marconato, Aline Maino; Pavarini, Sofia Cristina Iost; Zazzetta, Marisa Silvana.
Título: Fragilidade, perfil e cognição de idosos residentes em área de alta vulnerabilidade social / Frailty, profile and cognition of elderly residents in a highly socially vulnerability area
Fonte: Ciênc. Saúde Colet;24(8):3047-3056, ago. 2019. tab.
Idioma: pt.
Resumo: Resumo O objetivo do estudo foi associar a fragilidade com perfil sociodemográfico e cognição de idosos residentes em contexto de alta vulnerabilidade social cadastrados em um Centro de Referência de Assistência Social em um município do interior paulista. Estudo transversal e quantitativo realizado com 48 idosos. Para a coleta de dados utilizou-se entrevista sociodemográfica, Escala de Fragilidade de Edmonton e Montreal Cognitive Assessment. Para a análise dos dados foi empregado teste de Jonckheere-Terpstra, correlação de Spearman e regressão logística (α = 5,0%). Dos 48 entrevistados, 33,4% não eram frágeis, 20,8% se mostraram aparentemente vulneráveis e 45,8% estavam frágeis em algum nível. As mulheres (OR = 4,64) e os de raça não branca (OR = 3,99) tiveram maior chance de apresentar fragilidade. Os domínios com maior influência na determinação da fragilidade foram: cognição, independência e desempenho funcional, estado geral da saúde e humor, embora sexo (p = 0,0373) e raça (p = 0,0284) tenham apresentado associação significativa. Destaca-se que considerar o perfil de fragilidade dos idosos subsidia o desenvolvimento de estratégias específicas de cuidado para este segmento populacional em área vulnerável prevenindo futuras complicações.

Abstract This study aimed to associate frailty with sociodemographic profile and cognition of elderly people living in highly socially vulnerable contexts registered at a Social Assistance Referral Centers in a city of inland São Paulo. This is a cross-sectional and quantitative study with 48 elderly. Data was collected with a sociodemographic interview, the Edmonton Frail Scale and the Montreal Cognitive Assessment, and was analyzed with the Jonckheere-Terpstra test, Spearman's correlation and logistic regression (α = 5.0%). This study was approved under Opinion Nº 72182. Of the 48 elderly interviewed, 33.4% were non-frail, 20.8% were apparently vulnerable and 45.8% were frail at some level (mild, moderate or severe). Women (OR = 4.64) and nonwhites (OR = 3.99) were more likely of being frail. The realms with the greatest influence in the determination of frailty were cognition, independence and functional performance, general health and mood, although gender (p = 0.0373) and ethnicity (p = 0.0284) had a significant association. Worth highlighting is that considering the frailty profile of the elderly warrants the development of specific care strategies for this segment of the population in a vulnerable area, preventing futures complications.
Descritores: Idoso Fragilizado/estatística & dados numéricos
Cognição/fisiologia
Populações Vulneráveis/estatística & dados numéricos
Fragilidade/epidemiologia
-Avaliação Geriátrica
Fatores Sexuais
Estudos Transversais
Entrevistas como Assunto
Fatores de Risco
Grupos de Populações Continentais/estatística & dados numéricos
Pessoa de Meia-Idade
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Idoso
Idoso de 80 Anos ou mais
Responsável: BR1.1 - BIREME


  6 / 319 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-1019656
Autor: Pícoli, Renata Palópoli; Cazola, Luiza Helena de Oliveira; Nascimento, Débora Dupas Gonçalves.
Título: Mortalidade infantil e classificação de sua evitabilidade por cor ou raça em Mato Grosso do Sul / Child mortality and classification of its preventability by skin color or ethnicity in Mato Grosso do Sul, Brazil
Fonte: Ciênc. Saúde Colet;24(9):3315-3324, set. 2019. tab, graf.
Idioma: pt.
Resumo: Resumo Estudo epidemiológico que objetivou analisar os óbitos infantis em menores de um ano e seus critérios de evitabilidade por cor ou raça, em Mato Grosso do Sul, de 2005 a 2013, a partir dos Sistemas de Informações sobre Mortalidade e sobre Nascidos Vivos. Elaborou-se o coeficiente de mortalidade infantil anual e a descrição dos óbitos por componentes e por grupo de causas evitáveis, mal definidas e não evitáveis para os três triênios. Observou-se declínio do coeficiente de mortalidade infantil para todas as categorias de cor ou raça, com predomínio para as crianças pardas e pretas. O componente Neonatal precoce apresentou maior percentual de óbitos para todas as categorias, com exceção da indígena que registrou predomínio no componente Pós-neonatal. Os óbitos ocorreram, majoritariamente, por causas evitáveis e não foram homogêneos entre as categorias de cor ou raça. Os óbitos por causas mal definidas predominaram entre as crianças indígenas e pardas. A investigação dos óbitos apontou diferenças nos componentes de mortalidade e nas causas evitáveis segundo recorte étnico racial, o que poderá contribuir para o direcionamento de políticas públicas que qualifiquem a rede assistencial materno-infantil, sobretudo para as minorias étnicas.

Abstract The epidemiological study aimed to investigate the mortality of children under one year and the classification of preventability by skin color or ethnicity in Mato Grosso do Sul state in the period 2005-2013 retrieved from the Mortality and Live Births Information Systems. The annual child mortality coefficient and the description of deaths by components and by group of preventable, ill-defined and non-preventable causes for the three triennia were elaborated. The child mortality coefficient declined for all skin color or ethnicity categories, with a predominance of brown and black children. The early neonatal component had higher mortality rates for all categories, except for the indigenous population, which recorded predominance of the post-neonatal component. Deaths were mainly due to preventable causes, and they were not homogeneous among skin color or ethnicity categories. Deaths from ill-defined causes predominated among indigenous and brown children. The investigation of deaths pointed to differences in the components of mortality and preventable causes according to racial and ethnic contour, which could contribute to the direction of public policies that qualify the mother and child care network, especially for ethnic minorities.
Descritores: Política Pública
Grupos Étnicos/estatística & dados numéricos
Mortalidade Infantil
Grupos de Populações Continentais/estatística & dados numéricos
-Brasil/epidemiologia
Limites: Humanos
Recém-Nascido
Lactente
Responsável: BR1.1 - BIREME


  7 / 319 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: lil-729064
Autor: Jacobina, Ronaldo Ribeiro.
Título: Nem clima nem raça: a visão médico-social do acadêmico Juliano Moreira sobre a sífilis maligna precoce / Ni clima ni raza: visión médico-social del académico Juliano Moreira sobre la sífilis maligna precoz / Neither climate nor race: undergraduate Juliano Moreira's medical-social vision about the early malignant syphilis
Fonte: Rev. baiana saúde pública;38(2), abr.-jun. 2014.
Idioma: pt.
Resumo: Estudo da obra inaugural do dermatologista/psiquiatra Juliano Moreira, com base nos princípios da moderna historiografia. O objetivo deste estudo foi analisar sua tese doutoral sobre a influência do clima e da raça na malignidade e precocidade da sífilis. Inicialmente, realizou-se uma breve discussão sobre a história da sífilis. Em seguida, foram feitas a descrição e a análise da tese "Etiologia da sífilis maligna precoce", escrita pelo acadêmico Juliano Moreira aos 18 anos. A obra centra-se nos determinantes da maior frequência e gravidade da sífilis, examinando duas teses hegemônicas na época: clima quente e determinação racial. O formando apresenta revisão bibliográfica em que revela domínio de seis idiomas e ilustra seu trabalho com casos clínicos. Juliano Moreira enfatiza o "terreno", fatores que debilitam o hospedeiro, desde doenças associadas à sífilis, idade, gravidez/puerpério e os determinantes sociais, como higiene, condições de trabalho e acesso precoce ao tratamento. Em relação ao clima, faz minuciosa investigação sobre as zonas isotérmicas (fria-temperada-quente-tórrida), encontrando variações que a temperatura não explica. Revela consciência étnica ao enfrentar o preconceito, caucionado no discurso científico da inferioridade biológica da "raça negra" e, numa visão médico-social, identifica maior frequência e "malignidade" nas classes sociais subalternas. Constata-se cuidado metodológico, revisão detalhada/crítica, mas, sobretudo, originalidade na discussão dos estudos e dos casos observados, com reflexões de evidente contemporaneidade.

Study related to the first work of the dermatologist and psychiatrist Juliano Moreira, based on the principles of modern historiography. The objective of this study was to analyze his PhD thesis about the influence of climate and race in malignancy of early syphilis. Initially, a brief discussion about syphilis history was performed. Then, the thesis "Etiology of early malignant syphilis", written by Juliano Moreira when he was 18 years old, was described and analyzed. The work focuses on the determinants of greater frequency and severity of syphilis by examining two hegemonic theories in that period: warm climate and racial determination. The graduate student presents a literature review that reveals his wisdom on six languages, and illustrates his work with clinical cases. Juliano Moreira emphasizes the 'ground', factors that weaken the host from diseases associated with syphilis, ages, pregnancy/puerperium and social determinants, such as hygiene, working conditions, and early access to treatment. Regarding climate, he makes a thorough analysis of isothermal zones (cold-temperate-hot-torrid), and found variations that cannot be explained by temperature. He also showed ethnic consciousness when facing prejudice, which was supported in the scientific discourse of the biological inferiority of "black race", and a social-medical point of view that identifies the greater frequency and "malignancy" on issues related to different social classes. It was found profound methodological care, detailed review and critique, mainly originality in the discussion of observed studies and clinical cases, with clear contemporaneity reflections.

Estudio de la primer obra del profesional de dermatología y psiquiatría Juliano Moreira con base en los principios de la moderna historiografía. El objetivo del estudio fue analizar su tesis doctoral sobre la influencia del clima y de la raza en la malignidad y precocidad de la sífilis. Fue inicialmente realizada una rápida discusión acerca de la historia de la sífilis. Después, la descripción y el análisis de la tesis "Etiología de la sífilis maligna precoz", escrita por el académico Juliano Moreira a los 18 años, fueron hechas. La obra se centra en los determinantes de la mayor frecuencia y severidad de la sífilis, examinando dos tesis hegemónicas en aquella época: clima caliente y determinación racial. Lo formando presenta revisión bibliográfica en que revela dominio de seis idiomas e ilustra su trabajo con casos clínicos. Juliano Moreiraenfatiza lo "terreno", factores que debilitan el azafato, desde enfermedades asociadas a la sífilis, edad, embarazo/puerperio y los determinantes sociales como higiene, condiciones de trabajo y acceso previo al tratamiento. En relación al clima, hace minuciosa análisis de las zonas isotérmicas (fría-revenida-caliente-tórrida), encontrando variaciones que la temperatura no explica. Revela conciencia étnica al enfrentar el prejuicio, caucionado en el discurso científico de la inferioridad biológica de la "raza negra", y en una visión médico-social, identifica mayor frecuencia y malignidad en las clases sociales más bajas. Se constata cuidado metodológico, repaso detallado/crítica, pero, sobre todo, originalidad en la discusión de los estudios y de los casos observados, con reflexiones de evidente contemporaneidad.
Descritores: Medicina Social
Sífilis
Clima
Grupos de Populações Continentais
História da Medicina
Limites: Humanos
Tipo de Publ: Relatos de Casos
Responsável: BR15.1 - Biblioteca de Ciências Biomédicas


  8 / 319 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-1133153
Autor: Estrela, Fernanda Matheus; Soares, Caroline Fernandes Soares e; Cruz, Moniky Araújo da; Silva, Andrey Ferreira da; Santos, Jemima Raquel Lopes; Moreira, Tânia Maria de Oliveira; Lima, Adriana Braitt; Silva, Márcia Gomes.
Título: Pandemia da Covid 19: refletindo as vulnerabilidades a luz do gênero, raça e classe / Covid-19 Pandemic: reflecting vulnerabilities in the light of gender, race and class
Fonte: Ciênc. Saúde Colet;25(9):3431-3436, Mar. 2020. tab.
Idioma: pt.
Resumo: Resumo O objetivo deste estudo é refletir os impactos da COVID 19, considerando marcadores de gênero, raça e classe. Trata-se de um estudo exploratório, com ênfase na análise de publicações selecionados, a partir de procura sistematizada em sites oficiais, bem como na plataforma PubCovid-19 que apresenta os artigos publicados sobre COVID-19, os quais estão indexados nas Pubmed e EMBASE. O trabalho foi pautado nos referidos documentos e construído com reflexões dos autores a partir das perspectivas dos marcadores sociais relacionados à gênero, raça e classe, os quais contribuem para o prognóstico da doença. A reflexão realizada com base na literatura analisada revelou que os marcadores de gênero, classe e raça se apresentam enquanto condição vulnerabilizadora à exposição da COVID-19 nos mais diversos cenários mundiais. Esse contexto descortina a necessidade histórica da implantação de estratégias de melhoria de vida dessa população não só durante a pandemia, como também após sua passagem. Para tanto, necessário se faz a adoção de políticas socioeconômicas de maior impacto na vida dessas pessoas e com maior abrangência, ampliando o acesso a melhores condições de saúde, educação, moradia e renda.

Abstract This study aims to reflect the impact of COVID 19, considering gender, race, and class markers. This is an exploratory study, with an emphasis on the analysis of selected publications, based on a systematized search on official websites, and on the PubCovid-19 platform that includes papers published on COVID-19, which are indexed in PubMed and EMBASE. This work was based on these documents and built with reflections from the authors from the perspectives of social markers related to gender, race, and class, which contribute to the prognosis of the disease. The reflection carried out from the analyzed literature revealed that the markers of gender, class, and race emerge as a vulnerable condition to the exposure of COVID-19 in the most diverse world scenarios. This context reveals the historical need to implement strategies to improve the lives of this population, not only during the pandemic but also after their passing. Therefore, it is necessary to adopt socioeconomic policies with a more significant impact on the lives of these people and with greater coverage, expanding access to better health, education, housing, and income.
Descritores: Pneumonia Viral/epidemiologia
Infecções por Coronavirus/epidemiologia
Grupos de Populações Continentais/estatística & dados numéricos
-Prognóstico
Classe Social
Fatores Socioeconômicos
Fatores Sexuais
Infecções por Coronavirus
Pandemias
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Tipo de Publ: Revisão Sistemática
Responsável: BR1.1 - BIREME


  9 / 319 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-953882
Autor: Vásquez, María Fernanda.
Título: Degeneración y mejoramiento de la raza: ¿higiene social o eugenesia? Colombia, 1920-1930 / Degeneration and improvement of the race: social higiene or eugenics? Colombia, 1920-1930
Fonte: Hist. ciênc. saúde-Manguinhos;25(supl.1):145-158, agosto 2018.
Idioma: es.
Resumo: Resumen Este artículo pretende discutir de qué manera ciertos saberes y prácticas orientados al "mejoramiento de la raza" colombiana entre 1920 y 1930 son similares o pueden localizarse en el marco de lo que ha sido definido por la historiografía como "movimiento eugenésico latinoamericano". El término de "higiene social" aparece en algunos textos médicos colombianos durante ese período para hablar del mejoramiento de una fracción de la población que se definía como "degenerada". Se trata de contribuir a la reflexión sobre la necesidad de repensar las estrategias del "mejoramiento de la raza" como problemas locales, heterogéneos y diversos.

Abstract This article discusses the similarities between certain knowledges and practices focused on "improving the race" in Colombia from 1920-1930, showing how they can be located within a framework defined by historiography as the "Latin American eugenic movement." The term "social hygiene" appears in some Colombian medical texts during this period to describe the improvement of a fraction of the population defined as "degenerate." This study contributes to discussion of the need to rethink "racial improvement" strategies as local, heterogeneous, diverse problems.
Descritores: Sociologia/história
Grupos de Populações Continentais/história
Eugenia (Ciência)/história
-Colômbia
Limites: Humanos
História do Século XX
Tipo de Publ: Artigo Histórico
Responsável: BR1.1 - BIREME


  10 / 319 LILACS  
              first record previous record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-989868
Autor: Torrens, Erica.
Título: Biomedical knowledge in Mexico during the Cold War and its impact in pictorial representations of Homo sapiens and racial hierarchies / Conhecimento biomédico no México durante a Guerra Fria e seu impacto nas representações visuais de Homo sapiens e hierarquias raciais
Fonte: Hist. ciênc. saúde-Manguinhos;26(1):219-244, Jan.-Mar. 2019. graf.
Idioma: en.
Resumo: Abstract This paper provides an overview of the state of Mexican genetics and biomedical knowledge during the second half of the twentieth century, as well as its impact on the visual representation of human groups and racial hierarchies, based on social studies of scientific imaging and visualization (SIV) and theoretical concepts and methods. It also addresses the genealogy and shifts of the concept of race and racialization of Mexican bodies, concluding with the novel visual culture that resulted from genetic knowledge merged with the racist phenomenon in the second half of the twentieth century in Mexico.

Resumo Este artigo traça um panorama do estado da genética e do conhecimento biomédico no México durante a segunda metade do século XX, assim como seu impacto na representação visual de grupos humanos e hierarquias raciais, baseado em estudos sociais da imagem e visualização cientifica e de seus métodos e conceitos teóricos. Também aborda a genealogia e as mudanças nos conceitos de raça e racismo nos corpos mexicanos, que resultaram na nova cultura visual fruto do conhecimento genético, interligando-se ao fenômeno do racismo na segunda metade do século XX no México.
Descritores: Grupos de Populações Continentais/genética
Evolução Biológica
Genética Médica/história
Ilustração Médica/história
-Internacionalidade/história
Racismo/história
México
Limites: Humanos
História do Século XIX
História do Século XX
Tipo de Publ: Artigo Histórico
Responsável: BR1.1 - BIREME



página 1 de 32 ir para página                         
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde